quarta-feira, dezembro 7, 2022

Saab RBS 70NG

Desenvolvimento de versão armada do Nauru 1000C, adquirido pelo EB

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A XMOBOTS, fabricante do drone Nauru 1000C, do qual o Exército Brasileiro adquiriu 3 unidades, informou a assinatura de um Memorando de Entendimento com a empresa europeia MBDA, fabricante do míssil Enforcer.

O objetivo é o desenvolvimento de versão armada do Nauru 1000C, dotada do míssil leve da MBDA.

Clique no primeiro link abaixo para saber mais detalhes no site Poder Aéreo, e no segundo para ver matéria de dezembro passado sobre a aquisição  do Nauru 1000C pelo EB:

- Advertisement -

21 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Oráculo
Oráculo
6 meses atrás

Aleluia!!!
Nem acredito que estou lendo essa notícia.
É bom demais pra ser verdade.

Rogério Loureiro Dhiério
Rogério Loureiro Dhiério
Reply to  Oráculo
6 meses atrás

Me dê um tapa na cara e um soco no estomago usando Soco Inglês por favor..

Mafix
Mafix
Reply to  Oráculo
6 meses atrás

Rapaz o problema que nosso exercito compra coisas de outros paises e daqui compra muito pouco é complicado ….

Tomcat4,3
Reply to  Oráculo
6 meses atrás

Ai será bacana aproveitar e fazer a integração nos Fennec’s/Esquilos tbm.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Tomcat4,3
6 meses atrás

Tomcat, o acordo é entre a XMOBOTS e a MBDA para futuramente integrar o míssil em seu drone.

Não foi um memorando assinado com o EB, que comprou 3 drones da empresa no ano passado e deverá começar a operar neste ano.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
6 meses atrás

Enfim uma notícia boa para compensar a modernização do Cascavel.
Esse é um produto para o presente e futuro, no qual vale a pena investir.
Espero que realmente saia do papel a versão armadas e nossas Forças comprem muitas unidades.

RDX
RDX
6 meses atrás

Muito bom para ser verdade. Reparem que a iniciativa é dos fabricantes. Além disso, existe um detalhe que pouca gente conhece. A doutrina do EB não prevê o emprego de drones armados (UCAV).

Last edited 6 meses atrás by RDX
Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  RDX
6 meses atrás

A doutrina do EB não só pode como deve mudar para que esteja de acordo com os cenários de guerra atuais.

Furacão 2000
Furacão 2000
6 meses atrás

Olha, realmente eu ainda não acredito! EB, adquirindo vant armado, só vou acreditar quando estiverem decolando em Anápolis.
Será que finalmente as táticas modernas passarão à ser usadas nas FFAA BR?
Vamos torcer para que se concretize.

horatio nelson zhirinovsky
horatio nelson zhirinovsky
Reply to  Furacão 2000
6 meses atrás

o eb não tem presença em anapolis…

Foxtrot
Foxtrot
6 meses atrás

Excelente notícia .
Porém fico preocupado com essas aproximações de indústrias estrangeiras com as nacionais.
Se for realmente só cooperação sem venda da empresa nacional é muito bem vinda.
Mas caso contrário é ruim.
Quanto ao Naurú 1000, acho que uma configuração dos motores rotativos tipo o Osprey seria mais interessante.
Que venha o Tupã-300, Falcão/Avibras, Atobá/ Stella (e outro da Stella de maior alcance e altitude já anunciado).
O míssil só pesa 7kg, uma aeronave tipo o Falcão poderia levar um verdadeiro arsenal.
Que venha um míssil nacional para drones.

horatio nelson zhirinovsky
horatio nelson zhirinovsky
6 meses atrás

até que em fim uma noticia boa!

Henrique
Henrique
6 meses atrás

Notícia interessante. Será que finalmente nos demos conta que modernizar e implementar novos meios é o único caminho?
Pelo que estamos vendo na Ucrania, com drones militares modernos e civis adaptados para enfrentar o inimigo fazendo uma enorme diferença no cenário de combate, esse é de fato o caminho que o Brasil precisar seguir.

AT4
AT4
6 meses atrás

Calma! É apenas um memorando de entendimento entre indústrias… O EB comprar drone armado é pra 2050.

carvalho2008
carvalho2008
6 meses atrás
  • 100% nacional, blindado contra embargos
  • eletrico com baixissima assinatura IR
  • Munição de 1a MDBA

Possibilitará um salto ao Brasil neste nicho de equipamento. A MBDA não faz contrato assim com qualquer um não….o bichinho deve ser bom mesmo.

Mafix
Mafix
Reply to  carvalho2008
6 meses atrás

Ele tem um motor a combustão alem dos eletricos…

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  carvalho2008
6 meses atrás

Carvalho, só um reparo: Os motores elétricos são para decolagem e pouso verticais. A propulsão principal é por motor a combustão. Uma versão certificada para uso em ambiente marítimo seria uma boa ideia, não acha? Se for facilmente montável, poderia ser usado nos convoos dos 3 navios-patrulha oceânicos e em plataformas a princípio fáceis de instalar nos 3 navios de apoio oceânico da MB, pra começar. E também em corvetas, fragatas, no Bahia, no Atlântico, Saboia e Mattoso. Acho bem mais interessante que o Scan Eagle, ainda que este seja mais compacto (este poderia ser usado nos NPa 500, se… Read more »

Last edited 6 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
paulop
paulop
6 meses atrás

Tá aí uma notícia digna de ser comemorada. Fico imaginando esse veículo, em função de aquisição de alvos na artilharia de campanha. Além de identificar alvos a serem batidos, a plataforma já poderia atacar postos C3 com esse míssil, ou outros alvos significativos.
Tomara que ande esse projeto.
Abraços.

Last edited 6 meses atrás by paulop
Nonato
Nonato
6 meses atrás

Uma observação. Esse conjunto não equivale aos usados na Ucrânia. Esse míssil não é para destruir tanques. E o drone parece ter alcance de apenas 30 km É util, moderno, banco custo Mas atende a missões de vigilância e ataque de alvos leves próximos. Claro que além dos MBTs existem vários outros alvos cuja destruição é importante. Mas ainda precisaremos de algo mais. Missil mais poderoso e vant com maior alcance, “fora do alcance visual” e mais apenas para o inimigo que está ao seu lado e já pode lhe atingiram com artilharia. Não é uma crítica. É um acréscimo.… Read more »

Last edited 6 meses atrás by Nonato
Tomcat4,3
6 meses atrás

Excelente notícia !!!
Em pensar que poderíamos já ter e estar em uma versão mais moderna de nosso próprio míssil se não tivéssemos abortado o Fog MPM (se não me engano, da Avibras).

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
6 meses atrás

O que acontece, pelo menos pelo que noto sobre a guerra na Europa, é que drones munidos de misseis anti-tanques estão causando um estrago nas colunas blindadas, tanto russas quanto ucranianas…

Últimas Notícias

Perdido em mentiras: acompanhando as reivindicações da propaganda russa

Por Stijn Mitzer e Joost Oliemans (*) Poucos países usaram a desinformação como arma na medida em que a Rússia...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -