segunda-feira, novembro 28, 2022

Saab RBS 70NG

Ucrânia e Primeira Guerra Mundial

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Por Michael S. Neiberg (*)

É uma sensação surreal e enervante ser um historiador das guerras da Europa e assistir a uma guerra na Europa se desenrolar diante de seus olhos. Como profissão, os historiadores tendem a compartilhar duas características em momentos como esses. Primeiro, ficamos frustrados com as analogias históricas fáceis ou simplesmente imprecisas que os especialistas usam para fazer um ponto político em vez de iluminar o problema atual. Em segundo lugar, tentamos acima de tudo não fazer previsões. Como o grande historiador britânico Sir Michael Howard escreveu: “Os historiadores viram muitas pessoas confiantes caírem de cara no chão para se exporem a mais humilhação do que podem evitar”.

As últimas semanas me fizeram lembrar o que o historiador RG Collingwood disse, notadamente em 1939, sobre o papel dos historiadores em tempos de crise. Ele comparou historiadores a lenhadores experientes andando por uma floresta ao lado de caminhantes novatos. O historiador, ele escreveu, não pode ver através da floresta perfeitamente, mas, como o lenhador, ele ou ela pode identificar áreas de perigo ou ameaça à espreita onde o caminhante vê apenas árvores.

Os historiadores tentam olhar para trás em busca de um pouco de sabedoria e talvez alguns ecos do passado que possam sugerir para onde poderemos estar indo em breve. Durante anos, tenho dito aos alunos que não devemos confinar as pessoas de 1914 ao que às vezes chamo de “A Caixa do Idiota”. Nossa resposta instintiva de ver as pessoas daquele ano fatídico como incomumente estúpidas ou sanguinárias nos dá o conforto de que somos inteligentes ou sofisticados demais para cometer os erros que eles cometeram. Mas, claro, não somos.

Da mesma forma, nos últimos vinte anos, tentei convencer centenas de professores do ensino médio a abandonar o método MAIN (Militarismo, Alianças, Imperialismo e Nacionalismo) para ensinar as causas da Primeira Guerra Mundial porque também fornece falsos conforto. Se pudermos nos convencer de que esses quatro fatores PRINCIPAIS não existem mais ou não são mais um perigo existencial para a paz, então podemos dormir à noite acreditando que os horrores desencadeados em 1914 realmente não têm nada a nos ensinar.

Enquanto estou sentado aqui assistindo à guerra russa contra a Ucrânia, porém, estou mais convencido do que nunca de que 1914 tem muito a nos ensinar. Na verdade, pode fornecer o melhor guia que temos para onde estamos agora e para onde podemos ir no futuro.

Primeiro, essa guerra, como a que começou em 1914, parecia surgir do nada e causava dificuldades até mesmo para especialistas identificarem. Houve pouca tensão internacional nas semanas entre o fuzilamento do arquiduque Franz Ferdinand em 28 de junho e o ultimato austro-húngaro em 23 de julho. Então os eventos começaram a sair do controle muito rapidamente, deixando as pessoas atordoadas e confusas. Em uma semana, uma guerra continental e imperial havia começado, para espanto de quase todos. Da mesma forma, a invasão russa da Ucrânia parecia surgir do nada, lembrando as observações de pessoas em 1914 que descreveram a guerra como um relâmpago em um céu claro. Assim como em 1914, aqueles no Ocidente de hoje concluíram que a única explicação possível para uma violação tão insondável da paz deve ser que um líder perturbado estava levando um povo relutante à guerra com base em mentiras, enganos e um controle quase total do poder dentro de seu estado. Por outro lado, o Presidente Zelensky desempenha o papel de Rei Albert I , liderando corajosamente seu povo contra todas as probabilidades, e colocando um rosto humano em um movimento nacional de resistência.

Em segundo lugar, a simpatia imediata e sincera do Ocidente pelos bravos ucranianos se assemelha à intensa manifestação de simpatia do Reino Unido e dos Estados Unidos pela Bélgica em 1914. A preocupação com a situação dos belgas não explica por que os britânicos entraram na guerra, mas o profundo sentimento de apoio à Bélgica ajudou a cristalizar uma sensação tanto na Grã-Bretanha quanto nos Estados Unidos de que um lado estava claramente certo e o outro claramente errado. O bombardeio russo de hospitais e shoppings e a destruição de Mariupol produziram esse mesmo sentido em 2022. Como em 1914, esse sentimento de apoio trará consigo (de fato, já trouxe consigo ) um desejo de justiça para as vítimas de agressão que pode complicar a obtenção de um acordo de paz.

Terceiro, já podemos ver o problema relacionado dos custos irrecuperáveis. Os homens e mulheres incrivelmente corajosos que morreram para defender a Ucrânia, as famílias que fugiram de suas casas e o sentimento de unidade e patriotismo que a guerra gerou não podem ter sido em vão. A Ucrânia e seus apoiadores vão querer garantir que o país saia dessa guerra em um lugar melhor e mais seguro do que quando a Rússia invadiu. Esse desejo já levou a pedidos de garantia de segurança por parte dos estados ocidentais, adesão à União Europeia e demanda por reparações ou julgamentos de crimes de guerra. Todos esses fatores também complicaram o processo de pacificação em 1918-1919.

Quarto, talvez já tenhamos chegado ao ponto em que simplesmente não há nada para debater nesta guerra. Como em 1914, a retórica rapidamente se transformou em um direito maniqueísta versus errado, bem versus mal. As guerras podem rapidamente se tornar algo muito diferente de suas causas originais. Esta guerra já não é realmente sobre o futuro do Donbas ou se a Ucrânia pode aderir à União Europeia ou à OTAN, mais do que no final de 1914 a Primeira Guerra Mundial foi sobre a agitação sérvia dentro do Império Austro-Húngaro ou quem foi o responsável pelo assassinato de um arquiduque. As bandeiras ucranianas que se veem em todos os lugares, a emoção nas redes sociais e os acontecimentos extraordinários na Europa nas últimas semanas sugerem que a guerra na Ucrânia já se tornou, como Sir Hew Strachan escreveu sobre 1914, uma guerra de grandes ideias. Já é uma espécie de prisma, refletindo e refratando qualquer cor que se queira ver nele.

Juntos, parece-me que esses quatro fatores tornam muito mais difícil para nós negociar uma paz do que poderia ter sido apenas algumas semanas antes. Como em 1914, não há um fim claro à vista. Falar de “estratégia de saída” e “jogos finais” parece tão ingênuo agora quanto naquela época. Mesmo que Mariupol desapareça da memória, como fez parte da simpatia pela Bélgica, o problema central permanecerá. Como os dois lados podem encontrar a paz se o conflito assume significados cada vez mais profundos e simbólicos, não apenas para a Rússia e a Ucrânia, mas para o mundo inteiro?

No final de setembro de 1914, a artista alemã Käthe Kollwitz escreveu uma carta na qual apreendeu o enigma-chave da guerra: “Não se pode mais manter ilusões. Nada é real a não ser o pavor desse estado, ao qual quase nos acostumamos. Em tais momentos parece tão estúpido que os meninos devem ir para a guerra. A coisa toda é tão medonha e insana. Ocasionalmente vem o pensamento tolo: como eles podem participar de tal loucura? Mas eles devem! Eles devem!” Mesmo que ela odiasse a guerra e logo perderia um filho para isso, ela percebeu, mesmo nas primeiras semanas da guerra, que a Alemanha tinha ido longe demais para recuar. Esse mesmo enigma permanece conosco hoje, tornando difícil ver como qualquer negociação de paz pode produzir algo parecido com a estabilidade do período anterior à invasão russa.

“Como os dois lados podem encontrar a paz se o conflito assume significados cada vez mais profundos e simbólicos, não apenas para a Rússia e a Ucrânia, mas para o mundo inteiro?”

Há alguns ecos mais assustadores de 1914 que devemos ouvir, mesmo quando esperamos que eles nunca aconteçam. As guerras têm um “efeito de contágio”, atraindo outros estados porque esperam ganhar algo ou porque não veem mais a neutralidade como uma opção viável. Por quanto tempo mais os estados ao oeste e ao norte da Ucrânia podem permanecer não beligerantes enquanto continuam a fornecer e apoiar a Ucrânia? Se os russos afundarem um navio com munições americanas, chegaremos ao caso do Lusitânia ? Se eles cometerem um ato de sabotagem ou guerra cibernética em nosso solo, estaremos em um momento Black Tom ? É ultrajante pensar que eles podem tentar trabalhar com Cuba ou Venezuela para pressionar a própria pátria americana, assim como os alemães tentaram fazer com oTelegrama Zimmermann ?

É claro que não estou prevendo que qualquer um desses cenários aterrorizantes venha a acontecer. Os historiadores falham com a mesma frequência que qualquer outra pessoa quando tentam prever. Mas, como disse Collingwood, os historiadores prestam seu melhor serviço quando lembram aos viajantes inexperientes que as florestas contêm muito mais perigos do que se pode ver a olho nu.

(*) Michael S. Neiberg é Professor de História e Presidente de Estudos de Guerra na Faculdade de Guerra do Exército dos Estados Unidos em Carlisle, Pensilvânia. As opiniões expressas neste artigo não representam necessariamente as opiniões do Army War College, do Departamento de Defesa ou de qualquer agência do governo dos Estados Unidos.

FONTE: The National WWI Museum and Memorial

- Advertisement -

21 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mensageiro
Mensageiro
5 meses atrás

Nunca foi tão fácil escolher um lado. Democracia e liberdade x Cleptocracia e autoritarismo; invadido x atacante; Luz x Trevas; Heroi x Bandido;

Camillo Abinader
Camillo Abinader
Reply to  Mensageiro
5 meses atrás

Pelo que eu sei o Brasil e América Latina não são aceitos do lado chamado Ocidente…rsrs
Vou falar uma coisa, dá muita pena daqui, do Brasil…

Guilherme Leite
Guilherme Leite
Reply to  Camillo Abinader
5 meses atrás

Deve ser porque temos uma democracia frágil, mas ainda sim, ainda temos liberdade de imprensa e não se todo dia alguém morrendo envenenado.

Donald
Reply to  Camillo Abinader
5 meses atrás

Somos a parte do Ocidente mais fraca. Mais Somos Ocidentais e por isso não podemos trair a irmadande Ocidental nunca.

Camillo Abinader
Camillo Abinader
Reply to  Donald
5 meses atrás

O Ocidente define a si mesmo como :
Europa
EUA
Canadá
Austrália
Nova Zelândia
Muitos brasileiros adorariam ser Ocidentais, mas não são, é apenas a vontade sem poder ser, só isso, não querem aceitar que são latinos-americanos e ficam nesse comportamento cômico querendo se considerar ocidentais, só isso.

Caerthal
Caerthal
Reply to  Donald
5 meses atrás

Tolinho. Espere para ver o Irmandade Ocidental promovendo suas agendas aqui e intervindo na Amazônia.

Machado
Machado
Reply to  Camillo Abinader
5 meses atrás

Sim isso mesmo. Isso que esses alienados não enxergam e defenderem nossos verdadeiros algozes.

Camillo Abinader
Camillo Abinader
Reply to  Mensageiro
5 meses atrás

É uma piada, contada no mundo inteiro, o mundo inteiro sabe essa situação do Brasil em relação ao Ocidente, todo mundo sabe, tem que encarar e aceitar, todo mundo sabe…

Rodrigo Maçolla
Reply to  Camillo Abinader
5 meses atrás

ué Camillo desculpe mais o que isso tem a ver com a “Ucrania e a 1º guerra mundial” ?

Emerson
Reply to  Rodrigo Maçolla
5 meses atrás

Pois é, depois do primeiro comentário o assunto se perdeu, uma baita matéria desperdiçada e despedaçada (como a maioria delas).

Caerthal
Caerthal
Reply to  Emerson
5 meses atrás

A guerra cria a sua própria dinâmica, irrefreável e selvagem. Os tolos no joguinho de certo e errado.

Madmax
Madmax
5 meses atrás

Severodonestk caiu, foi ordenado o abandono da cidade, forças ucranianas se reagrupando em Lysychansk.

Jacinto
Jacinto
5 meses atrás

 As expressões “fora das rampas” e “jogos finais” são traduções de “off-ramp” e “endgame”, respectivamente. Mas, acredito que uma tradução melhor para o português de” off-ramp” seria “desescalar”. “Endgame” realmente não tem uma tradução boa, mas acho que no contexto, uma tradução melhor serIa “resultados”.

Ronald
Ronald
5 meses atrás

A grande semelhança é o uso massivo de trincheiras pelos ucranianos.
Locais onde estão morrendo aos milhares, como na 1a GM

Jacinto
Jacinto
Reply to  Ronald
5 meses atrás

Se for pensar assim, rememore a) que no começo da 1ª Guerra, com o Plano Schlieffen, os alemães acreditavam em uma vitória rápida sobre a Bélgica e a França; b) e que os franceses e aliados começaram a cavar trincheiras justamente para reduzir o ritmo da invasão, o que a transformou numa guerra de atrito em que o avanço pelo terreno era muito lento e c) que após passar quase 4 anos no terreno invadido, o invasor foi derrotada.

David
David
Reply to  Jacinto
5 meses atrás

Naquela época não tinham drones nem munição guiada, né?

Jacinto
Jacinto
Reply to  David
5 meses atrás

Mas tinham muito mais munição. No primeiro dia da batalha de Verdun, o exército alemão disparou 1 milhões de projeteis de artilharia numa área de 30km x 5km. O que lhe parece mais mortal?

L G
L G
5 meses atrás

Matéria muito boa. Na guerra a verdade desaparece. Todos os lados tem razão. Infelizmente haverá uma terceira G mundial nuclear. O hemisfério norte será destruído. Os sobreviventes escutarao histórias de que existe um quinto império de Daniel no Brasil. O Brasil receberá todos os refugiados que aqui conseguirem chegar. E enviará alimentos para o hemisfério norte. Professias do padre Antônio Vieira que viveu no Brasil nós anos de 1600. Vamos estudar e aguardar pessoal.

André K
André K
Reply to  L G
5 meses atrás

Se o hemisfério norte for destruído, nós iremos junto por conta da poeira nuclear e escurecimento da atmosfera. É melhor já nos suicidarmos ou devemos aguardar mais o desenrolar das coisas?

Últimas Notícias

Imagens de uma guerra: míssil anticarro erra o alvo por pouco

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um ATGM russo passando sobre um carro de combate ucraniano. A...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -