sexta-feira, agosto 19, 2022

Saab RBS 70NG

Aviso de lançamento de RFP do Projeto de Obtenção da VBC CAV – MSR 8X8 do Exército Brasileiro

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO

Publicado em: 06/07/2022 | Edição: 126 | Seção: 3 | Página: 22

Órgão: Ministério da Defesa/Comando do Exército/Comando Logístico

AVISO

LANÇAMENTO DE REQUEST FOR PROPOSAL (RFP) DO PROJETO DE OBTENÇÃO DA VIATURA BLINDADA DE COMBATE DE CAVALARIA MÉDIA SOBRE RODAS 8X8 (VBC CAV – MSR 8X8), PARA O EXÉRCITO BRASILEIRO.

O Exército Brasileiro, por meio do Comando Logístico (COLOG)/Diretoria de Material (DMat), lançará no próximo dia 20 de julho de 2022, o Request For Proposal (RFP), visando obter a melhor proposta para adquirir, por contratação direta, o seguinte objeto: Viatura Blindada de Combate de Cavalaria Média Sobre Rodas 8X8 (VBC Cav – MSR 8X8). Para participar do processo de RFP, basta seguir as orientações que se encontrarão no documento Request For Proposal (RFP) – COLOG nº 01/2022 e seus anexos, que estarão disponíveis para download no seguinte endereço eletrônico: http://portalvbccav.eb.mil.br.

No dia 20 de julho de 2022, haverá representante da Diretoria de Material no período de 9 às 12 hs e de 13 às 17 hs em condições de retirar eventuais dúvidas acerca do processo, bem como disponibilizar, se necessário, o Request For Proposal (RFP) – COLOG nº 01/2022 e seus anexos, em modelo digital. Endereço: Avenida do Exército, Setor Militar Urbano, Brasília – DF – CEP 70630-000 – PORTARIA NORTE do Quartel General do Exército, na sala de recepção da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC). DATA DA ASSINATURA: 04/07/2022

HÉLIO DIAS DE ARAUJO – CEL
Chefe da Divisão de Aquisições, Licitações e Contratos do Centro de Obtenções do Exército/COLOG

- Advertisement -

96 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

96 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
1 mês atrás

caros editores, favor corrigir o link do portal…
segue

“http://portal-vbccav.eb.mil.br/”

Alexandre Galante
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
1 mês atrás

Muito obrigado!

Last edited 1 mês atrás by Alexandre Galante
Henrique de Freitas
Henrique de Freitas
1 mês atrás

Legal! Eu acredito muito no Centauro II.

Carlos
Carlos
Reply to  Henrique de Freitas
1 mês atrás

A única Critica é a quantidade desse Blindado que poderia ser maior , devido o tamanho do Nosso Brasil .

Grifon
Grifon
Reply to  Carlos
1 mês atrás

Serão 221 blindados 8×8, eles atuarão junto com os 201 blindados Cascavel 6×6 modernizados.

No total serão 422 blindados anti-tanque. Os blindados Cascavel modernizados ficarão em operação até 2037, podendo se estender até 2041.

Gerson Carvalho
Gerson Carvalho
Reply to  Henrique de Freitas
1 mês atrás

Os caras compraram 2 mil Guarani, depois fizeram uma trapalhada e reduziram para 1500 unidades, sem redução do valor, devido a transferência de tecnologia. E agora querem comprar mais viaturas de transporte…. É muito viagra pra ser transportado kkkkk

Se alguém tem duvida sobre a redução dos Guarani, procura que acha!!

Pedro Fullback
Pedro Fullback
1 mês atrás

Lamentável como estão abandonando o projeto Guarani. O novo blindado cavalaria era para ter uma considerável compartilhamentos de peças e equipamentos para aumentar a escala de componentes. a IVECO não quer desenvolver um novo produto para ter um novo concorrente, o blindado chinês e a finlandesa não têm componentes do Guarani.

FERNANDO
FERNANDO
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás
Brazil my friend.
Agnelo
Agnelo
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Prezado
O Projeto Guarani aborda 3 + 1 plataformas.

  • 3: 4×4 q escolheram o Lince.

6×6 q é o Guarani
8×8 q é a concorrência q está sendo lançada.
Acredito q o carro no qual a IVECO tiver participação, poderá ser o escolhido.

  • +1: Vtr Art 155 AP SR. Qual será?
tsung
tsung
Reply to  Agnelo
1 mês atrás

acredito que poder ser o pandur 2

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Agnelo
1 mês atrás

No início, falava-se em uma versão 8×8 do Guarani, em sentido estrito.
Pela pequena quantidade, acho correta a decisão do EB de comprar o 8×8 de prateleira.
Por outro lado, pensei que o Guarani 6×6 porta-morteiro sairia antes do 8×8. Mas há algum tempo não vejo novidades a respeito.

Sensato
Sensato
Reply to  Rafael Oliveira
1 mês atrás

Acho correta a decisão de não desenvolver novo produto já que a Iveco mesma está em dois produtos concorrentes, o Centauro e o Super AV. Só acho que deveríamos negociar a produção em solo nacional, mesmo que seja em CKD.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Não encaixa nas capacidades orçamentárias um projeto novo ou ter que homologar sistemas para o que já existe, o e.b busca um produto consolidado no mercado.

Financeiramente é uma atitude correta ao meu ponto de vista.

Pedro Fullback
Pedro Fullback
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
1 mês atrás

Financeiramente, mas de ponto de vista de soberania, não. Muitas das vezes, o barato sai caro.

João Augusto
João Augusto
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
1 mês atrás

Quando você fala isso afirma considerando os retornos tributários do investimento em P&D? Digo isso porque a compra de prateleira é só dinheiro saindo, ao passo que o desenvolvimento e produção aqui trazem retorno aos confres públicos…

Snake
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk cara de Deus, kkkkkkkkkkkkk mano cada dia que passa eu fico mais impressionado com os comentários aquikkkkkkkkkkkk sério mesmo, só uma pergunta meu amigo, vcs dormem e sonham com esses comentários? Porque não é possível, projeto Guarani abandonado? Com mil e lá vai cassetada de encomendar tá abandonado, deve tá de zueira só pode kkkkkkkk

Pedro Fullback
Pedro Fullback
Reply to  Snake
1 mês atrás

Prezado, Snake. O lote inicial do Guarani era de 2.044, hoje se fala em 1.022. E amanhã?

Quando eu digo o projeto Guarani, não é só o modelo 6×6, mas também as versões que poderiam ter sido desenvolvidas através do Guarani.

Assim como o Stryker, que tem várias configurações, poderiam fazer com o Guarani.

Já pensou: Blindado 6×6 italiano, VBC CAV chinês, nosso futuro 8×8 finlandês ?

Pedro Fullback
Pedro Fullback
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Completando: Precisamos ter componentes comuns nos nossos blindados, para ter escalas e aumentar a indústria nacional e a soberania nacional.

tsung
tsung
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

por esse lado eu ate concordo que vc diz, mas qual componente que o EB sabe fazer?

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  tsung
1 mês atrás

Prezado, o EB não é empresa e não tem mesmo que saber fabricar nenhum componente. O importante é que a produção se dê por pessoal brasileiro, em território nacional, caso o projeto seja viável. E sim, o Guarani era um projeto viável de se ter um esforço pela nacionalização de componentes o quanto possível. Não atoa se previu mais de 2000 unidades, entre as variantes que se pensou para o carro. Não atoa se contratou uma empresa com uma fábrica enorme em território nacional.

luciano santos
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

perfeito .isso sem falar na logistica de peças.

Lucas braga
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

século 21 moderno de Guarani 8×8 futuro digital com eletrônica servidores ?

Matheus
Matheus
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Pra que gastar mais fazendo algo do zero, sendo que o Centauro já existe e aborda literalmente todos os requisitos que o EB quer?

Pedro Fullback
Pedro Fullback
Reply to  Matheus
1 mês atrás

Por conta da soberania nacional. Quanto menos você depende do exterior, mais soberania seu país terá. E além disso, precisamos ter a nossa indústria de defesa. Pra que comprar um Embraer ERJ-145 e converter para um AEW&C, se você tem um Bombadier que têm mais autonomia de voo?

Welington S.
Welington S.
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Falar sobre soberania nacional é compreensível, mas vale lembrar que até mesmo os States acaba sendo dependente de alguma coisa do exterior. É assim que as coisas funcionam.

Sensato
Sensato
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Penso que esse é o acerto deles e de outros países que seguiram caminho parecido. Você pode comprar de fora mas o cara tem que fabricar no teu país, junto com alguma empresa nacional.

Luís Henrique
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Mas quando os militares pedem 2% do PIB para a Defesa ou 2,5% do PIB o pessoal aqui do blog, em sua maioria, são contra. Com o orçamento atual o EB está pretendendo 98 VBC CAV, isso é quantidade suficiente para produzir um blindado 100% nacional? Quais empresas gastariam fortunas para desenvolver um blindado do zero para depois fechar um contrato para 98 unidades? O que as forças armadas têm feito nos últimos anos é exigir a produção de equipamentos no país, não com 100% mas com aquilo que é possível levando em conta a capacidade de nossa BID e… Read more »

Eduardo
Eduardo
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

98 unidades hoje né? E amanhã? 68? É, pois é…

Tem é que comprar essa mizaria de prateleira que é mais barato e zé-fi-ni.

Jair
Reply to  Matheus
1 mês atrás

além de tudo, não adianta utopia, não tem dinheiro. Sem dinheiro é o q dá pra fazer. Bom seria projetar, desenvolver e construir localmente, mas no nosso caso é só um sonho… e um sonho distante.

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  Jair
1 mês atrás

Não, não é um sonho distante. O atual governo, apesar da pandemia, da crise mundial oriunda do fique em casa oportunista e da alta geral dos preços ao redor do planeta, conseguiu dar continuidade à muitas obras inacabadas que haviam sido iniciadas no governo petista para a Copa do Mundo de 2014 e muitas não estavam concluídas nem a metade. Com grande parte dos recursos bem aplicados no combate à pandemia e na conclusão das obras inacabadas, mesmo com ótimos resultados na economia, melhores que das economias maiores que a nossa, é natural que não sobre para realizar compras de… Read more »

Wilson França
Wilson França
Reply to  Cristiano GR
1 mês atrás

Horário de propaganda eleitoral gratuita. Kkkk

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

quem não quer desenvolver é o Brasil.

Astolfo
Astolfo
Reply to  Pedro Fullback
1 mês atrás

Já existe o Guarani 8×8, e se chama superav

GFC_RJ
GFC_RJ
1 mês atrás

Eu adoro as torcidas de olimpíadas de escola…
– Ê ô! Ê ô! O Centauro é o terror!
– Uh! Norinco! Uh! Norinco!
– Ô lê lê! Ô lá lá! O Patria vem aí e o bicho vai pegar!
– Eh eh! Eh eh eh eh EH! Eh eh eh eh EH! Eh Eh Eh BOXER!!!

Digo
Digo
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Desses ai, o mais parrudo é o Boxer, sem duvidas. Mas também é o mais caro.

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Digo
1 mês atrás

Porque o Striker 8×8 não entrou na concorrência ? Ou entrou ?

Luís Henrique
Reply to  Nelson Junior
1 mês atrás

O Striker com canhão de 105 mm é o M1128 MGS e é baseado no LAV 3.
Depois do LAV 3 a General Dynamics desenvolveu o LAV 6 e depois do LAV 6 ela desenvolveu o LAV 700.
A General Dynamics resolveu oferecer o LAV 700 AG com canhão de 105 mm que foi comprado pela Arábia Saudita. É uma evolução, é maior, mais pesado, melhor blindagem, mais moderno.

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

Mas o Striker tem outras versões, inclusive SHORAD e não lembro de ter visto o LAV 700 assim… Talvez uma plataforma mas antiga (striker) seria mas barata, mas ainda assim atenderia os requisitos do EB… É que a plataforma do LAV 700 parece muito diferente, já a do Striker acho mas parecida com a do Centauro por exemplo…
De qualquer forma agradeço o esclarecimento

L G
L G
1 mês atrás

A IMBEL informou que tem tecnologia e condições de produzir no Brasil o cascavel 2 , 100% nacional, totalmente modernizados e podendo carregar 2 mísseis antitanque nacional. Novos de fabrica. Por um preço 10 vezes menor. Motor nacional. Canhão nacional. Etc. Vamos estudar pessoal. Se comprar 100 Centauro, daria para comprar 1000 cascavel 2. Na G da Ucrânia ficou claro que o que vale e quantidade. Qualquer um dos dois e facilmente destruído por armas anticarros e por aviões ou helicóptero sem contar os drones.

Luís Henrique
Reply to  L G
1 mês atrás

Poderia compartilhar o link da matéria que fala sobre o Cascavel 2 da Imbel?

Zoehler
Zoehler
Reply to  L G
1 mês atrás

A Imbel não entrega nem as “armas de mão” direito. Ta doido em confiar neles.

Bueno
Bueno
Reply to  Zoehler
1 mês atrás

kkkkk

Eduardo
Eduardo
Reply to  Zoehler
1 mês atrás

Sim, suas pistolas tem péssimo acabamento e são pesadas pra caramba. Além de grandes. Na prática são uma porcaria.

Sensato
Sensato
Reply to  Eduardo
1 mês atrás

Muita gente discorda de você, inclusive a Springfield.

Sensato
Sensato
Reply to  Zoehler
1 mês atrás

O maior problema da Imbel são as amarras que as leis arcaicas impõe pra ela. Se a soltassem, poderia render bem mais para o país.

L G
L G
Reply to  L G
1 mês atrás
L G
L G
Reply to  L G
1 mês atrás

Cascavel 2 barato 100% nacional pode ser produzido ao milhares em caso de guerra nas fábricas da Fiat GM etc. Vamos estudar pessoal.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  L G
1 mês atrás

Pare de inventar mentira.
Até a Imbel sabe que não consegue produzir um blindado, muito menos mísseis e ainda mais num valor tão baixo.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  L G
1 mês atrás

Legal, fera.
Que mal lhe pergunte, se, supostamente, temos condicções de fabricar esse suposto Cascavel 2 (???) armado com míssil antitanque nacional (???) em caso de suposta guerra (???), supostamente 100% nacional, porque diabos não aproveitamos pra fazer isso hoje?
“Vamos estudar e aguadar pessoal”.

MMerlin
MMerlin
Reply to  L G
1 mês atrás

Projetar e produzir pode até conseguir, mas planejar a comercialização do produto sem depender exclusivamente das compras nacionais, é outra história.
Não existe, hoje, margem no orçamento do MD para ficar carregando as empresas, sejam públicas ou privadas, nas costas

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  L G
1 mês atrás

acorda pra vida, isso é mentira da IMBEL. ou quem quer que tenha dito isso

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
1 mês atrás

Legal isso ai

Varg
Varg
1 mês atrás

Será que finalmente veremos um vetor com canhão de 120mm no EB?

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Varg
1 mês atrás

Não sei porque, mas acho que vão de 105mm

Eduardo
Eduardo
Reply to  Nelson Junior
1 mês atrás

Idem.

Maurício Veiga
Maurício Veiga
1 mês atrás

O Centauro é o favorito com certeza, porém as aquisições deverão ocorrer a curto prazo ou o projeto corre o risco de ser cancelado por razões políticas e orçamentárias a exemplo de outros…

Gabriel ferraz
Gabriel ferraz
1 mês atrás

Quem fala em centauro 2 no EB tem quem tá muito louco ou viajando em narnia, se toquem caros, o EB não tem grana pra adquirir esse blindado.

Snake
Reply to  Gabriel ferraz
1 mês atrás

Vou tirar um print do seu comentário aqui, quando comprar pra eu postar aqui de novo

Felipe Morais
Felipe Morais
1 mês atrás

Esse era um projeto que eu torcia para sair como variante do Guarani. Mas, por algum motivo, isso não foi viável. Portanto resta torcer para o modelo italiano que, talvez, possa ao menos ter sua manutenção realizada em território nacional. Contudo, não vejo sentido nenhum em comprar o Centauro II sob o ponto de vista orçamentário. Não temos dinheiro para substituir nossos MBTs e vai selecionar um carro que é mais caro que a maior parte dos MBTs modernos? Esse é outro ponto que não entendo. Pq o Centauro 2 é tão caro assim. Mais de U$ 10 mi por… Read more »

Oráculo
Oráculo
Reply to  Felipe Morais
1 mês atrás

O Centauro Otan é caro.
O que vamos comprar é uma versão BR
E montado aqui na fábrica da Iveco.

Aposto em 70% do preço.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Felipe Morais
1 mês atrás

Felipe, tem que ver os valores atuais dos MBTs, inclusive do Ariete, para tirar alguma conclusão sobre o Centauro II ser mais caro ou não. Valores passados, diante da inflação global, não se aplicam mais.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Felipe Morais
1 mês atrás

Acho que vai dar LAV 700 canadense , o preço é bom e a performance é satisfatória.

Luís Henrique
Reply to  Gabriel BR
1 mês atrás

O contrato com a Arábia Saudita foi de cerca de U$ 10 bi para 928 LAV 700, sendo 119 da versão AG com canhão de 105 mm, 119 de uma versão IFV com canhão de 30 mm e lançadores de mísseis anticarro e várias outras versões. O contrato inclui assistência, etc mas dividindo pelo número de blindados, temos cerca de U$ 10,77 Mi por blindado. Isso é preço bom? Acho que o único com preço bom deve ser o chinês. Na versão IFV com canhão de 30 mm e mísseis AC foi vendido para a Tailândia por U$ 1,69 mi… Read more »

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

As chances do chinês ganhar são mínimas, duvido que o LAV 700 seja mais caro que o centauro II .

Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Cristiano Salles (Taubaté-SP)
1 mês atrás

Sou a favor do Brasil se aproximar dos Israelenses, têm tecnologia e moral com equipamentos testados em guerra…, más nesse caso por a Iveco já está fabricando os Guaranis e o Centauro ser quase que um Guarani maior e a mesma empresa…, torço pelo Centauro…

Abraço a todos…

Fiquem com DEUS…>>>

Luís Henrique
Reply to  Cristiano Salles (Taubaté-SP)
1 mês atrás

Também acho. O Eitan parece ser muito bom. Os israelenses também devem conseguir preços competitivos, vide Merkava Mk4 que custa praticamente o mesmo que um MBT russo e bem mais barato que Abrams ou opções europeias.

Gabriel BR
Gabriel BR
1 mês atrás

Qualquer um dos concorrentes vai colocar o EB numa situação muito melhor que a de hoje

Gabriel BR
Gabriel BR
1 mês atrás

Eu escolheria pelo percentual de nacionalização de componentes críticos

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 mês atrás

Apenas uma pergunta:
O EB terá condições de manter esse programa de blindados 8X8 + o programa Guarani + aquele projeto da “nova couraça” pros Leopard + a modernização dos Cascavéis, ao mesmo tempo?

Oráculo
Oráculo
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

É como diz o ditado: “Passarinho que come pedra sabe o c# que tem”.

O EB deve saber o que está fazendo.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Oráculo
1 mês atrás

A MB, supostamente, tambem sabia o que estava fazendo quando resolveu fazer tocar, ao mesmo tempo, o PROSUB, PROSUPER, Subnuc, construção de Itaguaí e modernização do São Paulo, no começo dos anos 2000…
Mas ok, veremos. Foi apenas uma pergunta mesmo.

Last edited 1 mês atrás by Willber Rodrigues
Eduardo
Eduardo
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

E nem o Maracanã termina…

Juarez Martinez de Castro
Juarez Martinez de Castro
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Muito pertinente por sinal. Um sopro de lucidez em meio a viagens ao mundo faz de conta.

Juarez Martinez de Castro
Juarez Martinez de Castro
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Objetivamente, sob o aspecto financeiro, não.

Bardini
Bardini
1 mês atrás

Eu estive pensado em como reorganizar essa estrutura de reconhecimento, sem impactar tanto dentro das visões “tradicionalistas” do EB, que teima em sustentar esta velharia, herança da WWII. Isso, visando direcionar os recursos para o que realmente importa nesta estrutura, que é basicamente tudo, menos o VBC Cav 8×8… Mas ainda assim, contando com o VBC Cav 8×8. . Uma sugestão, seria reorganizar a estrutura da seguinte forma, como é visto na imagem em anexo. O VBC cav ficaria em uma unidade de apoio a manobra, visando explorar oportunidades, obter informação por força e etc. É complemento. A estrutura da… Read more »

Recce_Mod.jpg
Bardini
Bardini
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Veja que a estrutura proposta anteriormente, pode ser reorganizada para voltar a ser algo semelhante ao que se tem hoje, como exposto no anexo deste comentário. . No entanto, como anotei ali, no rascunho/rabisco mal feito de ppt: Substituir VBC Cav 8×8 por canhões de 30 x 173 mm para os blindados Guarani desta estrutura, torna o projeto de modernização da Força, muito mais realista. E é isso. Eu relamente não vejo vantagem em gastar um mundo de dinheiro para ter canhão 120 mm dentro desta estrurua, no nosso TO. Esta unidade recce teria poder de combate o suficiente para… Read more »

Recce_Mod_2.jpg
Last edited 1 mês atrás by Bardini
Luís Henrique
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Gostei das ideias. Muito bom.
Quem não tem muito dinheiro, tem que pensar fora da caixa mesmo.

Maurício Veiga
Maurício Veiga
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Acho esse modelo operacional muito limitado, principalmente quanto ao apoio de fogo a Infantaria.

Henrique
Henrique
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Dada as ameaças CC serem francamente bem limitadas no nosso TO, mesmo essa quantidade de viatura com mísseis AC é desnecessária.
Eu aumentaria o número de VBTP parar proporcionar mais massa de infantaria, que seria mais útil no nosso TO.

Bardini
Bardini
Reply to  Henrique
1 mês atrás

Faz muito sentido.

Bardini
Bardini
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Então, dentro dessa questão de modernização da estrutura vs dinheiro que existe no mundo real, ficaria algo nessa linha, sem Centauro e sem modernização sem pé nem cabeça de Cascavel.

Recce_Mod_3.jpg
Oráculo
Oráculo
Reply to  Bardini
1 mês atrás

É o que eu sempre digo.

Você pode até não concordar com o Bardini, e eu discordo que o Centauro não seja importante.

Porém ele tem um plano e argumentos que embasam sua visão estratégica.

Esse tipo de comentário enriquece a Trilogia.

E pensar que isso já foi comum aqui…

Gutierrez
Gutierrez
Reply to  Oráculo
1 mês atrás

Acompanho a trilogia há muitos anos e infelizmente está coberto de razão! Os comentários aqui eram via de regra mais enriquecedores que a própria matéria!

Welington S.
Welington S.
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Me pergunto se algum comandante do alto comando lê suas mensagens. No aero, lá, temos o Brigadeiro Baptista, que acompanha os comentários do pessoal. E aqui? Quem será que temos?

GeneralSofá
1 mês atrás

Só torço pra que não coloquem um ToT no meio

Sidnei Rodrigues de Pinho
Sidnei Rodrigues de Pinho
1 mês atrás

Qual é a capacidade estimada de militares na tripulação do blindado?

Tomcat4,4
1 mês atrás

Centauro II na cabeça e quem sabe a instalação de sua torre tbm nos Leo 1A5 em sua modernização padronizando o armamento. Sonhar ainda é grátis !!!rs

Juarez Martinez de Castro
Juarez Martinez de Castro
Reply to  Tomcat4,4
1 mês atrás

Siiiim, claro e o Power train tu vais tirar o motor atual, seus periféricos, transmissão, sistemas de arrefecimento e vai colocar o que mesmo???
Um Power Train de “Chevette tunado” ou vai comprar tudo novo e aproveitar somente o chassi e o carro rodante???
Vai custa mais caro que um CC novo.
Compra um CC moderno.

Pavan
Pavan
1 mês atrás

O super AV 8×8 da Iveco está na concorrência ? É mais completo que o Centauro por ser anfíbio !

Welington S.
Welington S.
Reply to  Pavan
1 mês atrás

Não. Os únicos que estão na etapa final é o LAV 700, Centauro II e o NORINCO ST-1BR.

Luís Henrique
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Isso considerando que o sistema de armas + blindado devem atender aos requisitos de estarem em produção.
Caso o requisito do EB se refira somente ao blindado sem considerar o sistema de armas, ai a disputa fica bem mais abrangente.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 mês atrás

Está tudo certo para o Centauro II.
A melhor opção, pois a fábrica já está pronta.

Juarez Martinez de Castro
Juarez Martinez de Castro
Reply to  Antunes 1980
1 mês atrás

Qual fábrica está pronta?????
Se tu refere a montadora da Iveco em MG, trata-se de montadora que reúne componentes, tais como transmissão fabricada na Alemanha, eixos na Itália, motor na Argentina, elétrica na China e etc, junta os itens e entrega o Guarani.
O Centauro usa motor diferente, transmissão diferente, eixos diferentes e eletrônica diferente.

Adailton
Adailton
1 mês atrás

Só falta as forças armadas do Brasil optarem pela viatura 8×8 chineses, só pelo fato do Brasil ser um integrante dos (BRICS).

Last edited 1 mês atrás by Adailton
Rodrigo-brasileiro
1 mês atrás

Quantas brigadas de cavalaria mecanizadas existem hj ?
E quantas motorizadas serão convertidas em mecanizadas ?

Alguém sabe dizer ?

Já pesquisei e é MT impreciso as informações.

Last edited 1 mês atrás by Rodrigo-brasileiro

Últimas Notícias

Brasil e Coreia do Sul fecham acordo para produção de semicondutores da Samsung no país

O Brasil e a Coreia do Sul estão fechando acordos para a construção de uma fábrica de chips semicondutores...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -