Com isso, entidade passaria a contar com membros localizados no Oriente Médio

A sigla Brics poderá não fazer mais sentido no decorrer dos próximos meses. Isso porque ela se refere diretamente aos países que atualmente formam o grupo econômico: Brasil, Rússia, Índia, China e South Africa (África do Sul). O nome, porém, deve sofrer alteração, uma vez que outras três nações planejam aderir ao bloco. De acordo com a própria entidade, Arábia Saudita, Egito e Turquia podem, a partir de 2023, entrar para a aliança internacional.

Caso as adesões sejam confirmadas, o bloco dos Brics ganhará, de uma só vez, três países localizados no Oriente Médio. Segundo a presidente do fórum internacional do grupo, a indiana Purnima Anand, as entradas têm chances de serem definidas na próxima reunião da cúpula da entidade, que está programada para ocorrer no primeiro semestre do próximo ano, na África do Sul.

“Reforçará a influência global dos Brics” — Purnima Anand

“Todos esses países demonstraram interesse em ingressar [nos Brics] e estão se preparando para se candidatar. Acredito que seja um bom passo, porque a expansão é sempre vista com bons olhos”, declarou Purnima em entrevista ao jornal russo Izvestia, informa a agência RT. “Isso definitivamente reforçará a influência global dos Brics”, prosseguiu a diplomata, externando o seu pensamento em favor dos pedidos de árabes, egípcios e turcos.

Mais do que mostrar-se favorável à possibilidade de mais nações aderirem ao bloco econômico, Purnima reforçou: deseja que o avanço, a partir da adesão do trio localizado no Oriente Médio, ocorra o quanto antes. Na visão dela, os três “já estão engajados no processo”. “Todos os representantes dos membros do núcleo estão interessados ​​na expansão.”

Em favor do agro brasileiro

Similar a outros grupos econômicos, os Brics têm entre seus propósitos facilitar a relação comercial entre seus membros. O que pode ser diretamente benéfico ao agronegócio brasileiro. A China, por exemplo, é a maior parceira comercial do país. Somente em 2021, os chineses importaram US$ 87,696 bilhões em produtos — incluindo alimentos — do Brasil. Resultado 31,28% maior do que o registrado ao longo de 2020.

Em relação ao comércio Brasil-China, o top five de produtos exportados no ano passado foi composto, segundo a FazComex, por:

  • Minérios de ferro e seus concentrados — US$ 28,8 bilhões;
  • Soja — US$ 27,2 bilhões;
  • Óleos brutos de petróleo — US$ 14,3 bilhões;
  • Carne bovina — US$ 3,9 bilhões;
  • Celulose — US$ 2,8 bilhões.

Avanço dos Brics: Argentina e Irã

Arábia Saudita, Egito e Turquia não são os únicos países que caminham para a adesão junto aos Brics. No mês passado, Argentina e Irã apresentaram suas candidaturas formais para entrarem para o bloco. Atualmente, o grupo representa cerca de 40% da população mundial e quase 25% do produto interno bruto (PIB) do planeta.

FONTE: www.canalrural.com.br

Subscribe
Notify of
guest

101 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabricio Lustosa
1 ano atrás

Excelente notícia. Tomara que se concretize.👏👏👏👏👏

Henrique
Henrique
Reply to  Fabricio Lustosa
1 ano atrás

Sim, só fico preocupado com o final, Argentina e Irã …

Ed Sanches
Ed Sanches
Reply to  Henrique
1 ano atrás

E pq preocupado ?

Atirador 33
Atirador 33
Reply to  Henrique
1 ano atrás

Compartilho da sua preocupação, sendo a Argentina um dos países com maior inflação no mundo, sem reservas e com instabilidade politica. O Irã país exportador de petróleo com uma organização politica teocrática, sancionado pelo ocidentes e instável em suas políticas externas onde chega a pregar o extermínio de ou outra nação.

Turquia, Egito e Arábia Saudita mesmo com problemas políticos dos dois primeiros, acredito que suas adesões fariam bem ao bloco.

suTerminator
suTerminator
Reply to  Atirador 33
1 ano atrás

Mas EUA adora o país terrorista Arabia Saudita, Turquia.

ALISON
ALISON
Reply to  Atirador 33
1 ano atrás

completamente incoerente e parcial tudo que vc escreveu… nem merece ser refutado…

sergio
sergio
Reply to  Fabricio Lustosa
1 ano atrás

Irã e Arabia Saudita nos mesmo bloco ????? acho bem difícil, mais de certa forma seria uma jeito de conter as tençoes entre eles !!!!!

Alberto
Alberto
1 ano atrás

Argentina e Irã, mais Arábia Saudita, Egito e Turquia, EUA e seu poder colapsando rápido…

Neural
Neural
Reply to  Alberto
1 ano atrás

Mickeyboys chorando em 3, 2, 1…

Andre
Andre
Reply to  Alberto
1 ano atrás

Irã e Arabia Saudita… só o mais lunático putinzete, torcedor contra os EUA, acredita que isso vai dar certo.

tsung
tsung
Reply to  Andre
1 ano atrás

tbm acho que isso nao vai dar certo

Slow 🇧🇷
Slow 🇧🇷
Reply to  Alberto
1 ano atrás

Quando eu falo ainda sou chamado de louco 🤣🤣

Alberto
Alberto
1 ano atrás

Argentina na América do Sul
Egito na África
Arábia Saudita, Turquia e Irã na Ásia
Países de todas as regiões do mundo indo orbitar na aliança chinesa e russa.

Adunlucas
Adunlucas
Reply to  Alberto
1 ano atrás

Não acho que Irã e Arábia Saudita entram juntos. E os sauditas não irão querer cortar as relações vantajosas com os EUA. Assim como Brasil e Índia não ficam na esfera chinesa, apenas aproveitam benefícios econômicos mas continuam diversificando mas concentrando sua proximidade política com o ocidente.

Arthur
Arthur
Reply to  Adunlucas
1 ano atrás

Mas é justamente essa a idéia: facilitar relações econômicas. Ninguém está pedindo juras de amor, mesmo porque para se aliar aos EUA tem que ter perfil de mártir, pau mandado ou bucha de canhão.

Cosme Eustáquio
Cosme Eustáquio
Reply to  Arthur
1 ano atrás

Concordo em gênero, numero e grau, até porque entre “países não há amizade, existem interesses”

Last edited 1 ano atrás by Cosme Eustáquio
Andre
Andre
Reply to  Alberto
1 ano atrás

India e China. Irã e Arabia Saudita.

Isso jamais será uma aliança, muito menos liderada por China E Russia. Somente na mente do putinzete mais alienado a Rússia estará ao lado da China.

A China está só esperando o momento de capitalizar sobre o que sobrar depois dessa guerra. Até 2050 Haishenwai será novamente conhecida por esse nome. Os chineses não precisam mais dos russos para nada.

Nick
Nick
1 ano atrás

Formação de blocos econômicos é bom porque em tese estimula a queda de barreiras alfandegárias e aumenta o comércio entre países = crescimento econômico. Por outro lado, tentar usar esse bloco como instrumento geopolítico (antiimperialista americano do mal) não leva a lugar nenhum. O Brasil tem que defender seus interesses e esses interesses são o crescimento econômico e a estabilidade geopolítica da região AL.

Henrique
Henrique
Reply to  Nick
1 ano atrás

Concordo, e na prática os maiores sabotadores de nossa economia (exportações, agro e aquela ladainha de Amazônia) são os europeus portanto, quanto mais o bloco econômico se fortalecer mais poderemos fazer frente às sabotagens de Macrons e outros bostéricos de um certo continente. Mas, novamente, a preocupação é com Irã (pela questão geopolítica não só com a A.Saudita mas também Israel) e Argentina, pois os argentinos já se mostraram totalmente não confiáveis em várias ocasiões…

Andre
Andre
Reply to  Nick
1 ano atrás

A criação de blocos econômicos e a redução das tarifas cambiais são políticas liberais. Todos os países que seguiram este caminho tiveram um grande desenvolvimento de suas sociedades. Até a China quando ficou “mais” liberal, saindo do isolamento total comunista para maior ingresso no mercado global teve uma aumento espantoso da qualidade de vida de sua sociedade.

O Brasil precisa fazer o mesmo, defendendo seus interesses acima de quaisquer outros, mesmo os da AL. Deveria procurar acordos de comércio com o maior número de países iniciando com seus maiores parceiros: China, EUA e UE.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Nick
1 ano atrás

mas o BRICS é isso, é um meio de aumentar a cooperação econômica sem impor pautas de nada, nada de ESG, nada de PAUTA LGBT, nada de impor democracia à força e por aí vai, é só comércio, diferente das potência ocidentais que querem que você siga o que eles mandam,

Guacamole
Guacamole
1 ano atrás

O problema é o Irã.
Causa problemas demais e é capaz de trazer o bloco todo pra um conflito por causa daquelas usinas nucleares.

E a Argentina precisa aprender economia antes de entrar. Senão todo mundo vai ficar bancando ela.

Heinz
Heinz
Reply to  Guacamole
1 ano atrás

O Brics se aceitar a adesão do Irã e Argentina, está deixando de ser aquilo ou com o propósito que foi criado lá atrás.
A Argentina é um país falido, 42% da sua população se encontra na linha da pobreza.
E o Irã, bem…
Arruma confusão toda hora com vários players mundiais.
Já a Turquia e a Arábia Saudita, esses sim trariam algo de relevante ao bloco.

Patrício
Patrício
Reply to  Guacamole
1 ano atrás

Causa problemas demais para os EUA e asseclas.
Mas a NOM chegou para mudar isso.

Andre
Andre
Reply to  Patrício
1 ano atrás

Já não era para as forças russas estarem chegando em Lisboa para consolidar a criação do NOM? Não era duas semanas até Kiev e alguns poucos meses até Lisboa?

Patrício
Patrício
Reply to  Andre
1 ano atrás

Parece que vão é impedir isso com o reforço das potências ascendentes, Suécia e Finlândia que juntas têm a metade da população da RM de São Paulo.
Chora!

Andre
Andre
Reply to  Patrício
1 ano atrás

Seu amado líder ameaçou a Suécia e Finlândia caso pedissem para entrar para a Otan.

Ficou triste por seu amado líder ter amarelado para a Suécia e a Finlândia, que c*** para a ameaça dele e pediram para entrar, mesmo com as duas juntas tendo menos da metade da população da grande sp?

E pelo suador que a Rússia está levando na Ucrânia, nem precisaria da Suécia e Finlândia. Mal chegaram em Kiev e foram chutados de lá. Vai ter NOM mesmo….

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Guacamole
1 ano atrás

O Irã precisa desenvolver armas atômicas para não ter sua existência ameaçada por um estado mafioso(Israel).

Heinz
Heinz
Reply to  Allan Lemos
1 ano atrás

Que eu saiba, quem ameaça a existência de Israel é o Irã, com seus líderes muitas vezes já tendo dito que querem a destruição completa do estado judeu.
Negar isso, é negar os fatos.
É só da um “google” que você acha essa informação.

Henrique
Henrique
Reply to  Allan Lemos
1 ano atrás

Isso, vai pensando assim…. armas nucleares em mãos de fanáticos religiosos que querem dizimar Israel a qualquer custo vai ser bem bacana para a estabilidade mundial.
Vc só pode ser aquele cara que comprou um “bunker” e tá louco pra testá-lo acreditando que uma guerra nuclear é igual dos filmes de Hollywood…

Andre
Andre
Reply to  Henrique
1 ano atrás

Oq esperar de um lunático que alucina uma aliança militar com China e Índia, além de Irã e arabia Saudita?

WSilva
WSilva
Reply to  Andre
1 ano atrás

Aliança militar? China e Russia já falaram que são contra alianças militares.

Uma aliança militar pode acontecer em caso de extrema urgência, mas apenas entre China e Rússia.

Andre
Andre
Reply to  WSilva
1 ano atrás

Pois é. E tem doido achando que pode haver uma entre China e India e/ou Arabia Saudita e Irã…

Ted
Ted
Reply to  Guacamole
1 ano atrás

Entrar numa socidade onde o seu parceiro esta quebrado financeiramente. Mau negocio. Ate aceito o iran mas aqueles que nos chamam de macaquitos. Jamais

Underground
Underground
1 ano atrás

Bastante relevante: Argentina e Irã.
Já os detentores do bastião da verdade, adoradores de Cristina Kirchner e apoiadores de Putin, esquecem que o principal parceiro dos chineses são os Estados Unidos.
Como disse o Embaixador chinês: nosso interesse é que o Brasil seja meramente um fornecedor de matéria prima e consumidor de nossos produtos.
Não sei quem é pior, Ali Babá ou o moleque de recados do Putin.
Brasil tá lascado.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

A expansão do grupo vai fazer com que UE e USA a mudem profundamente sua forma de se intrometer em assuntos externos.
Pautas como ESG, Metas de Carbono, agendas de gênero e outros temas não serão mais “impostos” e sim negociados.
Parabéns ao Brasil por ter acreditado e se mantido firme nos Brics.

Patrício
Patrício
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

ESG, Metas de Carbono, agendas de gênero, ninguém liga
O que importa é o aspecto econômico.
A mudança do poder econômico para a Ásia trará sérias consequências negativas para os países ricos ocidentais e seu excelente padrão de vida.
E é nisso que eles estão pensando de estão preocupados.
O Mundo mudou.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Patrício
1 ano atrás

Ninguém liga? 2 exemplos, holanda e sri lanka….Nem vou falar dos eua, que estão tendo que recorrer a venezuela….

WSilva
WSilva
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Eu já penso totalmente diferente.

A elite anglo-saxã ficará ainda mais histérica e agressiva com países do BRICS empurrando goela abaixo a mediocridade intelectual ”democracia x comunismo” e usará mais do que nunca o terrorismo econômico, quedas de governo, revoluções coloridas, progressismo etc.

Na visão do ocidente é mais fácil destruir o que o BRICS tenta construir do que eles ocidentais tentarem construir algo melhor.

Andre
Andre
Reply to  WSilva
1 ano atrás

E além de um banco que ainda não saiu do papel, o que os BRICS tentaram construir?

Nemo
Nemo
Reply to  Andre
1 ano atrás

O banco já está funcionando. Inclusive, no final de 2021, o Egito foi admitido.

Andre
Andre
Reply to  Nemo
1 ano atrás

Falha minha em relação ao funcionamento do banco.

Mais alguma coisa que tentaram construir?

Patrício
Patrício
Reply to  Andre
1 ano atrás

Sentiu o golpe, né Mickey?

Andre
Andre
Reply to  Patrício
1 ano atrás

Mudando de assunto né puntinzete.

Cite ai algo que os BRICS estão tentando construir.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Andre
1 ano atrás

Não precisam construir nada para além da esfera financeira e comercial. O BRICS não é sequer um bloco econômico, portanto não necessitam de mais estrutura político-burocrática do que os países membros já dispõe. O NDB e o possível acordo sobre interligação de sistemas de pagamento já são relevantes dentro do escopo do fórum que é o comércio entre seus membros e financiamento de terceiras partes.

Andre
Andre
Reply to  Filipe Prestes
1 ano atrás

Será que isso ficou claro para o WSilva que escreveu “destruir o que o BRICS tenta construir” ?

WSilva
WSilva
Reply to  Andre
1 ano atrás

”E além de um banco que ainda não saiu do papel, o que os BRICS tentaram construir?”

Um mundo multipolar.

Andre
Andre
Reply to  WSilva
1 ano atrás

E onde isso está acontecendo além de sua imaginação? Qual iniciativa foi feita neste sentido?

WSilva
WSilva
1 ano atrás

Se isso de fato acontecer, será uma marretada no crânio da elite anglo saxã.

Porém, este nome BRICS precisa ser alterado para acomodar novos países e dar a devida importância.

Underground
Underground
Reply to  WSilva
1 ano atrás

BRICS é só um Fórum de discussões. Não é um bloco econômico, não é uma aliança, não é nada.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Underground
1 ano atrás

é??

Eromaster
Eromaster
Reply to  Carvalho2008
1 ano atrás

Você tem que voltar quinta série urgentemente…

WSilva
WSilva
Reply to  Underground
1 ano atrás

O sujeito desconhecido e inofensivo saindo com tua filha também não é nada…

Daqui 1 ano aparece uma surpresa pra você… rs

Patrício
Patrício
1 ano atrás

Notícia melhor não há.
Como previsto, o poder ocidental colapsou
Teremos 770 milhões de ricos de um lado (G7) contra 7.700 milhões do outro (resto do Mundo).
Coloca na conta de Biden, Scholz, do finado Boris, Trudeau, do moribundo Draghi e outros menos cotados.

Patrício
Patrício
1 ano atrás

Putin e Jiping são gênios.

ROBERT SMITH
ROBERT SMITH
1 ano atrás

Estou preocupado que não vai da certo pois esta ficando difícil configurar um novo acrimonio legal… vejamos: Brasil Rússia, Índia, China, South África = BRICS, perfeito… e agora com Argentina, Iran, Egito, Turquia e Arábia Saudita BRICSAIETA? BRACISATEI? BRICSEATIA? sei não… minha sugestão… deixa o acrimonio original e coloca um “+” … tipo BRICS+ ou mesmo BRICS & Cia …. :o) essa saladinha de letras nunca vai da outro acrimonio legal como o BRICS :-/ melhor deixar como está e pronto ! :o)

Elisandro
Elisandro
Reply to  ROBERT SMITH
1 ano atrás

Sim. Está sendo proposto BRICS+. Se adotarem, será o melhor caminho.

dfa
dfa
1 ano atrás

Não sei não…Esse BRICS é mais do interesse Russo e Chinês do que propriamente Brasileiro. Arábia Saudita e Egipto serão óbvios destinatários das exportações Brasileiras o que é bom. Já Turquia e Argentina serão concorrentes. Caso a analisar e pesar os benefícios e custos. Desde que esse “bloco” seja meramente económico o Brasil deve aproveitar havendo mais valias. Sinceramente Rússia e China não são melhores que os EUA e ambos não tem problemas em usar métodos diretos e alternativos de modo a influenciar ou depor governos. Índia é o nosso parceiro ideal e em quem devemos apostar numa parceria a… Read more »

Eduardo Angelo Pasin
Eduardo Angelo Pasin
Reply to  dfa
1 ano atrás

Nem bloco economia aquilo lá é.

Allan Lemos
Allan Lemos
1 ano atrás

Virou bagunça. Casa da mãe Joana. Não que eu seja contra o grupo mas é fato que o seu propósito original já foi desvirtuado. Também deveria haver critérios para a adesão de novos membros, não faz nenhum sentido um país com uma inflação galopante como a Argentina fazer parte.

A Turquia também não deveria entrar por fazer parte da NATO.

Patrício
Patrício
Reply to  Allan Lemos
1 ano atrás

Pode chorar.
As estratégias de Putin e Jiping estão funcionando.

Mafix
Mafix
1 ano atrás

Brics não bloco nem nada , eu queria saber da onde tem gente que baba nessa coisa ai chamada brics …
É pura fantasia achar que isso ai é um bloco militar ou economico …

Eduardo Angelo Pasin
Eduardo Angelo Pasin
Reply to  Mafix
1 ano atrás

Deixa o povo se iludir.

Eduardo Angelo Pasin
Eduardo Angelo Pasin
1 ano atrás

O BRICS não é praticamente nada, apenas um grupo de países que se reúne para trocar ideias, não sei para que esse tanto de alvoroço.

Patrício
Patrício
Reply to  Eduardo Angelo Pasin
1 ano atrás

Tipo OTAN, que na primeira oportunidade de guerra contra a Rússia ficou com medo e arregou?

Allan Lemos
Allan Lemos
1 ano atrás

Como eu disse em outro tópico, os BRICS deveriam evoluir para se tornar uma aliança militar. É a única forma de se contrapor ao poder dos EUA e da Europa.

É difícil de acontecer mas para o Brasil esse seria o caminho para proteger a Amazônia.

Henrique
Henrique
Reply to  Allan Lemos
1 ano atrás

Só podemos pensar nisso quando tivermos uma certa independência militar, uma política de estado forte no âmbito de defesa e tecnologia e uma oposição que não fique sabotando o país o tempo todo.
Sem isso não adianta tentar inventar “aliança militar” para ficarmos dependentes de porcarias dos outros. Vide o conflito na Ucrânia onde só a artilharia russa lança um EB de bombas “por dia” em cima dos ucranianos.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Allan Lemos
1 ano atrás

nunca virará uma aliança militar, AS e Irã são inimigos, India e China são inimigos.

Wilson França
Wilson França
1 ano atrás

O nome poderia mudar para Associação Mundial dos Párias

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

Eu fui o primeiro a falar da Arabia Saudita no BRICS

Wilson França
Wilson França
Reply to  Gabriel BR
1 ano atrás

Parabéns

Slow 🇧🇷
Slow 🇧🇷
Reply to  Gabriel BR
1 ano atrás

Eu também falei e fui chamada de louco

Varg
Varg
1 ano atrás

Turquia até é possível para entender, mas Egito (e suas crises internas pós-Mubarak), AS (uma teocracia que viola direitos humanos à torto), Argentina (em eterna insolvência) e Irã (outra teocracia ditatorial e que apoia abertamente grupos terroristas) não. Tem nações muito mais interessantes para integrarem o fórum e apresentarem contribuições reais, como México, Chile, Tailândia e Indonésia.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Varg
1 ano atrás

Tailandia também demonstrou interesse

Patrício
Patrício
Reply to  Varg
1 ano atrás

Que venham todos esses

Hcosta
Hcosta
Reply to  Varg
1 ano atrás

A inflação na Turquia chegou quase aos 80%…

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Hcosta
1 ano atrás

Mas é um mercado enorme e emergente !
Tudo indica que a inflação será o novo normal no mundo

Hcosta
Hcosta
Reply to  Gabriel BR
1 ano atrás

E a Venezuela também se bem que numa situação muito pior.
O que não faltam são mercados enormes e emergentes. Alguns já são emergentes há décadas.
Sem estabilidade económica fica difícil contruir estas ligações. Pelo menos que sejam relevantes.
E é uma coisa que os EUA já perceberam há algum tempo.

Caerthal
Caerthal
1 ano atrás

A gente precisa ouvir o que esses países têm a dizer.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Está aí.
Enorme oportunidade de abandonar um sistema decrépito e falido dominado pela Europa e Estados Unidos, e iniciarmos um novo sistema em que estaremos em pé de igualdade nas negociações.
Que implantem uma mesa redonda, para que ninguém se sente a cabeceira da mesa, como acontecia na Távola redonda.
Só espero que nossa covardia e submissão não jogue por terra essa imensa oportunidade!

Nemo
Nemo
1 ano atrás

Aqueles que afirmam que o BRICS não é nada desconhecem (?) que o banco fundado pelo grupo tem um Capital Inicial equivalente a U$ 100 bilhões. Caso haja a entrada de novos membros o grupo deverá buscar uma maior institucionalização parecida com a OCDE. Nada que lembre Mercosul, UE e muito menos OTAN.

Romão
Romão
1 ano atrás

Na semana passada os AmericanBoys aqui do blog estavam dizendo que Irã e Arábia Saudita no mesmo bloco econômico e estratégico era “loucura”, “piada” e “forçar a barra”.
Cadê eles ?

pangloss
pangloss
Reply to  Romão
1 ano atrás

Eu não consigo ver qualquer convergência entre Arábia Saudita e Irã.
Ali, há uma disputa que remonta à origem do Islamismo: a Arábia Saudita é a teocracia sunita, e o Irã é a teocracia xiita, e ambas buscam liderar o mundo islâmico – devendo ser salientado que 85% dos muçulmanos é sunita, o que coloca o Irã em posição bastante desvantajosa nesse litígio.
Se os dois países integrarem o BRICS, vai haver um cabo de guerra entre ambos, que só vai trazer problemas para o grupo.

WSilva
WSilva
Reply to  pangloss
1 ano atrás

O problema do Irã se chama EUA e Israel, a questão com os sunitas eles resolvem mais tarde.

pangloss
pangloss
Reply to  WSilva
1 ano atrás

Não é bem assim. Tudo ia sem maiores problemas entre o Irã e seu entorno, até a Revolução Iraniana. A partir dali, os iranianos passaram a ser vistos como uma espécie de desafiantes da Arábia Saudita – guardiã dos dois principais locais sagrados islâmicos, Meca e Medina – na liderança do mundo islâmico naquilo que é sua vertente mais radical: a negação dos valores ocidentais, sobretudo naquilo que tem origem nos EUA. É uma desavença muito mais visceral do que aquela mantida com outros povos e religiões, porque divide os membros de uma mesma “família”. Um vê o outro como… Read more »

WSilva
WSilva
Reply to  pangloss
1 ano atrás

A questão do Irã com EUA e Israel é de mais fácil resolução, se chama bomba atômica.

A questão do Irã com Arábia Saudita, como você bem destacou, é mais complexa e talvez nem haja uma solução a curto-médio prazo, logo o foco tem de ser os EUA/Israel.

André Luís
André Luís
1 ano atrás

#SlaviaKatervina!

Cada vez mais, o dólar DERRETE e o Rublo FORTALECE.

Putin PREVALECE, Boris Johnson (o palhaço estúpido) caiu de podre, 1º ministros da Estônia, Itália, Bulgária CAÍRAM.

Ucrânia sangra e nada da OTAN intervir na Ucrânia e, olhe lá, “salvar” o país! Por MUITO MENOS a OTAN bombardeou a Sérvia nos anos 90!

A Rússia vai prevalecer e os anglo-saxões perderão novamente.

#SlaviaKatervina…rs!

Andre
Andre
Reply to  André Luís
1 ano atrás

O anglo-saxoes perderam faz tempo, em 1066. Precisa atualizar seu jornal ai

Carvalho2008
Carvalho2008
1 ano atrás

O CRA pode ser usado em caso de necessidade de liquidez no curto prazo, por exemplo, em razão de pressões no balanço de pagamentos. O arranjo tem montante inicial de US$100 bilhões. O comprometimento de cada país com o Arranjo, atualmente, é: Brasil, Rússia e Índia – US$ 18 bilhões; China – US$ 41 bilhões; África do Sul – US$ 5 bilhões. Os valores máximos de acesso são calculados com base em multiplicadores estabelecidos na negociação concluída e assinada oficialmente no Brasil, em 2014. Hoje, equivalem a: Brasil, Rússia e Índia – US$ 18 bilhões; China – US$ 20,5 bilhões;… Read more »

dfa
dfa
1 ano atrás

Rrrrrssssss é cara tem toda a razão…
Turquia e Egipto vão ficar os melhores amigos no mediterrâneo.
Arábia Saudita e Irão vão andar de mãos dadas e esquecer os ataques de drones e a guerra no iemen.
China e Índia vão resolver seus problemas na fronteira e assinar um pacto de amizade eterna juntamente com o Paquistão que se vai converter ao hinduísmo.
África do sul e Argentina vão virar potências.
E Brasil vai vender KC e mandioca nesses países todos.
Rrrrrssssss

Burgos
Burgos
1 ano atrás

Já tão prevendo a crise de fome mundial !!!
Eles é que tão certo !!!👍💪👏

Andre
Andre
1 ano atrás

“entrar para a aliança internacional”

Os BRICS formaram uma aliança? A parte da criação do banco, algo foi feito em conjunto?

Wilton Santos
Wilton Santos
1 ano atrás

Tem mais países que manifestaram adesão como Nigéria, Indonésia, Cazaquistão e Tailândia. Também o Uruguai e Blangadesh manifestaram adesão ao Banco dos BRICS. Parece que todos os países do Sul global vão querer aderir ao bloco. Será uma espécies de bloco econômico hegemonizado pela China.

Last edited 1 ano atrás by Wilton Santos
Patrício
Patrício
1 ano atrás

Estamos esperando por isso há algum tempo.

Mensageiro
Mensageiro
1 ano atrás

“O bloco cresce de forma súbita”. O brasil não, tivemos outra decada perdida e o começo dessa nova foi um desastre em todas as áreas. Retrocessos jurídicos, legislativos, administrativos e institucionais que são um perigo pra sermos uma nação próspera

Last edited 1 ano atrás by Mensageiro
Carlos
1 ano atrás

Deve ser piada BRICS como uma aliança militar. A Índia e a China já tiveram envolvidas numa guerra fronteiriça e como os guardas de ambos países não podem estar armados, os combates entre eles faz-se com facas machados, pedras, etc. e em perspetiva a entrada de outros dois que têm ódio de morte entre ambos porque um lidera o mundo dos muçulmanos sunitas e o outro o mundo muçulmano xiita e nem a fé islâmica os une. Associação económica também não é. O BRICS não passa de um fórum onde os seus membros discutem assuntos atuais

Tiago da cruz pinto
Tiago da cruz pinto
1 ano atrás

Está passando da hora de todos eles se juntarem , pois interesses econômicos parecidos, grandes prode comodites muito requistadas neste período de crise energética e alimentícia, juntos tem mais influência perante outros grupos econômicos.

Zé bombinha
Zé bombinha
1 ano atrás

Com ironia mas nem tanto assim, existe um país que se ao menos falar que pretende entrar no BRICs ele sofre uma “operação especial”…… Alguém arrisca um chute?

Neural
Neural
Reply to  Zé bombinha
1 ano atrás

EB tinha que comprar mais Astros, investir na produção sob licença do D-30 e do MSTA pela Imbel e Avibras, além de comprar mais drones avançados da China e Irã. Depois disso fazerem exercício lá pelos lados da Guiana Francesa pra assustar Francês falastrão

Pedro
Pedro
1 ano atrás

Me respondam quem souber por favor e para fazer parte do BRICS, realmente precisa de alguma documento formal de adesão? Pelo que sei, os BRICS é um grupamento de países, “ainda” se intitulavam emergentes, não existindo nenhumbtratado ou acordo por escrito além disso. Já houve algo nesta direção?

Leandro Costa
Leandro Costa
1 ano atrás

Que bloco?