sábado, dezembro 3, 2022

Saab RBS 70NG

Impressões de um oficial do US Army sobre os exércitos da Rússia e da Ucrânia antes da guerra

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

por Mark Hertling (*)

Em 1994, eu era um tenente-coronel em Fort Knox, Kentucky, liderando uma unidade de cerca de 1.000 pessoas ajudando outros a aprenderem a ser “cavalarianos”. Um dia, meu comandante do regimento ligou e perguntou se meu passaporte estava válido – o Pentágono havia feito uma busca nos arquivos de todos os tenentes-coronéis procurando aqueles que eram comandantes atuais de unidades de tanques, que tinham experiência na Europa e que eram veteranos da Operação Tempestade no Deserto. Meu nome apareceu, então eu iria para a Rússia por duas semanas para ver o potencial de uma iniciativa chamada Parceria para a Paz. O presidente Clinton sugeriu que a OTAN encontrasse maneiras de cooperar com a Rússia e os países do antigo Pacto de Varsóvia, e essa visita ajudaria a iniciar esse programa.

Eu viajei para a Rússia com um especialista russo civil do Departamento de Estado, um general de brigada do Colégio do Estado-Maior do Exército em Fort Leavenworth e alguns funcionários do Departamento de Defesa. Outro comandante de batalhão e eu estávamos nesta viagem porque os russos queriam conversar com americanos “especialistas no assunto” sobre tanques dos EUA e métodos de comando e controle dos EUA. Isso foi bom para nós. Nosso itinerário nos levou a visitar unidades de blindados russos, entrar em quartéis militares russos, observar unidades russas em campos de tiro e realizar exercícios e subir em veículos militares exibido perto de Moscou. Nosso trabalho era ficar quieto, observar e fazer muitas anotações mentais.

O quartel russo era espartano, com vinte leitos alinhados em um amplo ambiente semelhante àqueles que o Exército dos EUA tinha durante a Segunda Guerra Mundial. A comida em seus refeitórios era terrível. Os “treinamentos e exercícios” russos que observamos não eram oportunidades para melhorar capacidades ou habilidades, mas demonstrações rotineiras, com poucas oportunidades de manobra ou imaginação. A sala de aula do colégio militar, onde um grupo de oficiais de média e alta patente conduzia um exercício de mapa regimental, era rudimentar, com jovens soldados manejando rádio-telefones transmitindo ordens a unidades imaginárias em algum local de campo imaginário. Na visita à oficina, consegui rastejar para dentro de um tanque T-80 – estava apertado, sujo e em mau estado – e até mesmo disparar alguns tiros em um simulador muito primitivo.

A única parte realmente impressionante e surpreendente do passeio foi quando passamos por um museu de campo “secreto” que tinha tanques de todos os exércitos do mundo – incluindo vários dos Estados Unidos. Os russos de alguma forma conseguiram obter um tanque M1 Abrams (provavelmente de um de seus aliados no Oriente Médio), e todos acreditávamos que a razão pela qual eles nos permitiram entrar nesta instalação foi para nos mostrar que eles tinham nosso tanque mais moderno.

Em seguida, visitamos a oficina da nossa unidade anfitriã, estacionado nos arredores de Moscou. Naquela época, o comandante do regimento russo e eu tínhamos nos tornado amigos e, enquanto ele nos acompanhava em direção à exibição de veículos, ele proclamou que eu tinha sorte de ser um dos poucos americanos a ver um T-72 russo de perto. Com a língua na bochecha, eu disse ao tradutor para dizer ao coronel que, tendo lutado na Iraque, eu tinha visto muitos T-72 – mas nenhum deles ainda tinha a torre no lugar. O intérprete hesitou e me perguntou se eu realmente queria dizer isso ao seu coronel. Assentindo com a cabeça, vi o rosto do meu novo amigo ficar vermelho, mas depois a transição para um leve sorriso. “Essas foram as versões de exportação que demos aos iraquianos.”

Ao final da visita, nosso colega do Departamento de Estado pediu que registrássemos nossas observações, concentrando-nos no que nos impressionou sobre liderança, equipamento, treinamento, instalações e capacidades. Lembro-me de dizer que o exército russo era “all show and no go”. Embora eu soubesse que os membros das unidades de taques russos haviam sofrido traumas no campo de batalha durante seus últimos dias no Afeganistão e mais recentemente lidavam com a dissolução do império soviético, incluindo o disparo de um tanque contra seu próprio Parlamento um ano antes, saí da minha primeira troca de experiência com o exército russo duvidando que eles fossem o gigante de três metros de altura que pensávamos que eles fossem.

Minha primeira experiência com o exército ucraniano uma década depois não foi muito diferente. Em 2004, fui comandante adjunto de divisão da 1ª Divisão Blindada em Bagdá. Nossa unidade estava completando uma jornada de combate de 12 meses quando o líder xiita Muqtada al-Sadr iniciou um levante popular na capital iraquiana. Uma grande porcentagem de nossa unidade de 30.000 soldados já havia sido redistribuída para a Alemanha, mas o secretário Rumsfeld acreditava que era apropriado chamar essas forças para o sul, para a província de Wasit, para combater Sadr nas cidades de Najaf, Karbala e Al-Kut. A revolta de Sadr começou no momento em que as forças polonesas, espanholas e ucranianas estavam partindo de Wasit. Al-Kut era a área de operação do contingente ucraniano e uma de nossas tarefas era aliviá-los.

Al-Kut estava uma bagunça, assim como as unidades ucranianas responsáveis ​​por isso. Os soldados ucranianos eram indisciplinados e mal treinados, seus veículos de combate estavam em péssimas condições, os oficiais e sargentos nomeados pareciam corruptos e havia até indícios de que alguns do contingente ucraniano estavam vendendo velhas munições de artilharia iraquiana para os insurgentes por suas bombas de beira de estrada. As forças de fronteira iraquianas treinadas na Ucrânia estavam em péssimas condições e o crime organizado na área era desenfreado. Encontramos os soldados ucranianos raramente ou nunca conduzindo patrulhas fora da base. Todos os soldados de nossa unidade que assumiram o comando da força ucraniana imediatamente formaram uma opinião negativa sobre a prontidão do exército ucraniano — inclusive eu.

Quando nossa unidade finalmente foi redistribuída para a Alemanha depois de mais três meses no Iraque, deixei o cargo de comandante assistente da divisão e comecei um novo posto como comandante do centro de treinamento do Exército na Alemanha. Uma de minhas tarefas era garantir que uma unidade da Guarda Nacional dos EUA recebesse o tipo certo de treinamento, enquanto se preparava para se desdobrar com a força de manutenção da paz de Kosovo, também conhecida como KFOR, uma força multinacional sob o comando de um comandante alemão que eu conhecia bem. Tive a oportunidade de perguntar a ele sobre os desafios que ele estava enfrentando com sua força multinacional. Ele mencionou especificamente que a unidade do Exército Ucraniano na KFOR era indisciplinada, mal treinada e tinha oficiais corruptos (ele afirmou que alguns haviam estabelecido um esquema para extrair gás de veículos militares e vendê-lo no mercado negro em Pristina). Seus comentários só reforçaram meu preconceito formado no Iraque,

Ao longo dos próximos anos, minhas observações dos exércitos russo e ucraniano mudariam. Um para pior, outro para melhor.

(*) o texto acima foi extraído de uma matéria publicada em março deste ano no site The Bulwark, Mark Hetling foi comandante da Forças Norte-americanas na Europa.

- Advertisement -

54 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

54 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wellington jr
Wellington jr
1 mês atrás

Texto excepcional! Parabéns aos editores.

Ostrogodo
Ostrogodo
1 mês atrás

A corrupção é endêmica naquela região. Leste europeu consegue ser mais corrupto q o br

LUIZ
LUIZ
Reply to  Ostrogodo
1 mês atrás

Hj o maior problema do exército russo é a corrupção. Acredito que o Putin recebeu relatos falsos das condições do exército ucraniano pra imaginar que teria facilidade. Por isso aquele comboio em Kiev. Quando viram que a resistência era muito forte pararam. Será que o Putin não sabia que os ucranianos estavam sendo treinados e armados pelo ocidente esses anos todos? A primeira fase foi um desastre. Quando completou 3 meses de guerra já era pra ter no mínimo ums 150 mil pra garantir a segurança das áreas ocupadas enquanto os outros iam avançando. O que ta salvando a Ucrânia… Read more »

rui mendes
rui mendes
Reply to  Ostrogodo
1 mês atrás

Não é por ser leste Europeu, mas por ser ex repúblicas da URSS, pois esses países como Polónia e outros, desde que entraram na UE, a corrupção não é superior á da maioria dos países do Ocidente, pois existe muito mais fiscalização.

Augusto
Augusto
Reply to  Ostrogodo
1 mês atrás

Muitos anos sobre um regime comunista, e natural tantos casos de corrupção.

Junior Souza
Junior Souza
1 mês atrás

Não consegui achar o link da matéria, podem me ajudar por favor?

Junior Souza
Junior Souza
Reply to  Guilherme Poggio
1 mês atrás

Muito obrigado

Taso
Taso
Reply to  Guilherme Poggio
1 mês atrás

Pessoal, vejam o artigo completo, muito muito interessante mesmo. Obrigado pelo link.

LUIZ
LUIZ
1 mês atrás

Com esse relato sobre o exército ucraniano,sem o suporte militar da OTAN os russos não teriam muito esforço pra garantir uma vitória sobre a Ucrânia.

Patrício
Patrício
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Essa guerra tem se caracterizado pelo relativamente baixos efetivos utilizados.
Cerca de 100 mil russos contra 600 ou 700 mil ucranianos.
Desta forma, os ucranianos procuram pontos ‘desabitados’ da linha russa.
Foi assim em Kharkov e hoje no norte de Kherson.
Os russos tiveram que recuar para poder formar uma linha continua de defesa com os poucos efetivos que têm na região.
Por outro lado, onde os russos tem mais homens, a Ofensiva inimiga fracassou, como ontem em Donetsk, com os russos avançando de Peski em direção a Pervomaisk.

Velho Alfredo
Velho Alfredo
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Ou seja, os russos não sabem empregar, principalmente, os Princípios da Massa, do Emprego judicioso dos Meios, do Objetivo, da Prontidão e da Manobra, dentre outros.

Também não sabem empregar os Fundamentos das Operações Defensivas, defesa em profundidade e em todas as direções.

Tão muito mal….

Augusto
Augusto
Reply to  Velho Alfredo
1 mês atrás

Perfeito Alfredo!!!

Underground
Underground
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Ao longo dos próximos anos, minhas observações dos exércitos russo e ucraniano mudariam. Um para pior, outro para melhor.

Taso
Taso
Reply to  Underground
1 mês atrás

Isso, tem que ver a matéria completa em que ele fala das diferenças que ao logo do tempo veio notando para chegar nessa conclusão. Matéria de abril/22, mas mais atual que nunca.

rui mendes
rui mendes
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Esqueceste a parte que ele descreve os Russos, foi???!!??
Olha que ele mudou de opinião sobre os Ucranianos, ou melhor, os Ucranianos é que mudaram, para melhor, com treinos e participações, com forças NATO.

LUIZ
LUIZ
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Mesmo com as deficiências o exercito russo teria êxito sobre a Ucrânia caso a OTAN não estivesse dando suporte. Os russos hj não tem preparo pra bater de frente com os EUA. Na Síria vimos os mesmo erros hj na Ucrânia.

Patrício
Patrício
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Gostaria de saber a opinião desse General sobre o Exército americano depois da tunda que levou no Afeganistão.
Anos e anos e saiu derrotado.

Monarquista
Monarquista
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Que batalha eles perderam?

Andre
Andre
Reply to  Monarquista
1 mês atrás

A batalha pelo coração do Da Lua.

Velho Alfredo
Velho Alfredo
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Essa narrativa só serve pra mané.

Mgtow
Mgtow
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

A Rússia não está enfrentando o exército ucraniano há muito tempo. É a OTAN que está no campo de batalha disfarçados de mercenários e usando uniforme ucraniano. São covardes, não tem coragem de declarar guerra aberta contra a Rússia

Minsc
Minsc
Reply to  Mgtow
1 mês atrás

Pq a Rússia não declara guerra aberta contra OTAN então?

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Minsc
1 mês atrás

Ai vc trava a lógica dele. Eu acho engraçado essas afirmações…

é tudo soldado da OTAN… kkkkkkkkkkk aham e eles todos viraram totalmente fluentes em ucraniano e falam com absolutamente nenhum sotaque, os caras são fo#$%…

só pra deixar claro, eu não sou nenhum lunático e sei que tem muito voluntario ocidental na Ucrania. mas eu ficaria muito surpreso se o numero total deles fossem superior a 25 mil homens…

Patrício
Patrício
Reply to  Minsc
1 mês atrás

Porque ela quer desmontar a OTAN e a União Europeia.
Não guerrear.
E notícia de primeira.
Putin deve fazer um pronunciamento hoje à Nação mudando o status da operação especial.
Como previsto, a Rússia vai escalar a guerra e, provavelmente para coincidir com o inverno europeu.
Já acertei antes quando disse sobre a mobilização parcial.
Devo acertar de novo.

Velho Alfredo
Velho Alfredo
Reply to  Patrício
1 mês atrás

Tu precisa acertar o q é difícil…. o q é óbvio, não vale….

Patrício
Patrício
Reply to  Velho Alfredo
1 mês atrás

Concordo que essa é relativamente fácil.
Agora, o outro boato é de que os russos farão uma nova mobilização.
Essas informações são de blogs russos de respeito, como Boris Rozhin (Coronel Cassad), Rybar e alguns outros.

Andre
Andre
Reply to  Minsc
1 mês atrás

Prq só um alicinado vivendo num mundo de fantasias acredita nessa ilusão.

Os puntinzetes não conseguem aceitar que o sonho nunca passou de sonho.

Wellington jr
Wellington jr
Reply to  Mgtow
1 mês atrás

Vai usar mesmo essa? Cara se fosse os soldados da OTAN ali a Rússia já tinha perdido essa guerra a muito tempo.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Mgtow
1 mês atrás

E dai ? Mas segundo vocês mesmo na OTAN só tem fracos e imbec com equipamento de m… … e todos os espertos, gênios, fortes e equipamentos extraordinários estão na Rússia..

Tá chorando pq bebê ?

Last edited 1 mês atrás by Rodrigo Martins Ferreira
Hcosta
Hcosta
Reply to  Mgtow
1 mês atrás

O senhor acha que são covardes quando usam mercenários e não têm coragem para declarar guerra?

Então presumo que o senhor, quando começou a guerra em 2014, criticou a Rússia por fazer exatamente isso?

Mas pode ter a certeza que são os Ucranianos que estão a lutar contra os Russos. A motivação e a moral são armas muito poderosas. E isso a Rússia não tem…

Nickless
Nickless
Reply to  Mgtow
1 mês atrás

Quanto delírio. Se a OTAN estivesse em campo essa guerra já teria acabado faz tempo. Se equipamento antigo e munição vencida estão fazendo um estrago nos russos, imagina equipamento novo.

Velho Alfredo
Velho Alfredo
Reply to  Mgtow
1 mês atrás

hahahahahahahahahahhaah essa foi boa hahahahahahahaha

Underground
Underground
1 mês atrás

Seria interessante saber o que os americanos, ingleses, franceses, alemães, suecos pensam das FFAA brasileiras. De verdade!!!!!

Velho Alfredo
Velho Alfredo
Reply to  Underground
1 mês atrás

Que somos extremamente profissionais.
Em todas as missões, cursos e intercâmbios que participei com todos esses (exceto os suecos), SEMPRE fomos muitíssimo elogiados.

Piloto de Combate
Piloto de Combate
Reply to  Velho Alfredo
1 mês atrás

Afirmo!
Em intercâmbios, cursos e operações das quais participei, percebi o mesmo por parte de todos os estrangeiros com os quais travei contato!

HLopes
HLopes
1 mês atrás

A melhor parte do texto é a que falta, onde ele explica a evolução dos dois exércitos e onde podemos entender claramente a evolução dos Ucranianos.

Victor Filipe
Victor Filipe
1 mês atrás

Eu li a matéria completa em inglês a alguns dias.

Em resumo

O exército Russo praticamente ficou estagnado no tempo enquanto o Ucrâniano evoluiu e foi buscando cada vez mais se profissionalizar

Underground
Underground
1 mês atrás

MD da Rússia reporta grandes perdas na região de Kherson.
Alguns meios dizem que os russos estão fazendo uma retirada estratégica e que Kherson estaria prestes a ser retomada pelos ucranianos. A ver!
Outras fontes reportam que um batalhão dedicado ao municiamento de armas nucleares está sendo levados para a fronteira com a Ucrânia.

Underground
Underground
1 mês atrás

Militares russos começam a retirar seus familiares da Criméia.

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Liam Collins, diretor fundador do Instituto Moderno de Guerra da Academia Militar dos Estados Unidos em West Point, relata que amudança da doutrina militar ucraniana começou em 2014. O baixo desempenho das forças ucranianas contra a Rússia foi o estopim dessa mudança. Nessa época, depois de manifestações de grupos pró-Rússia na região de Donbas, eclodiu uma guerra entre militares ucranianos e separatistas apoiados pela Rússia. Esse revés levou a Ucrânia a revisar seu estabelecimento de segurança e defesa.
https://www.google.com/amp/s/revistagalileu.globo.com/amp/Sociedade/Politica/noticia/2022/05/como-o-exercito-ucraniano-resiste-superiores-forcas-armadas-russas.html

Velho Alfredo
Velho Alfredo
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

Prezado Marcelo A impressão que tenho é que os russos acreditaram nas narrativas que eles mesmos criaram sobre as Forças da OTAN, por causa das derrotas do Vietnã e Afeganistão por exemplo, e pela conclusão incerta e caótica no Iraque e Síria. Confundem, na narrativa, o preparo e forma de combater da OTAN (pcp EUA) nos níveis operacionais e tático, quando as derrotas e conclusões problemáticas foram resultado de decisões e abordagens erradas e/ou equivocadas nos níveis político e estratégico. Uma coisa não tem, necessariamente, com a outra. Os resultados do Afeganistão e Vietnã tem sempre aquela do: “perdeu pros… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Velho Alfredo
1 mês atrás

Concordo, Alfredo. São casos corroborados de que vitórias militares não necessariamente signifiquem vitórias políticas, e infelizmente como vemos, muitos adoram distorcer isso para que se enquadrem em determinada narrativa.

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Em 2016, o ex-presidente Petro Poroshenko promulgou o Boletim de Defesa Estratégico da Ucrânia, que estava baseado nos relatórios das mudanças iniciadas em 2014. O boletim exigia uma reforma ampla e abrangente em todo o estabelecimento de defesa, com o objetivo de produzir uma força capaz de cumprir os padrões da OTAN até 2020. Nos seis anos seguintes, a Ucrânia reformou suas forças armadas com a ajuda de conselheiros, treinadores e equipamentos ocidentais.
https://www.google.com/amp/s/revistagalileu.globo.com/amp/Sociedade/Politica/noticia/2022/05/como-o-exercito-ucraniano-resiste-superiores-forcas-armadas-russas.html

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Desde 2014, os líderes ucranianos temiam uma invasão russa em larga escala e sabiam que tinham pouco tempo para fazer reformas difíceis em cinco categorias: comando e controle, planejamento, operações, logística e desenvolvimento profissional da força. Quando a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, a Ucrânia havia construído uma força profissional bem liderada com uma cultura que encorajava a iniciativa de líderes júnior no campo de batalha.
https://www.google.com/amp/s/revistagalileu.globo.com/amp/Sociedade/Politica/noticia/2022/05/como-o-exercito-ucraniano-resiste-superiores-forcas-armadas-russas.html

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Beneficiando-se de oito anos de combates em Donbas e seis anos de treinadores e conselheiros ocidentais, as forças armadas da Ucrânia em 2022 não eram as mesmas de 2014, para surpresa da Rússia. Na verdade, as forças armadas ucranianas são muito superiores às forças armadas da Rússia em quase todas as medidas, exceto em tamanho. Como resultado, a última invasão da Rússia opôs uma força grande, mas mal treinada, contra uma força muito menor, mas bem treinada, bem liderada e motivada.
https://www.google.com/amp/s/revistagalileu.globo.com/amp/Sociedade/Politica/noticia/2022/05/como-o-exercito-ucraniano-resiste-superiores-forcas-armadas-russas.html

Krest
Krest
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

A força de invasão russa quando começou a invasão numericamente não tinha nem metade das forças ucranianas e mesmo assim deu um sacode legal neles e avançou muito até parar. O que ta permitindo essa contra ofensiva é justamente os bilhões americanos e armas da otan. Sem esses equipamentos eu acho que eles estariam numa situação bastante preocupante

tadeu54
1 mês atrás

Não tem continuação ?
Seria a parte mais interessante em minha opinião.

Nativo
Nativo
1 mês atrás

E extremamente preocupantes quando a corrupção e outras preocupações chegam nos quartéis.

mago
mago
1 mês atrás

A Rússia enfrenta, com 160 mil soldados, mais de 1 milhão de terroristas ukronazis, quase todo o poderio militar da otanazi e gigantescas ajudas militar e econômica do gagá dorminhoco biden. A decisão para uso de armas nucleares pela Rússia na ucrania ainda não foi tomada. Portanto rezem para que a Rússia tenha êxito nessa grande operação policial de contra- terrorismo, porquê caso contrário, reza de ninguém adiantará.

Andre
Andre
1 mês atrás

“, eu tinha visto muitos T-72 – mas nenhum deles ainda tinha a torre no lugar. O intérprete hesitou e me perguntou se eu realmente queria dizer isso ao seu coronel. Assentindo com a cabeça, vi o rosto do meu novo amigo ficar vermelho, mas depois a transição para um leve sorriso. “Essas foram as versões de exportação que demos aos iraquianos.””

A velha desculpas de “a versão de exportação é pior”. Hoje está claro que não passou de uma velha desculpa.

GBarro
GBarro
1 mês atrás

Guerras causam danos a toda Sociedade. Guerras de estrangeiros invadindo territórios alheios são especialmente difíceis. Os povos locais reagem a imposição da força sobre seus espaços naturais e culturais. Isso acontece desde que existimos como sociedade. No Vietnã e Afeganistão os Americanos eram os invasores e essas guerras se tornaram as Guerras que a Sociedade Americana não queria lutar. Sempre existiram limitações de engajamento e uso da Força. Democracia, Liberdade e valores altruístas ganham importância quando subjugados. Vietnamitas não quiseram ser Franceses, Chineses ou Americanos, Afegãos não quiseram ser Russos ou Americanos. Hoje vemos que Ucranianos parecem não querer ser… Read more »

Last edited 1 mês atrás by GBarro

Últimas Notícias

Rússia rejeita condições de Biden para conversa com Putin sobre a Ucrânia

O presidente dos EUA disse que conversaria com Putin se ele estivesse disposto a encerrar a invasão em solo...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -