domingo, dezembro 4, 2022

Saab RBS 70NG

Sanções de chips são de fato uma declaração de guerra dos EUA à China?

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

As mais recentes sanções de guerra de chips da América arriscam um conflito mais amplo nas esferas físicas e econômicas

Por PRABIR PURKAYASTHA*

Os Estados Unidos apostaram alto em suas últimas sanções gerais contra empresas chinesas da indústria de semicondutores, acreditando que podem derrubar a China e manter seu domínio global.

Dos slogans de globalização e “livre comércio” da década de 1990 neoliberal, Washington voltou aos regimes de negação de tecnologia que os EUA e seus aliados seguiram durante a Guerra Fria. Embora possa funcionar no curto prazo para desacelerar os avanços chineses, o custo para a indústria de semicondutores dos EUA de perder a China – seu maior mercado – terá consequências significativas no longo prazo.

No processo, as indústrias de semicondutores de Taiwan e Coreia do Sul e fabricantes de equipamentos no Japão e na União Europeia provavelmente se tornarão danos colaterais. Isso nos lembra novamente o que o ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger disse uma vez: “Pode ser perigoso ser inimigo da América, mas ser amigo da América é fatal”.

O objetivo das sanções dos EUA, a segunda geração de sanções após a anterior em agosto de 2021, é restringir a capacidade da China de importar chips de computação avançados, desenvolver e manter supercomputadores e fabricar semicondutores avançados.

Embora as sanções dos EUA estejam camufladas em termos militares – negando à China o acesso a tecnologia e produtos que possam ajudar seus militares – na realidade, essas sanções visam quase todos os principais players de semicondutores na China e, portanto, também seu setor civil.

A ficção de “impedir o uso militar” é apenas para fornecer a desculpa de uma cobertura sob as exceções da Organização Mundial do Comércio (OMC) em ter que fornecer acesso ao mercado a todos os membros da OMC. A maioria dos aplicativos militares usa chips de geração mais antiga e não as versões mais recentes.

As sanções específicas impostas pelos Estados Unidos incluem:

  • Chips lógicos avançados necessários para inteligência artificial e computação de alto desempenho;
  • Equipamento para lógica de 16nm e outros chips avançados como FinFET e Gate-All-Around;
  • As últimas gerações de chips de memória: NAND com 128 camadas ou mais e DRAM com meio passo de 18nm.

As proibições de equipamentos específicos nas regras vão ainda mais longe, incluindo também muitas tecnologias mais antigas. Por exemplo, um comentarista apontou que a proibição de ferramentas é tão ampla que inclui tecnologias usadas pela IBM no final da década de 1990.

As sanções também abrangem qualquer empresa que use tecnologia ou produtos dos EUA em sua cadeia de suprimentos. Esta é uma disposição das leis dos EUA: qualquer empresa que “toque” nos Estados Unidos enquanto fabrica seus produtos é automaticamente submetida ao regime de sanções.

É uma extensão unilateral da jurisdição nacional dos Estados Unidos e pode ser usada para punir e esmagar qualquer entidade – uma empresa ou qualquer outra instituição – que esteja direta ou indiretamente ligada aos Estados Unidos.

Batalha pelo domínio da indústria

Essas sanções são projetadas completamente para dissociar a cadeia de suprimentos dos Estados Unidos e seus aliados – a União Europeia e os países do leste asiático – da China.

Além das empresas visadas pelas últimas sanções dos EUA, outras 31 novas empresas foram incluídas em uma “lista não verificada”. Essas empresas devem fornecer informações completas às autoridades dos EUA dentro de dois meses, caso contrário também serão impedidas.

Além disso, nenhum cidadão dos EUA ou qualquer pessoa domiciliada nos Estados Unidos pode trabalhar para empresas nas listas sancionadas ou não verificadas, nem mesmo para manter ou reparar equipamentos fornecidos anteriormente.

A indústria global de semicondutores está atualmente avaliada em mais de US$ 500 bilhões e provavelmente dobrará de tamanho para US$ 1 trilhão até 2030.

De acordo com um relatório da Semiconductor Industry Association e do Boston Consulting Group em 2020, “Turning the Tide for Semiconductor Manufacturing in the US”, a China deverá responder por aproximadamente 40% do crescimento da indústria de chips até 2030, deslocando os Estados Unidos como o líder mundial.

Este é o gatilho imediato para as sanções dos EUA.

Dano colateral

 

Embora as medidas acima tenham como objetivo isolar a China e limitar seu crescimento, há uma desvantagem para os Estados Unidos e seus aliados em sancionar a China.

O problema para os Estados Unidos, e mais ainda para Taiwan e Coreia do Sul, é que a China é seu maior parceiro comercial. Impor tais sanções a equipamentos e chips também significa destruir boa parte de seu mercado sem perspectiva de substituição imediata.

Isso é verdade não apenas para os vizinhos do leste asiático da China, mas também para fabricantes de equipamentos como a empresa holandesa ASML, a única fornecedora mundial de máquinas de litografia ultravioleta extrema (EUV) que produz os chips mais recentes.

Para Taiwan e Coreia do Sul, a China não é apenas o maior destino de exportação para sua indústria de semicondutores, bem como outras indústrias, mas também um de seus maiores fornecedores de uma variedade de produtos. A separação forçada da cadeia de suprimentos da China na indústria de semicondutores provavelmente será acompanhada pela separação em outros setores também.

As empresas americanas também provavelmente sofrerão um grande impacto em seus resultados financeiros, incluindo fabricantes de equipamentos como Lam Research Corporation, Applied Materials e KLA Corporation; as ferramentas de automação de projeto eletrônico (EDA), como Synopsys e Cadence; e fornecedores de chips avançados como Qualcomm, Nvidia e AMD.

Processo de fabricação de chips

A China é o maior destino de todas essas empresas. O problema para os Estados Unidos é que a China não é apenas a parte da indústria de semicondutores que mais cresce no mundo, mas também o maior mercado do setor.

Assim, as últimas sanções prejudicarão não apenas as empresas chinesas da lista, mas também as empresas de semicondutores dos EUA, secando uma fonte significativa de seus lucros e, portanto, seus futuros investimentos em pesquisa e desenvolvimento.

Embora alguns dos recursos para investimentos venham do governo dos EUA – por exemplo, o subsídio de fabricação de chips de US$ 52,7 bilhões – eles não se comparam às perdas que a indústria de semicondutores dos EUA sofrerá como resultado das sanções da China.

É por isso que a indústria de semicondutores sugeriu sanções restritas à indústria de defesa e segurança da China, não as sanções abrangentes que os Estados Unidos agora introduziram; um bisturi em vez de um martelo.

Negação de tecnologia

O processo de separação do regime de sanções e da cadeia de suprimentos global não é um conceito novo.

Os Estados Unidos e seus aliados tiveram uma política semelhante durante e após a Guerra Fria com a União Soviética por meio do Comitê de Coordenação de Controles Multilaterais de Exportação, ou COCOM (em 1996, foi substituído pelo Acordo de Wassenaar), o Grupo de Fornecedores Nucleares, o Regime de Controle de Mísseis e outros grupos semelhantes.

Seu objetivo era muito semelhante ao que os Estados Unidos introduziram agora para a indústria de semicondutores. Em essência, eram regimes de negação de tecnologia que se aplicavam a qualquer país que os Estados Unidos considerassem um “inimigo”, com seus aliados seguindo – então como agora – o que os Estados Unidos ditavam.

Os alvos da lista de proibição de exportação não eram apenas os produtos específicos, mas também as ferramentas que poderiam ser usadas para fabricá-los. Não apenas os países do bloco socialista, mas também países como a Índia foram impedidos de acessar tecnologia avançada, incluindo supercomputadores, materiais avançados e máquinas-ferramentas de precisão.

Sob essa política, equipamentos críticos necessários para as indústrias nuclear e espacial da Índia foram banidos completamente.

Embora o Acordo de Wassenaar ainda exista, com países como Rússia e Índia dentro do âmbito desse acordo agora, ele não tem dentes reais. A ameaça real vem de se desentender com o regime de sanções dos EUA e a interpretação dos EUA de suas leis substituindo as leis internacionais, incluindo as regras da OMC.

A vantagem que os Estados Unidos e seus aliados militares – na Organização do Tratado do Atlântico Norte, na Organização do Tratado do Sudeste Asiático e na Organização do Tratado Central – tinham antes era que os EUA e seus aliados europeus eram os maiores fabricantes do mundo. Os Estados Unidos também controlavam o petróleo e o gás da Ásia Ocidental, um recurso vital para todas as atividades econômicas.

A atual guerra de chips está sendo travada em um momento em que a China se tornou o maior centro de fabricação do mundo e o maior parceiro comercial de 70% dos países do mundo. Com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo não obedecendo mais aos ditames de Washington, os EUA perderam o controle do mercado global de energia.

Porque agora?

Então, por que os Estados Unidos iniciaram uma guerra de chips contra a China em um momento em que sua capacidade de vencer tal guerra é limitada? Pode, na melhor das hipóteses, adiar a ascensão da China como uma potência militar global e a maior economia do mundo.

Uma explicação está no que alguns historiadores militares chamam de “armadilha de Tucídides”: quando uma potência em ascensão rivaliza com uma potência militar dominante, a maioria desses casos leva à guerra. Segundo o historiador ateniense Tucídides, a ascensão de Atenas levou Esparta, a então potência militar dominante, a entrar em guerra contra ela, destruindo no processo ambas as cidades-estado; portanto, a armadilha.

Embora tais alegações tenham sido contestadas por outros historiadores, quando uma potência militar dominante confronta uma em ascensão, aumenta a chance de uma guerra física ou econômica. Se a armadilha de Tucídides entre a China e os Estados Unidos se restringe apenas a uma guerra econômica – a guerra das fichas – devemos nos considerar com sorte.

Com a nova série de sanções dos Estados Unidos, uma questão foi resolvida: o mundo neoliberal do livre comércio está oficialmente encerrado. Quanto mais cedo outros países entenderem isso, melhor será para seu povo.

E autossuficiência significa não apenas a falsa autossuficiência de apoiar a fabricação local, mas significa desenvolver a tecnologia e o conhecimento para sustentá-la e cultivá-la.


Este artigo foi produzido em parceria pela Newsclick e Globetrotter, que o cedeu ao Asia Times.

Prabir Purkayastha é o editor fundador da Newsclick.in, uma plataforma de mídia digital. Ele é um ativista da ciência e do movimento do software livre.

FONTE: Asia Times

LEIA TAMBÉM:

EUA e a China: uma paz mais fria ou uma armadilha de Tucídides?

- Advertisement -

34 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Matusa
Matusa
1 mês atrás

Tarde demais.
A China já tem capacidade de produzir chips, mesmo com processos mais onerosos, o que, em uma situação de conflito, não é relevante.
Ademais, os mercados estão sendo dominados pelos chineses e o Ocidente terá dificuldade em colocar seus produtos.

Junior Souza
Junior Souza
Reply to  Matusa
1 mês atrás

Se é assim tão irrelevante porque eles estão protestando tanto?
Se algo não me afeta eu simplesmente ignoro

Matusa
Matusa
Reply to  Junior Souza
1 mês atrás

Não é assim que funciona nas relações internacionais.
Tanto políticas quanto econômicas.

Francisco
Francisco
Reply to  Junior Souza
1 mês atrás

Caro Junior não protestar seria o mesmo que concordar com esta e com qualquer outra sanção que os americanos e europeus queiram aplicar, é mais do que necessário não só a China como qualquer nação protestar contra sanções aplicadas de formas/objetivos tão “descarado”, se sancionar faz parte do jogo, protestar também faz.

Guilherme
Guilherme
Reply to  Matusa
1 mês atrás

Na verdade a China ainda depende do comercio internacional para obtencão de chips mais modernos, menores de 8nm, e os principais produtores desses chips são a Samsung e a TSMC (que já dominam a producão de chips de 3nm). A producão chinesa ainda se restringe a chips maiores de 10nm

Guilherme
Guilherme
Reply to  Guilherme
1 mês atrás

Inclusive recomendo esse vídeo que explica de forma muito detalhada esse assunto: https://www.youtube.com/watch?v=aQnzTLRiiA4

Inimigo do Estado
Inimigo do Estado
Reply to  Guilherme
1 mês atrás

Beleza, e quem vende vai vender para quem se não tiver a absorção do mercado chinês? Esse pessoal acha que economia é via de mão única.

Andreo Tomaz
Andreo Tomaz
Reply to  Guilherme
1 mês atrás

Eu quero saber até onde a Samsung vai comprar essa briga dos EUA, e tenho minhas dúvidas quanto a TSMC..

Avelino
Avelino
Reply to  Matusa
1 mês atrás

Capacidade de produzir chips a china tem a muito tempo! Só que produz apenas chips de baixa tecnologia. Ela não consegue produzir chips abaixo de 16nm sem tecnologias ocidentais. E essas tecnologias foram cortadas de sua cadeia de suprimentos.

Zezão
Zezão
Reply to  Matusa
1 mês atrás

A produção de chips é bastante segmentada, por exemplo, o setor de EDA (também conhecido como projeto assistido por computador eletrônico), que é uma categoria de ferramentas de software para projetar sistemas eletrônicos e placas de circuitos integrados, a China praticamente não produz nada relevante, enquanto os EUA controlam 95% desse mercado. Ou seja, não adianta a China ser capaz de produzir chips avançados se não controla toda as etapas necessárias pra produzir tais chips. Eis a situação do mercado de chips, figura abaixo:

CHIP.jpg
WSilva
WSilva
Reply to  Zezão
1 mês atrás

Os EDAs mais avançados são americanos e alemães. A China produz também, mas não para chips avançados.

Porém, isso não significa que a China não tenha EDA avançado para uso, a China vem estocando EDAs avançados da Alemanha e máquinas de litografia DUV da ASML desde 2020 já prevendo o pior cenário. Acontece que agora a China não receberá mais atualizações e novas versões.

Esse estoque que a China acumulou pode durar até 5 anos, é o tempo que a China tem para fazer engenharia reversa ou usar como base para criar seu próprio ecossistema.

Zezão
Zezão
Reply to  WSilva
1 mês atrás

Os EUA não tem como impedir que a China possa desenvolver sua indústria de Chips a longo prazo, os americanos não são tão burros, eles sabem disso… Na verdade, essas sanções é pra se livrar da alta tecnologia chinesa, os EUA não querem ser refém de chips chineses no futuro …
O momento é agora, não adianta sancionar depois que a China detiver todas as tecnologias, o objetivo dessas sanções é permitir que o Ocidente desenvolva fornecedores de chips fora da cadeia de produção da China.

Last edited 1 mês atrás by Zezão
Heli
Heli
Reply to  Matusa
1 mês atrás

Não, não tem.
Veja varias materias no canal Asianometry no Youtube. A fabrica holandesa ASML usa tecnologia americana patenteada na litografia para produção de waffers de semicondutores, a China ainda nao consegue produzir essas maquinas, talvez daqui a 10 anos. As japoneses Fujitsu, Nikon, Cannon, tambem usam as patentes americanas. isso é fundamental para os chiups mais avançados, de 12nm pra baixo. Só as maquinas da ASML conseguem fazer os de 6 e 3nm.

Henrique
Henrique
1 mês atrás

“Com a nova série de sanções dos Estados Unidos, uma questão foi resolvida: o mundo neoliberal do livre comércio está oficialmente encerrado. Quanto mais cedo outros países entenderem isso, melhor será para seu povo.” KKKKKKKKKKKKKKKKK Primeiro que não existe “mundo neolibreal” até pq ‘neoliberalismo’ não existe.. isso é um termo maluco inventado por socialista pra tentar pegar uma parcela do pessoal que defende liberdade econômica, algo do tipo… “ahh gente defende politica socialista tá, mas agente tem um pouco de liberdade econômica ok”   . O mundo esta caminhando a séculos para livre mercado… TODA potencia global é de livre mercado… Read more »

Andre
Andre
1 mês atrás

“Os Estados Unidos e seus aliados tiveram uma política semelhante durante e após a Guerra Fria com a União Soviética…”

Parece que o autor esqueceu de considerar os resultados que essas políticas geraram durante e após a guerra fria, mas é de se esperar que um membro do partido comunista da Índia tenha tanta mágoa doa EUA e repita todos os clichês que estamos acostumados a ouvir de quem ainda acredita na ilusão que foi o comunismo.

WSilva
WSilva
1 mês atrás

”Com a nova série de sanções dos Estados Unidos, uma questão foi resolvida: o mundo neoliberal do livre comércio está oficialmente encerrado. Quanto mais cedo outros países entenderem isso, melhor será para seu povo.” Perfeito. A partir de agora veremos um EUA cada vez mais agressivo, depressivo, paranoico utilizando seus vassalos o máximo possível para alavancar sua agenda e tentar minar a ascensão da China e de outros países emergentes com agenda própria. Depois de décadas eu já consigo perceber um senso diferente em relação aos EUA, ninguém aguenta mais esses caras, o mundo não quer mais ser comandando apenas… Read more »

Matusa
Matusa
Reply to  WSilva
1 mês atrás

Um dos seus maiores vassalos, a Arábia Saudita, está virando as costas a Washington e se aproximando de Rússia e China.
Quem diria.
Estão até querendo entrar para os BRICS.
Sinal de novos tempos.

LUIZ
LUIZ
Reply to  Matusa
1 mês atrás

A farsa da economia neoliberal. Uma hora a máscara ocidental ia cair. Aqui no Brasil os prejudicados são os pobres com essa política econômica.

“Com a nova série de sanções dos Estados Unidos, uma questão foi resolvida: o mundo neoliberal do livre comércio está oficialmente encerrado. Quanto mais cedo outros países entenderem isso, melhor será para seu povo.”

DaGuerra
DaGuerra
Reply to  LUIZ
1 mês atrás

Os pobres no Brasil são prejudicados por falta de emprego e falta de qualificação graças à destruição da indústria promovida pela concorrência desleal da economia dirigida pelo partido comunista chinês e seu exército de trabalhadores escravos.

Last edited 1 mês atrás by DaGuerra
WSilva
WSilva
Reply to  Matusa
1 mês atrás

Pois é, mas os Árabes não são bobos, é um povo histórico, embora eles atuassem como vassalo dos EUA eles nunca tiveram uma relação intima e sempre deixaram uma porta aberta com os russos e chineses, independente de ideologia política.

Os Árabes jogaram o jogo, enquanto vassalo aproveitaram para progredir, infiltrar nos mercados e se tornar relevante, ou seja, receberam algo em troca da vassalagem, já aqui neste país neguinho se contenta apenas com tapinha nas costas e bonezinho escrito Make America Great Again.

europeu
europeu
Reply to  Matusa
1 mês atrás

se virarem as costas aos USA serão comidos pelo seu inimigo xiita, o Irão…!!!
Já tinha acontecido com o Iraque de Sadam… por isso pagaram a guerra!

Régis
Régis
Reply to  WSilva
1 mês atrás

E isto também confirmaria uma de minhas suspeitas, a de que a Guerra Rússia-Ucrânia tem como verdadeiro objetivo a destruição da União Europeia, que vinha mostrando um grande crescimento e tem como principal parceiro a China, principalmente a Alemanha. Os chineses perderiam um grande mercado.

Tudo não passaria de um esquema armado entre Washington e Moscou:

USA: “Ei Rússia, que tal começar uma guerrinha na europa oriental?”
RUS: “Por que você está interessado nisso agora?”
USA: “Ambos venceríamos, pois eu me livraria destes europeus cada vez mais insubordinados”.
RUS: ” E eu, que ganho?”
USA: “Fique com a Ucrânia”.

Rodrigo
Rodrigo
1 mês atrás

A guerra é só uma questão de tempo, Xi apontou pessoas leais a ele no último congresso, e essa movimentação dos EUA tem o único motivo que é impedir o progresso da China.

Last edited 1 mês atrás by Rodrigo
H.Saito
H.Saito
1 mês atrás

“A maioria dos aplicativos militares usa chips de geração mais antiga e não as versões mais recentes.”

O problema são os equipamentos futuros, como torpedos nucleares e mísseis hipersonicos.

Por exemplo há notícias de que físicos chineses simularam explosão nuclear em órbita para destruír rede de satélites como neandertal starlink da spacex.

https://www.thedrive.com/the-war-zone/chinese-nuclear-anti-satellite-study-highlights-problem-of-countering-starlink-like-constellations

Zezão
Zezão
Reply to  H.Saito
1 mês atrás

Uma explosão nuclear no espaço criaria um pulso eletromagnético que destruiria todos os equipamentos eletrônicos, exceto as movidos a válvula, no hemisfério onde a explosão aconteceu. Se os chineses querem destruir esses satélite da SpaceX que passam sobre o território chinês, a ideia não parece muito inteligente…

Fabricio Lustosa
1 mês atrás

Quanto mais os EUA agride a China, mais a China irá apoiar a Rússia. E de fato: China’s spending on Russian goods soared 60% in August from a year ago, hitting $11.2 billion, according to Chinese customs statistics, surpassing July’s 49% gain. Its shipments to Russia, meanwhile, jumped 26% to $8 billion in August, also accelerating from the previous month. For the first eight months of this year, total goods trade between China and Russia surged 31% to $117.2 billion. That’s already 80% of last year’s total — which stood at a record $147 billion. (tradução) Os gastos da China… Read more »

Zezão
Zezão
1 mês atrás

As CPUs são o propósito dominante dos chips lógicos, apenas 2 empresas (EUA), Intel e AMD, dominam esse mercado, a China tem vários empreendimentos, mas nenhum é capaz de competir contra as empresas americanas. As CPUs chinesas têm poucos clientes civis, o que reflete sua falta de competitividade no mercado aberto. As grandes empresas da China dependem de importações pra 95% das CPUs que consomem… O problema não está somente em CPUs, no setor de equipamentos de fabricação de semicondutores, os EUA e seus aliados (Japão e a Holanda) tbm dominam a produção de SME, que é usada para fazer… Read more »

CHIP3.jpg
cerberosph
cerberosph
Reply to  Zezão
1 mês atrás

Aí que está a questão, a China não fabricava em grandes escalas pois era mais barato comprar da Coreia do Sul, Taiwan etc. Para seus produtos manterem preços baixos. Agora ela vai ter que produzir a custos maiores, no início, com esses custos sendo subsidiados pelo estado para se manter os preços competitivos. Já as empresas ocidentais não vão pensado que seus produtos serão tão mais competitivos pois pois o custos dos chips ocidentais subirão e muito sem a economia de escala derrubada pela não compra de perto de 40% dos chips pela China. Esses custos teriam que ser coberto… Read more »

Zezão
Zezão
Reply to  cerberosph
1 mês atrás

Vc não entendeu a situação.
A China foi banida do mercado ocidental de chips, eles até podem um dia aprender a fabricar todo o processo de desenvolvimento de um chip, mas as indústrias chinesas foram banidas de vender chips para os EUA e seus aliados. O objetivo dos EUA é ficarem livres da dependência de chips chineses, o foco não é impedir a China de desenvolver seus chips, mas permitir que o Ocidente se livre da tecnologia chinesa, pra isso é preciso criar uma indústria q não dependa da China como fornecedora dominante no setor de alta tecnologia.

cerberosph
cerberosph
Reply to  Zezão
1 mês atrás

Estou falando de economia, economia de escala, o que eles querem é parar a grande fabrica que é a China mas ela consumindo 40% dos chips do mundo vai ter condições de fabricar seus próprios chips, no início com subsídio do estado, para manterem seus produtos competitivos. Já as fabricas ocidentais também vão ter que subsidiar seus chips, pois sem a compra pela China de 40% da produção o preço dos chips vão aumentar e muito. Fazendo bom que seus produtos continuem sem ser competitivos e criando um novo concorrente num produto de alto valor agregado que eles dominavam.

Cidadão das Sombras
Cidadão das Sombras
1 mês atrás

Nesse caso a China vai restringir a exportação de terras raras para os EUA. Sem coisas como samário, cobalto e afins a produção de chips vai encarecer enormemente.

Zezão
Zezão
Reply to  Cidadão das Sombras
1 mês atrás

Não temo a China banir, porque os chineses tbm compram chips dos EUA e de seus aliados. A China só poderia restringir a venda de terras raras se o país não precisasse comprar produtos ocidentais que usam esses materiais.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 mês atrás

caramba querem travar a índia também. não sabia disso

SteelWing
SteelWing
1 mês atrás

grande matéria, parabéns redação!

Last edited 1 mês atrás by SteelWing

Últimas Notícias

Empresa alemã produzirá munição do Gepard na Espanha

A Rheinmetall, depois de adquirir o mundialmente famoso fabricante espanhol de munições Expal Systems SA, planeja estabelecer a produção...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -