Guerras no Iraque e na Síria podem ter custado quase três trilhões de dólares e ceifado a vida de meio milhão de pessoas

Forças Americanas no Iraque

PFC John Edwards, C/2-319 AFAR, 82d Airborne Division, patrols the streets of Baghdad's Hotel District. Photo by PFC Mike Pryor, 82d Airborne Division Public Affairs

Vinte anos depois da invasão do Iraque, um relatório divulgado na semana passada apresentou novas estimativas para o conflito

O projeto Costs of War previu que o valor em dólares aumentará para US $ 2,89 trilhões até 2050, considerando o custo de cuidar dos veteranos da guerra do Iraque e as operações subsequentes no Iraque e na Síria para combater o ISIS.

“O governo Bush estava convencido e garantiu ao povo americano e ao mundo que a guerra teria poucas baixas de todos os tipos – civis e militares – e levaria a uma vitória rápida”, em vez de se estender por anos, disse Neta C. Crawford, o co-diretor do projeto, em uma declaração sobre o esforço de pesquisa em andamento do Watson Institute for International and Public Affairs da Brown University.

As forças dos EUA invadiram em 2001, derrubando o ditador sunita Saddam Hussein, mas também desencadeando uma insurgência sunita que gerou o chamado Estado Islâmico. O presidente Barack Obama ordenou sua retirada total no final de 2011, apenas para enviar uma força limitada em 2014 para combater o ISIS a pedido do governo iraquiano.

O valor em dólares de Costs of War inclui US$ 862 bilhões em fundos de contingência no exterior – orçados pelo Congresso para financiar a Guerra Global ao Terror após os ataques de 11 de setembro em Nova York e Washington – bem como US$ 406 bilhões adicionados ao orçamento básico do Pentágono entre 2003 e 2023. Os pesquisadores adicionaram outros $ 62 bilhões do Departamento de Estado, juros sobre os gastos de contingência no exterior, mais $ 233 bilhões para cuidados médicos e de invalidez das tropas e outros $ 1,1 trilhão para cuidados de futuros veteranos até 2050.

Grande parte dos custos de saúde é resultado de avanços na medicina do campo de batalha que resultaram em um aumento de 45% na sobrevivência, segundo o relatório, mas também totalizaram mais de 32.000 soldados feridos.

O Pentágono se recusou a comentar na sexta-feira as conclusões do relatório. Durante uma recente visita ao Iraque, o secretário de Defesa Lloyd Austin disse que os EUA estão comprometidos em permanecer no país para treinar seus militares e apoiar os esforços para erradicar o ISIS.

“As forças dos EUA estão prontas para permanecer no Iraque a convite do governo do Iraque”, disse ele. “Essas forças estão operando em um papel não-combatente de aconselhamento, assistência e capacitação para apoiar a luta contra o terrorismo liderada pelo Iraque.”

Embora as operações ofensivas de combate tenham cessado no Iraque, os militares dos EUA ainda têm cerca de 2.500 soldados lá em uma missão de treinamento e assistência com os militares iraquianos. Na Síria, cerca de 900 soldados continuam a missão anti-ISIS .

O coronel aposentado do Exército e historiador Joel Rayburn, que coeditou uma história em dois volumes do Exército dos EUA sobre a guerra do Iraque , discordou do relatório, incluindo a luta contínua do ISIS com o conflito de 2003 a 2011.

“São conflitos muito diferentes em diferentes períodos de tempo”, disse Rayburn, um ex-funcionário de Trump que agora dirige o Centro Americano para Estudos do Levante. “Houve interrupções no envolvimento militar dos EUA e missões muito diferentes.”

Ele também questionou o fato de os EUA serem culpados pelas mortes na luta contra o Estado Islâmico, que se sobrepôs à guerra civil síria, e pelo conflito pós-invasão que eclodiu entre os muçulmanos sunitas do Iraque e a população xiita que havia sofrido uma opressão violenta. sob Saddam.

“Eles querem atribuir o custo humano em toda a região apenas ao envolvimento dos Estados Unidos”, disse ele sobre os autores do estudo.

O relatório lista entre os mortos: 4.600 soldados e 15 civis do Departamento de Defesa, 3.650 contratados, 282 membros da mídia e 64 trabalhadores humanitários de organizações não governamentais. Na Síria, outros 19 empreiteiros, 75 membros da mídia e 227 trabalhadores de ONGs morreram.

O relatório então inclui militares e policiais nacionais, outras tropas aliadas, civis e combatentes da oposição, usando estimativas reconhecidamente amplas, para um total geral entre 550.000 e 580.000 mortes.

“A dificuldade em determinar o número total de mortes de civis está relacionada a se essas mortes foram documentadas e, às vezes, se uma pessoa é classificada como civil/não combatente ou se seu status é incerto”, segundo o relatório.

Além disso, o número de combatentes não internacionais mortos em todos os lados é incerto: os adversários têm incentivos para diminuir suas próprias baixas e aumentar as baixas dos outros lados”.

Outros pesquisadores tentaram compilar os custos humanos da guerra nas últimas duas décadas, embora as estimativas sempre venham com a ressalva de que são baseadas em pesquisas ou extrapolações da violência como resultado da desestabilização do Iraque.

A PLOS Medicine estimou em 2013 , com base em pesquisas de 2.000 famílias iraquianas, que a operação dos EUA de 2004 a 2011 resultou em mais de 400.000 mortes em excesso. IraqBodyCount.org estima entre 180.000 e 210.000 mortes de civis desde 2003, com base na manutenção de registros públicos.

Os autores do estudo explicam o apoio bipartidário do Congresso para financiar o longo conflito em um “efeito ‘comício em torno da bandeira’ – onde os membros do Congresso durante os governos de Bush, Obama, Trump e Biden queriam ser vistos como apoiando as tropas americanas”, segundo para o papel.

Os exemplos incluem o pedido de orçamento do Pentágono de US$ 664 bilhões do presidente Barack Obama para 2010, que o Congresso aumentou para US$ 691 bilhões pós-ISIS, um pedido de orçamento da administração Trump de 2018 obteve $ 61 bilhões extras na lei de apropriações finais; e $ 22,5 bilhões e $ 45 bilhões extras nos pedidos de 2021 e 2022 do governo Biden.

O orçamento do Pentágono continuou a crescer mesmo quando os gastos em guerras diminuíram, segundo o relatório, graças à terceirização de serviços para empreiteiros privados, modernização de equipamentos militares, custos crescentes de pessoal por meio de aumentos salariais e subsídios, e o custo de assistência médica para tropas e veteranos.

À medida que se aproxima o aniversário da Operação Iraqi Freedom de 19 de março, os legisladores estão pressionando por uma votação para revogar a autorização da força militar que facilitou a guerra subsequente no Iraque, sem uma declaração formal de guerra.

O Senado votou na quinta-feira por 67 a 27 para revogar as autorizações de 2002 e 1991, que remontam à Operação Tempestade no Deserto. Tanto o presidente Joe Biden quanto o secretário de Defesa Lloyd Austin sinalizaram apoio à votação.

FONTE: MilitaryTimes

20 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nilo
Nilo
11 meses atrás

As 7 guerras patrocinadas pelos EUA neste século deixaram 3 milhões de mortos.

Danilo Gentili 2026
Danilo Gentili 2026
Reply to  Nilo
11 meses atrás

O mundo está mais seguro sem o Sadan, Isis, e outros

Dagor Dagorath
Dagor Dagorath
Reply to  Danilo Gentili 2026
11 meses atrás

O Isis surgiu exatamente no vácuo da queda do Saddam e do enfraquecimento do Assad. Isso sem contar o surgimento Al-Qaeda, oriundos da insurgência afegã contra os soviéticos e do Taliban, formados nas madrassas paquistanesas do regime ditatorial do General Zia-ul-Haq apoiado por Washington.

Como diz aquele ditado, crie corvos e um dia eles lhe bicarão os olhos.

gordo
gordo
Reply to  Dagor Dagorath
11 meses atrás

Faltou citar, com sua licença, que nos anos 90 os EUA andaram sozinhos pelo OM, sem contra ponto algum. Tudo isso que o Sr cita é consequência de uma arrogância combinada com total incapacidade de se fazer política externa. Aquilo é uma sucessão de erros que chegam até a destruição da Líbia e Síria. A UE que pagou o pato, ondas e mais ondas de indesejados refugiados. Foram três trilhões gastos para criar três organizações terroristas, filhas de uma política externa voltada para gerar renda para o parque bélico. Dwight Eisenhower cantou a pedra lá nos anos 50.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Danilo Gentili 2026
11 meses atrás
M4l4v|t4
M4l4v|t4
Reply to  Nilo
11 meses atrás

Antes 3 milhões de mortos (número altamente contestável) do que 30 milhões de mortos, muito deles por tortura ou armas químicas.

Como disse o nosso amigo do MBL aqui acima: “O mundo está mais seguro sem o Saddam”

ALISON
ALISON
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

Que viagem… kkkkkkkkkkkkkkkk

Maurício.
Maurício.
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

GIL
GIL
11 meses atrás

Estou esperando (sentado) Haya emitir a ordem de prisao para os respectivos presidentes de USA.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  GIL
11 meses atrás

É só os EUA ameaçarem de pressão os relatores do processo.

Sergio Machado
Sergio Machado
11 meses atrás

Mas ao menos garantiram um petroleozinho, gás, e uns contratos de reconstrução para empreiteiras amigas. Fora o complexo industrial militar que amouuuuuuuu tudo isso.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
11 meses atrás

Se por pensar dessa maneira, coitada da Alemanha…

Gabriel BR
Gabriel BR
11 meses atrás

Um dos grandes responsáveis ganhou foi o prêmio Nobel da paz.

Fish
Fish
11 meses atrás

Good Bless america

Aeb30
Aeb30
11 meses atrás

Gigantesco desperdício de vidas e recursos para, no final, a região toda estar caindo na zona de influência sino-russa.

M4l4v|t4
M4l4v|t4
11 meses atrás

Dá próxima vez que algum inteligente ousar atacar a população norte-americana em seu próprio território se escondendo atrás de uma organização de fachada, vai pensar duas vezes. Se ele não pensar duas vezes, as forças que ele representa o fará. Sob pena de deixar de existir. Iraque e Afeganistão foram pegos para exemplo e com muita justiça. Eram redutos do mal. Qualquer um que não concorde com isso é porque ficou muito tristinho em ver o EUA mais seguro. E já antevendo os mesmos se disserem agora existem mais pessoas no mundo que odeiam o EUA, a resposta é um… Read more »

Last edited 11 meses atrás by M4l4v|t4
pdro
pdro
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

rapaz… nem você acredita no que escreveu

Maurício.
Maurício.
Reply to  pdro
11 meses atrás

Pior que ele acredita…

Nativo
Nativo
Reply to  M4l4v|t4
11 meses atrás

Se você acredita que o Iraque é a Síria ameaçavam o mundo, não pode criticar a invasão da Ucrânia pela Rússia, pois o argumento da ameaça é o mesmo

Jagdv#44
Jagdv#44
11 meses atrás

Graças à China, Rússia, Bielorrússia, Irã, Coréia do Norte, Venezuela e Cuba estamos nos livrando desses malditos norte americanos!
Viva a liberdade, democracia e os direitos humanos!!

Last edited 11 meses atrás by Jagdv#44