As táticas russas no segundo ano de guerra: como elas mudaram à medida que as lições foram aprendidas

17

por Dr Jack Watling and Nick Reynolds

A escala das perdas russas em 2022, combinada com as Forças Armadas da Federação Russa confrontando os sistemas da OTAN com os quais não haviam lutado anteriormente, causou um desvio significativo nas operações russas da doutrina do país. Este relatório procura delinear como as forças russas adaptaram suas táticas no conflito ucraniano e os desafios que isso criou para os militares ucranianos que devem ser superados. O relatório examina a adaptação militar russa por função de combate.

As táticas de infantaria russa mudaram de tentar desdobrar Grupos Táticos de Batalhão uniformes como unidades de ação de armas combinadas para uma divisão estratificada por função em tropas de linha, assalto e especializadas. Estes são formados em grupos organizados por tarefas. A infantaria de linha é amplamente usada para manutenção do terreno conquistado e operações defensivas. A infantaria desdobrada é usada para escaramuças contínuas para identificar posições de tiro ucranianas, que são então alvo de infantaria especializada, ou para encontrar pontos fracos nas defesas ucranianas a serem priorizados para o ataque. As baixas são distribuídas de maneira muito desigual entre essas funções. A principal fraqueza nas unidades de infantaria russa é o baixo moral, que leva a uma fraca coesão da unidade e cooperação entre unidades.

A engenharia russa provou ser um dos ramos mais fortes das forças armadas russas. Os engenheiros russos construíram obstáculos complexos e fortificações de campo na frente. Isso inclui trincheiras reforçadas com concreto e bunkers de comando, emaranhados de arames, fossos antitanque e campos minados complexos. A colocação de minas russas é extensa e mistura minas antitanque e minas antipessoal, as últimas frequentemente sendo colocadas com vários mecanismos de iniciação para complicar o rompimento. Essas defesas representam um grande desafio tático para as operações ofensivas ucranianas.

A unidades blindadas russas raramente são usadas para tentativas de avanço. Em vez disso, ela é amplamente empregada na função de apoio de fogo para fornecer fogo preciso contra posições ucranianas. A Rússia começou a empregar camuflagem térmica em seus veículos e, usando uma série de outras modificações e táticas, técnicas e procedimentos (TTPs), reduziu significativamente a detectabilidade de tanques em intervalos isolados. Além disso, essas medidas reduziram a probabilidade de destruição de uma variedade de mísseis guiados antitanque (ATGMs) em distâncias superiores a 1.400 m.

A artilharia russa começou a refinar significativamente o Complexo de Ataque de Reconhecimento após a destruição de seus estoques de munição e infraestrutura de comando e controle por sistemas de foguetes de lançamento múltiplo guiados (GMLRS) em julho de 2022. Isso resultou em uma integração muito mais próxima de vários UAVs que apoiam diretamente os comandantes autorizado a aplicar fogos. A artilharia russa também melhorou sua capacidade de atirar de várias posições e de atirar e se mover, reduzindo a suscetibilidade ao fogo de contrabateria. O sistema-chave que permite essa coordenação parece ser o sistema Strelets. Houve uma mudança na dependência de obuses de 152 mm para uma ênfase muito maior em morteiros de 120 mm no apoio de fogos russos; isso reflete a disponibilidade de munições e tubos. Os fogos russos responsivos representam o maior desafio para as operações ofensivas ucranianas.

A guerra eletrônica russa (EW) continua potente, com uma distribuição aproximada de pelo menos um sistema principal cobrindo cada 10 km de frente. Esses sistemas são fortemente ponderados para a derrota dos UAVs e tendem a não tentar desfazer seus efeitos. As perdas de UAV ucranianos permanecem em aproximadamente 10.000 por mês. Aparentemente, o EW russo também está conseguindo interceptar e descriptografar em tempo real os sistemas de comunicação tática criptografada de 256 bits da Motorola ucraniana, que são amplamente empregados pelas Forças Armadas da Ucrânia.

As defesas aéreas russas também tiveram um aumento significativo em sua eficácia, agora que estão instaladas em locais conhecidos e bastante estáticos e conectadas adequadamente. Embora a Rússia tenha lutado persistentemente para responder às ameaças emergentes, com o tempo ela se adaptou. As defesas aéreas russas agora são avaliadas pelos militares ucranianos como interceptando uma proporção de ataques GMLRS, já que as defesas russas estão diretamente conectadas ao radar superior.

A aviação russa continua restrita a disparar armas stand-off, variando de salvas de S-8 elevadas e responsivas contra pontos de formação ucranianos, a bombas planadoras FAB-500 lançadas de altitude média a alcances de até 70 km. Os militares ucranianos observam que a Rússia tem um grande estoque de FAB-500 e os está atualizando sistematicamente com kits de planeio. Embora tenham precisão limitada, o tamanho dessas munições representa uma séria ameaça. As Forças Aeroespaciais Russas continuam sendo uma ‘força em existência’ e uma grande ameaça para o avanço das forças ucranianas, embora atualmente não tenham capacidade para penetrar nas defesas aéreas ucranianas.

Após a destruição da infraestrutura de comando e controle russa em julho de 2022, os militares russos retiraram os principais quartéis-generais do alcance do GMLRS e os colocaram em estruturas reforçadas. Eles também os conectaram à rede civil de telecomunicações ucraniana e usaram cabos de campo para ramificar desta para o quartel-general da brigada mais adiante. Os ativos atribuídos tendem a se conectar a essas sedes via microlink, reduzindo significativamente sua assinatura. Ao mesmo tempo, do batalhão para baixo, as forças russas dependem amplamente de rádios militares analógicos não criptografados, refletindo a escassez de sinalizadores treinados no nível tático.

Uma visão geral da adaptação russa revela uma força capaz de melhorar e evoluir no emprego de sistemas-chave. Há evidências de um processo centralizado para identificar deficiências no emprego e desenvolver mitigações. No entanto, grande parte dessa adaptação é reativa e visa compensar as graves deficiências das unidades russas. O resultado é uma estrutura que melhora ao longo do tempo na gestão dos problemas que enfrenta imediatamente, mas também uma estrutura que se esforça para antecipar novas ameaças. A conclusão, portanto, é que as Forças Armadas Russas representam um desafio significativo para os militares ucranianos na defesa. No entanto, se a Ucrânia puder interromper as defesas russas e impor uma situação dinâmica sobre elas, é provável que as unidades russas percam rapidamente sua coordenação. Mudanças no ambiente de combate aéreo, por exemplo, levou rapidamente a incidentes como fratricídios do lado russo.

FONTE: Rusi.org

Subscribe
Notify of
guest

17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Arthur
Arthur
10 meses atrás

Quanto sincericídio. Mas é um bom artigo, paralelo às excelentes análises do Dr. Rodolfo Laterza. Por outro lado, às vezes sinto falta da opinião do analista militar do Azerbaijão, de funcionários da Universidade Nacional de Kmelnytskyi, ou de sites militares búlgaros…

Chevalier
Chevalier
10 meses atrás

Resumão das táticas: batalhões penais, minorias capturadas e jogadas na linha de frente forçadas a marchar para a morte, destruir tudo com artilharia… é a velha União Soviética.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
10 meses atrás

Esses sistemas são fortemente ponderados para a derrota dos UAVs e tendem a não tentar desfazer seus efeitos. As perdas de UAV ucranianos permanecem em aproximadamente 10.000 por mês.´´

10.000 mensais? Tá certo isso aí? De que tipos de UAV´s?

Lks9
Lks9
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Provavelmente se refere há desde bayraktar até drone do Aliexpress, mas isso é só especulação minha

Carlos
Carlos
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

Eu penso que ele se equivocou com o número, ou está falando de interceptações eletrônicas feitas contra os drones, mensalmente.

Emmanuel
Emmanuel
10 meses atrás

A Rússia tem conseguido se adaptar a esse novo tipo de conflito, mesmo com todo tipo de atraso tecnológico e doutrinário. A Ucrânia idem. O dilema ucraniano é a metamorfose ambulante que se transformou suas forças armadas. Seu país virou um campo de testes de forças ocidentais que não tem preocupação alguma com perdas já que não tem, oficialmente, tropas instaladas dentro da Ucrânia. Observadores sempre são bem vindos, mas eles não pesam em números nos combates. Os russos só lidam com seu material e melhora dele. Os russos estão se adaptando melhor. E digo isso porque lutam só, com… Read more »

Fabricio Lustosa
Fabricio Lustosa
10 meses atrás

Parabéns pela postagem “Redação Forças de Defesa”, um alento ao Forte. Quanto a moçada que está revoltada, descabelada com a realidade se acalmem que Hollywood logo logo vai consolar vcs com várias obras cinematográficas para acudir vossos sonhos de desejo.

Hank Voight
Reply to  Fabricio Lustosa
10 meses atrás

Ah a torcida….

No mais já que o anão do Kremlin relaxou as exigências para naturalização e alistamento, que tal deixar a retórica e ir lutar pela sua “Mãe Rússia”?

Mcruel
Mcruel
10 meses atrás

Tanto Napoleão quanto nazistas invadiram a Rússia; enfrentaram o inverno russo e longas linhas de suprimentos.
Hoje, o papel é inverso. A Rússia é a invasora e enfrenta um exército que conhece bem sua história, doutrina e armamentos. Posições defensivas são mais fáceis de serem estabelecidas e defendidas, o que me leva a crer que Kiev está longe de ser tomada; pelas mesmas razões será difícil expulsar os russos dos terrenos ocupados.
Mas sim, daqui a 10 anos, se a guerra tiver terminado, terá virado história a ser estudada.

Marcelo
Marcelo
10 meses atrás

Ao ler esse texto começo a pensar que a Rússia abriu um portal para outra dimensão, principalmente depois que a ofensiva de inverno naufragou igual ao Moskwa e todas as linhas de frente russas entraram em defensivas, exceto em Bakhmut, onde combates intensos continuam, mas Yevgeny Prigozhin correu para dizer que tomou a cidade. Apartir de agora: 1) os velhos T-55 vão se transformar em T-14 Armata; 2) nenhum Patriot será capaz de derrubar qualquer veículo aéreo russo, principalmente míssil hipersônico Khinzal; 3) nenhuma arma guiada vai atingir o alvo, mesmo quando o jamming estiver desligado; 4) nenhuma tropa ucraniana… Read more »

Oráculo
Oráculo
Reply to  Marcelo
10 meses atrás

Impresionante como o Xings de pá-virada é igual seu homólogo pró Rússia.

Tanto Tonico como esse perfil, que tem uns 8 Nicks diferentes, vivem num mundo paralelo, aonde a guerra é descrita conforme suas imaginações férteis.

Pior, eles mesmo postam, daqui a pouco comentam e no fim ainda fazem replica e tréplica entre os vários perfis que possuem.

É de uma insanidade inacreditável.

Augusto
Augusto
Reply to  Oráculo
10 meses atrás

Isso e verdade Oráculo, e tão tendencioso os comentários desse Marcelo que não da para se levar a serio quase nada o que ele escreve. E justamente o Kings do outro lado da força.

Fernando
Fernando
Reply to  Marcelo
10 meses atrás

O kings, vc mudou de lado agora. Não é pussive

Oráculo
Oráculo
10 meses atrás

Tanto os russos como os ucranianos sairão muito mais fortes no que diz respeito a doutrina de combate, do que no começo da guerra.

É a primeira grande guerra no Século 21, com toda tecnología disponível sendo empregada no front.

Esse conflito veio pra “chacoalhar” todas as doutrinas militares pelo mundo afora.

Fernando
Fernando
10 meses atrás

Agora tira a bandeira dos EUA daquele lugar, vc já ter gozado

Augusto
Augusto
10 meses atrás

Os Russos não entraram sozinhos em Paris em 1814. OS Prussianos e Austríacos também entraram na cidade apoiados por diversos reinos alemãs. Enquanto isso acontecia, os Suecos bloqueavam diversas fortalezas ao norte do Reno e Wellington atravessava o Pirineus e ataca o sul da França com um exercito misto de ingleses, portugueses e espanhóis. Isso sem contar que uma parte dos exércitos de Napoleão estava em cheque no norte da Itália contra um exercito Austríaco de um lado e outro vindo de Nápoles pelo sul.

Nunca os russos teriam chegado até Paris se estivessem lutado sozinhos.

Augusto
Augusto
10 meses atrás

Eu acho que boa parte do pessoal ainda não entendeu a função do grupo Wagner durante a tomada de Backmut. Os russos entraram em uma batalha de atrito nessa cidade sem praticamente usar suas forças regulares. Usaram mercenários descartáveis e prisioneiros ainda mais descartáveis para conquistar a cidade e ainda desgastar o exercito ucraniano a ponto de atrasar ou até mesmo cancelar a sua tão aguardada ofensiva de inverno.

Enquanto isso suas fortificações na linha de frente estão cada vez mais poderosas. Se isso irá funcionar no médio prazo só o tempo dirá. Mas isso e algo para se ponderar.

Last edited 10 meses atrás by Augusto