A ascensão dos espiões do Twitter: a revolução da OSINT, a inteligência de fonte aberta

11

Na maioria dos dias, Kyle Glen é um jovem comum de 29 anos trabalhando em um trabalho de pesquisa clínica no País de Gales. Mas em 6 de março, quando vídeos alegando mostrar o exército russo bombardeando uma rota de fuga civil surgiram no Telegram, sua identidade alternativa surgiu: espião do Twitter.

Alguns acreditaram que o vídeo foi falsificado para difamar a Rússia; outros apontaram para isso como evidência da agressão russa. A tarefa de Glen: verificar se era real.

Na filmagem, ele encontrou um marco – uma igreja ortodoxa com quatro cúpulas douradas. Ele o localizou em Irpin, usando o Google Maps e uma fotografia de arquivo da Associated Press para gerar suas coordenadas precisas. Uma varredura de Discord, Reddit e Twitter revelou conversas de testemunhas do atentado. Doze minutos depois de ver a filmagem, ele se sentiu confiante de que o vídeo era real e postou o trabalho em sua conta no Twitter.

“Do jeito que as guerras e conflitos são agora, eles se movem tão rápido que há muita informação. [As coisas] podem ser perdidas”, disse Glen. “Acho muito útil que haja pessoas fazendo isso como um hobby.”

À medida que a invasão russa da Ucrânia se desenrolou em um ritmo alucinante nas mídias sociais, ela aumentou as fileiras de espiões amadores como Glen. Armado com trabalhos diários ou cursos, a autoproclamada inteligência de código aberto – ou “OSINT” – comunidade rastreia todos os movimentos dos militares russos e ucranianos online. Após cinco semanas de guerra, suas descobertas estão afetando a estratégia no terreno.

Mykhailo Fedorov , ministro da transformação digital da Ucrânia, disse em entrevista ao The Washington Post que o trabalho da comunidade é crucial para seu país — tanto que um aplicativo do governo ucraniano, chamado Diia, agora permite que os cidadãos enviem fotos e vídeos com georreferenciação de russos movimentos de tropas.

“Recebemos dezenas de milhares de relatórios por dia”, disse Fedorov por meio de um tradutor. “Eles são muito, muito úteis.”

Grande parte do trabalho poderia ser mais impactante a longo prazo. Ativistas, acadêmicos e profissionais da mídia estão usando seus dados para criar uma linha do tempo verificada do conflito que pode afetar a forma como os países são responsabilizados por crimes de guerra.

“É horrível que um hospital tenha sido bombardeado”, disse Benjamin Strick, investigador digital da organização sem fins lucrativos Center for Information Resilience, em entrevista. “Mas mostrar um padrão desses ataques é mais importante no quadro geral”.

Segundo a maioria dos relatos, o rastreamento amador começou a ganhar força em 2011, durante a Primavera Árabe no Oriente Médio. O uso de smartphones e mídias sociais aumentou acentuadamente, liberando imagens não filtradas de conflito para o público em geral pela primeira vez na história. Isso atingiu um ponto decisivo em 2014, quando a inteligência de código aberto foi usada para rastrear a invasão da Crimeia pela Rússia e fornecer evidências do envolvimento do país no abate do voo 17 da Malaysia Airlines, observaram pesquisadores . No ano passado, durante a insurreição de 6 de janeiro no Capitólio dos Estados Unidos, amadores disseminaram informações online que as agências federais usaram para encontrar manifestantes.

Mas a invasão da Ucrânia pela Rússia trouxe um influxo incomum de participantes interessados, prontos para fornecer ao público em geral uma visão em tempo real da guerra, disseram pesquisadores e entusiastas da inteligência.

Nas últimas semanas, os amadores estabelecidos viram seus seguidores nas mídias sociais crescerem aos milhares. Meios de comunicação como o The Washington Post e o New York Times usaram o trabalho da comunidade em suas investigações visuais. O Project Owl, uma comunidade privada para coletores de inteligência de código aberto, viu sua base de membros crescer de 15.000 membros há cinco semanas para quase 30.000 atualmente, disseram os moderadores do grupo.

É “totalmente explosivo”, disse em uma entrevista um dos moderadores do Projeto Owl, que falou ao The Post sob condição de anonimato, citando razões de segurança.

O boom ocorre devido a uma confluência de forças, observaram os especialistas. Os ucranianos estão preparados para compartilhar conteúdo sobre a guerra nas mídias sociais, tendo feito o mesmo após a invasão da Crimeia pela Rússia em 2014. O serviço de Internet permanece, e as táticas dos coletores de código aberto amadureceram na última década, demonstrando a potência de rastrear conflitos em tempo real.

O núcleo dessa investigação é a geolocalização, devido à sua facilidade e impacto. Quando um vídeo ou imagem de conflito surge, os amadores examinam a filmagem em busca de pontos de referência ou outras pistas, tentando identificar sua localização para verificar sua precisão ou desmascará-la como uma tentativa de propaganda.

Mas eles se tornaram mais experientes, e a guerra na Ucrânia mostrou a amplitude de inteligência que os amadores podem reunir por meios simples. Alguns se especializam em rastreamento de voos e são capazes de mostrar quais aeronaves militares estão voando perto do espaço aéreo ucraniano a qualquer momento. Outros usam o banco de dados de incêndios da NASA para rastrear “anomalias térmicas” na Ucrânia, para ajudar a apoiar as alegações de novos combates ou bombardeios em uma região.

John Scott-Railton, pesquisador sênior do Citizen Lab da Universidade de Toronto, disse que a sofisticação e o conhecimento dos amadores de código aberto são “notáveis” e seu trabalho para documentar e verificar as imagens do conflito ajudará a conter a tentativa da Rússia de espalhar propaganda sobre a guerra. .

“Os fatos são difíceis de obter em um conflito”, disse ele em uma entrevista. “É uma tremenda fonte de informação. Está permitindo que o público e a mídia em geral tenham uma visão muito mais profunda desse conflito”.

Eliot Higgins, fundador do jornal investigativo Bellingcat, disse que conta com o trabalho da comunidade para documentar as atrocidades na Ucrânia.

Na semana passada, sua organização lançou uma plataforma para documentar possíveis crimes de guerra em tempo real. Por meio do trabalho de entusiastas de código aberto e outros, Bellingcat reuniu mais de 400 incidentes verificados, geolocalizados e marcados de possíveis crimes de guerra na Ucrânia, incluindo atentados a bombas em hospitais, greves em bairros e outros ataques que mataram ou feriram civis.

A Ucrânia, disse Higgins, “será vista como o primeiro conflito em que informações [de código aberto] foram coletadas por uma comunidade online e transformadas em informações úteis que foram usadas para prestação de contas”.

O senador Marco Rubio (R-Fla.) twittou no final de fevereiro que a comunidade OSINT merece “muito respeito” e pode não perceber o quanto de seu trabalho está “integrado ao trabalho mais amplo da comunidade de inteligência”.

Como transformar um tweet em evidência viável de um crime de guerra

Mas para alguns, o crescimento do número de amadores divulgando informações em tempo real sobre a guerra na Ucrânia traz preocupações. À medida que mais pessoas são atraídas para o hobby – um sem padrões profissionais obrigatórios – existe a preocupação de que suas ações possam colocar vidas em perigo ou espalhar desinformação involuntariamente.

Justin Peden, um estudante universitário de 20 anos do Alabama, conhecido como The Intel Crab no Twitter, disse que o conflito na Ucrânia foi um alerta. Ele é um amador estabelecido na comunidade de inteligência de código aberto, com cerca de 240.000 seguidores no Twitter.

Quando a guerra na Ucrânia começou, ele foi fisgado, passando os primeiros dias do conflito passando horas verificando os vídeos que saíam do conflito. No início de março, ele recebeu uma imagem de alguém em Kherson, uma cidade portuária no sul da Ucrânia que agora é ocupada pelos russos. A imagem, tirada de uma varanda, afirmava mostrar as tropas russas entrando na cidade.

Peden verificou a imagem e postou as coordenadas exatas da imagem no Twitter. Mas em poucos minutos ele estava preocupado, imaginando se havia acabado de identificar uma fonte e colocá-la em perigo. Peden apagou rapidamente a postagem, mas não antes de ela ter sido retuitada cerca de 100 vezes.

Desde então, Peden – cuja foto de perfil no Twitter é um caranguejo segurando uma bandeira ucraniana – começou a limitar a quantidade de geolocalização que ele faz e a pensar mais profundamente sobre a ética do trabalho: quais informações devem ser compartilhadas? Os amadores devem ser responsabilizados se suas descobertas estiverem erradas? Eles devem ser anônimos?

“Com quem você grita quando é apenas uma foto de um caranguejo online?” ele disse, referindo-se ao seu avatar.

Programadores de computador estão mirando na parede de propaganda da Rússia

Strick, do Center for Information Resilience, disse que essas são dores de crescimento naturais para a comunidade. À medida que as fileiras dos amadores aumentam, comportamentos preocupantes estão surgindo, incluindo pessoas compartilhando imagens de conflito antes de verificá-las com precisão ou amplificando imagens de sangue coagulado e abuso sexual sem questionar a ética disso.

Exemplo acima de imagem que foi inicialmente postada como um Leopard 2 sendo destruído, quando na verdade tratava-se de um T-72 desminando o campo de batalha.

No futuro, a comunidade deve adaptar os protocolos, disse Strick, como os criados por pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley e das Nações Unidas que detalham como conduzir investigações de guerra de código aberto de forma ética.

E para alguns, como Higgins de Bellingcat, isso marca o início de uma nova era na guerra – uma em que lançar bombas em uma cidade ou ferir civis inocentes não pode ser facilmente escondido.

“Haverá muitos olhos assistindo”, disse ele.

(*) o texto acima foi originalmente publicado em março de 2022

FONTE: The Washington Post

Subscribe
Notify of
guest

11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Underground
Underground
11 meses atrás

Enfim…. todos os crimes atribuídos aos russos são verdadeiros. Os russos são os maus nessa história. E quem os apoia deve rever sua posição. Mais: quem se diz neutro, deve rever sua posicade neutralidade. Como diz aquele que não nomeamos: a parte de cima do muro fica do meu lado.

Marcos2
Marcos2
11 meses atrás

Para quem tem real interesse em ver o excelente trabalho dos OSINT, seguem duas dicas : Covert Cabal- seu trabalho está no YouTube . Ele compra imagens de satélite em diferentes momentos, e conta individualmente tanques, equipamento, etc. Galante & demais editores (se não conhecem) ficarão surpresos com o trabalho minucioso dele. Ele atualiza os vídeos sobre os estoques a cada 3-4 meses, e é transparente quanto ao grau de confiança da análise. Perun- ótima fonte (um australiano) com embasamento técnico sobre a questão econômica & defesa. A análise dele sobre o impacto das sanções foi muito bom (why war… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Marcos2
sub urbano
sub urbano
Reply to  Marcos2
11 meses atrás

Só minions kkk Oryx mesmo parou de soltar as fake news dele logo depois dos Leo2 começarem a ser pulverizados nas estepes da eurasia. A CIA aposentou ele, ele fingiu q estava com dor de barriga e passou o blog pra esses fakes aí, possivelmente com uma arma pontada para a propria cabeça (vide Snowden).

Marcos2
Marcos2
Reply to  sub urbano
11 meses atrás

Eu até poderia ensinar você (e seus múltiplos nicks) como se usa alguns cálculos estatísticos, com um grau de segurança elevado, e valida-se a confiabilidade no conjunto de fotos.
É bem básico, nada complicado, mas para que né ?

Fica a dica do canal do YouTube do Perun. A análise econômica está correta e bem fundamentada.

WSilva
WSilva
Reply to  sub urbano
11 meses atrás

Para o ocidente só interessa o Snowdens chineses e russos, esses são tratados como heróis porém quando é Snowden ocidental aí o cara é escorraçado. rs

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  WSilva
11 meses atrás

É… porque a Rússia nem tenta matar ex-agentes que foram para o Ocidente, né? E te garanto que a China não veria com bons olhos um Snowden xing ling indo para algum país do Ocidente e abrindo o bico com informações classificadas. Na visão desses países o Snowden é um homem de integridade e princípios. Na visão americana ele é um traidor, e por aí vai. É bem normal, na verdade.

Marcos2
Marcos2
Reply to  Marcos2
11 meses atrás

Correção 3K oficias mortos / documentados em vez de 5k

Camargoer.
Camargoer.
11 meses atrás

Olá Colegas. Há muio tempo, a maior parte do trabalho de inteligência é feito sobre fontes abertas. O grande desafio sempre foi a confiabilidade da informação. Hoje, há mais informação disponível assim como há melhores ferramentas de processamento, mas a confiabilidade de informação continua sendo o grande desafio. Quando melhor for o trabalho de contra-informação, mais imprecisa será a análise. Até mesmo a “análise independente” pode ser apenas contra-informação. Lembro bem de como o governo dos EUA fizeram uma ampla campanha de desinformação para sabotar o trabalho da OPAQ, na época presidida por um diplomata brasileiro, que contestava a versão… Read more »

Maurício.
Maurício.
Reply to  Camargoer.
11 meses atrás

“Lembro bem de como o governo dos EUA fizeram uma ampla campanha de desinformação.”

Os EUA fazendo campanha de desinformação? Isso é um absurdo, só pode ser fake news! Os americanos são puros de coração, são nobres, amam a liberdade e a democracia, só falam a verdade e só pensam em ajuda humanitária…🤭

Nilton L Junior
Nilton L Junior
11 meses atrás

O que ganha o conflito é o infante, Twitter não ganha b nenhuma.

Guacamole
Guacamole
11 meses atrás

Agora que a ABIN vai mesmo na irrelevância.

Espiões de Facebook pagos pelo dinheiro do contribuinte, agora vai começar a ter concorrência com garotos de 16 anos que já nasceram com um computador na mão.