Nas duas primeiras semanas da contraofensiva, ucranianos perderam até 20% dos equipamentos, segundo o NYT

13

Tanques Leopard e blindados Bradley destruídos na Ucrânia

As tropas ucranianas mudaram a tática de conduzir a contraofensiva, o que ajudou a reduzir as perdas de equipamento militar, mas também retardou a libertação dos territórios, segundo reportagem do The New York Times.

De acordo com o The New York Times, até 20% do equipamento militar entregue à linha de frente, incluindo modelos ocidentais, foi danificado ou destruído nas primeiras duas semanas da contraofensiva.

Esse nível de perda de equipamentos caiu para 10% nas semanas seguintes devido ao fato de a Ucrânia ter mudado sua tática de contraofensiva.

Em particular, as Forças Armadas da Ucrânia estão mais focadas em esgotar as forças russas com artilharia e mísseis de longo alcance do que em atacar campos minados pela Rússia, escreveu o The New York Times.

“Mas essas boas notícias obscurecem algumas realidades sombrias. As perdas também diminuíram porque a própria contraofensiva diminuiu – e até parou em alguns lugares – enquanto os soldados ucranianos lutam contra as formidáveis ​​defesas da Rússia.

E apesar das perdas, os ucranianos percorreram até agora apenas cinco das 60 milhas [8 quilômetros de 96 – ed.] que esperam cobrir para chegar ao mar no sul e dividir as forças russas em duas.”

O New York Times cita especialistas militares que dizem que os primeiros 25 km do contra-ataque serão os mais difíceis, já que as tropas de ataque normalmente precisam de três vezes mais forças, incluindo armas, pessoal ou ambos, do que as de defesa.

FONTE: Ukrainska Pravda

Subscribe
Notify of
guest

13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mirão
11 meses atrás

5 de 60 milhas percorridas…
1/5 do material perdido…

“Eu vejo isso como uma vitória absoluta!”

-Alguém nos próximos comentários

Rodrigo de medeiros
Rodrigo de medeiros
11 meses atrás

Toda fez que tocam neste assunto, só aparece essa foto. Por que?

Maurício.
Maurício.
Reply to  Rodrigo de medeiros
11 meses atrás

Acho que é porque tinha um pessoal colocando muita fé na contraofensiva e nos Leopard, era Leopard prá cá, Leopard prá lá, o mesmo do Bradley, e justamente na primeira aparição no campo de batalha, vários foram abandonados e destruídos, e todos muito próximos uns dos outros, tem várias outras imagens na internet desse dia, e também fotos mais atuais, é só procurar, usam essa porque meio que ficou “eternizada”. É igual aquela foto em uma rua em Bucha e nas margens do rio Donets, onde vários blindados russos foram abandonados e destruídos, e aquelas fotos rodaram muito também, também… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Maurício.
Inimigo público
Inimigo público
Reply to  Rodrigo de medeiros
11 meses atrás

Acho que há muito tempo o ocidente não via seus equipamentos militares destruídos e abarrotados assim, por isso essa imagem. Ela virou um ícone

Inimigo público
Inimigo público
11 meses atrás

Pensei que a Ucrânia só tinha perdido 5 Bradleys e 1 leopard, pois os russos gravam as perdas ucranianos em 1.000 ângulos diferentes.

sergio
sergio
Reply to  Inimigo público
11 meses atrás

Não quem faz isso e aquele site, ucraniano, que segundo alguns e altamente confiável.

Vitor
Vitor
11 meses atrás

Não sei não …esse percentual é muito conservador…Os caras estão escondendo algo ou preparando o público para anunciar algo pior…O tempo dirá .

wilhelm
wilhelm
11 meses atrás

Se a imprensa ocidental diz que a Ucrânia perdeu 20% dos equipamentos, então certamente o número deve ser muito maior.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  wilhelm
11 meses atrás

Sim, na guerra da propaganda os dois lados inflam a perda do inimigo e o fazem o oposto do seu lado. Por isso também tenho muita desconfiança sobre estimativas de perdas humanas de ambos os lados que aparecem na mídia.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
11 meses atrás

Me pergunto até quando a OTAN vai ter boa vontade em ceder cada vez mais equipamento aos ucranianos, que os gastam ou perdem rápido demais. Um exemplo disso ão as munições de 155 mm com estoques já baixos na Europa e nos Estados Unidos e como evidenciou a matéria mais recente aqui no Forte:
“A fome da Ucrânia por projéteis definiu a guerra centrada na artilharia, com artilheiros ucranianos disparando até 240.000 tiros por mês, ou 12 vezes a produção mensal dos EUA”.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Filipe Prestes
11 meses atrás

Toda ajuda à Ucrânia não é doação e faz parte (pelo menos do lado americano) de um lease act similar ao que os britânicos receberam na 2a guerra e terminaram de pagar nos anos 2000. Em essência, o estado receptor da ajuda fica na esfera de influência do seu financiador enquanto não quitar a dívida, que no caso da Ucrânia vai levar algumas gerações. Por isso essa transferência de material não vai terminar cedo, só imagino possível se houvesse uma mudança política dentro dos EUA o que não seve acontecer nas próximas eleições independente do partido do próximo presidente.

Ojuaran
Ojuaran
11 meses atrás

Acho que a Rússia para vencer a Ucrânia devia primeiro invadir o Brasil e depois ir para Ucrânia. O Brasil é pentacampeão de futebol e certamente ia botar a Rússia pra correr. Sem contar os ministros supremos e as escolas de samba campeãs. No carnaval são imbatíveis Força extraterrestres

Arthur
Arthur
11 meses atrás

Perdas ucranianas até agora? Foi toco doutor! Foi toco!