O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, soou o alarme em junho e novamente em julho sobre um possível plano dos russos para sabotar a usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, potencialmente provocando uma catástrofe nuclear. Durante meses, especialistas e formuladores de políticas debateram a probabilidade de um acidente nuclear ou sabotagem deliberada em Zaporizhzhia . Quão real é o risco?

A usina foi pega no fogo cruzado da guerra da Ucrânia desde que os russos assumiram o controle dela nos primeiros dias da invasão no ano passado, e ambos os lados acusaram o outro de planos para sabotar a usina. As forças russas posicionaram equipamentos militares ao redor do local, usando-o como uma zona de exclusão de fato, livre de qualquer ameaça de fogo ucraniano, e Zelensky afirmou recentemente que as forças russas colocaram “ objetos semelhantes a explosivos” nos telhados de vários reatores. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), um órgão de vigilância nuclear da ONU, monitora o local em busca de qualquer evidência de minas ou explosivos desde as alegações de Zelensky, mas a agência disse em 12 de julho que ainda não encontrou evidências de sabotagem, embora não tenha acesso aos telhados de dois reatores.

O destino da usina continua surgindo na guerra de palavras entre a Ucrânia e a Rússia. Os propagandistas do Kremlin sugeriram recentemente que talvez tivessem de explodir a fábrica para forçar Kiev a negociar. A Rússia supostamente explodiu uma enorme barragem e uma usina hidrelétrica no sul da Ucrânia que era essencial para o reservatório de Nova Kakhovka, que fornecia água para a usina. A AIEA disse que Zaporizhzhia tem “água suficiente para alguns meses” e está explorando opções de backup, incluindo a construção de poços que possam reabastecer a água de resfriamento essencial para a segurança da usina. As autoridades de saúde ucranianas também disseram no final da semana passado, eles estão estudando os piores cenários para uma liberação de radiação e prepararam quase 200 hospitais para tratar vítimas civis.

Alguns especialistas e organizações como a American Nuclear Society (ANS) optaram pela cautela, assegurando às pessoas que as usinas são “peças robustas e endurecidas de infraestrutura crítica; construídas para resistir a perigos naturais e provocados pelo homem”. Sua postura é que não há muita necessidade de preocupação quando atualmente não há sinais de sabotagem. Quase todos os reatores também estão há meses no chamado desligamento a frio, o que reduz o risco de qualquer evento catastrófico súbito.

Mas outros especialistas alertaram sobre subestimar os riscos de liberação radioativa significativa se um ataque ocorresse ou se houvesse uma falha, deliberada ou não, no sistema de resfriamento da usina.

“O fato é que, se a Rússia ou qualquer outra entidade quiser sabotar esta usina nuclear operacional, há várias maneiras pelas quais eles provavelmente poderiam obter uma liberação radiológica significativa, e tentar fingir que isso não é uma possibilidade é, penso eu, prestar um péssimo serviço ao povo ucraniano”, disse Edwin Lyman, diretor de segurança de energia nuclear da Union of Concerned Scientists .

Todos os seis reatores em Zaporizhzhia foram desligados por cerca de 10 meses, o que significa que as reações nucleares em cadeia responsáveis ​​pela criação de energia nuclear foram interrompidas. No entanto, os subprodutos dessas reações, chamados de calor residual, ainda são radioativos e requerem muita atenção e gerenciamento, disseram os especialistas.

Cinco dos seis reatores estão operando sob desligamento a frio, o que significa que esses reatores são mantidos abaixo do ponto de ebulição. Se a usina perder energia fora do local e, subsequentemente, seu sistema de resfriamento, os operadores terão mais tempo do que em uma situação de desligamento a quente para restabelecer o resfriamento antes de se preocupar com a liberação radioativa.

Zaporizhzhia tem atualmente um reator em modo de desligamento a quente para fornecer vapor para a planta por várias razões de segurança e para ajudar a manter os componentes da planta operando . Um desligamento a quente significa que o reator está acima do ponto de ebulição e altamente pressurizado, aumentando o risco de liberação de material radioativo se algum dano ocorrer ou o resfriamento for interrompido, disseram especialistas.

“Se você abrir a garrafa de água parada como em um estado de desligamento a frio, nada acontecerá, enquanto abrir a lata agitada, [representando um] sistema pressurizado como em um estado de desligamento a quente, resultaria na liberação de parte da lata”, disse Attila Aszodi, professor do Instituto de Técnicas Nucleares da Universidade de Tecnologia e Economia de Budapeste .

Especialistas, incluindo os da AIEA e da ANS, disseram que desligar todas as unidades a frio ajudaria a reduzir o risco de liberação radiológica: uma caldeira poderia produzir vapor tão facilmente quanto o sexto reator.

“Os especialistas da AIEA estão encorajando fortemente o ZNPP a investigar todas as opções possíveis para instalar uma caldeira externa para gerar o vapor necessário, o que permitiria que o local colocasse todas as unidades em um estado de desligamento a frio”, disse a AIEA.

Mesmo com a infraestrutura robusta que fornece proteção adicional à usina, “os riscos com a guerra são altos o suficiente, [e] portanto, é absolutamente razoável minimizar os riscos tecnológicos na situação atual”, disse Aszodi.

O bombardeio das forças russas pode derrubar novamente as linhas de energia e cortar a eletricidade do local, da qual depende o sistema de resfriamento da usina. Em outubro, a usina perdeu sua energia fora do local devido a bombardeios e teve que contar com geradores a diesel de reserva pelo menos três vezes no mesmo mês. Mas Lyman disse que os geradores a diesel não devem ser considerados uma solução de longo prazo por causa de sua dependência do suprimento de combustível e necessidade de manutenção manual.

“O sistema elétrico é provavelmente o calcanhar de Aquiles, porque se você perder a distribuição elétrica, como aconteceu com Fukushima, grande parte do equipamento teria que ser operada manualmente, e isso realmente tornaria as coisas mais difíceis”, disse Lyman. O colapso em 2011 na usina nuclear de Fukushima, no Japão, após um tsunami, foi o último grande acidente nuclear do mundo.

Todos os reatores requerem resfriamento contínuo e, portanto, eletricidade, independentemente de seu status de desligamento. Os reatores em desligamento a frio dão aos operadores alguns dias para restaurar o resfriamento, em vez de apenas algumas horas, o que seria o caso se estivessem em desligamento a quente, disse Lyman. Mas pode levar menos de alguns dias se outros problemas ocorrerem simultaneamente, como vazamentos, rupturas ou sabotagem deliberada.

“O lado russo conhece muito bem a fábrica. Eles sabem onde estão os pontos fracos”, disse Aszodi. “O bombardeio sistemático do prédio do reator seria ruim, mas destruir o resfriamento e o fornecimento de eletricidade é mais fácil.”

E os especialistas estão preocupados que até mesmo alguns dias não sejam suficientes quando a equipe é muito reduzida e as linhas de comando não são claras. Milhares de trabalhadores conseguiram escapar antes que as forças russas assumissem o controle no ano passado, deixando apenas uma parte do que antes era uma força de trabalho de 12.000 pessoas no local, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho . Relatos de tortura e abuso também levantaram preocupações sobre as condições de trabalho dos operadores existentes na usina.

“Nossas condolências e pensamentos estão sempre com os trabalhadores. Esses são engenheiros que estão lá apenas para fazer o trabalho”, disse Jacopo Buongiorno, membro da Força-Tarefa de Resposta Rápida da ANS e professor de engenharia nuclear no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Mas ele e a ANS sustentam que os trabalhadores restantes são suficientes para lidar com quaisquer problemas na fábrica e interrupções no sistema de refrigeração. E mesmo que os russos sabotassem a usina deliberadamente, as consequências radiológicas seriam “muito baixas”, segundo Buongiorno, com uma dispersão radioativa de no máximo 2 quilômetros de raio.

“Ainda há uma quantidade significativa de material radioativo no local, e você pode explodir o local e alguma radioatividade vai sair”, disse Buongiorno. “Mas a verdadeira pergunta que devemos nos fazer é quais serão as consequências radiológicas? Será realmente uma nuvem de material radioativo pairando sobre a Europa e matando dezenas de pessoas? A resposta curta é não.”

Mas manter uma usina nuclear como refém é um motivo a menos para baixar a guarda, disseram especialistas, incluindo Aszodi.

“Não acho que nenhuma das partes neste conflito teria interesse em destruir a usina, causar danos reais ou liberar radioatividade da usina”, disse Aszodi. “Mas, infelizmente, vimos muitos eventos e ações irracionais nesta guerra. A irracionalidade é o principal risco, na verdade.”

FONTE: Foreign Policy

Subscribe
Notify of
guest

34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Camargoer.
Camargoer.
10 meses atrás

Olá a todos. Se os russos ocuparam a usina, por que eles iriam sabota-la colocando em risco a própria segurança? Ainda mais considerando a sua distancia de Sebastopol. Faria sentido o contrário, se a Ucrãnia sabotasse a usina criando um caos nuclear em torno das tropas russas. Outro ponto, se o reservatório de água para refrigeração do reator está prejudicado, então a operação comercial da usina já está comprometido. Uma observação. Calor residual nada tem a ver com a presença de resíduos ou subprodutos tóxicos ou radioativos. Calor é apenas transferência de energia do corpo quente para o corpo frio.… Read more »

Rogerio
Rogerio
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

O calor residual eh gerado pelo decaimento dos fragmentos de fissão. O urânio eh fissionado em dois núcleos mais leves, que estão excitados e liberam energia por decaimento. Quando o reator eh desligado continua produzindo 7% “da energia quando ligado” em função desse decaimento … com o passar do tempo, esses 7% viram 6%, 5% … portanto, mesmo desligado precisa ser resfriado … o calor gerado eh suficiente para derreter o núcleo.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Rogerio
10 meses atrás

Olá Rogério. Exato. Um material radioativo tem um decaimento natural, mesmo que o reator esteja desligado. Cada vez que um átomo decai, ele libera energia. Como o combustível nuclear tem uma concentração muito grande de material radioativo, a tendência seria ele aumentar a sua temperatura até, no limite, fundir. Por isso é preciso manter o fluxo de água fria do sistema de refrigeração primário e secundário. Calor residual é a energia que fez o combustível aquecer alguns graus acima da água de refrigeração. Calor não é energia, calor é o processo da energia sair do corpo quente e ir para… Read more »

Quirino
Quirino
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Me pergunto isso toda vez que vejo uma reportagem sobre essa usina, eles querem por que querem fazer acreditar que a Rússia ganharia alguma coisa com a sabotagem da usina, a pergunta que fica é o que? não consigo ver nenhum ganho em os russos sabotar uma usina que esta em território que eles mesmo anexaram, os ucranianos tem muito a ganhar com a destruição da usina, já a Rússia o mistério continua, o que eles tem a ganha sabotando essa usina que esta sobre seu controle? A mídia ocidental as vezes força a barra do absurdo.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Quirino
10 meses atrás

Pois é. Talvez os russos possam inviabilizar a usina de um dia se retirarem, mas sabotar o reator para que ele exploda é uma tolice. Por exemplo, remover os geradores, destruir as linhas de transmissão, injetar água salgada no trator… Tudo isso inviabilizaria a usina. Si não faz sentido achar que eles explodiram o reator.

Heinz
Heinz
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Nunca duvide da tolice de um russo. Há própria invasão é um tolice. Se os russos não tivessem invadido um país independente, um país praticamente irmão, não haveria risco na usina.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Heinz
10 meses atrás

Caro. Creio que seu comentário é preconceituoso. Um russo não é mais nem menos tolo que alguém que tenha nascido em outro país, seja na China, EUA ou Brasil. Os acidentes em Three Miles, Fukushima, Chernobyl e mesmo em Goiânia mostram todos ocorreram em tempos de paz. Não há relação entre guerra e acidentes nucleares.

Heinz
Heinz
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Justamente, mas eu te garanto que se os russos não tivessem invadido a Ucrânia por questões imperialistas, não teria um risco tão alto de desastre nuclear na referida usina. OU vai negar?

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Heinz
10 meses atrás

E caso os russos tivessem invadido a Ucrãnia por outras razões, com aval da ONU por exemplo, o risco seria menor?

Augusto
Augusto
Reply to  Quirino
10 meses atrás

Sim realmente não teria sentido nenhum dos russos sabotarem essa usina.

Isso está parecendo que o Zelensky só está querendo aparecer (de novo).

Ele precisa desviar o foco da opinião interna e dos países ocidentais pois sua ofensiva não está indo muito bem. Ai fica criando esse alarde com essa usina.

Segatto
Segatto
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

De fato, o único motivo para os russos sabotarem a usina seria como política de terra rasgada caso percam o território. Mesmo nesse ver, faria muito mais sentido destruir o sistema de condução de energia para negar o uso aos ucranianos e restabelecer quando retomasse controle, além disso destruir os reatores causará fallout contra regiões russas e as invadidas. São 5,7 GWe de graça, com todos os reatores ainda tendo entre alguns anos até 20 anos de vida útil, dependendo de modernizações.

Nilo
Nilo
10 meses atrás

O portugues major-general Carlos Branco considera que “ambas as partes querem controlar a central” e, por isso, as minas são “medidas que visam proteger um possível ataque”. 
“Qualquer força que ocupasse a central teria este procedimento”, aponta, sublinhando que a situação não passa de um “alarmismo injustificado”.

RDX
RDX
10 meses atrás

Off topic

Matéria interessante sobre o potencial do Leopard 1A5 no TO ucraniano.

O autor termina a matéria dizendo que o Leopard 1 não é um tanque de verdade. Dura realidade.

https://www.forbes.com/sites/davidaxe/2023/07/22/ukraine-just-got-its-first-10-leopard-1a5-tanks-now-it-needs-to-figure-out-how-to-use-them/?ss=aerospace-defense&sh=65bd4ff750dc

Last edited 10 meses atrás by RDX
Rogerio
Rogerio
Reply to  RDX
10 meses atrás

Talvez, um equipamento obsoleto para este cenario (ou todos). Distante do “estado da arte” atual.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  RDX
10 meses atrás

Leo1 é de uma época em que blindagem composto estava apenas na prancheta, e a principal ameaça a um MBT eram minas, RPG’s e outros MBT’s. Não haviam ainda ATGM, helis de ataque e drones.
A própria linhagem de Leo1 contava mais com sua mobilidade e precisão do que com sua blindagem, que era “fina” até mesmo pra época, imagine hoje…
Sendo sincero, tenho dó dos tripulantes que forem operar Leo1A5 num conflito de alta intensidade como a Ucrânia…

RDX
RDX
Reply to  Willber Rodrigues
10 meses atrás

A própria matéria revela a função do Leopard 1 durante a guerra fria: Tank Destroyer. Desprovido de blindagem pesada restava ao Leopard 1 usar sua mobilidade e consciência situacional superiores para localizar os tanques soviéticos e do pacto de Varsóvia (T-54/55, T-62, T-64 e versões antigas do T-72), emboscá-los e depois retrair para evitar os disparos do inimigo. Esse conceito ficou obsoleto quando a munição do canhão 105mm tornou-se incapaz de penetrar a blindagem frontal das versões mais avançadas do T-72.

Last edited 10 meses atrás by RDX
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  RDX
10 meses atrás

O fato do Leo1A5 ser o único e mais moderno MBT do EB é o que me preocupa…

AVISO DOS EDITORES: A CONVERSA ESTÁ SAINDO TOTALMENTE DO TEMA DA MATÉRIA. LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Rafael
Rafael
Reply to  RDX
10 meses atrás

A sorte do nosso país é ter vizinhos pequenos, endividados e que não querem arrumar confusão…Isso justifica equipamentos tão ultrapassados e que não teriam utilidade em um conflito atual, e muita gente deve achar melhor assim.
Sobra mais dinheiro para gastar com pensões.

AVISO DOS EDITORES: A CONVERSA ESTÁ SAINDO TOTALMENTE DO TEMA DA MATÉRIA. LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Francisco Vieira
Francisco Vieira
10 meses atrás

“Devemos nos preocupar com a usina nuclear de Zaporizhzhia?”Desculpe-me, mas…-Nós, quem? Eu estou é mais preocupado com os preços do ovo, do leite e da conta de luz.
Att.

Rogerio
Rogerio
Reply to  Francisco Vieira
10 meses atrás

Mesmo em um acidente catastrófico nas 6 unidades, o impacto radiológico para o Brasil eh praticamente nulo. A não ser que compremos leite em pó com alguns traços de contaminação da Europa, como fizemos na época de Chernobyl.

Quirino
Quirino
Reply to  Francisco Vieira
10 meses atrás

Foi cirúrgico no seu comentário.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Francisco Vieira
10 meses atrás

Caro Francisco. Seguindo o histórico dos acidentes de Chernobyl e Fukushima, uma explosão do reator e a exposição do seu núcleo traria problemas para o Brasil, mesmo estando longe.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Caro. O reator de Fukushima não explodiu. Chegou perto. Durante a fusão do reator foi gerada uma enorme pressão interna dentro vaso, superior até à margem de segurança do projeto. Foi muita sorte. Tivesse explodido, além das catástrofe no Japão e na região em torno, a quantidade de material radioativo lançado na atmosfera seria espalhada por todo mundo, chegando inclusive no Brasil. Os danos mais visíveis seriam um aumento nos casos de câncer respiratório e da tiroide. No caso de Chernobyl, o reator explodiu, lançou uma enorme quantidade de material radioativo na atmosfera contaminando toda a região em torno da… Read more »

Rogerio
Rogerio
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Hoje temos o fallout (o que sobrou das _________ de testes nucleares na superfície, bombas da WW2 e acidentes nucleares, disseminados, (mais ou menos) uniformemente, em todo o mundo. No caso de acidente nuclear o problema principal (e inicial) eh o Iodo (131 ?)mas com meia vida de 8 dias (e gasoso). Portanto, a ________ pelo Iodo se espalha poucas centenas de km (ou alguns milhares) dependendo do vento. A dispersão pelos ventos do hemisfério norte para o sul seria muitíssimo demorado … o Iodo já teria ido pro vinagre. O mundo ficaria com a sobra de césio, estroncio e… Read more »

Fábio CDC
Fábio CDC
Reply to  Rogerio
10 meses atrás

Concordo plenamente com o Senhor.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Rogerio
10 meses atrás

Você tem razão sobre o tempo de meia vida do iodo, contudo o problema é a ingestão de partículas radiativas com outros isótopos de tempos mais longos, alguns de anos e outros de milhares de anos. A ingestão destas substãncias causam câncer no sistema respiratório e digestivo. Também podem causar má formação de fetos. Como estes elementos entram na cadeia alimentar e são acumulativos, isso significa que a médio e longo prazo, a tendência é elevar os níveis de intoxicação humana

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Sem contar no efeito cascata aqui para o Brasil caso uma catástrofe desse tamanho atinja uma área cultivável da Europa e permaneça durante décadas. Quais as implicações em matéria de imigração, qual o impacto na cadeia global de produção de alimentos, qual o impacto na economia global, etc. Existem variáveis demais que podem sim trazer impactos graves ao Brasil.

Rogerio
Rogerio
Reply to  Leandro Costa
10 meses atrás

O impacto ficará em uma área restrita. Mas caso tenha contaminacao acima de determinados limites, ficando impróprio pro consumo, os europeus baixam um decreto aumentando os limites, e portanto o que era impróprio para o consumo fica próprio para o consumo. O que vai ter de “especialistas” defendendo limites mia amplos …

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Rogerio
10 meses atrás

O problema é que você está se baseando em um cenário que você acha que vai acontecer em relação à reguladores europeus. Ou seja, é basicamente a mesma coisa que eu disse. Existem variáveis demais, e enquanto você acha que pode não dar nada, eu prefiro achar que é bem melhor evitar que algo, cujas consequências não sejam previsíveis, aconteça para início de conversa.

Rogerio
Rogerio
Reply to  Leandro Costa
10 meses atrás

Oi Leandro! O bom senso seria que todas as nucleares em áreas de conflito fossem desligadas. Mas se tá numa guerra, eh sinal que o bom senso não existe. Pelos últimos relatos, dos 6 reatores apenas um estaria gerando energia elétrica, e que a destruição da barragem (Kakhiva ou coisa parecida) faz com que o nível do ponto de bombeamento de água esteja descendo 1 cm por dia (por uso e evaporação) tendo água no reservatório para alguns meses. Há alguns dias caiu uma das linhas de alimentação externa (a de 750 kV) por 12 horas, a de reserva (330… Read more »

Rogerio
Rogerio
Reply to  Camargoer.
10 meses atrás

Na época de Chernobyl, estávamos com os problemas dos “fiscais do Sarney” … tava faltando alimento …. Compramos lotes e lotes de leite em pó contaminado com Cs-137 e Sr-90, principalmente leite em pó holandês e da Irlanda. Lembra da tabela periódica : Li Na Karta Roberto Casou na França (alcalinos) o Césio (só casou) tem o mesmo comportamento químico do Sódio (Na) ou Potássio (K), portanto quando o organismo ingere Cs-137 ele pensa que eh sódio ou potássio e distribui no sangue, rins, parte cardiaca … Os alcalinos terrosos : BeBa Mg Caro Sr Bara O organismo ingere Sr-90… Read more »

Tomcat4,5
Tomcat4,5
10 meses atrás

Os russos, os quais já estão ,a meses , no controle da usina não tem nada a ganhar com a destruição da usina a qual é um baita de um ativo econômico para a região anexada.

Magaren
Magaren
10 meses atrás

Vindo do Putin não espero nada de positivo inclusive um ataque a essa usina em uma false flag.

No começo do conflito tinha imagem de estadista, agora tem de um Temer da vida.

AVISO DOS EDITORES: A CONVERSA ESTÁ SAINDO TOTALMENTE DO TEMA DA MATÉRIA. LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Inimigo público
Inimigo público
Reply to  Magaren
10 meses atrás

Mas Temer é um estadista. Inclusive se ele tivesse sido presidente em 2019 o Brasil era outro hoje, muito mais próspero.

AVISO DOS EDITORES: A CONVERSA ESTÁ SAINDO TOTALMENTE DO TEMA DA MATÉRIA. LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/