Mortos e feridos na guerra da Ucrânia está perto de meio milhão, dizem autoridades dos EUA

59

O número total de soldados ucranianos e russos mortos ou feridos desde o início da guerra na Ucrânia, há 18 meses, está próximo de 500 mil, disseram autoridades americanas, um número impressionante enquanto a Rússia ataca seu vizinho e tenta tomar mais território.

As autoridades alertaram que os números das baixas permanecem difíceis de estimar porque Moscou costuma subestimar seus mortos e feridos de guerra, e Kiev não divulga números oficiais. Mas eles disseram que a carnificina se intensificou este ano no leste da Ucrânia e continuou em um ritmo constante enquanto uma contra-ofensiva de quase três meses se arrasta.

As baixas militares da Rússia, disseram as autoridades, estão se aproximando de 300.000. O número inclui até 120.000 mortos e 170.000 a 180.000 soldados feridos. Os números russos superam os números ucranianos, que as autoridades estimam em cerca de 70.000 mortos e 100.000 a 120.000 feridos.

Mas os russos superam os ucranianos no campo de batalha quase três para um, e a Rússia tem uma população maior para reabastecer suas fileiras.

A Ucrânia tem cerca de 500.000 soldados, incluindo tropas da ativa, reserva e paramilitares, segundo analistas . Em contraste, a Rússia tem quase o triplo desse número, com 1.330.000 soldados da ativa, reserva e paramilitares – a maioria dos últimos do Grupo Wagner.

A última estimativa pública de baixas do governo Biden ocorreu em novembro, quando o general Mark A. Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, disse que mais de 100.000 soldados de cada lado foram mortos ou feridos desde o início da guerra em fevereiro de 2022. Na época, as autoridades disseram em particular que os números estavam mais próximos de 120.000 mortos e feridos.

Mas esse número disparou no inverno e na primavera, quando os dois países transformaram a cidade oriental de Bakhmut em um campo de matança. Centenas de soldados foram mortos ou feridos por dia durante muitas semanas, disseram autoridades americanas. Os russos sofreram pesadas baixas, mas os ucranianos também, enquanto tentavam manter cada centímetro de terreno antes de perder a cidade em maio.

As tropas ucranianas inicialmente tentaram romper as linhas russas entrincheiradas com formações mecanizadas de armas combinadas. Equipados com armas americanas avançadas, os ucranianos, no entanto, ficaram atolados em densos campos minados russos sob fogo constante de artilharia e helicópteros.

Nas duas primeiras semanas da contra-ofensiva, até 20% do armamento que a Ucrânia enviou ao campo de batalha foi danificado ou destruído, segundo autoridades americanas e europeias. As perdas incluíram algumas das formidáveis ​​máquinas de combate ocidentais – tanques e veículos blindados – com as quais os ucranianos contavam para repelir os russos.

Mais significativamente, milhares de soldados foram mortos ou feridos, disseram as autoridades.

Um alto funcionário dos EUA reconheceu o alto número de baixas ucranianas, mas disse que as armas combinadas são “muito, muito difíceis”. Ele acrescentou que, nos últimos dias, as tropas ucranianas começaram a romper as defesas russas na primeira camada.

Nas últimas semanas, a Ucrânia mudou suas táticas no campo de batalha, retornando às suas velhas formas de desgastar as forças russas com artilharia e mísseis de longo alcance, em vez de mergulhar em campos minados sob fogo.

As autoridades americanas estão preocupadas que os ajustes da Ucrânia irão esgotar os preciosos suprimentos de munição, o que poderia beneficiar o presidente Vladimir V. Putin da Rússia e prejudicar a Ucrânia em uma guerra de atrito. Mas os comandantes ucranianos decidiram que o pivô reduzia as baixas e preservava sua força de combate na linha de frente.

Autoridades americanas dizem temer que a Ucrânia tenha se tornado avessa a baixas, uma das razões pelas quais ela tem sido cautelosa ao avançar com a contra-ofensiva. Quase qualquer grande ataque contra defensores russos protegidos por campos minados resultaria em um grande número de perdas.

Em apenas um ano e meio, as mortes de militares na Ucrânia já ultrapassaram o número de soldados americanos que morreram durante as quase duas décadas em que as unidades dos EUA estiveram no Vietnã (cerca de 58.000) e quase igualam o número de forças de segurança afegãs mortas durante toda a guerra em Afeganistão, de 2001 a 2021 ( cerca de 69.000 ).

O número de mortos e feridos reflete a quantidade de munições letais gastas por ambos os lados. Milhares de tiros de artilharia são disparados todas as semanas, tanques destroem edifícios, minas terrestres estão por toda parte e drones pairam sobre suas cabeças abatendo as tropas abaixo. Quando o combate corpo a corpo ocorre, ele se assemelha às batalhas da Primeira Guerra Mundial: brutais e geralmente ocorrendo em trincheiras.

Os números também apontam para a falta de atendimento médico rápido na linha de frente. Soldados feridos são cada vez mais difíceis de evacuar, dada a quantidade de artilharia e tiros que marcam cada confronto. Ao contrário das guerras dos EUA no Afeganistão e no Iraque, onde as forças americanas aderiram estritamente à evacuação das vítimas em uma hora para um centro médico bem abastecido, não existe tal capacidade na Ucrânia.

Em vez disso, os soldados feridos costumam ser jogados em qualquer veículo disponível ou saem do front a pé. Em alguns casos, os feridos e mortos são deixados no campo de batalha, porque os médicos não conseguem alcançá-los. Hospitais e postos de socorro geralmente estão sobrecarregados.

E em toda a Ucrânia, nas grandes cidades e aldeias rurais, quase todo mundo conhece uma família que perdeu alguém nos combates. Flores secas de funerais espalham-se por estradas tranquilas e cemitérios estão lotados em todos os cantos do país.

Os números estimados para a Ucrânia e a Rússia são baseados em imagens de satélite, interceptações de comunicação, mídia social e despachos de mídia de repórteres no país, bem como relatórios oficiais de ambos os governos. As estimativas variam, mesmo dentro do governo dos EUA.

De acordo com documentos do Pentágono vazados na primavera , a Rússia sofreu de 189.500 a 223.000 baixas, incluindo até 43.000 mortos em ação. Um documento dizia que até fevereiro a Ucrânia havia sofrido de 124.500 a 131.000 baixas, com até 17.500 mortos em ação.

Enquanto várias autoridades dos EUA e um ex-alto funcionário ucraniano disseram que cerca de 70.000 soldados ucranianos morreram no conflito até agora, outras autoridades americanas disseram que o número pode ser menor.

As estimativas variam tanto em parte devido à relutância da Ucrânia em revelar suas perdas durante a guerra até mesmo para o governo americano. Os analistas de inteligência dos EUA também passaram muito mais tempo focando nas baixas russas do que nas da Ucrânia, sua aliada.

Analistas russos dizem que é improvável que a perda de vidas detenha Putin. Ele não tem oposição política em casa e classificou a guerra como o tipo de luta que o país enfrentou durante a Segunda Guerra Mundial, quando mais de oito milhões de soldados soviéticos morreram. Autoridades americanas disseram acreditar que Putin pode sofrer centenas de milhares de baixas na Ucrânia, embora números maiores possam cortar seu apoio político.

Embora Putin pareça um tanto relutante em iniciar uma mobilização ampla, ele elevou o limite máximo de idade para homens elegíveis para serem recrutados para o exército. E se a Rússia decidir mobilizar mais pessoas, sua população maior poderá rapidamente sobrecarregar as reservas ucranianas de mão de obra.

As mortes de soldados podem ter um impacto maior para a Ucrânia em uma guerra que está longe de terminar. E enquanto os combatentes estão morrendo em massa, os civis pegos entre as armas morreram aos milhares, enquanto milhões foram deslocados.

“Essas são pessoas”, disse Evelyn Farkas, uma ex-funcionária do Pentágono para a Ucrânia que agora é diretora executiva do Instituto McCain.

“A Ucrânia é uma democracia, então a perda de vidas pode ter um impacto político maior”, disse o Dr. Farkas. “Mas mesmo em uma autocracia, Vladimir Putin sabe que o sentimento público pode fazer a diferença.”

FONTE: The New York Times

Subscribe
Notify of
guest

59 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
welter
welter
10 meses atrás

acho que todos os mortos são russos

Munhoz
Munhoz
Reply to  welter
10 meses atrás

Tem tanta mentira e informação manipulada, que daqui a pouco o pessoal vai falar isso mesmo, com a Russia disparando 10 x mais acabou tendo o dobro de baixas ??
Tem gente que acredita nisso !

Felipe
Felipe
Reply to  welter
10 meses atrás

De acordo com a Ucrania, sim

Alecs
Alecs
10 meses atrás

Putin vai entrar para história como o Hitler do século XXI. Triste ler uma matéria assim. Nada contra o povo russo, mas espero que os ucranianos recebam cada dia mais armas para expulsarem o invasor. Que guerra estúpida!

Jose
Jose
Reply to  Alecs
10 meses atrás

E tem gente aqui que ama esse Hitler…que situação.

Magaren
Magaren
Reply to  Alecs
10 meses atrás

Os invasores usurpadores de terra precisar ser expulsos

MBK
MBK
Reply to  Magaren
10 meses atrás

Qual sua opinião sobre a ocupação da Síria pelos EUA? Ou de Israel na Cisjordânia e no Golan? Ou dos muitos europeus na África, por exemplo?

Infantaria_leve_BiABR
Infantaria_leve_BiABR
Reply to  MBK
10 meses atrás

E a sua opinião sobre os povos da Ossétia do Sul? Ou sobre a Chechênia?

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Infantaria_leve_BiABR
10 meses atrás

Pelo menos os povos ali sāo etnicamente ligados, ao contrário dos Americanos, que nāo têm nada a ver com o Oriente Médio.

Ciclope
Ciclope
Reply to  Magaren
10 meses atrás

Cuidado com essa opinião, ela pode ser usada contra: Israel no caso das colinas do golah que sempre foram da Síria, EUA que tomaram grande parte do México, e Brasil que abocanhou partes do Paraguai e Bolívia.

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Alecs
10 meses atrás

O dita dor é outro!

Ciclope
Ciclope
Reply to  Alecs
10 meses atrás

Difícil opinar a respeito, eu prefiro me colocar no lugar do outro para ter uma opinião melhor.
Vejamos, imaginemos que a China se debater inimiga do Brasil, e convença o Uruguai, a Argentina e o Paraguai e permitir a instalação de bases chinesas, e uma base Chinesa fique a meros 500km de Brasília, o que o Brasil se estivesse militarmente bem deveria fazer em sua opinião?
Usar a tática Russa que imitou a Israelense em atacar primeiro ou aceitava de boas essa situação permanente de ameaça?

Talisson
Talisson
Reply to  Alecs
10 meses atrás

Pra chamar Putin de Hitler tem que chamar também Bush filho, Obama, Mohamed bin Salman, todos de Hitler. Todos eles mataram gente pra caramba por motivos nem um pouco nobres.
Obama tem até Nobel da Paz!

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Alecs
10 meses atrás

As guerras no Oriente Médio matou muito mais gente. E ainda mata!

Manus Ferrum
Manus Ferrum
Reply to  Alecs
10 meses atrás

Onde você nos últimos vinte anos de História?

Manus Ferrum
Manus Ferrum
Reply to  Manus Ferrum
10 meses atrás

Estava

Vitor
Vitor
10 meses atrás

A imprensa ocidental está fazendo um balão de ensaio para o seu público, primeiro mostra sempre o número russo depois mostra a conta gota a realidade ucraniano mesma retórica de sempre…o número da escoridão de fato ninguém vai mostrar.

Infantaria_leve_BiABR
Infantaria_leve_BiABR
Reply to  Vitor
10 meses atrás

Quem mostra bem são os russos né? Esse ssão transparentes que só. A mídia ocidental que é tensa. A mída russa é limpinha

Talisson
Talisson
Reply to  Infantaria_leve_BiABR
10 meses atrás

A midia ocidental disse que Putin tava com cancer e sem munição. Tamvém serviu de ComSoc do Bush e Collin Palwel, se é assim que escreve, ao fazer o mundo acreditar nas armas de destruição em massa do Iraque. Quem patrocinou o gritedo da pandemia foi a midia ocidental. Quem espalha identitarismo é a midia ocidental. Me refiro a grande midia corporativa.

jairo
jairo
Reply to  Vitor
10 meses atrás

a julgar pelas últimas publicações do WP e outros meios de massa acho q eles estão preparando o público para o congelamento da guerra.
Sempre achei o apoio militar vacilante e como estamos vendo caros para economia dos países que apoiam a Ucrania.
o Zelensky logo logo vai ser rifado. reclama muito.

Sds,
Jairo

Marcos
Marcos
Reply to  jairo
10 meses atrás

Até que ponto alguém consegue lutar uma guerra que não consegue vencer?

Underground
Underground
10 meses atrás

A diferença é que os ucranianos têm motivo para lutar, os russos, não.

Ciclope
Ciclope
Reply to  Underground
10 meses atrás

Acho que 300 anos de invasões ocidentais da Rússia com a última a menos de 100 anos, com milhões de mortos, E se ver cercado mais uma vez por países declaradamente inimigos e cada reais perto de sua capital, não são motivos o suficiente?

Heinz
Heinz
Reply to  Ciclope
10 meses atrás

Não, pois o território é Ucraniano e não russo. A própria Rússia reconheceu as fronteiras Ucranianas, o próprio Putin assinou um documento reconhecendo isto. E o que eles fizeram? Isso que estamos vendo hoje, por isso que toda d3sgr4ça pra os russos é pouco.

Godo
Godo
Reply to  Heinz
10 meses atrás

Vc é bem informado hein kkkkk quem assinou foi o bêbado antecessor de putin. Vamos querer estudar

Antunes 1980
Antunes 1980
10 meses atrás

Contingente semelhante, doutrinas semelhantes e perdas também semelhantes.

Satyricon
Satyricon
10 meses atrás

Como todo bom déspota sádico, Putin desconhece limites. Tem dobrado a aposta, a cada rodada, como se não houvesse amanhã (o que é verdade, no caso dele). O texto acerta ao afirmar que a Rússia tem uma maior capacidade de enviar conscritos para o moedor de carne, devido â sua maior população. Mas se esquece de um detalhe: a Rússia está exaurindo sua capacidade militar. Dia após dia vemos notícias de Ka-52 abatidos e de T-90 fumegantes, além de artilharia e anti-aereos destruídos. São equipamentos bélicos de ponta que não estão sendo substituídos por novos, mas sim por antigos sistemas… Read more »

Joanderson
Joanderson
Reply to  Satyricon
10 meses atrás

A china está de olho em que cara, quem vai invadir uma potência nuclear.
Se algum dia a china ou outro pais ter a audácia de invadir a Rússia para tomar território sendo a Rússia a potência qui é, os brasileiros tem qui começar a pensar em como e para quem nos vamos dividir nosso país e doar, ja qui não temos meios para lutar nem se quiséssemos.

Marcos
Marcos
Reply to  Satyricon
10 meses atrás

Rússia tem aumentado suas produções militares continuamente. Existem inúmeras matérias e analises aqui sobre isso. A Otan praticamente parou de anunciar os vultosos acordos e doações como faziam há alguns meses. O que existe agora no Ocidente é o de mais moderno que esses países possuem e não estão dispostos a permitir que a Rússia coloque suas mãos neles. Chegou se a um impasse no Ocidente sobre como poderiam melhorar o suporte à Ucrânia sem utilizar o que possuem de melhor e sem escalar com a Rússia. Os caças e alguns tipos de misseis e acabou o catalogo. Fora isso… Read more »

Satyricon
Satyricon
Reply to  Marcos
10 meses atrás

Aumentando?
Preste bem a atenção no vídeo abaixo, pois ele é sintomático do que estou dizendo:

https://youtu.be/fZjzKZJAiAQ

Ele mostra um veículo UAZ-452 (van do Scooby Doo) sendo atingido por artilharia, e seus pedaços sendo lançados em orbita. A geolocalização do vídeo mostra que foi feito a oeste de Kremina, praticamente na linha de frente. O serviço de levar e trazer combatentes até a linha de frente deveria estar sendo feito pelos russos por blindados de infantaria (BMPs, etc), não por um veículo comum, não blindado.
Então, afinal, onde estão os veículos de infantaria russos?

Marcos
Marcos
Reply to  Satyricon
10 meses atrás

Eu não disse que a Rússia possuía veículos blindados suficientes.
Disse que ela vem continuamente aumentando suas produções.
Uma única “van do Scooby Doo” destruída não prova o seu ponto de vista. Não há como saber o que ela fazia lá, há quanto tempo estava parada lá, sequer se estava funcionando…

Kommander
Kommander
10 meses atrás

Ao meu ver, texto sem pé e nem cabeça, sendo que autor colocava a Rússia como tendo maior número de soldados. A Rússia não tem nem 150 mil tropas estacionadas na Ucrânia, enquanto a mesma possui a vantagem de estar lutando em seu território e contar com apoio local.

As últimas estimativas diziam que os ucranianos tinham cerca de 400 mil tropas ativas e mais o pessoal da reserva, sendo assim, como os russos teriam vantagem número? 🤔

Joao
Joao
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Isso não tem influência.
A Ucrânia tem 400mil espalhado em todas as frentes, em profundidade e na retaguarda mais profunda.
A Rússia tem onde precisa.
Quem está em ofensiva imprimi, na zona de ação q estiver atuando, um poder superior.
Em ações sucessivas, com mobilidade, se mantém superior no ponto em q estiver atuando.

Orivaldo
Orivaldo
10 meses atrás

Tem que ver qual a definição de soldado na Russia, para saber se entra nas contas. Os presidiários são considerados soldados ? Vou aguardar mais 72 hrs sair a noticia na Tass

Eromaster
Eromaster
10 meses atrás

Na verdade essa informação é mascarada. Segundo General Douglas Macgregor, dos EUA, a perda da Ucrânia entre mortos e feridos são mais de 400.000 mil.
Não é a toa que a Ucrânia está na quinta convocação nacional para combate.
A perda Russa entre mortos e feridos é estimado entre 50 a 60 mil.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Eromaster
10 meses atrás

Que nada. Só morreram uns 27 russos, contra uns 900 mil Ucrânianos. Rússia vai dominar a Europa em 3 dias.

Fontes seguras da Tass e do telegram confirmam tudo. 😂

Eromaster
Eromaster
Reply to  Nuno Taboca
10 meses atrás

Nuno, isso não é questão de torcida, é a realide. A perda de equipamentos e de soldados pelos ucranianos é uma coisa avasaladora. Até EUA/OTAN estão preocupados com nesse nível de perdas por partedos ucranianos.

A Artilharia da Rússia é uma coisa de louca.È uma verdeadeira moedora de carne.

Arthur
Arthur
10 meses atrás

Interessante: a Ursula “Vanderléia” disse ano passado que haviam morrido 100.000 ucranianos, agora são 70.000 e baixando… Ou a loira é burra ou os mortos estão ressuscitando: A Volta dos Mortos Vivos!

Vitor
Vitor
Reply to  Arthur
10 meses atrás

Nos canais do telegran da guerra esse texto é falacioso.

Ciclope
Ciclope
Reply to  Arthur
10 meses atrás

Se eu não falo a quantidade de baixas nem para os meus aliados e porquê tenho medo de o número brilhar o estômago frágil dos mesmo e diminuir o apoio deles a causa.
Não vejo outro motivo.

lucena
10 meses atrás

Essa história que a Ucrânia tem que levar essa guerra até o último ucraniano …( coisa de sociopata )…. como se falam por ai… acontece isso ai…pobres ucranianos. . Quando se há guerra e se quer saber quem está perdendo … é só saber aonde está sendo travado a guerra, que só há mortes e destruição … é só ver onde está sendo travado a guerra. . Como se pode vê … até aqui .. é na Ucrânia e não na Russia,EUA,Polônia,Inglaterra e nem no Brasil( graças à Deus ) … é na Ucrânia que está a guerra e quem… Read more »

Jorge Oliveira
Jorge Oliveira
10 meses atrás

Os números russos superam os números ucranianos, que as autoridades estimam em cerca de 70.000 mortos e 100.000 a 120.000 feridos.” Eu duvido desta infromação… Jogaram os ucraniamos contra a maior artilharia do mundo … e vem dizer que morreu mais russo? E pior na ofenciava uncraniana quem sofreu mais foram os russos que são burros e não sabem usar artilharia…

Arthur
Arthur
10 meses atrás

E aí? Vamos fazer uma fezinha? Será que o Zelensky fica vivo até o final do ano? A Victoria Nuland já o chamou de “ucraniano inutil”. Será uma morte “matada” ou “morrida”? Quem caberá executá-lo? FSB, Mossad, SBU?

MBK
MBK
Reply to  Arthur
10 meses atrás

Penso que será um trabalho interno. Mas sempre há um vôo para Tel Aviv. Resta saber se ele aproveitará a oportunidade.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Arthur
10 meses atrás

Arthur o atlantiscismo vai salvar o comediante, se os ucras aceitarem suspender a guerra é preciso ter um marionete no armário, tipo saio para bem geral da nação e volto depois para fazer um novo maidan, agora isso não impede de um Kinzal fazer uma visita ao fantoche.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Nilton L Junior
10 meses atrás

Já tentaram matar o presidente e sua família mais de 3 x vezes. E míssel de precisão não é o forte da Rússia. Geralmente eles só miram em áreas civis e pronto. Invasores covardes e seus defensores patrocinados $$ que curtem drones de motor de moto atingindo prédios residencial

Felipe
Felipe
Reply to  Nuno Taboca
10 meses atrás

fonte? Se a russia quisesse ter tentando, mas naõ. Não atacaram nem um predio publico ou governamental da ucrania. Portanto não querem e nem tentaram ainda matar o Zelensky

KKce
KKce
Reply to  Nilton L Junior
10 meses atrás

Kinzhal ou SU-57? Qual deles seria a maior piada russa dos últimos anos?

Felipe
Felipe
Reply to  KKce
10 meses atrás

EDITADO:
2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas.

Marcos
Marcos
10 meses atrás

Esses números devem estar muito subestimados. A Ucrânia não está fazendo o uso de seu terceiro exercito? Não foram duas mobilizações com formação de cerca de 1M de tropas em cada?

Underground
Underground
Reply to  Marcos
10 meses atrás

Quantas mobilizações a Rússia já fez?

Marcos
Marcos
Reply to  Underground
10 meses atrás

Por isso a suposição de que algo está errado nesses numeros. Se tivessem perdido “só” isso de soldados porque fariam todas essas mobilizações?
Qual a logica de recrutarem garotos de 16 anos em um país populoso como a ucrania que “só”tenha perdido esse numero de tropas?

Rafael
Rafael
10 meses atrás

A questão primordial que a mídia dos EUA não fazem: se a Rússia ou a China se aliasse militarmente ao México e colocasse mísseis a poucos minutos de distância e tropas, o que os EUA fariam? O Putin é um crápula? Certeza que sim, mas os EUA são hipócritas. Ninguém conhece a Doutrina Monroe, né? Ela ainda funciona. Os EUA tem o Comando dos EUA fica de olho em qual região? Caribe e América do Sul. EUA fariam a mesma coisa que a Rússia fez. Tem parlamentar que quer mandar tropas para o México pra combater tráfico de drogas, imagine… Read more »

fjuliano
fjuliano
10 meses atrás

Derrubaram o site “southfront” e uma certeza eu tenho: os mesmos que estão achando isso bom e batendo palmas são os mesmos que criticam a falta de liberdade de imprensa em lugar tal e tal, os mesmos que criticam governos que perseguem opiniões divergentes. Na verdade o fato de, nessa altura, terem derrubado esse site é pq realmente a situação no campo de batalha está desesperadora para o governo do boneco zé que, inclusive, já vi notícias que a faixa etária do recrutamento obrigatório abaixou para 16 anos. Absurdos atrás de absurdos.

Godo
Godo
Reply to  fjuliano
10 meses atrás

Que site era esse?

Felipe
Felipe
Reply to  Godo
10 meses atrás

site que mostrava as noticias da guerra, sem o crivo da ucrania/ocidente.

Underground
Underground
10 meses atrás

Autoridade americana que forneceu as informações ao NYT foi o Ten. Maj. Cel. Gen. Sergey Schumachob.