Circulam pelas mídias sociais imagens de um Gepard da Ucrânia executando interceptação noturna do que seria um drone de origem iraniana.

Considerado na OTAN como um armamento ultrapassado, o Gepard tem se mostrado na Ucrânia um excelente meio para conter drones. Sem sombra de dúvida, ele traz a melhor relação custo/benefício para este tipo de ameaça. Seria o caso de retomar a produção do Gepard?

Veja o vídeo abaixo.

Subscribe
Notify of
guest

48 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
9 meses atrás

E quem diria que a AA de tubo se mostraria ainda bem relevante no séc. XXI…
Uma pena ( como sempre ) que o EB não tenha “passado a mão” em mais Guepard qua do teve chance…

Rafael
Rafael
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

Os canhões Flak eram o pesadelo dos pilotos das forças aliadas e o Gepard continuam a tradição sendo o pesadelo de quem opera drones.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
9 meses atrás

Muito bom.

Apesar de que o shahed é só um motor de motocicleta com asas. Não tem valor militar nenhum, é só usado pelos russos para amedrontar e assassinar civis ucranianos. Típico desses covardes. Ainda bem que tem o gepard.

Já os Lanceta são realmente uma ameaça mais robusta. Esse sim tem relevância militar. Gostaria de saber se o gepard é eficaz contra .

Heinz
Heinz
Reply to  Nuno Taboca
9 meses atrás

É claro que o Gepard é eficaz contra o Lancet, esse último já foi abatido até de espingarda 12 (tem vídeo pra comprovar no telegram) A questão é que os ucranianos não estão usando o Gepard para acompanhar seus batalhões blindados e sim para proteger infraestruturas importantes e em cidades, é quase um desvio de função, se o gepard acompanhasse os grupos blindados, os ucranianos não teriam tantas perdas por causa desse drone russo.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Heinz
9 meses atrás

O Lancet só entra em direção ao alvo depois de identificado o mesmo e estar livre de proteção.

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Heinz
9 meses atrás

Os soldados são descartáveis. As infraestruturas importantes, não.

Nei
Nei
Reply to  Francisco Vieira
9 meses atrás

Quando se ataca civis, sim.

gari
gari
Reply to  Nuno Taboca
9 meses atrás

se está sendo usado é porque tem valor militar. O cobertor da defesa aérea é curta no mundo inteiro e não faz sentido usar misseis de valor estratosférico o tempo todo. só de forçar o inimigo a manter um Gepard para proteger dos drones nas instalações é menos um protegendo as tropas.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  gari
9 meses atrás

Qual ataque do shahed acertou algum alvo militar?
Só Atacam casa, prédios , teatros…isso é alvo militar relevante?

Isso e tática terrorista, de um exército “profissional”. Se vc acha válido, ok.

Mas mostra quão “humanistas” são os “libertadores” da Ucrânia.

Felipe
Felipe
Reply to  Nuno Taboca
9 meses atrás

Ta assitindo muita CNN, Globo, Guardian, Telegraph.

Infantaria_leve_BiABR
Infantaria_leve_BiABR
Reply to  Felipe
9 meses atrás

Nahhn…é só não viver na esgotosfera da bolha russa, que vc percebe.

Shahed é drone de terrorista. Desafio vc a apresentar UM ÚNICO ataque de shahed em alvo militar. Só é usado contra civis, para amedrontar. Só acerta prédio, teatro. Mas se pros russos está tudo dentro do normal, faz sentido pros apoiadores.

Pragmatismo
Pragmatismo
Reply to  Infantaria_leve_BiABR
9 meses atrás

Saia do mundo da propaganda.

Infantaria_leve_BiABR
Infantaria_leve_BiABR
Reply to  Pragmatismo
9 meses atrás

Meu caro,

Já que estou no mundo da propagando, me mostre então, UMA EVIDÊNCIA de um drone SHAHED destruindo alvo militar.

Nei
Nei
Reply to  Pragmatismo
9 meses atrás

Em que mundo você vive? Impossível você não concordar que drones SHAHED só foi usado em alvos não militares até agora.

Infantaria_leve_BiABR
Infantaria_leve_BiABR
Reply to  Pragmatismo
9 meses atrás

Como imaginei, não há nada. Shahed é só drone contra civis. Nem de saturação é. Não é OSINT, não é de saturação, anti-radar, RECON, nada. Até porque, seu sistema de guiagem é quase amador, ele cai praticamente por força da gravidade. Trabalho com guiagem de drones miliares, integro o grupo de EW do EB, e o código do shahed, já tá amplamente divulgado na internet. Para quem entende, até a interface de controle dele, que bem acessível, é feito em node.js, uma linguagem free, para ser usado em android. Seus núcleo usa arduíno, com raspberry PI. Agradeça aos ucranianos inclusive.… Read more »

Samuel
Samuel
Reply to  Infantaria_leve_BiABR
9 meses atrás

Ta parecendo quando a polícia mata traficante, e a mídia fala em morado trabalhador

Nei
Nei
Reply to  Felipe
9 meses atrás

Agora supermercado é alvo militar?

Pragmatismo
Pragmatismo
Reply to  Nuno Taboca
9 meses atrás

Deus!

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Nuno Taboca
9 meses atrás

Vídeo de um Mi-28 acompanhando um drone ucraniano(UJ-28) e logo depois o abate com uma rajada.
https://t.me/intelslava/51009

Srs
Srs
Reply to  Nuno Taboca
9 meses atrás

Não tem valor militar?
Pergunta aos sauditas o que eles fizeram com as refinarias deles.

Heinz
Heinz
9 meses atrás

Excelente, foi na “mosca” . Fico me perguntando se o Brasil poderia fabricar uma plataforma deste tipo, creio que não seja nada de outro mundo. Poderíamos até adaptar no guarani ou usar chassis do M113, colocar um radar, e dois canhões de 30MM acoplados. OU até mesmo modernizar os guepards.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Heinz
9 meses atrás

M 113 é passado e tem que ser dado de baixa. Se for para adaptar e fabricar algo similar, que seja no Guarani que é nacional e deverá ser o padrão pelos próximoa 20 anos.

Marcos R
Marcos R
Reply to  Filipe Prestes
9 meses atrás

Tem um monte de leo 1 precisando de substituição… Mesmo chassi do guepard.

RDX
RDX
Reply to  Heinz
9 meses atrás

Esqueça isso. O “kit antidrone” já está em desenvolvimento para a torreta UT30BR2 do Guarani. Trata-se do emprego de um datalink conectado a radares de defesa aérea e o emprego da munição 30 mm airburst (ABM).

Heinz
Heinz
Reply to  RDX
9 meses atrás

Excelente notícia, há alguma data para apresentação do protótipo?

carvalho2008
carvalho2008
9 meses atrás

O ingresso dos drones no cenario de batalha é um fato

É um fato que drones ainda tem um perfil de voo similar a aviões da WWI e WWII

Então, todo o arsenal que existia para aquele tipo de ameaça volta a ser necessario.

bjj
bjj
9 meses atrás

“Seria o caso de retomar a produção do Gepard?” Não acho que é o caso de voltar com o Gepard, até porque existem outras opções mais modernas disponíveis, como o Skyranger, que também é alemão e também usa um canhão de 35 mm. Acho que é o caso sim de voltar a olhar para os canhões como armas antiaéreas importantes. O custo benefício é atrativo e a disponibilidade de munição, que pode ser adquirida aos milhares, sempre será maior que a dos mísseis que se esgotam rapidamente e demandam um processo muito mais complexo, caro e demorado para serem produzidos.… Read more »

bjj
bjj
Reply to  bjj
9 meses atrás

Aqui a versão terrestres do Bofors MK4 que a MB adquiriu há pouco para navios patrulha.

comment image

Satyricon
Satyricon
Reply to  bjj
9 meses atrás

Para as FCT foi escolhido o sistema Seasnake 30mm
https://youtu.be/lcYklUtO3k8?si=Ry4scljf6CNsC2Yk

RDX
RDX
Reply to  bjj
9 meses atrás

O “kit antidrone” já está em desenvolvimento para a torreta UT30BR2 do Guarani. Trata-se do emprego de um datalink conectado a radares de defesa aérea e o emprego da munição 30 mm airburst (ABM).

RDX
RDX
Reply to  RDX
9 meses atrás

Vantagens desse sistema:
Está sendo desenvolvido no Brasil;
A plataforma já está pronta (Guarani com torreta UT30);
Em tese pode ser conectado aos radares nacionais da família Saber;
Não cria uma nova cadeia logística;
Não é um sistema estático;
O calibre 30mm já é usado pelo EB;
Baixo custo (datalink + munições ABM);
Todos os blindados Guarani com UT30 se conectados a radares via datalink poderão formar um formidável escudo C-UAS.

bjj
bjj
Reply to  RDX
9 meses atrás

A UT30 atualizada pode cumprir o papel C-UAS, mas como arma de defesa antiaérea de baixa altura acho que deixa a desejar. A cadência é baixa, o alcance útil é cerca de 50% menor que um canhão de 40mm e na parte logística, até onde sei, não fabricamos nem a munição aqui (só montamos a torre, o resto é importado). Ela poderia complementar a versão móvel do RBS 70 que o EB quer adquirir para a defesa das brigadas mecanizadas, especialmente para engajar drones bem pequenos que não compensem o emprego do míssil, mas não a vejo fazendo muito mais… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  RDX
9 meses atrás

Dos radares SABER, apenas o M20 tem alguma capacidade de lidar com UAS de pequeno porte, por conta da banda em que opera. Mas não é seu foco de emprego. Os demais, são pífios contra este tipo de vetor pois simplesmente não foram projetados para tal, se a intenção é ter um C-UAS. Daí surge a necessidade e o interesse pelo Giraffe 1X. . A UT30BR, que equipa o Guarani, não tem capacidade de disparar munições ABM, pois não tem este caro sistema de programação montado em seu canhão. Quem tem capacidade de empregar munição ABM, é a UT30MKII, que… Read more »

RDX
RDX
Reply to  Bardini
9 meses atrás
RDX
RDX
Reply to  RDX
9 meses atrás

Imagino que a intenção seja integrar o Guarani com UT-30BR2 antidrone ao Guarani MSHORAD, que é integra o RWS RBS-70NG e o radar Giraffe 1X.

https://tecnodefesa.com.br/saab-apresenta-sua-solucao-mshorad-para-o-guarani-aae/

Bardini
Bardini
Reply to  RDX
9 meses atrás

É o caminho.
.
Melhor que isto aí, seria colocarem no conjunto um sistema EW.

Bardini
Bardini
Reply to  RDX
9 meses atrás

Como você pode ler, a UT30BR2 seria uma atualização dos sistemas. Além disto, entra a questão do kit antidrone, que poderá ser adotadono futuro.
.
O kit antidrone entra naquilo que abordei: o canhão tem de ser equipado com um sistema para programar munições ABM e as munições em si, tem de ser adquiridas no mercado externo, pois não existem localmente.
Além disso, entrará o link de dados com o radar, que apontará a ameaça a ser engajada por meio do sistema EO/IR da torre.

Orivaldo
Orivaldo
9 meses atrás

Ele é muito bom. Eu acho que 36 desses valem 1 bateria de IRiS T se alguém quisesse

Marcelo
Marcelo
9 meses atrás

Os Guepards já vinham fazendo barba, cabelo e bigode contra os drones da Rússia há vários meses. Agora tem video … é só pintar na lateral da blindagem mais um cortador de grama voador abatido.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
9 meses atrás

Isso mostra que aquela versão do Cascavel com canhão de 30mm, visão termal, talvez um radar para pequenos alvos e munição programável poderia ser uma boa plataforma anti-drones.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Diego Tarses Cardoso
9 meses atrás

Eu não entendo porque tendo o Guarani e já escolhido também o Centauro, ainda assim, não deixam o Cascavel morrer.

Hermes
Hermes
9 meses atrás

Lembrem que a antiga Engesa disputava mercado com as empresas européias e americanas e é a uma das líderes de mercado em blindados leves e desenvolvia blindados pesado, mas FHC e seus Generais coronéis e outros generais ( todos hoje de bengalas) destruíram a indústria nacional de equipamentos de defesa , projeto de destruição retornado com Bostonaro. Agora voltamos a correr atrás para reconstruir a nossa indústria bélica de equipamentos de defesa , capacidade para isso sempre tevê e têm

Nei
Nei
Reply to  Hermes
9 meses atrás

Comentário de cunho político!

Oplot
Oplot
9 meses atrás

Melhor coisa que o EB fez foi ter segurado esses Gepard.
Imagino que eles tenham algum plano de modernizar eles no futuro.

detror
detror
9 meses atrás

E possivel vermos um Gepard 2 ( no chassi dos leopard que seram desativados e com torre remora?)

RDX
RDX
Reply to  detror
9 meses atrás

No futuro é possível transferir as torres do Gepard para o chassi do tanque substituto do nosso Leopard 1…mas deve ser um trabalho complexo e caro.
Os finlandeses, por exemplo, trocaram o chassi T-55 do SPAAG Marksman (um sistema similar ao Gepard) pelo chassi do Leopard 2.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
9 meses atrás

“Seria o caso de retomar a produção do Gepard?”….ideal é manter toda a brigada com a mesma mobilidade, ou seja, convem dotar as brigadas blindadas com meios sobre esteiras na bateria de artilharia antiaerea…então demanda existe…o eb acertou em escolher os gepard contrariando a doutrina de outros países que estavam aposentando esses sistemas julgando-os obsoletos (vide o marksman)….o ocidente estava caminhando para sistemas de mísseis montado sobre plataformas apc/ifv…. Penso que voltar a produção do gepard (do jeito que era) não seria ideal, mas sim criar algo “focado as ameaças da nova realidade” uma bateria mista, dotada com unidades de… Read more »