DUSSELDORF, Alemanha — A Rheinmetall reservou um novo pedido de munição de artilharia sob um acordo-quadro com a Bundeswehr alemã. O terceiro pedido abrange a entrega de mais de cem mil obuses de 155 mm da nova subsidiária espanhola do Grupo, Rheinmetall Expal Munitions, bem como obuses adicionais de alto explosivo DM 121.

Embora o cliente seja o governo alemão, toda a munição é destinada à Ucrânia. O pedido vale um valor na faixa de três dígitos de milhões de euros. Dezenas de milhares de obuses serão entregues em 2023, com o lembrete previsto para ser enviado em 2024.

Ainda em julho de 2023, a Rheinmetall anunciou a assinatura de um novo acordo-quadro para munições de artilharia com a Bundeswehr e a expansão de um acordo existente. Os contratos abrangem a entrega de centenas de milhares de projéteis, espoletas e cargas propulsoras.

A guerra na Ucrânia obrigou as forças armadas de numerosos países a reabastecerem os seus stocks de munições. Neste contexto, a Rheinmetall já reservou vários grandes pedidos de munições de artilharia.

O acordo-quadro para munições de artilharia de 155 mm concluído em julho vigora até 2029 e representa um volume potencial bruto de encomendas de cerca de 1,2 bilhão de euros. Dois grandes pedidos já foram feitas.

Entre outros produtos, a família de munições de artilharia da Rheinmetall inclui o projétil de alto explosivo DM121, o projétil de fumaça/obscurante DM125 e (desenvolvido em conjunto com a Diehl) a munição com espoleta de sensor DM702 SMArt, além do projétil de prática RH68 e do RH1901 com alcance otimizado e projéteis de fumaça/obscurante RH1902. O portfólio do Grupo também inclui a versátil família Assegai de 155 mm da Rheinmetall Denel Munition, que abrange munições insensíveis e projéteis HE convencionais, bem como fumaça/obscurante, iluminação, iluminação infravermelha e outros projéteis. Todos os tipos de munição de artilharia Assegai têm alcance máximo de aproximadamente 40 quilômetros. Nos termos do último acordo-quadro, a já testada e comprovada família de munições Assegai entrará agora em serviço na Bundeswehr.

FONTE: Rheinmetall

Subscribe
Notify of
guest

28 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo
Rodrigo
9 meses atrás

Isso pq o ocidente tá abandonando a Ucrania, de acordo com uns

Underground
Underground
Reply to  Rodrigo
9 meses atrás

Chegando hoje mais HIMARS na Polônia.

Atirador 33
Atirador 33
Reply to  Underground
9 meses atrás

Isso pq o ocidente tá abandonando a Ucrânia, de acordo com uns e outros…

LUIZ
LUIZ
Reply to  Rodrigo
9 meses atrás

Não abandona porquê a grana é do contribuinte.

deadeye
deadeye
Reply to  LUIZ
9 meses atrás

A grana do esforço de guerra Russo também. Enquanto isso, o Ocidente gastou apenas uma pequena parte do seu orçamento. A Rússia está gastando 66% do seu orçamento, e o fundo soberano Russo está cobrindo o déficit ( fundo utilizado para garantir pensões) – quem vai sofrer mais no longo prazo?

IvanF
IvanF
Reply to  Rodrigo
9 meses atrás

Também vão dizer que 150 mil obuses serve pra nada, é o que a Rússia utiliza meia hora, isso quando tão com preguiça!

LUIZ
LUIZ
9 meses atrás

Pra guerra não existe obstáculos burocrático e nem financeiro.

Rafael
Rafael
Reply to  LUIZ
9 meses atrás

Muita gente diz que “o contribuinte não aguenta mais”, mas esquece que esse dinheiro gasto retorna para a sociedade com empregos e impostos que ficam no próprio país.

Richard Stallman
Richard Stallman
Reply to  LUIZ
9 meses atrás

Agora para uma renda básica…
O Estado vê as pessoas como seu escravo.

Marcelo
Marcelo
9 meses atrás

A fabricante de armas alemã Rheinmetall já havia informado que estava pronta para aumentar consideravelmente a produção de munições tanto para tanques quanto para artilharia com o objetivo de atender à forte demanda na Ucrânia e no Ocidente. Sobre esse assunto Armin Papperger, CEO da Rheinmetall já havia dito o seguinte: “Podemos produzir 240.000 cartuchos de munição para tanques (120 mm) por ano, o que é mais do que o mundo inteiro precisa” e “A capacidade de produção de cartuchos de artilharia de 155 mm pode ser aumentada para 450.000 a 500.000 por ano”. A Rheinmetall caminha para se tornar… Read more »

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Marcelo
9 meses atrás

A quantidade de munição é uma informação classificada e, portanto guardada “a sete chaves”.

C G
C G
Reply to  Vinicius Momesso
9 meses atrás

Não esqueça o acionista, ele precisa se sentir motivado!

Kommander
Kommander
9 meses atrás

Nos atualizem sobre a guerra Israel x Hammas, por favor.

Hoje foi divulgado que dois brasileiros foram mortos covardemente pelo terroristas.

Seria interessante também acompanhar aqui pelo forte a ofensiva israelense que provavelmente vai acontecer na faixa de gaza.

Macgaren
Macgaren
Reply to  Kommander
9 meses atrás

Dificil concordar com algo que vc escreve, mas estou sentindo a falta desse tipo de info também

Bispo
Bispo
9 meses atrás

Estimam que s Ucrânia dispara até 8.000 por dia …150 mil não dá para o mês.

Rodrigo Frizoni
Rodrigo Frizoni
Reply to  Bispo
9 meses atrás

150 mil só da alemanha e para calibre 155mm. A Ucrania não dispara 8 mil cartuchos de 155 mm por dia, esses 8 mil abrangem 155mm, 120 mm, 105 mm, morteiros …

Rlx queirdo não vai faltar munição!

Marco
Marco
Reply to  Bispo
9 meses atrás

E desses 150 mil vc tem que desconsiderar aqueles que são destruídos por misseis nos depositos ucranianos…

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
9 meses atrás

Por quê é tão difícil abater projéteis fe artilharia e ATGMs, mesmo esses lançados de grande distância?

DanielJr
DanielJr
Reply to  Vinicius Momesso
9 meses atrás

São pequenos, voam rápido, acabam precisando de um aparato especial para a interceptação.

Pedro
Pedro
9 meses atrás

Excelente!

Dá pra 5 dias de guerra!

Antunes 1980
Antunes 1980
9 meses atrás

Israel vai precisar mais destas munições, do que a Ucrânia.
Hezbolah e outras facções estão atacando por todos os lados.

Heinz
Heinz
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

negativo, Israel tem produção própria, a guerra que Israel trava é muito mais de guerrilha do que uma convencional como a guerra da Ucrânia.

Antunes 1980
Antunes 1980
Reply to  Heinz
9 meses atrás

Historicamente a artilharia e sua força aérea que salvaram Israel das derrotas

Henrique A
Henrique A
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

Certamente que Israel tem os depósitos abarrotados de munição, além de a nova expansão na fabricação de munição no EUA já estar em pleno vapor e rapidamente poderá fechar qualquer escassez que porventura ocorra.

Henrique A
Henrique A
9 meses atrás

Essa linha Assegai de projéteis de 155mm é extremente capaz e bem sucedida em vendas, muitos países adquiriram.

Seria bom se a Imbel fizesse um acordo com a Denel da África do Sul para produzir essas munições aqui, muitos melhores do que os projéteis vetustos M107 e as “bag charges”.

Jadson S. Cabral
Jadson S. Cabral
9 meses atrás

Poderia ser o Brasil vendendo tbm, se não fosse uma política tão cega. Temos Mac Jee, Avibras e Imbel produzindo essas munições e poderíamos abocanhar uma fatia bem interessante desse mercado.

Paulo
Paulo
9 meses atrás

Aaaaaaaiiiiiiinnnnnnn a OTAN está ficando sem munição kkkkkk

Jonathan Pôrto
Jonathan Pôrto
9 meses atrás

Fico pensando no Osório upgrade com conhão Rheinmetall ou equivalente de 130mm. !! É tão bonito que dói…