Militares chineses realizam exercícios de treinamento perto da fronteira com Mianmar após incêndio em comboio

21

XANGAI (Reuters) – Os militares da China começarão “atividades de treinamento de combate” a partir de sábado no seu lado da fronteira com Mianmar, disse o país nas redes sociais, um dia depois de um comboio de caminhões transportando mercadorias para o país vizinho do sudeste asiático serem incendiados.

O incidente, que a mídia estatal de Mianmar chamou de ataque insurgente, ocorreu em meio a preocupações de insegurança na China, cujo enviado se encontrou com altos funcionários na capital de Mianmar para conversações sobre estabilidade fronteiriça, após recentes sinais de rara tensão em seus laços.

O treinamento visa “testar a capacidade de manobra rápida, a vedação de fronteiras e as capacidades de ataque de fogo das tropas do teatro de operações”, disse o Comando do Teatro do Sul, um dos cinco do Exército de Libertação Popular da China, no aplicativo de mensagens WeChat.

Um comunicado separado divulgado pelo governo provincial de Yunnan, na China, vizinho de Mianmar, disse que os exercícios ocorreriam até 28 de novembro nas áreas próximas às aldeias de Manghai, Manling e Qingshuihe.

Mianmar foi informado dos exercícios, disse o porta-voz da junta militar, Zaw Min Tun, acrescentando que eles visavam “manter a estabilidade e a paz” perto da fronteira e não minavam a política chinesa de não interferência nos assuntos internos de Mianmar.

“O laço militar entre a China e Mianmar é firme e a colaboração entre os dois exércitos é amigável e crescente”, disse ele na sua publicação nas redes sociais estatais.

O incêndio de sexta-feira na cidade de Muse ocorreu no momento em que os militares de Mianmar perderam o controle de várias cidades e postos militares avançados no nordeste e em outros lugares, enquanto lutam contra a maior ofensiva coordenada que enfrentaram desde que tomaram o poder em um golpe de 2021.

O aumento dos combates deslocou mais de 2 milhões de pessoas em Mianmar, segundo as Nações Unidas.

Subscribe
Notify of
guest

21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel BR
Gabriel BR
3 meses atrás

Parece ser um recado da China aos movimentos de guerrilha que atuam dentro do Myanmar , “Estamos aqui prontos para apoiar o Estado birmanes, caso solicitado”

deadeye
deadeye
Reply to  Gabriel BR
3 meses atrás

A Realidade é o contrário mesmo, a China esta financiando os grupos rebeldes mais a esquerda.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  deadeye
2 meses atrás

Se assim fosse não faria nenhum sentido realizar exercícios militares na região e nem sequer teriam avisado a junta birmanesa

Jefferson B
Jefferson B
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Faria sentido!
A Rússia fez o mesmo na Ucrânia, financiou grupos terroristas e separatistas dentro da Ucrânia para depois usar as forças militares regulares da Rússia para invadir a Ucrânia com diversos pretextos absurdos: segurança de russos na Ucrânia; desnazificacao (sendo que tem mais nazistas na Rússia do que na Ucrânia etc…), terminando por Putin fazer o que todos já imaginavam: roubar as terras do país vizinho.

JHF
JHF
Reply to  Jefferson B
2 meses atrás

Podemos embarcar na Russofobia, ok, mas seria bom fazer sentido nos comentários. “invadir a Ucrânia com diversos pretextos absurdos: segurança de russos na Ucrânia; ” ….. Faz sentido zero este tipo de frase.

Carlos Crispim
Carlos Crispim
Reply to  JHF
2 meses atrás

Faz sim, existem várias regiões da Ucrania com maioria da população russa, tanto que fizeram eleições de independência logo após invasão russa, para se separarem do governo central de Kiev. Obviamente com o fim da guerra, após a retirada russa, os ucranianos vão ensinar boas maneiras aos cidadãos russos que moram nesses locais.

deadeye
deadeye
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

A Junta tem mais influência da Índia e de outros países do que da China. Meu Deus.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  deadeye
2 meses atrás

Vc não sabe nada sobre o assunto.

Charle
Reply to  deadeye
2 meses atrás

Índia???

Romão
Romão
Reply to  deadeye
2 meses atrás

A Realidade é o contrário mesmo, a China esta financiando os grupos rebeldes mais a esquerda.”
.
Fake news!
A China é o maior parceiro comercial do status quo birmanês. Não faz sentido algum financiar uma mudança de paradigma nesse contexto.

Charle
Reply to  deadeye
2 meses atrás

E desde quando a China é “de esquerda”? Ainda não se interou sobre o capitalismo praticado por eles? Atualize-se. O moderno Estado chinês têm como princípio ideológico o comunismo, o que em si mesmo não é mérito nem demérito, mas como pratica de atuação utiliza o mais selvagem capitalismo.
Se bobear a França é uma nação com diretrizes muito mais socialista do que eles. O que não a impede de ser um país de primeiro mundo.

Last edited 2 meses atrás by Charle
Sergio
Sergio
Reply to  Charle
2 meses atrás

Já era o conceito clássico de esquerda. Só mesmo os bizarros, Cuba & Coreia do Norte e talvez, um pouco menos, a Venezuela. Mantidos, esses três, respirando por aparelhos para provocar cócegas em Washington. Hoje em dia o Brasil é muito mais socialista, marxista – moralmente falando -que China e Rússia. Experimente, por exemplo, promover uma marcha da maconha em Pequim…

Charle
Reply to  Sergio
2 meses atrás

Atrelar uma suposta “ideologia de esquerda” ao consumo de drogas é uma tática mais do que manjada. Quem pertetua essa ideia é tão oco e vazio quanto a tática que utiliza. Até mesmo por que os grandes traficantes, produtores e organizadores do “esquema” jamais são pegos; vivem em confortável segurança em suas mansões, palacetes e fazendas. Com excelentes empregos, cargos, posições e salários que contribuem para passar aquele “ar de autoridade”, de “homem de bem”. E esses, em 99% das vezes, promulgam a “ideologia da direita”. Às vezes a polícia espanhola enquadra um peixe um pouquinho maior fazendo tráfico em… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Charle
Charle
Reply to  Charle
2 meses atrás

Peço desculpas aos editores.

Last edited 2 meses atrás by Charle
Nativo
Nativo
Reply to  Sergio
2 meses atrás

EDITADO
DISCUSSÃO FORA DO TEMA DA MATÉRIA.

JHF
JHF
Reply to  Sergio
2 meses atrás

Estimado, ser “pro-liberação da maconha” não é uma pauta de esquerda. Tem muito mais a ver com pauta de partidos social-democráticos europeus e setores de economia liberal.

Paulo Roberto
Paulo Roberto
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Será que são os “exportadores de democracia” que estão instigando essas atividades guerrilheiras na fronteira com a China??

MATHEUS AUGUSTO
MATHEUS AUGUSTO
2 meses atrás

Off Topic:
https://youtu.be/CLQoZQ7eC8g?si=wWy5bJgjCHpYE9Xn

https://youtu.be/_YDV5V-FNWE?si=T5UzuRB-MpBo3izi

https://youtu.be/TwJjy6hhCY8?si=-uvP2yNVWl3AqcDK

Gente o negócio tá esquentando cada vez mais nessa novelinha entre Maduro e Guiana. Pelo jeito vai sobrar pro Brasil, ao que parece o governo do nine vai fazer o certo e ficar ao lado da Guiana.

Me espanta a pouca cobertura do Forte sobre isso, assunto que afeta diretamente nossas fronteiras. Bora cobrir aí pessoal !

Fernando
Fernando
Reply to  MATHEUS AUGUSTO
2 meses atrás

Na minha opinião, tudo isso é teatro que o Maduro está fazendo para chamar a atençao sobre a questão. Quem tem intenção de invadir nao propaga essa intenção aos quatro ventos, faz e pronto. Tá mais com cara de teatrinho para chamar a atenção e enganjar a população e a opinião publica internacional para a questão. Só acho….

Sergio
Sergio
Reply to  MATHEUS AUGUSTO
2 meses atrás

Também acho que é teatro. Mas, levando-se em conta que a partir da invasão da Ucrânia e dos ataques do hamas, neste pos pandemia voltamos ao status quo permanente das guerras – alô George orwell- não é difícil que esse Zé mane latino americano caia nas manobras sórdidas do estado profundo e faça essa M.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
2 meses atrás

OFF-TOPIC – O EB está fazendo exercícios na fronteira coma Guiana em meio a ameaça de anexação de 1/3 deste país pela Venezuela!