Brasília (DF) – Pioneiro no emprego de meios aéreos na América do Sul, o Exército Brasileiro tem superado desafios significativos na otimização do uso de suas aeronaves, especialmente no norte do país.

A região amazônica é particularmente desafiadora para a aviação. Muitas vezes, é necessário pré-posicionar quantidade considerável de combustível, especialmente para saídas de Manaus, pois existem apenas quatro locais com suporte de aeródromo para abastecimento direto. Por isso, é necessário um planejamento meticuloso, considerando as condições de meteorologia, peso da aeronave e necessidade de combustível e de outros insumos. Pontos de decisão no meio da rota também são necessários para garantir a continuidade da missão.

O desafio de voar sobre a Amazônia é, ainda, relacionado à selva densa, com árvores altas e escassez de áreas de pouso regular e de emergência. Frequentemente, é necessário abrir clareiras na mata para acessar os objetivos, ou fazê-lo por meio de lançamento por paraquedas ou por técnicas especiais de infiltração por rapel.

As condições meteorológicas da região amazônica também passam por constantes variações devido ao acúmulo de calor e umidade, resultando na formação de nevoeiros, conhecidos como ‘Aru’, especialmente pela manhã. O fenômeno da evapotranspiração leva à formação de cúmulos e à degradação das condições de voo ao longo do dia, exigindo conhecimento e perícia da equipe de pilotos e mecânicos. Ao contrário de outras regiões do Brasil, onde é possível antecipar com segurança a ocorrência de fenômenos climáticos, na Amazônia, é necessário o monitoramento constante do clima, com precaução e cautela, devido às escassas informações meteorológicas ao longo da rota e nos locais de pouso.

Nessas condições, a capacidade de pousar aeronaves em locais confinados, como clareiras ou campos de futebol em comunidades remotas, é crucial para o transporte de pessoal e de suprimentos. Como muitas pistas de pouso não têm capacidade para receber grandes aviões de carga, o emprego do helicóptero oferece maior flexibilidade, apesar do custo mais elevado.

Defesa das fronteiras e apoio humanitário

Para os pilotos que sobrevoam a Amazônia cumprindo missões de Defesa da Pátria, os Pelotões Especiais de Fronteira oferecem apoio permanente, com foco na previsão de transporte, preparo de tropas e acesso a localidades remotas no interior da floresta e ao longo da fronteira. Conectados por meio do transporte aéreo, esses pelotões atuam não apenas na defesa do território, mas também no apoio a missões de caráter logístico e humanitário, desde a provisão de suprimentos a comunidades isoladas até a colaboração no transporte de urnas para as eleições.

Atualmente, observamos esse esforço no apoio logístico prestado na Terra Indígena Yanomami, com transporte de enfermos e entrega de suprimentos. Para enfrentar a crise humanitária na região, as Forças Armadas lançaram a Operação Catrimani, com uma série de ações coordenadas para entregar 15.000 cestas de alimentos a comunidades indígenas.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest

41 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JPonte
18 dias atrás

Excelente!
Parabéns ao EB …..
A Amazônia necessita de meios aéreos com grande capacidade de carga e autonomia , é um continente em si …. mais meios aéreos , mais meios específicos aéreos ( de carga grande , de ataque , vigilância , inteligência ..)

Nativo
Nativo
Reply to  JPonte
17 dias atrás

Creio que precisamos de mais helis de pequeno e médio porte , bem espalhados pelo país. Porque bem pesados já temos o caracal.

Last edited 17 dias atrás by Nativo
BLACKRIVER
BLACKRIVER
Reply to  JPonte
16 dias atrás

Primeiro passo, precisamos investir em infraestrutura de pistas nos pelotões de fronteira, pistas descentes com dimensões apropriadas e procedimentos IFR para operação do KC390 sem restrições são essenciais. Não resolver ter helicópteros e drones se não tem como levar combustível ⛽️ Segundo passo é operar um número maior de Black Hawker mais bem distribuídos ao longo da fronteira, grandes extensões de terra requerem vários pontos de suporte. Se alguém souber e puder responder eu agradeço! ~ Quantos pelotões de fronteira o Brasil tem ao todo? ~ Quantos quilômetros de fronteira cada um tem sob responsabilidade? ~ Qual seria o número… Read more »

Emmanuel
Emmanuel
18 dias atrás

CH-47 ou King Stallion.
O que o EB precisa é de, pelo menos, uns dois helicópteros de um desses dois modelos. Falo dois como um lote inicial, porque uma compra maior seria impossível. Não tem dinheiro.

Resolveria, consideravelmente, esse problema de transporte em longas distâncias.

Heinz
Heinz
Reply to  Emmanuel
18 dias atrás

2????? No mínimo do mínimo uns 8.

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Heinz
18 dias atrás

Não há dinheiro nem para dois…imagina 8.
Dois seriam um lote inicial.

RDX
RDX
Reply to  Emmanuel
18 dias atrás

O CH-47 é perfeito. 4 unidades já ajudam bastante.
O CH-47 possui rampa traseira e é capaz de transportar 1 pelotão completo, “pousar na água” para desembarcar pequenas embarcações com comandos, transportar 1 obuseiro 155mm, içar aeronaves acidentadas, radares e outras cargas pesadas etc. Enfim, possui capacidades indispensáveis para um exército que opera em regiões de Selva.

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  RDX
18 dias atrás

Mas ainda prefiro o King Stallion.
Sua última versão que na verdade é um helicóptero novo. Sua capacidade de carga é sem igual e também tem rampa traseira. Só custa em torno de 90 milhões de dólares.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  RDX
18 dias atrás

Por incrível que pareça a autonomia do CH-47 é pequena…ele é bom de carregar carga/tropa sem duvida disso….precisaria ter uma demanda nessa faixa de transporte pesado por curtas distâncias que justifique sua compra.
O blackhawk e o EC-725 tem uma autonomia muito maior, mas carregam menos carga.

Groosp
Groosp
Reply to  Emmanuel
18 dias atrás

Estavam previstos dois helicóptero pesados no SIVAM mas faltou verba. Os concorrentes eram o CH-47, CH-53, Mi-26 e um Super Puma que só Deus sabe como foi parar na lista.

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Groosp
18 dias atrás

O problema é que o EB queria o último modelo do CH-47.
Pelo último modelo, sou mais o King Stallion.

Heinz
Heinz
Reply to  Emmanuel
18 dias atrás

o último modelo, você diz a versão mais moderna?

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Heinz
17 dias atrás

Sim.
E os US não estavam muito a fim de vender essa versão.

FERNANDO
FERNANDO
18 dias atrás

Concordo com tudo o que foi dito.
Apenas faço uma ressalva, acho que a região do Amazonas, necessitava de um numero maior de helis, inclusive com alguns chinooks por lá.

Matheus
Matheus
Reply to  FERNANDO
18 dias atrás

CH-47F e UH-60M seria o ideal. E quem sabe algum helicóptero de ataque…AH-64E…enfim, não custa sonhar rs.

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Matheus
18 dias atrás

AH-64E?

Na volta a gente compra filho.

Matheus
Matheus
Reply to  Emmanuel
18 dias atrás

Hehehe gosto demais do Apache. Um sonho muito distante.

Last edited 18 dias atrás by Matheus
BVR
BVR
Reply to  Emmanuel
18 dias atrás

Verdade, quem nunca ouviu essa argumentação, né ?…rsrsrsrsrs

Mas que algumas unidades do heli Atak e outros tantos Chinook’s elevariam ainda mais aviação do EB.

Mas por enqto fica valendo a reposta do Emmanuel.

Gustavo
Gustavo
18 dias atrás

Formação da expansão da aviação do exercito da Amazônia ocidental deveria vir junto com projetos nacionais, com pesquisa,produção, e doutrina de seus próprios meios formado nacionalmente.

Samuca Cobre
Samuca Cobre
18 dias atrás

Na região amazônica teria que ter no mínimo uns 40 UH 60, no mínimo…
É uma vergonha a quantidade de meios alocados na região!!!

Felipe
Felipe
Reply to  Samuca Cobre
18 dias atrás

O Exercito está negociando a compra de 16 UH60M Black Hawk, talvez todos pra operarem na Amazônia. Hoje somando as 3 forças temos 20 e poucos helis na região, mas também cargueiros da FaB e do exercito.

Santamariense
Santamariense
Reply to  Felipe
17 dias atrás

“… somando as 3 forças temos 20 e poucos helis na região …” Exército: – 4⁰ BAvEx: 19 (9HM-1, 4 HM-2, 6 HM-4) – Destac. Av. do CMN: 05 (3 HM-1, 2HM-4) FAB: – 7⁰/8⁰ GAV: 6 H-60L MB: – HU-91: 4 UH-12 – HU-41: 4 UH-15 Total de 38 helicópteros das 3 Forças na Amazônia. Dos 12 (não 16) UH-60M que o EB pretende comprar, ao menos 4 vão substituir os 4 HM-3 do 3⁰ BAvEx, em Campo Grande/MS. “… mas também cargueiros da FaB e do exercito.” Aviões cargueiros somente a FAB possui. EB e MB operam somente… Read more »

Santamariense
Santamariense
Reply to  Santamariense
17 dias atrás

“Dos 12 (não 16) UH-60M que o EB pretende comprar, ao menos 4 vão substituir os 4 HM-3 do 3⁰ BAvEx, em Campo Grande/MS.”

Esqueci: Outros 4 UH-60M deverão substituir os outros 4 HM-3, estes no 2⁰ BAvEx, em Taubaté.

Bardini
Bardini
18 dias atrás

“Como muitas pistas de pouso não têm capacidade para receber grandes aviões de carga, o emprego do helicóptero oferece maior flexibilidade, apesar do custo mais elevado.” . “Conectados por meio do transporte aéreo, esses pelotões atuam não apenas na defesa do território, mas também no apoio a missões de caráter logístico e humanitário, desde a provisão de suprimentos a comunidades isoladas até a colaboração no transporte de urnas para as eleições.” . “Atualmente, observamos esse esforço no apoio logístico prestado na Terra Indígena Yanomami, com transporte de enfermos e entrega de suprimentos. Para enfrentar a crise humanitária na região, as… Read more »

Last edited 18 dias atrás by Bardini
Joao
Joao
Reply to  Bardini
17 dias atrás

Mas as aeronaves não fazem só isso.
Fazem muitas missões operacionais.
Inclusive, após o ap log, realizam operações no local.
Os vetores de asa fixa farão?

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Bardini
17 dias atrás

Caro Bardini Fui verificar o que a fab opera na região na missão de transporte, vamos aos dados que consegui levantar: Esquadrão de Aeronaves: -1/9 GAV (Esquadrão Arara) opera em Manaus (C-295) -7 ETA (Esquadrão Cobra) opera em Manaus, misto de Grand Caravan e C-97 Brasília. Esquadrões de Helicópteros: -2/8 gav (Esquadrão Poti) , opera em Porto Velho, ex operador de mil-mi-35, ocioso sem aeronaves? -7/8 gav (Esquadrão Harpia) opera em Manaus, Black Hawk limitados em final de vida útil?. Minha opinião/análise: Por incrível que pareça a fab não opera mais o bandeirante na Amazônia Ocidental (prestem atenção que o… Read more »

Last edited 17 dias atrás by Rafaelvbv
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
17 dias atrás

“-7/8 gav (Esquadrão Harpia) opera em Manaus, Black Hawk limitados em final de vida útil?.”

Acho que você se confundiu com Black Hawks do Exército, que operam da mesma base mas são mais velhos.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
17 dias atrás

eu não tinha certeza (por isso a interrogação), obrigado pelo esclarecimento

Santamariense
Santamariense
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
17 dias atrás

Isso. Os BH do EB operam desde 1996/97 e os BH da FAB (do primeiro lote) desde 2006.

Santamariense
Santamariense
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
17 dias atrás

Mas, já é feito dessa maneira. KC-390 leva do Sul e sudeste os suprimentos para Manaus. De lá, os C-97 vão para as localidades maiores e com as cargas mais volumosas e os C-98 vão para os PEF e outras localidades com pistas menores. Os C-105 fazem a ligação entre as cidades mais distantes e quando as cargas exigem maior capacidade. Então, não vejo problemas na operação como é feita hoje.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Santamariense
16 dias atrás

É inegável que Fab está presente na região, podemos ver a variedade de missões que são cumpridas pelos diversos canais de informação, não sei como funciona a gestão dos recursos pelo Estado na região e como essas missões são pagas por ele (ora para a fab, ora para o eb) nem vou entrar no assunto do que é responsabilidade de cada força, mas acredito que a partir do momento que a fab negou o uso de asa fixa ao EB, que esta passe a receber recursos e meios para cumprir a missão da melhor forma possível e que está possa… Read more »

BLACKRIVER
BLACKRIVER
Reply to  Bardini
16 dias atrás

Incrível como os militares das FAA não se atentam ou não querem se atentar para a falta de infraestrutura de pistas e pátios para operação de aeronaves de grande porte nos rincões da Amazônia

Pistas de pouso e decolagem feitas em concreto ou asfalto com dimensões de 2500 X 45 / PCN 50 suportam aeronaves cargueiros de grande porte mesmo civis, e essas são as que resolvem os problemas logísticos na hora do pega pra capar.

Mas…

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
18 dias atrás

Eu sei que é muito cedo para isso….mas a medio prazo um tiltirotor seria ideal para o eb na região…..um projeto que pega o melhor de 2 mundos.

Orivaldo
Orivaldo
17 dias atrás

Meio off mas esses mês faz aniversário dos incêndios no Andraus e Joelma. No qual Helicópteros foram de extrema importância no resgate, principalmente no Andraus. Para se ter uma noção a Cidade de SP possuía cerca de 20 Helicópteros, 12 ajudaram no Resgate das pessoas. Pilotos Extremamente Habilidosos, uma baita História!!

Santamariense
Santamariense
Reply to  Orivaldo
17 dias atrás

Andraus, 24/02/1972

Joelma, 01/02/1974

Kornet
Kornet
17 dias atrás

A AvEX precisa de mais helicópteros, e principalmente ,de aeronaves de asas fixas uns Caravan,C295 ou C 27 e até uns 3 ou 4 Currier para complementar o transporte médio e uns King ou Diamond para missões C4ISR.
E nos helicópteros aumentar e muito o número de BH (os EUA vão desativar uns 160 seria bom avaliar o estado deles).

Tutor
Tutor
17 dias atrás

Mobilidade e logistica deveria ser a prioridade das nossas Forças Armadas, principalmente do exército. E nesse prisma, helicopteros são essenciais. Eu diria que o número de helicopteros que temos é vergonhoso perante o que realmente deveria ser.

Samuca Cobre
Samuca Cobre
Reply to  Tutor
16 dias atrás

Tem que ter no mínimo uns 40 BH só do EB na região Amazônica …

Vem cometa
Vem cometa
17 dias atrás

Me dá dor no estômago toda vez que vejo alguém falando que as Forças não tem dinheiro. 1,6 Trilhão de U$ de PIB, dos quais 125 Bilhões de Reais foram p/ o orçamento da Defesa em 2023, sendo 78% destinado a despesa de pessoal, mas não tem dinheiro pra equipamento… Dai vc vê essas “pérolas” na mídia e começa a entender a lógica da coisa: https://g1.globo.com/politica/blog/andreia-sadi/post/2023/11/21/exercito-reduz-expediente-de-tropa-sem-cortar-salario-por-dois-meses-para-reduzir-gastos-com-luz-e-alimentacao.ghtml O pior é que sempre tem neguinho para defender o indefensável…

BLACKRIVER
BLACKRIVER
Reply to  Vem cometa
14 dias atrás

Agora estão falando em mandar três mil homens entre praças, soldados e oficiais para a terra Yanomam…
Mais as construção de dois pelotões…

Resumo da opera, não vai resolver nada, afinal não tem equipamentos, sem drones do porte do MQ9, Helicópteros Black Hawker e pistas de pouso as pra suprir nada vai se resolver.
Prova disse que os maiores garimpos estão próximos ao pelotão de Surrucucu!

95% do ouro e outros metais preciosos saem de helicópteros pequenos via fronteira norte, onde FAB tem atuação ZERO

Celso
Celso
16 dias atrás

Poucos Helis. Poucas pistas. Sem armamento. Área maior que muitos países. Poucas tripulações. A quantidade de Helis não atende bem uma só brigada. Só serve pra desfile de 7 setembro.