O maior fabricante de chips da China, a SMIC, é agora a terceira maior fundição do mundo em termos de receita no primeiro trimestre, de acordo com a Counterpoint Research.

A SMIC, ou Semiconductor Manufacturing International Co., apoiada pelo estado, detinha uma participação de mercado de 6% no primeiro trimestre — um aumento em relação aos 5% do ano passado, mostrou o relatório. Ela superou a GlobalFoundries e a United Microelectronics Corporation de Taiwan.

Isso coloca a SMIC atrás apenas da Taiwan Semiconductor Manufacturing Company e da Foundry da Samsung da Coreia do Sul, que detinham 62% e 13% do mercado no primeiro trimestre, respectivamente.

“Os resultados trimestrais da SMIC superaram as expectativas do mercado, e a empresa garantiu a posição de número 3 em participação de mercado de receita de fundição no primeiro trimestre de 2024 pela primeira vez, à medida que a recuperação da demanda começa na China, incluindo aplicações CIS, PMIC, IoT e DDIC,” mostrou o relatório da Counterpoint Research publicado na quarta-feira.

Os chips fabricados pela SMIC são encontrados em automóveis, smartphones, computadores, tecnologias IoT e muito mais.

A SMIC relatou que a receita do primeiro trimestre foi de US$ 1,75 bilhão, um aumento de 19,7% em relação ao ano anterior, à medida que os clientes estocaram chips. Mais de 80% de sua receita no trimestre foi derivada de clientes na China, disse a empresa em seu relatório de ganhos.

No segundo trimestre, a empresa chinesa espera que a receita aumente de 5% a 7% em relação ao primeiro trimestre, devido à forte demanda.

A China consome quase 50% dos semicondutores do mundo, pois é o maior mercado de montagem para dispositivos de consumo, de acordo com dados da consultoria tecnológica Omdia.

A SMIC é vista como crucial para as esperanças de Pequim de reduzir a dependência de tecnologia estrangeira em sua indústria doméstica de semicondutores, à medida que os EUA continuam a restringir o poder tecnológico da China. Para impulsionar a fabricação doméstica, Pequim investiu bilhões de yuans em subsídios para suas empresas de chips.

A SMIC tem sido alvo de sanções dos EUA desde 2020, onde as empresas americanas são obrigadas a solicitar uma licença antes de vender para a SMIC, restringindo sua capacidade de adquirir certas tecnologias dos EUA.

Ela também não conseguiu obter as máquinas de litografia ultravioleta extrema — que apenas a empresa holandesa ASML é capaz de fabricar. Sem as máquinas EUV, a SMIC não pode produzir semicondutores de alta tecnologia em larga escala a custos mais baixos.

Em um revés para as sanções dos EUA, uma análise do smartphone Mate 60 Pro da gigante tecnológica chinesa Huawei, lançado no ano passado, revelou que ele funciona com um chip de 7 nanômetros fabricado pela SMIC. O smartphone também parece suportar conectividade 5G, apesar das tentativas dos EUA de cortar a Huawei de tecnologias chave, incluindo chips 5G.

No entanto, a SMIC ainda está atrás da TSMC e da Samsung Electronics, disseram os analistas.

A TSMC e a Samsung começaram a produzir em massa chips de 7 nanômetros em 2018 e atualmente produzem chips de 3 nanômetros — quanto menor o tamanho do nanômetro, mais avançado e eficiente é o chip.

FONTE: CNBC

Subscribe
Notify of
guest

14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
War de Betim
War de Betim
28 dias atrás

EDITADO:
COMENTÁRIO BLOQUEADO DEVIDO AO USO DE MÚLTIPLOS NOMES DE USUÁRIO.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  War de Betim
28 dias atrás

Você deveria postar esse “off topic” em matéria onde ele seria “on”, que é esta abaixo, sobre a Guerra na Ucrânia. Aqui esse assunto de roubo de viatura só atrapalha a discussão original.

A matéria abaixo ainda está entre as recentes e continua a receber comentários:

https://www.forte.jor.br/2024/05/21/guerra-na-ucrania-russia-continua-a-atacar-nos-setores-de-chasiv-yar-orikhiv-svatove-e-ocheretyne/

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
28 dias atrás

Olha aí as sanções norte-americanas fazendo efeito 😏😏😏😏

Wagner
Wagner
28 dias atrás

E muitos em tempos passados diziam que a China levaria 30 anos para produzir um chip de 28 nn.
Já está chegando no topo do mercado

deadeye
deadeye
28 dias atrás

“Em um revés para as sanções dos EUA, uma análise do smartphone Mate 60 Pro da gigante tecnológica chinesa Huawei, lançado no ano passado, revelou que ele funciona com um chip de 7 nanômetros fabricado pela SMIC. O smartphone também parece suportar conectividade 5G, apesar das tentativas dos EUA de cortar a Huawei de tecnologias chave, incluindo chips 5G”

Apenas dizendo quanto a essa parte. A Huawei negou essa informação.

https://www.tudocelular.com/mercado/noticias/n221151/huawei-nega-chip-pcs-lancamento-uso-intel-eua.html

Bispo
Bispo
28 dias atrás

SMIC ainda esse ano lançará CPU‘s com 5nm e já se move para os 3nm.

O maquinário de fundição da indústria chinesa perto da taiwanesa é antigo , por isso o custo de cada unidade de CPU é mais alto … mais a China está alcançando o “ocidente tecnológico” na fundição de chips.

No campo da AI a versão 5.0 do SenseNova do fabricante chinês SENSETIME bateu o chatGPT 4.0 Turbo da americana OPEN AI em praticamente todos os parâmetros de testes.

Last edited 28 dias atrás by Bispo
Wagner
Wagner
Reply to  Bispo
27 dias atrás

A escala de produção chinesa compensa esses custos.

Marcos
Marcos
28 dias atrás

Iniciaram a fabricacao de chip de 5nm e estao desenvolvendo de 3nm.

Heinz
Heinz
28 dias atrás

Muitos falam da China, Taiwan, EUA, mas brabos mesmo são os coreanos!
Como é bom ter um país desenvolvido tecnologicamente.

adriano Madureira
adriano Madureira
28 dias atrás

E aqui o —— EDITADO —— queriam vender a CEITEC por certamente não verem nenhum valor em uma fábrica de semicondutores… Falaram que estava dando gasto, os chips eram mais caros que a concorrência. Enquanto isso no Brasil,a CEITEC parada com maquinario para produzir chips de 150 nanometros e 300 nanometros ( mais de 90% dos chips usados na indústria aumobilistica usam essa litografia ), se houvesse investimento para ela se tornar competitiva, recebendo um aporte na área de P&D e possivelmente fabricar os chips de 28 nm, que não seria algo simples, não seria de uma hora para outra,… Read more »

Nemo
Nemo
Reply to  adriano Madureira
28 dias atrás

A Ceitec sempre volta. Não conseguiram vender a Ceitec porque não apareceu nenhum comprador. Na última tentativa seria a maior oferta e não apareceu ninguém oferecendo um real, isto demonstra a viabilidade da empresa. Esqueçam, este trem o Beasil perdeu.

Mr.White
Mr.White
Reply to  Nemo
26 dias atrás

Bobagem, esse papo de “trem perdido” não existe, pois toda tecnologia é dinâmica e está em constante evolução, caso contrario a Coreia do Sul jamais teria a Hyundai, que iniciou sua produção automobilistica 100 anos depois do primeiro automovel da Benz! E China jamais teria a SMIC que surgiu 80 anos depois da Bell Labs! A Ceitec vai partir para o mercado de chips e semicondutores de Carbeto de Silicio um foco muito interessante, pois é um nicho de pesquisa na fronteira tecnologica! Sobre não haver interessados, faz sentido, já que é um mercado de aportes multi bilionarios. Não se… Read more »

Last edited 26 dias atrás by Mr.White
JAC
JAC
Reply to  Mr.White
25 dias atrás

Poucas sao as empresas que de fundo estatal deram certo no Brasil, Embraer e Petrobras. O brasileiro nao tem o mesmo perfil de coreano para trabalhar, se esforcar e entregar resultados. O Brasil nao em cultura de planejamento, paciencia e disciplina a nivel de governo. Esquecam a CEITEC. Se o Governo tivesse feito uma parceria com a Weg ou outra empresa para produzir alguns tipos de Processadores, daria mais certo. Mas isto significa pesados subsidios para P&D, isencoes fiscais e trabalho integrado com universidades. A Itautec tinha uma unidade de emcapsulamento de memoria em Jundiai, nem sei se existe ainda.… Read more »

Eromaster
Eromaster
27 dias atrás

Sanções só funcionam contra países pobres, não contra China.
Acredito que em breve, a China vai desenvolver tecnologia mais avançadas sem depender máquina EUV, da ASML, que vai possibilitar a China produzir semicondutores de alta tecnologia em larga escala.