Guerra Tecnológica: Fabricantes de chips chineses aumentam capacidade em meio a temores de mais sanções dos EUA

8

Uma sala limpa de fabricação de wafer em uma instalação da Hua Hung Semiconductor

A China deve representar cerca de 30% da capacidade total de fabricação de wafers do mundo no próximo ano, disse a SEMI em um relatório

Fundições chinesas, como a Semiconductor Manufacturing International Corp (SMIC) e a Hua Hong Semiconductor Group, estão aumentando a capacidade em meio a temores de mais sanções tecnológicas dos EUA, de acordo com um relatório da indústria.

Embora os fabricantes de chips do país fiquem atrás de players como a Taiwan Semiconductor Manufacturing Co (TSMC) e a Samsung Electronics em tecnologia de processamento de chips, eles estão “ativamente” aumentando o investimento em nova capacidade para acomodar a demanda por chips legados usados em aplicações como carros e eletrônicos de consumo.

A capacidade total das fundições com sede na China crescerá 15% para 8,9 milhões de wafers por mês este ano, e 14% para 10,1 milhões no próximo ano, superando o crescimento global médio de 6% e 7% no mesmo período, de acordo com um relatório da SEMI, uma associação da indústria com sede nos EUA.

Como resultado, a China deve representar cerca de 30% da capacidade total de wafers do mundo no próximo ano, disse a SEMI.

“Apesar dos riscos potenciais, a China está aumentando ativamente o investimento para aumentar a capacidade de fundição, em parte devido aos seus esforços para aliviar o impacto dos controles de exportação [dos EUA]”, disse a associação no relatório. Fabricantes de chips chineses, incluindo Nexchip, SiEn (Qing Dao) Integrated Circuits Co e o fabricante de chips de memória ChangXin Memory Technologies, estão todos em expansão.

O ritmo de investimento já desencadeou preocupações com o excesso de capacidade, com Washington disparando a primeira salva. O governo Biden aplicará tarifas a US$ 18 bilhões em importações chinesas, incluindo um aumento de 50% nas importações de semicondutores da China a partir do próximo ano, para proteger a indústria local de chips dos EUA.

“Os fabricantes chineses estavam estocando ferramentas [de fabricação de chips] em 2023”, disse Boris Metodiev, analista sênior de fabricação de semicondutores da TechInsights, durante um webinar recente. “A demanda sem precedentes na China significou que as vendas de equipamentos de fabricação de wafer na China atingiram um recorde histórico.”

Metodiev observou que as vendas de equipamentos de fabricação de wafer de semicondutores na China no ano passado aumentaram 48% contra uma taxa de crescimento mundial de 1%. “Isso significa que, se você excluir a China da equação, todas as outras regiões realmente caíram 15%”, disse ele.

A expansão ocorre depois que as vendas de semicondutores da China caíram por dois anos consecutivos em meio a uma lenta recuperação econômica depois que Pequim encerrou abruptamente sua draconiana política de Covid-zero no final de 2022.

Analistas alertaram que os planos de expansão em andamento da China levarão ao excesso de capacidade de produção nos próximos dois anos, potencialmente reduzindo os preços se as fábricas chinesas começarem a vender no mercado global.

No passado, a China dependia de importações para a maior parte de suas necessidades de chips, mas em meio a um implacável esforço de autossuficiência e aumento das sanções dos EUA, a situação mudou. A China importou 479,5 bilhões de circuitos integrados (ICs) em 2023, uma redução de 10,8% ano a ano, com um valor de importação de US$ 349,4 bilhões, igual a um declínio de 15,4% em relação ao ano anterior, de acordo com dados da Administração Aduaneira Chinesa.

Fundições chinesas como SMIC e Yangtze Memory Technologies Corp já estão se beneficiando da campanha de localização do país. Relatórios da indústria indicam que as fundições locais experimentaram uma recuperação mais rápida na utilização da capacidade – uma medida da atividade de produção fabril – em comparação com seus pares globais devido às políticas de substituição doméstica da China para ICs e outros produtos tecnológicos.

A Hua Hong Semiconductor, a segunda maior fundição da China com foco em tecnologias maduras e especiais, viu sua utilização de capacidade funcionando em níveis máximos e deve aumentar os preços em 10% no segundo semestre do ano, de acordo com uma nota do banco de investimento americano Morgan Stanley publicada na semana passada.

Algumas linhas em fundições chinesas já estão operando em plena capacidade devido à alta demanda dos clientes, de acordo com uma nota de pesquisa da TrendForce publicada na quarta-feira. Ela disse que a tradicional temporada de pico de estocagem no segundo semestre pode estender a situação de capacidade apertada até o final do ano, com os ajustes de preços refletindo os esforços para aliviar a pressão sobre o lucro, em vez de uma recuperação total da demanda.

FONTE: SCMP

Subscribe
Notify of
guest

8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 mês atrás

“No passado, a China dependia de importações para a maior parte de suas necessidades de chips, mas em meio a um implacável esforço de autossuficiência e aumento das sanções dos EUA, a situação mudou. A China importou 479,5 bilhões de circuitos integrados (ICs) em 2023, uma redução de 10,8% ano a ano, com um valor de importação de US$ 349,4 bilhões, igual a um declínio de 15,4% em relação ao ano anterior (…)” Sempre acho fascinante o modo como as sanções norte-americanas contra a China SEMPRE tem o resultado oposto do que os norte-americanos pretendiam… Enquanto isso, a Rússia, que… Read more »

Hamom
Hamom
1 mês atrás

China: Obrigado ‘United Sanctions of America’ (USA)

Last edited 1 mês atrás by Hamom
Vitor
Vitor
1 mês atrás

A bala de festim que saiu pela culatra.

NBS
NBS
1 mês atrás

Empresas chinesas estão liderando esses investimentos, mesmo com as sanções dos EUA. As fundições chinesas se beneficiam das políticas de substituição doméstica, embora haja preocupações sobre o excesso de capacidade, o que pode reduzir preços e margens de lucro. A China está diminuindo sua dependência de importações. Essa expansão terá impactos nos preços e na competitividade global, fortalecendo a posição da China na cadeia global de semicondutores e aumentando a concorrência para empresas globais de tecnologia. Além disso, haverá um aumento no fluxo de capitais e, crucialmente, a escalada na produção e as políticas de substituição doméstica podem transformar as… Read more »

Eromaster
Eromaster
1 mês atrás

Qualquer país que tenta ficar independente em tecnologia avançadas é sancionado. Essa é a famosa “liberdade e democracia” que o ocidente prega.

Rafael Aires
Rafael Aires
29 dias atrás

” O governo Biden aplicará tarifas a US$ 18 bilhões em importações chinesas, incluindo um aumento de 50% nas importações de semicondutores da China a partir do próximo ano, para proteger a indústria local de chips dos EUA.”
Isso vai funcionar mesmo!!!

Markus
Markus
29 dias atrás

Essas sanções dos USA só aumenta os esforços da china em busca da autosuficiencia o que leva a América ter dado um tiro que saiu pela Culatra.

Manus Ferrum
Manus Ferrum
29 dias atrás

EUA perdendo pra China no próprio jogo.