Home Defesa Novo Livro Branco de Defesa da França: Exército diminui e as ambições...

Novo Livro Branco de Defesa da França: Exército diminui e as ambições também

604
5

A França se prepara para as futuras guerras com ambições reduzidas, segundo jornal Le Monde – haverá grandes cortes de pessoal afetando as três armas, mas principalmente o Exército, segundo jornal Le Figaro

Nesta segunda-feira (29 de abril), com quatro meses de atraso, foi recebido pelo presidente francês François Hollande a nova edição do Livro Branco de Defesa da França, para publicação. Hollande deverá se pronunciar a respeito da nova política de Defesa em 24 de maio. O livro, que deveria estar pronto no final de 2012 após um trabalho de um comitê e um debate nacional, na verdade acabou sendo reescrito pelo Ministério da Defesa, com o desafio de manter um esforço substancial de segurança nacional numa economia “miserável”, segundo o jornal Le Monde.

As três ameaças apresentadas no livro são conflitos gerados por potências como a China, conflitos gerados por “estados falidos” e, por fim, os riscos trazidos pela globalização sob forma de terrorismo e ataques no ciberespaço.

A questão que mais se destaca, porém, é o orçamento e os cortes em pessoal e bases que ele traz. No período 2014-2020, será realizado um esforço para manter o orçamento de Defesa em 1,76% do PIB, o que estaria nos padrões da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte. Mas isso é o valor total: exluindo pensões, o número cairá em 10 anos para 1,3% do PIB, em relação aos 1,56% de hoje.

O orçamento será congelado por dois ou três anos, o que um amigo próximo do ministro da Defesa Jean-Yves Le Drian disse ser um “modelo de grande rigor.” Com os cortes necessários segundo o Le Monde, a França diminui não só seu pessoal e equipamentos, mas com eles as suas ambições de projeção de poder no exterior.

Até 2019, 24.000 empregos na Defesa deverão ser eliminados, além dos 10.000 que já correspondem à reforma do período 2009-2015. A maior parte será cortada do Exército Francês, segundo o jornal Le Figaro. Toda uma brigada será suprimida, assim como parte de seus carros de combate Leclerc e de seus helicópteros.

Infográfico Forças Armadas Francesas em 2020 - fonte Le Monde

A repartição final das reduções de pessoal e equipamentos ainda será anunciada, mas espera-se que o “Armée de Terre” perca um total de 9.000 homens além do já programado, sendo a principal vítima dos cortes. A dissuasão nuclear foi preservada, assim como programas e navios da Marinha, embora a Força Aérea tenha que renunciar a dois esquadrões (perto de 50 aeronaves). Um general afirmou: “O Exército não tem os mesmos poderosos lobbies que a Marinha e a Força Aérea possuem”.

Em relação aos 30.000 homens que o Exército poderia mobilizar em operações externas em 2008, o número vai cair para apenas 15.000. Estes terão o apoio de 45 caças da Força Aérea e da Marinha (ao invés de 70) prontos para mobilização imediata ao exterior. Cinco mil homens desses 15.000 estarão em alerta para crises internacionais, 2.300 deles prontos para ação imediata num raio de até 3.000 km. Uma brigada de 7.000 soldados deverá ser capaz de atender a duas ou três opeações de gerenciamento de crise ao mesmo tempo.

Ainda que o poder industrial tenha pesado, houve um esforço de ajustamento. Em comparação com o que se esperava em 2008, os créditos alocados a programas de armas serão reduzidos em 40% em cada ano. Assim, serão comprados menos helicópteros e jatos militares de transporte A400M. Na Força Aérea, o Rafale terá que se ombrear nos céus por mais tempo com caças mais antigos. A Marinha continuará com seu porta-aviões para respostas rápidas, e o núcleo de “capacidades críticas” (submarinos de ataque e esquadrões nucleares) será usado para operações convencionais.

Os cinco pontos principais do Livro Branco de Defesa

  • Orçamento de 179,2 bilhões de euros por seis anos (2014-2019). Isso manteria o mesmo nível anual de 2012/2013, de 31,4 bilhões e 1,5% do PIB. Porém, na realidade, parte desse orçamento anual ainda dependeria de receitas excepcionais com vendas de participação estatal em indústrias, entre outras.
  • Supressão de 34.000 postos no total pela Defesa. Os cortes de 54.000 postos entre 2009 e 2015 foram amplificados com esses novos cortes, representando a perda de 24.000 postos ao longo dos próximos seis anos (entre os cortes que já estavam programados para os próximos anos pelos cortes anteriores e esses novos, a soma chegará a 34.000 postos de trabalho a menos na Defesa de agora até 2020).
  • A dissuasão nuclear é intocável (um santuário). Essa dissuasão consome 3,5 bilhões de euros anuais, com seus componentes aerotransportados e baseados em submarinos. Os investimentos nos submarinos lançadores de mísseis nucleares para substituir a classe “Le Triomphant” prosseguirá, assim como o programa do míssil M51 e os estudos para renovação dos mísseis aerotransportados ASMPA (que entraram em serviço em 2009).
  • Diminuição das encomendas de caças Rafale para 225 caças (ao invés de 286), mais tempo de serviço para os jatos Mirage 2000D, que passarão por retrofit (modernização / revitalização) e aquisição de drones táticos Watchkeeper. Há negociações para adquirir o drone norte-americano Reaper.
  • Defesa Cibernética entre as prioridades, buscando um novo campo estratégico em matéria de defesa cibernética e de proteção de sistemas de informação. A França também construirá dois satélites para observação ótica e para desenvolver uma nova capacidade de interceptar, caracterizar e localizar emissões eletromagnéticas desde o espaço.

Infográfico Livro Branco de Defesa Francês - Le Figaro

FONTES / FOTO / INFOGRÁFICOS Le Monde e Le Figaro (compilação, tradução e edição, pelo site das Forças Terrestres, a partir de originais em francês)

NOTA DO EDITOR: para acessar arquivo em pdf de 160 páginas do Livro Branco de Defesa da França 2013, disponibilizado pelo jornal francês Le Figaro, clique aqui.

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
thomas_dw
thomas_dw
7 anos atrás

Em toda a sua historia moderna – a França jamais (enfase em jamais) comprou a quantidade planejada em algum programa militar, sempre cortou um quarto das encomendas no final.

Estes cortes alinham a França ao padrao militar Europeu, uma pequena força capaz de apenas dar uma participaçao modesta em operaçoes militares encabeçadas pelos EUA, e para realizar campanhas nas regioes mais pobres da Africa aonde o que eles tem da conta do recado.

Blind Man's Bluff
Blind Man's Bluff
7 anos atrás

Não se pode esquecer que os países da Europa, individualmente, representam apenas um pequeno percentual do PIB norte-americano e por isso, uma pequena participação nas atuais aventuras militares de Washington. Se o sonho da União Européia, uma economia, uma força militar conjunta tivesse vingado, esta seria a maior economia do mundo, com um PIB de ~16 trilhões. No final das contas, o banqueiro enriqueceu, o dinheiro sumiu e todos os países estão se estrangulando. Inocente quem acredita que o Brasil sairá ileso dessa. O mundo está mudando e entrando em atrito. Como o Nunão comentou, a França e as outras… Read more »

Vader
7 anos atrás

Inevitável é só a morte. Se o Irã insistir em manter seus projetos nucleares, irá arcar com as consequências. Simples assim.

Vader
7 anos atrás

No tópico, achei um plano bastante realista da França. Uma força enxuta e capaz.