sábado, setembro 25, 2021

Saab RBS 70NG

A história do M-113 modernizado em Santa Maria

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Empresa de Santa maria, em parceria com a UFSM, modernizou blindado M-113, que está em uso no 29º BIB

 

M113-T prototipo

Joyce Noronha

vinheta-clipping-forte1Em 2002 a Universidade de Campinas (Unicamp) foi escolhida para participar de um processo de modernização de lagartas e materiais rodantes do blindado M-113 do Exército Brasileiro. Após estudos, em 2003, o responsável técnico Osmar Dutra em convênio com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), iniciou estudos sobre a viatura M-113B, com o objetivo de modernizar e eliminar os diversos problemas de peças e componentes, com acentuado desgaste e quebras no conjunto de força e trem de rolamento desta viatura. Isto é, o motor, transmissão e material rodante.

A revitalização da Viatura Blindada de Transporte de Pessoal (VBTP) M-113 busca a nacionalização do maior número de peças e componentes e materiais nacionais, para que os M-113 voltem a ativa, pois 70% dos carros no momento estão parados por indisponibilidade de manutenção. As peças para restauração do modelo são importadas, portanto é um procedimento caro. “Por ser um processo de tecnologia importada, houve a necessidade de uma nacionalização de componentes”, explica Dutra.

De acordo com o responsável técnico, o primeiro protótipo – um carro blindado fornecido pelo Exército – foi executado ainda em 2003 e está em operação até os dias atuais no 7º Batalhão de Infantaria Blindado (7ºBIB) de Santa Cruz do Sul. Todo o serviço de reforma e de adaptação foi feito sem custos para o Exército Brasileiro. O segundo projeto foi executado no ano de 2006, em parceria com o Exército Brasileiro, UFSM e empresas do ramo metalúrgico da cidade. Este projeto foi homologado pelo fabricante MWM de motores, em Santa Maria. Fato único, pois este foi o primeiro projeto homologado por este fabricante de motores aqui.

M113-T prototipo - foto 2

Após exaustivos testes e por solicitação dos militares, a viatura foi avaliada no Centro de Avaliação do Exército (Caex), no Rio de Janeiro, durante quatro meses, passando novamente por rigorosos testes e não apresentando nenhum problema relacionado aos serviços executados. Desde então, esta viatura é a mais utilizada em operações do 29º BIB e de outras unidades de Santa Maria. “A maior virtude desse carro é que ele é 100% mais econômico em relação ao modelo americano, sendo anfíbio sem preparação”, destaca Dutra.

Conforme o responsável técnico, durante os setes anos que a viatura está em operação, não houve e nem foi necessária qualquer tipo de manutenção corretiva no modelo. Conforme Dutra, o M-113 é o veículo mais utilizado em treinamentos, por sua simplicidade, economia, durabilidade e especialmente por ser um carro anfíbio. No mundo todo, existem cerca de 80 mil carros deste modelo.

Licitações – A partir de 2008, tendo a participação da empresa santa-mariense Medianeira Mecânica, “participamos do processo licitatório, com empresas nacionais e internacionais, para modernização de toda a frota de viaturas M-113”, explica Dutra. As empresas de Santa Maria ficaram relacionadas entre as cinco empresas que defenderam o projeto em Brasília, sendo que o resultado desta licitação não foi apresentado. Na realidade houve um cancelamento de todo o processo licitatório. Não houve explicação razoável por anular a licitação, um mês depois.

No ano de 2009, uma nova licitação, para recuperação de um lote de viaturas M-113 foi aberto e as empresas de Santa Maria ficaram classificadas com a segunda colocação. “Acreditamos que uma das causas para esta segunda colocação, foi a exigência de uma pista particular pavimentada, com impacto ambiental, com extensão de 16 km, o que aumentou muito o custo da licitação. E a empresa vencedora nada disso apresentou, abrindo falência e não concluindo as obrigações assumidas”, ressalta Dutra. Outro fato que muito onerou a licitação, foi o aumento da multa por não execução, de 10% para 28% do valor.

M113-T prototipo - foto 3

Tendo em vista a falência desta empresa executante, esperava-se que a segunda colocada – a Medianeira Mecânica de Santa Maria fosse convocada. No entanto, isso não aconteceu. “Atualmente, o que nos causa surpresa, é o fato do Exército ter contratado uma empresa americana, sem licitação, para vender projeto de modernização de um lote de viaturas blindadas, com o processo totalmente importado e tecnologia ultrapassada, utilizando motores dois tempos Detroit. Este motor não atende ao controle de emissões e é de alto consumo. Tem custo elevado de suprimento e de manutenção, o que torna o projeto totalmente importado, fugindo à lei criada pelo ministro da Defesa em 2012, que prevê apoio e estímulo à indústria bélica nacional e a exigência de máxima nacionalização,” constata Dutra. Para lembrar, no final da década de 70, as empresas Ford, GM e CBT testaram essa motorização por dois anos, em seus produtos, e desistiram pela complexidade e por outros itens já mencionados. Caso o Exército necessite fazer uma manutenção corretiva hoje, adquire-se dois motores Mercedes ou MWM novos com o mesmo valor. Outro item que não convence, é a execução desse projeto no estado do Paraná e não no Parque de Santa Maria, pois 80% dessas viaturas estão aqui no sul do país. As empresas santa-marienses estão atentas ao que está acontecendo e preparadas, tecnologicamente, para executar o melhor serviço para o Exército Brasileiro.

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

7 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
rsbacchi
rsbacchi
8 anos atrás

Este mesmo material foi postado no sitio Defesa Brasil à um mês atrás.

O motor originalmente instalado não é mais fabricado pela MWM

Em função disto foi colocado um outro motor MWM

Desde que foi postado o artigo no DB estou tentando descobrir qual modelo MWM ele é.

É o maior mistério.

Ninguem sabe.

Bacchi

Colombelli
Colombelli
8 anos atrás

A primeira foto é do açude na frente do 29 BIB, conhecido como açude do 7º. Ministrei instrução de transposição de curso d`água ali.

eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
8 anos atrás

POxa vida mas por que nao deram pra empresa nacional o negócio tendo sido provada a qualidade do serviço e tendo estes insentivos pra nacionalizaçao dos serviços e tudo mais em relaçao a industria de defesa ??

Vader
8 anos atrás

Porque a END não vale o papel em que foi rabiscada…

Trata-se de um documento apenas para alimentar o ufanismo abestado da tropa PeTralha da “PuThânfia”.

cristiano.gr
cristiano.gr
8 anos atrás

Sobre o caso da contratação de empresa americana, com tecnologia ultrapassada e em detrimento da indústria nacional, há que se abrir o olho e investigar a fundo o que de fato ocorreu e essa investigação não pode ficar somente dentro da esfera militar. É de grande conhecimento que existem alguns oficiais aposentados amealhando fortunas agindo como lobistas. E sabe-se, também, que a atividade de lobby anda de mãos dadas com a falta de ética e a troca de gordas gorjetas, tudo em prejuízo dos interesses nacionais e do bolso do contribuinte. Vejo o M-113 como um grande exemplo do atraso… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Ocorre que não há nem a tecnologia necessária ou a fábrica, p/ tanto.
O “Guaraní” usa tecnologia italiana e a fábrica construída p/ tal, ainda está as voltas c/ o lote piloto.

Últimas Notícias

Exército Brasileiro testa variante de engenharia do Guarani

Capacidade deve ser implementada em todas as brigadas mecanizadas Os primeiros testes de campo foram iniciados no Arsenal de Guerra...
- Advertisement -
- Advertisement -