sexta-feira, dezembro 3, 2021

Saab RBS 70NG

Exercício Cooperative Spirit 2008

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

1º Batalhão do Royal Australian Regiment (1 RAR)

Aproximadamente 180 militares do 1º Batalhão do Royal Australian Regiment (1 RAR), de Townsville, foram enviados à Alemanha em setembro para o Exercício Cooperative Spirit 2008 (CS08).
O CS08 é um exercício multinacional destinado a testar a interoperabilidade entre os Exércitos Americano, Britânico, Canadense, Australiano e Neozelandês (ABCA).
O 1 RAR compreende um Battle Group HQ e um Combat Team Force, combinados com uma companhia do 2nd/1st Royal New Zealand Infantry Regiment (2/1 RNZIR), formando o “Grupo de Batalha ANZAC’.
Eles conduziram operações no campo, sob condições estressantes de batalha, com uma oposição  sofisticada e cenários realistas, em instalações de primeiro mundo.

Exercício Cooperative SpiritGrupo de Batalha ANZAC

Grupo de Batalha ANZAC

1º Batalhão do Royal Australian Regiment (1 RAR)

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Costa
Paulo Costa
13 anos atrás

Os helis da foto são UH-1 ,estão em uso…

Jorge
Jorge
13 anos atrás

Alguém poderia informar quanto em dólares, países como a Austrália, Canadá e Nova Zelândia tiveram que investir em equipamento e treinamento de seus soldados, para ter condições de participar de um evento desse tipo?

E desde que ano esses países vem fazendo esses investimentos em defesa militar?

Grato pelas respostas.

Jorge
Jorge
13 anos atrás

Onde se lê:
“E desde que ano esses países vem fazendo esses investimentos em defesa militar?”

Leia-se:
E desde que ano esses países começaram a fazer investimentos específicos nessa área?

João-Curitiba
João-Curitiba
13 anos atrás

Impressionante a parafernália (digo tecnologia) que eles possuem tanto junto ao corpo quanto nos demais equipamentos. Vocês têm certeza de que não são cenas do segundo filme de Tropas Estrelares?

Cinquini
Cinquini
13 anos atrás

Paulo Costa, os UH-1 ainda estão em uso operativo em diversas forças, inclusive na USMC.

Abração

Marine
Marine
13 anos atrás

Joao,

e a tendencia mundial hoje e assim, enquanto isso o Brasl vai ficando pra tras….

Agora tbm pra falar a verdade, muito do que vc viu faz parte do “MILES” system de treinamento com festim e laser p/ que se possa fazer treinamento “force-on-force” e nao quer dizer que se utiliza isso em combate. E como se fosse um carissimo laser tag.

Sds.

Meirelles
Meirelles
13 anos atrás

Uma questão: esses sofisticados equipamentos funcionariam perfeitamente na selva,em ambientes úmidos? outra coisa é que esses caras treinam contra uma oposição sofisticada em instalações de primeiro mundo,quando é mais provável que venham na realidade a combater em cenários de terceiro mundo,numa guerra assimétrica.

Em tempo,muito interessante aquele fuzil Steyr AUG daquele soldado austríaco,deve ser a versão A-3.O que você acha do fuzil tipo Bullpup,Marine?

Sds.

Walderson
Walderson
13 anos atrás

Marine,

E aí, irmãozinho. Tudo em paz?
Já existem planejamentos no EB para reequipamento da força com meios operativos mais modernos, por exemplo, o modelo francês de soldado do futuro. Se será realmente adotado é outra história, pois o Brasil tem o velho problema de orçamento. Uma coisa urgente e em estudo é a adoção de um fuzil 556.
Um abraço.

Marine
Marine
13 anos atrás

Meirelles, com relacao ao treinamento, o que e sofisticado sao as instalacoes, ja a doutrina da forca de oposicao e a mesma de guerrilhas e insurgentes. Em um treinamento desses eles nao estao treinando contra um outro Exercito convencional, essas instalacoes parecem cenario de Hollywood, com pirotecnicos, sons realistas e as vezes ate cheiros de “Terceiro Mundo”, geralmente a oposicao e um grupo de outros militares veteranos com experiencia e eles utilizam taticas assimetricas contra eles durante esse tipo de treinamento. Pra te falar a verdade e super realista e tem gente que diz que passou por mais dificuldades e… Read more »

Walderson
Walderson
13 anos atrás

Caro Galante,
não tem muito que ver com a notícia, mas
vc viu essa notícia?
http://www.defesanet.com.br/br/dec_6592.htm
um abraço.

Roberto
Roberto
13 anos atrás

Walderson, estava discutindo sobre este decreto com o Osawa e o Almirante Makarov no blog naval… acho interessante um artigo sobre este decreto e suas possíveis ramificações, o que os moderadores acham ?

Paulo Costa
Paulo Costa
13 anos atrás

Os calibres militares usados na Infantaria 7,62,e no CFN 5,56 ja são usados a bastante tempo.O Fal ainda é um grande armamento da Infantaria e acredito que será por muitos anos. O Arsenal de guerra ainda vai lidar com eles por um bom tempo, o maquinario de fabricação esta conosco,e pode produzir o neces- -sario.Talvez na guerra de selva eles usem o 5.56 devido a curta distancia.O Bundeswehr ainda usa nos mais novos fuzis,o 7,62… O 7,62 e mais possante,e mais preciso,o 5,56,permite um controle de rajada melhor,mais leve,e pode-se carregar mais munição…. Temos o MD-97,em testes,se vai ser usado,isto… Read more »

Meirelles
Meirelles
13 anos atrás

Marine,pode ser difícil,mas a vantagem desses treinamentos em relação a realidade é que vc não corre o risco de levar bala na cara…rs O fuzil FN SCAR foi adotado pelas Forças Especiais(SOCOM) daí,não foram? e sua característica de mudar de calibre facilmente, com a troca de poucas peças pelo próprio infante,o torna muito versátil. Precisamos de um fuzil assim(não necessariamente esse,mas poderia ser) no EB em nosso TO.7,62x51mm,seria para região da amazônia,na selva,e 5,56 mm para operações em áreas urbanas.O calibre 6,8x43mm PMC será o padrão para uso das forças especiais? parece que da para adaptá-lo tambem ao FN SCAR.… Read more »

Paulo Costa
Paulo Costa
13 anos atrás

Meirelles,me parece que o MD-97 tem a culatra em liga,para redução
de peso,usa uma haste para mover o ferrolho,e evitar sujeira,
tem ferrolho de trancamento rotativo,e usa o mesmo pente do M-16,
pelo menos tem alguns avanços,mas não sei se vai ser usado.
Na guerra de selva ,os 5,56 tem potencia suficiente,pois o
combate sera a curta distencia.Sendo o FAL mais antigo,mas
com peças forjadas,mais robusto,não sei se os novos cheios
de polimero vão aguentar a nossa infantaria.
Se preço for qualidade,no exterior ja vi varios FAL,custando o dobro
dos M-16,e AK-47 nas versões para civis…

Marine
Marine
13 anos atrás

Paulo,

A razao que voce ve FAL aqui tao caro nao e por causa da qualidade ser maior e porque eles sao muito raros em comparacao com o M-16 e AK-47. “Supply & Demand”

Quando estive ai fazendo UNITAS o CFN me deu a oportunidade de disparar varios carregadores com o FAL e apesar de possuir um cartucho pocante nao dava pra comparar com a finesse da minha M-4…era comparar um onibus com um carro esporte! Pesado e em tiro de rajada parecia artilharia anti-aerea…rsrsrs. se bem que tem que se respeitar o calibre 7.62x51mm

Sds.

Paulo Costa
Paulo Costa
13 anos atrás

Marine,acredito que futuramente vamos trocar o FAL
por um fuzil mais recente,mas teremos que faze-lo
sob licensa.O CFN usa o M-16,e a FAB usa o HK,ambos 223,
comprados sem licensa de fabricação,pois são pequenas quantidades.
Agora quando vai ser ,eu não sei,muito provavel um fabricante
de nome com um bom produto,nos conceda.
Recentemente,li na internet que la no Iraque,estavam testando
um colete que estava protegendo contra o 223,voce que esteve
por la,teve algum contato,ou ficou sabendo de algo?Abraços.

Marine
Marine
13 anos atrás

Paulo, Vc quer dizer a parte de kevlar ou as placas que vao no colete? Porque as placas prtogem bem mais do que .223 ja o “soft body armor” de kevlar desconheco se com tecnologia atual e possivel se fazer isso. O que se utiliza no Iraque e um colete de tecido como kevlar e outros mais as placas SAPI na frente e atras. O kevlar resiste a estilhacos e municao de pistolas enquanto as placas protegendo os orgaos vitais na frente e atras resistem a no minimo 7.62mm mas nao posso falar aqui o limite das placas por razoes… Read more »

Paulo Costa
Paulo Costa
13 anos atrás

Marine,voce tem conhecimento do AN-94,se é um prototipo,
ou apenas uma arma de teste,veja no site o que faz esta arma,
se realmente funciona la na região,eu acho meio dificil
esta arma ser adotada,munição fraca,deve ser dificil manutenção,
mas como hoje em dia a tecnologia permite mudanças em varias
areas…..
http://sistemadearmas.sites.uol.com.br/sof/sofber2.html

Marine
Marine
13 anos atrás

Paulo,

Nao tenho conhecimento da arma para te dar uma opiniao mas a municao 5.45x39mm e a versao sovietica do 5.56mm da OTAN e tem performance similar.

com relacao a esse fuzil que vc mencionou, nunca os vi no Iraque e tenho certeza que se estiverem por la serao alguns raros gatos pingados.

como ja disee antes, fuzil pra mim top de linha e o SCAR Heavy e a HK416.

Sds.

Paulo Costa
Paulo Costa
13 anos atrás

Ok,Marine,obrigado pelos esclarecimentos,voces estão
cogitando voltar ao 45 na arma curta,ou continuam
com o 9mm.O FBI,me parece voltou para o 45,me parece
que o Sprigfield Armory fornecia a eles,ou o mercado civil,
eles compram aqui atraves da Imbel,alias especificam o que
querem,e a Imbel produz.

roqueiro
12 anos atrás

Sem duvidas o calibre 5.56 assim como ele é, está suplantado.
Mas agora vem a Taurus com o Tavor, e a Imbel com o MD-97 no que considero ou erro muito grande, insistir nessa munição utrpassada.
Porque deveriamos adotar novos fuzis com as novas munições, 6.5mm Grendel e 6.8mm spc agora, e não deixar para fazer isso depois que já estivermos com milhares de fuzis, e termos que gastar muito dinheiro com mudanças de peças .
As Forças Armadas devem começar a fazer os testes destas novas munições agora.
Tavor com 6.5mm grendel já .
Brasi !!!

roqueiro
12 anos atrás

Sem duvidas o calibre 5.56 assim como ele é, está suplantado.
Mas agora vem a Taurus com o Tavor, e a Imbel com o MD-97 no que considero ou erro muito grande, insistir nessa munição utrpassada.
Porque deveriamos adotar novos fuzis com as novas munições, 6.5mm Grendel e 6.8mm spc agora, e não deixar para fazer isso depois que já estivermos com milhares de fuzis, e termos que gastar muito dinheiro com mudanças de peças .
As Forças Armadas devem começar a fazer os testes destas novas munições agora.
Tavor com 6.5mm grendel já .
Brasil !!!

roqueiro
12 anos atrás

6.5 mm grendel.
O melhor calibre da atualidade em todas as gamas, e o melhor para para fazer dupla com o 7.62×51 nas forcas armadas brasileiras e America do Sul, superior ao 6.8 mm spc
http://www.65grendel.com/ – 24k –
airbornecombatengineer.typepad.com/airborne_combat_engineer/2004/03/
gunblast.com/AlexanderArms_65Grendel.htm – 45k –

BRASIL !!!!!

Marine
Marine
12 anos atrás

Roqueiro,

Vc e revendedor/importador de tal calibre??! Hahaha…

Nunca vi ninguem fazer propaganda como a sua…O cara so vem no blog pra postar 10 comentarios seguidos sobre 6.5mm!

roqueiro
12 anos atrás

Marine.

Relaxa o boga véio!!! Vou mandar para você uma caixa de 6.5 mm Grendel com uma TAVOR que veio la de Israel, e uma Jerico no calibre 357 sig de brinde, só para você se divertir um pouquinho e adquirir um pouco mais de esperiência.
Valeu !!!!
re re re…!!!

Um abraço !!!

roqueiro
12 anos atrás

Nas guerras do passado era interresante em algumas situações, apenas ferir o inimigo pois você poderia acertar outro que o socorreria e ainda tinha a logística e o psicológico que esse ferido causava na tropa e na sociedade. Mas nas guerras modernas ode o ferido e rapidamente socorrido com medicina nanotecnológica e posto rapidamente em recuperação. Essa estratégia não adianta mais. O fator psicológico que servira nos combates conteporaneos de agora para frente. E fuminar o inimigo e mandar o presunto ou o que sobrar dele de volta num saco de pe junto assim você consegue desestabilizar e abalar o… Read more »

roqueiro
12 anos atrás

Galera, se alguem se sentiu ofendido não foi a minha intencão, apenas quero o que e melhor para nosso Exército para o Brasil para nois.

Saudações a todos !!!!!

roqueiro
12 anos atrás

Alguem ai sabe alguma coisa sobre o sistema de disparo elétrico METAL STORM ? Parece que ele pode ser usado com qualquer calibre.
Uma tecnologia ideal para ser adotada pelas fabricantes de armas brasileira, IMBEL, TAURUS, CBC.

Últimas Notícias

Alltec apresenta suas inovações tecnológicas na 6ª Mostra BID Brasil

Alltec desenvolveu uma blindagem adicional do Guarani, veículo para transporte de tropas, do Exército Brasileiro A Alltec, empresa de Pesquisa...
- Advertisement -
- Advertisement -