Home Estratégia Plano de Obama para fechar Guantánamo pode levar 1 ano

Plano de Obama para fechar Guantánamo pode levar 1 ano

109
0

Presidente eleito dos EUA afirma que ordenará o fechamento da prisão em seu primeiro dia na Casa Branca

WASHINGTON – O presidente eleito dos EUA, Barack Obama, planeja emitir uma ordem executiva para fechar a prisão militar de Guantánamo em seu primeiro dia na Casa Branca, segundo afirmaram pessoas ligadas à equipe de transição na segunda-feira, 12. Porém, de acordo com a edição desta terça do jornal The New York Times, ainda deve levar meses, talvez até um ano, para esvaziar a prisão que foi criticada internacionalmente nos últimos sete anos, desde que foi criada para receber suspeitos de terrorismo.

Um dos oficiais afirmou que a nova administração espera que leve alguns meses para transferir parte dos 248 prisioneiros para outros países, para decidir como julgar os acusados e lidar com os desafios legais que surgirão com o fechamento da detenção. Além disso, as pessoas ouvidas sob anonimato disseram que a equipe de transição está comprometida a suspender o sistema de comissões militares criado pela administração Bush para julgar os presos.

Entre as questões mais complexas está a de como instruir o processo sem usar provas que foram obtidas por meio de tortura, o que os advogados dos presos certamente procurarão explorar. Segundo especialistas, diante desse quadro, qualquer tribunal federal colocaria os acusados em liberdade. Além disso, nem todos os presos podem ser devolvidos a seus países, mesmo que não sejam mais considerados perigosos, pois há risco de serem torturados e mortos assim que voltarem para casa. Outra alternativa seria convencer aliados a aceitá-los. Portugal e Alemanha já se disseram dispostos a recebê-los. Espanha e Reino Unido analisam a possibilidade.

Em entrevista na semana passada, o próprio presidente eleito reconheceu que “seria um desafio” fechar Guantánamo, mesmo nos “primeiros cem dias” de sua administração. O presidente eleito foi duramente criticado por alguns grupos de direitos humanos na segunda-feira, que afirmaram que o fechamento de Guantánamo não está entre as principais prioridades do novo governo. Ainda que a detenção permaneça aberta por alguns meses, a decisão de ordenar o fim da prisão no primeiro dia após a posse parece um gesto simbólico com algumas das mais políticas controversas da administração Bush. Um oficial da transição, sob anonimato, afirmou que o governo Obama planeja anunciar o fechamento da prisão na próxima quarta-feira, dia 21.

Legado polêmico

O presidente dos EUA, George W. Bush, negou que o tratamento dado a prisioneiros da base americana de Guantánamo tenha prejudicado a “posição moral” de seu país no mundo. “Nossa posição moral pode ter sido prejudicada entre uma elite, mas as pessoas em geral ainda entendem que os EUA defendem a liberdade”, disse Bush. “Sei que Guantánamo criou polêmicas. Mas quando chegou a hora daqueles países que estavam criticando os EUA receberem alguns prisioneiros, eles se recusaram a ajudar”, completou, em referência a países europeus como a Holanda e a Suécia.

Essas declarações foram feitas na última entrevista coletiva de Bush antes de deixar o cargo, no dia 20, e horas antes de assessores de Barack Obama divulgarem que o novo presidente ordenará o fechamento de Guantánamo já em sua primeira semana de governo. No domingo, Bush defendeu as técnicas de interrogatório usadas em Guantánamo, que organizações de defesa dos direitos humanos denunciam como tortura. Na entrevista, um Bush nostálgico e, por vezes, combativo, falou dos oito anos de seu governo. Ele defendeu com fervor a sua decisão de invadir o Iraque e a “guerra ao terror”, mas admitiu pelo menos três “decepções”.

A primeira foi o escândalo das atrocidades cometidas por soldados americanos na prisão de Abu Ghraib, no Iraque. A segunda, quando ele próprio decretou “missão cumprida”, logo após a tomada de Bagdá por tropas dos EUA. “Acabei enviando a mensagem errada. Obviamente parte de minha retórica foi um erro”, disse. A terceira “decepção” de Bush foi a ausência de armas de destruição em massa no Iraque, principal justificativa da invasão ao país. “Não sei se devo chamar isso de erro ou não. Foram coisas que não marcharam de acordo com os planos”, afirmou.

O presidente também afirmou que ainda não pretende se aposentar. “Não posso me imaginar sentado numa praia com um grande chapéu de palha e uma camisa havaiana. Ainda mais depois que deixei de beber”, afirmou Bush, que no passado superou um problema de alcoolismo. O presidente americano disse que no dia 21 vai se levantar em seu rancho no Texas e fazer um café para sua esposa, Laura: “Será uma sensação diferente. Direi como é quando a sentir”. Bush deixará o governo com 27% de aprovação, o mais baixo entre presidentes americanos desde que Richard Nixon renunciou em 1974.

FONTE: Estadão/Agências Internacionais

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Hornet
Hornet
11 anos atrás

No meu modo de ver, uma decisão acertada do Obama…um país que se queira democrático não pode manter um troço como esse…isso não só é um desrespeito á democracia é aos direitos internacionais, como também é um péssimo cartão-de-visitas dos EUA.

Guantánamo é arma para os inimigos dos EUA, em todos os sentidos, inclusive no sentido moral. Fechá-la é uma atitude mais do que correta.

abraços a todos

Marine
Marine
11 anos atrás

Hornet,

Meu grande amigo, acho que essa sera a primeira vez que discordo de vc. Rsrsrsrs…Sei que serei provavelmente o unico aqui no blog com essa opiniao mas e isso mesmo.

Sds!

Cinquini
Cinquini
11 anos atrás

Marine, discordar é normal, é saudável!
E partindo nessa linha de pensamento eu te pergunto: se a situação de da prisão de Guantánamo é legal por quê os presos não estão território norteamericano?

Abração

Hornet
Hornet
11 anos atrás

amigo Marine, sem problema algum, concordar ou discordar faz parte do diálogo. Na minha opinião Guantánamo (a prisão) se tornou simbolicamente problemática para os EUA. Não estou me referindo se os prisioneiros são culpados ou não e nem tão pouco se os processos judiciais desses prisioneiros estão ou não de acordo com as leis internacionais e com as próprias leis dos EUA. Mas a prisão se tornou um problema-símbolo para os EUA, um problema internacional que atrai mais desgastes e mais confusão que solução. Quando a coisa chega a isso, acho melhor rever a situação…e por isso achei prudente a… Read more »

Marine
Marine
11 anos atrás

Ambos sao bons pontos amigos, por razoes que prefiro nao discutir aqui pois vai virar outra torcida e que discordo da decisao.

Talvez algo que possamos conversar sobre uma cervejinhas quando for ao Brasil que tal? rsrsrsrs…

Hornet
Hornet
11 anos atrás

Marine,

essa cerveja já está combinada. Beleza!

abração

Excel
Excel
11 anos atrás

Mas e as demais prisões como a da ilha de Diego Garcia no Pacifico e espalhadas em outros países como a Alemanha e Turquia? Continuam de pé? Neste caso Obama vai estar trocando seis por meia dúzia.

DaGuerra
DaGuerra
11 anos atrás

Se o Mr President cometer tal ato, assinalará sua adesão aos terroristas internacionais. Então deveria exigir também a desativação do cárcere de 10 milhões de almas que é a Cuba castrista. Talvez pudesse esperar mais um pouquinho para “abrigar” os terroristas do PAC (?). Falar nisso, vergonha LULA ser capacho do Sarkozy, não? Parece filme de hollywood onde os bandidos sempre fugiam para o Brasil…A Italia, como país sério no combate ao terrorismo, não só deveria cortar relações com o desgoverno petralha como expedir mandatos de prisão para os terroristas daqui…Seria um “rompimento” (dos fundilhos) e tanto com o Sr… Read more »

DaGuerra
DaGuerra
11 anos atrás

mandados…

Voluntário da Pátria
Voluntário da Pátria
11 anos atrás

Não é só ideologia que está por detrás de Genro (??), é a sobrevivência da comunalha governista. Se extraditarem o italiano, estarão abrindo precedente para julgamento de seus atos aloprados dos 60/70 como simples assassinatos, assaltos, sequestros, formação de quadrilhas e associação ao crime organizado, sem qualquer conatação política,o que sseria justíssimo. Um perigo para aqueles que desejam contestar a lei de Anistia.

DaGuerra
DaGuerra
11 anos atrás

O povo e o governo Italiano, indignados, estão dando um “tapa na cara” de todos os histriônicos terroristas que desgovernam o Brasil, dizendo verdades aos cretinos, as quais todos os ACOVARDADOS nacionais não tiveram a coragam e o compromisso com a população em dizer à LULA e a seus gangsters.

trackback
11 anos atrás

[…] fechamento da prisão militar, muito criticada por denúncias de tortura de presos, era uma das principais promessas de campanha de Obama. Segundo o jornal The New York Times, a medida executiva deve enviar ainda ordens diretas para que […]