sábado, fevereiro 27, 2021

Saab RBS 70NG

Coreia do Norte pode virar um novo sorvedouro de tropas

Destaques

Uma Força Terrestre à altura dos desafios atuais

General de Exército José Luiz Dias Freitas A dinâmica das relações internacionais e das interações sociais, neste primeiro quartil do...

Tropa paraquedista retorna ao Brasil após exercício nos EUA

Rio de Janeiro (RJ) – No dia 22 de fevereiro, foi realizada no Campo do 26º Batalhão de Infantaria...

Rússia e Arábia Saudita assinam acordo para implantação de fábrica de fuzis Kalashnikov

A Rússia assinou um acordo com a Arábia Saudita para implementar a primeira fase de produção conjunta de fuzis...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Manifestação Coreia do Norte - foto KCNA-Reuters via UOL

Estudo afirma que, se o país entrar em colapso por problemas na sucessão de Kim Jong II, uma força de estabilização de 460.000 soldados poderia ser necessária na Coreia do Norte.

Essa é a conclusão de um estudo divulgado no final de janeiro pelo CFR – Council of Foreign Relations, organização privada da linha “think tank”, no caso do “pior cenário possível”, que seria uma crise interna após a sucessão do atual líder Kim Jong II, de 66 anos, que teria sofrido um derrame em agosto do ano passado. Segundo a agência sul-coreana Yonhap, o líder teria nomeado seu terceiro filho, Kin Jong Un, de 24 anos, como seu sucessor. O estudo do CFR, denominado “Preparing for Sudden Change in North Korea” (Preparando-se para mudanças bruscas na Coreia do Norte) analisa os possíveis cenários caso a sucessão ocorra normalmente, seja contestada ao falhe, levando em conta os interesses de dois grandes países na Coreia do Norte: China e Rússia, que poderiam envolver-se ativamente em qualquer crise futura no país. Para as duas potências, a absorção do norte pela Coreia do Sul, que tem presença de tropas dos Estados Unidos, seria motivo de grande preocupação.

O cenário de uma intervenção militar dos EUA e aliados, no caso de problemas na sucessão de Kim Jong II, traria uma nova dinâmica a essas questões, o que somado a problemas de segurança relacionados a possíveis desvios de armas de destruição em massa, faria com que o tamanho da força necessária a essa intervenção crescesse de forma dramática. Pelas contas do CFR, baseadas em estudos anteriores, seriam necessários 20 soldados de ocupação para cada mil habitantes, o que chega ao número de 460.000 militares, ou três vezes o total da força norte-americana no Iraque.

O caminho proposto pelo estudo é: cooperação mais próxima entre os Estados Unidos, China e outras potências regionais para evitar que aconteça o pior cenário.

Fonte: AFP, via Defense News

- Advertisement -

9 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João-Curitiba
João-Curitiba
12 anos atrás

Por que a Coreia do Norte não muda seu sistema político para monarquia absolutista? Já que passa de pai pra filho. Ficaria menos hipócrita.

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Boa, João. Ficaria mais de acordo, né?

grande abraço

Patriota
Patriota
12 anos atrás

Boa a Coreia do Norte é na verdade uma monarquia absolutista
comunista e o Lula querendo colocar embaixada lá
bom pelo menos se der certo poderemos ganhar furtunas vendendo
armas para eles e ter dinheiro para financiar os projetos
da nossa industria de defesa.

saudações a todos

Vassili Zaitsev
Vassili Zaitsev
12 anos atrás

Se algo assim vier à acontecer, e esse elevado número de soldados fossem necessário, só digo uma coisa: aí que a economia dos EUA balançavam de vez. Pois, se para manter cerca de 150 mil no Iraque custa uma enorme giga-fortuna anual, imagine esse número multiplicado por três. O déficit fiscal do país chegava as estrelas de uma vez por todas.

Acho que inclusive o colega Marine teria que voltar à ativa, relembrar o que é enfrentar os RPG-7, AK-47 e principalmente, Dragunov em tudo que é esquina.

abraços.

fuzileiro
fuzileiro
12 anos atrás

E pra que serve a china vizinha a Coréia com um contigente imenso de soldados ?

Marine
Marine
12 anos atrás

Vassily, Pra te ser sincero nao ha tropas terrestres suficientes pra se fazer um feito desses hoje. Teriamos que voltar a ter o “draft” aqui pois desde os anos Clinton o US Army e muito pequeno para esse tipo de contingencia. Com relacao a mim com certeza me colocariam de volta nas unidades operativas, te digo tambem que nao tenho o menor tesao de combater nas montanhas da Coreia…Tenho o maior respeito possivel pelos veteranos do conflito e digo ate que nao tem o reconhecimento que merecem pois em certas ocasioes tiveram em apuros tao grandes ou maiores do que… Read more »

Vassili Zaitsev
Vassili Zaitsev
12 anos atrás

Marine,

Realmente, não só o U.S. Army encolheu de tamanho, USAF, U.S. Navy e os Marines tb sofreram esses cortes de contingente.

Mas pode ficar sossegado, uma ação de tamanho vulto na Coréia do Norte jamais ocorrerá.

Vou pesquisar um pouco sobre a batalha do Chosin Reservoir, afinal, saber nunca é demais.

abraços.

trackback
12 anos atrás

[…] um sorvedouro de tropas, na visão de uma organização “think-tank” norte-americana (clique aqui para […]

Ivan
Ivan
9 anos atrás

Morreu Kim Jong Il A televisão estatal da Coreia do Norte, anunciou nesta segunda-feira de manhã a morte do ditador Kim Jong Il no sábado de manhã, aos 69 anos de idade. Kim Jonh Il ascendeu ao poder na Coreia do Norte em 1994 após a morte do seu pai, Kim Il Sung. A televisão do país deu a notícia e informou que o ditador tinha morrido de cansaço enquanto fazia exercício. Depois do anuncio a transmissão foi interrompida, ficando no ar a fotografia de Kim Jong Il. Sabe-se que o líder norte-coreano sofria de diabetes e que embora doente,… Read more »

- Advertisement -

Guerras Modernas

Armênia, Azerbaijão e Rússia fecham um acordo para acabar com o conflito de Nagorno-Karabakh

YEREVAN/BAKU (ARMENIA/AZERBAIJÃO) — Armênia, Azerbaijão e Rússia disseram que assinaram um acordo para encerrar o conflito militar na região...
- Advertisement -
- Advertisement -