sábado, setembro 25, 2021

Saab RBS 70NG

Coreia do Norte ameaça responder militarmente após resuloção da ONU

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

A Coréia do Norte disse neste sábado que “nunca” abandonará seu programa nuclear e ameaçou iniciar uma operação militar, um dia depois de o Conselho de Segurança da ONU autorizar a inspeção de navios suspeitos de levar armas para o regime comunista.

O país comunista afirmou, em uma declaração de seu Ministério de Assuntos Exteriores, que o processo de enriquecimento de urânio está “em fase de experimentação”, e que usará o plutônio que armazena para construir armas nucleares.

O regime de Kim Jong-il advertiu ainda que “responderá de forma militar” se os Estados Unidos e outros países realizarem um “bloqueio” de seus navios, pois o considerará “um ato de guerra”, informou a agência estatal norte-coreana KCNA.

Uma resolução aprovada ontem pelo Conselho de Segurança da ONU amplia o embargo de armas e o bloqueio de ativos norte-coreanos, e autoriza a inspeção de navios e aviões suspeitos de transportar mísseis ou armamento nuclear para Pyongyang.

A tensão sobre a Coréia do Norte cresceu muito desde o dia 5 de abril, quando o país disparou um foguete de longo alcance. Em seguida, em 25 de maio, o regime comunista realizou seu segundo teste nuclear e lançou vários mísseis de curto alcance, em desafio às advertências de países como EUA, Japão e Coréia do Sul.

Esse teste nuclear foi punido ontem com a nova resolução da ONU que inclui sanções mais pesadas contra o regime comunista. O texto foi aprovado com o apoio da China, principal aliado da Coréia do Norte e que hoje, mediante seu porta-voz de Exteriores, o qualificou como uma mostra “da oposição comum da comunidade internacional ao teste nuclear da Coréia do Norte”.

Os governos de Japão e Coréia do Sul aplaudiram hoje a nova resolução do Conselho de Segurança e se comprometeram a aplicá-la imediatamente. “Queremos que a Coreia do Norte leve a sério a clara mensagem da comunidade internacional na resolução”, disse o primeiro-ministro japonês, Taro Aso.

Já “o governo sul-coreano pede que a Coréia do Norte aceite esta clara e decidida mensagem da comunidade internacional, para que desmantele totalmente seu programa nuclear e paralise toda a atividade relacionada a mísseis balísticos”, disse o porta-voz do Ministério de Exteriores sul-coreano.

No entanto, as resoluções da ONU não conseguiram até agora acabar com as ambições nucleares do regime norte-coreano, que até agora negava ter um programa de enriquecimento de urânio, como suspeitavam os Estados Unidos, mas admitia avanços para extrair plutônio para construir armas nucleares.

“A resolução é mais dura se comparada com a última (adotada após o primeiro teste nuclear), mas estou preocupado com sua efetividade”, indicou hoje Shigeo Iizuka, irmão de um dos cidadãos japoneses sequestrados pela Coréia do Norte, principal assunto de atrito entre Tóquio e Pyongyang.

Iizuka, presidente da Associação de Famílias de Vítimas Sequestradas pela Coréia do Norte e cujo irmão desapareceu em 1978, pediu que Japão e Estados Unidos aprovem sanções adicionais contra o regime stalinista.

Segundo a agência local Kyodo, o governo japonês deve aprovar até a terça-feira novas sanções unilaterais contra o país comunista, que incluiriam um veto total das importações e exportações. A decisão terá um tom mais simbólico, já que as importações já estão proibidas com as sanções atualmente em vigor e a que as exportações japonesas à Coréia do Norte quase não chegaram aos 5,8 milhões de euros em 2008.

FONTE: EFE

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias

Exército Brasileiro testa variante de engenharia do Guarani

Capacidade deve ser implementada em todas as brigadas mecanizadas Os primeiros testes de campo foram iniciados no Arsenal de Guerra...
- Advertisement -
- Advertisement -