quarta-feira, agosto 4, 2021

Saab RBS 70NG

EUA lançam grande ofensiva contra o taleban no Afeganistão

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Com tanques e helicópteros, cerca de 4.000 fuzileiros navais e marinheiros americanos e 650 soldados afegãos avançaram nas primeiras horas desta quinta-feira em vilas afegãs sob domínio do grupo fundamentalista Taleban, na primeira grande operação feita sob a nova estratégia do governo de Barack Obama para estabilizar o Afeganistão.

A ofensiva foi lançada pouco depois da 1h (horário local) na Província de Helmand, um reduto taleban no sul do país que é a maior área produtora de papoula –flor utilizada para a produção de ópio– do mundo.

O objetivo é tirar os insurgentes do vale do rio Helmand, antes da eleição presidencial, marcada para o próximo dia 20 de agosto.

Apelidada de Operação Khanjar (Golpe de Espada), a iniciativa militar foi descrita pelos oficiais como a maior e mais ágil da da nova fase da guerra. Forças britânicas executaram missões semelhantes na semana passada para combater insurgentes em Helmand e na Província vizinha de Kandahar.

“O que torna a operação Khanjar diferentes das que ocorreram antes é o enorme tamanho da força utilizada, a velocidade com a qual ela vai avançar”, disse o general-de-brigada do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA Larry Nicholson, por meio de um comunicado. “Aonde nós chegarmos, nós ficaremos, e onde ficarmos, vamos manter [o controle], desenvolver e trabalhar para a transição de todas as responsabilidades de segurança para forças afegãs”.

O sul do Afeganistão é um reduto taleban, mas também uma região onde o presidente afegão, Hamid Karzai, que busca manter-se no cargo por mais um mandato, está buscando os votos de membros da etnia pashtun.

O Pentágono está mobilizando mais 21 mil homens no Afeganistão até as eleições e espera que o número total de soldados americanos no país chegue a 68 mil até o fim deste ano –o dobro do número que havia em 2008, mas metade do número de soldados americanos que ainda estão no Iraque.

O Taleban, que governou o Afeganistão entre 1996 e 2001 foi afastado do poder por uma coalizão internacional liderada pelos EUA que invadiu o país após os atentados de 11 de Setembro. Na época, dos ataques, atribuídos à rede terrorista Al Qaeda, o terrorista saudita e seu grupo eram “hóspedes” dos talebans. Nos dois últimos anos, o grupo conseguiu se fortalecer e contra-atacou, conseguindo o controle de grande parte do sul e do leste do país, e expandindo seus domínios para áreas tribais no Paquistão, o que obrigou os EUA a enviar mais tropas para o país.

No fim de março, Obama anunciou a nova estratégia para o Afeganistão e o Paquistão, colocando a luta contra a rede Al Qaeda e o grupo fundamentalista Taleban como prioridade da política de segurança nacional, reduzindo tropas e recursos para o Iraque.

O capitão Bill Pelletier, porta-voz do Corpo de Fuzileiros navais, disse que as tropas envolvidas na operação desta quinta-feira foram enviadas por ar e por terra durante a noite.

A operação busca pressionar os insurgentes “e mostrar o nosso compromisso com o povo afegão que […] vamos ficar por tempo suficiente para que criem as suas próprias instituições”, disse o porta-voz militar.

Segundo ele, as tropas vão se reunir com líderes locais, ouvir quais são as suas necessidades e agir em relação e elas.

“Não queremos que as pessoas da Província de Helmand nos vejam como um inimigo, queremos protegê-las contra o inimigo”, disse Pelletier.

Reverter o impulso da insurgência é um dos elementos fundamentais da nova estratégia americana, e milhares de soldados adicionais permitem aos comandantes avançar para novas áreas ao mesmo tempo em que permanecem em locais nos quais as tropas afegãs e internacionais não tinha presença permanente antes.

Embora os fuzileiros navais formem a maior parte da força de combate na ofensiva de Helmand, recentemente chegaram à região helicópteros do Exército americano, que também participam da operação.

O governador da Província de Helmand previu a operação seria “muito eficaz”.

“As forças de segurança vão construir bases para fornecer segurança para a população local para que ela possa realizar todas as atividades com este cenário favorável, e tocar sua vida em frente em paz”, disse o governador Gulab Mangal, de acordo com um comunicado do Pentágono.

A estratégia de Obama visa a aumentar o tamanho do exército afegão dos atuais 80 mil para 134 mil soldados até 2011 e ampliar significativamente o treinamento fornecido pelos soldados americanos para que os militares afegãos possam derrotar os insurgentes taleban e assumir o controle da guerra.

A Casa Branca também está tentando definir objetivos claros para a guerra, como uma forma de conseguir apoio popular para um conflito que parecia sem foco, proporcionar mais recursos para os combates e angariar mais apoio internacional.

Não há prazo para a retirada das tropas americanas do Afeganistão, e a Casa Branca não divulgou estimativas de quantos bilhões de dólares o plano vai custar.

- Advertisement -

36 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marine
Marine
12 anos atrás

Brigadier General Nicholson….hahahaha, esse e um grande oficial, ja vi ele dando murros em mesa em reunioes com lideres tribais em Fallujah e ele tambem foi ferido la na primeira batalha em 2004! Sempre liderava na frente mesmo como Coronel na epoca…

Give them Hell brothers and provide them with a chance to die for their sick cause! No better friend, no worse enemy!

Semper Fidelis!!

Clésio Luiz
Clésio Luiz
12 anos atrás

Se os EUA não tivessem interferido na “invasão” soviética do Afeganistão, talvez hoje ele não precisa-se estar lá hoje.

É aquela velha história: você colhe o que planta.

tolo
tolo
12 anos atrás

petroleo ja temos! agora vamos nos prover da maior fonte de opio do mundo, e? um final feliz !kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Felipe Cps
Felipe Cps
12 anos atrás

Não entendi essa Clésio Luiz: quer dizer que você preferia um Afeganistão Soviético do que um Afeganistão livre e democrático?

O grande erro americano não foi ter apoiado os guerrilheiros afegãos e sim ter deixado de apoiar quando os russos se retiraram. Se Bush pai não tivesse retirado o aporte financeiro o Taleban jamais teria chegado ao poder. Aliás, tem um filme do Tom Hanks sobre o tema (não lembro o nome).

Abs.

EL
EL
12 anos atrás

Felipe Cps, o que você quer dizer com um Afeganistão livre e democrático? Penso que um dos maiores erros que todos nós cometemos é tentar impor o nosso pensamento de Estado ideal e uma cultura totalmente diferente como a árabe. Cada povo tem seu Estado, o que é bom para um povo, não é bom para outro. Dizer que aquele Estado é ruim, pois trata suas mulheres de um jeito e a religião influencia diretamente as leis é um grande erro. Devemos deixar o povo daquele Estado dizer o que é bom para eles e não tentar impor nossa concepção… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

EL, Nao entendi….Vc prefere um governo que regula o preco de marmore a um governo com direitos iguais a mulheres? Com autorizacao de que meninas possam finalmente ir a escola aprender a ler e escrever e fazerem 1+1? Governo em que possuir um celular nao lhe causa ser apedrejado a morte em praca publica? Realmente nao acho que sua analogia foi feliz amigo, talvez vc possa nos explicar melhor sua posicao. Vc entao prefere o Taliban no poder? Porque por mais que ajam aqueles contra a politica externa americana nao encontrei ninguem ainda que acha que o povo do Afeganistao… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

Clesio Luiz,

Entao os milhares de inocentes, inclusive muculmanos que morreram no 11 de Setembro colheram o que mereciam tambem?

Clésio Luiz
Clésio Luiz
12 anos atrás

@Marine Não pergunte isso pra mim, pergunte para os milhares de civis mortos em outros países após o 11 de setembro, por conta do desejo de vingança do governo americano. Pergunte para os inocentes que o governo americano aprisionou e ainda mantém presos, sem julgamento, sem direito a nada. Pergunte pra eles. Será que eles colheram o que plantaram? Se você acha que uma coisa não tem nada a ver com a outra, então não coloque as vítimas do atentado como conseqüência das decisões do seu governo. Quando eu citei o plantar e colher, me referia as conseqüências que o… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

Clesio Luiz, Por favor nao use sua discordancia com a politica externa dos EUA como desculpa para sancionar erros dos dois lados. O fato e que ninguem dos que sofrem (soldados e civis) tem qualquer fracao na decisao que os leva aonde estao. Entao quando vc diz que estao colhendo o que plantaram eu pessoalmente acho meio frio e insensato afinal os que realmente estao sofrendo (soldados e civis) nao plantaram nada… Se quiser reclamar contra o governo ate entendo mas por favor nao deseja mal aos que estao la acatando com as ordens de tal governo, caso contrario faca… Read more »

EL
EL
12 anos atrás

Marine No mundo há diversas culturas, as quais se distiguem umas das outras. A nossa culuta (ocidental) é diferente da cultura árabe, portanto, o que é ideal pra você, não é ideal para um árabe. Você não pode impor um pensamento igual para o mundo todo, cada povo tem um Estado próprio com características próprias. No momento em que este Estado não estiver satisfazendo as aspirações de seus cidadãos, eles mesmos é que devem modificá-lo. A modificação pode ocorrer de forma pacífica ou violenta, como em uma revolução, mas devemos deixá-los resolver suas desavenças. Como os Estados Unidos podem chegar… Read more »

RodrigoBR
RodrigoBR
12 anos atrás

E quem criou Bin Laden? Quem o armou e treinou foram os americanos para liderar a resistência no Afeganistão contra a URSS. Depois, quando acharam que não servia mais o traíram e agora estão aí com essa história que tenta criar uma imagem de que os EUA são inocentes e foram atacados sem motivo em 11 de setembro de 2001! Os americanos estão provando do próprio veneno!

PC
PC
12 anos atrás

Pelo que li, todos tem certa razão – e tb não tem razão. Históricamente, toda grande nação é imperialista e os USA não seriam diferentes – já há muito tempo desenvolveram a política do big stick. Como exemplo também, podemos citar a Inglaterra e seu ex-império, a China, a URSS – que nada mais era do que o novo império russo, a França – com suas possessões ultramarinas. Aliás, à exceção dos USA e do UK, todos eram ditaduras (a França era monarquia absolutista)em que o povo não participava. Por outro lado, os talebans também não são anjinhos sofredores e… Read more »

Felipe Cps
Felipe Cps
12 anos atrás

Nossa, fazia tempo que não lia tanta bobagem e anti-americanismo barato e demagogo aqui, chego a pensar que estão rareando cada vez mais pessoas inteligentes no mundo. EL, Clésio Luiz e RodrigoBR, não vou nem perder meu tempo discutindo com vocês, só digo o seguinte: mudem-se para o Afeganistão e lutem por um Talebã ou entreguem o poder no Iraque para outro ditador do naipe do Saddam. Ou então virem logo hitleristas e lutem pela instauração do Quarto Reich. Tá mais a cara de vocês… Relativistas axiológicos, todos vocês. Não entendem, ou não querem entender, que há valores que são… Read more »

Andre Luiz
Andre Luiz
12 anos atrás

Cuidado com o relativismo cultural

Estados democraticos e laicos sao melhores para o povo

Este papo politicamente correto que devemos tolerar a cultura X, J, Y onde eles gostam de apadrejar mulheres porque é tradiçao pode servir pra justificar qualquer coisa como o amigo ali citou

LeoPaiva
LeoPaiva
12 anos atrás

Senhores, Acredito que devamos sempre analizar de forma pontual a situação do Afeganistão, os motivos reais que levaram a invasão, e a forma como essa foi e está sendo conduzida. Só porque os EUA tem um histórico de invasões ilegais e criminosas, como Vietnam e Iraque, por exemplo, não significa que a invasão do Afeganistão também tenha sido desmotivada. O talibã apoiava o terrorismo, o Bim Ladem e sua gang de assassinos covardes, e por isso precisavam ser depostos e presos, e eu fui a favor disso. Agora, se a permanência dos EUA está sendo mantida de forma inadequada isso… Read more »

karlus73
karlus73
12 anos atrás

Mais uma vez por haver americanos na história lá está a cavalaria anti-americana. Leio comentários que arrepia cada cm2 da minha pele, para alguns de vocês o melhor é deixar alguns povos a viver como autênticos selvagens sem respeito por nenhum ser humana. Os americanas não as respeitam muita coisas, isso eu sei e movem-se por interesses pessoais , mas os vêm a cometer atrocidades ao seu próprio povo onde a palavra democracia está na ponta de uma AK47. Não vão buscar os soviéticos para a história, como um povo santo que eles ainda têm uma passado\presente mais negro do… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Eu passo!

karlus73
karlus73
12 anos atrás

Sorry
Faltou o não.

Os americanas não as respeitam muita coisas, isso eu sei e movem-se por interesses pessoais , mas __não__ os vêm a cometer atrocidades ao seu próprio povo onde a palavra democracia está na ponta de uma AK47

Noel
Noel
12 anos atrás

Nossa, quanto absurdo; prá quem acha normal o tratamento dispensado as mulheres no Afeganistão, pergunte a opinião da sua mãe, avó, tia, prima, esposa, irmã ou filha, o que elas acham?? Perguntem?? Externem prá elas sua opinião. É facil, quando não se tem o mesmo sangue, cometer e/ou aceitar atrocidades. Outra coisa, o Afeganistão NÃO É ARABE; dem-se ao trabalho de fazer uma pesquisa sobre o país citado, como sua história(recente e passada), antes de escrever; tenho certeza que vão malhorar seus próprios argumentos, e não demonstrarão ignorância sobre o que escrevem. Não queria me estender nesse assunto, mas só… Read more »

RodrigoBR
RodrigoBR
12 anos atrás

Felipe Cps, Antes de criticar os outros da forma como o fez, devia analisar as suas próprias palavras: “chego a pensar que estão rareando cada vez mais pessoas inteligentes no mundo.” “mudem-se para o Afeganistão e lutem por um Talebã ou entreguem o poder no Iraque para outro ditador do naipe do Saddam.” “Ou então virem logo hitleristas e lutem pela instauração do Quarto Reich. Tá mais a cara de vocês…” “Mas já percebi que não adianta nada falar desse tipo de coisa com certo tipo de pessoas. Melhor voltarmos a discutir coisas mais simples…” Todos esses argumentos e forma… Read more »

LeoPaiva
LeoPaiva
12 anos atrás

Bosco,

O colega não deveria passar, se diz que passa é porque discorda de alguns, total ou parcialmente, assim sendo, poderia expor seus motivos e argumentos, que são sempre bem fundamentados.

Abração.

Jaique Sparro
Jaique Sparro
12 anos atrás

Engraçado ,pq os EUA e todos os países da OTAN ,não fizeram nada e UGANDA,Costa do Marfim,Libéria,Somália,Etiopia,Sudão e na ex-Iuguslávia,não são os paladinos da justiça e da democracia ou pq não havia priquezas naturais em abundância.
Assistam ao filme ou leiam o livro de De Mâos Dadas com o Diabo( eu acho q é esse o nome) q conta ahistória de um General canadense q luta praticamente sozinho em Ruanda e não consegue o apoio da ONU e de nenhum país pra enviar tropas e ajudá-lo a acabar com o massacredos hutus sobre os tutsis.

Marine
Marine
12 anos atrás

E impressionante como nao e possivel comentar nada sobre operacoes envolvendo os EUA sem aparecerem a galera que tem sempre que levar pro lado politico e anti-americano. Sera que ninguem consegue ver o tema deste post e comentar: Que tipo de equipamento estao usando agora? Qual a estrategia diferente desta vez? Como funciona uma operacao dessas? Aonde se passa tal operacao? Qual seu objetivo? Como sao as regras de engajamento pra proteger os civis? O Taliban atua de que forma?… Nao tudo aqui sempre vira pro assunto imperialista americano porque e mais facil criticar e repetir a ladainha do que… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

Entao vamos comecar nosso debate sobre o tema do post… 1- E a maior operacao militar no Afeganistao desde a queda do Taliban. 2- Ha um novo 4 estrelas no TO vindo de uma carreira unconvencional. 3- Ha uma nova diretriz/regra de engajamento para proteger civis que nao permite tropas da OTAN retornar fogo ou perseguir o Taliban e Al Qaeda se eles procurarem refugio em um vilarejo. 5- E uma das maiores operacoes Aeromoveis dos ultimos tempos. Entao estao ai pelo menos 5 pontos SOBRE o tema que podemos debater so pra comecar…Agora so o leitor nao souber nada… Read more »

RodrigoBR
RodrigoBR
12 anos atrás

Jaique Sparro, Só no Sudão foram quase 1.000.000 de mortos, isso mesmo, um milhão! Cadê os EUA? Cadê os EUA no apoio aos milhões de infectados com HIV ou moribundos com AIDS nos países Africanos? Há países africanos que a metade da população tem HIV/AIDS! Onde estão os remédios? Cadê a ajuda? E a fome? Milhões de crianças morrendo de fome na África! Junte agora a imagem de uma imunda criança com AIDS e morta de fome! Sem falar nas limpezas étnicas, como vc mencionou. Engraçado como uma limpeza étnica na ex-Iuguslávia tem mais importância, apesar de nem de longe… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

Rodrigo BR,

Mande suas reclamacoes aos enderecos citados acima amigo e deixe o resto do pessoal comentar o tema que tal hein?!

Giovani
Giovani
12 anos atrás

O Taleban e a Al qaeda são uma praga, não da pra enfiar a cabeça na terra e fingir que não está acontecendo nada só porque a coisa é em outro paìs.

LeoPaiva
LeoPaiva
12 anos atrás

Marine, Concordo contigo, alguns trazem apenas um comentário anti americano vazio, sem fundamentação apropriada, aquela conversa anti imperialista do ”politicamente correto”, colocando o Afeganistão na vala comum das conquistas imperialistas e bla bla bla. Acontece que o Afeganistão é uma situação totalmente diferente do resto ( Iraque, Vietnam, etc.). Um governo como o do taliban, que apoia assassinos covardes, merece ser riscado do mapa (o governo não o país). Só discordo de você quanto a essência puramente militar do tema, o próprio post coloca a operação militar no contexto geral da situação geopolítica, trata o tema também como assunto de… Read more »

The Captain
The Captain
12 anos atrás

Galante, Poggio, Marcelo Ostra, Nunão; enfim todos vocês que construíram ou de alguma for contribuíram para a existência destes três extraordinários blogs sobre “ASSUNTOS MILITARES”, por favor, retomem o rumo das coisas e determinem coercitivamente, inclusive, que os post se mantenham dentro do contexto estratégico militar, como imagino vocês criaram e/ou contribuíram para a criação dos três blogs. Vamos acabar de uma vez por todas com “papo político ideológico” para que o magnífico articulista Yamamoto retorne ao Poder Naval e outros que conheci a partir de 2007, semelhante calibre. Eu e boa parte da comunidade seremos imensamente gratos a vocês… Read more »

mig
mig
12 anos atrás

Ora, o tópico aborda além das questões militares/estratégicas, aspectos históricos e possíveis motivações do US para sua invasão do Afeganistão, como demonstra o trecho extraido do texto: “O Taleban, que governou o Afeganistão entre 1996 e 2001 foi afastado do poder por uma coalizão internacional liderada pelos EUA que invadiu o país após os atentados de 11 de Setembro. Na época, dos ataques, atribuídos à rede terrorista Al Qaeda, o terrorista saudita e seu grupo eram “hóspedes” dos talebans. Nos dois últimos anos, o grupo conseguiu se fortalecer e contra-atacou, conseguindo o controle de grande parte do sul e do… Read more »

mig
mig
12 anos atrás

Sobre as motivações da guerra americana no Afeganistão, deixando de lado ideologias, falemos de alguns números; e que cada um tire suas próprias conclusões… Os números são atualizados somente até, no maximo, 2006: Para começar, o governo talibã foi útil na implementação de um bem sucedido programa de erradicação de drogas, com o apoio e a colaboração das Nações Unidas. Implementado em 2000-2001, o programa dos talibãs de erradicação de drogas levou a um declínio de 94 por cento no cultivo do ópio. Em 2001,sob o governo talibã, segundo os números da ONU, a produção do ópio caiu para 185… Read more »

pierre
pierre
12 anos atrás

É fácil escolher um bode expiatório pra justificar uma invasão americana. Os povos são diferentes, suas aspirações e culturas. É verdade também, que há direitos que poderíamos considerar universais e na verdade são ocidentais. O maior aliado árabe norte-americano no oriente médio é a Arábia Saudita uma monarquia absolutista onde a lei é regida pela religião e onde as mulheres são tão oprimidas quanto as do Afganistão porém não ouço falar de qualquer atitude libertadora neste caso.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
12 anos atrás

@Marine Eu não desejo mal a nenhum dos dois lados. Eu que eu disse é apenas a constatação de um fato. Houveram ações e conseqüências dessas ações. É tudo o que eu disse. Quanto a reclamar, não é problema meu. É problema dos cidadãos americanos colocar rédeas na intensões intervencionistas do seu governo. mas me parece que o americano médio é igualzinho ao brasileiro médio, leva tudo com a barriga. Não está nem aí pra nada, enquanto não mexerem com o bolso dele. Enquanto o cidadão americano não tentar modificar o seu governo, ele sempre viverá com medo que algum… Read more »

CaesaR
CaesaR
12 anos atrás

Clésio Luiz em 02 jul, 2009 às 13:53 “pergunte para os milhares de civis mortos em outros países após o 11 de setembro, por conta do desejo de vingança do governo americano” Isso que eu chamo colher o que se planta. Não se chuta um pittbull sem receber como troco uma bela mordida no traseiro. Se Bush com o maior exército do mundo não fosse atrás dos canalhas, seria defenestrado do poder. Os EUA fazem agora o que todas as grandes nações fizeram e fazem para manter seu status e poder (menos o Brasil que abaixa as calças para qualquer… Read more »

Super Hornet
Super Hornet
12 anos atrás

Senhores,

O segundo soldado da esquerda para direita, parece que carrega um “tubo” nas costas. Seria um “Lança-rojão”? Ele só me parece menor que um AT-4, será que é o modelo da época do Vietnã “revitalizado”?

Semper Fidelis

farid farah
farid farah
10 anos atrás

os americanos continuão os mesmos, com os melhores armamentos do mundo, contratam mercenários para matarem indiscriminadamente no afeganistão, iraque e aonde existirem exercitos miseraveis, sempre foram covardes, quero ver eles encararem os chineses, os russos. o mal que europeus fizeram na africa e aos arabes não há dinheiro que pague e vários 11 de setembro virão….

Últimas Notícias

Assessor de segurança nacional dos EUA viaja ao Brasil

Esta semana, o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, viajará para o Brasil e Argentina, acompanhado...
- Advertisement -
- Advertisement -