Home Personalidade Novo embaixador dos EUA quer aprofundar parceria para o século XXI

Novo embaixador dos EUA quer aprofundar parceria para o século XXI

73
16

vinheta-clipping-forteO novo embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, chegou hoje (8) pela manhã a Brasília.

Bem-humorado e em um português fluente, ele agradeceu a presença da imprensa que o aguardava e disse que é um prazer estar de volta ao Brasil, onde serviu de 1989 a 1992.

Shannon afirmou que se esforçará para aprofundar as relações com o governo brasileiro e elaborar uma agenda comum Brasil-Estados Unidos para o Século 21.

“É um grande prazer estar de volta aqui no Brasil. É um país muito importante para nós. Vamos começar a trabalhar hoje (sexta-feira), aprofundando a parceria para o Século 21”, disse o embaixador norte-americano.

A ideia do diplomata é entregar os documentos ao Itamaraty ainda hoje.

Por quase oito meses, o Senado norte-americano protelou a aprovação do nome de Shannon por falta de consenso entre republicanos e democratas.

Shannon foi indicado pelo presidente Barack Obama ainda quando ocupava a Subsecretaria do Departamento de Estado para as Américas. A indicação ocorreu em maio do ano passado, mas só em 24 de dezembro de 2009 houve a aprovação.

Shannon vai apresentar suas credenciais ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos próximos dias, mas ainda não há data definida. Para o governo brasileiro, a escolha de seu nome para comandar a Embaixada dos Estados Unidos é motivo de comemoração, já que Shannon é um dos melhores representantes da diplomacia norte-americana.

Com uma extensa carreira diplomática, Shannon foi assistente da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Ele passou também pelas embaixadas da Venezuela – país que mantém uma tensa relação com os Estados Unidos – e África do Sul – exatamente no período das negociações pelo fim do apartheid (regime de segregação racial).

Até novembro de 2009, Shannon ocupava o cargo de subsecretário do Departamento de Estado para as Américas. A controvérsia em torno de sua indicação foi causada pelas divergências da política interna norte-americana. Os vetos ao seu nome – que foram retirados posteriormente – foram dos senadores republicanos Jim DeMint e George LeMieux.

Tanto DeMint quanto LeMieux discordavam das posições assumidas por Shannon na condução das negociações dos Estados Unidos para buscar um acordo pelo fim da crise política em Honduras. Os norte-americanos foram responsáveis pela intermediação de um acordo para que o presidente deposto hondurenha, Manuel Zelaya, retornasse ao poder. O acordo não foi efetivado.

FONTE/FOTO: Agência Brasil/A. Dusek-AE

16
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
BandeiraezecaWolfpackPEDROlc Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Lol
Visitante
Lol

F-X2???

Yluss
Visitante
Yluss

hehe, pensei imediatamente a mesma coisa, mas é difícil que o presidente da republica, que é tão próximo e declarado apreciador da aliança com a França, vá se impressionar com qualquer pressão que Obama mandasse agora no frigir dos ovos…

ou não?

El  Carajlo
Visitante
El Carajlo

Indicado por Barak Obama?

Meu deus!!

Chegou a nossa vez!!

Luiz Sibut
Visitante
Luiz Sibut

Parceria… taí uma palavra que não quer calar!

Chacal
Visitante

Cada uma……..

Paulo Renato
Visitante
Paulo Renato

Será que vai algo desse Embaixador que possa mexer coma França ???

Ele vai ter que ser muito bom para provar que os americanos podem poassar algo sem problemas ao atual governo.

Abs.

marco antonio
Visitante
marco antonio

Vai continuar a mesma coisa,este novo embaixador não pode soltar um peido sem falar com seus superiores primeiro.

lc
Visitante

“Vamos começar a trabalhar hoje (sexta-feira), aprofundando a parceria para o Século 21”, disse o embaixador norte-americano.”

Dear Mr. Shannon,

Don’t worry about work on friday.
Here in Brasília, at federal government, nobody works this day. Only ordinary people…
Better go to the beach.
Sorry about my english.
Wellcome to Brasil.

PEDRO
Visitante
PEDRO

Desde que esse “aprofundar parceiria para o século XXI” não se resumo em aumenta o imperialismo deles aqui, que venham comprar nossos produtos.

ABRAÇOS.

Wolfpack
Visitante
Wolfpack

Será que ele vêm trazer umas vespas e levar alguns pássaros bicudos?
Abs

El  Carajlo
Visitante
El Carajlo

Paulo Renato em 08 jan, 2010 às 19:20 EU ja vinha falando faz tempos. na Amérila Latina, o Brasil em especial, tem potencial de crescimento, comoo mercado esta se abrindo para a multilateralidade, os EUA nós vem como uma coisa heterogênea. Mas por que? tenho algumas alternativas, la vão! (1) Somos uma cobra criada, abandonada pelos EUA, estamos nos afastando deles e abrindo caminho para a multi lateralidade, e (possível hipótese)arrastando os nossos vizinhos junto. Nos desviando dos caminhos dos EUA. (2) Podem estar tento uma estratégia para diminuir essa multi lateralidade, para nós aproximarmos outra vez dos EUA, mas… Read more »

ezeca
Visitante

esse e a oportunidade de nos darmos o rerspeito
fazer acordos de gente grande ele chegou sobre forte
presão, concerteza esta querendo mostra serviço
e o momento ecônomico numca foi tão favoravel.
so espero sejamos cautelosos e espertos
e não darmos uma de FAB. agindo por orgulho.
[]s

El  Carajlo
Visitante
El Carajlo

lc em 08 jan, 2010 às 19:49

Foi força de hábitos, para que todos penem que ele esta ansioso para chegar na embaixada e “trabalha”, mas dai uma semana, ele toma um cachaçinha, horas, ele ja morou aqui antes.

lc
Visitante

El Carajlo em 09 jan, 2010 às 13:35

Tá certo. O homem tá escolado no ritmo de Brasília.rs
Mas acho que cachacinha mesmo, vai rolar e bastante no encontro dele com o molusco.

Abs.

ezeca
Visitante

mais e claro eles tem bom gosto
ou devo dizer refinado;-)

Bandeira
Visitante

Dois comentários, no mínimo estranhos: Indicado por Obama; E, não pode dar um “P” sem pedir autorização!
Até onde sei não há nada de estranho em um presidente indicar um Embaixador, e seria de estranhar, este mesmo Embaixador, fazer algo sem autorização de seu Governo.