Home Ajuda Humanitária Brasil e EUA voltam a divergir

Brasil e EUA voltam a divergir

113
24

Em ação conjunta, militares trocam farpas sobre comando de missão

Leandro Colon

vinheta-clipping-forteO primeiro encontro oficial entre tropas brasileiras e americanas no Haiti deu o tom do clima de divergência entre as duas partes. Sobraram trocas de recados. O general brasileiro Floriano Peixoto Vieira Neto, chefe militar da missão da ONU no país, reforçou que a ajuda aos haitianos – incluindo a segurança – é liderada pela Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), cujo maior contingente é do Brasil. “Cada parte é muito bem definida, por meio de protocolo de entendimento, assinado pelas duas partes, o que nós faremos aqui”, afirmou.

Ao seu lado, o general Ken Keen, que lidera as forças dos EUA, deixou claro que não há subordinação à ONU e avisou que não há prazo para deixar o país. “O presidente Barack Obama nos mandou para cá para dar assistência ao governo do Haiti e estaremos aqui até quando eles precisarem”, afirmou. Questionado sobre as pretensões dos EUA em assumir a segurança, Keen foi enfático: “Isso é ridículo.” Segundo ele, há 3,7 mil soldados americanos em terra hoje no Haiti. Oficialmente, cabe aos EUA apenas a tarefa de ajuda humanitária.

Os militares dos dois países se juntaram ontem para distribuir 13 toneladas de comida e 15 mil litros de água em Cité Soleil, região mais pobre da capital. O cenário de entrega de comida era tipicamente haitiano: fumaça, casas de lona, lixo a céu aberto, porcos e seres humanos dividindo o mesmo espaço. Entre os soldados de cada país, poucas palavras. Os americanos não falavam português, e a maioria dos brasileiros apenas arriscava algumas palavras em inglês.

Enquanto isso, o general Floriano Peixoto percorreu a favela com o colega Ken Keen. Abordados pelos jornalistas, buscaram a cordialidade, mas não conseguiram disfarçar a divergência de conceito hierárquico na ação no Haiti. Uma jornalista questionou o general Floriano, na presença de Keen, sobre a polêmica em torno da segurança. Peixoto irritou-se, lembrou que há um acordo de tarefas e posicionou-se: “Eu sou o responsável pela parte militar da Minustah.” Em seguida, tentou amenizar a crise diplomática: “O relacionamento é extremamente positivo.” O discurso de Peixoto tem sido semelhante ao do ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim. Em visita ao Haiti no sábado, Amorim voltou a valorizar a posição majoritária do Brasil no país. Apesar de afirmar que se reporta apenas ao governo do Haiti, o general americano disse que os EUA são parceiros do Programa Mundial de Alimentos (WFP) da ONU. “Sem esta colaboração, não estaríamos aptos a fazer chegar a ajuda”, afirmou Ken Keen, que elogiou as tropas brasileiras. “O Brasil tem bons soldados, extremamente profissionais. Estão entre os melhores do mundo”, disse ele, que já morou no País.

FONTE: Estadão

Subscribe
Notify of
guest
24 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Felipe Cps
Felipe Cps
10 anos atrás

Nossa, a diplomacia brasileira dá uma preguiiiiiiça…

Bayron
Bayron
10 anos atrás

A diplomacia do Brasil é excepcionalmente exemplar. Alias, o Brasil usa a diplomacia. Isso que alguns querem não é diplomacia.

Antonio M
Antonio M
10 anos atrás

Não acho a diplomacia brasileira exemplar não. Vide a burrada em Honduras e o mico que estão segurando agora entre outras.

E a pouco tempo estavam todos indignados, com o sr. Marco top-top Aurélio Garcia puxando o coro e em seguida adotam discurso amigável, que está tudo bem? Cansaram de bancar cachorro que late mas que é banguela ?!?!?!

Bayron
Bayron
10 anos atrás

Cada um tem a sua opinião né, eu admiro nossos diplomatas, outros odeiam e assim se forma a liberdade de opinião.

Estas instituições são muito mais complexas do que imaginamos. Quando se trata de diplomacia, oque sai na mídia é apenas a ponta do iceberg, pois, muita coisa acontece longe dos olofotes, isso em qualquer país do mundo.

Wilhelm
Wilhelm
10 anos atrás

O pensamento estratégico da diplomacia brasileira:

– Marco Aurélio “top-top” Garcia
– Celso Amorim

Não preciso dizer mais nada.

Antonio M
Antonio M
10 anos atrás

Não seria questão de odiar mas, diplomacia e diplomatas em geral no Brasil não são grande coisa. Poderiam fazer muito mais do que fazem pela imagem do país lá fora mas, perdem muito mais tempo realizando festinhas para bajular socialites próximos de nossas embaixadas, apelidar um avião de “sucatão” que se fosse comparar a “ficha corrida” do nobre diplomata qeu não sabe nada de aviação (a não ser viajar de 1ª classe) ficaria bem atrás, que diante da invasão de refinarias brasileiras na Bolívia agem como embaixadores da Bolívia e não do Brasil. Acho que hoje em dia eles saibam… Read more »

Antonio M
Antonio M
10 anos atrás

Itamar Franco foi diplomata !!!! A que ponto chegamos!! Diplomata monolíngue! E o pior é que a lei permite. Não sei se em outros países é igual.

Bayron
Bayron
10 anos atrás

Não é isso oque os diplomatas acham… mas muito pelo contrário, sempre nos elogiam.
Alias, a imagem do Brasil melhorou nos últimos anos.

Antonio M
Antonio M
10 anos atrás

Melhorou por causa do factóide de LuLLa e da bonança ecônomica pós-2002 e dessas mesmas medidas econômicas implantadas no plano Real que impediram maior naufrágio na crise global de 2009.

Como melhorou a imagem se o governo Lulla insiste em epísódios como Zelaya, apoiar Chaves e Ahmadinejahd ?!?!?! Tire as conquistas econômicas (que poderiam ainda ser muito melhores pois nossa carga tributária é altíssima) que possibilitaram patrocinar programas sociais assistencialistas e o que sobra?

Nailton
Nailton
10 anos atrás

Somos orgulhosos da nossa mediocridade. Isso que faz uma diplomacia ingênua.
Os resultados estão ai e não ver quem não quer. É a mesma coisa que ficar atribuindo a Lula a paternidade do bolsa familia. Ridículo!

Bayron
Bayron
10 anos atrás

Ok gente… precisamos então é fdo FHC de volta e sua equipe de diplomatas. Tudo era mil maravilhas a 8 anos atraz.

davidjppb
davidjppb
10 anos atrás

Caraca isso pareçe briga do jardin de infancia!
Eu sou mais fote fica ai, ele me deu o direito buaaaaaaaaa.
Nossa esse pais e uma comedia ate fora daqui!
Orgulho de ser brasileiro, vergonha dos burros que nos elegemos!

nando
nando
10 anos atrás

na verdade ,na verdade mesmo,nossa diplomacia,politicos ,governo,algums militares,nao passam de saltimbancos trapalhoes,que acham que estao sempre com a razao,querem ser grandes mas ainda nao sairam do casulo .

andrepoa
andrepoa
10 anos atrás

Creio que o nosso estimado Gen Floriano acordou para a realidade de que tem de ser mais pró-ativo. O discurso de que não precisava de mais homens dos primeiros momentos da crise foi por agua abaixo depois da “invasão” no bom sentido dos yankees. Talvez a “sombra” do Gen Carlos Alberto dos Santos Cruz esteja fazendo efeito, não sei mas que a operação realizada dia 22 em frente ao palacio destruido do governo haitiano serviu para marcar presença e mostrar atitude diante das criticas americanas sobre a missão da onu. vale ver a grande bandeira brasileira na operação no link… Read more »

Athos
Athos
10 anos atrás

A mídia quer porque quer inventar uma nova crise. Qualquer chance e eles pulam de cabeça.

A diplomacia brasileira está de parabéns pelo patamar atingido pelo brasil. Agora o Brasil é escutado e não precisa mais ficar tirando sapato em aeroporto.

Querem saber quem é o melhor ministro de relações exteriores do mundo. Saiba no link abaixo:
http://rothkopf.foreignpolicy.com/posts/2009/10/07/the_world_s_best_foreign_minister?page=1

Abraço

Antonio M
Antonio M
10 anos atrás

Se Lulla herdasse o governo de Sarney ou Collor, teria acabado como Lech Wallesa na Polônia. Logo no fim do primeiro mandato esquecido e até hoje implorando por um holofote. E não teria diplomacia que desse jeito.

Só ganhou uma eleição presidencial depois que parou de atacar o plano Real, aderiu a ele e prometeu dar continuidade.

Aí com ou sem diplomacia, vem faturando graças ao seu agressivo mkt político financiado com dinheiro público.

Antonio M
Antonio M
10 anos atrás

Parece que o Gen. Floriano nasceu para fazer o que faz. Até no nome.

Antonio M
Antonio M
10 anos atrás

Matéria de Elio Gaspari em 2007 “Sabe com quem está speaking? Sou o Amorim” Elio Gaspari , Folha S.Paulo Qualquer pedestre pode dizer ao guarda do Waldorf Astoria que esteve com Bush, inclusive os malucos A Diplomacia Brasileira tem um problema com objetos de couro. Em janeiro de 2002, o ministro Celso Lafer tirou os sapatos para embarcar num vôo doméstico nos Estados Unidos. Cumpriu uma determinação do governo americano, pela qual os passageiros deveriam pôr seus calçados nas cumbucas de plástico que passam pelos aparelhos de raios-X. Hoje, isso só é pedido às pessoas que ativam o detector de… Read more »

Bean
Bean
10 anos atrás

Ao invés de aumentar bandeira, aumenta o contingente, a ajuda, a água, o socorro, a CONTRIBUIÇÃO À ONU EM DINHEIRO, o contingente, a frota naval, a frota aeronáutica etc.

TAPE TODAS AS BRECHAS!

Diminua a burocracia para aprovação de envios de tropas nos casos de emergência ou ajuda humanitária!

Vai me dizer que depois desses anos todos de convivência com os americanos não sabiam que para a forma cultural americana de pensar manda quem AJUDA (PAGA) mais?

Ah!, depois vem com aquela frase de (d)efeito: “Vamos pensar grande…”

É pra rir…

OTV
OTV
10 anos atrás

Com o fortalecimento de governos anti-americanos na Venezuela, na Bolívia, e parece que o Brasil ta indo no mesmo caminho, onde o EUA poderem firma o pé, eles irão firmar. Já já teremos tropas na Colombia, o Chile sempre foi afavor dos americanos, e agora com a vitoria da centro-direita, alhiado puro. O EUA para instalar uma base aero-naval no atalântico é fácil, ja tem a disposição as ilhas Malvinas (pode-se dizer muito ao mas é verdade, com isto eles tem condições de impor bloquio naval ao Brasil com facilidade). A França tem a Guiana Francesa, como os EUA tem… Read more »

Soldier
Soldier
10 anos atrás

Vou repetir as palavras do Felipe CPS:

“Para rosnar, é preciso ter dentes”.

Nossas FFAA’s são banguelas.

Infelizmente…

davidjppb
davidjppb
10 anos atrás

verdade os nossos mui amigos fazedores de biquinho abandonarão os haitiaos a sorte como bichos e o haiti e ex colonia francesa imagine nos o que eles farao!
americanos nao sao confiaveis entao os franceses sao!
isso e uma comedia grega!

Leco
Leco
10 anos atrás

E ainda tem gente que apoia o imperialismo ianque !!!

è muita falta de patriotismo !!!!

ESAO
ESAO
10 anos atrás

O Gen Floriano sabe exatamente como lidar, a divergência no campo político atual não deve interferir no relacionamento com os militares americanos. Se lula deseja algo mais que vá atritar com os políticos de lá.