domingo, outubro 17, 2021

Saab RBS 70NG

Jobim visita Índia de olho no mercado bélico

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Ele tenta destravar venda e fechar acordo com país que mais importa armas

Jamil Chade, ENVIADO ESPECIAL, NOVA DÉLHI

vinheta-clipping-forteDe olho em contratos bilionários e no maior mercado importador de armas do mundo, o Brasil defende uma “parceria estratégica” com o setor militar indiano. Ontem, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, iniciou quatro dias de conversas com autoridades da Índia para desbloquear a venda de aviões brasileiros ao país, fechar acordo para a construção de um radar e, ainda, atuar no monitoramento do território indiano.

A Índia é hoje o país que mais gasta recursos públicos com a importação de material bélico e estratégico. Na próxima década, vai aplicar US$ 100 bilhões em armamentos.

Com conflitos em suas fronteiras, uma região ainda sob questionamento do Paquistão e insurgentes domésticos, a Índia aumenta a cada ano seus gastos militares. Dados oficiais apontam que o país gasta 2,5% do PIB em armas, mais de duas vezes o que destina para saúde.

Como não tem ainda uma produção local de armas e equipamentos, Nova Délhi vem optando por importar equipamentos – 70% dos armamentos usados vêm de fora. Hoje, por exemplo, o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, aterrissa na Índia também com o objetivo de ampliar suas vendas de caças e outros produtos do setor bélico.

O Brasil também quer tirar proveito desse mercado. “Vamos propor uma parceria estratégica entre os dois países”, afirmou o ministro da Defesa.

A aproximação, porém, não é das mais fáceis. A Embraer já fechou um acordo para a venda de aviões, mas os indianos querem garantias de que 30% da produção do jato ocorra em fábricas do país e com transferência de tecnologia. Já a Embraer quer vender os aviões, mas não necessariamente repassar informação e tecnologia.

Hoje, Jobim estará na cidade de Bangalore tratando exatamente do acordo entre a Embraer e o governo local. “Queremos acelerar esse acordo.”

ADIDOS

Ontem, na capital indiana, Jobim inaugurou na Embaixada do Brasil um departamento de adidos militares, sinal de que o País não quer apenas uma aproximação comercial com o governo indiano.

Ao longo da viagem de Jobim, será também discutida a criação de um sistema alternativo ao GPS, desenvolvido pelos americanos. Outro ponto de negociação é o desenvolvimento pelos indianos de radares com uma capacidade mais sofisticada que a do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam).

“Queremos uma parceria nesse tema”, disse Jobim. “O objetivo do Brasil é dar um salto em relação a esse tema”, explicou. Hoje, o radar que equipa aviões da Embraer no Sivam é de fabricação sueca.

CAÇAS

Na entrevista, o ministro ainda confirmou que anunciará o seu parecer em relação à compra de caças para as Força Aérea Brasileira (FAB) na semana do dia 5 de abril. O governo já teria optado pelo modelo francês, o Rafale, da empresa Dassault – preterido pelos militares. O ministro insistiu, porém, que ainda não pode anunciar oficialmente a decisão.

FONTE: O Estado de São Paulo

- Advertisement -

31 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
fullcrum
fullcrum
11 anos atrás

É, mas o problema é primeiro querer vender mísseis anti-radar ao Paquistão, então a questão é qual o mercado seria mais vantajoso pois nesse caso fica difícil servir a dois senhores.Repassar tecnologia também é questão complicada.E me pergunto se a Embraer aprendeu com a passada de perna dos chineses(QUE PASSOU NOS RUSSOS TAMBÉM).Até 5 de abril…

Marine
Marine
11 anos atrás

Interessante na noticia e nao sei se ninguem mais percebeu e que o Min. so fala em “queremos”, e isso, e aquilo, o Brasil quer um monte de coisas dos outros, me parece demonstrar um tom um tanto egoista na mente dessa autoridade. Se fala em parceria mas so menciona “queremos.” Outra, agora e parceria estrategica com a India tambem? A cada conversa dessa fico mais resoluto de que a lideranca brasileira nao entende o que o termo significa. Interessante mais uma vez notar tambem de que nos esbravejamos por supostas TTs e xingamos os que nao nos querem dar… Read more »

Gutex
Gutex
11 anos atrás

A Embraer não quer repassar informação e tecnologia aos indianos, mais quer transferencia irrestrita no programa FX-2…
Por isso devemos deixar de ser inocentes e acreditar que ocorrerá tansferencia irrestrita por parte do ganhador do fx-2, seja qual for… Nenhum pais entrega de mão beijada tecnologias fruto d decadas de investimentos… E nos aqui, que nunca investimos seriamente em desevolvimento tecnologico, achando que de um dia para o outro iremos sair construindo caças de quarta geraçao…

Felipe Cps
Felipe Cps
11 anos atrás

Perfeito Marine.

No mais, acho que a matéria está no Blog errado…

jose carlos
11 anos atrás

Comentario inteligente do Marine

Galileu
Galileu
11 anos atrás

O ministro tá mais é passeando……..
Brincar no parque russo, ou tentar brincar é mais díficil que ganhar concorrencia em solo americano, será que os Dr. de brasilia sabem disso?

Rogério
Rogério
11 anos atrás

Queremos aumentar o comércio com os EUA e apoiamos o Irã a revelia do mundo (até a Argentina é contra o Irâ), queremos parceria estrategica com a India e China ao mesmo tempo e ainda vendemos armas para o Paquistão!!! WAU somos a última bolacha do pacote por acaso?

[]s

M1
M1
11 anos atrás

Marine, ” Interessante mais uma vez notar tambem de que nos esbravejamos por supostas TTs e xingamos os que nao nos querem dar mas a propria Embraer nao esta disposta a TT com qualquer um, inclusive um BRIC como citado pela materia. Sejamos menos hipocritas entao quando julgamos os outros, o pragmatismo faz bem a todos. ” Não concordo, pois um dos principais requisitos para o FX2 é Transferencia de Tecnologia, as empresas que estão concorrendo têm que transferir tecnologia ou elas que se retirem do processo, como fez a empresa russa Sukhoi, se não me engano. No nosso caso… Read more »

M1
M1
11 anos atrás

Vou fazer uma analogia esdrúxula:

Se eu quero namorar uma mulher:
“Candidatas”:
A -> gay;
B -> travesti;
C -> animal;
D -> boneco inflavel;

Não apareceu nenhuma candidata mulher, então você quer me obrigar a ficar com algum dos itens dai de cima só pra não ser hipocrita?

Faz me o favor….

Tem que cumprir o requisito e exigir sim que o requisito seja cumprido, se não vira bagunça. Como aconteceu nesse exemplo.

motta_eiras
motta_eiras
11 anos atrás

O mundo está dividido por diversas áreas de influência, procurar aproximação com este ou aquele faz parte de uma politica internacional que busca seus verdadeiros “paceiros estratégicos”.

Diogo
Diogo
11 anos atrás

Marine, Lembresse do que o pragmatismo EstadoUnidense causou para o mundo… Lembro-te, que quando da guerra Irã-Iraque, os USA apoiaram o Iraque, para desestabilizar o regime fundamentalista do Aiatola Khomeini. Por outro lado, os USA apoiaram a guerrilha Fundamentalista Islãmica Afegã, quando da invasão do mesmo pelos soviéticos, fornecendo armamento, treinamento e apoiando a criação de escolas fundamentalistas. Outrossim, lembro-te da operação na Somália. Obviamente que não foram causas humanitárias que levaram o então presidente Bill Clinton, à enviar tropas. Foi o fato de que a Somália é extremamente estratégica. Lembro-te também que nessa mesma época, Ruanda viria a sofrer… Read more »

brazilwolfpack
brazilwolfpack
11 anos atrás

Jobim anunciará o seu parecer??? Tenho um leve senso de Deja Vu…
Enquanto a parcerias militares com o brasil,como uma vez disse o De Gaulle,infelizmente o Brasil nao e um pais serio na area militar. Se o fosse,nao duraria mais de 10 anos para so “decidir” numa compra de 36 caças. Quem lembra da parceria do Brasil na estação espacial? Ou no PAK-FA? Me engana que eu gosto.

brazilwolfpack
brazilwolfpack
11 anos atrás

Parabems,Diogo. Nao devemos tambem esquecer dos esquadroes da morte em El Salvador,Nicaragua,e Honduras,o presente da politica exterior americana ao Chile,o maravilhoso general Pinochet,e ate a escola de tortura no Panama,a tal School Of The Americas,daonde foram exportadas para o Brasil,Argentina,Uruguay e todo o resto da America Latina as mais “eficientes” formas de tortura. Tambem nao devemos esquecer que em 1964,na ocasiao do golpe militar que iniciou o periodo das trevas que durou no Brasil,ja havia zarpado para o Rio uma Task Force da US Navy e Marines,prontos para invadir o Brasil caso a democracia continuasse no poder. Lenda??? Nao e… Read more »

Diogo
Diogo
11 anos atrás

Perdão, onde lê-se Lembresse leia-se Lembre-se obrigado.

Caipira
Caipira
11 anos atrás

Marine,

Gostaria de te fazer umas perguntas sobre o serviço militar ai nos EUA, mas aqui no blog iria poluir muito o espaço, será que você pode me ceder teu email ou msn para conversamos uma hora dessas?

Um abraço!

Bronco
Bronco
11 anos atrás

Eu acho que entendi o que o Marine quis dizer. Ele não se referiu à postura do governo de não transferir tecnologia na venda quando exige a transferência na compra. Acho que ele quis dizer que quando se fala em parceria estratégica é necessário saber que o termo também significa ajuda mútua. E que parece que o representante brasileiro vai à Índia oferecer parceria que só nos beneficia, sem levar na bagagem algo que também beneficie a Índia, imaginando que essa é uma parceria irrecusável quando, na realidade, ainda não aprendemos a barganhar. Situação que se agrava quando se trata… Read more »

João Augusto
João Augusto
11 anos atrás

Marine e Felipe CPS,

As autoridades brasileiras ainda não aprenderam, vão gritando eu “quero, eu quero” e voltam com um monte de compromissos de “eu dou, eu dou”. Assim foi com a França… vamos ver como vai ser com os indianos.

Mas também, com uma vaca gorda dessas (o povo brasuca) jorrando imposto… quem se importaria em gastar?

Bernardo R.
Bernardo R.
11 anos atrás

Só uma pequena observação…..

Quem acredita em TT, beleza, mas não achem que seria uma “TTT” (Total tranferência de tecnologia)!!!!!

Isso não acontece em nenhuma negociação, em nenhum lugar do mundo, quem mexe com comércio e contratos sabe muito bem disso!!!

Sempre sobra o famoso “pulo do gato”, portanto devemos apoiar quem chegar mais próximo disso, e não engolir por exemplo, um “Sarkhozi”, prometendo uma TTT………

Vassili
Vassili
11 anos atrás

O Jobim esta tentando é convencer os indianos que “aquela” centena de MAR pedidos pelo Paquistão num vai fazer muita diferença no balanço militar entre as duas nações……….

abraços.

rogerio
11 anos atrás

E sera que o brasil vende pra eles r99a e os tucanos não do psdb gente sem trocadilho os aviões

Rodrigo Cesarini
Rodrigo Cesarini
11 anos atrás

Ué, os EUA não vendem equipamentos para India e tb para o Paquistão?

brazilwolfpack
brazilwolfpack
11 anos atrás

Vendem sim,Rodrigo. E nos anos 80 tambem venderam para o Iraque,e entupiram o Taliban de Stingers.

Marine
11 anos atrás

Bronco,

Ia responder aqui mas voce ja o fez! e isso mesmo que quiz dizer. Nao tem nada a ver com defender um governo ou uma companhia e sim com exatamento o que voce citou.

Abs!

Caipira,

Facamos o seguinte, nao vou lhe passar meu email aqui porque ia receber trote e spam de tudo enquanto e doido do blog… Que tal me achar no xat aereo um dia desses e em particular lhe passo tal email?

Sds!

Rogério
Rogério
11 anos atrás

“Ué, os EUA não vendem equipamentos para India e tb para o Paquistão?”

Putz, verdade mesmo nem me liguei, esquece o meu comentário.

[]s

Rodrix
Rodrix
11 anos atrás

Sobre os caças eu acho que o ministro vai dar o parecer no dia 1ª de abril…
Acorda Brasil.

Leonardo Crestani
Leonardo Crestani
11 anos atrás

Isso é a mairo perda de tempo, pois nem nossas forcas armadas compram armas brasileiras, vcs acham que outros paises irao comprar rsrsrsr, Exercito, tanque Transportes de tropas, Italiano – FAB, caca franes – Marinha, ainda nao decidiu, mas o projeto nao sera nosso. E ai o Ministro Jobim fica passiando pelo mundo querendo dar grau rsrsr, isso é ridiculo..

Sds..

Mauricio R.
11 anos atrás

Tá atrasado, já deveriam ter feito isso, uns 3 anos atrás!!!

Lucius Clay
Lucius Clay
11 anos atrás

Se o país não compra armas de suas próprias empresas, como quer que outros as adquiram? Um pouco estranho esse tipo de mercado, tenho assim a mesmo opinião do colega Leonardo Crestani. Compre primeiro, e venda depois.

ramillies
ramillies
11 anos atrás

Marine,

Para aquelas ocasiões em que precisas dum endereço email para usar e deitar fora, dá uma olhada em http://www.mailinator.com

Fábio Mayer
Fábio Mayer
11 anos atrás

Adiarama decisão do FX-2 para abril, agora?

Esse Jobim é uma piada! Esse governo é uma piada!

Thiago
11 anos atrás

Rodrigo Cesarini
Diogo
brazilwolfpack
…o resto faz atè um pouco de tristeza ler ,nao consiguia acreditar no que eu lia.graças a deus vcs escreveram inteligentemente algo que deveria dizer obvio tambem…mas como se diz o obvio està debaixo do nariz de todos ,mas niguem ver atè quando nao chega alguem e o faz notar.

Últimas Notícias

VÍDEO: Sistemas de Defesa Antiaérea de Ponto da China

A China apresentou vários sistemas de armas no Zhuhai Air Show 2021 no final de setembro. Entre os fabricantes, a...
- Advertisement -
- Advertisement -