sexta-feira, outubro 15, 2021

Saab RBS 70NG

Forte de São Marcelo. Corre o risco de ser fechado

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O Forte São Marcelo, cartão postal de Salvador cravado à beira do mar da Baía de Todos os Santos, cenário de tantas batalhas, agora é alvo de uma disputa que não tem cunho militar, mas envolve um coronel da reserva literalmente apaixonado pela construção, cuja primitiva concepção remonta a 1608. O foco da questão é o desejo da Associação Brasileira dos Amigos das Fortificações Militares e Sítios Históricos (Abraf) em continuar administrando o espaço-monumento histórico, que corre o risco de ser fechado à visitação pública e ver o embate entre as partes interessadas ser resolvido na Justiça.

“Desde o ano 2000 que a Abraf está à frente do Forte São Marcelo. Durante todo esse tempo vem desenvolvendo ações no sentido de mantê-lo aberto à visitação pública, apesar das dificuldades encontradas. Recebemos em pouco mais de quatro anos, mais de 300 mil visitantes. Desses, 100 mil foram estudantes. Em abril de 2008 solicitamos a renovação do Termo de Cessão de Uso firmado com o Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – a 13 de julho de 2000, por mais um período de 10 anos. Desde então, correspondências foram trocadas no sentido de viabilizar tal renovação, o que ainda não aconteceu”, revela o Cel. Anésio Ferreira Leite, diretor presidente da Abraf, em comunicado enviado à Tribuna da Bahia.

Conforme o militar da reserva, a Abraf enviou ofícios ao Governador Jaques Wagner e ao Prefeito João Henrique “solicitando apoio político no sentido de não deixar o Forte de São Marcelo fechar em vista de terem investidos recursos públicos. Caso contrário, o Forte voltará à situação anterior, de ruína. O Gabinete do Governador encaminhou ofício para o Iphan e o Prefeito determinou ao seu Chefe de Gabinete que conversasse comigo e sugerisse providências. Nada foi feito. A nossa preocupação é que não se chegue a um acordo e o Forte venha a fechar, com prejuízo para a cidade do Salvador”, declarou.

O Cel. Anésio Leite disse ter ido a Brasília, “conversar com o Ministro da Cultura ao qual está subordinado o Iphan, que se interessou pelo caso e passou para representantes do órgão a incumbência de providenciar a referida renovação. Nada foi feito”, lamentou o presidente da Abraf que também diz ter encaminhado correspondências para o apresentador Mário Kertisz e a deputada Lídice da Mata abordando o assunto, não obtendo respostas. “Estamos recorrendo ao espírito público dos senhores formadores de opinião, para engajarem-se nessa luta, que não deve ser só da Abraf e sim, de todos os soteropolitanos”, conclui no comunicado.

A Associação Brasileira dos Amigos das Fortificações Militares e Sítios Históricos é uma organização sem fins lucrativos e de utilidade pública, criada com o objetivo de defender, proteger e valorizar o patrimônio histórico brasileiro. Segundo o superintendente do Iphan na Bahia, Carlos Amorim, os processos referentes ao Forte de São Marcelo estão em Brasília sob a autoridade do presidente do Iphan, Luiz Fernando de Almeida, com o acompanhamento da chefia da Procuradoria Federal do órgão na capital nacional.

“Aqui na sede do Iphan na Bahia, não tramita nenhum assunto, no momento, referente ao Forte de São Marcelo. A não ser um assunto técnico, que diz respeito à restauração da coroa onde está assentado o Forte, que é parte de um processo de licenciamento”, adiantou Carlos Amorim que garantiu à Tribuna da Bahia não existir nenhuma possibilidade do Forte vir a ser fechado à visitação pública.

“O que haverá, seguramente, é a substituição do uso. O Forte pertence à União está sob a guarda do Iphan que o cedeu a esta instituição. Não sendo esta instituição será outra e haverá, provavelmente, um processo de escolha, de seleção, conforme orientação da Procuradoria Federal em Brasília, que em três pareceres sobre o caso identificou irregularidades e pediu a denuncia unilateral do contrato.

Os concessionários sabem exatamente do que se trata por que foram notificados da decisão, após auditoria administrativa realizada anterior à minha posse, ocorrida em 7 de novembro de 2008. O Forte não vai ficar sem uso, porque ele é parte importante no processo de revitalização do bairro do Comércio”, ressaltou o superintendente do Iphan no estado.

FONTE: Tribuna da Bahia

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MA
MA
11 anos atrás

Amigo, o sr. João Henrique era do PTD e passou pro PMDB é um p* dum incompetente. Não tem essa, seja esquerda, direita, tem sempre seus lixos, foda, ninguém esperava isso dele.

Mas fazer oq. Espero que dê certo o projeto do Iphan, é de fato um patrimônio nacional.

Tito
Tito
11 anos atrás

Caraca, em janeiro estive de passagem em Salvador e não consegui tempo de visitar esse maravilhoso patrimônio histórico (estava em um “porta bonecos” como diz o MO), tomara que não seja fechado a visitação, dai a virar ruína é um passo.

Políticos %$@&*.

Raptor
Raptor
11 anos atrás

É brincadeira… Para aumentar os próprios vencimentos e regalias o processo é vatp-vupt, agora para a preservação da memória e turismo……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………. e segue…

Pela amor da Nação e NOSSA história, alguém pode resolver isto! Que belo exemplo para o mundo!
Acordem, todos estão olhando para o Brasil!!!!!

Paulo
Paulo
11 anos atrás

Quem ler atentamente os dois últimos parágrafos da notícia, verá que o que está havendo é alguma coisa suspeita com a entidade que atualmente administra o forte.
Pelo menos foi assim que eu entendi.

Auriverde
Auriverde
11 anos atrás

o iphan é um órgão brocha, posto que castrado. Explico: não tem poder de polícia, e não tem verba própria. Só sabe fazer tombamentos, e depois os “tombados que se ardam”, pois nada é feito para ajudar. Mais grave que a situação de forte do mar, em pauta e único talvez no mundo, é a do forte do morro de são paulo, que foi deixado ao léu até desabar a superestrutura, teve roubado suas armas, e agora esta com parte de suas muralhas – as maiores do Brasil – sendo destruídas pelo mar, sem que ninguém tome nenhumaprovidência. O iphan… Read more »

claudio (R J)
claudio (R J)
11 anos atrás

A fortaleza da laje (RJ) está recebendo visitação?

Auriverde
Auriverde
11 anos atrás

A fortaleza da Laje está abandonada; não tem valor histórico, e creio, não é tombada pelo iphan.

No RJ vale a pena conhecer a s fortalezas de São João e Santa Cruz; o Forte São Luíz em Niterói, o Forte de São Mateus, em Cabo Frio, e o Defensor Perpétuo em Parati.

Vader
Vader
11 anos atrás

Nada demais, depois que o governo bolivariano ameaçou devolver o “El Cristiano” ao Paraguai achar que eles iriam se preocupar com patrimônio histórico é total ingenuidade…

Últimas Notícias

ESPECIAL: Apresentação das capacidades do Exército Francês

Por Jean François Auran* Colaborador especial do Forças Terrestres/Forças de Defesa Parece às autoridades militares francesas que o mundo está se...
- Advertisement -
- Advertisement -