segunda-feira, agosto 2, 2021

Saab RBS 70NG

Estudo americano vê dilema estratégico para Brasil

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Andrea Murta

Apesar de bem-sucedido, o esforço do governo Lula para elevar o status do Brasil no exterior deixará uma herança de “dilemas estratégicos”, incluindo tensão com Washington, afirma análise da Escola de Guerra do Exército dos EUA.

Publicado em agosto, o estudo “Dilemas da Grande Estratégia Brasileira” afirma que poucos países tiveram melhora tão notável em sua “estatura internacional” na última década como o Brasil.

Para o autor, o pesquisador Hal Brands, do Instituto de Análise em Defesa, isso foi obtido por meio de três estratégias: ação leve para contrabalançar o poderio americano; formação de coalizões para aumento do poder de negociação; e posicionamento como líder de uma América do Sul mais unida.

“Lula procurou transformar a crescente confiança nacional oriunda da consolidação democrática e da estabilidade econômica em uma diplomacia mais forte”, escreveu Brands.

Ele aponta como ações principais da diplomacia nos últimos oito anos o papel mais ativo em missões de paz da ONU; a promoção de blocos como os Brics (com Rússia, Índia e China) e Ibas (com Índia e África do Sul); a tentativa de obter vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU; e a defesa da integração econômica da América do Sul.

Também é notada a emergência de novas instituições regionais como a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) e o Conselho Sul-Americano de Defesa.

Brands afirma que essa estratégia de tentar reverter a antiga ordem internacional foi benéfica no curto prazo e que o sucessor de Lula terá nas mãos uma rede de opções comerciais e diplomáticas para escolher onde atuar.

Mas, segundo disse em entrevista à Folha, há quatro problemas que poderão obstruir a ascensão do país. “Primeiro, não está claro que o Brasil preparou bem os fundamentos para crescimento econômico e coesão social de longo prazo, que são necessários para uma política externa ambiciosa.”

“Segundo, as relações com muitos vizinhos são tensas. Países como Bolívia e Paraguai veem o Brasil como uma potência dominadora, enquanto México, Argentina, Venezuela e Colômbia o veem como rival pela liderança regional”, continua.

O terceiro ponto é que não está claro se Brics e Ibas são coesos o suficiente para atuar como grandes atores geopolíticos.

E, “finalmente, a política externa assertiva de Lula ocasionalmente leva a conflitos com os EUA”.

Mesmo nas projeções mais otimistas, o Brasil não terá capacidade econômica ou militar para competir com outras potências (EUA, China e a União Europeia) por décadas –se é que isso acontecerá algum dia.

Exatamente por isso, o país precisa abordar seus dilemas estratégicos. “Se o Brasil alcançará “impacto sistêmico” –a habilidade de influenciar significativamente a ordem global– terá de fazer isso não por meio da acumulação inexorável de peso geopolítico, mas pela qualidade de sua diplomacia.”

FONTE: Folha de São Paulo

- Advertisement -

27 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mario
Mario
10 anos atrás

Verdade!

Andre Luis
Andre Luis
10 anos atrás

Não dá pra querer cadeira no conselho de segurança da ONU e apoiar ditadores bolivarianos e iraniano, não dar condições mínimas às Forças Armadas para realizarem seus propósitos.

Não tem como ser um global palyer, conquistando espaço em novas economias, e manter juros acima de 10%, carga tributária absurda e etc, etc, etc…

Sabemos que essa “política internacional” brasileira é fruto de devaneios do Itamaraty. O país é contestado toda hora pelos vizinhos latinos e abaixa a cabeça sempre, não se impõe nem frente à Bolivia, no caso da nacionalização da extração de gás natural.

Luiz Paulo
Luiz Paulo
10 anos atrás

”E, “finalmente, a política externa assertiva de Lula ocasionalmente leva a conflitos com os EUA”.” O cara foi bonzinho demais…. “Primeiro, não está claro que o Brasil preparou bem os fundamentos para crescimento econômico e coesão social de longo prazo, que são necessários para uma política externa ambiciosa.” Quem tá fora vê isso, mas quem tá dentro pensa que tá tudo cor de rosa… ops vermelho… ”Mesmo nas projeções mais otimistas, o Brasil não terá capacidade econômica ou militar para competir com outras potências (EUA, China e a União Europeia) por décadas –se é que isso acontecerá algum dia.” Isso… Read more »

Galileu
Galileu
10 anos atrás

Discordo e concordo da análise da escola de Guerra Americana, eles entende de Exercito mesmo….. Concordo quando eles dizem a respeito de nossas capacidades militares frente UE, Brics, e EUA, e que o Brasil se destacou na AL, contrabalanceando a influencia norte americana, mas lembre-se que isso também da certo jogando junto dos EUA também! Mas quanto a relação A do Sul estão completamente errados: 1- Paraguai e Bolívia NÃO tem relações tensas com o Brasil, tenso é ou era a relação Venezuela e Colombia, Equador e Colombia. 2- O maior erro foi referente ao social e econômico, Nossa economia… Read more »

Zirium
Zirium
10 anos atrás

É a síndrome do cão banguela raivoso.
Está correta a análise realizada e com a mentalidade que atinge nossas lideranças políticas não dá pra vislumbrar nada de excepcional durante bom tempo…infelizmente!!

RtadeuR
RtadeuR
10 anos atrás

Palavras simples dizem tudo:
Inveja, marionete, subserviência, medo, influências e finalmente ; ¨cala boca se não apanha ?¨.

RoyFocker
10 anos atrás

Lula (e seu grupo de assalto) atirou pra tudo quanto é lado, alguns tiros foram certos, outros passaram raspando e outros acertaram onde não deviam, sem querer ou de propósito mesmo…

Leonardo Salvadori
Leonardo Salvadori
10 anos atrás

otimos comentários, mostra o auto nível do blog, parabéns a todos..

abraços

Pedro
Pedro
10 anos atrás

“Sabemos que essa “política internacional” brasileira é fruto de devaneios do Itamaraty.” > Tipico pensamento de pessoas com mentalidade de vira-latas! O certo seria ficar por mais 500 anos lamber as botas (e tirar os sapatos!) dos EUA e Europa, pois ser independente e ter decisão propria incomoda aqueles aqui dentro que querem um país atrasado, ignorante e dócil. Tensões regionais? Com quem? O Brasil não tem conflito algum com seus vizinhos e muito menos com o resto do mundo, diferente dos EUA. Se existe algum problema aqui na parte sul da America, esse chama-se Colombia, aliada total dos EUA… Read more »

Sagran Carvalho
Sagran Carvalho
10 anos atrás

O atual governo perdeu uma opotunidade impar em nossa história de realmente estarmos inserindo nosso país como um global player. A partir do momento em que aparelharam o Itamarati, dificultaram em muito nossas aspirações. Se continuarmos com essa politica de apoiar tudo que é ditadura mequetrefe que existe mundo afora, nunca conseguiremos assento permanente no Conselho de Segurança. Quanto ao braço militar de nossa politica externa, concordo também com o estudo…é pifia, e caso não tomemos logo ações para corrigir esta fraqueza, ficará ainda mais dificil de atingirmos nossos objetivos globais, mesmo porque, o investimento em nossas FA, mesmo que… Read more »

Sagran Carvalho
Sagran Carvalho
10 anos atrás

Desculpem os eros no Português, mas o teclado não ta ajudando muito…rs..rs

Rodrigo Marques
Rodrigo Marques
10 anos atrás

“”Alem disso, lembre-se que o pensamento reinante nos EUA na decada de 90, e aceitado aqui no Brasil de FHC, era que a America Latina, deveria extinguir FA, e ter apenas forças policiais para combater o narcotrafico.”” O unico governo brasileiro que bateu de frente com os EUA até hoje sem afinar foi o de FHC no caso da ALCA. As pressões foram absurdas. A internet está abarrotada de textos da época. Basta procurar um pouco. E isso sem grandes reservas em dolar; devendo ao FMI; com uma crise cambial devastando a Russia e o Sudeste asiático entre outras circunstancias… Read more »

Rogerio Cirino
10 anos atrás

Como eu aprendo com vcs! Que aula” Continuem assim!

Henrique
Henrique
10 anos atrás

O Brasil pode tentar influenciar mas não se expôr como tem feito ao longo deste governo. Querer bater de frente com potências sem ser uma potência é burrice. Nada aqui é planajado a longo prazo, sempre feito conforme a onde política ou a conveniência da vez e pra um país continental, cercado de “inimigos” não ter plenas condições sequer de defesa é dar uma de cão que ladra mas não morde. Na época das refinarias da Bolívia fiquei revoltado com a atitude do governo e ao questionar um colega que é do EB este me disse que em caso de… Read more »

Paulo Costa
Paulo Costa
10 anos atrás

Estamos trilhando o nosso caminho,se preciso for mudamos para atingirmos o objetivo………

Colt
10 anos atrás

Acho interessante fazer algumas considerações sobre as ideias apresentadas. No texto “…há quatro problemas que poderão obstruir a ascensão do país “Primeiro, não está claro que o Brasil preparou bem os fundamentos para crescimento econômico e coesão social de longo prazo, que são necessários para uma política externa ambiciosa.”. Poderíamos contestar afirmando que o Brasil tem fundamentos para crescimento econômico melhores que praticamente todos os países desenvolvidos, tanto que pouco sentiu a crise de 2008. Mas na verdade, não é necessário somente crescimento econômico e coesão social para uma política externa ambiciosa. O fundamental para o desenvolvimento da politica externa… Read more »

Aloisio
Aloisio
10 anos atrás

Excelentes comentários do Colt.

Qual o problema de bater de frente com os EUA? Ou muitos aqui são partidários do “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”?

Os conflitos com Bolívia e Paraguai já foram minimizados. E com dano mínimo nas relações externas com os dois países.

Mas no quesito das FA eu concordo. Brasil está muito atrás dos demais países que desejam ser “potências”.

Rodrigo Marques
Rodrigo Marques
10 anos atrás

“”Qual o problema de bater de frente com os EUA? Ou muitos aqui são partidários do “o que é bom para os EUA é bom para o Brasil”? Nenhum problema, desde que a “batida de frente” seja por um interesse legítimo ou algo que nos preserve, e não para consumo interno, ou seja para mostrar “pruz americanu” que somos independentes. Repito, a única vez que vi um governo brasileiro se portar frontalmente contra o interesse americano e prevalecer ( sem sofrer retaliações) foi no episódio da ALCA. Lembrar que há pouquissimo tempo atrás, a diplomacia brasileira fez um enorme estardalhaço… Read more »

Andre Luis
Andre Luis
10 anos atrás

Pedro disse: 29 de setembro de 2010 às 19:48 Veja o caso da tentativa de intermediar as negociações com o Irã. O Brasil fez papel de bobo achando que EUA e Europa iriam aceita-lo como porta-voz da comunidade internacional. Nem a França, “parceiro estratégico” na cabeça dos gênios do planalto, apoiou aquela presepada. Se achar que pode ter influência para lidar com uma questão complexa, como a Nuclear no Irã, não é um devaneio, não sei o que é. Quem aqui lembra da morte do Alto Comissário da ONU no Iraque, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, num ataque terrorista?… Read more »

Athos
Athos
10 anos atrás

Ao ajudar o Irã o Itamaraty defende o interesse brasileiro uma vez que nosso estado é mais parecido com este país do que com aqueles com os quais tradicionalmente nos espelhamos.

Me incomoda ao extremo ver que o país do oriente médio que mais realiza eleições é tachado de ditadura.
A ignorância me incomoda…

Athos
Athos
10 anos atrás

desculpe pelo post duplicado.

acho que os comentaristas não entenderam este trecho abaixo:
No texto “…há quatro problemas que poderão obstruir a ascensão do país “Primeiro, não está claro que o Brasil preparou bem os fundamentos para crescimento econômico e coesão social de longo prazo, que são necessários para uma política externa ambiciosa.”.

O autor refere-se a educação. E ele tem razão. Simples não?

Freire
Freire
10 anos atrás

Amigos parabens pelos comentários.André vc comentou com espertise muito bom.

Brasil.

Reijanio
Reijanio
10 anos atrás

pedro não com tanta veemencia mais te apoio em quase tudo que quer ser grande tem que ter opnião própria, mesmo ainda que tenha que entrar num concenso mais qdo se trata de paises os interesses vem 1° depois o brasil sempre foi aliado dos EUA e no entanto no colheu frutos ta na hora de começar se desenvolver por conta propria gerando uma infra estrutura própria, e ideias próprias ta na hora do brasil começar a trabalhar seus proprios engenhos e recursos pois capacidade tem,estamos num nivel de que em 230 anos estaremos completamente aptos a dizer não a… Read more »

Alexandro
Alexandro
10 anos atrás

Esse estudo feito pelos americanos… de certa forma tem fundamento mais entendo que possui uma finalidade de amedrontar os avanços que o brasil está fazendo…
OBS: apesar de sermos uma democracia e todos terem suas opiniões, não entendo muitos comentários em relação pró-americana e olha que me esforço…

Henrique
Henrique
10 anos atrás

230 Anos? …. até lá o mundo já acabou !!!!!!

aquino
10 anos atrás

a folha adora esse tipo de comentario americano porque ela detesta o lula e seu partido um brasil bém armado seria bem respeitado pelos eua mesmo naõ tendo armas nucleares

Luandro Ivo
10 anos atrás

Onde está nossa soberania, em bater continencia aos EUA ou ter nossas proprias ideologias, tem gente encomodada com nosso crescimento economico e militar, tudo bem que ainda não somos uma grande potencia mundial, mas com certeza se continuarmos nos impondo no comercio mundial só temos a ganhar, mais territorio comercial e militar, tem gente que impom a força e o Brasil leva solução para a fauta de energia renovavel, fauta de alimentos, e de recursos minerais, imagina o zoi de tandera que os EUA estão no pré-sal, já etão querendo fazer acordos e dispondo das tecnologias de armamentos que até… Read more »

Últimas Notícias

Rússia e China realizarão treinamento conjunto no exercício Zapad/Interaction 2021

A Rússia deve se juntar a um exercício militar no noroeste da China em agosto com o tema de...
- Advertisement -
- Advertisement -