segunda-feira, dezembro 6, 2021

Saab RBS 70NG

Brasil foi surpreendido por não fazer o básico

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Paulo Rinaldo Fonseca Franco

vinheta-opiniao-forteServiços de Inteligência do mundo inteiro se utilizam de fontes de sinais, imagens e humanas para coletar e buscar dados, estratégicos ou não. Vale salientar que a “Inteligência” vem desde os primórdios. Inclusive no Antigo Testamento consta uma ordem dada por Moisés aos seus espias que dizia: “Subi ao Neguev e penetrai nas montanhas. Vede a terra, que tal é, e o povo que nela habita; se forte ou fraco. E qual a terra em que se habita; se boa ou má; e que tais as cidades em que habita; se em arraiais, se em fortalezas. (Números 13:17-20)”

É claro que utilizar-se do espectro para interceptar comunicações e/ou dados de outrem é crime, mas pergunto: qual país desenvolvido não utiliza este recurso “ilegal”? É uma hipocrisia imaginar que isto não acontece. A verdade é que os americanos grampeiam e continuarão grampeando, assim como fazem os franceses, ingleses, alemães, russos e, principalmente, os chineses. Este processo é irreversível É sempre bom lembrar que o americano foi atacado por terroristas que assassinaram cerca de três mil pessoas justamente por falha no seu serviço de Inteligência (os “grampos” falharam), que não detectou a tempo o atentado às Torres Gêmeas, em 2001.

Não afirmo que um erro justifica o outro, pelo contrário, apenas que todos, de certa forma, se utilizam de recursos deste tipo para obterem o “dado negado”. A própria imprensa, em algumas matérias investigativas, às vezes utiliza recursos que alguns consideram ilegais, para obter dados ou furos de reportagens.

Sobre este tema, o governo brasileiro poderia aproveitar estas reportagens elucidativas do GLOBO para repensar; avaliar e, se for o caso, investir mais na profissionalização do sistema de Inteligência, principalmente no que diz respeito ao seus aspectos tecnológicos, para que possa no futuro ao menos tentar neutralizar através da contrainteligência ataques invasivos aos sistemas de dados brasileiro, sejam eles estratégicos ou comerciais. O que se observa é que, diante deste escândalo, o Brasil foi surpreendido por não fazer nem o básico, e nem poderia, pois nem satélite próprio tem.

Por essas e outras, a “Inteligência” é, provavelmente, por suas peculiaridades e dificuldades, a menos compreendida e a mais mal retratada das profissões. O ex-presidente John Kennedy dizia o seguinte sobre esta atividade: “Seus êxitos não são proclamados, seus insucessos são apregoados. Por motivos óbvios, não se pode falar das operações que correm bem. As que correm mal geralmente falam por si” E foi justamente o que ocorreu desta vez no governo Obama, esta operação de Inteligência correu mal.

Paulo Rinaldo Fonseca Franco é coronel da reserva do Exército brasileiro e trabalhou por quatro anos para a Abin

FONTE: O Globo – 12/07/2013

- Advertisement -

3 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
joao.filho
joao.filho
8 anos atrás

Brasil foi surpreendido por ser Brasil…rsrsrs.

Antonio M
Antonio M
8 anos atrás

Mas para espionar rivais políticos a Abin e o governo tinham agentes à disposição e depois querem bancar os imaculados e exigindo explicações dos outros, o que não passa de manobra para tirar a atenção das recentes manifestações e de seus envolvimentos nos escândalos de corrupção e gastança.

ernaniborges
ernaniborges
8 anos atrás

Surpresos !???
No Brasil não há cultura de investimento em prevenção. Não somos proativos.

Últimas Notícias

23° Esquadrão de Cavalaria de Selva recebe instrução sobre simulador da Viatura Blindada Guarani

Tucuruí (PA) – Entre os dias 23 e 24 de novembro, o 23° Esquadrão de Cavalaria de Selva (23...
- Advertisement -
- Advertisement -