Home Feiras de Defesa Chip é projetado no Brasil para rastrear explosivos

Chip é projetado no Brasil para rastrear explosivos

247
0

bid_brasil01Apresentar soluções tecnológicas para rastreamento de uniformes das Forças Armadas e explosivos produzidos no território nacional com chips projetados no Brasil. Com esse objetivo, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) participa da II Mostra BID Brasil, que reunirá cerca de 70 empresas que compõem a Base Industrial de Defesa, em Brasília, nos dias 03, 04 e 05 de outubro (quinta, sexta e sábado). A apresentação faz parte de projeto articulado pela ABDI, em parceria com empresas nacionais de semicondutores e o Ministério da Defesa, voltado para melhoria do controle de estoque e logística de produtos desse setor, estimulando o uso de tecnologias brasileiras.

A ideia do projeto é que o Ministério da Defesa passe a incentivar os fornecedores de uniformes das Forças Armadas a utilizarem etiquetas com os chips projetados no Brasil. A mesma exigência será feita em relação às cargas de explosivos produzidos no País, que também deverão apresentar essa tecnologia nacional de rastreabilidade.

“Dessa forma, será possível identificar facilmente todas as informações sobre esses produtos, como data de fabricação, tamanho, local de produção, permitindo rastrear toda cadeia logística e de distribuição, obtendo melhor controle do estoque e estimulando ao mesmo tempo o desenvolvimento da indústria nacional de semicondutores”, destaca Maria Luisa Campos Machado Leal, diretora da ABDI.

Segundo a diretora, o Brasil já conta com essa tecnologia de rastreabilidade, com leitores e portais de leitura de chip que podem e devem ser usadas. Ela explica ainda que, em relação ao fardamento, a rastreabilidade não é novidade para o Exército, que já faz uso dessa tecnologia. No entanto, o que se pretende é priorizar o aparato tecnológico nacional já disponível, utilizando o poder de compra do Exército Brasileiro. Ou seja, estimulando os fornecedores desses produtos a priorizar a tecnologia brasileira. O potencial de demanda de etiquetas de Radio Frequency Identification (RFID) de uniformes adquiridos por cada uma das Forças Armadas, por ano, é de 7,5 milhões.

No caso da rastreabilidade de explosivos, prevista como segunda fase do projeto, haverá uma busca maior de conteúdo tecnológico. Isso porque será preciso identificar e desenvolver o processo de introdução do chip na dinamite. Uma primeira solução nesse sentido deverá ser apresentada durante a Mostra BID Brasil. Com o desenvolvimento dessa nova tecnologia, o Brasil seria o pioneiro em rastreabilidade de explosivos. Por ano, cerca de 300 mil toneladas de explosivos são produzidos no país.

Durante a Mostra Bid Brasil serão expostas pelas quatro empresas de semicondutores parceiras no projeto – Valid, Ceitec S.A, Integração Tecnologia e Sistemas (ITS) e GS1 – as soluções tecnológicas propostas para a execução da ação de articulação da ABDI e Ministério da Defesa.

II Mostra BID Brasil

Organizada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e pela Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), a Mostra BID Brasil, na Base Aérea de Brasília, reunirá as principais soluções e equipamentos tecnológicos produzidos pela indústria nacional de defesa: radares, veículos blindados, linhas de alimentos desenvolvidos para as Forças Armadas e o VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado), que pode ser usado para o patrulhamento de áreas remotas e em monitoração ambiental. Esses equipamentos são também adequados para uso civil e sistemas de rastreabilidade.

Além de conhecer os projetos ligados à defesa, os visitantes poderão verificar como as chamadas tecnologias duais – que podem ser utilizadas para fins militares e civis – estão sendo aplicadas no dia a dia da sociedade.

No dia 04 (sábado), ás 10h30, será realizado Workshop “Soluções de Defesa e Segurança”, voltado para os adidos militares estrangeiros e com palestra de representantes dos Ministérios da Defesa e de Relações Exteriores, da Apex Brasil e da ABIMDE. No dia 5, a mostra será aberta ao público.

A expectativa é de que participem da mostra cerca de 70 empresas, entre as quais a Embraer, a Avibras, a Condor e a Emgepron. “A BID-Brasil é uma oportunidade para a indústria nacional de defesa mostrar a qualidade de seus produtos a potenciais compradores”, observa o general Aderico Mattioli, chefe do Departamento de Catalogação (Decat) do Ministério da Defesa.

II Mostra BID Brasil, dias 03, 04 e 05 de outubro (quinta, sexta e sábado), na a Base Aérea de Brasília.

FONTE: Portal Fator Online

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of