Home Estratégia Dissuasão Extrarregional: assim, é só discurso

Dissuasão Extrarregional: assim, é só discurso

196
25

Leopard e M113 - 2

Por Luiz Eduardo da Rocha Paiva*

vinheta-opiniao-forteSe a Nação crê que os conflitos sempre se resolverão pacificamente, para que Forças Armadas? Se a opção é mantê-las, então que sejam capazes de dissuadir ou combater quem realmente possa nos ameaçar.

A Estratégia Nacional de Defesa pretende desenvolver um poder militar com capacidade de dissuasão extrarregional. O planejamento da defesa da Pátria, missão constitucional das Forças Armadas (FA), deveria levantar as questões com possibilidade de gerar graves conflitos, as áreas do território mais expostas a uma agressão e as potências extrarregionais capazes de ameaçar interesses vitais – soberania, integridade territorial e exploração soberana dos recursos nacionais.

Poucas potências, a não ser EUA e alguns aliados da OTAN, China e Rússia têm ou terão capacidade de deslocar e manter forças em operações continuadas contra o Brasil. Não há contenciosos indicando ser provável um conflito armado no presente, mas há essa possibilidade no futuro, deduzida a partir de documentos sobre tendências geopolíticas e geoestratégicas como o Global Trends 2025 (Conselho Nacional de Inteligência dos EUA) e o Strategic Global Outlook 2030 (Academia de Ciências da Rússia).

A supremacia militar dos EUA no continente americano impedirá, por muito tempo, que Rússia ou China ameacem militarmente o Brasil. Mas tal restrição não seria feita a aliados como França, Grã-Bretanha e outros, que têm interesses na Amazônia e no Atlântico Sul, desde que eles não comprometam a sua liderança.

É improvável uma ampla invasão do território nacional, pois sua profundidade e extensão inviabilizam uma ocupação de grande amplitude, o preço para mantê-la seria impagável; o conflito evoluiria para uma arriscada e custosa guerra de resistência; e seria difícil encontrar amparo moral ou legal para intervenção de tamanha magnitude.

Porém, num conflito por interesses vitais, se o Brasil resistir a pressões políticas, econômicas e psicossociais, o oponente (ou coalizão) poderá escalar o contencioso por meio da ocupação ou bloqueio temporário de área limitada, mas de valor econômico ou geopolítico, ou então, pela destruição ou paralisação de parte da nossa infraestrutura crítica, realizando ataques aeronavais ou cibernéticos. Tais hostilidades cessariam ou não se concretizariam, caso o Brasil aceitasse imposições atendendo aos interesses do oponente.

As áreas estratégicas mais sensíveis e expostas são a foz do Rio Amazonas e a bacia petrolífera do sudeste, seguidas por Roraima e o Saliente Nordestino. O sul do Brasil e a fronteira oeste, até a Colômbia (inclusive), são áreas pouco expostas, pois é improvável um vizinho autorizar a passagem de forças de potências extrarregionais. Além disso, do centro-oeste para o norte, os Andes dificultam a logística do agressor e as poucas estradas incidem em áreas periféricas do País, onde o inimigo enfrentaria uma guerra não convencional em selva, contra forças especializadas, tendo a vantagem tecnológica restringida.

Na foz do Rio Amazonas e na bacia petrolífera do sudeste, ao contrário, o Brasil faz fronteira diretamente com a OTAN nas guianas, cujos países têm fortes ligações de dependência com potências extrarregionais, o acesso pelo mar se faz diretamente a áreas de alto valor estratégico e o Comando Sul e a IVª Frota dos EUA estão logo ali na Flórida.

Ficou claro os que podem, como podem e onde podem intervir no Brasil, sendo estes os focos do planejamento da dissuasão.

Para não ser mero discurso, a dissuasão extrarregional precisa de um Projeto Conjunto de Defesa, reunindo as três Forças (algo nunca pensado), capaz de neutralizar ou desgastar uma esquadra ou exército inimigo longe do litoral ou da fronteira oeste, nesta prioridade.

Tal Sistema de Defesa seria composto por subsistemas de Monitoramento e Controle Territorial, Marítimo e Aeroespacial, integrados e com satélite brasileiro; Forças Conjuntas de Emprego Geral e de Emprego Regional, com elevado aprestamento e mobilidade, e outras completadas por mobilização; Segurança Cibernética; Defesa Antiaérea; e Mísseis de Longo Alcance balísticos e antinavio, lançados de plataformas móveis terrestres, navais e aéreas tripuladas e não tripuladas.

Preocupa ouvir, de quem deveria saber precisamente o significado de dissuasão, declarações entusiasmadas sobre o aumento de recursos para projetos não estratégicos ou que, em o sendo, preveem uma quantidade irrisória de produtos ao longo de muitos anos.

O Exército, ressalvado o valor do soldado, está superdimensionado em número de brigadas, todas desequipadas e sem aprestamento para defender as áreas estratégicas. Quantidade não é qualidade!

Os estudos de estratégia permitem concluir que o cerne da dissuasão está nos três últimos subsistemas, exatamente onde reside nossa maior vulnerabilidade. Os mísseis de longo alcance afetarão o ânimo civil e militar do agressor, pela possibilidade de perder navios repletos de tropa muito antes do choque entre forças terrestres.Sua integração à defesa antiaérea e à guerra cibernética concretizaria a dissuasão, embora relativa, por não ser nuclear.

A liderança política está transformando a liderança militar em uma burocracia muda e submissa, sob um Ministério da Defesa partidário, servil a programas de governo mesmo se danosos à segurança nacional como é a política indigenista.

Por isso, o Congresso Nacional, por meio das Comissões de Relações Exteriores e Defesa, deveria ouvir civis interessados e militares da reserva em audiências públicas sobre o tema e, em audiências reservadas, os chefes militares da ativa, cujo dever seria o de emitir sua opinião independentemente da posição oficial.

Assim, a Nação, credora suprema da lealdade do soldado, saberia, por meio de seus representantes legais, qual a real situação da defesa nacional e do preparo das FA, como é seu direito.

As Comissões enviariam os questionamentos relevantes ao ministro da defesa, solicitando resposta por escrito ou sua presença para justificar a posição do Ministério em audiência reservada, se relevante o sigilo.

Luiz Eduardo da Rocha Paiva é General na Reserva. O artigo foi censurado para publicação em um grande jornal de São Paulo.

FONTE: Alerta Total

25
Deixe um comentário

avatar
25 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
Mauricio R.MAD DOGeduardo.pereira1Uitinãjoseboscojr Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
abdiel pinheiro
Visitante
abdiel pinheiro

Ai sim,concordo e digo mas.Nem que for pequena mas bem equipada ter uma força de ataque preventivo a curta,media e +ou- a longa distancia…

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Nada como uma voz lúcida e profissional. Chamo a atenção para o trecho;” A liderança política está transformando a liderança militar em uma burocracia muda e submissa, sob um Ministério da Defesa partidário, servil a programas de governo mesmo se danosos à segurança nacional como é a política indigenista.” Hoje temos duas hipóteses de conflitos. Uma primeira leva em conta um cenário de conflito na AL, com um vizinho. Venezuela com sua instabilidade politica. Paraguai com alguma insanidade em relação a Itaipu, e, remotamente, porque não, até a Argentina. Uma segunda hipótese leva em conta intervenção estrangeira. A rigor só… Read more »

Vader
Membro
Trusted Member

Ótimo texto.

Mas o General tergiversa: o REAL inimigo está aqui dentro. E ele sabe quem é.

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

Depois de ler com muita atenção o texto do General, me permito a seguinte TESE: nas condições atuais não defenderemos nada. Depois de um rápido e planejado ataque e destruição da nossa indústria, aeroportos, navegação a cargos de VANTS e míssies, a criação de áreas de exclusão, pelo simples passar do tempo (sítio) derrotaria o país. Não temos condições de romper um bloqueio a partir da criação de áreas de exclusão (portos, aeroportos, foz de grandes rios). ——————— No norte, o inimigo já está lá e, nem tão dissimuladamente assim, já começou a tomar o território nacional. O enclave político… Read more »

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

CORREÇÕES:

míssies > mísseis
á > já
OTAM > OTAN
nobresI > nobres

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

O que falta neste país são oficiais generais com Culhões, de forma organizada, todos de 02 a 04 estrelas das três forças colocarem os pingos nos iiiii’s, sem quebrar a ordem institucional maior, mas através de um “belo pito” e sem essa de comandante(a) em chefe, façam um manifesto urgente, isso aqui tá indo pro fundo do poço. Pago meus impostos e sou cidadão brasileiro, cumpro minhas obrigações e para quê ? “Vader 21 de janeiro de 2014 at 5:41 # Ótimo texto. Mas o General tergiversa: o REAL inimigo está aqui dentro. E ele sabe quem é.” Assino e… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

“Por isso, o Congresso Nacional, por meio das Comissões de Relações Exteriores e Defesa, deveria ouvir civis interessados e militares da reserva em audiências públicas sobre o tema e, em audiências reservadas, os chefes militares da ativa, cujo dever seria o de emitir sua opinião independentemente da posição oficial. Assim, a Nação, credora suprema da lealdade do soldado, saberia, por meio de seus representantes legais, qual a real situação da defesa nacional e do preparo das FA, como é seu direito.” Não vai acontecer, o atual Establishment não permitirá. Elles se consideram os donos do país e não governantes que… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

Caro Colombelli,

quanto aos submarinos comungamos da mesma opinião.

Seis Sub alemães, veja os link’s já seriam um enorme passo.

Nosso PROSUB é um engodo, vamos gastar U$$ 25/30 bi
e em 30 anos no seu final não teremos o que o projeto promete, mas não creio e se tivermos estará defasado.

E até lá ?

http://www.youtube.com/watch?v=–bnsO0SLn0

http://www.nti.org/analysis/articles/israel-submarine-capabilities/

Quanto as demais observações, me manifesto mais adiante.

Blind Man's Bluff
Visitante
Member
Blind Man's Bluff

Parei de ler quando o autor se “esquceu” qur hoje a maior vulnerabilidade bradileira não está na Amazonia e nem no mar. É Itaipú.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

Caro Blind Man’s Bluff

Só há dois países que podem fazer sérios danos a Itaipu.

Pelo por enquanto.

Mais ninguém.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

Corrigindo:

Pelo menos por enquanto.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Os recursos naturais do Brasil como a água potável, o petróleo do pré-sal, o minério, as grandes áreas agricultáveis, etc, para serem extraídos é preciso muito trabalho, muito dinheiro, muito tempo e muita mão de obra. Duvido que alguém venha pegar na marra tendo em vista que é mais fácil negociar, principalmente estando na mesa de negociações a raça de políticos que nos representa. Se nossos futuros governantes não meterem os pés pelas mãos e enfiar o pé na jaca em relação à nossa postura frente à OTAN não temos nada a temer. Muitos generais de teclado me chamaria de… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

E a culpa não é minha mesmo! Meu asco por futebol só não é maior que meu asco por carnaval.
rsrsssss

Uitinã
Visitante
Uitinã

Parabéns pelo belo texto, disse uma coisa sensata se esse congresso, com suas interminaveis com suas comissões escutassem civis como nós que apesar de não saber 100% da atual situação das nossas FAs, veem claramente um brasil desarmado tanto de armas em si como de moralidade cívica já seria um alento.

Hj em dia dá pra se contas nos dedos políticos com algum interesse na defesa nacional se não por interesses próprios.

Por que nos debates presidenciais não se fazem perguntas como essa o que o Sr ou Sra pretende fazer pra mudar a atual situação das nossas forças armadas.

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Boscovisk,

rs, também me junto a vc no desgostar da porcaria do carnaval, nao jogo futebol (sou horrivel,sempre fui e até em video game), e sei que por aqui este é usado prara abafar tudo de ruim que a corja que nos governa faz, mas, como toda autoridade é constituida por Deus a nós mortais só nos cabe orar e ser conciente na hora de votar (e mesmo assim continuar orando,rs).

E off topic vc tem alguma ideia dos possiveis armamentos que podem vir a serem empregados nos P-95 M (Bandeirulha)???

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Bosco, quanto ao carnaval e futebol somos dois. Não sei qual dos dois abomino mais. Pior ainda é a insistência de se vender a imagem do País calcada nisso, como farão na copa. Realmente hoje, e num futuro razoavelmente distante não haveria necessidade de eles tomarem a força o que podem comprar. Só o preço de manter uma força expedicionária sem lutar, mas apenas pra garantir posse, ja seria inviável. Mas num futuro distante as coisas podem mudar. A manutenção de uma força minimamente apta ainda deve ser uma prioridade, pois no plano do adversário as potenciais perdas que sofrerá… Read more »

MAD DOG
Visitante
MAD DOG

Colombelli. Concordo com você quando diz que não possímos tantas brigadas assim, seria necessário reforçar mais a região Norte: Diria: 01 Bgd Blindada e uma Mecanizada na região, com Regimentos distribuídos em Boa Vista, Porto Velho e Manaus (Reserva), 01 Brigada de Inf. Leve de Selva (Aeromóvel) em Manaus, 02 Brigadas de fronteira de Selva, 01 Artilharia Divisionária, 02 Batalhões de Montanha, 01 Batalhão de Aviação do Exército completo, com 03 esquadrões de manobra (H-70), 01 esquadrão de transporte (Caracal / CH-47), 01 esquadrão de ataque (Hind) e 01 de reconhecimento ataque (Esquilos), e mais algumas brigadas de infantaria de… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Eduardo,
Não sei que armas o P-95 M levará não.
Se é que levará alguma. Com certeza não tem capacidade de operar mísseis como o Exocet ou o MAN-1.
Até onde me lembro (de ter visto fotos) ele levava dois casulos com 7 foguetes de 70 mm cada.
Talvez seja usado só mesmo para patrulha.

Um abraço a todos.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Uma boa opção hoje em dia seria armá-lo com foguetes de 70 mm guiados a laser, tipo APKWS II, DAGR, etc.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Mad Dog Não sei se na região de Manaus e Porto Velho haveria terreno apto a operação com blindados. pois embora a Amazônia não seja somente selva, a presença de muitos curso de água dificultaria muito a operação. Outrossim, as forças blindada e mecanizadas tem valor sobretudo quando emassadas. Este foi o motivo do sucesso alemão nas Ardenas em maio de 1940. O numero de carros não era superior aos franceses, mas o emprego conjunto permitiu extrair o máximo dos fatores diferenciais das forças blindadas: velocidade, poder de fogo e blindagem que se traduzem em uma expressão: “poder de choque”.… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

OFF TOPIC…
…mas nem tanto:

O translado de 25 CC M-41C para o Uruguai, será pago pelo governo brasileiro.

(http://snafu-solomon.blogspot.com.br/2014/01/uruguay-receives-m41c-light-tanks-from.html)

Brasileiro é bonzinho!!!

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares

Caro Bosco, Concordo em 99%. Caro Colombelli Concordo em 99% Não nos esqueçamos da ampliação da BABV, um esquadrão e mais um amplo apoio para receber aerotransportes geral. Caro Mauricio R. Concordo 100% Na AL creio que só o Brasil faz isso. Esquecem que isso não é delles, mas patrimônio público, portanto nosso. Acham que vão levar alguma vantagem para uma vaga no CS que nunca acontecerá. Ademas o voto desse pessoal tem o mesmo peso do voto da Eritréia. Veja um exemplo: As Fach venderam, isso mesmo venderam por U$$ 10 milhões 10 Dragonfly para El Salvador, com direito… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Member
Carlos Alberto Soares
eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Valeu pela resposta Bosco !!

Sds