segunda-feira, agosto 2, 2021

Saab RBS 70NG

CTEx conclui com sucesso etapa de integração do canhão Rheinmetall MK30-2/ABM

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

TORC-30-GUARANI

O CTEx concluiu, com sucesso, a etapa da integração do CANHÃO RHEINMETALL MK30-2/ABM em estativa, para o desenvolvimento do sistema de alimentação do Canhão. O próximo passo será o teste do equipamento com a realização do tiro e, posteriormente, integrá-lo à Torre Operada Remotamente e Estabilizada para Canhão 30mm (TORC30).

A atividade de integração do canhão foi realizada pela Seção de Armamento e Munição da Divisão Bélica, no período de 26 a 29 de maio, e contou com o apoio da Seção de Apoio Mecânico, com operações de usinagem de algumas peças; da Divisão de Tecnologia da Informação, para transporte da estativa e do canhão com a viatura Munck; e de técnicos das empresas ARES, ELBIT e RHEINMETALL.

Em julho, serão realizados os primeiros testes em estativa para verificar o funcionamento do sistema de alimentação adotado e eventuais necessidades de correções no projeto, antes da produção do protótipo operacional da TORC30.

A Torre será integrada a uma nova versão do Guarani e funcionará remotamente. O projeto é financiado pela FINEP.

FONTE: www.ctex.eb.br

- Advertisement -

36 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
7 anos atrás

Ao menos os projetos envolvendo o Guarani estao caminhando enquanto nao se tem nem mais noticias sobre Pantsir ou afins.

Sds.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

O Ocidente procura prover capacidade de defesa antiaérea numa grande quantidade e variedade de meios no campo de batalha, em veículos de combate multi-propósitos. Diferente dos russos, que ainda confiam em veículos antiaéreos especializados, como o Pantsir e o TOR. No Ocidente, a tendência é que haja uma grande variedade de veículos com capacidade antiaérea colaborando na defesa de baixa altitude na linha de frente, sem radar próprio e de curto alcance. Na retaguarda ficam os sistemas de médio e grande altitude, de menor mobilidade, mas de grande alcance, facilmente camufláveis e com capacidade todo-tempo. Esse canhão vai mais ou… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Correção: Quis dizer “Tunguska e TOR” e não “Pantsir e TOR”.

marciomacedo
marciomacedo
7 anos atrás

Como será feita a direção de tiro do canhão?

Uitinã
Uitinã
7 anos atrás

Vamos ver se todas as versões previstas se encaminham e saem do papel, a versão com um canhão de 90 mm e uma que eu mas espero pra se ver, ainda se tem boatos de uma com um canhão de 105 mm, e outra ainda com a função de um morteiro auto propulsado, não sei ao certo se seria armado com o morteiro nacional de 120 mm ou outro modelo importado.

Lyw
Lyw
7 anos atrás

Uitinã,

“(…) ainda se tem boatos de uma com um canhão de 105 mm, e outra ainda com a função de um morteiro auto propulsado, não sei ao certo se seria armado com o morteiro nacional de 120 mm ou outro modelo importado.”

Na verdade sobre a versão equipada com torre armada canhão de 105mm não existe boato, ela está prevista no programa VBR-MR do EB.

Sobre a versão morteiro auto-propulsado esta sim ainda está no campo da discussão, o que está previsto mesmo é uma versão porta-morteiro de 120mm, com preferência por um morteiro nacional.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Marcio, Se você está se referindo á direção de tiro no caso de ser usado na função antiaérea, ela será via os optrônicos (TV, câmara térmica e telêmetro laser) que já são usados na versão com canhão Mk-44. A torre é estabilizada e o sistema optrônico é dotado de tracking automático. O alerta seria dado por um radar na retaguarda (Saber 60 ??) ou visualmente, pelos tripulantes do veículo. Uma opção mais avançada e mais específica para a defesa antiaérea (por exemplo, substituindo o Gepard, futuramente) poderia prover a substituição do sistema de sensores independentes por um sensor de vigilância… Read more »

marciomacedo
marciomacedo
7 anos atrás

Obrigado, Bosco, pela sua competente explicação.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Vale salientar que o fato do canhão Mk-30 da Rheinmetall ter uma cadência um pouco maior que o Mk-44 não faz o Guarani um veículo antiaéreo, no máximo, só o habilita a melhor desempenhar eventualmente essa função. Um sistema antiaéreo baseado em canhão que usa munição de impacto (de 20 a 35 mm) pra ser realmente eficaz tem que ter uma cadência de tiro bem grande, geralmente maior que 1000 tiros por minuto. (Os que usam canhão com projéteis pré-fragmentados, com explosão aérea, têm cadência de 120 a 1100 t/min.) O Mk-30, operado a gás, tem cadência de 750 t/min… Read more »

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

bosco, quando estudei uma torre antiaérea/anti helicóptero relativamente barata, para o substituto do Cascavel/Urutu, pouco antes da falencia da ENGESA, considerei o uso do ADAD como sensor principal do sistema.

Infelizmente não tive tempo para desenvolver a ideia.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Interessante Bacchi!
Esse tipo de sensor (como o ADAD) tem sido, ao meu ver, menosprezado, mas o conceito é fantástico. Só os britânicos, e mais recentemente os alemães, parece que adotaram o conceito em larga escala.
Deverá ser mais usado no futuro, onde a discrição será o maior fator de sobrevivência.
Quando tiver tempo fale mais dessa torre antiaérea em que trabalhou.
Um abraço.

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Posso estar errado mas o Guarani parece começar a tatear em indefinições. Se o canhão em questão na vai trazer grande vantagem, qual o motivo de sua incorporação? É um teste ou há pretensão de utilização? Qual a lacuna que ele cobre? A mesma situação ocorre no carro armado de canhão. Primeiro, aparentemente ia ser de tres eixos com canhão 90. Depois passou-se à ideia de um com 04 eixos e canhão 105 por conta de pedidos externos ( os argentinos teriam dito). Ora, o EB quer um 105mm? Há mercado efetivo para um carro 04 eixos e canhão 105mm… Read more »

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

Colombelli, a especificação oficial do EB para o Veiculo de Reconhecimento da familia Guarani MR dita: Requisitos Operacionais Básicos (ROB) nº 02/11, Viatura Blindada de Reconhecimento – Média de Rodas (VBR – MR) item 2) Possuir silhueta baixa, altura máxima de 2,30 m (dois vírgula trinta metros), excluindo a torre e o armamento. (Obs. de RJSB: Para o VBTP a altura máxima é de 2,60 metros) item 5) Possuir trem de rolamento, no mínimo, do tipo 6×6 (seis por seis). item 63) Possuir torre com movimento horizontal de 360º (trezentos e sessenta graus), guarnecida por dois homens (comandante e atirador).… Read more »

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Esta torre denominada TORC-30 tem pouco de tecnologia nacional… pois sensores e canhão serão importados.

O mesmo canhão Rheinmetall MK 30-2 ABM equipa, por exemplo, os Piranha IIIC usados na função de reconhecimento. Equipa também os PUMA IFV (Infantry Fighting Vehicle) da Alemanha.

Sds.

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Bacchi de fato não é um condicionamento para o 03 eixos canhão 90mm. Mas o indicativo que se tinha é de que o EB tinha batido o martelo por ele exclusivamente. Inclusive há imagens de possiveis protótipos na internet. Segundo circulou, o projeto de 04 eixos canhão 105 foi apresentado à FINEP após instâncias de estrangeiros notadamente dos argentinos. Um projeto desta magnetude não pode ficar ao sabor de conveniências. Precisa haver no EB definição logo acerca do que quer. Ou so ou, ou so outro ou os dois, e neste caso em que percentual e para que função. isso… Read more »

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

Colombelli, eu venho acompanhando esta questão do VBR desde o dia em que entrevistei o Gal. Cristino, o Cel. José Carlos e auxiliares, para o 1º artigo sobre o VBTP, anterior a LAAD 2009, e que foi apresentado no sitio TecnoDefesa.com. Depois disto eu e Helio Higuchi fomos visitar a fabrica da IVECO em Minas Gerais e junto com Paulo Bastos foram escritos mais artigos na T&D, acompanhando todo este desenvolvimento (VBTP-MR e VBR-MR). Completando a informação anterior: os Requisitos Operacionais Básicos (ROB) nº 02/11, Viatura Blindada de Reconhecimento – Média de Rodas (VBR – MR), mencionados por mim, foram… Read more »

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Justamente Bacchi, me parece que isso que não pode ficar assim solto sem uma definição. Afinal o EB quer um 4×4 e com canhão 105mm? Isto que eu quero descobrir. Nosso mercado interno será 350 carros. Isso justifica criar um protótipo e desenvolver?

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

Colombelli, 1 não entendi de onde você tirou este 4X4 com canhão de 105 mm!?!?!? 2 veja, se fosse um carro inteiramente novo: nova estrutura, nova suspensão, novo motor, nova transmissão, nova suspensão, eu diria que estaria no limite dos 500. O exército alemão está introduzindo um VBCI integralmente novo, o Puma, baseado numa produção de 342 carros. Note que o Puma é um veículo mais sofisticado e caro que o Guarani. Ao passar do Guarani VBTP-MR 6X6 para o VBR-MR 8X8, trata-se principalmente de uma nova estrutura, sendo usado o mesmo tipo de elementos de suspensão (mais 2 elementos… Read more »

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Bachi escusas, errei. O meu 4×4 era eixos e não rodas. É o seu 8×8. A cavalaria brasileira precisa de 350 carros nada mais.Se formos dividir entre carros de 8 e 6 rodas vai dar poco mais de 175 de cada tipo. Vale o custo de adaptação? Ainda duvido muito que sejam criadas unidade de CC nas brigadas. Se partirmos do pressupostos de de 06 brigadas mecanizadas, daria 1200 a 1300 caros ali pelo menos, e o resto pra fechar os 2000 e poucos veiculos ( mais 700 e poucos) vai pra cavalaria. Não vejo lastro na conta para criação… Read more »

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

Colombelli, OK.

Abraços

Bacchi

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
7 anos atrás

Caros Bacchi & Colombelli

Uma “adaptação” ou “tropicalização” do Centauro ?

Abs

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Carlos, acho que vai ficar um tanto diferente pelo que corre na internet, pois vai usar algumas partes do veiculo de transporte, ao passo que o Centauro foi feito do zero.

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

REPITO aqui o que já disse em outros fóruns. Acho que esta interpretação de que esta versão do Guarani seria “anti-aérea” é ERRÔNEA, para mim é uma unidade de infantaria OTIMIZADA para atuação nos pontos centrais de grandes centros urbanos. Locais como o centro do Rio, São Paulo, outras capitais e outras cidades de maior porte possuem prédios altíssimos no seus centros urbanos onde unidades blindadas podem se ver indefesas por oposição com misseis/RPG operadas por um só combatente postada em prédios altos. Situações vividas pelos americanos no Iraque e por israelenses. Estas unidades poderiam se defender melhor dentro dos… Read more »

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Outra hipótese de utilização desta unidade é estacioná-las protegendo um quadrilátero (praça ou evento) circulado por numerosos prédios altos. Pode-se integrar seus sensores a um sinal laser modulado a uma frequência específica.
Um drone sobre o evento que identifique um alvo não coberto pelos atiradores pode iluminá-lo para que Guaranis dotados da torre Torc-30 possam obliterar o alvo em emergência.

Criativo não ???

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

Gilberto, por favor, qual é o angulo de elevação máximo de tiro da TORC-30?

Eu ainda não conheço este valor!

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Também não sei o valor preciso Bacchi mas formulei minha teoria inicialmente pelas fotos do fabricante que mostram a torreta geralmente em ângulos elevados. Minha impressão AUMENTOU no momento que li este post fala especificamente num trabalho de integração específico PRÉVIO a própria integração ao Guarani !!! O trabalho que o post relata me dá a IMPRESSÃO que o pessoal do CTEX escolheu um canhão que naturalmente tem um elevado angulo de elevação e este trabalho de pré-integração seja TALVEZ seja justamente para tornar ainda maior a sua capacidade de alta elevação (com provavelmente uma atenção especial para aumentar a… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Gilberto, Eu pelo menos fiz minhas observações baseadas no que foi inicialmente divulgado pelo EB quando há alguns meses citaram que estariam integrando o canhão Mk-30 alemão. Mas só pra deixar claro, eu não disse que ele seria “antiaéreo”, e sim que teria melhor capacidade se essa função fosse exigida, tanto pelo maior ângulo do canhão, quanto pela maior cadência de tiro. Apesar do Mk-44 da “versão original” proposta para o Guarani poder chegar a 600 t/minuto, é geralmente limitado a 200 t/m, e não conheço nenhum caso em que ele tenha usado um motor elétrico de maior capacidade (8… Read more »

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Na internet só há informação sobre o angulo máximo de depressão -10º que é um valor alto.

O limite de elevação não conta nos vários carros que usam este canhão (baseados na torreta Lance) por exemplo os Puma, sempre destacando ser um canhão de elevada acuracidade e para tiro de longas distâncias.

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Bosco na verdade pelo visual da torreta do Guarani em comparação a da torreta Lance que equipa o Puma do exército alemão dá para inferir claramente o APPROACH de projeto favorecendo o uso em grandes ângulos de elevação. Este ponto me ficou evidenciado por um artigo que li sobre perdas americanas e israelenses por mísseis e RPGs em zonas urbanas densas onde o grau de elevação máximo destas unidades blindadas limitava seu uso em centros urbanos com prédios muito altos e ruas e avenidas estreitas. Ou eu sou otimista e o EB está fazendo um blindado otimizado para ação em… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Vale salientar que o canhão Mk-30 ABM recebe a designação ABM por ser compatível com munição de explosão aérea (air burst), usando espoleta programada tipo AHEAD, que lança uma quantidade programada de “fragmentos” para a frente, formando um cone. Mesmo se não for usado a cadência máxima de cerca de 800 t/min, e sendo mantida a mais comum de 200 t/min, o veículo com ele armado será mais apto na função antiaérea (principalmente antihelicóptero). Parece que só a munição tipo AHEAD (KETF), semelhante ao usado pelo canhão AA 35/1000 é usada, sendo pouco útil contra alvos protegidos em trincheiras ou… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Gilberto, Não duvido que a TORC 30 possibilite maior ângulo de elevação, o que seria mesmo interessante para operações urbanas. Vale salientar que veículos antiaéreos foram aproveitados nos combates urbanos, haja vista o LAV-AD (canhão GAU-12), justamente por ter grande cadência de tiro e grande ângulo de elevação. Também cogitou-se uma versão A3 do M-1, que dentre outras características tinha um canhão com maior ângulo de elevação, justamente para otimizar seu uso em operações urbanas. Seja visando a função antiaérea secundária ou priorizando a operação em centros urbanos, parece que o Guarani com a torre TORC 30 fará as duas… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

http://www.tecnodefesa.com.br/materia.php?materia=899
Essa foi a divulgação inicial da TORC 30 sendo integrada ao Guarani, feita LAAD 2013.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Tanto o canhão americano Mk-44 usado na torre israelense quanto o canhão alemão Mk30-2 ABM usado na torre nacional calçam o mesmo calibre 30 mm x 173 mm. O canhão americano é do tipo “corrente” e tem uma cadência de 200 a 600 t/m (na dependência do motor elétrico), enquanto o canhão alemão é operado a gás e tem uma cadência de 200 a 800 t/m. Ambos, quando usados em veículos de terra têm a cadência geralmente limitada a 200 t/min. Ambos são capazes de disparar munição tipo ABM. O Mk-44 dispara (quando adaptado para fazê-lo) o projétil Mk310, do… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Tanto o canhão americano Mk-44 usado na torre israelense quanto o canhão alemão Mk30-2 ABM usado na torre nacional calçam o mesmo calibre 30 mm x 173 mm. O canhão americano é do tipo “corrente” e tem uma cadência de 200 a 600 t/m (na dependência do motor elétrico), enquanto o canhão alemão é operado a gás e tem uma cadência de 200 a 800 t/m. Ambos, quando usados em veículos de terra têm a cadência geralmente limitada a 200 t/min. Ambos são capazes de disparar munição tipo ABM. O Mk-44 dispara (quando adaptado para fazê-lo) o projétil Mk310, do… Read more »

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

bosco, é um prazer ler teu comentário!!!

Factual e preciso!

Parabens!

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

A questão que fica (para mim) é se teremos um programa de desenvolvimento ou mesmo capacidade técnica para produzir localmente a munição AHEAD…

Para usar plenamente a capacidade deste canhão do Guarani.

Últimas Notícias

Rússia e China realizarão treinamento conjunto no exercício Zapad/Interaction 2021

A Rússia deve se juntar a um exercício militar no noroeste da China em agosto com o tema de...
- Advertisement -
- Advertisement -