Home Noticiário Internacional Exército da Colômbia retoma plano de comprar tanques e prioriza M1A1 e...

Exército da Colômbia retoma plano de comprar tanques e prioriza M1A1 e Merkava IIIC

5434
78
Abrams M1A1 na Chong Ju- foto MoD Australia
Carros M1A1 do Exército australiano em manobras

Roberto Lopes

Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa

Representantes da empresa americana General Dynamics Landing Systems (GDLS) estarão no mês que vem em Bogotá para continuar os entendimentos com o Exército da Colômbia acerca do plano dessa instituição de incorporar um pequeno lote de main battle tanks (tanques principais de batalha).

A princípio os colombianos planejam adquirir 44 unidades, o suficiente para mobiliar dois batalhões blindados.

Em meados de 2011, durante o I Congresso de Blindados promovido pela Escola de Cavalaria do Exército colombiano, os militares locais selecionaram os seis modelos de carro de combate pesado que melhor se encaixariam nos requisitos técnico-operacionais definidos (desde 2010) por sua corporação: Mantak Merkava IIIC (chassis do Merkava IV com a eletrônica do Merkava III), de Israel – à época considerado o mais indicado –; M1A1 Abrams, americano; K1A1, sul-coreano; Nexter AMX-56 Leclerc francês; Arjun Mk. 2 hindu e MBT 2000 chinês.

Nessa época, a ideia era de que a Colômbia pudesse importar entre 64 e 68 exemplares de uma dessas viaturas, quantidade considerada adequada à dotação de uma brigada blindada.

Remoção – Também nesses dias, ao saber que a escolha dos colombianos priorizara blindados novos, deixando de fora o lendário Leopard, o governo alemão providenciou a abertura de uma Adidância de Defesa na Colômbia, removendo de urgência seu adido militar em Buenos Aires (um capitão de fragata aviador) para Bogotá.

A Embaixada de Berlim na Colômbia recolhera a informação (verdadeira), que boa parte dos oficiais da Cavalaria colombiana tinha grande admiração pelos préstimos do Leopard. Assim, em questão de semanas, o novo adido comparecia ao Ministério da Defesa local acompanhado de executivos da empresa Kraus-Maffei Wegmann GmbH, de Munique, fabricante do blindado.

Mas os germânicos não foram os únicos que tentaram se habilitar à condição de fornecedores de tanques pesados para a Colômbia.

A corporação russa LKZ apressou-se em oferecer o seu T-80, desenvolvido entre o fim dos anos de 1970 e o começo da década seguinte, como uma resposta ao Abrams e ao Leopard. Como o M1A1, o T-80 é movido a turbina, mas é 20 toneladas mais leve e bem mais rápido, na estrada, que o veículo americano.

Merkava 1
Tanque Merkava do Exército israelense

Estudo secreto – Em maio de 2012, ante o anúncio da compra de tanques russos pelo Exército da Venezuela, o comando da Força Terrestre israelense dispôs-se a ceder aos colombianos até 40 exemplares da versão original do Merkava III, de 65 toneladas, a um preço unitário em torno dos 5 milhões de dólares (ou um pouco mais, dependendo do nível de sofisticação dos equipamentos de auxílio à pontaria do canhão).

O lote seria entregue acompanhado de aproximadamente 20 viaturas IFV Merkava Namer, de transporte de tropas sobre lagartas.

Nessa época o governo de Bogotá mantinha estreita cooperação militar com o de Tel-Aviv, por causa das negociações em curso para a importação de caças Kfir e de VANTs (Veículos Aéreos Não Tripulados) Hermes 900. Do lado israelense, entre os defensores da transferência dos blindados à Colômbia estava o próprio ministro da Defesa israelense, Ehud Barak (que, mais tarde, por ocasião da venda dos drones, faria uma visita oficial ao país sul-americano).

A não conclusão do negócio pode estar ligada às conclusões de um estudo secreto feito pelo Exército colombiano na província de La Guajira, no extremo noroeste de seu território – uma região de terras planas e grandes zonas arenosas, fronteira com a Venezuela.

De acordo com o que o ForTe pode apurar, a avaliação mostrou: por seu peso, o Merkava – de 65 toneladas – enfrentaria dificuldades para se deslocar no solo fofo da chamada Guajira colombiana. O problema, para ser minimizado, exigiria obras viárias extensas, especialmente de reforço em leitos de rodovias e em obras de arte (pontes, viadutos, etc.).

Merkava e Abrams são viaturas consideravelmente parecidas.

Segundo as informações obtidas pelos militares colombianos, o carro americano – que a divulgação da GDLS apresenta como tendo um peso de 61,5 toneladas –, pronto para combate, seria apenas duas toneladas mais leve que o seu concorrente de Israel – isto é, deslocaria 63 toneladas.

As duas viaturas empregam um armamento principal do mesmo calibre – 120 mm –, e até seu valor unitário oscila no mesmo patamar, de 5 a 6,5 milhões de dólares. A grande diferença entre eles é a motorização. O Abrams é movido por uma turbina Honeywell; o Merkava por um propulsor a diesel de 1.500 cv.

k1a1_l3
O K1A1 coreano é fabricado pela Hyundai

 

Coréia – Outra opção considerada aceitável pelos militares colombianos é a do tanque pesado Hyundai K1A1, de 53 toneladas – versão mais robusta do conhecido K1 –, que começou a ser produzido no último trimestre de 2001.

O modelo A1 incorpora o canhão M256, de 120mm (também utilizado pelo Abrams), cujo alcance é uma vez e meia maior que o da peça de 105mm da viatura K1. A arma é assistida por dois sistemas de visada, apontamento e controle de fogo desenvolvidos na Coréia.

Além disso, o A1 foi dotado da chamada “chapa blindada especial coreana” (KSAP, na sigla em inglês), de muito maior resistência que a blindagem original do K1.

Entretanto, nesse momento, a alternativa coreana enfrenta, na Colômbia, sérios problemas políticos.

Com um crescimento do Produto Interno Bruto em torno dos 4% anuais, e diante da forte redução de verbas para compras militares ocorrida no Chile e no Brasil, a Colômbia se converteu, nos últimos dois anos, no principal alvo sul-americano de corporações de tecnologia militar de ponta, como a coreana LIG Nex1, fabricante do míssil anti-navio Haeseong (mais conhecido no Ocidente como CStar).

A Marinha colombiana está, contudo, profundamente desgostosa com a forma com que os coreanos estão tentando compensar a compra feita por Bogotá, em 2013, dos engenhos Haeseong.

O governo da Coreia se comprometera com um offset baseado em transferência de tecnologia de mísseis, mas, em vez disso, ofereceu uma velha corveta classe Donghae, rebatizada na Esquadra colombiana como “Nariño”, fabricada pela corporação Daewoo no início da década de 1980. Em função de seu forte desgaste, o navio vem apresentando diversos problemas.

Os colombianos já enterraram mais de 18 milhões de euros (cerca de 54 milhões de Reais) na reforma da embarcação, e ainda não ficaram satisfeitos com o seu desempenho…

Leopard EB
Leopard 1A5 do Exército brasileiro

 

Leopard – E a solução Leopard? Está descartada?

Bem, não exatamente.

Em 2011 a oferta feita pela KMW à Colômbia, de carros Leopard 2 usados, foi “atropelada” por uma proposta de última hora apresentada pelo Exército chileno à Força Terrestre colombiana, de 100 tanques Leopard A1 pelo valor unitário de 1,5 milhão de dólares – cotação três vezes mais barata que a de um modelo Leopard A2 de segunda mão.

É importante notar que, agora, a Kraus-Maffei tem, na América do Sul, um novo e significativo argumento a favor do Leopard 2: a possibilidade de prover a manutenção da viatura na filial que inaugurou, ano passado, no município gaúcho de Santa Maria.

Este ano, a fábrica da KMW sediada num terreno às margens da rodovia BR-287, (Canoas-São Borja) deve ganhar uma pista para testes de blindados, e começar a aceitar contratos para a manutenção de blindados Leopard de outros países.

78
Deixe um comentário

avatar
78 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
30 Comment authors
Juan Carlos Esquivelbolsa1995KojakIväny JuniorThomasDW Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Lyw
Visitante
Lyw

Mekava contra T-72 recalchutado é pra fazer o inimigo chorar!

Rubão
Visitante
Rubão

Há alguma notícia a respeito do Brasil projetar um novo Blindado de Combate?

Delfim
Visitante
Delfim

Que me perdoem os messingélicos, mas o Merkava só é bom no Oriente Médio, seu peso e tamanho são excessivos pro TO da AL.

Colombia deve ir de Abrams ou Leopard, que garantem suporte sério.

Wellington Góes
Visitante
Member
Wellington Góes

Se eu fosse do EC, eu optaria por um CC mais leve (ou menos peso, que seja).

Delfim
Visitante
Delfim

Então, um Leopard 1 com upgrade cairia bem, sairia mais barato e com suporte brasileiro.

Pra enfrentar vizinhos bolivarianos mortos de fome e a FARC está de bom tamanho.

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Merkava IIIC e Leclerc são os piores da lista. O primeiro é uma gambiarra, o segundo tem manutenção caríssima.

Arjun Indiano é outro bem dispendioso. Reza a lenda que a turbina do Abraams é de dificil manutenção. O carro chinês por sua vez é duvidoso pela procedência. Sobre o coreano nada sei.

O Leopard-2 continua reinando soberano se tratando de MBT’s. Ainda é o carro a ser batido.

Duvida: os ucranianos chegaram a oferecer o OPLOT? Vemos muitos elogios sobre esse MBT.

Melky Cavalcante
Visitante
Melky Cavalcante

Seria mais sábio a Colômbia comprar um grande numero de Tanques usados (Leopar1 – T-72) e fazer um upgrade e ter uma boa quantidade de CC do que um Punhado CC modernos, dos concorrentes eu optaria pelo T-80, por ser mais barato e mais leve e ser ainda capaz para o TO colombiano, mas CC movido a turbina é coisa pra quem tem $$.

Danilo José
Visitante
Danilo José

Leopard 1A5, mais leve, manutenção garantida e perto (KMW do Brasil), pode se ter muitos por valores menores, M1 Abrams de longe o mais pesado, cerca de 65 toneladas, vai afundar iigual pedra nos pantanos da colombia e amazônia, o Merkava a mesma coisa carro bom mais pesado e caro, os outros caros demais, pessoalmente Leopard tem muito a oferecer pelo o que custa.

claudio quadros
Visitante
claudio quadros

Prefiro lepard para execito colombiano casavel dando apoio de fogo

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Delfim escreveu em 6 de fevereiro de 2015 at 15:34 # “… Que me perdoem os messingélicos, mas o Merkava só é bom no Oriente Médio, seu peso e tamanho são excessivos pro TO da AL. Colombia deve ir de Abrams ou Leopard, que garantem suporte sério. …”, Tirando o fato de que eu não sei o que é suporte sério, afirmo que Delfim está bastante enganado em relação ao peso e tamanho do Merkava. Ou seja: Merkava 3 Peso de combate: 65 toneladas Tamanho do chassis >>> comprimento 7,97 metros e largura: 3,74 metros Abrams M1A2 Peso de combate:… Read more »

Paddy Mayne
Visitante
Paddy Mayne

leclerc = roubada.

Abrams é para quem pode. Só na ignição da turbina vão-se 30 litros de combustível.

Sobre o Merkava é como diz a reportagem: tem que adaptar o terreno ao carro, o que me parece uma inversão do conceito moderno de mobilidade em cavalaria.

Leopard parece o mais racional.

E o carro coreano? Fariam revisão na CAOA?

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Paddy Mayne escreveu em 6 de fevereiro de 2015 at 19:45 #

“… Sobre o Merkava é como diz a reportagem: tem que adaptar o terreno ao carro, o que me parece uma inversão do conceito moderno de mobilidade em cavalaria. …”.

Por favor, você poderia esclarecer este seu comentário?

Obrigado

Aurélio
Visitante
Aurélio

Caro rsbacchi,

Supondo que o tanque ” Osório ” tivesse sua produção levada adiante como êle estaria frente a êstes tanques que a Colômbia quer adquirir ?

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Seria uma excelente opção pelo peso reduzido: apenas 42 toneladas.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Bacchi,

Acho q o que o Paddy Mayne queria dizer, é q a Colômbia deveria terraplanar o país inteiro, e depois passar o rolo para compactar… Ai daria para operar CC pesados…
kkkkkk

To brincado =D

Paddy Mayne
Visitante
Paddy Mayne

Prezado Bacchi,

O autor da reportagem cita que o merkava seria inadequado para determinados terrenos da Colômbia (a tal Guajira), e que para minimizar o problema seriam necessárias “obras viárias extensas”. Foi isso que quis transmitir ao dizer “adaptar o terreno ao carro”.

Me parece mais racional procurar um CC compatível com o terreno local, e não o oposto.

abs

Marcos F.
Visitante
Marcos F.

Não entendi! Porque afetaria somente o Merkava? Todos tem pesos parecidos, é devido ao q?

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Marcos F., não afetaria só o Merkava.

Afetaria de forma praticamente igual os 3 MBTs relacionados pelo Bacchi. Foi isso que ele quis mostrar.

Se efetivamente a massa total do MBT for um problema para os colombianos eles terão que partir para MBTs “menos pesados”, como o K1A1 e o Leclerc, com menos de 55T, o que também não é lá uma grande diferença, a bem da verdade.

Paddy Mayne
Visitante
Paddy Mayne

leopard 2A4: 55 ton.

Mas acho que a relação peso/m2 de área de contato com o solo seja mais válida do que o peso em si. alguém sabe do assunto?

Marcos F.
Visitante
Marcos F.

Obrigado pelo esclarecimento Rafael Oliveira!

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Essa ideia que o Merkava é menos móvel que o M-1 pra mim é completamente equivocada. Essa impressão vem porque os israelenses nunca colocaram o Merkava como sendo um produto de exportação e por outro lado, devido às dimensões de Israel, passou-se a ideia que o tanque só servia para aquele país. Salvo alguma outra característica que me foge ao entendimento, os dois MBTs têm basicamente a mesma massa e a mesma relação potência x peso. Tirando o fato que o M-1 usa uma turbina, que teoricamente lhe conferi algum grau de “resposta” mais rápida (????), de resto não há… Read more »

Iväny Junior
Visitante
Member

Pra parcos recursos, qualquer vetor é sub-operado. Se a verba de defesa da Colômbia é baixa, melhor pegar uma viatura mais antiga e robusta.

Neste aspecto, nada supera o Leopard 1A5. Leopard 2 é pra quem tem bala na agulha.

Kojak
Visitante
Kojak

Negocia com os Chilenos, arremata o lote de Leo A 1.

Faz um overhaul para Leo 1A5, na Alemanha.

Caso a KMW e a MTU aqui no Brasil possam encarar façam por aqui mesmo, o que eu tenho dúvidas.

Apertem que os centollas soltam por 1 Mi U$$.

Vai ficar ótima relação custo x benefício.

Com as coisas esquentando na Ukrania, creio que não vão liberar Leo 2.

A prioridade é a Polônia, quem sabe outro(s) no TO do problema.

Kojak
Visitante
Kojak

Interessante, não vejo o Ariete participar das “concorrências” mundo afora.

Alguém tem uma informação segura ?

Roberto Lopes ?

Roberto Lopes
Visitante
Roberto Lopes

Bom dia, Kojak O Ariete nunca foi cogitado pelos oficiais colombianos por não ter suas características adequadas aos requisitos do Exército de lá. Ó Ariete é considerado um carro comparável à versão K1, coreana, às versões iniciais do Leopard 2 e ao Arjun indiano. A última informação que obtive sobre ele, em outubro de 2014, diretamente de representantes do Consórcio CIO (Iveco Oto Melara), foi a de que sua produção — até ali dedicada quase que inteiramente à reposição dos carros operados pelo Exército italiano — será completamente desativada em 2020. A iVECO e sua associada Oto Melara continuam trabalhando… Read more »

soldat
Visitante
soldat

A Colômbia tem que escolher o melhor e o melhor é o Alemão:

Leopard na cabeça.

https://www.youtube.com/watch?v=sfpWI7OT9nw

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Paddy, usei como referencial o peso do Leo2A6, das últimas vendas.

De fato, o Leo2A4, usado, tem o peso equivalente aos demais que elenquei.

No mais, o Bosco explicou o que era essencial.

Bravoone
Visitante
Bravoone

O CV90120-T não seria uma boa opção?

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Paddy, Não tinha visto seu comentário. Achei a “pressão sobre o solo” do Leopard 2, que é de 10 psi. Vale salientar que a pressão sobre o solo pode ser dada em psi (libras por polegada quadrada) ou em quilogramas por centímetro quadrado (kg/cm²). Para transforma kg/cm² em psi multiplica-se por 14,22334. Para converter psi em kg/cm² multiplica-se por 0,07031. Tem fontes que se refere ao “ground pressure” em psi e outras em kg/cm², daí é interessante sabermos como converter para que possamos comparar. Vale salientar que a pressão sobre o solo é uma relação do peso do veículo com… Read more »

Kojak
Visitante
Kojak

Roberto Lopes

Caro Colega

Obrigado pelos comentários.

Saudações

ET

Deve ter lido minha opinião, mas o Merkava com certeza tá no páreo, ótimas relações.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

joseboscojr escreveu em 6 de fevereiro de 2015 at 23:09 # “… Outra coisa que pouco varia é a pressão sobre o solo, que no M-1A2 é de 15 psi, e no Merkava de 13,6 psi. Ou seja, o Merkava exerce menos pressão no solo que o M1A2….”. Apesar de eu ter procurado sempre acabar com o clima de “bicho papão” que injustamente é atribuído ao Merkava em comparação aos seus rivais Leo 2 e Abrams M1, eu não consigo concordar com os valores de pressão especifica que você indica. É logico que a pressão especifica é basicamente o peso… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Bacchi, Eu sempre me perguntei se a quantidade de rodas não faria diferença na prática, já que na teoria não faz, visto que a pressão sobre o solo é calculado pela relação do peso do veículo com a área das lagartas em contado com o solo. Sem dúvida ao meu ver procede o conceito de “picos de pressão”, situados abaixo das rodas, e isso pode influenciar. A que nível que ocorre essa influência é que seria interessante saber. Um Merkava III tem 12 pontos de pico de pressão enquanto os M-1A2 têm 14, o que nos passa a impressão que… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Isso de terreno fofo é miguelágem… papo-furado rsrsrs Caros colegas, as lagartas do Merkava são mais largas que as do Abrams e dos Leos, o que proporciona distribuição do peso em área e não em linha. Mas tb é verdade que as especificações de Leclerc, Challenger 2, Abrams e Leos seguem a grade da OTAN… as estradas Européias, as Bitolas de Trens, etc… é provável que o Merkava não se encaixe em todos eles e ele tb não foi projetado com esses parâmetros… …na verdade seu envelope é mais flexível para a batalha, uma vez que ele Nunca foi pensado… Read more »

orts
Visitante
orts

A matéria diz que a Colombia vai priorizar blindados novos, mas eu pensava que não estivessem mais fabricando M1’s novos, a linha de produção não está fechada?

Paddy Mayne
Visitante
Paddy Mayne

Obrigado pessoal. Aprendi bastante com os comentários.

Pergunta ao webmaster: essa fase de comentários abertos é para sempre?

Oganza
Visitante
Member
Oganza

orts, sim está. Em se tratando de Blindado, ou melhor, MBT, hj no Ocidente não existe esse papo de “novo” não… …todos eles são modernizações, algumas bem profundas, que em alguns casos fazem parecer que realmente é outro MBT. Os Leopards 2A4 do Chile podem ser elevados ao padrão 2A6 por exemplo, e que para isso, é necessário a troca inclusive do Canhão. O “Problema” é que MBTs podem servir por 40, até 50 anos sendo efetivos, desde que hajam modernizações, e o único País, digamos Ocidental, que está de fato produzindo Blindados novos de fábrica é Israel. Todos os… Read more »

PauloR
Visitante
PauloR

A Bae System deveria oferecer seu tanque aos Colombianos ou será que desistiram da sua arma??

http://www.defencetalk.com/pictures/data/4623/cv90_120-T.JPG

Vader
Membro
Trusted Member

Ofanza perfeito. O Merkava é o melhor CC do mundo, seguido de perto pelo Leopard 2 e Abrams.

Ivan
Membro
Member
Ivan

Lembrar do Foreign Military Sales (FMS). 😉

Ivan
Membro
Member
Ivan

Roberto Lopes, Parabéns pela matéria. Mas fique com dúvidas em alguns pontos. Espero contar com sua compreensão ao levantar os mesmos. ”A princípio os colombianos planejam adquirir 44 unidades, o suficiente para mobiliar dois batalhões blindados.” Os colombianos, como outros latino-americanos, recebem influência do US Army na formação de suas unidades de combate. No caso dos blindados não seria diferente. Uma ‘Tank Company’ americana atual alinha 14 MBTs, no caso M1A2 Abrams, sendo 3 (três) pelotões com 4 (quatro) ‘tanques’, com mais um para o comandante da companhia e outro para o segundo em comando. Em outros momentos, pelo que… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Ivan, seu comentário sobre a organização do “tank battalion” estadunidense está perfeita

Realmente, deveria ser apenas um batalhão.

Há todavia um senão.

O exercito dos Estados Unidos partiu já há algum tempo para uma nova organização: o batalhão misto, semelhante ao do Regimento de Cavalaria Blindada do EB.

Neste caso temos dois esquadrões de carros de combate e duas companhias de infantaria blindada.

Pode ser que o exército da Colombia tenha adotado esta nova organização, sendo que então 44 carros de combate mobiliariam 2 battalions (Regimentos no EB).:

Ivan
Membro
Member
Ivan

Prezado Bacchi, Foi esta questão que apontei quando escrevi partindo para descer o conceito de armas combinadas para o nível batalhão. Pelo que tenho encontrado na internet é uma formação que combina carros de combate Abrams e infantaria blindada montada em VBCI Bradley, apoiados por um pelotão de morteiros de 120mm (4 peças) transportados em blindados M1064 (o velho M113 em versão porta morteiro), De forma pragmática chamam de ‘Combined Arms Battalion’. Dois batalhões com esta formação fariam sentido para a defesa colombiana, na medida em que poderiam usar duas unidades pequenas mas equilibradas como instrumento de manobra ao enfrentar… Read more »

Ivan
Membro
Member
Ivan

Amigos,

Certamente o Mestre Bacchi conhece, mas gostaria de postar o organograma do 16th Infantry Combined Arms Battalion, aparentemente em sua versão atual (2009 a 2014):
http://16thinfassn.org/wp-content/uploads/2014/03/20-Current-CAB.jpg

Esta seria a nova formação do US Army para suas unidades “heavy” (pesadas).

Forte abraço,
Ivan, um antigo infante.

Ivan
Membro
Member
Ivan

Uma curiosidade.
Como era a organização do ‘american tank battalion’:
https://www.globalsecurity.org/military/library/policy/army/fm/7-30/figE-1.gif
Sds.,
Ivan.

Delfim
Visitante
Delfim

Não faço parte desta divinização de armamentos “Made in Israel” – e olha que minha família só entrou no Brasil em 1947. Aqui na PCERJ, já vi Uzis cobertas de ferrugem como se fosse lepra – sim, a sub é jeitosinha, se aprende a usar em horas, mas foi feita pro deserto e no máximo zonas temperadas, não suporta a umidade tropical. Leva um acabamento suficiente pra climas secos, e só. Nunca soube de traficantes com Galil. Pt Jericho foram poucas, e todas sem numeração – Israel é um Estado deficitário, digamos assim… Merkava III é aquele modelo que em… Read more »

Kojak
Visitante
Kojak

“Vader
7 de fevereiro de 2015 at 18:06 #”

Você está esquecendo os fodasticos ling xing ?

E os iranianos ? Eles não tem nada fodastico ?

(rs)

Abç

Ivan
Membro
Member
Ivan

Delfim, No conceito vc está certo. Para cada Teatro de Operações, uma arma. Assim como na guerra do marketing, para cada mercado um produto. Mas, tem sempre um mas, algumas coisas são globais, o que não impede que se busque adaptação para cada mercado… ou TO, seja lá qual for a guerra. Certo dia meu irmão assistiu um programa na TV espanhola e chegou me falando que o melhor ‘tanque’ do mundo era o Leopard 2, justamente aquela versão desenvolvida e adaptada para o Ejército de Tierra espanhol. Outro dia um bom amigo judeu tentou me convencer que o melhor… Read more »

Ivan
Membro
Member
Ivan

Delfim,

Quanto a Uzi é bom lembrar que as armas, assim como outras ferramentas e produtos, são fabricadas para durar um certo período.

Tudo tem prazo de validade.

Claro que alguns exageram; para um lado como os russos e chineses ou para o outro como germânicos e nórdicos.

Forte abraço,
Ivan, o Terrível.

Delfim
Visitante
Delfim

Ivan, discordo. As UZIs são robustas e compactas, até pesam pro seu tamanho; o que acontece é que lá em Israel não se usa a fosfatização e pintura a fogo que a Imbel usa, apenas pra citar um exemplo. E subs com carregador na empunhadura são de fabricação mais cara, não podem se dar ao luxo de serem descartáveis. Os Merkava III destruídos em 2002 em Gaza o foram por minas e IED, nenhum MBT está livre disso, apenas mostra que o Merkava não é o rei da cocada como dizem. E sim, a Colômbia atualmente possui expertise suficiente pra… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Delfim, Minhas residência oficial é na Luisiana… lá é praticamente uma Amazônia… e como sou do Pará, eu sei do que estou falando… já disparei quase tudo que foi fabricado pela IWI… tenho amigos e parentes que tem armas IWI… no nosso stand de tiro tem disponível quase todos os modelos de Uzi, e quando digo modelos, não refiro ao projeto (Uzi, Uzi carabina, Mini-Uzi, Uzi pistola, etc), estou falando da época de fabricação mesmo… pois existe diferenças entre as primeiras lá da década de 1950 e as da décadas de 1990 por exemplo. Mas ainda tem o problema das… Read more »