Home Artilharia Chile completa a padronização de sua artilharia autopropulsada

Chile completa a padronização de sua artilharia autopropulsada

1368
69

M109

A chegada de 12 blindados M-109A5, de fabricação americana, a Punta Arenas, no litoral sul do Chile, completou, no final do ano passado, a padronização da artilharia autopropulsada chilena, e deixou a Força Terrestre do país com 48 carros desse tipo – a mais poderosa força de canhões de 155mm sobre lagartas de toda a costa sul-americana do Pacífico.

Do porto os carros foram transportados em carretas diretamente para o Grupo de Artilharia Nº 7, Wood, da 4ª Brigada Blindada – Brigada Chorrillos –, sediada ali mesmo em Punta Arenas, cidade que também abriga o comando da V Divisão de Exército (grande unidade à qual a Brigada está subordinada).

Três outras partidas de M-109 já haviam sido incorporadas à Arma Blindada do Exército chileno, modernizando as unidades de artilharia pesada que guarnecem as fronteiras do Chile com o Peru e a Bolívia.

No início da metade final dos anos de 2000, o Grupo de Artilharia Nº 4, Miraflores, da 1ª Brigada Blindada – Brigada Coraceros del General Joaquín Prieto Vial –, de Arica, e o Grupo de Artilharia Nº 9, Salvo, da 2ª Brigada Blindada – Brigada Cazadores – de Porto Almonte, em Iquique, também receberam os M-109 – unidades da versão A3 adquiridas aos estoques do Exército suíço.

Reestruturação – Entre 2012 e 2013 foram desembarcados no Chile mais 12 M-109 americanos modernizados pela empresa britânica BAE Systems. Os blindados ganharam um canhão M-284, suporte tipo M-182, além de melhorias nos sistemas de navegação e de posicionamento do carro instalados na parte interna da torre.

O destino dessas unidades foi o Grupo de Artilharia Nº 5, Antofagasta, orgânico da 3ª Brigada Blindada La Concepción, criada na cidade de Antofagasta, a 23 de dezembro de 2009.

A organização dessa unidade integrou o ambicioso plano de reestruturação deflagrado pela Força Terrestre do Chile em 2007, com o objetivo de formar uma massa de manobra de grande poder de choque: cinco brigadas blindadas formadas quase que exclusivamente por militares profissionais.

Em território chileno, os M-109 americanos substituíram os carros AMX 13 Mk F3, que são ainda usados nos exércitos do Peru (60 unidades), e do Equador.

Denúncia – Também a Argentina emprega os AMX 13 dotados de canhões de 155mm, ainda que, nesse país, os 24 carros desse tipo não representem o principal equipamento da artilharia autopropulsada.

Os argentinos empregam prioritariamente seus 18 TAM VCA Palmaria, que resultam da montagem de uma torre italiana Oto Melara, dotada de um canhão L-41 de 155mm, sobre um chassis alongado do blindado TAM (Tanque Argentino Mediano).

Aliás, nesse momento, há uma certa polêmica sobre o estado de conservação dessas viaturas.

Rumores não confirmados (ou desmentidos) nos círculos oficiais argentinos, dão conta de que os tubos dos canhões desses veículos sofreram um desgaste incomum por causa do uso de munição inadequada em disparos que tiveram lugar durante simulações de guerra.

Outros informes garantem que os próprios tubos apresentaram deficiências de fabricação.

69
Deixe um comentário

avatar
69 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
14 Comment authors
DOUGLAS TARGINOMauricio R.Kojaknunes netoWellington Góes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

CHI,CHI,CHI! LE,LE,LE!

Sou fão do Chile, com sua política independente.

Vai crescendo e crescendo sempre e mais, em todos os setores do seu dia-a-dia.

O artigo refere que a artilharia autopropulsada chilena é a mais poderosa força de canhões de 155mm sobre lagartas de toda a costa sul-americana do Pacífico. Pode-se dizer que, da mesma forma é, quase, a maior da Costa Atlântica das América Central e do Sul. Estou errado?

edcarlos prudente
Visitante
edcarlos prudente

Totalmente fora do assunto do tópico, mais vale muito ser lido!

http://exameinformatica.sapo.pt/noticias/mercados/2015-02-18-Discos-rigidos-escondem-codigo-malicioso-no-firmware

Discos rígidos portáteis e pen drives não estão isentos! Não estou surpreso com isso, já tinha minhas desconfianças, qualquer firmware de qualquer dispositivo pode ser utilizado para esse fin.

Quanto ao tópico, parabéns as Forças Armadas Chilenas pela aquisição. O EB possui algo similar, ou eu estou enganado!?

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

O EB tem 37 M-109A3.

E comprou 36 M-109A5+, os quais ainda não foram entregues, dado que estão sendo reformados para esse padrão pela BAe.

Supostamente, os M-109A3 também serão atualizados para esse padrão A5+.

Então, hoje dá para dizer que o Chile tem a “mais poderosa força de canhões de 155mm sobre lagartas de toda a costa sul-americana do Pacífico” e também da América do Sul.

Espero que o EB “recupere” o posto, em breve, com seus programas saindo do papel.

Vader
Membro
Active Member

Quem conhece o Chile verifica como é impressionante sua pujança em termos bélicos. Não é só a artilharia autopropulsada chilena que é a melhor/maior do continente. A força blindada é a melhor com seus Leopard 2. A Força Aérea tem F-16 Block 50. A Marinha tem Scorpene. E como estes há inúmeros exemplos parecidos, de equipento adquirido e operado no estado-da-arte. E o curioso é que o Chile não tem pretensões de ser potência bélica. Não quer ser fabricante de armamentos. Não exige ToT em suas compras militares. Não quer projetar poder nem fazer parte do CS da ONU. Apenas… Read more »

Vader
Membro
Active Member

Ah sim, quem define as compras de equipamento bélico no Chile são os militares, dentro da verba definida para tanto. Sem ingerências políticas.

Funciona…

Roberto Lopes
Visitante
Roberto Lopes

Vader, bom dia. Apenas para colaborar com a sua análise de cunho mais geopolítico (que acho bem pertinente para entendermos o rearmamento chileno): O governo de Santiago tem uma preocupação permanente com a reclamação boliviana de saída para o mar. Essa ansiedade aumentou muito desde que, em 2013, a Corte Internacional de Haia deu parcial ganho de causa a uma reclamação da Nicarágua sobre mar territorial em regiões vizinhas ao arquipélago colombiano de San Andres y Providencia. Nesse momento o mesmo Tribunal de Haia está prestes a julgar a reclamação de La Paz quanto a uma saída para o Pacífico.… Read more »

Guilherme Poggio
Editor
Member

Prezados

Se me permitem um adendo, a questão marítima entre Colômbia e Nicarágua foi tratada no site Poder Naval e pode ser acessada pelo link abaixo.

http://www.naval.com.br/blog/2012/11/28/decisao-da-onu-redefine-fronteiras-maritimas-de-colombia-e-nicaragua/

Sobre as recentes disputas entre Chile e Bolívia, também tem link no Poder Naval.

http://www.naval.com.br/blog/2014/02/10/bolivia-chama-chile-de-pais-agressor-sobre-conflito-maritimo/

Gostaria ainda de completar a discussão com o recente ganho de causa do Peru em relação a uma área marítima disputada com o Chile.

http://www.naval.com.br/blog/2014/01/28/essa-e-do-peru/

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

Tirando o Brasil e Venezuela, ha outro pais na America do Sul que tenha um sistema de saturação por foguetes ????
nao sei se posso fazer essa pergunta num tom comparativo, mas UMA viatura do sistema Astros pode desempenhar o papel de quantos blindados M-109A5 ??? da pra fazer essa comparação a grosso modo ??

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Wolf, Um obuseiro AP como o M-109 é específico para apoio de fogo para fazer as forças inimigas recuarem de modo a que suas próprias forças avancem. Pode não atingir nada de útil e não causar nenhuma baixa, mas pelo efeito psicológico, já estaria cumprindo seu papel. Já um lançador múltiplo de foguetes é usado pra bater alvos de área, saturando uma área com a maior quantidade de projéteis possíveis, de moda a neutralizá-lo. O primeiro conta com uma taxa de fogo constante,maior, podendo ficar disparando por horas ou dias, já o segundo conta com uma taxa de fogo instantânea,… Read more »

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

grato Bosco,

eu pensava que os dois faziam o mesmo papel no campo de batalha…
com a saturação de foguetes vc atinge mais alvos em menos tempo, e como vc pode mesclar a munição com ogivas de impacto, bombas cluster, incendiarias, achei que levasse vantagem…
mas como vc mesmo disse, no canhão autopropulsado a cadencia eh continua e as munições estão cada vez mais “inteligentes”.

Oganza
Visitante
Oganza

O que se pode dizer dos chilenos além de:

– CHI,CHI,CHI! LE,LE,LE! kkkkkk 🙂

Profissionalismo Militar e Político (esse principalmente), praguimatismo e competência… qualidades raríssimas em todas as esferas do Estado Brasileiro.

Vader: Matou a Pau.

Wolf: e eles tem os dois tb: o LAR-160 Israelense e estão desenvolvendo o SLM da FAMAE.

Grande Abraço.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Wolf,
A Argentina também tem um MLRS de fabricação própria, o VC-CP-30
https://4.bp.blogspot.com/-V9jpJy-vyUM/UAxtCH6Y7nI/AAAAAAAAHHk/QCWa7xnqmW4/s640/pampero_AP3001.jpg

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

Oganza, grato pela info…

dei uma olhada rapida no google, esse SLM eh invocado, pode se “abastecer” de dois calibres diferentes ao mesmo tempo…

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

E a Argentina tem também o LAR-160.

Roberto Lopes
Visitante
Roberto Lopes

Boa tarde, Ao forista Wolf: O SLM FAMAE é, hoje, o sistema de saturação de artilharia de maior alcance (nominal) da América do Sul: 150 km. Há dúvidas, entretanto, quanto ao seu alcance eficaz. No Exército chileno ele é conhecido COMO “Filho do Rayo”, que foi um sistema de relativamente baixo alcance (40 km) desenvolvido pelos chilenos no final dos anos de 1980. Em 1992 eu trabalhava na Avibras quando a empresa recebeu a visita do coronel Alberto Fuenzalida, chefe do programa Rayo. Fuenzalida queria propor uma parceria da FAMAE com a Avibras para o resto do desenvolvimento do Rayo,… Read more »

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

Boa tarde Roberto Lopes.

muito obrigado pela informação…
me parece que o sistema chileno eh mais compacto e simples que o Astros.
como o Sr. disse, talvez não tivessem dinheiro naquela época, mas tinham “pensadores”…

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

Bosco,

esse MLRS argentino funciona mesmo ????
dependendo de sua configuracao, me parece que o MLRS eh mais barato/simples de se fabricar do que os M-109A5.

Roberto Lopes / Bosco,

assim que o matador estiver operacional poderemos classifica-lo como MLRS ja que o mesmo será “guiado” ??
ja nao mudaria de classe ??? para mísseis ??

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Wolf, Sem dúvida um lançador de foguetes múltiplos AP é mais simples de desenvolver e fabricar que um obuseiro AP, como o M-109. Quanto ao Matador, ele só por acaso usa o lançador do ASTROS. Na verdade ele é totalmente independente e poderia até usar outro sistema de lançamento, já que é muito provável que ele conviverá com os foguetes tendo em vista que são pra objetivos completamente diversos. O que irá alçar o ASTROS ao status de GMLRS (não esqueça do G rsrsss) é o “foguete guiado” SS-40G com 40 km de alcance. Vale salientar que a sigla MLRS… Read more »

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

Bosco,

nos tanques e obuseiros autopropulsado ha muitos com canos raiados e outros com canos lisos.
nos sistema MLRS ha também essa “opção” de cano raiado e liso ??? ou as “aletas” dos foguetes fazem esse papel ?? ou uma coisa não tem nada a ver com a outra ??

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Wolf, Apenas os canhões de tanques é que têm essa opção: ser de alma raiada ou alma lisa. Nos obuseiros, salvo engano, todos são de alma raiada. Já em relação aos lançadores de foguetes, todos são de alma lisa. Na verdade, nem se pode chama de “alma” o interior dos tubos de lançamento já que não é necessário que haja um contato íntimo do foguete com o tubo, além do suficiente para lhe fornecer a direção. Os EUA desenvolveram um lançador de foguetes com alma raiada, mecanismo de recuo e cano único, chamado de XM70, com foguetes de 115 mm,… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Se tubo de foguete fosse raiado ele teria que ser pesado, tanto quanto um tubo de canhão, e aí os vários tubos ficariam excessivamente pesados.

Roberto Lopes
Visitante
Roberto Lopes

Wolf, Além de possuir bons planejadores, a FAMAE não era refratária à cooperação com um parceiro estrangeiro, como a Avibras era — uma determinação pessoal do engenheiro Verdi. Mas, em defesa do presidente da Avibras deve ser dito uma coisa: como a Avibras era uma empresa privada, Verdi sempre temeu que as ofertas recebidas do exterior (do Japão, da Suécia e de outros países) pudessem acabar “engolindo” a Avibras — empresa que ele criara com tanto trabalho e obstinação. Esse não era o caso, evidentemente, da FAMAE que, por ser uma corporação vinculada ao Exército chileno, estava imune a manobras… Read more »

Kojak
Visitante
Kojak
wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

Bosco, um canhão de 155mm rebocavel não teria o mesmo efeito do M-109A5 ??

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Muito interessantes as colocações do Roberto Lopes sobre a Avibrás.

Já pensava que a Avibrás era gerida de forma pouco profissional, mas agora tenho fatos mais claros sobre isso.

Ainda bem que hoje ela é um pouco menos fechada, tanto que tem convênios com a Nexter, Renault TD e MBDA.

Eu ainda acho que ela deveria abrir seu capital e se profissionalizar ainda mais, até mesmo o atual controlador não tendo mais o controle sobre a empresa. Porém, preferencialmente, permanecendo o controle sendo de empresas nacionais.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

As FFAA chilenas são um exemplo de como ser uma ótima sucursal, ponto. Até seus uniformes são uma cópia escancarada das forças estadunidenses (durantes alguns eventos militares como a FIDAE, quase não dá pra diferenciar quem é da USAF e quem é da FACh, a mesma coisa as outras forças). O pragmatismo destas forças se dá a sua pouca capacidade de desenvolvimento tecno-industrial. Nos períodos em que as commodities como o cobre estão com baixos preços, sua economia patina e por isso eles têm que optar por aquisições de prateleira. Qualquer tentativa de comparação conosco é irreal e infrutífera, pode… Read more »

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Quanto a novos obuses autopropulsados, o EB está/estará modernizando os M-109 existentes, além da aquisição de outros dos estoques do USArmy.

E a título de informação, a Avibras já assinou um protocolo de cooperação com a NEXTER para oferecer ao EB e ao CFN o obuse autopropulsado de 155mm CAESAR sobre o caminhão/chassis do Astros.

Até mais!!! 😉

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Wellington, No máximo dá para dizer que a Força Aérea do Chile se espelha na USAF. Exército e Marinha nem pensar. É só analisar os equipamentos, de origem predominantemente européia. As FAs chilenas são pragmáticas e vão caminhando. As FAs brasileiras são utópicas. Dizem que estão treinando e que logo irão correr. Mas, enquanto isso, ficam para trás das FAs chilenas. O Asmar entregou 3 OPVs de 1800T. Nós, teoricamente iríamos fabricar NaPaOcs, Corvetas e Fragatas. Que navios nossos estaleiros nos entregaram nos últimos anos? De NaPa 500 pra baixo. O exemplo dado pelo Roberto Lopes é ainda mais gritante.… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Wolf, A vantagem do rebocado é poder ser aerotransportado mais facilmente, inclusive por helicóptero. Já o AP tem maior mobilidade tática, e pode entrar e sair de uma posição de tiro mais rapidamente de modo tanto a acompanhar as forças de manobra quanto a se evadir do tiro de contrabateria. E por ser blindado e o pessoal poder operar de dentro, ele é melhor do ponto de vista de proteção no caso de fogo de contrabateria. Em relação ao alcance, pode até ser que o rebocado tenha tubo mais comprido e portanto, atire um projétil mais longe, mas ambos usam… Read more »

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Amigo Rafael, as FFAA chilenas, bom como sua economia e o país como um todo, nem de perto se assemelha ao Brasil e nossas FFAA. Não se atenha a um ou outro número (especialmente esta mania da imprensa brasileira de citar números percentis de quem cresce mais do que o Brasil, como se estes países estivessem em melhores condições do que nós, pois isto não é verdade), bem como não é porque eles produzem um lançador de foguetes de maior alcance, que com isso estejamos atrás, muito menos um mísero navio de patrulha oceânica (detalhe, com projeto estrangeiro, coisa que… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Wellington. O Chile tem IDH e PIB/Per capita bem mais elevados que o Brasil. E suas FAs são bem melhor equipadas do que as nossas. Bom, você já visitou lá e tem condições de saber que, em média, um chileno vive melhor do que um brasileiro. A vantagem do Brasil é ser maior e mais populoso, o que resulta em maior PIB, mais indústrias, FAs maiores e com mais equipamentos (quantidade). Aliás, lembro que a participação da indústria chilena em seu PIB é maior do que a brasileira (números relativos). Mas é claro que eu concordo que o Brasil produz… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

Wellington Góes, kkkkkkkkkk mas é pra rir muuuuuito, mas muuuuito mesmo de seus descabido comments ufanísticos… “Quem pensa o contrário, não tem a mínima noção da realidade, não conhece os desafios no Brasil, muito menos do próprio Chile.” Quem não conehece a realidade do Chile e aparentemente do Brasil só pode ser o Sr. . Mantemos 4 projetos no Chile de norte a sul já a 6 anos… visitamos todas, repito todas, as instituições de pesquisa chilenas e por conta disso eu morei lá por 7 meses e fazendo um tour bimestral de Arica a Punta Arenas, passando por Talcahuano,… Read more »

Kojak
Visitante
Kojak

Oganza

Puerto Montt & Puerto Varas ?

“Centollas”

Madre de Dios

Abraços

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Depois os Editores ficam me editando, mas a outros………….. Mas vamos lá. Oganza, meu quase conterrâneo (não sou paraense, mas morei em Belém durante uns anos da minha faculdade, vou lá sempre e meus país são de Gurupá – mais precisamente do interior de Gurupá, talvez você conheça). Amigo, você está confundindo alhos com bugalhos, o meu foco no debate é quanto a capacidade industrial bélica, aliás, não quis nem tocar em outros assuntos para não misturar demais o tópico, é só ler direito e sem devaneios. Aliás, tudo o que eu coloquei não contradiz o que tu colocastes, por… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

Como disse… vc está replicando o “Pensamento” do que o Brasileiro entende por desenvolvimento… em qualquer aérea e essa visão é um tanto desleixada. “eles são fracos se comparados ao Brasil” – Não, beeemmm ótica equivocada… Eles não são fracos, e não o são pq eles não se comparam ou não ficam se comparando ao Brasil… o foco é outro… é mais inteligente. 😀 E eles não fazem isso, como vc está tentando fazer aki pq isso sim é improdutivo. Eles não estão medindo capacidades e muito menos estão em uma corrida… o adversário do Chile é o próprio Chile…… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

ups…

o comment 19 de fevereiro de 2015 at 17:49 é para o Wellington 😀

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Vamos lá, Wellington, ” é que militarmente, apesar de serem melhor equipados do que muitos países na AS/AL, eles são fracos se comparados ao Brasil” Fiquemos na comparação entre exércitos, já que estamos ho Forte. Chile x Brasil Leopard 2A4 Lepard 1A5 e M60 A3TTS Marder 1A3 ? M113 M113 M109A5 M109A3 SLM FAMAE Astros NASAMS ? Avenger ? Mowag Piranha Guarani Humvee Marruá O EB só leva vantagem na quantidade e qualidade dos helicópteros. Abraço.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Putz, ficou horrível a formatação. Desculpem-me.

Acho que assim fica melhor.

Chile x Brasil

Leopard 2A4 x Lepard 1A5 e M60 A3TTS
Marder 1A3 x ?
M113 x M113
M109A5 x M109A3
SLM FAMAE x Astros
NASAMS x ?
Avenger x ?
Mowag Piranha x Guarani
Humvee x Marruá

O EB só leva vantagem na quantidade e qualidade dos helicópteros.

Abraço.

Oganza
Visitante
Oganza

Rafael Oliveira, não esqueça que os M113 deles não são qualquer M113: 😀 M113 AIFV YPR-765 com canhão Oerlikon KBA 25 mm e os M113 M163 VADS com Vulcan de 20 mm (apesar de eu não saber para que rsrsrs) Além de Soltam M-71/68 = 70 peças e estão querendo mais 70 Além de Milkor MGL (c/ munição Chilena) Além de Lança Granadas Mk19 (c/ munição Chilena) Além de Barrett M82 .50 BMG HE (c/ munição Chilena) e estão fechando a instalação dos Iron Fist APS em seus Leos e depois se tiver $$ querem colocar nos Marders. bom, isso… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Rafael,
O FAMAE é muito recente. Não creio que já esteja operacional.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Oganza, o M113 me deu preguiça pesquisar o que eles tinham, rsrsrs.

Não Também não coloquei fuzis pois achei que seria covardia.

Bosco, obrigado. Eu coloquei o que tinha no inventário. Guarani também não está operacional por aqui, por exemplo.

Fora que também não procurei a quantidade dos equipamentos, pois é bem difícil saber o que realmente está em condições de uso.

Valeu!

Oganza
Visitante
Oganza

Rafael Oliveira, blz… foi só pra tentar demosntrar as capacidades mesmo… é uma melhor qualidade apesar de em menor quantidade… mas os números hj são tão próximos… vai que. Hj o exécito deles está muito mais bem equipado para mandar um contingente para uma Zona quente que o EB, só não sei como anda o nível de adestramento… enfim. Um detalhe de tecnologia bélica: A munição .50 BMG HE uzada nos Barrett M82 está entre as munições mais complexas de se produzir… na verdade é uma família de 7 munições em que o Chile escolheu 5 para fabricar, uma delas… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Um dado interessante sobre o exército do Chile é que possui mais de 2000 mísseis antitanque Spike, de terceira geração (mais especificamente, de terceira geração e meia).

Oganza
Visitante
Oganza

Bosco,

Eita “Infantariazinha” ranzinza essa heim? 😀

Afinal eles se preparam para o pior cenário: Uma invasão em 3 Frentes > Argentina+Peru+Bolívia e eles já pelearam com os 3 rsrsrs

Grande Abraço.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Oganza,
O EB até onde eu sei não adota o Barret M-82, mas os fuzileiros navais adotam.
O mesmo pode-se dizer do lançador de granadas Mk-19. O EB não adota mas os fuzileiros adotam, nem que seja só nos AAV-7 (CLAnfs).

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Rafa,
Mas mesmo que eles ainda não adotem o FAMAE, eles têm o LAR-160.

Oganza
Visitante
Oganza

Bosco, Sabia das Mk 19, como vc disse, só nos AAV-7… … mas realmente não sabia dos M82. Eu sei que eles usam o HECATE II no calibre .50 francês na mesma função. Dos rifles .50 que disparei o que eu mais gostei foi McMillan Tac-50, depois veio o Arctic warfare .50 e em seguida o M82… o HECATE II é elegante, mas temperamental e tem problemas com munições .50… ele não dispara qualquer uma. Mas se seu alvo não estiver escondido atras de uma parede de concreto, nada supera um Sako .334 Lapua Magnum. É uma pena, pois é… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Oganza, põe melhor qualidade nisso. Fora que, em muitos casos, compensa a diferença de quantidade, como no caso de um combate entre os Leopards.

Bosco, pois é, tem o LAR-160.

E para mim, o grande diferencial é a capacidade antiaérea deles. Não é só aparecer um Apache e fazer a festa contra os MBTs, IFVs e demais blindados rsrs.

Abraços!

Oganza
Visitante
Oganza

ups… onde se lê .334 é .338 🙂

Oganza
Visitante
Oganza

O que falta de verdade hj no para o Exército do Chile de verdade são Helis… eles estão “mal” nesse quesito… eles realmente tem deficiencia nas capacidades de helitransporte.

Mas existe um plano de equipar cada uma de suas 5 “Brigadas” com 4 ou 6 helis da classe do AS332 Super Puma… tá faltando la plata. 🙂

Grande Abraço.