Home Defesa Antiaérea Exército Brasileiro: Recebimento do 5º Lote de Gepard 1A2

Exército Brasileiro: Recebimento do 5º Lote de Gepard 1A2

932
21

Exército Brasileiro Gepard - 5o lote

Rio de Janeiro (RJ) – No dia 26 de março de 2015, representantes da Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea participaram de uma equipe sob coordenação da Diretoria de Material e composta por integrantes da 11ª Bia AAAe AP e técnicos da KMW a fim de realizarem o desembarque de 06 (meia dúzia) VBC DAAe GEPARD 1A2, referentes ao recebimento do 5º Lote deste Produto de Defesa adquirido pelo Exército Brasileiro.

Gepard - 5o lote - 2

FONTE: EsACosAAe

21
Deixe um comentário

avatar
21 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
eduardo.pereira1rsbacchiRenato.BSoldatBrandenburg Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Claudio Moreno
Visitante
Member
Claudio Moreno

Bom dia Senhores, que todos tenham um excelente dia de feriado. Quanto ao tema Gepard1A2, penso que foi uma excelente compra, pois não dispunhamos de nada do gênero. Acredito que ainda há espaço para a aquisição de mais dois ou três lotes em igual quantidade. Os atuais foram distribuir as unidades adquiridas ao 5ª e 6ª BdaCavBld (dezeseis em cada se não me engano), a Alemanha e Bélgica (não modernizado) tem mais unidades em estoques, deveriamos aproveitar a porta aberta e adquirir mais lotes. Uma pena que no EB ainda não é visto a necessidade de termos um VBT que… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

a unica coisa que falta, sao noticias sobre como ocorre o treino do pessoal e que alvos foram comprados para simular avioes e helicopteros de alta performance.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

O EB não comprou alvos que simulem aviões e helicópteros de alta performance. É uma “não-notícia” rsrs.

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Só a título de curiosidade, porquê o “meia dúzia” entre parênteses depois do “06”? Será que ninguém sabe que 06 e meia dúzia definem a mesma quantidade?

Mudando de assunto… Só falta mais um lote, certo?

Brandenburg
Visitante
Member
Brandenburg

Boa tarde Lyw, satisfazendo sua curiosidade, nenhum arti lheiro no EB fala “seis” e sim “meia duzia”.È considerado palavrão Uma explicação é que na transmissaõ de dados de tiro por fonia o algarismo 6 pode ser confundido com 3 e vice versa. Então é seis para os outros e meia duzia para a Artilharia.Por isso é que no EB se diz que “todo artilheiro é babaca” e eles aceitam na boa e não se ofendem. A propósito, sou de Infantaria. Sds e Feliz Páscoa a todos.

Soldat
Visitante
Soldat

Que bom..

O Brasil deveria comprar muito mais lotes de GEPARD 1A2 antes que eles sejam vendidos para sucata infelizmente.

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Eu ,particularmente, acho que deve ser criada uma versão do Guarani artilhada para esta mesma função do Gepard, acho que o Guarani com torre Torc vai fazer isso .

Sds.

Renato.B
Visitante
Renato.B

Eduardo, considerando que a função do Guepard é acompanhar os tanques suponho que o Guarani não teria nem performance off-road (lagartas x rodas) nem blindagem suficiente para fazer esse papel adequadamente.

Acho que uma versão antiaérea do Guarani, se um dia existir, teria outras aplicações. E nesse caso acho que seria melhor ela usar mísseis.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Renato.B escreveu em 7 de abril de 2015 at 13:17 #

“… Eduardo, considerando que a função do Guepard é acompanhar os tanques suponho que o Guarani não teria nem performance off-road (lagartas x rodas) nem blindagem suficiente para fazer esse papel adequadamente. …”.

Renato, não entendi teu comentário!

Poderia esclarece-lo?

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Renato, o Guarani tem como colocar blindagem adicional se necessário for, e , não sei como um veículo cuja variante caça tanques está em desenvolvimento não poderia fazer ,assim como o Gepard, a escolta (por assim dizer) de uma coluna de blindados sendo equipado devidamente com uma torre apta a este fim( defesa ant aérea). Torc 30 ???

Bacchi, o que acha?

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Renato estes são comentários do grande Bosco sobre o tema em questão; joseboscojr30 de junho de 2014 at 21:41# Vale salientar que o fato do canhão Mk-30 da Rheinmetall ter uma cadência um pouco maior que o Mk-44 não faz o Guarani um veículo antiaéreo, no máximo, só o habilita a melhor desempenhar eventualmente essa função. Um sistema antiaéreo baseado em canhão que usa munição de impacto (de 20 a 35 mm) pra ser realmente eficaz tem que ter uma cadência de tiro bem grande, geralmente maior que 1000 tiros por minuto. (Os que usam canhão com projéteis pré-fragmentados, com… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Renato,B: continuo esperando seu esclarecimento.

Renato.B
Visitante
Renato.B

Oi Bacchi, pelo que entendo a função do Guepard é acompanhar e fornecer proteção AA aos nosso Leopard. E não sei se o Guarani tem performance off-road para acompanhar o tanque.

Ao mesmo tempo, como sugere o comentário do Bosco que o eduardo colocou, a capacidade antiaérea do Guarani é secundária, enquanto o Guepard é especializado.

Lembrando que estou considerando a versão existente do Guarani com o canhão 30mm, se vão fazer uma futura versão especializada aí já seria outra história.

Renato.B
Visitante
Renato.B

diferença de 1 minuto 🙂

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

RsBacchi, agora eu tbm estou a esperar suas considerações !rs

Sds.

Renato.B
Visitante
Renato.B

Complementando. Pelo que entendo o Gepard vai acompanhar unidades cavalaria, na frente. Enquanto o Guarani foi projeto para transportar tropas mais atrás, como infantaria mecanizada.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Renato B. – muito obrigado por sua resposta, Sinceramente você não está sendo claro em sua pergunta. Como você merece um comentário vou tentar faze-lo baseado em trechos de sua mensagem. “… E não sei se o Guarani tem performance off-road para acompanhar o tanque. …”. Eu sinceramente, não sei porque o Guarani deve acompanhar um carro de combate!!! O Guarani não foi projetado para acompanhar carro de combate. Como um VBTP 6X6 ele foi projetado para ser o transporte do pessoal do Batalhão de Infantaria Mecanizada, e outras funções do mesmo batalhão, além de ser componente do Regimento de… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Eu até hoje não consegui entender esta adoção de um canhão de 30 mm em ALGUNS dos Guaranis.

Em todos os exércitos do Mundo que eu conheço, o uso de canhão 20 mm, 25 mm, 30 mm ou 40 mm em VBTPs, o é em TODOS os veículos do batalhão, e não em ALGUNS, como parece ser que vai acontecer no Brasil

O 30 mm no EB parece uma arma procurando um uso.

Renato.B
Visitante
Renato.B

Caro RsBacchi, eu que agradeço pelo comentário.

Talvez o problema de clareza se resolva se considerarmos o contexto: No caso estava comentando uma idéia do Eduardo de se usar uma versão do Guarani para substituir o Gepard.

Enfim, eu concordo com você que essa idéia não seria algo adequado. Especialmente quando acrescenta que a proposta do Guarani nunca contemplou essa possibilidade de uma versão antiaérea.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Bacchi,

Meu melhor palpite para o uso do canhão de 30mm em alguns Guaranis dos batalhões é que o EB queria por em todos, mas como não tem dinheiro, colocará apenas em alguns.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Rafael, eu sinceramente não sei.

Pessoalmente acho que resolveram adotar uma arma sem antes ter estudado seu uso.

Inicilamente falavam em que as 30 mm seriam instaladas nos carros dos comandantes de pelotão, depois de um tempo falaram que seriam agrupadas em pelotões anti carro (um uso completamente sem nexo).

Continua achando que é uma arma procurando seu uso.