Home Defesa Antiaérea Argentinos planejam padronizar defesa antiaérea com o sistema RBS-70

Argentinos planejam padronizar defesa antiaérea com o sistema RBS-70

935
3

RBS-70-NG-01b

O Ministério da Defesa argentino examina a possibilidade de encomendar 27 sistemas de defesa antiaérea RBS-70, fabricados pela SAAB Bofors Dynamics, da Suécia.

A ideia foi proposta ano passado pelo Exército, que ficaria com nove lançadores. Os restantes seriam divididos, em quantidades iguais, entre a Infantaria de Marinha e a Força Aérea Argentina. O plano é padronizar a defesa antiaérea de curto alcance com o material sueco.

No passado os fuzileiros navais argentinos receberam oito sistemas RBS-70, para que pudessem se familiarizar com o equipamento.

O RBS-70 é uma arma de defesa antiaérea portátil tipo MANPADS (man-portable air-defense system, no jargão em inglês), projetada para operar sob as mais diversas condições climáticas, com pouco ou nenhum apoio logístico. O conjunto do pedestal, equipamento de pontaria e vetor não pesa mais do que 87 kg.

O míssil é apontado por meio de um feixe de laser. Cortando o espaço com rapidez equivalente a duas vezes a velocidade do som, ele gasta apenas 19,2 segundos para alcançar seu alvo a uma distância (máxima) de 8 km.

AT-4 na Argentina

AT-4 – Entre os dias 16 e 20 de março, a Escola de Infantaria Teniente General Pedro Eugenio Aramburu, do Exército argentino, ministrou, em suas instalações do Campo de Mayo, um curso para a operação de outro produto SAAB Bofors: os lançadores de foguetes antitanque AT-4CS B, adquiridos pelo governo de Buenos Aires em 2014.

As aulas ficaram a cargo de técnicos da empresa sueca e de instrutores da força terrestre argentina.

O sistema AT-4 é uma das armas antitanque de curto alcance mais conhecidas e bem sucedidas do mundo. O foguete vem dentro do tubo de disparo. Ele transporta uma carga explosiva de 440 gramas e tem alcance eficaz entre 300 m e 500 m. Após o disparo, o tubo é descartado.

A designação “CS” quer dizer confined space (espaço confinado) e se refere a uma versão do AT-4 em que o propelente foi projetado para entrar em combustão mesmo estando o operador da arma no interior de uma edificação, ou entre as paredes de uma área urbana.

Nesse caso, o objetivo é conferir, aos destacamentos de infantaria, a capacidade de destruir ou deixar fora de ação veículos blindados e fortificações.

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
joseboscojrSoldat Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Soldat
Visitante
Soldat

Inglesezinhos se preparem..hehehe…

Ótima aquisição pelos Hermanos.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Só pra citar um exemplo, e totalmente off-topic, os britânicos há muito abandonaram o canhão AA e hoje utilizam somente mísseis para sua defesa antiaérea. E por incrível que pareça, também não utilizam mísseis de média altitude, mas só de baixa altitude (Rapier, Starstreak e Stinger). Essa situação só irá mudar com a introdução do CAMM-L, com alcance de 25 km, no lugar do Rapier, e já se fala de uma versão ER desse mesmo sistema, com o dobro do alcance. Obs: O exército britânico adquiriu alguns sistemas Centurion, baseado no canhão Phalanx, mas na função C-RAM, e não, “anti-aérea”.… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Vale salientar que as forças de terra dos EUA (exército e Marines) não usam mais canhões AA, salvo o sistema Centurion com função C-RAM. Os últimos foram o GAU-12 de 25 mm usado no LAV-AD dos Marines, mas que já não está mais em uso há pelo menos uma década. O Vulcan, nas versões rebocada e autopropulsada, foi o último canhão AA do exército, e já não é usado há décadas. O Brasil ainda insiste com seus canhões AA rebocados, que fora no desfile de 7 de setembro, são pouco úteis tendo em vista não terem seus diretores de tiro… Read more »