Home Artilharia Antiaérea Exército reforça sua 5ª Brigada Blindada com 16 viaturas antiaéreas Gepard

Exército reforça sua 5ª Brigada Blindada com 16 viaturas antiaéreas Gepard

1758
19
gepard1
Os canhões Oerlikon da viatura Gepard podem usar tanto munição antiaérea quanto munição antitanque

 

O Exército brasileiro decidiu transferir a 11ª Bateria de Artilharia Antiaérea Autopropulsada – formada por 16 viaturas blindadas de origem alemã Kraus-Maffei Wegmann Gepard 1A2 –, integrante da 11ª Brigada de Infantaria Leve, da cidade paulista de Itu para a cidade paranaense de Ponta Grossa, na região centro-leste do estado do Paraná, onde essa organização militar passa a fazer parte da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada, ali sediada.

A informação foi dada nesta quinta-feira (08.04) pelo serviço noticioso britânico IHS Janes. A mudança já está em curso, mas só deverá estar concluída em 2019.

A força terrestre brasileira adquiriu o Sistema Antiaéreo Gepard em maio de 2013, e hoje possui 34 desses blindados. Os veículos, de 47,5 toneladas, estão equipados, cada um, com uma dupla de canhões automáticos Oerlikon KDA de 35mm, de alta cadência (750 disparos por minuto). Preparados para emprego real, eles transportam 3.000 cartuchos, sendo 2.500 de munição antiaérea e 500 de munição antitanque.

Gepard 211a
As armas do Gepard podem ser acionadas a uma cadência de 750 disparos por minuto

 

A 5ª Brigada Blindada – Brigada General Tertuliano de Albuquerque Potyguara – é uma das grandes unidades de maior poder de choque do Comando Militar do Sul.

Entre as suas 12 unidades alinham-se dois regimentos de carros de combate – o 3º, de Ponta Grossa, e o 5º, de Rio Negro –, que representam uma força de, aproximadamente, 100 carros de combate pesados Leopard 1A5; dois batalhões de Infantaria Blindada equipados com viaturas M-113, de origem americana; um grupo de artilharia de campanha autopropulsado mobiliado com 24 antiquados obuseiros autopropulsados M-108, de 105 mm; e um esquadrão de Cavalaria Mecanizado dotado de viaturas Cascavel e Urutu, de fabricação nacional.

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hans Schommer
5 anos atrás

Uma grande melhoria do poder de combate de defesa aérea para a brigada !
A correção de informações técnicas de GEPARD M1A2:
Cadência: 1100 disparos por minuto (Duas canhões juntos)
Quantidade de munição antiaérea: 640 cartuchos
Quantidade de munição antitanque: 40 cartuchos
Hans Schommer

rsbacchi
rsbacchi
5 anos atrás

Simplesmente maravilhoso!!!

Galeão Cumbica
Galeão Cumbica
5 anos atrás

Srs.,

Cabe um deste no KC 390?

sds
GC

Hans Schommer
5 anos atrás

Caro GC,
não. KC 390 pode transportar o máximo 32 toneladas de carga!
Sds
Hans Schommer

Hans Schommer
5 anos atrás

Desculpe – 23 toneladas!

Felipe Morais
Felipe Morais
5 anos atrás

Será que não tem mais uns modernizados para o EB comprar não? Se eu fosse o responsável no EB compraria todos os 1A2 disponíveis na Alemanha. Faria o mesmo com os leopards. E ainda compraria alguns guepards não modernizados para estocar as peças. Pena que eu não saiba nem o nome do responsável.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
5 anos atrás

Boa tarde Senhores!

Volta a dizer:

O EB deveria adquirir mais três lotes em igual numero para mobiliar unidades ao Norte e Oeste.

Buscar na Alemanha ou Belgica (estes últimos não modernizados, mas nada que a KMW de Santa Maria-RS não resolva.

CM

Galeão Cumbica
Galeão Cumbica
5 anos atrás

Vc tem toda a razão Hans, eu so tava com pensando em dimensões, mas o brinquedo tem 47 tons!!!

sds
GC

Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

Na falta de alguem competente p/ integrar o míssil nacional “Piranha”, o radar nacional “Saber M-60”, o canhão 30mm usado na viatura blindada nacional “Guaraní”, digamos ao chassis dos MBT “Leopard” adquiridos á Bélgica; importamos sucata alemã.
Esta é a realidade da BID.

Soldat
Soldat
5 anos atrás

Sensacional[2]

O Brasil tem que adquirir mais Leopard e Gerpard com certeza e bem melhor do que comprar tranquilhas Anglo-Americana.

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

Só de curiosidade pra quem não sabe, esse dispositivo na boca do cano dos canhões é um sensor de velocidade dos projéteis.
Em alguns canhões antiaéreos (ou com função antiaérea) esse sensor está na forma de um pequeno radar situado acima do cano da arma, como por exemplo no Bofors 57 mm Mk3.

rsbacchi
rsbacchi
5 anos atrás

Quosque tandem abutere patientia nostra, o Gepard!!!

Soldat
Soldat
5 anos atrás

“Catilinárias”

http://jorgecarrano.blogspot.com.br/2012/06/quousque-tandem-abutere-catilina.html

Hehe…maneiro….

Mas ainda prefiro a velharia Alemã do que as tranqueiras Anglo-Americanas..

shalom….

rsrs…

Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

A minha ideia não é nenhuma reinvenção da roda, o ADATS não tinha uma configuração mto diferente.
Exceto talvez pelo canhão.
O duro mesmo é arrumar alguém competente, que consiga colocar tdos os componentes juntos e faça funcionar.
Qnto a sucata alemã, será que não sobraram alguns FlaRak Rad Roland, p/ o EB importar???

Bosco Jr
Bosco Jr
5 anos atrás

A versão do ADATS montado no chassi do M-2 que quase entrou em operação no USA tinha um canhão M-242. O M-242, tanto nessa versão do ADATS quanto no M-6 Linebaker, vale salientar, tinha função de defender o veículo contra ameaças em terra e era pouco útil na função antiaérea devido à baixa cadência de tiro. No máximo poderia atingir um helicóptero pairado ou em voo lento. Muito diferente do conceito por exemplo do Tunguska, Pantsir, LAV-AD, etc. , que além dos mísseis AA tem um canhão AA. No Ocidente a ideia de veículo antiaéreo que parece prevalecer é a… Read more »

Vader
5 anos atrás

De fao não fazia sentido esses Gepard em Itu. Estarão melho mobiliados no Paraná.

rsbacchi
rsbacchi
5 anos atrás

Bosco, eu não acredito mais no canhão para defesa anti aérea contra aviões. Acredito só em misseis guiados.

Eu usaria somente o canhão, em defesa contra helicóptero lança míssil guiado anti carro.

Mas apesar da munição APDSFS ter aumentado o alcance do 35/40 mm (considero o 30 mm completamente fora do contexto) eu iria para um 57 mm como o estão fazendo os russos.

ReturnOfTheKing
ReturnOfTheKing
5 anos atrás

Eu ainda acho que a escolha é boa pela versatilidade do equipamento podendo ser empregado até contra alvos terrestres.

Hans Schommer
5 anos atrás

E GEPARD nada custar. A munição incluiu vale mais. Um cartucho de 35 milímetros tem um valor de cerca de 200 €. A munição é adequado para todos os 35 milímetros GDF. Exército Brasileiro receberão 540 mil munições para os blindados Gepard!
Sds
Hans Schommer