Home Asas Rotativas Exército paquistanês compra 15 helicópteros de ataque Viper e 1.000 mísseis Hellfire

Exército paquistanês compra 15 helicópteros de ataque Viper e 1.000 mísseis Hellfire

1703
14
mísseis Hellfire AH-1Z Viper
Ilustração de propaganda do sistema de armas representado pelo AH-1Z Viper

O Departamento de Estado americano deu o seu ok, no início de abril, à venda, pela indústria bélica estadunidense, de 15 helicópteros de ataque AH-1Z Viper e 1.000 mísseis ar-terra Hellfire – além de motores de reserva e suprimentos – à Arma Aérea do Exército do Paquistão.

A liberação dessa transação – no valor de 952 milhões de dólares – teve o aval da Agência para a Cooperação em Segurança e Defesa do governo americano.

No ano passado, o mesmo Departamento de Estado aprovou que militares do Exército brasileiro testassem o Viper.

O Comando da Aviação do Exército (CAVEX) trabalha para montar uma unidade de ataque com aeronaves de asas rotativas, e, nesse momento, examina os predicados técnicos e as condições financeiras de três aeronaves: o Viper, o Mi-28N russo e o T-129 Mangusta modernizado, modelo construído na Turquia sob licença da AgustaWestland. A Airbus mostrou interesse em participar da mesma competição, com o seu modelo Tigre.

Waziristão – No começo do ano, esse órgão da Administração Barack Obama julgou o aprimoramento da capacidade de ataque com precisão do Exército paquistanês, indispensável ao fortalecimento do poderio de um país tido como vital à obtenção das metas de segurança nacional e de política externa que os Estados Unidos perseguem na Ásia Meridional.

Em Islamabad, o Ministério da Defesa anunciou que o novo armamento será usado para atender os requisitos de segurança estipulados pela agência paquistanesa dos assuntos do Waziristão do Norte – região que serve de refúgio aos extremistas da rede terrorista da Al Qaeda –, órgão subordinado ao departamento das Áreas Tribais Administradas Federativamente do governo local.

Nos últimos três anos, as incursões de drones americanos armados no noroeste do Paquistão têm causado inúmeras vítimas entre a população civil — um efeito colateral que os militares desse país desejam minimizar.

Apache_AAC_Hellfire
Míssil Hellfire sendo disparado de um helicóptero Apache, dos Estados Unidos

 

Lista – A relação dos equipamentos requeridos pelos militares paquistaneses é a seguinte:

  • 15 helicópteros de ataque AH-1Z Viper;
  • 32 motores T-700 GE 401 C (30 instalados nos helicópteros e dois embalados para servir a uma eventual reposição);
  • 1.000 mísseis AGM-114 Hellfire II (a serem entregues dentro de contêineres);
  • 36 computadores de missão H-1;
  • 17 sistemas AN/AAQ-30 de visada para o alvo;
  • 30 sistemas de comunicação 629F-23 em VHF e UHF;
  • 19 sistemas H-764 de navegação inercial acoplados a GPS;
  • 32 capacetes para pilotos tipo Top Owl;
  • 17 sistemas APX-117A de identificação Amigo/Inimigo (IFF);
  • 17 sistemas AN/AAR-47 de alerta contra mísseis inimigos;
  • 17 gavetas AN/ALE-47 distribuidoras de contramedidas eletrônicas (despistadores);
  • 18 sistemas AN/APR-39C(V)2 de alerta radar (RWR);
  • 15 sistemas de planejamento de missão conjunta; e
  • 17 canhões M197 de 20 mm

A compra também inclui frete para transportar o material até o Paquistão, suprimentos, peças de reposição, ferramental, documentação técnica e software de treinamento de pessoal nos diferentes equipamentos.

120905050947-bergen-drone-pakistan-attack-story-top
Manifestação contra as incursões de drones americanos no norte do Paquistão; a compra dos mísseis Hellfire pelo Exército paquistanês pretende viabilizar ataques aéreos contra os terroristas da Al Qaeda de maior precisão

Histórico – O Exército paquistanês é um antigo usuário dos helicópteros de ataque da família Viper/Cobra.

Ele recebeu 20 modelos Bell AH-1S Cobra em meados dos anos de 1980.

Entre 2007 e 2010 obteve 26 AH-1F, e, em 2013, comprou à Força Aérea Jordaniana – com a permissão de Washington – outros oito exemplares da versão AH-1S.

Os helicópteros de ataque americanos equipam os esquadrões de nºs 31,32 e 33 da Aviação do Exército, sediados na base aérea de Multan, província de Punjab, no meio-leste do território paquistanês.

14
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
tadeumarMarcos Gilbertrsbacchithomas_dwBosco Jr Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Tudo bem que tem sobressalentes e 1000 mísseis Hellfire (algo impensável para o EB), mas a conta é cara.

Enfim, helicóptero de ataque especializado não é para qualquer país. Tem que ter dinheiro e muita disposição ou necessidade para fazer uma compra dessas.

Como o EB não tem nenhuma dessas três coisas e seria necessário ao menos duas delas, ele não terá helis de ataque tão cedo.

Marcos Gilbert
Visitante
Member
Marcos Gilbert

Eu queria esse pacotinho para o Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil, os Sbat-70 temos aqui no Brasil, não precisa vir de fora.

Abraços

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Marcos, o Sbat-70 está ultrapassado, o produto que temos que está em nível de igualdade com outros estrangeiros da mesma classe é o Skyfire, também produzido pela Avibras.

Iväny Junior
Visitante
Member

Saiu barato.

Alfredo Araujo
Visitante
Member
Alfredo Araujo

Off-Topic dos bons…

Eis a nova familia de blindados russo, por inteiro…

http://bastion-karpenko.ru/new-tehnik-parad-150504/

Pedro
Visitante
Pedro

Olá senhores! Eu não sei se observaram, mas uma das justificativas para aprovação dessa aquisição foi justamente para substituir os drones de ataque! Tem muita gente que acha que os vetores de ataque tripulados estão com os dias contados eu particularmente não acho isso. Tem que ter olho humano no cenário principalmente no cenário de combate assimétrico. Mesmo não sendo um homem de infantaria (saudações ao Ivan) sempre defendo que a palavra final em qualquer combate sempre será da infantaria! A AVEx realmente esta no caminho certo quanto suas aquisições: Primeiro helicópteros de manobra, helicópteros de ataque e observação, estes… Read more »

Bosco Jr
Membro
Trusted Member
Bosco Jr

Pedro, Nossos Mi35 operam o míssil Ataka, com 6 km de alcance (algumas variantes chegam a 8 km), supersônico, com peso e carga bélica semelhante ao Hellfire, guiados por comando de visada semi-automático via radiofrequência, o que obriga o míssil a implementar uma trajetória tensa. O Hellfire é de um conceito diferente. Também é ligeiramente supersônico e pode-se dizer que é um pouco mais avançado o que o torna mais flexível, sendo guiado por laser semi-ativo (que pode partir tanto da aeronave lançadora do míssil como de outra aeronave ou mesmo do solo). Uma outra vantagem é que pode implementar… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

E’ apenas uma oferta – o Paquistao e’ um pais satelite da China e ja recebeu 3 helicópteros Z-10 de presente dos Chineses, vai ser dificil eles comprarem os AH-1Z se a China doar um numero equivalente.

Pedro
Visitante
Pedro

Bosco obrigado por sua atenção! Essa versão do “Hellfire” não aquela guiada por radar ativo? Acredito que um helicóptero fica muito vulnerável iluminando laser um alvo e este se tiver sensores com certeza disparará suas contra medidas óticas. Bosco eu acho que o “Ataka” é guiado por um tipo de radar semiativo. O vetor enquadra o alvo e orienta dentro de um feixe radar. Se for assim acho muito interessante, pois acerta alvos mesmo encobertos por contramedidas óticas (fumaça). Você sabe dizer se existem versões do “Ataka” guiadas por radar ativo? Pergunto isso, pois vejo o Apache D e o… Read more »

Bosco Jr
Membro
Trusted Member
Bosco Jr

Pedro, Como diria o velho Jack: vamos por partes! rsrss Há uma opção de usar um pod de radar milimétrico no AH-1 que o possibilita usar o Hellfire Longbow, mas não sei se foi adquirido pelos paquistaneses, portanto, eles deverão adquirir a versão guiada por laser semi-ativo. Quanto ao heli ficar vulnerável iluminando um alvo com laser, sem dúvida isso pode ocorrer se compararmos com mísseis de terceira geração que são fire-and-forget, mas há maneiras de minorar essa fragilidade. Uma delas é cronometrar a trajetória do míssil e só se expor para iluminar o alvo nos últimos segundos. Outra forma… Read more »

Bosco Jr
Membro
Trusted Member
Bosco Jr

O fato dos russos ainda não adotarem mísseis antitanques (leves, médios e pesados) guiados por laser semi-ativo e por seeker autônomos (IIR ou MMWR) é uma incógnita.
Não lhes faltam capacitação tecnológica.
Enquanto o mundo se rende a esses tipos de orientação os russos ainda estão apegados aos “teleguiados”.
Os mais modernos já não usam fio de cobre, sendo guiados por RF (ATAKA) e laser beam rider (Vikhr, Kornet), tendo o leve Metis como exceção.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Bosco, saudações.

É um tremendo prazer ler teus comentários.

Parabéns

Marcos Gilbert
Visitante
Member
Marcos Gilbert

É eu sei bem q os Sbats estão ultrapassados , mas eu não lembrava o nome do sucessor e preguiça de procurar porque sabia que alguém iria corrigir.

Abraços

tadeumar
Visitante
tadeumar

O uso de helicopteros de ataque nao substitui as vatagens taticas que os drones oferecem (silenciosos). O Paquistao nao tem nada a ver com os drones, que estao sob o commando e posse dos EUA. O uso de drones produz menos danos colaterais do que os Helis de ataque. Um drone pode ficar horas voando em uma trajetoria circular, esperando por informacoes sobre alvos no solo e partir para o ataque imediatamente, sem ser percebido. Ou pode sair para um missao especifica e voltar para a base sem ser detectado pelo inimigo. Agora voltando ao tema dos Vipers. O Paquistao… Read more »