Home História Documentos provam que Japão trabalhava em bomba atômica durante a Segunda Guerra

Documentos provam que Japão trabalhava em bomba atômica durante a Segunda Guerra

1279
34
bomba atômica
Réplica da bomba detonada em Hiroshima é exposta no Museu Hiroshima Peace Memorial – Eugene Hoshiko / AP

Detalhes do programa nuclear contam que centrífuga ficaria pronta em 19 de agosto de 1945, quatro dias após rendição

ClippingHá 70 anos, as bombas atômicas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki puseram fim à Segunda Guerra Mundial, com a rendição do império japonês, mas documentos recém-descobertos na Universidade de Kyoto mostram que a História poderia ter sido outra. São três cadernos, datados entre outubro e novembro de 1944, que estavam há muito guardados nos arquivos da instituição. Eles dão detalhes sobre programa secreto para a construção de um equipamento para o enriquecimento de urânio, peça fundamental para a produção de artefatos nucleares.

— Os novos dados podem nos mostrar o nível de pesquisa que eles estavam envolvidos — disse Hitoshi Yoshioka, professor de História da Tecnologia na Universidade Kyushu, em entrevista ao jornal local “Asahi Shimbun”.

A descoberta foi feita por Akira Masaike, de 80 anos, professor emérito na Universidade de Kyoto, que encontrou os cadernos perdidos entre outros documentos no antigo Centro de Pesquisas de Radioisótopos. Já era sabido que o Japão conduziu dois programas nucleares, mas não o estágio de desenvolvimento deles. O projeto “Nigo Research”, do Exército Imperial Japonês, era supervisionado pelo físico Yoshio Nishina, no Instituto Riken, em Tóquio. E o projeto “F Research”, da Marinha Imperial Japonesa, era liderado por Bunsaku Arakatsu, professor de física na Universidade Imperial de Kyoto.

Os cadernos em questão pertenceram a Sakae Shimizu, pesquisador que trabalhou com Arakatsu na Universidade Imperial de Kyoto, predecessora da Universidade de Kyoto. De acordo com Masaike, os cadernos, intitulados “Separação ultracentrífuga”, têm tabelas mostrando equipamentos, números e fotografias de pesquisas realizadas no exterior. Uma tabela listando o material necessário para a construção de uma centrífuga para enriquecimento de urânio, com detalhes de diâmetro e comprimento dos componentes, também foi encontrada.

— A importância da recente descoberta recai sobre o fato de que os documentos confirmam a existência de pesquisas no desenvolvimento de centrífugas na Universidade Imperial de Kyoto — disse Masaike. — Eu quero aprender como os cientistas estavam engajados no desenvolvimento de armas nucleares, apesar de ser possível que eles estavam apenas em busca do conhecimento científico.

CENTRÍFUGA ESTAVA PREVISTA PARA 19 DE AGOSTO

Entre os detalhes, os cadernos mostram que os cientistas pretendiam usar o duralumínio, uma liga metálica de alumínio, para a construção das centrífugas. De acordo com os planos, o cronograma previa que o equipamento estaria pronto no dia 19 de agosto de 1945, apenas quatro dias após a rendição do Japão. Os projetos foram suspensos após o fim da Segunda Guerra.

— Esses cadernos são mais uma confirmação sobre os esforços japoneses para uma bomba atômica, algo que muitos no Japão não querem admitir — disse Robert Wilcox, autor do livro “Guerra Secreta do Japão: A corrida contra o tempo para construir sua própria bomba atômica (em tradução livre)”, em entrevista ao “Los Angeles Times”.

Segundo o autor, o problema do programa nuclear japonês não era de conhecimento, mas de falta de recursos.

— Eles conheciam a física necessária para criar a bomba e a engenharia necessária para construí-la — disse Wilcox. — Foi uma questão de falta de recursos elementares como o urânio. Em 1945, a marinha japonesa gastou uma fortuna para comprar urânio. Eles precisavam de uma arma para vencer a guerra e a bomba atômica era uma delas.

A descoberta veio à público a poucos dias da celebração dos 70 anos das bombas de Hiroshima e Nagasaki e no meio de intenso debate sobre as usinas nucleares, desligadas desde 2011, quando um tsunami devastou Fukushima e provocou um grave incidente nuclear.

FONTE: O Globo

Subscribe
Notify of
guest
34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Zefiris
Zefiris
4 anos atrás

Se não me engano, centrífugas requerem MUITA energia elétrica para funcionarem. Me pergunto da capacidade de produção elétrica japonesa em meados de 1945 com todos aqueles bombardeiros…

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
4 anos atrás

Interessante a descoberta mais NADA do que descobrirem vai fundamentar a maior ou as maiores , pois foram duas vezes, atrocidades da história humana!!!!

Toleman Alan Picoli
Toleman Alan Picoli
4 anos atrás

Marcelo Tadeu, matar 300 mil com bombas nucleares é mais cruel do que matar 300 mil com baionetas (Manila, Nanquim, entre outros…)? Ou 6 milhões com câmaras de gás, fome e violência? Ou 2 milhões de fome (holodomor)? Ou 1,5 milhão de fome e violência (genocídio armênio)? Ou 15 milhões de opositores políticos em campos de trabalho forçado?
Sinceramente, foi pior que esses e mais um monte de outros com muito mais vitimas?

Marcelo
Marcelo
4 anos atrás

só falta alguém avisar o Boechato disso.

Fábio Mayer
Fábio Mayer
4 anos atrás

Uma invasão terrestre ao Japão mataria mais militares e civis, teria um custo colossal, destruiria ainda mais a infra-estrutura japonesa e aproximaria a URSS de invadir a península da Coreia e provavelmente o norte do Japão também.

Amaral dos Santos
Amaral dos Santos
4 anos atrás

Sem lançar as bombas atômicas centenas de milhares ou milhões de civis e militares morreriam, em ambos os lados, a decisão foi difícil mas acertada. A partir daí todo o mundo passou a respeitar o poder atômico, imaginem uma BA nas mãos do EI? Ou dos aiatolás? Somente os EUA e membros da OTAN estão combatendo essa gente maluca, se um louco desses joga uma bomba numa cidade, só por que não é da religião dele, o mundo inteiro sentirá os efeitos maléficos, por isso o Brasil precisa se armar para se defender, ou será que vamos ter que chamar… Read more »

Gilbert
Gilbert
4 anos atrás

e quantos anos levaria para de fato produzir uranio enriquecido para produzir uma bomba com a centrifuga e mais aonde é quanto tempo ainda levaria o Japão para desenvolver a bomba do zero já q só os EUA sabiam como e mais ainda que bombardeiro conseguiria sair do Japão e chegar aos EUA para detonar uma bomba dessa.

Abraços

Bosco
Bosco
4 anos atrás

Marcelo Tadeu,
Não sei se você percebeu mas você está sendo mais realista que o rei. Os japoneses são aliados dos americanos. Capice!???
É cada uma!!!!

Aldo
Aldo
4 anos atrás

A bomba foi detonada apenas para impedir a chegada dos russos na ilha…

Romulo R.
Romulo R.
4 anos atrás

Eu não sei não mas com o desenvolvimento de bombas termonucleares centenas de vezes mais potentes que aquelas duas mais simples utilizadas no Japão durante a guerra ,acho que o mundo ainda não testemunhou a maior das atrocidades, cruel mas elas existem e foram desenvolvidas com um único propósito .

Emerson R.B
Emerson R.B
4 anos atrás

É impressionante que pra não ser taxado de A ou B, ou pra mostrar um falso moralismo, varias pessoas não querem ver a realidade das coisas, talvez seja porque ela o assuste, ou o decepecione algum vies ideologico ou sei la o que. O Japão nunca teve pena de seus prisioneros de guerra, eram piores que os nazistas e mais fanaticos ainda.Os chineses torturados e usados como cobaias de experimentos cientificos são a prova disso.Eles se achavam supeiores a qualquer outro país e raça, assim como os nazistas.Não tinham nem respeito ao seu povo e aos seus soldados, usando da… Read more »

Emerson R.B
Emerson R.B
4 anos atrás

Desculpe me perdi no raciocionio.Só pra complementar.

Imaginem uma nação japonesa daquela epoca com uma BOMBA ATOMICA.Assim como tbm seria tragico na mão dos nazistas e tbm dos sovieticos.Até pq os sovieticos só não usaram as suas na guerra fria ,pq sabiam que receberiam retaliação , caso eles tivessem o monopolio da BOMBA pode ter certeza que choveria a boma em todos seus inimigos.

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
4 anos atrás

Pessoal, não sou anti americano e sou apaixonado pela história da Segunda Guerra Mundial. Esta história de que os bombardeiros evitariam milhares de mortes e balela. Soldados ou civis morrem em guerras mas os civis de Hiroxima e Nagasaki não tiveram a menor escolha. O Japão já iria se render em poucos dias mesmo. Isso nada mais foi amostra para Stalin se enquadrar.

João Girardi
João Girardi
4 anos atrás
Luciano Meron
Luciano Meron
4 anos atrás

No fundo, cai num debate moral (para o qual o Micheal Walzer tem uma excelente obra sobre questões morais e guerras). É como uma outra matéria publicada no Forte, sobre o uso de IAs em campo de batalha. Todas as potências envolvidas na II Guerra buscavam tecnologias que dessem vantagem sobre o inimigo. O argumento norte americano fundamenta-se muito nas baixas com a invasão de Okinawa, que serviram de parâmetro para a uma possível invasão das ilhas principais ( e havia também os custos financeiros já dificeis de manter). Contudo, já havia fortes indícios de que variados setores do governo… Read more »

luiz anselmo pias perlin
luiz anselmo pias perlin
4 anos atrás

As descobertas feitas a poucos meses do aniversario de 70 anos mais me parece uma desculpa do fato ocorido PURA SAFADESA A COISA É SIMPLES É SÓ DIZER NÓS TINHAMOS A VITORIA NAS MÃOS SÓ NÃO QUERIAMOS PERDER NOSSOS SOLDADOS então preferimos acabar com todos nas cidades ,civis e militares,ou seja mulheres ,crianças,e velhos para inpor um terror ao mundo então aproveitamos a cituação ( a guerra).

Kawazaki Kamikaze
Kawazaki Kamikaze
4 anos atrás

Caros,

Assisti na Rede Lobo de Televisão (LoboNews), essa semana, que o Japão JÁ havia comprado e recebido PLUTONIO da Alemanha Socialista de Hitler…

Não precisariam de muito tempo para construir a bomba.

O que o pesquisador de uma universidade japonesa disse na entrevista é que eles não tiveram capacidade técnica, cerebros, para concluir o projeto em tão pouco tempo.

Agora pergunto aos colegas: Voces acham que o Japão hesitaria em usar a bomba???

Wilson Marcos Santos
Wilson Marcos Santos
4 anos atrás

Para os que acreditam que o uso das bombas nucleares foi desnecessário, é impresncidível alguns dados : Ao invadir Okinawa, 10 mil civís (que não eram japoneses) cometeram suicídio pressionados pela Polícia Política Japonesa, sob a alegação de que os invasores (americanos) praticariam com eles as mesmas atrocidades que eles praticaram com os Chineses e Coraneos. Ao se implementar a Operação DownFall : http://www.forte.jor.br/2009/08/13/operation-downfall/ Fazendo uma analogia com a invasão de Okinawa, as baixas seriam na ordem de 330 mil soldados aliados para um milhão e trezentos mil japoneses. (Fora os suicídios induzidos pela polícia política japonesa, claro) Logo, por… Read more »

Luiz Trindade
Luiz Trindade
4 anos atrás

Eu creio que o ponto fundamental é que os EUA obtiveram sucesso em construir, testar e lançar as armas nucleares antes que qualquer um. Até porque, para quem não se lembra, os EUA quando invadiram a Alemanha Nazista, sequestraram os cientistas nazistas que trabalhavam na bomba atômica nazista. Dae a razão do sucesso deles. O que importa é que antes os EUA do que qualquer país do Eixo que iria escravizar o mundo caso ganhasse a guerra!

Duanny D.
Duanny D.
4 anos atrás

Tem muito safado nesse mundo mesmo. Defender que a bomba não fez o Japão desisitir da guerra, quando os próprios japoneses disseram isso em comunicado a nação na época e falta de caráter.

Duanny D.
Duanny D.
4 anos atrás

Luiz, conta a história q a bomba já estava pronta, e o alvo era Berlim. Não houve participação nazista.

Andrei
Andrei
4 anos atrás

Uma coisa é conseguir enriquecer o urânio, outro é ter material suficiente para produzir uma bomba, e ainda mais complicado é encontrar um esquema funcional, saber combinar todos os componentes, e ter um meio para lançar a bomba sobre o inimigo já que uma arma nuclear não é muito útil numa guerra entre forças próximas…

A bomba atômica na mão dos japoneses seria tão trágico quanto foi na mão dos americanos…

BRAÇO FORTE
BRAÇO FORTE
4 anos atrás

Embora a mídia dos EEUU constantemente produza matérias tentando justificar atos insanos de Estado, este foi um dos mais monstruosos crimes de guerra da História da Humanidade, tendo em vista que as bombas poderiam ter sido lançadas em ilhas desabitadas ou, na falta delas, junto ao litoral, evitando-se a desnecessária matança de milhares de civis. Para reflexão, interessante conultar http://www.curionautas.com.br/2015/08/5-mitos-sobre-os-ataques-nucleares.html

AbelPauperio
AbelPauperio
4 anos atrás

Sofrer o bombardeio foi a opção japonesa, eles foram alertados, a mando dos EUA, pela embaixada Suíça de que seriam bombardeados por uma arma nova e que destruiria cidades inteiras.
Quiseram pagar para ver.

Alex
Alex
4 anos atrás

Amigos, como professor de história (sou completamente capitalista e não gosto dos ideais esquerdistas ) vejo o lançamento das bombas como uma tentativa desesperada para derrotar um inimigo que, já tinha dado demonstrações, que iria lutar até o último homem, assim como também sacrificaria civis para não se entregar.

Moita
Moita
4 anos atrás

BRAÇO FORTE 8 de agosto de 2015 at 14:26 # Isso não tem sentido lógico. Os japoneses foram avisados (através de embaixadas de outros países) que sofreriam ataques usando uma nova arma se não se rendessem incondicionalmente e não aceitaram. Viram Hiroshima queimar e milhares morrerem mas não desistiram. Viram Nagasaki queimar e outros milhares morrerem e ainda assim membros do governo japonês não aceitavam a rendição, havendo inclusive uma tentativa de golpe para impedir a rendição. Jogar uma bomba numa ilha deserta faria diferença? Só lembrando que em 45 havia quase 80 milhões de japoneses em território imperial japonês,… Read more »

Rafael M. F.
Rafael M. F.
4 anos atrás

Na guerra, muitas vezes você é obrigado a escolher entre uma opção péssima e uma opção catastrófica.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
4 anos atrás

Duanny D.

A bomba atômica norte-americana foi testada em 16/07/45 às 05:30 em Los Alamos e a rendição alemã foi em 08/05/45. São datas incontestáveis escrita na história. A bomba atômica estava em curso final de construção em Maio de 1945. Ahhhh… Havia um progresso significativo na construção da arma atômica norte-americana, sem dúvida! Mas só deram o passo definitivo com a captura dos cientistas nazistas que estavam trabalhado na arma atômica nazista!

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
4 anos atrás

Fica dificil entender como uma nação sem matérias primas, com bloqueio naval, com os EUA e aURSS de cada lado, toda a infraestrutura arrasada por bombardeiros convencionais, iria levantar a população faminta para lutar, eles iriam se render mais cedo ou mais tarde, nem precisaria invadir.
Continuo defendendo que o uso de Armas Nucleares foi político e não estratégico.
Mas, o pior de tudo, meus amigos, é ler os comentários aqui escritos e perceber que a Humanidade não aprendeu nada e, se for possível, vai cometer os mesmos erros.

Um grande abraço à todos!!!!

Moita
Moita
4 anos atrás

Marcelo Tadeu

Na batalha de Okinawa o exército japonês severamente limitado e passando fome, teve que confiscar comida da população pra alimentar os soldados e conscritos locais. E mesmo limitado e com fome, 95% do exército na ilha morreu lutando, causando baixas consideráveis aos americanos.

Não se renderiam por fome.

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
4 anos atrás

Entendi eles iriam cometer a antropofagia , realmente , salve O Projeto Manhattan

Luiz Trindade
Luiz Trindade
4 anos atrás

Me desculpa Marcelo Tadeu, mas dizer que a humanidade não aprendeu nada é ser pessimista demais… Mais alguém lançou arma atômica em alguém depois do Japão?
Então aprendemos que usar essas armas eram cruéis demais e fora que os EUA foram limitados pela URSS quando estes começaram a produzir tb armas atômicas tb e não lançaram um no outro por causa do medo de ter destruição ambos!

Moita
Moita
4 anos atrás

Marcelo Tadeu 10 de agosto de 2015 at 21:35 # Não seria a primeira vez que uma população sofre e o estado resiste. O bloqueio diminuiria a entrada de recursos mas a produção interna e fontes de reaproveitamento continuariam a manter parte da população, haveria uma tragédia humana mas o estado, no poder por força e cultura, continuaria a controlar recursos até que com iniciativas da indústria e fontes externas (furos no bloqueio) conseguissem estabilizar sua situação, além de continuar investindo em armas que balanceassem a disputa (o artigo acima). Além da pouca eficiência, o mais provável é que um… Read more »