Home ABIMDE Saab apresenta sistemas de mísseis antiaéreos na 4ª Mostra BID Brasil, em...

Saab apresenta sistemas de mísseis antiaéreos na 4ª Mostra BID Brasil, em Brasília

10199
139
RBS 70 NG - foto Saab
RBS 70 NG – foto Saab

A Saab, empresa de defesa e segurança, participará da 4ª edição da Mostra BID Brasil, em Brasília, entre os dias 27 e 29 de setembro. Durante o evento, a companhia apresentará seus sistemas de mísseis antiaéreos reconhecidos mundialmente pela qualidade e precisão: o RBS 70 NG e o BAMSE.

“Nossas soluções para defesa antiaérea são altamente tecnológicas e, ao mesmo tempo, de fácil uso e manutenção. Além disso, prezamos para que os sistemas sejam flexíveis e de fácil integração com outros produtos utilizados pelos clientes”, explica Marianna Silva, diretora geral da Saab do Brasil. “Parcerias longíquas e comprometimento com o cliente são algumas das características de nossa companhia”, complementa.

O sistema míssil de baixa altura telecomandado RBS 70, utilizado em vinte países, como Brasil, Argentina, Emirados Árabes, França e Suécia, recebeu melhorias que deram origem ao RBS 70 NG (Nova Geração).

RBS 70 NG e radar Giraffe - foto Saab
RBS 70 NG e radar Giraffe – foto Saab

O aparelho de pontaria ganhou, dentre outros incrementos, um dispositivo de visão termal integrado de alta resolução; um avançado suporte visual para o atirador, que reduz o tempo de reação e agiliza a aquisição do alvo; e a função “acompanhamento automático”, que auxilia o atirador durante o engajamento e amplia a probabilidade de acerto. Além disso, o guiamento foi aprimorado, tornando mais fácil tanto o acompanhamento manual quanto o automático, e o sistema está com gravação de vídeo embutida, permitindo posterior análise dos disparos realizados.

O sistema míssil antiaéreo de média altura telecomandado BAMSE pode operar tanto em rede quanto de modo autônomo. Com alcance superior a 20 quilômetros e teto de emprego de15 mil metros, o sistema possui um radar de vigilância ativo multifeixe e outro de acompanhamento monopulso, do tipo comando automático da linha de visada, para guiamento do míssil.

saab-bamse

Com a possibilidade de lançar dois mísseis telecomandados simultaneamente, o sistema também permite que o operador anule o acompanhamento automático, escolha o ponto de pontaria no alvo e, se necessário, realize a mudança de alvo após o lançamento do míssil.

A 4ª Mostra BID Brasil será realizada no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, no Eixo Monumental, Lote 5, Asa Sul, em Brasília (DF), de 27 a 29 de setembro de 2016.

A Saab estará no estande número 67.

DIVULGAÇÃO: MSLGROUP Publicis Consultants

139
Deixe um comentário

avatar
139 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
27 Comment authors
Reinaldo DepreraAlexandreaugustoNadim_RR_ Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Wellington Góes
Visitante

E desde quando a SAAB participa da Base Industrial de Defesa do Brasil?!

Bueno
Visitante
Bueno

Esperando para ler os comentários da comparativo da capacidade deste sistema em relação ao pantsir

Jr
Visitante
Jr

A impressão que da é que a Saab esta desesperada para empurrar o sistemas Bamse para o EB, e isso não é de hoje. O engraçado é que a própria Suécia esta se desfazendo desse sistema

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

O BAMSE me parece fraco. Só 20 km de alcance?? Por quê tão pouco?? Ele é pelo menos muito barato, se comparado ao Patriot ou ao S-300? Ou tem algum diferencial que justifique o curto alcance?
.
Mestre Bosco saberia me responder?? 🙂 Boa tarde a todos!!

Ricardo
Visitante
Ricardo

Tamandaré, boa tarde colega.

Pergunto:
Muito barato, quanto?
Li no texto que era 15km de altura, e não 20, isso procede de outra informação?
E, se alguém puder me dizer, mas acho que este BAMSE não concorre com o S-300 ou Patriot, penso que eles seriam de segmentos diversos, estou errado?
Por fim, alguém pode fazer o comparativo com o tal do Pantsir? digo, em preço e características.

Se alguém puder, agradeço.

bosco123
Visitante

Tamandaré, O BAMSE é um sistema de proteção de curto alcance (SHORADS). O peso do míssil é de 85 kg. O S-300 é de grande alcance/altitude (HIMADS), com peso de 2 t. São de segmentos diferentes. O BAMSE é do mesmo segmento do Pantsir. Na verdade ambos têm o mesmo envelope cinético (20×15), sendo o míssil sueco mais afeito à proteção de pontos estratégicos, tendo maior mobilidade estratégica (via aérea) e o Pantsir mais afeito á proteção de alvos táticos. Ambos são guiados por comando automático para a linha de visada (ACLOS), sendo que os mais novos Pantsir por ter… Read more »

Eduardo Pereira
Visitante
Eduardo Pereira

Grande Boscopédia arrebentando a boca do balão novamente.
Será q com a aproximação da Saab cada vez maior, ela pode conseguir vender seu sistema ao EB já q o Pantsir tá agarrado ate hoje e eles podem se dar ao luxo de parcelar e facilitar a venda como fizeram com o Gripen p a FAB ???

bosco123
Visitante

Jr, A grosso modo há 4 segmentos de mísseis sup-ar: a- portátil (V-SHORADS) b- curto alcance (SHORADS) c- médio alcance (HIMADS) d- grande alcance (HIMADS) Os portáteis são os mísseis manpads/crewpads, lançados do ombro ou de pedestais, guiados por calor ou laser, pesando até 18 kg. Os de curto alcance são os veiculares, em geral guiados por “comando” (pesando entre 40 e 100 kg), sendo cada veículo autônomo em relação a lançar e guiar os mísseis. Os de médio e grande alcance são mísseis dotados de sistema de orientação autônoma, seja por IR, IIR, radar ativo ou radar semi-ativo. Fato… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Bosco, neste segmento de 120 kg, no ocidente poderíamos incluir na lista o Iris T VL ?

G abraço

bosco123
Visitante

Juarez,
Exato!
A lista dos médios é mais ou menos esta: VL-Mica, GL Umkhonto, Iris-T SL, Spyder, NASAMS/SLAMRAAM, CAMM(L), Iron Dome, Aspide 2000, etc.
Depois vem os de grande altitude/grande alcance: Patriot (320 a 900 kg), MEADS (340 kg), SAMP-T (450 kg).
Já na Rússia tem médio de 700 kg e pesado de 1800 kg. Como disse um colega, o que pra nós aqui é GG lá pra eles é M. rrssss

Juarez
Visitante
Juarez

Obrigado Bosco.

G abraço

bosco123
Visitante

Os sistemas de orientação puramente por “comando” estão em desuso e devem ser completamente substituídos no futuro por mísseis com seeker (homing), mas eles têm duas grandes vantagens: o custo (já que não tem um custoso seeker que se autodestrói a cada lançamento) e em tese uma maior capacidade de resistência às contra-medidas já que um sistema de direção de tiro de grande porte tem mais recursos que um simples “seeker”, que por vezes pesa menos de 2 kg. O BAMSE e o Pantsir são meio que “hors concours” porque apesar de serem leves (85 e 75 kg respectivamente) eles… Read more »

Léo Barreiro
Visitante
Léo Barreiro

Mestre Bosco

Obrigado pela aula!

Bardini
Visitante
danilojfsn
Visitante

Bosco como sempre esclarecedor ler seus comentarios, obrigado por compartilhar conosco.

Bardini
Visitante

Bem que poderiam aproveitar a parceria para desenvolver uma versão “tupiniquim” do ASRAD-R
https://media.defenceindustrydaily.com/images/ORD_SAM_RBS-70_Fired_from_ASRAD-R_lg.jpg

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Grande Bosco, grato pelas explicações! Aind abusando de sua paciência, eu te pergunto: qual dos dois sistemas seria melhor: Pantsir ou BAMSE? Ou eles estariam empatados?!
.
Boa noite a todos

Willhorv
Visitante
Willhorv

Mas sempre vão haver defesas em camadas. Os de longo alcance defendendo estrategicamente uma vasta área, os de médio, locais de suma importância e os de curto, pontos imprescindíveis.
Inclusive um apoiando o outro mediante o avanço das armas standoff, com baixa assinatura radar e tamanho diminuto.
Esta área costuma consumir muita tecnologia e verba….é para poucos.

bosco123
Visitante

Tamandaré, Como parece que o Pantsir seria utilizado aqui no Brasil para defender pontos estratégicos eu acho o BAMSE me parece mais adequado. Ele pode ser facilmente transportado por um C-130 ou KC-390. Seria interessante para a proteção das bases aéreas, etc. E imagino que deva ser mais barato que o sistema russo tendo em vista que um só radar de vigilância pode fornecer alerta para vários lançadores. O que não gosto muito no BAMSE é que o lançador (MCC) é tripulado e não de controle remoto. Ficam dois operadores lá dentro. A vantagem é que o sistema de direção… Read more »

Bardini
Visitante

O Barak 8 não seria uma melhor opção, tanto para o EB e FAB quanto para MB?

bosco123
Visitante

Bardini, Talvez uma melhor opção seja o CAMM-L que dizem estaríamos interessados e que deverá ser integrado na nova corveta. Tem também o Spyder, que já utilizamos os mísseis (Derby e Python V). Ou quem sabe o Spada 2000, que também já utilizamos nas fragatas? Ou o Iris-T SL, que parece já compramos? Ou quem sabe o NASAMS, se optarmos pelo amraam no Gripen NG. São tantas opções e tantas emoções. . . rsrss Falta só é din-din. O Barak 8 é da turma dos de longo alcance/grande altitude, embora seja “peso leve”. Eu acho que devemos primeiro ter um… Read more »

Felipe Silva
Visitante

Bosco, porque será que as FA ocidentais não dão mais importância às defesas SHORAD?

Bardini
Visitante

bosco123 20 de setembro de 2016 at 22:42 . Eu, particularmente gosto muito do sistema Spyder. Se fosse para escolher um e colocar na balança preço x padronização x confiabilidade x utilidade, ficaria com ele. Padronizaria FAB ( Gripen e AAA), EB (AAA) e MB ( AAA CFN e Gripen, se esse delírio sair) com Pythoon 5 e Derby. Tio Jacob não deixa na mão… Meteor viraria “bala de prata”. MB, iria de Sea Ceptor (deveria ser ESSM…) para defesa de ponto e ASTER 30 para defesa de área. . Com o Spyder, cobriríamos até 16 km x 50 km…… Read more »

Bardini
Visitante

E falando ainda do Spyder… O sistema vai ter uma versão mais “mobile”:
http://www.janes.com/article/58325/rafael-unveils-high-mobility-spyder-concept

Jr
Visitante
Jr

Bosco, obrigado pela aula que você deu, a Suécia esta trocando o BAMSE justamente pelo IRIST-SL e se não me engano a Suécia era o único país que utilizava o BAMSE, ele também esta sendo oferecido em uma concorrência na Índia, mas parece que eles não tem muita chance. Também acho que a melhor solução seja o CAMM(L) a MB já o escolheu e a MBDA já tem um acordo com a Avibras, claro que vai depender do preço que vão cobrar. Quanto ao Spyder eu era fã, mas acho que a imagem dele ficou meio arranhada depois da guerra… Read more »

bosco123
Visitante

Felipe, Os sistemas denominados V-SHORADS, que inclui os canhões AA e os mísseis portáteis não deixam de ser SHORADS. O “V” aí é só um preciosismo. rrssss Os sistemas sup-ar veiculares guiados por ACLOS tinham em relação aos mísseis portáteis uma ogiva mais pesada (e eficiente), um alcance de pelo menos o dobro e a capacidade “todo o tempo”, por adquirirem o alvo via radar (opcionalmente por meio visual). Exemplo desses mísseis: Roland, Crotale, Rapier. Eles são móveis e totalmente autônomos e montados em veículos blindados são aptos à defesa de forças móveis, como colunas de blindados, etc. Por sua… Read more »

Felipe Silva
Visitante

Muito obrigado, bosco.

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

bosco123 20 de setembro de 2016 at 21:38
Dizem que o Pantsir “não cabe” – “não entra” no 390 (rs), veremos !
______________________________________________________

O Spyder é noossa melhor opção.
A integração com outros meios que já possuímos é um diferencial impar !
Sem falar na mobilidade.
O Pantsir estamos pagando uma fortuna e para quê ?
Defesa de ponto estratégico ?
Temos que ter um multi propósito !
______________________________________________________

http://www.rafael.co.il/Marketing/186-704-en/Marketing.aspx

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Comentário e link preso no Spam

Felipe Silva
Visitante

Mas bosco, as defesas VSHORAD do ocidente não apresentam um desempenho claramente inferior à sistemas SHORAD dedicados, como o Tor-M2 e o Pantsir? Além da prontidão e capacidade desses últimos em defender alvos contra ataques ligeiros, como comboios atacados por aeronaves dedicadas à caça anti-tank e helicópteros à cerca de 20km ou mais? O ocidente vê isso como uma falha na sua defesa ou crê que está apto à bloquear essas ameaças antes que estas se aproximem? Um fato é: Um stinger ou mesmo um RBS-70 não é um Pantsir. É só uma dúvida.

augusto
Visitante
augusto

O Tor-m2 não é shorad dedicado só o pantsir. é o sistema spyder,mica vl, iris-t vl e camm-l cumprem muito bem esse papel ou ate melhor “em defender alvos contra ataques ligeiros, como comboios atacados por aeronaves dedicadas à caça anti-tank e helicópteros à cerca de 20km ou mais”. Alias o Tor-m2 ta mais pra equivalente do camm-l e iris-t vl, só não tão bom quanto

bosco123
Visitante

Felipe, Esse nível de ameaça seria neutralizado pelos mísseis de médio alcance, que se movem para acompanhar o deslocamento das colunas mas operam estáticos, camuflados. Um veículo “SHORAD dedicado” como você disse, é um alvo muito exposto no campo de batalha e pelo menos no Ocidente parece que abriram mão deles preferindo distribuir as defesas entre muitos veículos AA leves armados com mísseis portáteis e operando passivamente, linkados aos radares de alerta mais á retaguarda, jundo com os mísseis de “médio alcance”. Na verdade muito desses sistemas de “médio alcance” têm alcance não muito superior aos mísseis SHORAD dedicados, mas… Read more »

Mauricio R.
Visitante

Bardini 20 de setembro de 2016 at 20:49
.
Já defendi uma ideia parecida, derivada do ADATS, pois temos o radar, os mísseis e a viatura, mas nos falta quem tenha competência e expertise para integrar tudo isso junto.

Bardini
Visitante

O Pantsir eu entendo que deva ser encarado, dentro da conjectura Russa, como se fosse todo um “Skyguard” sob uma só plataforma, por exemplo… Não seria destinado a atirar no “arqueiro”, mas sim nas “flechas”. Tanto que ele atua dentro de um envelope que possui os sistemas para lidar com o tal “arqueiro”. . Não acho que o Pantsir seja o ideal para o Brasil. Com o CAMM via Avibras, o ideal (pelo menos, mais factível), no meu entender seria: . Baixa Altura estática: – Igla-S: (3,5 km x 6 km) – Oerlikon 35 mm (4 km) – RBS-70: (5… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Amigos a nossa vulnerabilidade maior não é a tropa, espalhada no terreno e móvel. São os pontos sensíveis fixos que podem por o país de joelhos: Itaipu, estação Ivai-Porá ( estas duas quebram a nação) e outros como pontes férreas ( poucas e de dificil construção), etc…Pra os meios existentes na AL, a .50 orgânica dos blindados e CC ja cumpre bem função de defesa das colunas, cuja melhor defesa, repito, é a mobilidade.

Felipe Silva
Visitante

Valeu, bosco. Agora entendi que o ocidente não está na falta de um sistema como o dos russos, mas apenas adotam uma doutrina diferetne.

Antonio Carlos Jr Zamith
Visitante

Esse sistema é o melhor até nível de brigada e não emite radiação. O Exército Brasileiro comprou alguns MANPADS RBS 70 VSHORAD só para a 1ª brigada AAe aqui no RJ em 2013. Bom seria em cada brigada ter uma 2 baterias deste. Agora que o Brasil esta quebrado que é não.

Juarez
Visitante
Juarez

Perfeito comentário Colombelli, se atingirem a estação de conversão de Ivaí Porã, já era, vamos voltar para a idade média.
Qualquer sistema que se adquirir e provavelmente serão em número reduzido, deverão ser altamente móveis a e aerotransportados.
O Pantsyr precisa ser parcialmente desmontado para que a viatura três eixos caiba no 390, o Spyder vai full, o Iris T SL também vai, não sei se o CAMM vai.

G abraço

bosco123
Visitante

Felipe, Eu até acho que faz falta um sistema intermediário. Os americanos quase adquiriram o ADATS. Na época teriam ficado com o Stinger, ADATS, Hawk e Patriot. Mas a tecnologia desses radares 3D e a miniaturização de seekers autônomos fez os mísseis “médios” ficarem muito mais leves, simples e flexíveis, além de poderem engajar alvos mesmo em baixíssima altitude, podendo até atingir alvos em ultra baixa altitude vindos de um nível alto a partir de uma trajetória parabólica e inclusive fora da linha de visão do lançador. Isso permite por exemplo que um AWACS possa operar conjuntamente com um posto… Read more »

Felipe Silva
Visitante

Entendo. Bosco, você acha que o novo esforço do U.S Army com o seu Multi-mission Launcher (MML) faz parte do desenvolvimento de uma plataforma SHORAD para preencher essa lacuna do ADATS? Não creio que um sistema que já testou com sucesso os mísseis: Aim-9X, MHTK, Hellfire Longbow, Stinger e o míssil Tamir (Iron Dome) esteja sendo desenvolvido para abater simples drones, como diz o artigo a seguir: http://www.waaytv.com/redstone_alabama/what-is-the-multi-mission-launcher-and-why-do-we/article_5e509b4c-07e3-11e6-ab42-7393099a56cb.html . No final desse artigo, porém, um general do US Army diz que o sistema é muito capaz e pode ”derrotar mísseis de cruzeiro”

bosco123
Visitante

Felipe, Na verdade há uma lacuna mas é devido à falta do SLAMRAAM e não do ADATS. O ADATS foi só uma intenção de ter algo melhor que o péssimo Chaparral (e antes do ADATS testaram o Roland e o Sgt York). O SLAMRAAM sim faz falta. Os americanos pulam do Stinger para o Patriot, que não é nenhuma maravilha na defesa de ultra baixa altitude. Pra minorar o problema estão integrando o radar Sentinel com o sistema Patriot que utilizando seus mísseis guiados por radar ativo (PAC-3 e PAC-3 MSE ) poderá cobrir a falta do Slamraam. Ainda é… Read more »

bosco123
Visitante

Por outro lado há o desenvolvimento do novo radar do Patriot com capacidade 360º, AESA, baseado no nitreto de gálio, que poderá barrar de vez a intenção do USA em adquirir o MEADS. Um dos dois vai dançar.
comment image

Felipe Silva
Visitante

Obrigado, bosco. Então isso responde minha pergunta. Está aí o novo sistema SHORAD dos exército americano.

augusto
Visitante
augusto

Só pra complementar a RAYTHEON ofereceu um sistema shorad baseado no Patriot para Polônia skyceptor

Felipe Silva
Visitante

*Do exército americano

Jairo
Visitante

So lembrando que o no pantsir-sm tem um alcance de 35 km!!!

Bardini
Visitante

Jairo 22 de setembro de 2016 at 9:48
.
Mas o que viria para o Brasil seria Pantsir S1 com mísseis 57E6-E.

Bardini
Visitante

Collombeli,
.
Toda vez que citam a defesa da infraestrutura me vem a mente a AAA de tubo do EB.
.
Uma hora vão ter que tirar o escorpião do bolso e renovar este braço da AAA. Tem certas coisas que com Igla-S e RBS-70 não dá para lidar.
.
Os Gepards poderiam ser uma saída, mas são poucos os que se tem e seriam melhores aplicados a proteção da tropa. Também não são aerotransportáveis…

bosco123
Visitante

Jairo,
Você está equivocado! O alcance divulgado do Pantsir é 20 km horizontal e 15 km vertical.
E vale salientar que essas distâncias máximas não podem ser estabelecidas simultaneamente. Ou se atinge um alvo a 20 km de distância mas que esteja bem mais baixo que os tais 15 km ou se atinge um alvo a 15 km de altura mas que esteja bem mais próximo que os tais 20 km. Nunca os dois ao mesmo tempo.
O envelope cinético de um míssil antiaéreo pode ser traduzido num forma de gota e não de um retângulo.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Bardini eu acho importante manter a artilharia de tubo, porque enquanto tem munição ela opera ainda que com menos eficiência que outros meios. Já os misseis são caros e poucos. Considerada as ameaças potenciais na AL, que é o que nos importa, os Oerlikon e Bofors L-70 ainda dão um bom caldo, ainda mais com guiagem por radar. Mas seria bem vindo um sistema de telêmetro e visão noturna como tem nos ultimos modelos do Oerlikon 35. A Espanha modernizou mais de 9 dezenas deles. Temos 62 peças. Eu acho a aerotransportabilidade secundária. No sul/sudeste/centro oeste/nordeste vai por via rodoviária.… Read more »