Home Noticiário Internacional Intervenção militar estrangeira na Venezuela deve ser considerada

Intervenção militar estrangeira na Venezuela deve ser considerada

9131
132
Soldado venezuelano montado sobre um blindado dispara um míssil antiaéreo Igla 

RICARDO HAUSMANN
DO PROJECT SYNDICATE, EM CAMBRIDGE

Conforme pioram as condições na Venezuela, as soluções que agora devem ser consideradas incluem o que antes era inconcebível.

Uma transição política negociada continua sendo a opção preferida, mas a intervenção militar por uma coalizão de forças regionais talvez seja o único meio de pôr fim à penúria causada pelo homem que ameaça a vida de milhões de venezuelanos.

A crise venezuelana se move impiedosamente do catastrófico para o inimaginável. O nível de pobreza, sofrimento humano e destruição chegou a um ponto em que a comunidade internacional deve repensar como pode ajudar.

Dois anos atrás, adverti sobre a aproximação de uma penúria na Venezuela semelhante à da Ucrânia em 1932-33. Em 17 de dezembro, o “New York Times” publicou na primeira página fotos desse desastre causado pelo homem.

Em julho, descrevi a natureza sem precedentes da calamidade econômica na Venezuela, documentando o colapso da produção, da renda e dos padrões de vida e saúde.

Provavelmente a estatística mais reveladora que citei foi que o salário mínimo medido pela caloria mais barata disponível caiu de 52.854 calorias por dia em maio de 2012 para apenas 7.005 em maio de 2017 —insuficiente para alimentar uma família de cinco pessoas.

Desde então, as condições se deterioraram drasticamente. No mês passado, o salário mínimo havia caído para apenas 2.740 calorias por dia. E a oferta de proteínas é ainda menor. A carne de qualquer tipo é tão rara que o preço de um quilo no mercado equivale a mais de uma semana de trabalho pelo salário mínimo.

As condições de saúde também pioraram, devido a deficiências nutricionais e à decisão do governo de não fornecer preparado lácteo para bebês, vacinas comuns contra doenças infecciosas, remédios para pacientes soropositivos, transplantados, com câncer e que fazem hemodiálise, além de suprimentos gerais para hospitais.

Desde 1º de agosto, o preço do dólar ganhou mais um zero, e a inflação superou 50% ao mês em setembro.

Segundo a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), a produção de petróleo diminuiu 16% desde maio, ou mais de 350 mil barris por dia. Para conter o declínio, o governo do presidente Nicolás Maduro não teve ideia melhor que prender cerca de 60 gerentes graduados da companhia de petróleo estatal, PDVSA, e nomear para sua direção um general da Guarda Nacional sem experiência no setor.

Em vez de tomar medidas para pôr fim à crise humanitária, o governo a está usando para reforçar seu controle político. Recusando ofertas de ajuda, ele gasta seus recursos em sistemas militares de controle de multidões, fabricados pela China, para conter os protestos.

OPOSIÇÃO ENFRAQUECIDA

Muitos observadores externos acreditam que, conforme a economia piorar, o governo perderá poder. Mas a oposição política organizada está mais fraca do que estava em julho, apesar do maciço apoio diplomático internacional.

Desde então, o governo instalou uma Assembleia Constituinte inconstitucional com plenos poderes, descredenciou os três principais partidos de oposição, removeu prefeitos e deputados eleitos e roubou três eleições.

Com todas as soluções consideradas impraticáveis, infactíveis ou inaceitáveis, a maioria dos venezuelanos deseja que algum “deus ex machina” os salve da tragédia.

O melhor cenário seria o de eleições livres e justas para escolher um novo governo. Esse é o plano A da oposição venezuelana, organizada em torno da Mesa da Unidade Democrática (MUD), e que está sendo buscado em negociações que transcorrem na República Dominicana.

Mas é um desafio à credulidade pensar que um regime que se dispõe a matar de fome milhões de pessoas para continuar no poder o entregará em eleições livres.

No Leste Europeu nos anos 1940, os regimes stalinistas consolidaram o poder apesar de perderem as eleições. O fato de que o governo Maduro roubou três eleições só em 2017 e bloqueou a participação eleitoral dos partidos mais uma vez, apesar da enorme atenção internacional, sugere que o sucesso é improvável.

Um golpe militar doméstico para restaurar o regime constitucional é menos palatável para muitos políticos democráticos, por temerem que muitos soldados possam não retornar aos quartéis depois.

Mais importante, o regime de Maduro já é uma ditadura militar, com oficiais encarregados de muitos órgãos do governo.

Os oficiais mais graduados das Forças Armadas são corruptos até a alma, tendo-se envolvido há anos em contrabando, crimes monetários e propinas, narcotráfico e mortes extrajudiciais que, em termos per capita, são três vezes mais presentes que nas Filipinas de Rodrigo Duterte. Oficiais decentes estão se demitindo em grande número.

As sanções dos EUA estão prejudicando muitos dos mafiosos que governam a Venezuela. Mas, medidas nas dezenas de milhares de mortes evitáveis que ocorrerão e nos milhões de refugiados venezuelanos a mais que criarão até gerar o efeito desejado, elas são, na melhor das hipóteses, lentas demais. Na pior, não funcionarão. Afinal, tais sanções não levaram à mudança de regime na Rússia, na Coreia do Norte ou no Irã.

INTERVENÇÃO MILITAR

Isso nos deixa com uma intervenção militar internacional, uma solução que assusta a maioria dos governos latino-americanos por causa do histórico de atos agressivos contra seus interesses soberanos, especialmente no México e na América Central.

Mas essas talvez sejam as analogias históricas erradas. Afinal, Simón Bolívar ganhou o título de libertador da Venezuela graças à invasão em 1814 organizada e financiada pela vizinha Nova Granada (atual Colômbia). França, Bélgica e Holanda não conseguiram se libertar do regime opressivo entre 1940 e 1944 sem a ação militar internacional.

A implicação é clara. Conforme a situação na Venezuela se torna inimaginável, as soluções a se considerar se aproximam do inconcebível.

A Assembleia Nacional devidamente eleita, onde a oposição detém maioria de dois terços, foi inconstitucionalmente despida de poder por uma Suprema Corte nomeada inconstitucionalmente. E os militares usaram seu poder para suprimir os protestos e forçar ao exílio muitos líderes, incluindo juízes da Suprema Corte eleitos pela Assembleia Nacional em julho.

No que se refere a soluções, por que não considerar a seguinte: a Assembleia Nacional poderia declarar o impedimento de Maduro e do vice-presidente Tareck El Aissami, narcotraficante e sancionado pelos EUA.

A Assembleia poderia indicar constitucionalmente um novo governo, que por sua vez poderia pedir ajuda militar a uma coalizão de países dispostos, incluindo latino-americanos, norte-americanos e europeus.

Essa força libertaria a Venezuela, assim como canadenses, australianos, britânicos e americanos libertaram a Europa em 1944-45. Mais perto de nós, seria como quando os EUA libertaram o Panamá da opressão de Manuel Noriega, instalando a democracia e o mais rápido crescimento econômico da América Latina.

Segundo o direito internacional, nada disso exigiria a aprovação do Conselho de Segurança da ONU (o que a Rússia e a China poderiam vetar), porque a força militar seria convidada por um governo legítimo buscando apoio para o cumprimento da Constituição do país. A existência dessa opção poderia até melhorar as perspectivas das atuais negociações na República Dominicana.

Uma implosão na Venezuela não é do interesse da maioria dos países. E as condições lá constituem um crime contra a humanidade que deve ser detido por razões morais.

O fracasso da Operação Market Garden em setembro de 1944, imortalizada no livro e no filme “Uma Ponte Longe Demais”, levou à penúria nos Países Baixos no inverno de 1944-45. A fome na Venezuela hoje já é pior. Quantas vidas devem ser destruídas antes que chegue a salvação?

RICARDO HAUSSMANN, ex-ministro do Planejamento da Venezuela (1992-1993) e ex-economista-chefe do Banco Interamericano de Desenvolvimento, é diretor do Centro para Desenvolvimento Internacional da Universidade Harvard.

Tradução de LUIZ ROBERTO MENDES GONÇALVES

FONTE: Folha de São Paulo

132
Deixe um comentário

avatar
132 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
66 Comment authors
Rodrigo TavaresTitoAmalia WildeM.Silvacolombelli Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Deixa ficar igual a Coréia do Norte, é muito bom uma Venezuela aqui no continente…a classe média e os ricos da venezuela já devem ter sumido do país há bastante tempo. Os pobres como sempre que vão sutentar o rei e a nobreza. Está na hora dos povos aprenderem a conviver com populismo, a melhor forma de aprender é na pele, vivem caindo dessa conversa de comida grátis.

Bruno wecelau
Visitante

Kkkk ..Mais um ” ispicialista “, aposto minha cabeça que esta intervenção militar não vai acontecer nos próximos 500 anos…
Tem que arrumar um jeito de atingir Maduro e derruba lo, ou ate mesmo pendura lo numa forca; sem fazer do país uma nova Líbia ou Iraque..

Ozawa
Visitante
Ozawa

Quando o ovo da serpente venezuelana surgiu, o Brasil se alinhava ideologicamente a ele e financiou o desenvolvimento daquele ofidário que se transformou a Venezuela. Hoje não é o caso mas o Brasil está mediocrizado geopoliticamente na região por conta de sua classe política devastada em meio ao lamaçal da corrupção e das condenações judiciais. A intervenção de uma coalizão internacional sob mandado da ONU pareceria necessária, tivéssemos líderes mundiais e organizações multilaterais à altura dessa decisão, o que não temos hoje em ambos. Não há como me abster do assunto, assim as eleições majoritárias brasileiras de 2018 poderão dar… Read more »

Lucius Aelius Verus
Visitante
Lucius Aelius Verus

A questão é que os países da América do Sul são tão pobres, desorganizados e famintos igual ou pior que a Venezuela. Uma vez li que o Brasil não seria capaz de enfrentar uma hora de combate em larga escala, devido a escassez de suprimentos, munição e combustível para seus veículos. Sobre a força área e marinha, a disponibilidade das aeronaves e navios é em média inferior a 40%. Leio muitos ” especialistas” comentando que a Venezuela é um país vulnerável. Mas pelas informações da Janes Defense a Venezuela possuiu os melhores equipamentos e em maior quantidade que os demais… Read more »

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Ozawa 3 de Janeiro de 2018 at 15:48
Verdade…
O pior pode acontecer ser essa tal de ONU (um lixo) utilizar os militares brasileiros como gado de manobra para “invadir” a Venezuela. Tem tudo para esse apodridão chamado ONU utilizar do seu poder para jogar brasileiros contra venezuela, bem nos moldes dessa organização racista, aliás, a ONU virou uma instituição especialista em incitar guerras civis.

Burgos
Visitante
Burgos

Para Venezuela só vejo 2 opções: Intervenção Militar do próprio pais ou Intervenção da ONU através de uma resolução votada em Conselho Geral (G8).
Ao meu ver a segunda opção seria a mais correta , pois esse tal de Nicolas Maduro seria caçado, preso e julgado em Aia (Convenção de Genebra), contra crimes para com a humanidade.

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

Só haverá intervenção externa na Venezuela se num ato tresloucado, Maduro atacar um de seus vizinhos. E isso mesmo com sanções econômicas não serem funcionais em regimes policialescos. Elas não impediram os Castro de se adonar de Cuba, nem os narcotraficantes de se adonarem da Venezuela. O que vai ocorrer lá é guerra civil. Talvez quando esta eclodir, daí a dita oposição receba ajuda militar externa e consiga combater os bolivarianos, o que significa MATAR milhares deles que compõe as milícias de Maduro, o chavismo e o aparelho de informação policial montado no melhor modelo cubano. Maduro comprou 100.000 fuzis… Read more »

Paulo
Visitante
Paulo

http://www.forte.jor.br/2018/01/03/intervencao-militar-estrangeira-na-venezuela-deve-ser-considerada/
Um regime ditatorial socialista venezuelano com apoio da China e com a presença da Rússia fora a coligação partidária de golpe as democracias que reúne os partidos socialistas chamado de foro de São Paulo, improvável; a não ser que aja um movimento dentro das forças armadas para retira-lo a força e neutralizar e desarmar as fontes de apoio ao regime como os militantes coletivos.

Contudo deveria pegar os militantes, políticos, jornalistas, universitários e professores da esquerda socialista progressista no Brasil enviando todos a Venezuela para curtirem as maravilhas democráticas, inclusivas do socialismo que tantos defendem.

TukhAV
Visitante
TukhAV

A questão é: quem lideraria essa invasão? NENHUM país latino-americano tem capacidade para tal, nem em meios muito menos em logística e recursos financeiros. Só o dinheiro que seria gasto levaria a maior economia da região, a já alquebrada Banânia ao completo colapso. Restariam nossos irmãos ianques, mas seria dar de mão beijada ao ditador a narrativa do inimigo externo. Seriam repudiados não só dentro da Venezuela, mas também nos países vizinhos (até mais do que no primeiro, acredito).

João Adaime
Visitante
João Adaime

Os dados do articulista estão defasados. O “presidente” Nicolás Maduro reajustou o salário mínimo do seu país a partir de primeiro de janeiro em 40% (inflação até novembro estava em 1.369%). O novo salário mínimo será de 248.510 bolívares. Esta montanha de dinheiro vale o mesmo que R$10,00. Isso mesmo, DEZ REAIS. Nós já estamos fazendo a nossa parte, recebendo, mesmo que mal e porcamente, os refugiados que atravessam a fronteira em Roraima. Mais não podemos fazer, porque nossa cleptocracia está às voltas com investigações e processos que abrangem todos os níveis e esferas do “puder”. Saúde e segurança estão… Read more »

PauloR
Visitante
PauloR

Essa matéria foi escrita por alguém do Forte

Agnelo
Visitante
Agnelo

Muitíssimo improvável. O Brasil q teria capacidade está um caos em meio à crise econômica e de segurança pública. EUA intervir daria de mão beijada motivos mil pra esquerda latina espernear infinitamente e até apoiar Maduro. A Venezoela tem de se resolver por ela. Talvez… Talvez… com apoio de SOF pra depor o regime. Neste sentido, uma intervenção velada. O q é, como já mencionei em matérias anteriores, muito fácil, dado o ambiente totalmente favorável a uma revolta. Mas, depois de deposto, como estruturar um Estado totalmente dependente do petróleo, q está barato, e q está há anos depauperado por… Read more »

Professor
Visitante
Professor

E lá vão os fanboys apoiarem a intervenção militar na Venezuela. Não sabem o vespeiro que estão me metendo: a “Síria” estará aqui, pertinho da gente. Quantos de vocês vão conseguir refúgio em Miami, caso uma calamidade desse monte ocorrer aqui na AM?

TukhAV
Visitante
TukhAV

Agnelo, BNN não tem capacidade para isso. Não chega nem perto, na verdade.

Professor
Visitante
Professor

*correção: Não sabem o vespeiro que estão se metendo:

donitz123
Visitante

Parem de comprar o petróleo venezuelano que aquilo caiu sem que a comunidade internacional tenha que dar um tiro.

Dodo
Visitante
Dodo

Detesto o Maduro e seu governo crimino,mas essa materia viajou legal em…primeiro que foi bastante idealizada,como se uma intervenção de paises contra uma nação soberada nao desse a ela o respaldo da legislaçao internacional para se utilizar da forca para defesa,isso levaria a milhares de mortos em ambos os lados do conflito,alem de causar uma onda migratoria nunca vista na historia recente de america e desestabilizar toda a economia do continente. Parece que esse idiota que escreveu o texto ignora completamente a situacao de paises em que essa estrategia foi utilizada(siria,ucrania,iraque,libia,etc..). Nao tem o menor cabimento,ele ainda menciona o G8… Read more »

IB
Visitante
IB

Intervenção na Venezuela?KKKKKKKK! A China e a Russia não vão deixar! Por que vocês acham que os poderosos americanos nunca invadiram Cuba?! A força de um país não está só em suas armas, mas em suas alianças, e a Venezuela garantiu ter fortes aliados. A estrategia dos EUA sempre foi induzir um conflito entre países da America do Sul, especialmente o nosso, e a Venezuela; mas nossas forças armadas não dão conta, pq são “projetadas” apenas para proteger essa classe política pobre contra a insatisfação da população e não para proteger a nação, quanto mais ir pra guerra!

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

Imaginem o PT ainda no poder por aqui, estariam organizando uma força militar de defesa pra defender a Venezuela do imperialismo ocidental

Gabriel Oliveira
Visitante
Gabriel Oliveira

Não creio que seja uma empreitada para nos devido às nossas condições atuais,se os EUA se meterem vai dar de mão beijada o argumento para a esquerda mundial espernear infinitamente,o melhor que os países podem fazer é armar a oposição,uma intervenção da ONU poderia até ser mas duvido que a ONU tenha culhoes para isso.

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Sem a USAF e os Marines: sem chance.

Na Venezuela falta comida mas os paióis estão cheios.

E eles tem Flankers rsrs

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

Com uma intervenção estrangeira na Venezuela, as orações de Maduro seriam atendidas e teríamos um banho de sangue devidamente explorado ideologicamente pela esquerda demente-psicodélica latino-americana. Alguns mêses atrás citei aqui mesmo essa possibilidade. O sonho de TODO ditador é eleger um inimigo externo para aglutinar o esforço nacional e concentrar mais poder nas mãos. É fácil enganar o povo, basta prometer e apontar um caminho, mesmo que seja um penhasco, todos pularão. O povo venezuelano está pagando por anos de nacionalismo de bravatas, populismo de fanfarronices e delírios de idolatria. Ainda virá o pior, acreditem. Depois do caos sobrevem o… Read more »

Chico Novato
Visitante
Chico Novato

O colapso da Venezuela é menos “desestabilizante” para a economia do subcontinente do que uma guerra aberta para depor Maduro. Ainda bem que os políticos sabem disso.

A chance de uma intervenção ocorrer por mãos latino-americanas é ZERO.

Quanto aos países desenvolvidos, eles não dão a mínima para a Venezuela. Sem essa conversa de intervenção americana ou defesa russo-chinesa, os três abandonariam a Venezuela a própria sorte em qualquer cenário(como estão de fato fazendo).

Quanto ao autor, eu entendo os motivos dele desejar que isso aconteça.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Não entendi uma intervenção como Síria ou Ucrânia, mas como as intervenções na África, para evitar matança de civis em uma revolta. Os EUA não invadiram a Venezuela, porque não querem e não precisam. Basta deixar de comprar o petróleo deles e comprar de outro ou usar as próprias reservas q são imensas. A Rússia e a China tem interesse e capacidade de manter forças tão longe? Mal e mal a Rússia manteve na Síria… A única intervenção q acredito q seria viável por alguém com interesse é uma Op Esp, já q o “terreno” humano lá é extremamente favorável.… Read more »

Ronaldo de souza gonçalves
Visitante
Ronaldo de souza gonçalves

Não sou a favor de maduro,mas achei a posição do Brasil errônea no campo diplomático,O Brasil tem que consolidar como maior pais da américa latina,interferindo sim diplomaticamente,mandando observadores para as eleições.até ajuda humanitária sim .Dúvido que maduro quereria uma guerra com o Brasil,falta dialogo sim,a oposição na Venezuela e fraca sim.

Paulo José
Visitante
Paulo José

Te cuida temer…

Fred
Visitante
Fred

Concordo com a interpretação do Agnelo. O articulista é ex ministro de governo cuja força política está na oposição ao regime de Maduro. Ele é uma voz da oposição no “exílio” europeu. Seu pedido de intervenção estrangeira por forças regionais ou de outros continentes se aproxima do que acontece frequentemente no continente africano. Mas lá a instabilidade é muito maior e historicamente, a violência das guerras civis também. Acho muito difícil acontecer qualquer tipo de intervenção na Venezuela. As superpotências tem mais com o que se preocupar no Oriente Médio e principalmente no Pacífico. Os países em desenvolvimento da região,… Read more »

Alexandre
Visitante
Alexandre

Kkkkkkkkk Uma coalizão latina americana para invadir a Venezuela, possivelmente liderada pelo Brasil, lógico, que é o mais rico e tem um governo de direita alinhado com os EUA. Então temos aí uma grande oportunidade para os eleitores do Bolsonaro se alistarem e combaterem os comunistas venezuelanos. Sem essa de caças Su 30 ou mbt T 72, essa guerra seria eminentemente dentro da floresta, ou seja, homem a homem, um grande momento para os bolsominions mostrarem sua coragem e bravura. O financiamento os EUA garantem. Vou esperar deitado essa intervenção, kkkkkkkkk que comece o alistamento dos corajosos de teclado, dos… Read more »

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Essa comparação entre Brasil-PT e Venezuela é uma grande imbecilidade.

A Venezuela hoje tem muito mais semelhanças com o Regime Militar Brasileiro do que o governo Petista.

A começar pela inflação, passando pela repressão e finalmente chegando ao protagonismo dos Militares na política.

Alex
Visitante
Alex

Qualquer pais que se recuse a seguir a cartilha de Washington deve ser invadido. Na impossibilidade, sabotado. Na impossibilidade de sabotagem ou invasão (caso de China e Russia), demonizado.

Isso tem mais de um século vem desde a época da Aliança para o Progresso.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Depois desse comentário do sub-urbano, não comento mais nada… A História está de luto.

Alex
Visitante
Alex

Fabio Jeffer 3 de Janeiro de 2018 at 17:04

hahahahahahaha o que não se lê na internet? hahahaha

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Acho que o governo da Venefavela vai cair de “maduro”. Nem precisa intervir. Já chegaram no limite. Aquilo vai explodir. É provável que, lá, ocorra outra “missão de paz” da ONU, tipo Minustah.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Mandar o Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil entre outros lá para Venezuela, deve estar do jeito que eles gostam rsrsrs.

Rogério Rufini
Visitante
Rogério Rufini

Provando que o socialismo deu certo mais uma vez

Dan01
Visitante
Dan01

Se nao me engano nossa constituição proíbe o Brasil de atacar qualquer pais caso nao seja atacado antes, só isso por si só já nos tira fora disso. Nao vejo a Venezuela como um grande rival mas acho que isso custaria bem caro pro nosso bolso, principalmente por conta dos flankers e das baterias antiaéreas que poderiam nos causar dor de cabeca. Tem também a pior parte na minha opinião, o pós guerra, por ser um pais vizinho nossas fronteiras se encheriam de refugiados(se bem que se a coisa la ficar feia mesmo eles virao de qualquer jeito).

fabio jeffer
Visitante
fabio jeffer

Alex

Imagine os discursos inflamados de Lula ou Dilma defendendo o Maduro, dizendo que irão mandar as forças armadas em socorro a democracia venezuelana
Seria ilário

TukhAV
Visitante
TukhAV

Dan, não sou da área militar, comento pelo pouco que leio. Mas acredito que uma intervenção bananeira simplesmente não teria força suficiente para vencer (leia-se: uma força expedicionária chegar a Caracas e controlar todo o território venezuelano). Me parece uma ideia tão estúpida quando a de um outro comentarista que afirmou que o exército bolivariano chegaria em Manaus em três dias. Nenhum dos dois países tem capacidade para sobrepujar o outro em território inimigo, muito menos sustentar a logística de uma guerra por meses a fio. As FFAA bolivarianas estão claramente debilitadas no moral, no equipo deficiente em manutenção, mas… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

A “idéia estúpida ” foi minha. Não conheço muito de assuntos militares, como você que cursou a ECEME. Você é o ThukMD do Aéreo? Por que dois nicks diferentes?

ODST
Visitante
ODST

Tem gente falando em armar oposição… Pelo amor, será que não aprenderam NADA com os fracassos do Estados Unidos? Isso não funciona! A Venezuela só vai se tornar mais uma Síria da vida! Parem de falar abobrinhas! Façam qualquer coisa, mas não armem os opositores! Ideia de Jerico que nunca da em nada!

Augusto
Visitante
Augusto

A opção militar deve ser considerada se a situação venezuelana desistabilizar os pais vizinhos, seja por ações diretas ou indiretas de Caracas. A Ação tem q ser multinacional liderada por EUA,Brasil e Colômbia nessa ordem e so deve incluir tropas do continente americano e talvez da França e do RU mas com ultima opção esses dois pais, apoio Europeu,Chines e Russo deve ser bem vindo mas so na forma de apio diplomatico e armas não de tropas, há não ser o caso da França e RU pq eles tem territorios aqui mas só em ultima opção. A intervenção deve ser… Read more »

Gustavo GB
Visitante
Gustavo GB

O autor desse artigo vive em outro planeta. Que Maduro é um psicopata que mata seu povo de fome e é capaz de fazer o diabo para continuar no poder todo mundo já sabe, mas ninguém está disposto a enviar tropas ou aviões bombardeiros para derrubar seu governo. Nas circunstâncias atuais uma intervenção militar na Venezuela seria suicídio pois qualquer governo que a realizasse perderia apoio interno, sem contar que o resultado poderia ser desastroso no ponto de vista humanitário. Maduro só cairá pelas mãos do próprio povo venezuelano ou se ele enlouquecer e atacar algum país vizinho, o que,… Read more »

Dan01
Visitante
Dan01

TukhAV Vejo o dinheiro como uma das nossas principais vantagens em uma guerra como essa, eles ja possuem uma parte da população insatisfeita que provavelmente se aliaria ao invasor pra derrubar o Maduro, sendo assim seria teríamos parte da população Venezuelana ao nosso lado, daria ate pra armar muitos deles. Caso o Brasil consiga romper a defesa aérea deles, talvez como Israel fez na guerra dos seis dias destruindo todos antes mesmo de levantarem voo já teríamos uma larga vantagem, as baterias antiaéreas provavelmente ficariam a cargo dos comandos. Depois de ficarem sem o apoio aereo ficaria complicado pra eles,… Read more »

Dan01
Visitante
Dan01

Obs: Tambem sou mais um leigo nessa area, estou apenas mostrando minha humilde visão.

Ozzy
Visitante
Ozzy

Intervenção estrangeira direta só faria o tirano maluco ganhar apoio interno. E alem disso, o maximo que os americanos e europeus estão dispostos a fazer é lançar ataques aereos. Uma invasão terrestre demandaria uma grande força (uns 50 mil soldados aos menos) e sofreria uma resistencia do tipo guerrilha, com inevitáveis baixas.
O mais próximo que eu vejo desta possibilidade é a criação de campos de treinamento militar para opositores do regime de Maduro, no norte do Brasil e na Colombia, na selva fronteriça com a Venezuela, com posterior apoio logistico para que a oposição inicie uma guerra civil na Venezuela.

Ozzy
Visitante
Ozzy

Alias, um caso curioso é que nos anos 80 os EUA convidaram o Brasil para participar de uma invasão ao Suriname, porque o ditador daquele pais estava na época se aproximando demais dos comunistas. O Brasil, sob governo Figueredo, se opôs fortemente ao plano.

TukhAV
Visitante
TukhAV

Cel Rinaldo, que eu me lembre NÃO foi o Sr que disse que os venezuelanos chegariam a Manaus em três dias… vou tentar resgatar o post com o comentário.

TukhAV
Visitante
TukhAV

Vi agora, foi o Sr. mesmo. Me desculpe, não sou de me expressar de forma tão grosseira quando comento diretamente sobre as opiniões de terceiros.

Renato
Visitante
Renato

Ótimo treino para o HMS Oceam…. Kkkkkkkkk

TukhAV
Visitante
TukhAV

Dan, as leis econômicas são implacáveis. O financiamento de uma guerra dessas proporções, considerando os últimos conflitos com adversários de mesmo porte (leia-se Iraque), seria na casa das centenas de bilhões de dólares, podendo chegar tranquilo ao trilhão. Seria uma guerra arrastada – o poderio militar venezuelano é parelho com o nosso milhões de seguidores do chavismo manteriam uma guerrilha contra, o que elevaria sobremaneira esses custos. Sem espaço no orçamento para pagar estas despesas o governo teria que: a) imprimir dinheiro a rodo, gerando a volta da hiperinflação a níveis da República de Weimar; b) gastar das reservas internacionais;… Read more »