Home Asas Rotativas EXCLUSIVO: Exército Brasileiro mira lote maior de helicópteros AH-1W usados

EXCLUSIVO: Exército Brasileiro mira lote maior de helicópteros AH-1W usados

21278
220
AH-1W Super Cobra
AH-1W Super Cobra

Por Roberto Lopes
Especial para o Forças Terrestres

Impedido, pelas atuais restrições orçamentárias, de obter uma unidade aérea de ataque formada por helicópteros novos – “no estado da arte” como os militares gostam de dizer –, o Exército Brasileiro (EB) trabalha para aproveitar a chance de comprar um lote de aeronaves Bell AH-1W que pertenceram ao Corpo de Marines dos Estados Unidos (USMC), e se encontram, desde janeiro passado, em disponibilidade.

O Grupo de Ensaios e Avaliações (GEA) do Comando de Aviação do Exército (CAVEX), sediado em Taubaté (SP), já emitiu um relatório preliminar de suas análises acerca da aeronave para a Comissão do Exército Brasileiro em Washington, OM (organização militar) que trata diretamente do assunto.

Nesse momento, as informações que chegam a Taubaté são fornecidas pelo Adido do Exército nos Estados Unidos, general de brigada (combatente) Fábio Benvenutti Castro (ex-comandante da 6ª Brigada de Infantaria Blindada e ex-chefe do Centro de Coordenação de Operações do Comando Militar do Sul).

No último dia 19, o Forças Terrestres noticiou que o EB tem interesse em oito células e 17 motores de helicópteros AH-1W, mas segundo uma fonte do Ministério da Defesa, em função das circunstâncias que limitam o alcance das ações de modernização da Força, o mais provável é que os chefes militares tentem obter um lote ligeiramente maior dessas aeronaves de 2ª mão, consideradas “de grande potencial de utilização ainda”  – talvez uma dúzia.

Os prazos para que este processo de obtenção se desenvolva estão sob o “domínio” da CEBW. O CAVEX não tem interferência alguma nessa fase inicial de aquisição.

Só mais tarde, identificadas as células que interessam ao EB, é que os especialistas da Aviação opinarão sobre os equipamentos que devem constar a bordo, e os armamentos a serem importados juntamente com as aeronaves.

Incorporação – Um AH-1W quando novo custava cerca de 11 milhões de dólares (preco do ano 2000), mas a venda de equipamentos timbrados como “excedentes” das Forças Armadas dos Estados Unidos – caso em que se enquadram os aparelhos da Bell – normalmente é viabilizada a preços menores.

Apenas a título de comparação: um helicóptero de ataque AH-1Z novo custa (sem o armamento externo) cerca de 27 milhões de dólares.

A licitação internacional aberta pelo EB para mobiliar uma unidade de ataque com aeronaves “no estado da arte” avalia (desde 2014), além do modelo da Bell, o T-129 Mangusta modernizado (projeto italiano fabricado na Turquia), o russo Mi-28NE e o Airbus Tiger. Nenhum desses modelos foi ainda escolhido.

Segundo o Forças Terrestres pôde apurar, para esses helicópteros novos, o prazo de início de incorporação previsto no Programa Estratégico Aviação do Exército é o ano de 2025.

Uma unidade eventualmente dotada dos aparelhos usados AH-1W poderia, contudo, começar a operar bem mais cedo.

220 COMMENTS

    • Isto no mínimo dissuasão. Quem vai ser dissuadido com arma velha? Se for preciso, compre menos unidades, mas compre novo… Pô…

      • Parece trombadinha com um 22 preto enferrujado… Não, deveria comprar Helicópteros novos e de preferência pinta-los de ouro, dourado, só para mostrar quem manda… Ô inocente…

        • Aposto que se o trombadinha com 22 velho te assaltar, vc vai passar o que tiver… E não adianta dizer o contrário…

          Olhe nosso entorno geográfico e estratégico… Não se iluda com “carro zero”… Em Aviação é diferente…

          Eficiência e eficácia não tem relação direta com a idade do vetor.

          • Você pode ter alguma razão, mas um país “rico” como o Brasil não poder fazer uma compra de 200 ou 300 milhões é uma vergonha. Porque será? O fato, meu amigo, que não tem discussão, é que uma arma nova é muito melhor. Talvez você diga que “se vira” com uma aeronave velha por estar acostumado, mas eu tenho certeza que comprar coisas novas, negociar preços de coisas novas, é muito melhor. Em se podendo. O Brasil pode, ou, deveria poder.

          • Renda per capita de USA e outros países com dinheiro para comprar coisa nova: US$40 mil

            Renda per capita do brasileirinho que quer 0km e não tem dinheiro: US$12 mil.

            E o nosso país é rico. Piada.

            Ainda bem que as Forças Armadas sabem trabalhar com o que têm, para o bem e para o mal.

      • Muito mal rasgados, e com a velha desculpa de gerar emprego . era melhor ter pago para cavar um buraco e depois tampar e ter comprado helicópteros S-70 direto de Tio Sam

        • Foi acordo de comércio com a Rússia. Entubaram na FAB.
          Deram um camelo pra ela, e ela teve q arrumar um deserto… Pôs um Heli Atq pra patrulhar fronteira….

          • Olha… “De boa”! Nao entende pq criticam tanto os MI-35 na FAB!

            Eh a FAB q tera pilotos abatidos a resgatar… E os MI-35 sao singulares, no srntido de serem helis de combate com possibilidade de levar “passageiros”… Podem perfeitamente resgatar um piloto abatido!

            Alem de serem conhecidos como “tanques”, voadores…

            Entao pq tanta critica??

        • 27 milhões de dólares por um helicóptero de ataque, com armamentos incluso, é caro? Se tu achas que sim, mostra que tu não conhece nada do que está afirmando.

      • Hoje, são os únicos helicópteros realmente capacitados ao combate contra blindados. Ou seja, se a coisa começar a feder mais do que já está, especialmente na fronteira com a Venezuela, são os únicos helicópteros brasileiros que poderão atuar na linha de frente. Na sua retaguarda vem os Caracal e só depois é que Black Hawks teriam condições de entrar num teatro de operações quente.

        Podemos questionar sua função na FAB, mas daí serem inúteis, vai uma grande distância.

  1. Sensacional!

    Eu até ia falar que agora com os mi-35 ia ser legal ser piloto de helicóptero do exército, aí lembrei que eles são da fab!

    Muito bom!

  2. Pelos menos com AW1-H e mais os AH-2, teremos um considerável poder em relação a helicópteros de ataque. Espero que eles fechem o acordo.

  3. Será que esse investimento se justifica em detrimento a outros que poderiam melhorar a efitividade e eficácia do EB no combate?

      • Sei la Ruim, sera mobilar uma CAV Mec e mandar para RR, não seria mais ?

        Obs: falo de uma brigada completa e moderna com Cascavels modernizados com pc de controle de tiro, torre estabilizada, visão infravermelha e IR, sensores IR para os Marruas de reconhecimento, Guaranis no lugar dos Urutus, armars AC (rojões e misseis) nos baixos niveis, os esquadrões de combate, ate os mais altos, a brigada em si, um novo lote de M60tts.

        Apesar de eu ter certeza de isso tudo ser + caro, acho quê talvez seja mais necessário que um AH-1. Talvez mobiliar as tropas lá em RR, corretamente com armas AC e o novos equipamentos individuais seja uma ideia mais palatavel e tenho quase certeza que daria pra fazer com o dinheiro da compra desse bicho.

  4. Uma pergunta esses hélis poderiam ser usados em missões GLO com substituição do canhão de 20 mm por um de 7.62 (se houveratal canhão )?

    • Não. Não é viável economicamente nem militarmente. O que um helicóptero de ataque, projetado para guerra, fará numa GLO? Para isso existem helicópteros de transporte mais leves com atiradores em seu interior para apoio aos soldados no solo, e mesmo este é um cenário exótico numa GLO.

      • Prezado Daglian!

        Parabéns pelas considerações sensatas!
        E esta configuração que abordaste não é exótico não, na verdade é muito comum!
        Temos voado assim há muito tempo…
        Alemão, Maré, Grandes Eventos, etc…

        Saudações

        • Piloto, por favor !!!
          A última análise desprovida de paixão sobre o Mi.35 foi sua.
          Prós e contras e pronto !!! Sem ideologias.
          Qual a sua opinião sobre essa compra ?
          Vc esperaria até 2025 por unidades novas?
          Vale a pena pegar esses usados ?
          Abraço.

          • Boa noite Carlos!

            Por desconhecer as capacidades deste lote, e sem saber se eles atendem os requisitos operacionais básicos elencados pela nossa AvEx vou me abster de comentar.

            O que posso te dizer é que, como piloto de Rec/Atq, mas já tendo voado Manobra, hoje temos um Gap que deve ser sanado em nossa capacidade de combater.

            Este Gap pode ser mitigado com uma melhora nos sistemas de armas disponíveis para nossos HA-1, ou através de um vetor totalmente dedicado a esta missão.

            Vale ressaltar que mais importante que ter um vetor “Fudêncio”, temos que ter algo que em consigamos adestrar nossas tripulações a contento.

            Já tive contato com pilotos de outros países que voavam máquinas no estado da arte, mas não sabiam empregar de forma plena seus vetores.

            Por fim, o CAvEx, através de processos sérios e científicos, através de seu Grupo de Ensaios e Avaliações, tem feito um trabalho excelente em prol desta nossa busca pelo aumento da capacidade de combate.

            Espero lhe ter respondido!

            Saudações!

  5. Bem que a marinha podia aproveitar essa oportunidade e embarcar umas unidades no Atlântico, alguém sabe quantos apaches eram utilizados pela Royal Navy?

  6. É disso que tô falando, p****! =D
    Não importa se são usados; coloque-os com Hellfires perto da fronteira com a Venezuela e darão um caldo bonito! O ditador bigodudo vai ficar mais mansinho… Pro momento, pra mostrar força na fronteira e doutrinar os pilotos para os novos que um dia virão, tá ótimo. E que não deixem morrer o projeto de aquisição de modelos novos para os próximos anos.

    • Dar continuidade, isso é que falta para as Forças de Defesa brasileiras, conseguir dar continuidade aos projetos de longo prazo, precisa arrumar um meio de garantir que as verbas para reaparelhamento e P&D não sejam sequestradas a qualquer momento em favor de qualquer causa* só para que o governo em exercício saia bonito na foto.

      *Se for tirar verba, que tirem dos excelentissimos do DF, que recebem muito além do que deveriam e recebem todo tipo de ajuda de custo possível.

    • Afe, ainda esse papo de “criar doutrina”…

      Era só cortar pela metade esse monte de general que dava pra comprar helicópteros novos.

      • Sim, Almeida. Óbvio! Com um general dá pra comprar quantos helicópteros mesmo? General de duas, três ou quatro estrelas? Não posta bobagem.

  7. Ruim com Tio Sam pior sem ele, mas prevejo muitas compras de oportunidade nos próximos anos, não duvido nada que logo venham alguns sistemas Patriot PAC-2 .

    • Sim, creio que a compra do PHM Atlântico também deve estar influenciando lote maior do Exército, talvez a AvEx já esteja se imaginando operando em conjunto com a Marinha.

    • Concordo, os AH-2 seriam mais úteis no EB, principalmente na Amazonia. Além de serem “tanques” voadores, podem cumprir missões de assalto.

      • Não seriam não. Na URSS, eram empregados de forma diferente do q seria aqui. Uma massa de aeronaves.
        No Afeganistão, utilizaram seus irmãos mais velhos “como nós” e foram abatidos aos montes.

  8. Gostaria de lembrar aos senhores que o Chile também está de olho nestas máquinas. Pergunto: Vai ter bolo para todo mundo nesta festa? Com o interesse do Chile não foi um despertar no E.B?

    • O Brasil teria prioridade ao meu ver, somos naturalmente o país mais importante na região e com o maior câmbio econômico com os EUA.

      Ademais, eles não curtiram a nossa compra dos MI-35M na época .

      Outro sinal são as doações recentes de M-113, M-109, está havendo uma reaproximação com eles já que nos últimos tempos só equipamentos europeus e alguns russos tavam vindo.

      • Mf, eu acredito que o Chile seja um país mais próximo dos EUA do que o Brasil, na verdade tenho quase certeza. O Chile foi um país que teve e tem muita influência de pensadores econômicos e sociais americanos, na área econômica eles tem forte influência da Escola de Chicago. Não é em vão que o país cresce de forma constante há 30 anos.

  9. Decepção com a matéria e o enunciado dela …. Apenas 12 unidades não é um lote maior quase coisa não … talvez 16 ou 20 seriam ideal para o EB levando em conta que ao longo dos anos a disponibilidade dessas aeronaves tendem a cair

    Espero pelo menos que o CFN ou a MB siga essa linha de atuação e compra um lote maior para operar mo PHM Atlântico

  10. Compra logo 36 AW1-H para o EB e mais 12 M-35 para FAB. e Compra logo 10 baterias S-400 E deixa de papo, é só vincular o pagamento ao orçamento do judiciário e do congresso e executivo, e descontando 5% do orçamentos deles para pagamento do reaparelhamento das forças armadas do Brasil. A ir vamos ter uma forças armadas bem equipada com armamentos no estado da arte.

  11. um pais não ter dinheiro para 100 helicópteros de ataque é piada
    Vamos fazer umas contas 27 milhões pelado, mais uns 23 em recheio 50 milhões
    coloca 50 milhões de plano de manutenção por 10 anos
    100 milhões x 100 = 10000 ou seja 10 bilhões paga 5 bilhões de entrada e parcela o resto em 5 anos se em uma canetada arrumaram 37 bilhões para manter o presidente no poder porque não tem 10 bilhões para comprar armamento de qualidade e quantidade?

    • Pura verdade. Se Cortarem Deputados, Senadores e toda rede de assessores que são cargos de confiança que ganham salários exorbitantes, sem falar no nepotimos que ainda rola, coloca ai um belo corte de ajudas de custo de todo legislativo, executivo e judiciário…

      Cara, sobraria muita, mas muita grana mesmo, dava para arrumar tudo nesse país se fizessem uma boa gestão.

  12. Bom dia foristas.

    Por que não adquirir mais Mi-35? O Exército pretende adquirir 36 helicópteros, correto? Com os 12 da Força Aérea seriam 48. Mais 12 para Marinha, 60.

    Em termos logísticos parece razoável. O Mi-35 tem reputação de ser muito capaz.

    Quais são as críticas da Força Aérea em relação a aeronave? Assistência técnica? Custo de operação?
    As desvantagens são tantas que não vale a pena padronizar a frota de helicópteros de ataque no Brasil?

    • Amigo, a coisa já começou toda errada. A FAB não queria esses helicópteros. Foram adquiridos para equilibrar a balança comercial com os russos, visto que estes ameaçaram embargar a compra da nossa carne sobre pretexto referente a questões sanitárias (e onde venho isso se chama chantagem), mas enfim, as máquinas realmente são robustas e potentes, mas desde o início apresentaram problemas quanto à sua operação. Falou-se até em problemas com os capacetes dos pilotos. O coronel Nery que participa da Trilogia sabe muito mais do que qualquer um aqui a dificuldade de operação que a FAB sofre com essas máquinas.
      O fato é que o pós venda russo é sofrível e, sinceramente, não vejo nada que justifique a operação dessa aeronave nas Forças Armadas brasileiras. A logística é complicada (o que pode encarecer a operação); a qualidade é inferior ao material ocidental ao qual estamos habituados e o preço de aquisição é similar. Melhor investir no aparelho da Bell ou da Leonardo que oferecerão uma disponibilidade melhor.

  13. Na boa…

    Com o tanto de despesa que o EB vai ter com GLO nos próximos anos, eu investiria em coisa mais útil.

  14. Só o EB mesmo!
    Com tantas carências como miras ópticas para fuzis, mísseis vdiversos, blindado 4×4, 8×8, canhões modernos, comunicações seguras, coletes balísticos e táticos, capacetes, coturnos modernos, melhor fardamento etc..
    Vai gastar uma boa grana em um helicóptero que era usado em ambiente Marinho e deserto.
    Sujeito ao rigoroso e severo sal e areia do deserto.
    Aí vão ter que revisar, importar armamento que será embargado só para usar no desfile de 7 de setembro.
    E recebe apoio deuita gente desinformada, ou seja show de pirotécnica para inglês ver.
    Quando digo que temos oficiais desatualizados para a guerra moderna e sem interesse algum com o desenvolvimento nacional há quem duvide, e isso para não falar na falta de integração entre as forças e esse cabide de empregos denominado MD.
    Seriaelhor pegar essa grana e continuar o desenvolvimento da versão Ar/solo do mss 1.2, versão aérea da Remax, ovn olhar vdn x1, projeto cobra, msa 5.1, RDS etc..
    Projetos que quando concluídos darão maior capacidade combativa ao exército do que esse circo !
    Mas em terra de retardado o bobo é rei!

    • Permita discordar, Foxtrot. Num eventual conflito, e mesmo para efeito de dissuasão, um esquadrão de helicópteros de ataque é bem mais eficaz do uma grande quantidade de infantaria ou blindados. Entendo que o meio aéreo é o principal vetor num conflito, guardados, logicamente, os cuidados com a AAAe inimiga. Por exemplo, quem tem a superioridade aérea detona veículos, blindados e as linhas de suprimento inimigas, tornando suas forças terrestres mais frágeis. É só ver o recente exemplo do ISIS, depois dos ataques aéreos não conseguiu mais resistir contra os iraquianos, curdos e outros. Antes, era uma luta ferrenha.

    • Concordo Foxtrot, vc sintetizou meu pensamento.
      Agora pra saber o que é melhor temos que comparar os preços de aquisição e operação das coisas.

  15. Muitos falam em o EB colocar meios (helis de ataque,brigada blindada) em Roraima, e parecem esquecer que a superioridade aérea por lá é da Venezuela, com seus F-16 e Su-30. Ou seja, entendo que antes de o EB colocar alvos tão valiosos por lá, a FAB teria que colocar AAAe de médio alcance e caças de superioridade aérea (os futuros Gripen). Provavelemente, antes de termos esses itens, a tão falada tensão já tenha se esvaído. Agora, se o EB for levar itens valiosos para a região, que leve para Manaus, onde ficam mais distantes das bases aéreas, mais protegidos e com possibilidade de pronto desdobramento para Roraima.

    • Superioridade da FAV? Isso nào existe. FA da venezuela são um embuste. Aponta um único exercício deles nos ultimos 10 anis que tenha mínima feição de operacionalidade. Na aviação é nulo. Os SU sào pra desfile.
      Mas raźão te assiste em pretender aprofundar localizaçào. O espaço defende.

      • Colombelli, no plano teórico os Su-30 são superiores, na prática temos essas informações de que não estão operacionais. Mas para colocá-los para funcionar não deve precisar de mais do um mês de trabalho de uns 30 russos chegando secretamente com um Antonov cheio de equipamentos. Ou seja, é uma superioridade teórica que numa situação limite pode virar superioridade prática, não podendo, portanto, ser desprezada no plano estratégico do EB. De qualquer forma, por essa ou outras razões, estamos concordes quanto à localização aprofundada ser a melhor forma de disposição dos meios, evitando perdas em ataques surpresa.

        • Avião ou helicóptero não é igual a carro…
          Por mais que se pense que tudo é “plug n play”, o adestramento é necessário, e se leva um tempo até realmente se obter operacionalidade.

          FA que faça diferente é “peladeira”

          • Concordo plenamente, Piloto, não se consegue as habilidades de uma hora para outra, adestramento é fundamental.
            Mas o que eu estava defendendo, em síntese, é que na análise de riscos não podemos subestimar a capacidade e criatividade do eventual adversário. Por exemplo, quem pode afirmar que não haja 8 pilotos venezuelanos adestrando-se secretamente em Su-30 lá na Rússia?? Que essa inatividade dos Su-30 não seja jogo de cena para enganar e manter eventuais adversários abaixo da prontidão necessária?? Tudo passa por informação e contra-informação, e subestimar riscos já levou a derrotas fragorosas.

          • Prezado;

            Mantemos acompanhamento disso!
            Temos as Aditâncias na Embaixada, tivemos pilotos que lá fizeram cursos dentro da AvEx e FAB deles…

            Pode ficar tranquilo, pois acompanhamos!

          • Muito obrigado, Piloto. Tenho certeza do profissionalismo da FAB na condução desse tema.
            O que digo é apenas no âmbito aqui dos comentários do blog, muitas vezes aparece um oba-oba diminuindo a capacidade das forças de países vizinhos que me incomoda, devido à natureza cautelosa.
            Abraços.

        • Nilson como o Piloto oportunamente ressalvou, adquirir capacidade de operação deste tipo de vetor é algo que demanda seriedade e dedicação que os Venezuelanos não tem no momento por consta da circunstâncias que o país vive. E demoraria anos. Desenvolvendo doutrina e treinando-a. Sua força érea é um fantoche onde capacidade materiais são desperdiçadas por conta de aparência e propaganda.

  16. A Questão é simples ou o Brasil compra os 12 e deixa o chile com os 8.ou então o chile compra os 20 e muitos dos srs que estão a criticar falarão mas os chiles tem os cobra.Os cobra são helicópteros bons,e pelo preço de um novo vamos adquirir 3, é no futuro podemos adquirir mais unidades novas do cobra claro se as condições financeiras permitir.Alguns falam em priorizar outras áreas um helicóptero destes com helfire coloca qualquer força blindada de joelhos a 8 a 10 km de distancia.A MB que não costuma marcar toca,marcou deveria até sair na frente do EB,pois adquiriu um porta helicóptero e também tem o Banhia que pode operar 3 helicóptero.Além do mais tem o albion é seu irmão navio praticamente novo e reformado capaz de operar por uns 20anos ainda.Gostaria de comentários sobre o albion que está meio esquecido no fórum.

    • Kkk o pior que pensei nele mesmo,rs.
      Um helicóptero desses em GLO é só pra mostrar presença e fazer barulho.
      E obrigado aos demais pelos esclarecimentos, pensei que houvesse um kit pra transformar o canhão em algo próximo do Trovão Azul, rs.

      • Mostrar presença, fazer barulho e nada mais além disso é tiro no pé…

        Ou decola podendo empregar os meios disponíveis, ou perde o respeito…

  17. O ” presidente ” da Venezuela e alguns países amigos nos deram um calote e nós o povo é que teremos que arcar. Devido a situação política e econômica do país Bolivariano, este está louco para achar um inimigo externo e fazer a população esquecer a tribulação pela qual passam. É muito bom mesmo que nos reforcemos o máximo que pudermos e que além desta compra, que servirá como freio, caso a infantaria inimiga venha a entrar em nosso solo, precisamos urgente de caças (gripen) e defesa AA, não deixando a força aérea deles atuar como ponta de lança, mantendo a superioridade aérea e desintegrando nosso poder de reação. st4

  18. Também sou contra rasgar dinheiro nesses helicópteros. Vejam que não necessita de um vetor de alto poder de disuassão como esse no momento, pois temos carências mais urgentes.

    Preferiria rasgar esse dinheiro comprando mais Guaranis, Colt M4 ou IA2, miras ópticas, peças de artilharia M-198 Howitzer (excelente compra), mais RBS-70 e Iglas.

    Se fosse pra comprar helicópteros compraria mais uma dúzia de S-70 que é o que realmente precisamos.

  19. Vejo os comentários aqui, agradeço por 90% não serem comandante das forcas armadas…otima aquisição, vejo um monte de gente falando dos maldosos americanos, imagine se o Brasil dependesse dos bondosos chineses e russos.

  20. O que é mais interessante para uma transportadora?
    Dois caminhões zerinhos ou uma frota de seis caminhões usados?
    Quem respondeu “depende do estado dos usados”, acertou.

  21. Ótima notícia!! Que venham logo 16.

    O EB finalmente vai ter um Helicóptero de ataque de respeito.

    Me surpreende alguns criticando a compra.

    O EB tá se modernizando, reformando armamentos, fabricando, importando, ampliando sua capacidade operacional, se profissionalizando… tudo em meio à MAIOR CRISE DA HISTÓRIA DO PAÍS.

    Daí vem os caras criticar.

    Esses “especialistas de teclado” não são fáceis de aguentar…

  22. A Marinha que acorde e pegue carona para não perder a oportunidade e reforçar o pedido. Embora não possamos nos esquecer no caso da MB da possibilidade dos apaches ingleses a partir do ano que vem

  23. O EB TINHA QUE COMPRAR AS 20 CÉLULAS QUE ESTÃO DISPONÍVEIS. ESSA É UMA OPORTUNIDADE DE OURO. HELICÓPTERO BOM BONITO E RELATIVAMENTE BARATO.

  24. Eu fico feliz com essas aquisições de oportunidade do arsenal dos EUA, via FMS. Esse programa de cooperação com os EUA é excelente, o Brasil evoluiu muito desde então…artilharia autopropulsada M109, talvez a artilharia M198 howitzer, blindados M113 , entre eles de comando e comunicação, M992A2 – viatura blindada de transporte especial remuniciadora, avião fixa do EB Sherpa C23, agora os SuperCobra.
    Equipamentos em bom estado, baratos para adquirir e de manter…dificilmente o Brasil com problemas econômicos e uma máquina pública PODRE que consome todo o dinheiro público em folha de pagamentos, previdências, BNDES, divida pública etc…conseguiria produzir ou comprar produtos novos.
    O Brasil só vai ter um ambiente de investimentos após IMPLODIR o atual modelo de Estado e introduzir um novo Estado menor e racional.

  25. Infelizmente não vai rodar. Não ha recursos para efetuar o IRAN que as células necessitam, para comprar o armamento e para implantar a estrutura e a doutrina.
    A prioridade é concluir a mod. dos Fennec e arma Los com foguetes guiados.

    • Ninguém vai atrás de uma mercadoria se não tiver money no caixa.

      Já viu alguém ir avaliar um carro sem ter dinheiro para comprar? Ou sem perspectiva de compra?

      Vai vir Super Cobras sim, e se reclamar vem alguns Chinook também

  26. 12 unidades seria um belo começo .. 6 / 6 equipando o 1 e o 4 BAvEx .. embora considero o numero de 16 unidades o ideal pro EB nesse primeiro momento .. . ainda acho q a MB deveria correr atras de pelo menos 4 unidades .. com ao menos 2 sempre embarcadas no ”Atlântico” …..falta dinheiro mas essa aquisição .. se assinada agora .. e depender da forma de pagamento e o valor .. da pra equacionar .. ja q essas unidade (se considerar o numero de 12 unidades ) deve ser entregue em +- 2 anos …. veremos

  27. S.r Juarez expôs com precisão a a conclusão do pedido de modernização dos Fennec solicitada pelo EB. Poreém nada impede à compra apenas resta saber se há recursos ou se vale o investimento? Um ou outro, os dois, duvido (conjecturas)

  28. Um complicador a mais:
    O governo precisa até 8 de maio que o Congresso autorize R$ 1,3 bilhão para cobrir os calotes que Venezuela e Moçambique deram no BNDES e no Credit Suisse. Dinheiro este que será retirado de outras despesas. O governo brasileiro é avalista. A ideia inicial seria usar parte das emendas parlamentares. Claro que suas excelências recusaram. Assim como não vão permitir tirar de programas sociais. É ano de eleição. Com certeza vão meter a mão em despesas “supérfluas”, como compra de material bélico.
    A cada dia uma nova bomba explode entre nós.

  29. Buenas.

    O Brasil SIM deveria aeronaves dessas no seu acervo. Só que antes disso, tem que fazer a lição de casa.

    Prioridades, não só achismo. Hoje as FFAA temo muito mais necessidade de helicópteros utilitários em quantidade condizente. Desses, uma parcela pode receber armamento para a missão (foguetes guisados – muito mais barato com precisão pra alvos até 60km/h; canhões 20/30mm; mísseis ar-solo; entre outros). No contexto brasileiro, vale mais H60 do que AH1.

    Se esta lacuna tivesse preenchida, aí pode-se pensar em astronaves de ataque. Os MI35 são um pesadelo logístico, embora excelentes pra emprego armado.

    Eu concordo com o que já foi dito aqui: mais vale blindados no RR do que 12 AH1. Mais vale 114 H60M do que 50 H225M (pasmem senhores – este foi o preço do contrato das aeronaves impostas pelo Ex presidente de banânia).

  30. Ainda bem que não somos os comandantes do EB. São muitas necessidades e pouco dinheiro, lógico que não é possível atender a tudo.
    Agora, helis de ataque puro-sangue fazem parte de um projeto da Força, as células usadas são uma ótima oportunidade para começar a usar esse tipo de meio, disponível aos exércitos mais modernos. Dos demais meios, temos em razoável quantidade, pode ser feita realocação se necessário. Blindados, por exemplo, podem ser diminuídos no Sul e levados para o Norte, pois a ameaça argentina é hoje muito menor do que era na época do planejamento vigente. Helis de ataque, mesmo que fiquem no Norte, podem ser rapidamente levados para o Sul, em caso de necessidade.
    É uma oportunidade. Mas, se não for prioridade frente às demais necessidades, e consequentemente não tiver dinheiro para os AH-1W, paciência, a geopolítica ainda nos é favorável, outras oportunidades surgirão.
    Aguardemos as decisões dos Comandantes.

  31. A compra dos sabres da FAB foi uma novela, era para a marinha depois para o exercito ai empurraram para a FAB mais, não pensaram como reria bom para os fuzileiros terem esses helicopteros . melhor que os esquilos que a marinha usa para dar cobertura. na época vinham mais 50 Mi8, logo descartados em favor dos franceses. quando até os EUA compram Mi8 para o exercito afegão por serem os mais resistentes do mundo. Um Pais que quer ser independente deve parar com esse negocio de só comprar de um bloco.lembrem da argentina nas malvinas.
    corea , vietnã, afganistão vexeram o ocidente usando armas orientais. imagine se israel usasse o sukoi SU 30 com seus pilotos incriveis? O que conta é o operador mais que o equipamento nas guerras do seculo XX e XXI.

    • Prezado
      Concordo com independência e Q poderíamos ter meios melhores, mas a Coreia não venceu o ocidente. O Vietnã venceu politicamente, e não militarmente. O Iraque não venceu o ocidente. O Afeganistão venceu a ex-URSS com meios ocidentais. O Afeganistão de hj não venceu o ocidente.
      O impasse no Afeganistão e Iraque atuais nada tem com os meios empregados, mas com a política por trás das decisões.
      Sds

  32. Jorge Alberto ( 28 de Abril de 2018 at 22:39 );

    Devemos ter muito cuidado com essa história de “Mi-35 para C-SAR”…

    Há certamente frequentadores desse espaço melhor qualificados que eu para discorrer sobre a questão ( e certamente podem dar uma luz ), mas me arrisco…

    Até onde sei, o helicóptero de resgate deve estar apto a transportar toda a equipe C-SAR que efetuará o resgate e os pilotos abatidos, sendo que estes últimos poderão estar feridos. Tem que haver espaço de sobra para manipular um ferido no interior e ainda acomodar os resgatadores, quesito no qual o ‘Hind’ deve em relação aos tipos comumente usados.

    Os melhores helicópteros para essa tarefa, seriam tipos médios e médio-pesados como o ‘Black Hawk’ e o ‘Caracal’, respectivamente. O ‘Hind’, pelas suas qualidades, pode prover uma excelente escolta, e dar cobertura ao elemento de resgate no momento mais vulnerável, que é quando se aproxima da área onde haverá de desembarcar o grupo C-SAR.

    • Como é que o “Hind” vai escoltar BH ou a Komboza solta-pecinha, em missões C-SAR, se não tem capacidade para revo????
      E como caspa não vira mandiopan, por mais que se esquente a cabeça, eu respondo:
      Somente se e qndo a missão de C-SAR, não demandar revo.

      • Sabe o raio de ação do Mi-35? A que distância da LF estaria esse piloto abatido? A FAB está treinando isso, neste exato momento, em Campo Grande, na Operação Tápia. Tudo isso será avaliado e validado com metodologia científica pelo COMPREP, por meio da sua Seção de Avaliação.
        Aliás, não sei porque a Trilogia não está lá nem mencionou esse Exercício.

  33. Achei interessante as opiniões em que é melhor comprar armamento Novos dos EUA!!.
    ——————————————————————————————————–
    Minha opinião os Âmis não vendem armamento nenhum de ponta, atual para o Brasil de jeito nenhum independente da ideologia ser Pro – ou Contra da classe politica no Brasil.
    ——————————————————————————————————–
    O Brasil deveria investir em armamento Russo, visando independência Bélica para o futuro.
    ——————————————————————————————————–
    O chile leva essas células….

    • Americanos, assim como russos e outros grandes protagonistas mundiais, sempre pressionaram suas industrias a oferecer um mix de equipamentos específicos para exportação, ao passo que mantêm variantes para uso exclusivo de suas forças armadas.

      No caso específico dos americanos, há equipamentos que simplesmente não estão disponíveis para a venda, como o caso do F-22.

      Seja como for, há sim um nicho de produtos de defesa extremamente modernos que os americanos disponibilizam para venda. A proposta da Boeing para o FX-2, por exemplo, contemplava uma variante do F-18E/F extremamente similar a usada pela USN. E os ‘Seahawk’ para a MB representam o ‘estado da arte’ dentro do que eles oferecem para exportação, sendo pouca coisa menos performantes que os exemplares da USN ( salvo melhor juízo, o radar Telephonics APS 143 do MH-16 tem algumas limitações marginais em relação ao radar dos SH-60 americanos, e só ).

  34. Como Brasileiro não conhece as práticas básicas de Sun Tzu, “não subestime seu inimigo” !
    Quanto a aquisição não falo mais nada, vou deixar o tempo falar por mim, veremos como será quando ou se esses helicópteros vierem.
    Mas como muita gente aqui tem memória curta, vou lembrar lhes de alguns ocorridos com nossos “brothers” Americanos.
    Alegação feita ao se tentar adquirir a antena do míssil MAR-01, ligação do Presidente americano após a venda francesa de tecnologias de submarinos ao Brasil etc.
    Aí pergunto a vocês, realmente acreditam que nos será vendido sistemas de armas como o Hell Direito?
    Mas se comprarmos os Cobras e não forem liberados os armamentos, em um conflito que nuca virá, podemos pendurar bananas e cocos nos Cobras para atacar kkkkk.
    Ou partimos para desenvolvimento de sistemas de armas nacionais, ou compraremos Mustangs com motor de Brasília simples assim !

    • Os americanos não são nossos “brothers”. Eles nunca falaram que eram, e isso é uma suposição sua, e somente sua. Os americanos tratam negócios como eles devem ser tratados: com pragmatismo e objetividade, ainda mais na área militar. Se o brasileiro é incompetente, não sabe fazer isso, e logo é feito de trouxa, o problema é dele.

      No mais, resolvo o seu problema em dois segundos: basta perguntar aos americanos quais armamentos serão vendidos junto dos Cobras. Em seguida, assina-se um contrato regularizando a compra dos Cobras e de todos os armamentos e equipamentos que o EB queira/possa pagar. Não me recordo de os americanos deixarem de cumprir um contrato firmado com as nossas forças armadas, diferentes de outros países.

      Enfim, realmente não compreendi seu comentário. Qual o seu ponto? Que não se deve acreditar na palavra dos americanos? Ora, por favor! Você acredita na palavra de qualquer outro brasileiro num negócio, ou exige contratos escritos e recibos? Além do mais, o senhor descobriu recentemente como funciona a política internacional? Acha que a China fica feliz quando sabe dos progressos nos programas militares brasileiros? Os chineses, os americanos, os franceses e até os marcianos irão prejudicar os programas de estado brasileiros sempre que puderem, pois é assim que o mundo funciona caro amigo Foxtrot. Só não seja hipócrita de dizer que os americanos fazem isso enquanto chineses e russos não.

      • Uma lista de armas americanas avançadas que foram adquiridos pelo Brasil:
        Torpedo Mk-48 Mod 6;
        Helicóptero SH-60;
        Mísseis Harpoon Block II (??);
        Radares TPS-B34;
        Helicópteros UH-70;
        Obuseiro M-109 A5;
        canhão Mk-44 de 30 mm;
        veículo de assalto AAV-7;
        avião de transporte C-130;
        etc.
        *Além disso foi oferecido ao Brasil e recusado o caça Super Hornet com um pacote de armas avançadas que incluía o AIM-120C7, JDAM, JSOW, etc.

        • Perfeito comentário, Bosco. Isso apenas ilustra que os americanos nos vendem sim armamentos de alta qualidade, cumprindo os contratos que firmam conosco. Não nos esqueçamos também que os obuseiros M-109 foram doados (!!!) pelo US Army ao EB.

    • A existência dos F-5 da FAB modernizados no Brasil, apesar da Embraer, desmente categoricamente sua retórica.
      No mais do ponto de vista norte americano, favorecer a BID, inépta, incompetente, qndo não corrupta, só inviabiliza a obtenção de armamentos mais sofisticados.
      Eles então não precisariam nos negar nada e ainda poderiam faturar algum em cima de nossas necessidades frustadas.
      O seu tão adorado MSS 1.2 não é somente obsoleto, mas decrepito, e mesmo assim desde 1985 qnto dinheiro a União não enterrou nessa josta????
      E continua enterrando.
      A FAB apesar de no início ter levado a então Mectron 1.0 pela mãozinha até o A-Darter, felizmente parece que acordou e não deu bola por enquanto pra essa Mectron 2.0, a SIATT.
      O contribuinte pagante de impostos, desde já agradece.

    • Também não entendi não!
      Nossas três forças armadas e nossas inúmeras forças policiais estão repletos de equipamentos militares americanos que foram negociados, pagos, entregues e manutenidos e o Foxtrot vem falar de “antena de míssil MAR-1” ? Desses equipamentos há material novo, velho, usado, avançado, etc. Tem de tudo. Quando quisemos equipamentos avançados e novos eles nos forneceram. Quando quisemos usados, idem!.
      Onde é que tá o problema???
      Quer dizer que a gente tava desenvolvendo um míssil e foi comprar a “antena” lá nos EUA? Explica aí pra gente Fox!!! A gente foi “miguelá” uma antena. rsrss Assim, na mão boba!!! E eles descobriram, foi? E não deixaram? Conta pra gente!!!
      A parte mais sensível de um míssil antirradiação e o Brasil foi arrumar uma lá nos States? O chefe da comissão era o “Gersón”, da Seleção de 70? rsrsss
      E esse telefonema! Conta aí Foxtrot, que não fiquei sabendo não. Você tava grampeando o presidente americano ou o francês??? rsrssss
      Também não entendi sobre o “”Hell Direito”? Você tá querendo dizer que os americanos podem nos vender os AH-1 mas não nos venderão os mísseis Hellfire? Ora! Esse míssil os EUA já forneceu para uns 30 países e porque você acha que para nós seria negado?
      Valeu!!

  35. NSM (410Kg peso total; 3,95m de comprimento) no SH-60 Seahawk????
    Difícil, hein…
    O próprio Joint Strike Missile (JSM), que é a versão do NSM para o F-35, pesa 400Kg e mede 4,0m de comprimento.
    Como comparação o torpedo AS Mk-46 pesa 230Kg e mede 2,6m de comprimento, e o SH-60 carrega somente um.

  36. Sou mais a MB adquirir os Cobras em suporte ao CFN e EB para operar em seus LHD,s.
    Os mesmos podem dar apoio em um improvável conflito na região, foz do Amazonas ou ZEE.
    Cabendo ao EB dar continuidade junto com a FAB e MB da versão Ar/Solo do MSS 1.2 ou nacionalização do míssil Sul Africano Mokapa.
    O novo míssil poderia dotar os Cobras, Black Hawk e MI-35 Das FAA,s.
    Neutralizando assim qualquer embargo dos fabricantes das aeronaves.
    Uma versão aérea da Remax com canhão 20 ou 30mm seria bem vinda.
    Para mim essa seria a forma mais racional e extinta de aplicação de verbas sem perda de poder dissuazorio!

    • Fox,
      Nacionalizar o Mokopa???
      Por que a gente não manda uma comissão lá na África do Sul pra ver se eles nos fornecem o seeker dele pra gente fazer um aqui no Brasil. Meio de “migue” igual quando a gente foi lá nos States pegar “emprestado” uma antena de míssil antirradiação.

    • Não entendo o que você quer. Há pouco criticou a compra de material militar americano e agora se diz a favor da aquisição desses helicópteros pela MB? Se decide, rapaz!

      “Sou mais a MB adquirir os Cobras em suporte ao CFN e EB para operar em seus LHD,s.”
      Marinha prestando suporte aéreo ao EB? Como isso? A Marinha prestaria suporte aéreo em desembarque anfíbio, e a tropa que faz esse tipo de operação é o CFN. Então o EB deixaria de comprar esses helicópteros para que a Marinha comprasse para prestar apoio aéreo ao EB???
      Quais LHDs?

      “O novo míssil poderia dotar os Cobras, Black Hawk e MI-35 Das FAA,s.”
      Você pagaria a integração do seu bolso?

      “Para mim essa seria a forma mais racional e extinta de aplicação de verbas sem perda de poder dissuazorio!”
      A gramática dispensa comentários.

  37. se o EB parasse de gastar tanto com pessoal talvez sobrasse dinheiro para comprar e operar meios modernos e eficazes mas o que importa e ter soldado pra limpar a piscina dos oficiais na vila militar e capinar meio fio em frente de casa de sargento não e …..ah e tambem NCO para fazer RP sic..

  38. “elton 29 de Abril de 2018 at 14:17 se o EB parasse de gastar tanto com pessoal talvez sobrasse dinheiro para comprar e operar meios modernos e eficazes”
    Não é tão fácil assim como falar, por traz do EB, tem toda uma estrutura social atrelada ao seu pessoal e familiares. Uma solução seria separar o orçamento de despesas correntes como pagamento de salários e pensões, com o orçamento de manutenção e aquisições de materiais.
    Mais voltando ao assunto da matéria, 12 aparelhos na minha modesta opinião seria mínimo pra formar uma unidade operacional…

  39. Aos comentaristas: E quanto a modernização solicitada pelo EB dos Fennec? Salvo Ledo engano, 10 já foram entregues modernizados e os outros 26. Por favor, não sou contra a compra dos cobras , porém???

  40. O EB tem que parar de preliminares e agir logo pois, caso contrário, outros países irão adquirir as unidades em melhor estado antes.
    Pra mim é inconcebível um país deste tamanho parecer sempre um mendigo contando trocado para adquirir meia dúzia de equipamentos. Jogar no lixo (ou em conta de certos bandidos) alguns “Trilhões” de Reais em corrupção na última década e meia não é problema, mas pra comprar material de defesa quando estamos quase que numa guerra civil interna (vide 70,000 pessoas mortas por crimes violentos no Brasil só em 2016) é sempre essa novela Mexicana ..

  41. Se o EB está procurando algo que vale a pena no quesito helicopteros dos estoques dos EUA, então que olhe com mais carinho aos CH-47 Chinook, estes sim fariam diferença na atual situação nas regiões de fronteira.

    Querem algo para desenvolver doutrina? Então que invistam um pouco mais de dinheiro nos Fennecs/Esquilos, o que não falta é uma boa opção de equipamentos para torná-los em um caça tanques razoavelmente bom para o nosso TO.

    https://www.airforce-technology.com/projects/as550-fennec-helicopter/

    Investir qualquer trocado nestes AH-1W, é jogar dinheiro no lixo e atrapalhar mais ainda o projeto até desenvolvido.

    Minha opinião.

  42. Bosco a resposta dos Sul Africanos será melhor que da TionSan, pois os Africanos já nos ofereceram participação em inúmeros programas de mísseis deles, vide exemplo A-DARTER e Unkontho!
    Quanto ao Tio Santanico não posso dizer o mesmo !

  43. Daglian se não conhece sarcasmos ou não saber ler nas entrelinhas e nem metáforas, te dou uma dica, observe os aspas (aquelas duas vírgulas acima da palavra) e entenderá melhor kkkkkkkkkk!
    Se mesmo assim não entender pesquise no Google!

  44. Gente se a mente de vocês não lembram das afirmações americanas quanto ao MAR-01, sugiro pesquisar e ler os relatos de oficiais de alta patente da FAB e pesquisadores da Mectron sobre a alegação americana (O Brasil não é um país sério para ter esse tipo de equipamento).
    Quanto a vender de prateleira, caixas pretas repletas de bugs, qualquer país vende.
    O X da questão está em transferir o conhecimento para operar o equipamento em sua plenitude e sem o famoso “manual do usuário”, que vem junto com todo equipamento Americano.
    Ou são inocentes em acreditar que esses equipamentos ditos de ponta de linha, pois os Hornets Já estão ultrapassados, C-130 nem se fala, MK-46 também comparado ao F-21 Francês e por aí vai.
    Quero ver é eles nos venderem com códigos fonte os Tomahawk,s, F-22, canhão magnético e todo o arsenal ultra moderno que nem para países ultra alinhados aos interesses americanos recebem, países como Israel, Inglaterra, Coréia do sul etc..
    Não sou contra comprar equipamentos militares de pais algum, mas sou mais desenvolver nacionalmente, pois a história está repleta de exemplos, que em horas de necessidades nos são negados (vide exemplo Exocet Argentino na guerra das Malvinas).
    Ou se esqueceram desse caso também?
    Quanto a Sun Tzu, me referi ao depoimento de muitos floristas menosprezando os caças Venezuelanos.
    Não devemos subestimar inimigo algum, seja ele Sul Americano, Norte Americano ou Europeu !
    Acorda povo Brasileiro!

  45. “sugiro pesquisar e ler os relatos de oficiais de alta patente da FAB”

    E eu sugiro umas boas aulas de gramática. Um comentário mal redigido perde todo o seu valor.

  46. O país precisava participar de algum real conflito mundial existente. Ai sim veríamos nossa real capacidade militar e a necessidade de quais e quantos equipamentos. Vigilância e desfile é o que fazemos hoje.

  47. Na falta de argumento criveis, só restam as agressões sem cabimento algum!
    Passar bem caro Doug385.
    Sugiro ir assistir o desenho animado de mesmo nome, aqui está além de suas capacidade mentais!

  48. O modelo mais avançado, o Bell AH-1Z Viper, já possui o rotor com quatro pás. Parece que a Bell vai abandonando a configuração bipá de seus rotores, uma característica desse fabricante de helicópteros.

  49. O que eu não entendo é porque se fecha um negocios de comprar armamento e logo o plazo de entrega é mais de 8 anos o 1º em ser entregado,,por exemplo o gripen ,0 1º será entre ainda o ano que vem,mais quando foi assinado o acordo de compra,faiz anos atrâs,não.imagenemos hipóteticamente,sai uma guerra no sul,que passa com o armamento comprado?,pra minha forma de ver seria “COMPRA E LEVA”.

  50. Analista de Super Trunfo é f… C-130, o avião com o mais longo ciclo de produção da História, ultrapassado… Super Hornet, uma aeronave que é empregada e é a ponta de lança da mais poderosa força aeronaval da Terra… Mk-46, o torpedo padrão da OTAN… E vai por aí…
    .
    E o camarada ainda quer F-22, um avião que os caras não venderam nem pra Israel…
    .
    Complicado…
    .
    No tópico, o EB tinha que pegar as tais 20 unidades. “Ahhhhh, mas não vai ter dinheiro pra modernizar…”. Talvez: mas mete “no formol” e guarda pra usar quando tiver, porque oportunidades como essa acontecem uma vez a cada vinte anos. É a estória do cavalo selado…
    .
    Sem invenção. Estamos q-u-e-b-r-a-d-o-s, e vai piorar. Sonhar com AH-1Z, Apache, Tigre, agora ou nos próximos 10 anos é viagem.

    • Milorde Vader, os AH-1W no estado em que estão já representam um salto qualitativo gigantesco em relação a tudo o que existe na AL. É isso ou continuar com todo o sempre com o Esquilo/ Fennec equipado com foguete SBAT/70.

      Quanto a esse tipo de comentarista ao qual você se referiu, é o pessoal que sai do PlanoBarril para fazer imundice por aqui.

  51. Ele deve fazer uma boa dupla com A-29, assim como fez com o A-10.
    Seria bom, assim, só pra maximizar, um míssil estilo Hellfire no ST.
    Mas pode meter um enxame de Tucanos com bombas burras de 250kg, flanqueando os Cobra. Sem modernizar, já são muito bons por aqui, nesse T.O.

  52. Foxtrot, o Super Hornet vai operar na US Navy por, no mínimo, mais 30 anos. O C-130, quando teve seus primeiros exemplres adquiridos pela FAB, na década de 60, era o suprassumo do transporte militar tático. Hoje, continua sendo fabricado na versão J. O Mk-48 é torpedo padrão da US Navy, SH e UH-60 idem, nas FFAA dos EUA, Harpoon block II, etc…..e quais caixas pretas de prateleira, com bugs, você tá falando? Esse discurso nacionalista, que põe nas costas dos outros povos a NOSSA incapaciade de ser um país decente, me irrita!!

  53. Notícia correlacionada: Bahrein >> uma das hipóteses em estudo para modernização de sua força é a aquisição de 12 AH-1Z Viper, num negócio estimado em 911,4 US$ mi, incluindo mísseis ar-solo AGM-114 Hellfire e foguetes guiados da BAE Systems, dente outros elementos.
    .
    Se o preço for mesmo por aí, acho que os 1Z estão bem longe do EB. Se tiver jeito de apertar o orçamento, parece-me melhor não perder oportunidades de adquirir usados.

  54. O Foxtrot citou os Exocets nas Malvinas. Já falei sobre isso umas mil vezes mas não custa falar mais uma. Não houve nada de “código de desativação” ou coisa que o valha.
    Os britânicos tinham Exocets MM-38 em seus navios que enviaram para as Malvinas e estavam carecas de saber em quais frequências o radar dos mísseis operavam e quais eram todas os parâmetros operacionais do dito cujo.
    Essa “lenda” da internet surgiu por conta de um psicanalista ter escrito um livro sobre Mitterrand no qual ele alega que o presidente francês na época das Malvinas havia lhe confidenciado que Thatcher havia lhe pedido os tais “códigos de desativação” dos Exocets sob pena do RU atacar nuclearmente a Argentina.
    Isso é uma total fantasia e não tem o mínimo sentido.
    Primeiro, duvido que a Thatcher tenha dito isso ao Mitterrand. Segundo, mesmo que o Miterrand tenha dito isso, o tal psicanalista não era da área e não entendeu o que se queria dizer com o que ele chamou no livro de “códigos de desativação”.
    Resumo da ópera: toda essa crença nos tais códigos de desativação, que não se sustenta numa análise dos fatos, é baseada no relato de um ….. psicanalista.

  55. Só como curiosidade, o livro foi lançado em 2005 e o Mitterrand morreu em 1996. Já não dava mais pra perguntar pra ele se ele havia dito isso mesmo e do jeito que foi relatado pelo tal psicanalista que de forma antiética relata conversas com seu “paciente”, que apesar de já falecido, não desobriga o segredo profissional.
    A Margareth Thatcher (falecida em 2013) por sua vez, nunca falou nada a respeito do assunto e nunca confirmou que chegou a pensar em ameaçar a Argentina com armas nucleares e nunca disse um “A” sobre essa suposta conversa com o Mitterrand.
    Fato é que se houvesse um mínimo de credibilidade essa informação que os Exocets podem receber “códigos” de desativação, a indústria militar francesa iria à bancarrota. Como não foi, é prova mais que suficiente que aqueles que entendem realmente do assunto (que não são os psicanalistas) não deram crédito a essa história fantasiosa.

    • Esse ‘causo’ só ganha da desinformação sobre os AMRAAM’s chilenos: aqueles que ficam escondidos nos EUA, só podem ser transferidos mediante resolução do Senado norte-americano e utilizados no dia e na hora combinados.

      • Realmente Rafael! Essa também é uma pérola difícil de desmentir. A cada enxadada nasce mais um alqueire de erva daninha.
        Outra é a do Brigadeiro brasileiro que tem vídeo na Internet dizendo como nos fomos “boicotados” pelos EUA quando fomos lá dar uma de “migué” pra pegar umas tecnologias sensíveis deles de mão beijada, sem pagar por direitos e sem autorização do governo americano. Ou seja, de forma “ilegal”.
        É o que eu falo… poderia estar comentando em blogue de culinária (eu sou excelente cozinheiro) mas inventei de me divertir em blogues de “defesa”… fazer o quê????

  56. Alguém deve avisar a Austrália (se não me engano), que os Hornets são o supra sumo da tecnologia, assim eles desistem de desativar os deles .
    MK-46 torpedo top de linha, se a US navy vai do MK-48 cada absurdo que leio!
    Agora Flanker, se meu discurso nacionalista te irrita, não leia, afinal de contas estamos numa democracia, ou estou enganado.
    Da mesma forma que não leio grande parte das besteiras que escreve.
    Mas como sempre digo, “O tempo é senhor da razão, e a dará a quem merecer”.
    Já que não aprendemos as lições de modo pacífico, quem sabe um dia aprendemos de modo violento!
    Aí sentem e chorem, pois muitas vidas nacionais serão perdidas, vidas de entes queridos meus e seus, pois estaremos velhos para lutar com equipamentos saboreados e desatualizados, sem falar nos embargos!

    • Você não estaria confundindo o Hornet com o Super Hornet?

      A US Navy utiliza sim o MK-48 como torpedo pesado, atualmente na versão Mod 7 (CBASS) e já trabalha em uma atualização para a próxima década deste vetor.

    • Foxtrot, a Austrália está em vias de substituir seus Hornet pelo……Super Hornet!! São aeronaves completamente diferentes. Só compartinham o nome e o design geral externo.
      Quanro aos torpedos, Mk-46 e Mk-48 são diferentes, sendo o primeiro leve e o segundo, pesado. E ambos estão em serviço na US Navy e sendo constantemente modernizados.
      Quanto ao causo da antena do MAR-1, houve um acordo inter-governos, ou inter-agências do Brasil e EUA buscando essa tecnologia deles? Ou simplesmente fomos lá para conseguir isso direto do fabricante? E quem forneceria isso assim, de mão beijada?
      Quanto ao fato de ser nacionalista, temos conceitos diferentes. Mas, cada um com suas ideias.
      E, pra finalizar, se acha besteira o que escrevo, também não leia. E ja que falou, em matéria de besteiras, a sua tônica é quere fabricar TUDO aqui. Essa é a maior de suas besteiras! As FFAA brasileiras não tem demanda para fabricar tudo aqui. Se o fizéssemos, tudo sairia absurdamente caro. Agora, nos casos onde a demanda justifica o desenvolvimento nacional, vale a pena sim, e é feito. Um exemplo é o Guarani, cuja propriedade intelectual é do EB. Outro é o A-29, entre outros itens. Mas, não temos capacidade financeira para desenvolver tudo aqui. Quer um exemplo so que você propôs e que seria impraticável? A produção de um AMX naval. Teria que se produzir uma aeronave praticamente toda nova (reprojetada), que mesmo assim seria subsônica e todo o custo disso seria diluído em quantas unidades? 20, 30? Não adianta só querer, precisa ter demanda e num nível que seja economicamente viável de adquirir e manter.

  57. Fox,
    Sem querer ser chato, mas só no sentido de colaborar. O Mk-48 é pesado, antinavio e antissubmarino (lançado só por submarinos) e o Mk-46 é leve, exclusivamente antissubmarino (lançado por navios, submarinos, aviões e mísseis) .
    Torpedos passam por modernizações. O fato dele ter sido introduzido há muito tempo não diz nada acerca dele ser mais ou menos “avançado” que um que foi introduzido mais recentemente.
    Vale salientar que além do leve Mk-46 mod 5, a USN utiliza o Mk-50 e o Mk-54, ambos mais recentes. Mas a imensa maioria de seus torpedos leves é composta por Mk-46/5.
    Quanto a ser nacionalista, todos somos, só que com visões por vezes, conflitante acerca do que é melhor para o país. Alguns acham que pirotecnia verba e ufanismo exagerado é sinal de patriotismo. Outros acham que ser puxa saco do Putin é ser patriota e quem não demoniza os EUA ou Israel é tido como “traíra” já que o “pensador coletivo” assim determinou.
    Só mais uma coisa, o caça Hornet e o Super Hornet, são caças destintos, sendo o segundo uma evolução do primeiro, apresentando características superiores em todos os aspectos.

  58. De nada adianta espernear, nem no “formol” hoje se tem condições de “envelopar” estas anvs. A modernização dos Fennec até está andando, mas vejam, não há recursos disponíveis para comparar o armamento: canhões e foguetes guiados que são bem mais acessíveis que os Hellfire para o Viper.
    Não adianta trazer sem fazer o check “Delta”, pois aqui não se ter nem condições técnicas e muito menos financeiras., e ainda teria que se acomodar recursos para aquisição do armamento, pois de nada adianta trazer um Viper só com canhão, então contínua como está.
    Só haveria um caminho para esta aquisição poder ser realizada, e ela se dá com dois movimento:
    O primeiro deles é a desativação de uma das anvs de manobra, a meu vero SP sairia do inventário e depois seria necessário negociar com Tio Sam via FMS a long play o pagamento do check de célula e da modernização de aviônicos de voo, caso contrário, vamos ter mais um enfeite de hangar, e enfeite de hangar nós já temos que chega.

    • Juarez, a aquisição de por exemplo 10 Hellfire por aeronave não ficaria muito cara. Os helicopteros de manobra pelo que recordo está saindo faixa de 8 milhões de dólares a modernização. E vai que os Cobras se consegue por menos. Dando uma espremida tem como adquirir.

  59. Está aí a oportunidade do EB ter helis de ataque genuínos e modernos adquiridos via FMs, creio que helis novos deste tipo no momento isto não ocorrerá por falta de verbas tão cedo. Esquilos é algo improvisado…prefiro originais….

  60. Tirando dezenas de bobagens que foram postadas acima, a matéria esqueceu de comentar que o meu amigo Gen Castro, gaudério de PAlegre, também é piloto de helicóptero, primeira turma formada na MB. Foi comandante do CIAVEX e também da ESPCEX. Tem plenas condições de assessorar o EME nessa compra.

  61. Bosco
    ” A cada enxadada nasce mais um alqueire de erva daninha.”

    KKK Essa foi boa.
    Sobre os Chips de desativação, essa lenda teima a morrer. Acho que vai enterrar todos nos.

  62. Engraçado pensar que tudo que é aventado no meio militar logo esbarra na falta de verba $$$, lá em Brasília dinheiro $$$ é o que não falta para fazer “emendas políticas” para salvar o pescoço dos nossos “excelentíssimos”, agora que está para começar as eleições, dinheiro é que não vai faltar para os que vão tentar a reeleição, sem contar o “fundo público eleitoral”… com tanta coisa faltando em áreas muito mais importante, nós ainda temos que financiar eleição de partido político. Que vergonha.

  63. Collombeli, eu não sei quanto custa hoje um Hellfire, mas não é só o míssil, me permita te ajudar no raciocínio:
    São necessários recursos para comprar, para criar a estrutura de armazenamento,aonde são necessários paios com temperatura umidade controladas, treinamento de manuseio dos armeiros, e finalmente dinheiro para efetuar o aprendizado da doutrina de uso do míssil que se faz com treinamento, voo e disparo, e para isto precisa de $$$$$$$.
    Meu correligionário, eu não sou contra, apenas estou tentando dizer para vocês, de novo:
    Ter ou comprar não significa poder manter e operar.

    • Juarez, eu sou dos primeiros a lembrar da necessidade de estrutura. O que eu afirmo é que no caso não há nada de muito sofisticado ou caro em um lote de 120 misseis, um tanto de foguetes, e até uns Stingers ou sidewinder pra operar deles ( faixa de 90.000 a 100.000 dolares unidade).

      O EB ja tem expertise com armazenamento de misseis e uma equipe para manutenção de 8 a 12 aeronaves não carecerá ser extremamente volumosa.

      Tudo isso levado em conta, mais manuais, treinamento, adaptação, horas mínimas de vôo ainda poderá ser um bom custo benefício com este vetor e certamente tudo isso estará sendo levado em conta pelo EB, que em regra tem feito boas e responsáveis aquisições.

  64. Cel Neri, boa noite. O Gal Castro(deve ser meu parente) entende tanto de helis de ataque e misseis ATGMS aero lançados,tanto quanto eu e o senhor entendemos de física quântica e radar de bolinhas, e se eles quiserem saber algo sobre mísseis aero lançados conversem com os marinheiros, são hoje os que mais tem conhecimento de causa do assunto..
    Passa essa cel.

    • Acrescendo, é quando a força armada assume funções assemelhadas à da polícia, por exemplo nos bloqueios das favelas do RJ. Não é uma ação original da força armada, só pode ser executada em situações pré determinadas e autorizadas (salvo engano, apenas decreto presidencial). Se eu estiver falando abobrinha, favor alguém corrija.

    • “Realizadas exclusivamente por ordem expressa da Presidência da República, as missões de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ocorrem nos casos em que há o esgotamento das forças tradicionais de segurança pública, em graves situações de perturbação da ordem.

      Reguladas pela Constituição Federal, em seu artigo 142, pela Lei Complementar 97, de 1999, e pelo Decreto 3897, de 2001, as operações de GLO concedem provisoriamente aos militares a faculdade de atuar com poder de polícia até o restabelecimento da normalidade. ”
      fonte: http://www.defesa.gov.br/exercicios-e-operacoes/garantia-da-lei-e-da-ordem

  65. Rinaldo Nery 1 de Maio de 2018 at 10:35
    Castro é cavalariano, aviador, fez curso de blindados no US Army, observador da ONU na Bósnia, professor de português em West Point. Vai ser promovido a três estrelas fácil.

    Cel., o fato de ele ter os predicados que o senhor citou, não o habilita a dar pitaco sobre anv de ataque de asa rotativa e emprego de atgm, foguetes guiados a partir desta. É a doutrina específica e pontual.
    Os marinheiros lidam com mísseis lançados por Helis a mais de trinta anos, estes sim podem dar pitacos.

  66. Cel, tenho um bom conhecimento técnico da diagonal de manutenção de um F 5, se o senhor colocar um Typhoon nainha frente, não sei por onde começar.
    Cel Neri, uma coisa é uma coisa, outra coisa e outra coisa.

  67. Cel Neri, eu não afirmei que ele é um “tapado”, eu apenas disse que ele não tem conhecimento doutrinário e muito menos operacional do emprego tático desta anv de asas rotativas e menos ainda seu armamento. Quem tem experiência com o emprego de mísseis a partir de helicópteros são os marinheiros, que apesar de seu um míssil diferente, a doutrina é similar e os alvos também são móveis.
    Cel, já basta a cag….do Sherpa, que já está custando o dobro do anunciado depois que veio a conta da armazenagem, para por para voar e dos spare parts necessários. Compras feitas na base da “tesão”, ao invés da razão dão nisso. Não estou dizendo que é o caso do Cobra, mas a que ser ir com calma ao “pote”.

    • Juarez, sem querer prolongar ou polemizar, creio que nem eu nem você podemos AFIRMAR que ele não tem conhecimento de doutrina e emprego de heli de ataque. Ele não aprendeu isso no Esquadrão por que passou? Não voou na Cia de Rec e Atq? Eu nunca lancei um míssil, mas se Brigadeiro fosse teria capacidade de decidir sobre o tema com segurança. O que eu não souber eu leio ou pergunto. E o mesmo ele fará, com certeza.

  68. “Ele não aprendeu isso no Esquadrão por que passou? Não voou na Cia de Rec e Atq?”

    Por acaso o EB emprega algum tipo de míssil ar solo em suas anvs de rec/ataque?

    Não emprega, não é m mesmo cel., então……

    • E em dois anos em West Point nunca cruzou com um piloto de Apache, nunca leu um manual da Aviação do US Army, nunca visitou um Batalhão de Apache do US Army… Nem agora, como adido em Washington…

  69. Cel Neri, os Franceses ensinaram-lhe a “missa”, mas não disseram como se forma um “padre”.
    Já Jacó nos mostrou o “shabat” e deu os passo para formar o “rabino”.
    Naquela Cruzex na BANT, eles, os Franceses se aperceberam disto.

    Um grande e um final feriado Cel.

  70. Rinaldo Nery 1 de Maio de 2018 at 22:33

    E em dois anos em West Point nunca cruzou com um piloto de Apache, nunca leu um manual da Aviação do US Army, nunca visitou um Batalhão de Apache do US Army… Nem agora, como adido em Washington…

    Cel, se ele fosse tão pica das galáxias quanto o senhor fala, ele não teria deixado o EB comprar os Sherpas….lá em West Point devem ter passado também aviadores de asa fixa do US Army, eles certamente devem ter dito o porque que deram baixa neles, se eu, que sou um “zé ninguém” aqui no garrão deste país sei, imagina um oficial superior do US Army.
    Poderia também Cel., perguntar a ele, porque deixou a aviação do EB gastar um uma caminhão de dinheiro para reformar os Panther, sem acrescentar equipamentos básicos de missão militar, quando deveriam ter dado baixa naquele erro, olhado para frente e aprendido com estes erros.
    Aonde estava o seu amigo Gal Castro que não usou todo o seu conhecimento de aviação para deixar o EB ser entubado com as Kombis de rosca faz de conta???:

    Boa noite Cel.

    • Ele não era o adido na ocasião da compra dos Sherpa. A modernização dos Phanter não era responsabilidade dele. E ele é bom, sim. Não é general à toa.

  71. Cel, como todo o respeito que o senhor e o Gal merecem, não importa se a época ele era adido, ou “cordinha”, como oficial superior, detentor de todos predicados apontados pelo senhor, ele, como militar, honesto e patriota deveria ter dito:
    Parem de fazer merd…na aviação do EB

    • Não sabemos se disse ou não. Pode ter dito e recebido a resposta que eu tu conhecemos: “eu mando e tu cala a boca”.

  72. … Dando uma olhada nos Helicópteros de Ataque, não importa se o Apache AH-64D do US Army ou o Super Cobra AH-1W ou AH-1Z da US Navy, eles têm mais ou menos o mesmo Custo por Hora de Voo (CPFH) de USD$ 6 a 7 Mil. Abaixo estão os dados específicos:
    *AH-64 APACHE*
    ▪️US$ 6.800,00
    *AH-1W SUPER COBRA*
    ▪️US$ 7.100,00
    *AH-1Z SUPER COBRA*
    ▪️US$ 6.000,00
    Conta rápida… 150 HV ano por Anv, para 12 Anv… total de US$ 12,6 milhões / ano… *R$ 50 milhões / ano*

    Link- https://rhk111smilitaryandarmspage.wordpress.com/2017/01/15/us-armed-forces-aircraft-operating-costs-august-2016/

  73. mas o que importa é o valor de venda…. as capacidades são similares…… claro prefiro um apache mas, as restrições……. e o super cobra já provou em combate que é bom…. e pra america latina não tem pra ninguem! menos menos criticas…… compra logo 30, 40

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here