Home Ciência Na tragédia do Museu Nacional, o suicídio de um país

Na tragédia do Museu Nacional, o suicídio de um país

3649
123
Pessoas assistem ao fogo queimando o Museu Nacional no Rio de Janeiro.- Foto: REUTERS/Ricardo Moraes
Pessoas assistem ao fogo queimando o Museu Nacional no Rio de Janeiro.- Foto: REUTERS/Ricardo Moraes

Por Bernardo Mello Franco

A destruição do Museu Nacional é uma tragédia para a cultura, a ciência e a história do Brasil. Infelizmente, uma tragédia anunciada.

A instituição científica mais antiga do país foi vítima de décadas de descaso. De 2014 para cá, os cortes passaram a afetar até a verba de manutenção. O museu chegou a fechar as portas por falta de pagamento aos funcionários de limpeza e vigilância.

Em junho, a instituição completou 200 anos sem motivo para comemorar. Muitas salas de exposição estavam fechadas. Uma vaquinha virtual pedia doações para reabrir uma delas, que abrigava um enorme fóssil de baleia. A estrutura de madeira estava consumida por cupins.

Apesar do esforço dos servidores da UFRJ, os visitantes podiam notar o péssimo estado de conservação do palácio na Quinta da Boa Vista. O prédio agonizava: reboco caindo, paredes descascadas, fios elétricos expostos. A causa do incêndio ainda não foi divulgada, mas não era preciso ser bombeiro para ver que os riscos estavam lá.

O edifício consumido pelas chamas era tão valioso quanto seu acervo de 20 milhões de peças, que incluía fósseis de dinossauros, múmias egípcias e o crânio mais antigo das Américas. O Palácio de São Cristóvão foi a residência da família real no Brasil. Depois sediou a primeira Assembleia Constituinte da República, que editou a Carta de 1891.

No livro “1808”, que narra a chegada da Corte portuguesa, Laurentino Gomes descreveu o local como “um prédio descuidado e sem memória”. “É como se nesse local a história tivesse sido apagada de propósito”, resumiu. O texto foi publicado há quatro anos. De lá para cá, a situação só piorou.

Segundo funcionários, o último presidente a pisar no museu foi Juscelino Kubitschek, que deixou o poder há 58 anos. Na festa do bicentenário, nenhum ministro apareceu por lá. Agora todos vão dar declarações de pesar e prometer as verbas que sonegaram em nome do ajuste fiscal.

Um país morre um pouco quando destrói a sua própria história. A tragédia deste domingo é uma espécie de suicídio nacional. Um crime contra o nosso passado e contra as gerações futuras.

FONTE: O Globo

123 COMMENTS

  1. Vai-se o Museu Nacional.
    Fica o Queer Museu.

    Se eu fosse depressivo, chorava. Mas como prefiro abraçar o caos, prefiro apenas sentar e dar risada da nossa própria tragédia anunciada…

      • O Antonio tá certo. Do jeito que vocês estão colocando até parece que a culpa do Museu Nacional ter pegado fogo foi do Queermuseu. Com 5 minutos de google qualquer um percebe que eles não concorriam pelas mesmas verbas. Se tem algum culpado crítico nisso foi a “gestão” pós 2016, que pegou uma média histórica já insuficiente e diminuiu em 2017 e de 2017 pra 2018 diminiu quase 80% novamente.
        Em tempo: o aporte insuficiente vem ao menos desde a constituinte de 88 e em 2017 o GF do Temer perdoou uma dívida do Itau que dava pra sustentar o museu por séculos.

        • Entenda de uma vez! A culpa não é do atual governo mas sim nossa, dos brasileiros, visto sermos um povo que claramente despreza o passado e a memória. E é exatamente por sermos assim que elegemos governantes que não apenas destinam verbas insuficientes para a manutenção de tão valioso acervo como também aqueles que cortam a verba que já é insuficiente.

          Ps: Constituinte é o processo de elaboração da Constituição e não a Carta Política em si, e a dívida perdoada com o banco nada tem a ver com a verba que sucessivos governos, inclusive aqueles incensados por certa categoria de intelectuais, deixaram de repassar ao museu.

          • Somos todos culpados. Não damos valor a nada que construído há tempos e com muito esforço. Estamos em outra vibe, somos todos Smartfones. Nossa cultura se resume a dar um Google. Lamentável.

          • Não entendi o apontamento, HMS, é errado referir-se à constituinte que encerrou os trabalhos em 88 como constituinte de 88, se há fontes que a citam como “Constituinte de 87” (em alusão ao início dos trabalhos), “Constituinte de 88” (em alusão ao fim dos trabalhos) e “Constituinte de 87-88” (em alusão ao período dos trabalhos)?

        • Olha a noticia fresquinha , mostrando o que a tia Dilma fez: “Museu Nacional conseguiu R$ 20 milhões para reforma em 2014, mas governo federal não aplicou verba”. Ou seja , ganhou mas não levou.
          Ou seja ,13 anos de petismo mais 2 de Temeridades foram a laje do túmulo do museu.
          Mas a verdade é que , como o museu tem 200 anos e foi iniciado pela família real , a culpa começa com Deodoro da fonseca, Floriano peixoto , etc, etc, Vargas, Dutra, Kubistcheck, Janio, Jango , Castelo branco , costa e silva , medici, geisel, figueiredo, sarney, collor, itamar , fhc, lula, a anta e temer.
          Sem esquecer que durante a era lula , onde as federais surfaram nas verbas federais , a UFRJ (que era a mantenedora do museu desde 1946) parece não ter se preocupado muito com a situação do museu , não é?

          • Último presidente a pisar no Palácio imperial foi JK. Isso diz muito sobre nossos governantes de lá pra cá. 1889 é todo o dia, é um golpe diário na nossa história, na nossa cultura e na nossa fé. Um museu que já havia fechado suas portal em 2014 e se equilibrava apenas arrumando calhas entupidas desde quando se tem notícias.
            Brasil, fadado ao fracasso intelectual e moral do mundo. Seremos o eterno país do futuro sem futuro.

        • Engraçado que quando em janeiro 2015 o Museu Nacional fechou por falta de dinheiro aí não apareceu ninguém que apoia “artes” do tipo Queer Museu para criticar. Como bem o Jota citou acima em 2014 já havia contenção de verbas para o Museu e acham que tudo aconteceu de 2 anos para cá inclusive, o fracasso total do nosso sistema de ensino.

          Antes tudo era uma maravilha e num país tudo acontece num curto espaço de tempo e não há causas anteriores. Pensamentos assim só corroboram o porque do fracasso total do nosso ensino.

          Políticos como Temer não têm o meu apoio e nunca terão porque na minha opinião o que importa é o país mais do que ideologias retrógradas e anacrônicas.

  2. Sabias palavras, mas não temos ninguém que pense em cultura, falo desta cultura, nossos grandes políticos foram que funk é uma expressão de cultura, claro eles conseguem manter este povão imbecil votando neles, estamos como brasileiros pagando para eleger os políticos que irão nós roubar mais tarde, isto serve para a maioria, que atire um pedra quem é realmente honesto. Chega acorda povo 7 de outubro tá aí.

  3. E o Museu Paranaense aqui em Curitiba, quem conhece é um prédio lindo chamado Palácio São Francisco, mas, um prédio da década de 20, Deus incuta no mais profundo do ser dos nosso políticos aqui no Paraná da importante de preservar o acervo lá existente. Well, esquece!!! Tudo cabeça de ameba

    _____________
    _____________

    COMENTÁRIO EDITADO. NÃO USE O ESPAÇO PARA PROPAGANDA POLÍTICA. PRIMEIRO AVISO.

  4. Falta de dinheiro não é o responsável pela tragédia, vejam como corre dinheiro a rodo para globais e lacradores, queermuseu, peça com Jesus trans, “exposição” com peladão pra crianças, aulas doutrinárias nas universidades …

    O brasileiro, como grupo, é cada vez mais um amontoado de bestializados que despreza seu passado pois reescreve-lo é parte da revolução que quebra laços e valores tirando as referencias sobre as quais o país se ergue e se justifica.

    Sim, é símbolica a perda irrecuperável do acervo e do prédio histórico, mas o fato importante é que há anos ninguém mais por eles se interessa como atesta a visitação baixíssima de museus brasileiros (qd estes raros estão abertos), qd viaja o brasileiro faz questão de visitar os museus e pontos históricos estrangeiros mas não em busca de cultura e sim por fotos para seu álbum do Facebook.

    SOMOS bárbaros que se destroem e chamam isso de progressismo. Bibliotecas não atestam este declínio, afinal, se museus são raros as bibliotecas são inexistentes…

  5. Falta de verba, corrupção, incompetência, instituições federais utilizadas apenas para militância, a lista é longa. É impossível não se indignar com tudo que se passa nesse país. Causa provável? Um balão que soltam no RJ, em disputas de baloeiros quando são presos os responsáveis da o q? nada, crime de menor potencial ofensivo. Pode ser a péssima condição das instalações do prédio… O País se destrói pelas entranhas da lei. Bilhões num fundo partidário para reeleger corruptos, país propositalmente dividido em esquerda e direita, pobres e ricos, brancos e negros. Não existe luz no fim do túnel…

  6. Legal a GLOBO fazer uma matéria sobre o assunto, a empresa tem que ficar em total silêncio, afinal, é ela que elege o congresso e os presidente há décadas, assim como no RJ, a família proprietária da emissora é dona do RJ. Será que algum artista da emissora, aqueles que trabalham 1 fim de semana e ganham 5 milhões de reais por mês fizeram parte da “vaquinha”? Ou só tem vaquinha para aborto e liberação de drogas?

  7. Cresci visitando o “Museu da Quinta da Boa Vista”, perdi a conta de quantas vezes o visitei, sabia que a crise dele estava grande, mas ainda assim deseja visitá lo levando os meus filhos, um dos raros locais que nos fazem lembrar que o nosso país também possuía conteúdo, que tivemos imperadores, cientistas e riquezas no passado. Hoje só temos cinzas.

  8. Que tragédia!

    Lá haviam fósseis e demais raridades comuns à própria história da Humanidade…. um acervo grandioso e raro!

    Mas é a metáfora do Brasil atual: povo sem cultura, sem memória, sem identidade, sem alma e totalmente de joelhos!

    E sabem como é aquele ditado: o povo que não conhece a própria historia está fadado a repetir os mesmos erros no presente e no futuro

    • “E sabem como é aquele ditado: o povo que não conhece a própria historia está fadado a repetir os mesmos erros no presente e no futuro”

      As pesquisas acerca do escrutínio de outubro que o digam! Se não fosse a lei da ficha limpa…

    • Caro HMS. Tenho lido muitas referências às palavras “limpeza”, “extermínio” e outras expressões parecidas. Considerando que você mencionou a questão da “memória curta”, recomendo o documentário “Arquitetura da destruição” para nos lembra que comparar pessoas à ratos ou insetos é uma péssima ideia. Apesar de discordarmos em muitos pontos,, tenho grande consideração por você. Um grande abraço.

      • Amigo Camargo,fique tranquilo! eu usei a palavra “escrutínio” no lugar de eleições, não pretendo aqui defender posições de supressão da democracia mas sim questiono o que leva o povo a insistir nos mesmos erros ou em novos, como é o caso de quem quer resolver tudo na bala.

        Grande abraço!

        • Caro HMS. Também prefiro uma disputa que nos leve à Câmara Legislativa do que uma outra que me levaria à câmara de gás. Gosto muito da frase “Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo” (que resume bem o espírito iluminista e humanista da democracia). Sobre o documentário, considero um dos melhores que já assisti. Se tiver um tempinho durante o fim de semana, vale a pena dedicar um tempinho. O risco é estarmos juntos na mesma vala comum em um futuro sombrio. Um grande abração (assim mesmo, duas vezes grande).

  9. Não cara, esse era um museu científico e tinha muitos registros e fósseis importantes ali. Me lembro que já fui uma vez e gostei particularmente do tanto relativo a biologia que tinha lá.

  10. Por outro lado, se o brasileiro não gosta de museu, porque investir nestas velharias?
    Fui a uma excursão e achei que só eu não iria aos museus, mas teve mais gente que preferiu ficar nas praças dando pipoca aos pombos ao invés de visitar os museus.
    Se o brasileiro gostasse de museus a sua degradação teria causado algum movimento em sua defesa, como o povão o cercar abraçando etc…. Mas nada foi feito nestes anos em que o museu se degradou. Ficou doente, agonizou muito tempo e morreu sem causar comoção e em pouco tempo será esquecido,

    • Infelizmente concordo com suas palavras. Até parece que brasileiro adora museu e vive estudando o passado como explicação do presente e referência do futuro. Aqui tudo tem que virar museu, desde estação de trem no meio do mato até porta-aviões sucateado e empenado.
      Não é por aí.
      Não é abrindo “museu” em cada esquina que nos tornaremos patriotas e cultuaremos nossa história e os feitos dos nossos antepassados. Falta muito mais coisa…difícil de explicar aqui, falta tempo e paciência.
      Aliás, ainda falta muita coisa nesse país.
      E participo minha solidariedade aos professores, pesquisadores e funcionários do Museu Nacional que perderam seus estudos, pesquisas e teses por absoluto descaso e falta de compromisso. No meio daquela fogueira queimaram trabalhos e pesquisas de carreiras e vidas!

  11. Estou aqui assistindo a cobertura do incendio.
    .
    Acabaram de abrir os portões do parque para a entrada de manifestantes. E lá estão todos eles gritando “Fo.ra T.emer”, “Glo.bo golpi.sta”…. e as tais bandei.ras verm.elhas. Os caras nunca foram se manifestar por mais verbas. E a verba já era ridícula no governo anterior.
    .
    Mobilizaram-se para tirar vantagem p.olítica da situação. Eu não sei oque é pior: o incêndio, ou os “m.anifestantes” querendo tirar vantagem política da desgraça.
    .
    Por favor, não vão editar meu comentário, isto não é campanha política, é só o relato do que está passando na tv.
    .
    O orçamento pro ano que vem está no c.ongresso. Agora é a hora de discutir as prioridades. Por que não vão todos a Brasília fazer pressão, fazer “manifestação” e questionar o orçamento. Lá é o local certo. Peçam verbas para os museus.

    • Isso mesmo Zorann, há muito tempo o museu, sofreu com falta de recursos. Não é justo ligar esta tragédia apenas a um governo. Nossa sociedade é imediatista algumas vezes e paciente demais outras, não estou eximindo de culpa a gestão atual, que fique claro que nenhum “gestor” ou candidato se preocupa com ciência e cultura, uma pena, este museu abrigava peças insubstituíveis.
      Em minha cidade houve um ato há um tempo reivindicando a abertura do nosso museu de arte moderna nos finais de semana e grande parte da população zombou afinal “quem vai perder tempo no final de semana visitando museu”… Senhores, nosso país não é serio, e dificilmente será se nós continuarmos pacientes demais em algumas áreas e imediatistas em outras. Temos que ficar atentos agora porque aposto que todos os lados tentarão usar esta tragédia como palanque político.

      • Diego eu concordo com boa parte do que você disse,porém não creio que essa seja um defeito exclusivo da sociedade brasileira. Em qualquer país, por mais culto que seja, nunca foi valor das massas visitar museus, digo isso porque já morei nos eua, pergunte numa escola pública por lá o que os garotos acham de quem vai a museus nos fins de semana…. infelizmente,os cultos são minoria, não só no Brasil,mas em toda a civilização humana

  12. Triste pior de tudo o governo investiu em artistas afinal eles fazem a propaganda do governo, museus não exaltam governos, não fazem propaganda política mas contam a história, história essa já um tanto esquecida hoje simplesmente apagadas em forma de cinzas.

  13. o museu estava sob gestão da UFRJ, segue o quadro da Universidade para entendermos porque não se pode partidarizar a questão:

    Reitor: Roberto Leher – filiado ao PSOL;
    Vice-reitora: Denise Fernandes Lopez – filiada ao PSOL;
    Pró-reitor de graduação: Eduardo Gonçalves – filiado ao PCB;
    Pró-Reitor de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças: Roberto Antonio Gambine Moreira – filiado ao PCdoB;
    Pró-Reitora de Extensão: Maria Mello de Malta – filiada ao PSOL;
    Pró-Reitor de Pessoal: Agnaldo Fernandes – filiado ao PSOL.

    • Pergunte ao reitor já que não tinha dinheiro para o Museu, quanto ele gastou com o indispensável curso sobre o “GÓRPI DE 2016”

  14. É só um museu,paciência constrói outro. Querer ficar chorando e aproveitar pra transformar isso em palanque político e ficar criticando e apontando dedos pra um figura ou outra do governo é patético. Vida que segue, tem muito museu por esse Brasil ainda

    • Larga mão de falar abobrinha, rapaz. O prédio é o de menos, o problema é o acervo que tava lá dentro! Aff. Não é possível.
      “paciência constrói outro”. Meu Deus do céu…

      • Que abobrinha ? Um bando de velharia ? Quem vive de passado é museu, e tem MUITO museu por esse Brasil afora, muito mais interessantes como o museu do amanhã por exemplo. Se você não gostou paciência, e minha opinião, qualquer coisa é só recriar os verbos com impressão 3d,não sei se vc já ouviu falar,fica igualzinho

        • O museu do amanhã que poderia pegar fogo que tudo o que tem nele poderia ser reposto. Agora no Museu Nacional tinha muitas coisas únicas e que eram importantes cientificamente, tinha até múmias do Egito de milhares de anos que o Dom Pedro II tinha comprado…

          • Bom,o prédio em si pode ser reconstruído, os artigos podem ser repostos por meio de doações e intercâmbio entre museus e comunidade científica, na própria ilha do Fundão mesmo tem um museu gigantesco de mineralogia, poderia facilmente repor qualquer perda nessa aérea ao museu nacional, sem falar nas centenas de museus no Brasil e no mundo que podem fazer parcerias. Portanto, relaxe não é o fim do mundo.

          • Dodo, sério me diz aí como você vai substituir um sarcófago egípcio que nunca foi aberto? Como vai substituir uma múmia? Artefatos da era do bronze de coisa de 3000 anos atrás? Como vai substituir o crânio do ser humano mais antigo encontrado nas Américas? Como vai substituir centenas de milhares, talvez MILHÕES de documentos históricos originais, boa parte pode sequer ter sido traduzida e provavelmente jamais foram digitalizados? Como se repõe esse tipo de coisa? Seus posts são o retrato da ignorância deste país.

          • Tinha uma múmia lá cujo processo de mumificação era raro. Só existiam oito como ela no mundo todo. Agora sete. Você acha que algum museu que se preze vai doar/emprestar alguma delas para exposição aqui em Banânia depois disso? Quem vai ceder material insubstituível para o Brasil agora? Eu certamente não doaria.

          • Uma perda irreparável e injustificada. Triste país. Quantos estádios foram construídos , com bilhões gastos e se transformaram e elefantes brancos? Sempre teve dindeiro.

        • Muitas das obras são simplesmente irreplicáveis…

          Haviam relíquias de mais de 5000 anos naquele museu, tais como múmias egípcias e os restos de Luzia… Como se vai replicar isso…?!

          Como disse o João, a edificação é o de menos… Mesmo que se possa fazer cópias dos fósseis e outras obras perdidas, serão sem qualquer valor histórico e virtualmente inúteis para estudos. E lembrando que o museu era uma instituição científica…

          • RR descordo, tal como é possível se ler um documento histórico digitalizado e estuda-lo, é possível criar réplicas com função educacional e científica. E digo mais, isso é algo que vai acontecer inevitavelmte com outros museus, é bom digitalizar logo

      • Primeiramente, você é mais ignorante do que eu imaginava se crê que impressão 3d não é capaz de criar isso tudo( dica, boa parte do acervo do museu de história natural de Boston é de maquetes de cera feitos por impressoras 3d). Segundo,a comunidade científica tem mais do que interesse em compartilhar conhecimento entre si, isso inclui o compartilhamento de peças de exposição, se você não acredita problema seu. Terceiro, banania? Sério? Tipico de quem adora polemizar e politizar tudo, Eu sou o ignorante ? Me poupe, vai fazer algo melhor da tua vida filhão e respeite os outros que na minha cara você nao falaria isso

        • Dodo, sim, se criam réplicas para se colocar em exposição enquanto os ORIGINAIS SÃO ESTUDADOS em ambientes laboratoriais. Uma impressão 3D pode muito bem recriar as formas, cores, talvez até a textura, mas não se pode fazer análise de materiais à partir delas. Como você vai usar uma técnica para datar determinado artefato se você não tem o original? Como você vai fazer uma análise dos materiais para entender como os antigos manipulavam os materiais para que houvesse o processo de fabricação?

          Não estou polemizando nada, só estou falando dos FATOS. Não importa quem era o responsável, ou qual partido ou corrente política ele integrava. O FATO é que houve irresponsabilidade em N níveis do governo/instituições públicas que deveriam zelar por valores incalculáveis em História e sinceramente quero a cabeça de todos eles, porque esse é o tipo de coisa que no microcosmo brasileiro se compara à queima da Biblioteca de Alexandria. Se não sabe o que foi isso, vá pesquisar.

          E se estiver em Niterói vou ficar feliz de te explicar cara a cara tudo isso, assim quem sabe talvez você possa se iluminar um pouquinho e deixar de ser ignorante com assuntos relacionados à preservação da História.

      • É melhor vc e ter mais respeito, se tá com raivinha então vai descontar na cama que é lugar quente, dei minha
        Opiniao e uma solução, se não gostou vai te catar

        • E desculpe, mas não te faltei com respeito em nenhum momento. Você é ignorante em assuntos relacionados à História, assim como eu sou ignorante em assuntos relacionados à diversos tópicos. Não sabe o que ‘ignorante’ significa, procure um dicionário e dê uma checada. Vale à pena.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Documentos de valores históricos não são substituídos por forma digital. Forma digital serve para documentos ostensivos de valores administrativos, para reduzir gasto com espaço, papel e conservação.
      Vá estudar arquivologia antes de escrever bobagens!

  15. Gastou-se na Copa do Mundo R$ 200 bilhões em estádios “mosca branca! no meio do nada….este ano foram disponibilizados R$ 4 bilhões ao fundo partidário. Querem mais exemplos? Sem mais!

  16. Os docentes e discentes da UFRJ não podiam reformar o museu? Os ‘Doctores’ não podem sujas as mãozinhas pra fazer uma reforma na parte elétrica juntamente com os ‘estudantes’. Tem um museu com apenas toda a história do país, aparece um foco de incêndio e primeira coisa é sair correndo e ver tudo queimando de braços cruzados. Esse museu reflete a imagem atual do RJ, tudo reduzido as cinzas, estado putrefato.

    • Amigo tem centenas de museus no país, quem disse que este guardava toda a história nacional ? Por exemplo, o museu de história militar do Rio possui todo um acervo da guerra do paraguai, e aí?

    • Certeza que a UFRJ vai alegar que não dispunha de verba para manutenção, mas certeza que verba para curso sobre o “GÓRPI” do impeachment eles arrumaram.

        • A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ ) está oferecendo um curso sobre “o golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil” para os alunos. O programa de seminários do Instituto de Economia aborda “as origens” do processo que levou ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e as consequências na política e economia nacional e internacional.

          • Po legal,o que tem de mais ? Parece uma eletiva interessante. Tu não constou do pq tem o nome golpe ? Então se fizerem um baita documentário no history sobre esse período histórico e utilizarem a palavra golpe , vc vai ficar reclamentado e nao vai assistir ? Me poupe

    • Você nunca deve ter conhecido alguém que fez/faz pós-graduação, senão não falaria tamanha asneira. Há diversas imagens de ‘Doctores’ tentando salvar o que foi possível. Você deve ser daquela parcela que acha que estudante é vagabundo, né? Estudante no Brasil é mal remunerado (isso quando é), tem inúmeras barreiras pra transpor pra tentar minimamente acrescentar algo pro país. Agora vem você falar que era obrigação de estudante e doutor reformar o museu?

      • Érico. Claro, pertencia a UFRJ, ela era responsável pelo mantenimento do museu, e os ‘Doctores’ trabalham para a UFRJ e é dever de todos que trabalham lá zelar pelo seu patrimônio. Ja estudei em universidade federal e quase todos dos professores são tudo vagabundo, muitos tem nojo de dar aula, só tão lá pra receber salário, fazem qualquer ‘pesquisa’ merda pra ganhar verba do governo e encher currículo. E a MAIORIA dos estudantes de mestrado/doutorado só fazem isso pq ganha bolsa e pq não conseguiram emprego. Dps ficam desempregados de qlqer maneira pq são incompetentes. E se não fazem concurso publico passam fome.

    • Podemos falar também das verbas insuficientes destinadas ao museu durante o governo sedizente nacionalista. Quem tal meu caro Relojoeiro?

    • Sub-urbano, o descontrole de gastos nos levou aonde estamos. Se não por um fim no ciclo a Brazuela está a caminho. Dinheiro não se cria e a dívida interna aumentou 5 vezes nos ultimos anos por conta da gastança. E para informação, o museu não recebe verbas de 2013, ao passo que. mesmo com política de cortes, tinha verba alocada para outubro agora.

  17. O museu não recebia recursos desde 2013. Havia previsão de verba para combate a incêndio para outubro. Neste meio tempo desde 2013, quanto foi jogado fora na Copa ou em subsídios para produções “artísticas” de certos elementos?

    • Quem administra o museu é a UFRJ. O governo não libera verbas diretamente a este museu, libera para a UFRJ, que deve gerir os recursos.
      .
      O tal reitor da UFRJ recebeu de salários R$ 111.000 de salário ate agosto e destinou somente R$ 54.000 para o museu no mesmo periodo. fonte: contas abertas.
      .
      A culpa não é só da copa, não é só do governo. Tem muito mais gente nisto aí.

  18. Acho que a discussão não está deixando claro que este incêndio é, e sei que isso está muito batido em vários fóruns de discussão, sintoma do Brasil dos últimos 30 anos. A cultura tradicional, a alta cultura e a história do Brasil que não estão a serviço de algum projeto de poder não importam, portanto não recebem investimentos.

    Melhor que desapareçam mesmo, melhor que os mais jovens não saibam que existem padrões de cultura e educação mais elevados, que existe uma história de seu país que eles podem ter algum orgulho e a partir dela se ver como nação.

    O detalhe que os mesmos governos que deixam um patrimônio desses virar cinzas, são os mesmos governos que trouxeram as mais draconianas regras para o setor privado, amarrando-o, controlando-o e jogando sobre a sociedade civil elevadas cargas financeiras e de responsabilização civil e penal. Nas costas de qualquer brasileiro que queira ou tenha qualquer projeto de cunho privado há hoje uma burocracia e um nível de regras que a poucos países se iguala. Pense em alguma coisa e aparece o Estado para te fiscalizar, regular e controlar. Exatamente tudo que o que o Estado não faz quando ele tem a guarda de um patrimônio, exige com extremo rigor sobre pessoas e empresas.

    Digo isso por que é sabido, é conhecido, é público e notório, o rigor que hoje existe no Brasil por parte dos Bombeiros e de outros órgãos de governo sobre qualquer edificação ou projeto de engenharia, uma simples troca de piso de um apartamento a rigor precisa de uma autorização da prefeitura. Derrubar uma simples árvore num terreno pode lhe render enormes dores de cabeça, construções de 50 ou mais anos são obrigadas a se adaptar as regras de hoje gerando despesas enormes aos moradores e muitas outras situações. Dizem que é para nossa segurança, para nosso bem estar, até pode ser, mas dado o peso das multas aplicadas é de se duvidar.

    Enquanto a sociedade e o setor privado são sujeitos a isso, o setor público com suas escolhas duvidosas sobre onde e como empregar os recursos públicos, deixa um museu de 200 anos que é guarda de e parte real de nossa história incendiar-se e quase desaparecer. É sim muito triste.

  19. Depois, ainda há muito brasileiro que ridiculariza o rei D. João VI e D. Pedro I (também reis de Portugal) pelas instituições que criaram e pelas coleções que conseguiram levar para o Brasil…!!
    Museu Nacional diz tudo, em Portugal também estamos em choque, também foi alguma da nossa História que foi destruída!
    Agora, não haver água? terem de abastecer num lago ali próximo para combater o incêndio? Pelos vistos ninguém ligava nada ao museu!
    Recuso-me a comentar alguns post que vi aqui publicados, assim o Brasil não vai lá…

    Um abraço ao forum

  20. Perdemos o ATIVO, sobrou o PASSIVO…Ate que ponto o gasto com o PASSIVO foi o responsavel pela destruiçao do ATIVO?

    A leitura socialista do pensamento de Keynes , nos deixou com um monte de PASSIVO.

    Haja privatizaçäo para dar conta do recado.

    Estado forte, povo fraco.

  21. Nossa… vergonha alheia. Que sentimento ruim… Nossos bisavós e avós mantiveram o patrimônio que receberam de gerações anteriores… A geração de nossos pais e a nossa geração não teve competência para tanto, ou melhor, tanto não… algo tão simples…

    Não sei se lamento mais a perda para sempre do patrimônio histórico/científico ou o fato da maioria esmagadora da população brasileira nem ter noção do que representa essa perda para nós, como nação e povo.

  22. A maioria do povo brasileiro, tanto velho quanto novo, rico ou classe-média que odeia museus e só querem saber de bregalização, baixarias e cachaçadas, e tem muito ”esquerdista” nesse meio fútil, hedonista e vulgar de ver e viver o mundo. Quantos cariocas realmente visitavam esse museu? Até mesmo os que posavam de ”nerds”, intelectuais boemios dos arcos da Lapa e blah blah blah” não visitavam. Tem muito turista que só vai a cidade a procurar de baixarias e nada que preste. Os políticos obviamente não só sabem do desinteresse da população como tb ajudam a alimentar isso tb incluindo através dos lixos midiáticos, incentivando o povo a se afogar no brega abrindo o fundo do poço cegamente e como se não houvesse manhã.
    Quantos bilhões foram investido nas inúmeras reformas Mandrakes do Maracanã pra encher de mulambo mesmo? E aquele troço medonho que fizeram na região dos portos do Rio Chamado “Museu do Amanhã” quanto custou? Acham que o povo prefira que haja renuncia fiscal via lei Rouanet para o Museu de historia natural ou para um show da Claudia Leite? Dinossauro e múmia? O povão vê isto em filme na TV ,estão pouco se lixando essa que é a verdade.

  23. É senhores, fui muito criticado aqui porque lá atrás junto com outros defendi a extinção da escória que se apossou deste país.
    Os colegas já deram todas as “derrotas”, como dizem os marinheiros para a tragédia anunciada. Um museu nacional sob o controle de “personas com pensamento progressistas”, as mesma que na UFRJ usavam vultuosos recursos da lei Roubanet para “curso do górpi”, para prodigiosas aulas de siririca, e aquela famosa peça de teatro que me foge o nome agora, aonde o “climax” se dava no momento em que os atores, todos nus, andando em círculos com o dedo indicador no ânus do que estava na frente, mas para comprar sprinters de agua para o museu não havia recursos
    Pobre Brasil, no que uma ideologia tansa e burra transformou este país, mas o tempo senhores, o tempo, ele virá e será implacável com esta turba que destruiu uma nação.

  24. Vamos lembrar tambem do incendio que dizimou o Instituto Butantan…e todas as pequisas la produzidas.

    Vamos lembrar tambem da destruiçao da produçao de cacau no brasil… 20 anos para tentar retornar a produçao…

    Vamos lembrar tambem dos 21 cientistas e tecnicos de Alcantara…

    E por ai vai.

    Essa parece ser a unica constante herdada dos mais de 30 anos daquilo que alguns chamam de democracia…o descaso com a historia de nossa patria.

    • Caro Alfredo. Gostaria de lembra-lo dos incêndios de Joelma e Andraus em São Paulo sob o regime militar e do incêndio do circo em Niterói, antes de disso. O número de mortos nesses três incêndios é maior que 700 pessoas (ou mais de 1500 pessoas se for contado os feridos).

  25. De um lado a destruição de um expressivo acervo do nosso passado, e de outro a destruição de um expressivo acervo do nosso futuro, onde sete de dez alunos do último ano do ensino médio têm nível insuficiente em português e matemática, segundo o próprio MEC em recente e deprimente constatação, e em ambas pela inércia coletiva.

    Não há qualquer esperança, ou sentido, para um “Poder Naval”, “Poder Aéreo” ou “Forças Terrestres” em meio a tamanho arrasamento social, exceto no plano retórico, ou na profissão de fé.

    • Caro Delfim. Mencionei os incêndios do circo de Niteroi, Andraus e Joelma apenas como exemplos de incêndios com mais vítimas do que estes que você comentou e que são anteriores à Constituição de 88 (se quiser inclua o edifício da CESP na Av. Paulista). O incêndio do Museu no Rio é muito mais grave que disputas ideológicas. O terror simbólico desse incêndio não deveria admitir qualquer oportunismo político.

    • Caro Delfim. Hoje pela manhã lembrei do incêndio da Vilsa Socó, em 1984. Acho que este incêndio é emblemático sobre a década de 80.

  26. Eu apostaria num curto circuito. Vi num vídeo, que parece que o ministério da cultura já tinha sido informado sobre o risco de incêndio há um mês atrás mas também vai saber se não é fake essa história, pois agora que o estrago está feito, culpados e motivos não faltaram.
    Mas uma vez, isso mostra do descaso do Estado Brasileiro com o próprio patrimônio.
    Quando se fala em privatizar muitas coisas para salvar muitos patrimônios do descaso do Estado, a maioria dos brasileiros piram!

  27. Vejam os salários de funcionários de federais, especialmente professores ligados a reitora, depois não dizem que não tem verba kkkk claro que não tem, ganhando 100-150 mil por mês nunca vai ter verba.
    Estudei em universidade estadual e o professor mais pobrezinho ganhava 12k no início de carreira, tinha professor parada ganhando 40k…daí pergunte para essas pessoas o que elas acham de racionalização dos gastos públicos, de privatização, de redução de folha de pagamento kkkk estão preocupados com os bolos deles.

    • 12k inicial? Aqui na federal q estudo tem professor de engenharia com Doutorado, faz pesquisa e ganha 8.5k de salário liquido. Uma miséria pelo conhecimento deles e o que eles fazem.

        • Por mais que o aumento do judiciário seja contestável,seu problema com o aludido poder advém do fato dele ter feito a coisa certa ou seja, punido com rigor uma quadrilha que apropriou-se do Estado Brasileiro para saqueá-lo e ter aplicado a lei da ficha limpa

      • depende carga horária. este salário que voce anuncia era o de 20 a nos atras. Tive colega com dois doutorados na Franca e que era pesquisador e professor de termodinâmica e ganhava isso em 2000.

        • Olá Colombelli. Voce tem razão em lembrar que o salário de um prefessor universitário de uma instituição pública depende de vários fatores. Regime (pode ser 20h; 40h ou dedicação exclusiva), titulação (mestrado ou doutorado), nível da carreira (adjunto associado ou titular), produção científica/orientação. Hoje, o salário de um professor titular com dedicação exclusiva de uma universidade federal é de R$ 20.700,00 (bruto).

  28. Tragédia Anunciada!
    .
    Uma matéria que RELEMBRA os idos de 2004:
    https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2018-09-03/museu-nacional-alerta-2004.html
    .
    ‘Laudo enviado ao governo em 2004 já apontava risco de incêndio no Museu Nacional’.
    ‘Ex-secretário alertou para “irresponsabilidade com o patrimônio histórico” após constatar instalações em “estado deplorável”; diretor do museu à época reconheceu situação e cobrou governo por obras – que não saíram do papel.’
    .
    Observem que o alerta – documentado, publicado e noticiado – foi em 2014.
    Desta data para cá foram dois presidentes eleitos e um vice-presidente da mesma coligação dos anteriores, sempre com vistosos discursos sobre cultura… como se essa última se resumisse aos shows dos ‘parceiros’ ou financiamento de filmes ‘alinhados’.
    .
    Mas que ninguém se iluda.
    O descaso – sem registro tão enfático – vem de longe.
    Presidentes ‘intelectuais’ também deixaram por menos a preservação dos acervos históricos ao longo do tempo, com a malfadada alegação de que não havia dinheiro… e tão pouco dinheiro que se pede.
    Presidentes ‘nacionalistas’ também deixaram por menos, pois havia muitos ‘esquerdistas’ no meio cultural.
    Tudo era motivo para deixar passar a oportunidade de fazer o certo…
    …preservar nossa história.
    A medida do tempo do descaso é em DÉCADAS e não em ANOS…
    …e é nossa.
    .
    Minha esposa é historiadora, entre outras coisas, militando arduamente na preservação dos documentos, da história e, por que não dizer, da informação.
    Vejam bem, informação não é narrativa.
    Vejo a angústia do dia a dia daqueles que conhecem a necessidade de preservar a história – aquela de verdade – para que se possa construir um futuro NOSSO, autêntico e brasileiro.
    .
    Se não basta o alerta de 2004 – escrito e publicado – houve outros, digamos, incendiários:
    – Museu da Língua Portuguesa – 2015;
    – Memorial da América Latina – 2013;
    – Instituto Butantã – 2010;
    – Museu de Arte Moderna do Rio – 1978.
    .
    Observem os anos das tragédias, menores em termos de acervos, porém distribuídos em diferentes momentos do nosso tempo.
    Tem para todos os matizes…
    .
    Sim.
    Nossos líderes não cuidam da nossa história.
    (Talvez até queiram mudar, em benefício próprio…)
    Mas, em última análise, eles são reflexos de nós mesmo…
    …um povo que esquece em quem votou, ou o que os escolhidos prometeram, que esquece do passado, que espera o salvador da pátria, que NÃO assume suas RESPONSABILIDADES.
    .
    Sim.
    A responsabilidade é nossa…
    …a CULPA é nossa!.
    .
    Saudações,
    Ivan, o Antigo.

  29. Vamos a gestão da UFRJ…
    A vida da minha esposa foi salva na Maternidade Escola da UFRJ. Acabou de ser noticiado, q a Rádio da Universidade recebe MAIS que a Maternidade, q atende dezenas de gestantes/dia….
    A rádio recebe 1.400.000… A maternidade recebe 1.200.000
    E o museu não recebia nem seus 500.000 anuais….
    Senhores… agora aparece um monte de ideiudo, q não fizeram NADA pra acertar isso antes. Só surfaram na onda…
    A UFRJ recebeu mais $$ q o ano passado. Foi tudo pra gasto com pessoal….
    Dado os gastos acima, será q o gasto com pessoal está bem dimencionado?
    Será q não contratou mais professores? O q houve?

    • pois é, imagino para que esses comunas redirecionam milhões de reais para a rádio enquanto outras áreas importantes se deterioram. Pior são os que dizem que a UFRJ não tinha dinheiro suficiente para cuidar direito do museu haha faz me rir.

      O Brasil gasta 6% do pib com educação, isso é mais do que a média dos países desenvolvidos, e tem professores universitários com salário de país nórdico. Claramente qualquer problema na educação não é por falta de dinheiro, gasta-se mais do que países desenvolvidos e se tem resultados de África.

  30. Ja vi comentario de neocons bradando sobre essa tragédia: “ah ninguem liga, museu é coisa de comunista”….Cara não dá pra acreditar na mentalidade desse pessoal. É de dar lagrimas nos olhos

    • Logo se vê que você sabe o que é o neoconservadorismo. No mais desde 2004 que o museu corria o risco de pegar fogo, quando coincidentemente tínhamos no poder um governo que se dizia “nacionalista e progressista”

      Que coisa não!?

  31. Marcos10 4 de setembro de 2018 at 19:14

    Daqui um mês estará tudo esquecido.

    Depende Marcos10, pois depois do dia 7 de outubro, dependendo de que ficar com a chave do Palácio do Planalto, esta “tchurma” vai ter que acertar as contas conosco, em especial aquele que cobra aluguel de miseráveis que invadem prédios e seus turba de neofótios ideológicos encostados em cargos públicos como os da UFRJ. A propósito desta pocilga chamada UFRJ, local este que deverá ser “desratizado” com cloro, isaraz, creolina e a forceps, se for o caso.

  32. A coleção de Minerais de Werner, fundador da Mineralogia, estava no Museu Nacional

    Essa coleção de minerais foi comprada por D João VI e trazida escondida de Portugal para o Brasil… Napoleão pretendia roubá-la

    Só pra vcs terem uma noção do tamanho da perda… e pra terem uma noção de quão uns e outros aqui são doentes!!!!!!!!

    Doentes meeeessssssssmo !

  33. Engraçado que até aqui aparece a velha briga entre direita x esquerda, um jogando a culpa no outro.

    Sistema brasileiro é corrupto, são oligarquias que mandam e saqueiam esse país e não é de hoje.

    Sobre o tema, maioria do povo brasileiro nunca foi a um museu e nem quer ir, não se preocupam com história, tanto que milhares de casarões do período colonial/imperial nesse país estão abandonados ou já foram pro chão…

    Só estou esperando nas redes sociais “Somos todos MUSEU”

    Até nisso a América Espanhola foi melhor porque em termos de educação nossos vizinhos são melhores que nós.

  34. “Alexandre Rodrigues 3 de setembro de 2018 at 13:58
    Triste pior de tudo o governo investiu em artistas ”

    Se está falando da Lei Rouanet, melhor aprender primeiro o que é a lei, pra depois comentar sobre ela.

  35. Sei não, mas as coisas vão de mal a terrível no Brasil. Ao meu parecer, essa tragédia vai marcar a divisão de eras na história do país, assim como o foi Reichstag na Alemanha, o qual marcou a passagem de uma era má a uma era terrível. A calamitosa situação política apenas serve para realçar essa comparação. Triste mesmo.

  36. Será que um dia vão entender que a tragédia do incêndio no Museu Nacional se deu pelo descaso que o país tem com sua cultura e educação em todos os níveis, e culpados são todos, inclusive nós que não cobramos dos gestores públicos o devido respeito pelas nossas instituições? A maioria das bibliotecas e museus no país, se encontram no mesmo estado degradado que estava o Museu Nacional, Chega a ser patético ver um político culpando o outro sem olhar pro próprio rabo. E o brasileiro gado de sempre compra a briga do seu preferido e repete as mesmas asneiras

  37. Acontece que no Brasil só se considera “cultura” e patrimônio escolas de samba, ofertas de flores no mar a Iemanjá, gigantescos estádios de futebol que fariam os Romanos antigos ficar com inveja, e por aí vai.
    Museu com artefatos e documentos do Império? Múmias do Egito antigo? Dinossauros? Arqueologia? Isso é coisa para países civilizados.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here