Home Blindados Tanques leves SK-105 dos Fuzileiros Navais estão fora de operação

Tanques leves SK-105 dos Fuzileiros Navais estão fora de operação

16077
118
SK-105A2S Kürassier do CFN. Foto: Alexandre Galante
SK-105A2S Kürassier do CFN em 2013. Foto: Alexandre Galante

Segundo uma fonte, toda a frota de carros de combate leves SK-105A2S Kürassier do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) está parada e por isso nenhum tanque participou da Operação Formosa deste ano. Vários sistemas não estão operacionais e já se fala na compra com urgência de novas viaturas.

As peças de artilharia Light Gun 105 mm também estão com deficiência operacional, com várias inoperantes.

Em agosto de 2016 o Jane’s tinha noticiado que Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) da Marinha do Brasil estava considerando upgrades para seus tanques leves SK-105A2S Kürassier, e a compra de veículos blindados 4×4 e 6×6.

Projetos de modernização dos tanques e a obtenção de veículos blindados sobre rodas estavam atualmente passando por uma fase de estudo e uma análise do conceito e do orçamento de viabilidade, segundo um porta-voz da Marinha na época.

Os projetos integram o Programa de Consolidação da Brigada Anfíbia no Rio de Janeiro (PROBANF), que visa aumentar o poder de fogo, a capacidade expedicionária, mobilidade e de proteção dos fuzileiros.

Dezessete tanques e um veículo de recuperação 4KH7FA Greif foram recebidas pelo CFN da Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrzeug (agora parte da General Dynamics European Land Systems) em 2001, após a aquisição em 1998.

O SK-105 pode ser considerado como um carro de combate leve ou “caça tanques”. Sua missão principal é destruir tanques inimigos no campo de batalha e para poder cumprir sua missão, ele é armado com um canhão de origem francesa 105G1 em calibre 105 mm capaz de disparar munição “flecha” APFSDS (perfurante de blindagem), HEAT (alto explosivo anticarro), HE (alto explosivo) e munição de treino.

118
Deixe um comentário

avatar
65 Comment threads
53 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
56 Comment authors
@RythmWalfrido StrobelFlankerclaudio quadroscarvalho2008 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Delfim
Visitante
Delfim

Este CC ainda tem valor para modernização ou já é financeiramente inviável, ou é um CC absolutamente obsoleto ?

Almeida
Visitante
Almeida

Já era obsoleto quando chegou aqui…

GIOVANI BENTO
Visitante

Já descobri no Aereo que SAAB se pronuncia Zób.
Como se pronuncia Kürassier?

João Adaime
Visitante
João Adaime

Quirasiê
É palavra alemã

GIOVANI BENTO
Visitante

Obrigado João!

Bosco
Visitante
Bosco

De alemão eu só sei aquele termo que o Hitler falava sempre: “aftas ardem hemorroidas hidem”.

João Adaime
Visitante
João Adaime

Bosco, você realmente não manja nada de alemão mesmo.
A célebre frase do Adolf era esta:
“Aftas ardem, hemorroidas doem”.
Tradução:
“Confiem no fuhrer”.
O povo alemão confiou e sentiu o que é arder e doer.
Abraço

Bento
Visitante
Bento

É nada, é francesa, couraceiro, é analogia a cavalaria couraçada que o napô usava

João Adaime
Visitante
João Adaime

Prezado Bento

Couraçado em francês seria cuirassé (lê-se quirassê). A cavalaria couraçada seria cavalerie cuirassé.
Do jeito que está escrito, Kürassier, é alemão.
Claro que ambas as palavras tem o mesmo significado.

Abraço

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

É alemão mesmo e por um bom motivo, a maioria da população da Áustria, fabricante do blindado, fala alemão, que também é língua oficial do país. Outros idiomas regionais reconhecidos são croata, húngaro e esloveno.
. https://educalingo.com/pt/dic-de/kurassier

@Rythm
Visitante
@Rythm

Bom dia, Saab Fala “sóob” em portugesa. Eu do suecia, minha esposa do brasil 🙂

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Pergunta de leigo:
Se os fuzileiros USNC usa o Abrams como CC, porque a FN não pode usar os Leopard? Caro demais? A FN não teria estrutura pra eles? Ou seria melhor para a FN um veículo mais leve para combate?

Lucas Schmitt
Visitante

Sou leigo também, mas creio que o CFN além de não ter infraestrutura para operar os leopard, prefere carros de combate ligeiros, que possam atirar e se esconder, usando o terreno ao seu favor. Ter Abrams ou leopard’s nos fuzileiros só seria bom se tivessem em uma boa quantidade, podendo assim sustentar o fogo contra os CC inimigos por mais tempo.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Bom, já que a grana tá curta, e o FN quer veículos leves e com poder de fogo:

https://www.forte.jor.br/2017/12/01/exercito-brasileiro-aprova-diretriz-para-vbr-msr-6×6/

Ou seria possível comprar uns Centauros de segunda mão?

Luiz Floriano Alves
Visitante

A ultima teoria de blindados previlegia carros menores e mais fáceis de transportar e manter. Esse Kourassier foi citado como exemplo de o que está por vir na nova geração de MBT. Nós, como sempre vamos pensando em descartar um carro destes e comprar um substituto maior e mais pesado. Quem sabe, um Leo 2?

BrunoFN
Visitante
BrunoFN

Melhor opção pro CFN são os LEO 1A5 ..padronizar com o EB

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Sempre me perguntei o porque do FN não ter feito isso…

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Manda pro ferro velho e compra uns CV90/105 ou 120.

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

Pergunta de leigo, que pouco ou nada entende: podem ser substituídos por Guaranis?

Cbamaral
Visitante
Cbamaral

centauro 8×8 não seria uma boa ?

Delfim
Visitante
Delfim

Esse Kürassier é que nem cunhado… começa com “K*ü”… tenho minhas dúvidas se presta. 😃😃😃

Claudio X
Visitante
Claudio X

Deviam fazer igual aos fuzileiros espanhois, que compraram o Piranha V com uma torre com canhão de 120mm.

Anderson Rodrigues
Visitante
Anderson Rodrigues

O que esta acontecendo com as Light Gun 105 mm ?

jmoura
Visitante
jmoura

carros de combate mais pesados teremos q verificar a capacidade dos navios da esquadra em transporta-los, acho mais prudente verificar a possibilidade de ampla modernização e nacionalização de sistemas.

Bardini
Visitante
Bardini

Deveríamos pensar seriamente em comprar mais um lote de Piranha IIIC e aumentar os números destes blindados, se for boa a avaliação deste blindado. Padronizar a força pelo blindado da Mowag, me parece uma opção muito mais acertada do que partir para a introdução do Guarani. . Duas versões extremamente interessantes para o CFN, que poderiam substituir vir a substituir os Kürassier: ?itok=4r8L14kc . Esta aquisição poderia fomentar a formação uma força sobre rodas, algo extremamente útil e flexível, para atuar em uma ampla variedade de operações. Algo pensado para missões além da cabeça de praia… Se acrescentar a essa… Read more »

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

O CFN pensar em adquirir só 13 MTB + una viatura de socorro, para compor 3 pelotões de CC, além de ter 3 brigadas anfíbias, para compor algum equivalente a um MEF (o MEU é o “braço” mais famoso da “unidade”). Sobre o MBT seria algum “pesado” já que avaliam que não compensar um “leve”. (Última edição de 2017) Sobre o Guarani 8×8 + canhão no CFN seria interessante caso o mesmo se transforme em anfíbio, mas considerando a urgência talvez uns piranha com canhão sendo que esse devera ser o mesmo do Guarani 8×8. No quesito MBT seria interessante… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

“O CFN pensar em adquirir só 13 MTB + una viatura de socorro, para compor 3 pelotões de CC, além de ter 3 brigadas anfíbias, para compor algum equivalente a um MEF (o MEU é o “braço” mais famoso da “unidade”). Sobre o MBT seria algum “pesado” já que avaliam que não compensar um “leve”. (Última edição de 2017)” . Pra mim, isso estaria perfeito… . “Sobre o Guarani 8×8 + canhão no CFN seria interessante caso o mesmo se transforme em anfíbio, mas considerando a urgência talvez uns piranha com canhão sendo que esse devera ser o mesmo do… Read more »

Flávio
Visitante
Flávio

O EB na Ação de Choque N° 15 chegou a conclusão que seria interessante a compra dos Leopard 2A4 e moderniza-los a uma versão nacional (desenvolvida aqui) além de fabricar essa versão aqui do zero, como a FAB está fazendo com os Gripen e como eu próprio EB faz com o Guarani.
O EB tá com planos para isso ocorre antes de 2027…

Agnelo
Visitante
Agnelo

Li essa matéria. Está bem fundamentada, quanto a escolha do Leo 2.
Sds

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Por que não um CV90/120? É médio, bem armado e apto para enfrentar as ameaças que temos por aqui.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

No embate Sk-105 vs CV90-120T vence que acertar primeiro… Se um Guarani com UT30/Toc30 já pode incapacitar/destruir ambos (a não ser que estejam com módulos adicionais de proteção), um ASCORD 2/EBRC Jaguar/CV9040/CV90MK4 já consegueria destruí-los pois todos com exceção do CV90MK4 tem canhões de 40mm (o MK4 é de 35mm) a proteção do CV90-120T proteger contra munição de : 30mm no arco frontal (eu errei em outro comentário) e 14,5mm nos flancos com módulos adicionais 30mm; SK-105 proteger contra: 20mm no arco frontal e nos flancos calibre de armas pequenas(7,62mm?). Um TAM tem proteção semelhante o arco 40mm no arco… Read more »

Márcio Bittencourt Marinho
Visitante

Por que o exército não transfere alguns M60 para a marinha enquanto ela não consegue verba para a atualização dos SK-105??
Isso é só uma ideia !!

Ezequiel
Visitante
Ezequiel

Recomendo a leitura da última edição do O Anfíbio, onde em uma das matérias um oficial do CFN recomenda como mais adequado para a substituição dos SK a compra de um CC pesado. Em outra matéria um outro estudo recomenda a aquisição de peças de 155 mm e a eliminação do calibre 105 mm.

Paulo Guerreiro
Visitante
Paulo Guerreiro

Acredito que tanto os SK-105 como os light gun 105mm sao meios operacionais ideais para uma tropa leve com capacidade anfíbia como o CFN da Marinha.
O problema mais uma vez é a falta de manutenção/modernização desses meios seja por falta de recursos suficientes ou seja por descaso.
Seja como for, mesmo que a MB compre o maior, o melhor e mais moderno carro de combate do mundo se nao houver manutenção ele ira se tornar inútil rapidamente.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

O problema do SK-105 é a blindagem do mesmo e o alcance de letalidade do canhão 105mm/L7 (Calibre 52).Obs o canhão de 130mm da Rheinmetall é calibre 51

Guto
Visitante
Guto

Uma coisa que sempre me intrigou, foi o CFN não adotar o Cascavel nem o Urutu. Do primeiro compraram 6 de um total planejado de 11 e do segundo compraram apenas 1.
Acredito que a Corporação estaria bem representada até hoje na questão poder de fogo, mesmo com um calibre de 90mm e blindagem leve. Eles foram usados por pouco tempo.
No quesito logística, estaria melhor amparado, visto a quantidade de blindados ainda em operação no EB.

Ricardo Santos
Visitante

Por quê a MB não considera a possibilidade do VBR 6×6, apesar de não concordar com esse desenvolvimento em detrimento ao VBR 8×8, mas fazer o quê? Ou então o MD considera a transferência das primeiras unidades do Cascavel modernizado, algo em torno de 16 undades, para o CFN em regime de urgência? Mas o que acho que sairia mais barato a aquisição de peças e sistemas para a matutenção dos atuais e dos Light Gun. Outra opção seria a padronização com o EB com Leo 1A5 (Se outros fuzileiros navais usam blindados mais pesados, por que os nossos não… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

“Por quê a MB não considera a possibilidade do VBR 6×6, apesar de não concordar com esse desenvolvimento em detrimento ao VBR 8×8, mas fazer o quê? ” . A Marinha considera… . “Ou então o MD considera a transferência das primeiras unidades do Cascavel modernizado, algo em torno de 16 undades, para o CFN em regime de urgência?” . Que Cascavel foi modernizado? . “Outra opção seria a padronização com o EB com Leo 1A5 ” . Ainda existe Leopard 1A5 que preste no mundo? O EB está procurando e pelo jeito, não acharam… . “os navios que adquirimos… Read more »

Gonçalo Jr.
Visitante
Gonçalo Jr.

Acho que está na hora da MB seguir o exemplo do EB no tocante a algumas aquisições. O LG 105 e M198 seriam uma boa para a artilharia do CFN. Quanto a blindados uma modernização ou revitalização dos SK caso o custo não seja alto e compense seria bem vinda até que o EB adquira lotes de Leopards 2A4 e o CFN se junte a eles via setor de compras do MD para aquisições conjuntas desses blindados. Por outro lado, lendo uma matéria aqui do FORTE consta que o EB pensa primeiro a obtenção, em meados dos anos de 2020,… Read more »

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

O EB tem carros M60 A3 em estoque , poderiam passar uns 30 para os NAVAIS para serem modernizados e usados , mais baratos que outros , seria uma perda de oportunidade , já que os M60 são nossos e pagos !

Gustavo
Visitante
Gustavo

Poderiam considerar a possibilidade de comprar alguns TAM’s da Argentina, muito provavelmente eles não devem estar usando muitos mesmo devido as restrições orçamentárias, sem contar que é pode ser equipado com canhões mais poderosos que o 105mm (caso o CFN deseje) mantendo-se relativamente leve. Sem contar que possui a maior parte das peças de origem alemã, em alguns casos semelhantes aos nossos Leopards, ou seja, as equipes de manutenção não deveram passar por um treinamento tão extenso ou custoso.

Abílio Castanheira
Visitante
Abílio Castanheira

Sério este comentário?

Agnelo
Visitante
Agnelo

Urge a adoção de novos CC por nossas Forças.
Melhor seria, se EB e CFN adotassem o mesmo meio, porém as características de emprego do nosso CFN podem não ser compatíveis, lembrando q nosso Corpo não é empregado como o USMC, o q também pode mudar.
Não acredito q o Leo A5 dure muito mais q 2027. Isso já foi bem batido pelo EB, e todo estudo de novos VBCCC é para esta data como limite de substituição.
O Leo A5 não terá mais suporte logístico, q já não está facil agora, sua blindagem e canhão j’aestão bem desatualizados.

Paulo Guerreiro
Visitante
Paulo Guerreiro

Eu nao sou especialista como muitos aqui no site, mas na minha opinião o CFN deveria sim quando tiver recursos tentar a manutenção/modernização desses meios e como eu acho que exista problemas com respeito as peças de reposição desse carro de combate, a Marinha do Brasil poderia tentar adquirir como planejado uma quantidade maior de SK-105 Kürassier aposentados ja pensando nisso. cho desnecessário se dotar o CFN com tanques pesados(acima de 50 ton) mas, a MB deveria investir na compra de mais unidades do Piranha transporte de pessoal e também em versões do Piranha de combate com canhões 105mm e/ou… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Navio é só parte da conta. A MB tem a EDCG Marambaia, tem capacidade para 380t As novas EDVM tem capacidade para 72t Aqui tem um “probleminha” chamado peso específico sobre o solo que afeta diretamente uma EDCG e EDVM: O fato de ela ter capacidade de transportar 380 tons e ou 72 tons não significa que se possa pegar um CC de 50 tons que tem o peso distribuído ao longo do comprimento e da largura de suas sapatas extremamente concentrado. Pode ser que elas tolerem tal concentração de peso? Pode, ou não, a que se analisar o projeto… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Não é “peso específico”. Isso é outa coisa. Nesse caso é pressão, que é a força que será feita sobre uma determinada área da embarcação. É algo que teria mesmo de ser levado em consideração. . Eu citei apenas as capacidades de carga… Mas não tem muito mais informação do que isso disponível. . As novas EDVM ainda devem ter projeto inspirado nas LCM 8, dos americanos. Aquilo ali não leva um Abrams, pq não é a intenção levar um. Mas leva um Piranha IIIC, por exemplo. . A EDCG Marambaia é grande pra kcete. Era a “Hallebarde” dos Franceses.… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Bardini, a pressão, ou peso específico sobre o solo é a mesma coisa, ou seja, você calcula a área de contato das esteiras sobre o solo e divide pela massa do blindado, e este resultado tem que ser tolerado pelo projeto estrutural da lancha de desembarque.
Não estou afirmando que não tem capacidade, porque não conheço e não tenho os dados.

Pedro
Visitante
Pedro

Peguem logo uns Abrams dos estoques do Tio Sam e passa no cartão. É só um esquadrão não é? Ou então M-60 e deu pra bola.

Joao Moita Jr
Visitante

Ora, aqui estamos entupidos de Abrahams, M-60, até Strikers. Mandem uma comitiva de pires na mão, que isso se resolve rapidinho, a preços camaradas.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Me faz chorar não rapaz !!!rs

Welt
Visitante
Welt

Sempre gostei muito do conceito dos SK-105 mas se sua hora chegou, chegou.
Como leigo, me expliquem pois não me faz muito sentido ter um CC (maior que um SK) no CFN.
Não vejo muita probabilidade de um desembarque anfíbio que necessite bater de frente contra veículos pesados. Quem enfrentaríamos ? Onde desembarcaríamos ?
A idéia de um 6×6 ou 8×8 armado com um canhão maior me parece ideal mesmo.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

O fato de ser SL é importante para o CFN, pois o desembarque ocorrerá em um solo arenoso. Sendo que um CC “pesado” se dá pelo fato de que a possível ameaça vim de canhões de 120~130mm. Outra o CFN são unidades expedicionária de pronto emprego e são as primeira a ir para território inimigo e longe de casa então a reposição/reforços nem sempre chegarão de forma rápida…Os veículos sobre rodas se sobre sai em território urbano e estradas, já em areia…

José Luiz
Visitante
José Luiz

Aquelas viagens dos entusiastas militares. Os amigos podem ilustrar em que cenários hipotéticos a MB faria um desembarque com carros de combate de 40 toneladas. Acrescento mais, se a hipótese for para compor forças de paz ou coalizão etc. Estão disponíveis os carros do EB para serem transportados. Digo, não é melhor a Marinha pensar primeiro nas escoltas e OPV’s para depois pensar nisso. Quanto ao Kurassier, seu canhão é de carregamento automático, assim tem um bom poder de fogo e quanto a levar um carro pesado, bem lembre-se que não basta colocar a viatura na praia, tem que abastecer… Read more »

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Passagens da revista O Anfíbio ultima edição: “[…]alguns Corpos de Fuzileiros Navais de outros países têm adotado CC universais em seu inventário, além dos EUA (Abrams M1A1), como, por exemplo, o da Espanha (Patton M60A3 TTS) e o da Coreia do Sul (Patton M-48A3, atualmente em processo de substituição pelo K1A1 da Hyundai, baseado no Abrams M1).[…]” “[…] o hiato entre os carros ditos leves e os pesados foi se fechando, a ponto de que, atualmente, a separação entre os poucos carros leves recentemente projetados, mas muito escassamente produzidos, e os universais mais leves é da ordem de uma dezena… Read more »

Mauricio R.
Visitante

Algo como 18 a 22 países usam o Leo II.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Tentei transcrever as repostas todas elas se emcontra na edição mais recente do “O Anfíbio”
Link:
https://www.marinha.mil.br/cgcfn/sites/www.marinha.mil.br.cgcfn/files/O_ANFIBIO_2018.pdf

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Antes de discutir a substituição dos SK 105, cabe discutir porque blindados relativamente novos estão abandonados e porque, segundo a notícia “já se fala na compra com urgência de novas viaturas”. Para manter não tem $$, mas para comprar, existe urgência…
Vai entender…

_RR_
Visitante
_RR_

Prezados, Esqueçam ‘Leopard 1A5’ ou M-60 para o CFN ou mesmo para manutenção da cavalaria blindada do EB… Mantê-los em atividade logo se tornará inviável, haja visto a obstrução natural dos gargalos logísticos advinda da obsolescência do equipamento. E para sanar isso, apenas com uma modernização que implicará certamente na troca de motor e transmissão, controle de tiro, optrônicos, canhão ( o que significará provavelmente uma nova torre… ); algo que os tornará mais caros que carros usados de geração posterior ( ex: ‘Leopard 2A4’ ). Como bem disse o Agnelo mais acima, é improvável levar o ‘Leo 1A5’ para… Read more »

willhorv
Visitante
willhorv

O novo blindado britânico Ajax, possui uma concepção de torre, que está sendo empregada de algumas maneiras, com ou sem tripulação interna, com ou sem penetração do casco do blindado, e utilizando uma nova munição encapsulada 40 mm, inclusive com modelo antigo carro (flecha). A adoção de mísseis solidários a esta torre proporciona combate anti carro pesado.
Com isso, um tipo de veículo 6×6 ou 8×8 com estas novas torretas, poderiam desempenhar tal função destes vestutos SK105, assim como as demais no campo de apoio aos fuzileiros.
Algo moderno a se pensar….inclusive poderia se cogitar o Guarani…

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Não seria o caso do EB transferir algumas unidades dos M60-A3TTS para o CFN?
Assim os mesmos estariam em melhores condições que as atuais.
Outra possibilidade seria a compra conjunta via MD de blindados 4×4 para CFN/EB/Binfa.
Melhor ainda seria se essa compra fosse dos veículos nacionais Guará 4WS, Gladiador II, Marruá Blindado (este ultimo em avaliação pela Argentina e Colômbia se não me engano).
Quanto aos 6X6 espero que desta vez o CFN opte pelo Guarani !

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

jmoura 14 de outubro de 2018 at 23:08 carros de combate mais pesados teremos q verificar a capacidade dos navios da esquadra em transporta-los, acho mais prudente verificar a possibilidade de ampla modernização e nacionalização de sistemas. Onde assino? Também parto deste princípio, sempre falo isto, mas me cansei. Agora só ou concorda quando disserem. Acho que esses veículos podem e devem passar por uma modernização, nacionalização de sistemas criticos e quem sabe, indo mais além uma engenharia reversa acarretando em novo veículo nacional (somado aos conhecimentos em blindados que já possuímos). Lógico que até estes veículos ficarem prontos, precisaremos… Read more »

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

O ideal é tanto EB quanto CFN irem no brechó do titio Sam e comprar uma remessa boa de Abrahm 1A1 ou de M-60 A3 e modernizalos lá ao padrão que usa a torre do Abrahm. Melhor dos mundos é,como já muito comentado, a concepção de uma família de blindados nacionais SL.

Bardini
Visitante
Bardini

Cara… Qual a vantagem em se pegar um M60, que tem de gastar combustível para arrastar peso morto de blindagem ultrapassada e pagar um rio de dinheiro para americano dar um jeito de colocar uma torre nova, integrar sistemas novos, que não tem um outro comprador no mundo, pq ninguém é maluco o suficiente pra bancar isso?

Luiz Floriano Alves
Visitante

No momento que os teóricos mais respeitados predizem que o próximo MBT será de tamanho médio, cerca de 30 ton. Também que terá canhão de média pressão de 120 mm. Como um M-41 ou um Korassier modernizado. Melhores sensores e eletrônica no estafo da arte. Concordo com o Foxtrot, o caso é mais para um upgrade do que substituição. A Argentina possui muitos destes blindados. Será que estão “encostando” também? Não creio, os hermanos são bons de mecânica (tuercas).

Augusto L
Visitante
Augusto L

Sobre o CFN ter um MBT, discordo, é melhor pegar uma unidade do EB e deixar ela pronta pra atuar junto com o CFN.
É mais barato.
Nada de reinventar a moda.
Esses SK-105 são mais voltados para apoio de fogo e “caça-tanque” do que pra ação de choque, aliás tenho a impressão que o CFN comprou ele pq era mais barato do que comprar um 8×8 com torre.
Então se for substituir que se substitua por um Piranha com uma torreta, eu penso em 90mm, pq é a que o Brasil fabrica, se quiser aumentar a letalidade bota uns lançadores de atgm tbm.

rdx
Visitante
rdx

Na minha opinião, o ideal é a compra de um lote de Centauro 8×8 com canhão 120 mm para os RCB e o CFN.

Bosco
Visitante
Bosco

Só de curiosidade e completamente off topic, um estudo do USA relativo a um IFV para substituir o M2 Bradley , com o mesmo nível de blindagem do M1 e capaz de levar 9 infantes, indicou um veículo de … 84 t.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Tenho curiosidade, procurei e não achei, poderia postar ?

Bosco
Visitante
Bosco
Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Tem várias armas integradas nesse veículo, de antipessoal à antiaéreo, uma plataforma dessas não sairia barato, principalmente para nós reles exportadores de bananas.

_RR_
Visitante
_RR_

Bosco,

Curioso observar que os americanos a tempos vem ensaiando um VCI mais pesado. Não tem muito tempo que testaram um conceito similar e exercitando suas forças com o ‘Namer’ israelense.

Russos também parecem ir para o mesmo caminho, com a plataforma T-14.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Por isso que eu falo que um CV90 nas versões armadas com 40mm e 120mm cairiam bem nas nossas forças. Ok, o custo é elevado, mas o poder do fogo e capacidade de proteção compensam.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Na parte frontal do veículo a blindagem deve aguentar no máximo um canhão de 40mm nas laterais 14,5mm, com blindagem adicional 30mm… então no quesito proteção não é lá essas coisas fora que o mesmo ficará com até 40t com o kit de proteção…

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Para quem quiser saber dos níveis de proteção dos IFV atuais:
http://www.cibld.eb.mil.br/index.php/periodicos/a-forja/351-a-forja-71
Obs.:O ASCOD tem blindagem próxima do PUMA
Spoilers:
1° O K21 cair como uma luvar nos requisito do EB para IFV: GC 9 pessoas peso proximo a 25t e +20hp/t->no caso seria GC 9 soldados 25t e 27,2Hp/t
2° O velho bofors de 40mm ainda faz um estrago….

art
Visitante
art

o CFN é um corpo expedicionário por excelência, MBT pesado é complexo, caro e depende de logística para operar. Deve-se priorizar caça tanques 8×8, ou meios leves para caber no PHM atlântico ou outro meio naval. Deixa os pesados com o EB (já é dificil manter). CFN abre caminho pro EB. Somos país pequeno não adianta abraçar tudo, quem tem tudo não tem nada.

Bardini
Visitante
Bardini

O CFN não precisa de um mundo de MBTs… Não é uma demanda como a do EB. É coisa pouca.
.
Os Marines colocam na praia para apoiar o deslocamento dos seus CLAnfs, 04 Abrams. Isso no CFN já faria um mundo de diferença…
https://s2.reutersmedia.net/resources/r/?m=02&d=20180711&t=2&i=1281747692&r=LYNXMPEE692BF

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

O EB e idem CFN deveriam aproveitar a aproximação com titio SAM e comprar o Abram pra renovar (no caso do EB) e substituir(no caso do CFN), não é um bicho de sete cabeças a logística e manutenção como se apregoa.
O sr Juarez já deu umas duas vezes,se não me engano e em tópicos distintos, sua opinião técnica sobre esta questão de operação do Abram.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Pessoal o CFN não vai desembarcar em nenhuma cenário que necessite de MBT, isso só os marines americanos irão fazer.
No máximo o CFN vai ser usado como uma brigada de infantaria mecanizada, deverá atuar em pronto emprego junto com as forças de rápida reação do EB.
No futuro é pradonizar com os Piranha, substituindo os M113 e SK-105.
Ou padroniza tudo com o Guarani.

Juarez
Visitante
Juarez

Augusto, com todo o respeito que você merece. Afirmar tacitamente que o CFN não participará de cenários aonde não vá precisar de um CC é no mínimo primário. Se vocâ disse que “provavelmente não” ficaria melhor, o meu entender.

ScudB
Visitante
ScudB

Meio que OFF mas nem tanto.
Army University Press disponibilizou algumas partes (7 ate o momento pelo que sei) do estudo “Large-Scale Combat Operations” para baixar livremente dentro de tempo limitado.
Se os Srs moderadores permitir , deixarei um link para download:
https://www.armyupress.army.mil/Books/Large-Scale-Combat-Operations-Book-Set/
Tem temas muuuuito interessantes principalmente por expor o ponto de vista dos historiadores e militares americanos inclusive sobre as atuações dos exércitos dos outros países..
Um grande abraço!

Fabio
Visitante
Fabio

Divide o desenvolvimento com exército da versão do Guarani 8×8 com canhão de 105, seria uma boa a MB necessita de umas 20 unidades!

Plínio Júnior
Visitante

Concordo que a compra de um lote de Abrams usados para os fuzileiros substituírem estes SK-105 seria a opção mais viável no momento, aliás uma compra casada com EB para substituir os Leopards e M-60s cairiam bem, facilitaria a logística e treinamento, enfim….a única modificação seria rever a motorização dos mesmos e o restante poderiam ser as versões básicas do M1A1 cairiam muito bem por aqui .

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Gente gente, tem pessoas afirmando que o CFN não desembarcará em praias e será usado como força de apoio, quem garante isso? Quem garante que em futuro próximo não teremos que abrir caminho em um conflito para depois receber apoio de nações “amigas”? Quem garante que sempre ficaremos restritos ao T.O sul americano? Apostar nisso, é economia porca, e em se tratando de vidas não deve nem ao menos ser imaginada. Concordo que não precisamos de imensas colunas blindadas para o CFN, mas deve haver um núcleo básico, gerando doutrina e cultura de emprego, para caso necessite e haja verbas… Read more »

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Sobre o Abhams se for por causa da turbina a moda para isso..Sem NAe quem vai garantir cobertura aérea ao CFN??? O EB não irá delegar a função de VBCC a uma viatura que não aguentar nem 40mm (a maioria só aguentar algo entre 14,3mm a 30mm) pode até usar para Reconhecimento armado/Apoio à tropa/ Anti-Bunker/ e Caça tanque (alvos de oportunidade/emboscada/engajamento por Míssil AC).

Bardini
Visitante
Bardini

Então deixa eu ver: Você é contra trazer um pequeno lote de Abrams para o CFN, coisa que duraria frouxo, bons 25 anos em operação, com logística garantida e etc… Mas você é favorável a repassar para eles um blindado ultrapassado, que a força não domina e que vem sendo cada vez mais descartado, que é o M60 A3TTS. Isso para durar sabe-se lá quantas merrecas de anos, dando muitas dores de cabeça. Depois disso, você quer entubar o CFN com outro blindado ultrapassado, que está em franco desuso, que é o Leopard 1A5. Isso pra durar mais uma merreca… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Bardini, perfeito.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Rapaz… Se abrir uma investigação sobre isso vamos descobrir coisas desagradáveis. Tá na cara que alguém ganhou com essa compra. O Brasil não aprende… Foi assim no passado, é assim no presente e será assim no futuro senão fizerem uma escolha bem feita. Só para recordar as compras mal feitas que se gastou além do recurso da aquisição: AF-1, NAeL São Paulo e agora esses tanques leves. Até quando Meu Deus?!?

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Bardini 17 de outubro de 2018 at 9:00 Então deixa eu ver: Você é contra trazer um pequeno lote de Abrams para o CFN, coisa que duraria frouxo, bons 25 anos em operação, com logística garantida e etc… Mas você é favorável a repassar para eles um blindado ultrapassado, que a força não domina e que vem sendo cada vez mais descartado, que é o M60 A3TTS. Isso para durar sabe-se lá quantas merrecas de anos, dando muitas dores de cabeça. Depois disso, você quer entubar o CFN com outro blindado ultrapassado, que está em franco desuso, que é o… Read more »

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Ontem li outro estudo (no DefesaNet) sobre futuro dos blindados no EB e novamente direciona a substituição para o Leo 2A4 ou A6 .
Particularmente passei a ser a favor,até parece que faz diferença,rs, da aquisição de MBT’s Abram M1 ( titio SAM tem aos montes e há modernizações fins) pra substituir os Leo 1A5 br e já aproveita e coloca no CFN tbm ,uma cadeia logística única pras duas forças, quanto mais poder padronizar melhor.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Ontem li outro estudo sobre futuro dos blindados no EB e novamente direciona a substituição para o Leo 2A4 ou A6 .
Particularmente passei a ser a favor,até parece que faz diferença,rs, da aquisição de MBT’s Abram M1 ( titio SAM tem aos montes e há modernizações fins) pra substituir os Leo 1A5 br e já aproveita e coloca no CFN tbm ,uma cadeia logística única pras duas forças, quanto mais poder padronizar melhor.

Douug385
Visitante

Gostaria de entender como você pode ser favorável ao M1 após ler o artigo se o próprio artigo diz o que o M1 não é o mais adequado para o nosso Exército. O artigo praticamente recomenda o Leopard 2A6 (preferencialmente) ou o 2A4.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Douug385, pra termos Leo 2A… precisa haver sobras de algum país e quem tem está modernizando ou criando reservas pois a coisa $$ tá feia pra todo lado e pras bandas de lá estão todos com medo do tio Putinski e do tio Ling. O Abrams tem aos montes no brechó do titio Sam ,modernizáveis tbm e não são este bicho papão que se apregoa, este papo de caro e tal é pra manter nossas forças com velharias. Temos que ter,e teremos 2019 a diante, um governo que valoriza a defesa e uma melhor administração dos recursos nas forças armadas.… Read more »