Home Conflitos em andamento A era Trump é cheia de crueldade sem consequência

A era Trump é cheia de crueldade sem consequência

3306
67
O jornalista Jamal Khashoggi, que desapareceu no consulado saudita na Turquia em 2 de outubro
O jornalista Jamal Khashoggi, que desapareceu no consulado saudita em Istambul, na Turquia, em 2 de outubro

Por Michael Gerson

Quaisquer que tenham sido as consequências do suposto assassinato do colunista Jamal Khashoggi do Washington Post, do regime saudita, a resposta inicial do presidente Trump indicou muito sobre as prioridades de sua política externa “America First”. Seus instintos foram comerciais e transacionais – ele expressou a preocupação de que os Estados Unidos pudessem perder contratos de defesa em um confronto com o governo saudita. “Eu não gosto de paralisar enormes quantias de dinheiro que estão sendo despejadas em nosso país”, disse ele. A reação de Trump foi nativista, como ele apontou que “Khashoggi não é um cidadão dos Estados Unidos.” E depois de consultar o rei saudita, o presidente parecia determinado a fornecer um álibi, levantando a perspectiva de “rogue killers”, que trouxe de volta memórias do julgamento de assassinato de O.J. Simpson.

Trump – elaborando diante da crescente indignação global – desde então prometeu “punição severa” se os sauditas estivessem realmente envolvidos no desaparecimento de Khashoggi. Mas pode haver alguma dúvida de que Trump ignoraria a situação se ignorá-la fosse sem custo? Trump começou seu confronto diplomático com a Arábia Saudita, apontando (e exagerando) a alavancagem econômica do reino contra nós – o acordo completamente despojado de arte (fazendo referência ao livro Trump: The Art of the Deal). E a apatia conspícua do governo foi reforçada por um falso ataque retweetado a Khashoggi por Donald Trump Jr.

É difícil traçar a causalidade nos assuntos externos, mas há pouca dúvida de que Trump reduziu o custo da opressão e do assassinato político no mundo, declarando-o essencialmente como um dos negócios da América. E quando você reduz o custo de algo, você obtém mais. A indiferença dos EUA em abusos de direitos humanos é tomada por outros governos como uma forma de permissão.

A história de um jornalista morto enquanto pegava documentos para seu casamento é particularmente poderosa. Mas a agregação de tais horrores – a soma de mortes e miséria humana neste momento histórico – é impressionante. A era Trump também é – talvez não coincidentemente – a era das atrocidades em massa. E o presidente dos Estados Unidos não está preocupado o suficiente para se envergonhar disso.

Há a guerra saudita no Iêmen, que causou deslocamento massivo, fome e doenças. A administração Trump certificou que os sauditas estão tomando medidas suficientes para evitar mortes de civis. Os militares dos EUA fornecem suporte de reabastecimento aéreo para bombardeios. As Nações Unidas, enquanto isso, acusaram a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos de crimes de guerra, incluindo detenções arbitrárias, tortura e estupro.

A Síria continua sendo uma ferida sangrenta. Centenas de milhares morreram. Mais de 5 milhões de pessoas deixaram o país como refugiados. Mais de 6 milhões são deslocados internamente. Durante a maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos reduziram o número de refugiados que admitirão ao menor nível em quatro décadas. E Trump transformou essas pessoas que sofrem em bodes expiatórios políticos, alimentando temores infundados de que eles podem ser cavalos de Troia ameaças terroristas.

Na China, talvez um milhão de uigures étnicos sejam mantidos em campos de reeducação. Grupos de direitos humanos relatam deslocamento forçado, separações familiares e tortura psicológica e física. No entanto, toda a relação de Trump com a China parece determinada pelo nível de nosso déficit comercial. Direitos humanos dificilmente são uma reflexão tardia.

Depois, há a limpeza étnica em curso do povo Rohingya em Mianmar – envolvendo a queima de aldeias, estupros e ataques a civis – que causou a fuga de mais de 700.000 pessoas de suas casas. De acordo com um relatório do Departamento de Estado, “múltiplas testemunhas relatam soldados jogando crianças e bebês em fogueiras ou cabanas em chamas”. No entanto, o governo Trump se recusou a designá-las como “crimes contra a humanidade” ou “genocídio”.

Depois, há a guerra civil de cinco anos do Sudão do Sul, na qual talvez 380 mil pessoas morreram e 2,5 milhões de pessoas fugiram do país. Décadas de esforços norte-americanos para ajudar a dar à luz essa nação estão sendo arrastadas durante a administração de Trump.

E depois há a Coreia do Norte, que é culpada de escravidão em massa, tortura, estupro, abortos forçados e o extermínio de suspeitos opositores do regime. No entanto, Trump conta como ele e o líder norte-coreano Kim Jong Un “se apaixonaram”.

Conduzo esse tour de horrores globais não não argumentar que os Estados Unidos poderiam facilmente resolver cada um deles, mas para salientar que eles nem se registram nas prioridades do presidente. Isso faz violência aos ideais americanos. Mas também ilustra uma lei de política externa. Um vácuo de liderança dos EUA não é ocupado por coisas boas e agradáveis. É preenchido por políticas impiedosas de poder, aliados sem objetivos, autoritários agressivos, reunindo ameaças e crueldade sem consequências. E o rastro de evidências vai das aldeias de Mianmar para um consulado em Istambul.

FONTE: Washington Post

67 COMMENTS

    • Pois é, quando a bolha explodir vai ter que todo mundo sair correndo, o estrago vai ser grande. É bom o próximo presidente correr com as reformas para não sermos pegos de calças arriadas

    • Deficit anual deles está crescendo??????? tá lendo muito The New York Times que apoiam hillary clinton, fosse você não ficava nessa bolha social; vendo apenas um lado.Pesquisa mais um pouco.

      • Denys você é que tá vendo muito youtuber pró Trump, eu só falei o obvio, não leio New York Times, se o sujeito corta imposto e aumenta o gasto público não precisa ser nenhum gênio da economia para perceber que isso a médio e longo prazo vai dar m*rda. a estocadora de vento fez isso aqui, e nós estamos vendo o resultado. Quanto a pesquisar mais um pouco, vá pesquisar mais um pouco você, quem sabe assim você não consiga rebater as projeções de déficit para o próximo ano do próprio departamento de tesouro do Trump

    • Trump cortou impostos e não cortou gastos. Baixou o juros e qualquer um está pegando empréstimos. Todo mundo que entende o mínimo de economia de mercado sabe onde isso vai dar. Agora estão irritando o país que mais compra dívida americana. Tempestade perfeita está se formando!

  1. O autor deste texto pensa que o Trump é o presidente do Mundo ou dos EUA ? Ele tem que cuidar do povo dele , sair pelo mundo resolvendo a vida de todo mundo e coisa do capitão planeta

    • Junior,
      Te juro que ia escrever algo muito parecido. rsrsss
      Dá uma olhada no meu comentário no post sobre o assassinato do jornalista.
      Um abraço.

      • Bosco, o mais cômico é que os mesmos amiguinhos que vivem xingando os EUA de tudo por “se meterem” nos assuntos dos outros, são os primeiros a apontar o dedo quando os EUA resolvem que não é problema deles. É muito hipocrisia na cabeça dessa gente.

      • Todo presidente norte americano jurou lealdade ao país. Obama duas vezes na primeira posse por sinal… Negar esta regra básica ficando demasiadamente afastado do realismo revelasse como atitude perigosa e leviana…

    • Pois é, esquecem que os Sauditas fecham o maior acordo de armas do mundo e fora que é um aliado importante contra o Iran. Por mas que seja trágico a situação do jornalista, a interesses maiores aí. A política internacional, exige agir com inteligência e não com sentimento. Mas a raiva ideologica parece impedir os jornalistas de verem isso.

  2. Trump é, como outros líderes que vêm surgindo no espectro político mundial no último quartel, sem perdão do trocadilho, aludindo ao jurista Luís Barroso: “uma mistura do mal com o atraso com pitadas de psicopatia.”

    Mas no caso específico da Arábia Saudita no contexto dessa matéria, pela análise histórica das suas relações políticas e comerciais com os Estados Unidos, não vejo uma ação mais contundente da América mesmo que seu líder fosse um estadista, como foi em passado recente, ao invés de um estulto, como é hoje.

    Por fim, como bem disse um Brigadeiro da FAB, hoje na reserva, durante uma extensa entrevista à RFA de anos passados, o que rege as relações internacionais são, infelizmente, a “fluidez dos interesses e as baixezas humanas.”

    • Osawa,
      Não concordo que o Trump seja isso não. Não me consta dele ter feito seu país mais racista ou mais misógeno ou mais homofóbico ou mais violento ou mais machista ou ter reduzido as lilberdades individuais como a mídia esquerdista e as feminazis estéricas previam. Muito pelo contrário. Teve muita feminazi lésbica que deixou de tomar seu tarja preta, se cortou e se imolou à toa.
      Sem dúvida ele não é elegante e bem falante como o Obama, aliás, todo esquerdista fala o que o público quer ouvir. Sem dúvida o Trump é mais grosso que dedão fraturado, mas fato é que ele tem sido um bom presidente para o seu país.
      Hoje, reclamam dele ter ficado amigo do Kim Jong-un mas esquecem que há algum tempo o mundo estava prestes a entrar em guerra nuclear. Iam estar reclamando do mesmo jeito se ele tivesse bombardeado a CN.
      Quando tem um sujeito de centro ou de direita no poder nada que ele faça parecerá bom para a esquerda dominante, que quer mesmo é ver o circo pegar fogo.

    • Bosco, ser Trump “um bom presidente para o país dele” não me parece fato. Parece-me uma opinião, respeitável diga-se, conforme a avaliação de cada um do que signifique “bom”, “presidente” e “Estados Unidos”.

      Também não é fato que estávamos “prestes a entrar em guerra nuclear”. Parece-me também uma opinião, respeitável diga-se, conforme a avaliação de cada um do que signifique “prestes a entrar em guerra nuclear”.

      Também ainda, não é fato “quando tem um sujeito de centro ou de direita no poder nada que ele faça parecerá bom para a esquerda dominante, que quer mesmo é ver o circo pegar fogo.” Parece-me, também ainda, uma opinião, respeitável diga-se, conforme a avaliação de cada um do que signifique “bom”, “direita”, “centro”, “esquerda” e “circo pegar fogo”.

      Fato é Trump ser “ser mais grosso que dedão fraturado” e Obama ser “elegante e bem falante”. Isso, sim, são fatos. Diria até que são axiomas . . .

      • E quanto as taxas de desemprego, tem algo a falar Ozawa?? E quanto ao equilíbrio das balanças dos negócios dos EUA com outros países? Tem algo a falar?

        Me diga aí alguma crueldade que já não era praticada nos governos anteriores? Bom mesmo foi o Obama que incendiou o oriente médio né? Que deixou o gordinho coreano virar um monstro gigante nuclear? Que foi frouxo com os iranianos?

        Vai….fala aí pra gente o que de tão irrazoavel que o Trump fez???

      • O maior bem para um país estrangeiro realizado por Trump, em minha opinião, consistiu-se na redução ao apoio dos radicais islâmicos na Síria e Iraque… Repetir o feito orquestrado na Líbia, criando grupos como o Estado Islâmico como consequência não me parece palatável, seria repetir o erro do Afeganistão… Ver a mídia com opiniões tão distintas sobre Mossul e Alepo me serviram como alerta, divulgar fatos é uma coisa, mobilizar opiniões em diferentes direções com relação a um mesmo fato é outra.

  3. Se morre um jornalista toda mídia mundial entra em polvorosa, não como quando morrem aos montes diariamente seres humanos comuns. Imagine se fosse um jornalista homosexual…

  4. Esses mesmos que reclamam da ausência do líder da maior nação do mundo são aqueles que reclamam do papel de polícia global que os EUA às vezes exercem. Vai entender…

    A verdade é que os boçais e histéricos da imprensa acham que são uma categoria a parte e mais importante que as demais profissões que todo santo dia morrem de alguma forma violenta e não tem a mesma repercussão midiática.

    Na cabeça desses boçais, atentar contra a imprensa é atentar contra a democracia e blá blá blá…

  5. Bom qualquer pessoa inteligente, vai notar que esse texto inteiro é um mimimi de início ao fim, morreu gente? morreu, morre todo dia, se o Trump tivesse intervido em todos os lugares citados no texto os jornalistas iam dizer que era opressão imperialista americana no mundo, não está intervindo aí é crueldade, era das trevas e blá blá blá, os tempos de polícia do mundo estão acabando, e o que vem aí tá mais para bandido do mundo, começando pelo mar do sul da china.

  6. Essa matéria só pode ser uma piada, depois de ver a fonte eu tive certeza que era uma piada, ainda bem que a fonte fica no final, pois assim a risada é natural. FONTE: Washington Post
    Estou esperando o WP fazer uma matéria mostrando os terroristas financiados pelo Obama, as grandes vendas de armas do Obama, o apoio a golpes de Estado promovidos pelo Obama (primavera árabe, inclusive a Síria), o apoio a guerra civil na Ucrânia, o apoio a guerra civil no Iraque (quando retirou precocemente as tropas), apoio a agressões contra a Rússia, desde a construção de escudo anti-mísseis até os insurgentes na Georgia, o apoio a ditadura iraniana e a proliferação de armas nucleares, a empatia a perseguição de cristão na África e Ásia, o apoio aberto a ditadura cubana etc…poucos presidentes nas últimas décadas tem tanto sangue nas mãos quanto Obama (queridinho desse jornal).
    Forte deveria rever suas fontes…eleição aqui no Brasil mostrou o fim dessa mídia.

  7. Snif snif…..

    Esse forte tá com um cheiro de Mortadela heim………

    Nem vou perder tempo mais. Até almirante ai parece uma melancia…..

  8. Um jornalista Saudita, morre na Embaixada da Arábia Saudita na Turquia e a culpa é do Trump!!!

    BELEZA CAMPIAO!

    Credibilidade 0 esse post! Mortadelada das brabas!

  9. A era Trump é cheia de crueldade rsrs… (rindo litros)

    Essa imprensa mundial é muito canalha, totalmente dominada pela esquerda, o mundo tá em guerra desde quando eu nasci, tem fome, miséria, guerras por todo os cantos no mundo, mas é só entrar um presidente que dá um chega pra lá nesse establishment que eles triplicam tudo para pior.

    Tem dois países aqui na américa latina (venezuela e nicarágua) que o pau tá torando, a população tá implorando para o mundo fazer alguma coisa contra esses ditadores de ESQUERDA, mas a imprensa trata como uma mera “crise financeira” nos noticiários, mas é só morrer um jornalista ligado com a inteligência saudita, pronto, o mundo tá acabando e a culpa é do governo de direita rsrs….

  10. Este é o problema. A mídia e a intelectualidade norte-americana transformaram absolutamente tudo em “culpa do Trump”. Dessa forma, alcançou-se um ponto de inflexão em que sua imagem não é mais arranhada pelos novos escândalos. Para qualquer um que não seja militante do partido adversário, o senhor Donald já virou um perseguido.

    Falta perspectiva para seus críticos. Ao transformarem problemas pequenos em crises gigantescas acabam por minorar as verdadeiras celeumas.

    Parabéns aos envolvidos. Fortaleceram a presidência de Trump.

    • Caraca! Muito boa análise!
      Parabéns!

      Rafa,
      É o mesmo fenômeno que tem ocorrido com as ações afirmativas contra o racismo e a homofobia e agora, o feminicídio. Como querem achar cabelo em ovo tais ações atingiram um ponto de ebulição e de tensão social que as fazem sem efeito, ou pior, fazem é terem efeito contrário.
      A Civilização Ocidental sempre evoluiu de forma natural e consistentes. Por exemplo, sempre foi machista, mulheres só tiveram direito a voto no Brasil a partir da década de 30 (salvo engano) , na década de 70 não havia uma política mulher no Brasil, mas isso não impediu que as mulheres alcançassem patamares de igualdade com os homens. Agora, a esquerda festiva chega e quer impor que 50% pelo menos dos políticos sejam mulheres já que elas representam mais que 50% do eleitorado e da população em geral. Ora! Isso é flagrantemente antidemocrático. Se antes queriam que houvessem 50% de candidatos, já que querem que hajam 50% dos eleitos. Vai chegar ao ponto que pra uma prefeitura o candidato mais votado não será o escolhido por conta de ser homem.
      Isso gera uma tensão social descabida e de consequências imprevisíveis, mas que a esquerda surfa nessa onda já que é de tensão social que ela se sustenta. Alimenta dela como um vampiro de sangue.

      • Concordo.
        Quanto mais falam e tentam “combater” racismo, homofobia e machismo, mais alimentam estas práticas. É meia duzia de frustrados procurando um culpado pelo seu fracasso e mediocridade pessoais e ai criam o inimigo no homem branco hétero”.

        Quem quer ser tratado como igual se porta como tal e não fica de mimimi.

        No caso da radicais feministas, o que as move, podem reparar, além de buscar um inimigo pra justificar o seu fracasso, é a inveja profunda das mulheres bela, e bem sucedidas na vida profissional e pessoal. Mas isso elas não admitem, pois não querem se humilhar para estas, que são a maioria, mães, esposas, e trabalhadoras que se portam como iguais e vão a luta.

        Me apontem uma feminista radical que são seja “baranga”, e/ou esquerdista fanática e/ou não esteja no quarto casamento.

    • Rafael_PP 17 de outubro de 2018 at 11:57
      Ótima análise!
      .
      Se os eua atuam, reclamam. Se não atuam, reclamam do mesmo jeito.
      .
      O título é exageradamente covarde e omisso.
      Parece que muitos fecham os olhos para o grave momento qual se passa dentro da própria casa (o Brasil), mas posam de arautos da justiça das causas das casas dos outros.
      .
      Depois, vêm com o papinho de patriotas.
      .
      Não vejo um único título assim para MADURO, o barbeiro da Venezuela que julgou que dirigir um ônibus fosse o mesmo que dirigir um país só com uma das mãos, a esquerda.
      .
      A coerência vai tarde, a omissão vem em primeiro e o patriotismo é das Arábias…

  11. Na gestão de Obama,o culto,o belo,o elegante,o sensível,o mega educado,o cara(ops era o Luladrão) nuca se matou tantos terroristas e inocentes com os drones ,mas a imprensa esquerdoPaTa global não fez muito estardalhaço.
    E viva a hipocrisia vermelha

  12. Eu não sou fã do Trump, mas porquê ele é responsável ou deveria estar preocupado com o desaparecimento de um jornalista saudita na embaixada da Arábia Saudita na Turquia?
    Isso me parece problema dos turcos e sauditas.

    • Caro Strobel. Talvez o problema seja que o jornalista residia nos EUA e trabalhava para uma empresa americana. Ele estava na Turquia devido o seu casamento com uma turca. Creio que Trump errou ao justificar a neutralidade dos EUA devido os investimentos/compras sauditas. O que está em jogo seria a própria autoimagem dos americanos como democracia fundada em bases iluministas. Seria preciso contextualizar com outros casos nos quais os EUA deram garantia a dissidentes estrangeiros perseguidos por seus respectivos regimes totalitários.

  13. O ponto é que quando os EUA se pronunciam a favor de civilidade, liberdade e direitos humanos o mundo fica melhor. Porém, a recíproca também é verdadeira. A omissão é uma mensagem para o pior. A exigência não é a mesma com a China, Cuba, Coréia do Norte ou Rússia, simplesmente porque não se espera isso deles. É falta de esperança e não de exigência.

    E quem morreu foi um jornalista, não um terrorista ou soldado inimigo. Numa capital estrangeira e sob cobertura diplomática. Sob a batuta de uma das teocracias mais opressoras do mundo. Não dá para passar a mão na cabeça desses caras.

    • Engraçado, quando os americanos intervém a favor da civilidade, liberdade e direitos humanos, a imprensa já exclama que os EUA estão colonizando aumentando o seu vasto império escravizando os pobres seres deste país, talvez o maior exemplo desse ocorrido tenha sido a Guerra do Kosovo, basta apenas procurar na internet sobre o que falam das ações da OTAN nesta guerra.

      Pra mim, Trump está certo em não agir, e se eu fosse ele exclamava:”Vocês não falam que os americanos são imperialistas, pois então, no meu governo não haverá mais retaliação por assassinatos em outro país, se virem”.

      Esta atitude isolacionista do governo Trump está mostrando como o mundo é hipócrita, aqueles que mais bocejam do imperialismo americano agora são os primeiros a cobrar alguma atitude sobre o ocorrido.

      Piada hahaha

      • Eu não falei que eles deviam jogar uma bomba na embaixada. Mas os berros contra os islâmicos “do mal” e o silêncio quanto aos “de estimação” é que chamam a atenção.

        Não acho que ficou menos hipócrita, mas os americanos antigamente tentavam ser melhores.

        • Eu acredito que o grande objetivo de Bin Laden (um saudita) com o ataque do 11 de setembro era tornar os EUA um pouco mais parecidos com a sua pátria, infelizmente ele conseguiu

          • Renato B, concordo com você, eu acho que nunca ficou muito claro qual o real envolvimento do governo saudita em relação aos ataques terroristas de 11 de setembro, se eu não me engano dos 19 terroristas 15 eram sauditas.

    • Caro Renato. Concordo com seu ponto de vista. Em outros momentos, os EUA atuaram diplomaticamente em prol de dissidentes políticos. Eu também incluiria o Irã na lista de países que você fez.

  14. Independente de interesses comerciais, isso é um assassinato e deve ser respondido com força pelas nações que mais pregaram valores bons no mundo. Puxar o cabresto do burro saudita é preciso, se possível esporar seu coro pra aprender a lição.

  15. “A era Trump também é – talvez não coincidentemente – a era das atrocidades em massa.” Este é o trecho mais bizarro presente neste texto. Praticamente apagou os últimos 4 milênios da História Humana.

    Este artigo só mostra o tanto que a mídia profissional tenta desumanizar Trump, perdendo assim mais credibilidade perante a opinião pública. Se tem algo que os americanos são mestres é em fazer vista grossas aos crimes cometidos por seus aliados. A própria Arábia Saudita tem uma extensa lista de crimes mas nunca saíram de baixo da proteção americana, independente de quem esteja no morando na Casa Branca.

    • Fawcett,
      E o pessoal anti EUA aqui da Trilogia se cala acerca de algumas passagens interessantes do texto que por acaso, também são culpa do Trump. rsrs

      “há a Coreia do Norte, que é culpada de escravidão em massa, tortura, estupro, abortos forçados e o extermínio de suspeitos opositores do regime.”

      “Na China, talvez um milhão de uigures étnicos sejam mantidos em campos de reeducação. Grupos de direitos humanos relatam deslocamento forçado, separações familiares e tortura psicológica e física.”

      Os EUA não é só tido como cruel e sanguinário quando age, mas também o é na omissão. Até quando a crueldade é cometida na … China. rsrsss Até quando a China é cruel a grande mídia dá um jeito de reservar alguma parte da crueldade para os “States”.
      Aí, em agindo, irão falar que age em nome da ganância imperialista ou simplesmente que eles não têm direito de serem xerifes do mundo ou que eles só chutam cachorro morto.
      Parece que é difícil mas não é fácil não. rssss

  16. Se um jornalista israeli conseguisse segredos militares, fugisse para o Irã e entregasse tais segredos, o Mossad o “resolveria” de forma exemplar e todos nós aqui, eu inclusive, bateríamos palminhas.
    Cada país “resolve” seus traidores como lhe apetece.
    .
    E temos que aprender a não nos metermos com os problemas islâmicos. Pagamos com despesas e perdas militares, e atentados que ceifam inocentes.

  17. O sr G.Soros está fazendo um ótimo trabalho pagando e espalhando !jornalistas! comprometidos a dar opiniões que critiquem a direita e o sistema Liberal no Mundo todo . O que me espanta é ele ter conseguido espaço nesta mídia pra fazer estas manifestações fora de sentido e que nunca tangem a verdade e sim a verdade “deles” pela causa ! Assustador o poder maléfico desta gente ! A verdade vencerá !

    • Também não entendi o objetivo dessa matéria aqui. Devo ser um ¨estulto¨, como diz o comentarista japa (deve ser japa, pelo nick, ou nome, não sei).

  18. Esta matéria esta bem de acordo com as ‘propagandas” eleitorais de um determinado partido que pretende eleger um POSTE e que somente sobrevive de matérias pagas para enganar os menos iluminados culturalmente , completamente fora de propósito a não ser a desinformação !
    Os EUaAvendram mais de USD100 bilhoes em armas aos arabes da Arabia Saudita e nem por sonho iriam querer se envolver em alguma confusão com o governo Saudita . Este jornalista morto , era espiãio e criava muitos incômodos aos arabes , era parente do Dody (da princesa Diana) e primo do Osama Bin Laden .. isto é confusão dentre eles mesmo !
    Felizmente faltam apenas 11 dias para dia 29 ! A verdade sempre vence !

  19. E mais uma coisa :
    O que Khashoggi, expulso, acusado de traição e com um alvo na cabeça, faria em uma representação diplomática, extensão territorial, de seu país ?
    Eu no lugar dele nem passaria perto.
    Ainda acho uma estorinha mal-contada.

  20. Tudo pode ser motivo para criticarem o Trump.
    Ele está longe do modelo ideal de presidente (Lincoln…), mas fez o diagnóstico correto do problema dos EUA.
    Gastam muito, em todas as direções, e não sobra para os próprios norte-americanos.
    Se alguém, inclusive o próprio Trump, achou que seria moleza consertar as coisas, enganou-se.
    Mesmo sendo disfuncional para o próprio país, o modelo vigente tem beneficiários.
    E estes vão fazer de tudo para que nada mude. TUDO!
    Achar que existem limites nesta luta é ingênuo.
    Intrigas, traições, subornos, conspirações, só para ficar no começo do manual.
    Quem acompanha as notícias dos EUA sabem que estes ataques são diários, tudo é pé para reclamação. Isso é método e plano.
    O Trump está sendo lentamente desgastado, já visando as próximas eleições e por fim a presidencial, mais tarde.
    O EUA tomaram decisões há décadas, que tinham suas razões no contexto da época. E muitas tiveram o sucesso esperado (por exemplo, afastar a então China de Mao da URSS).
    Mas o desenvolvimento disso nos tempos que passaram acabaram se voltando contra eles.
    Os chineses tinham e têm um plano e se tudo continuar como está vão se dar bem.
    Nada ameaça militarmente os EUA. Este tipo de temor é ridículo.
    Mas economicamente é outra conversa. O lucro faz até amigos virarem inimigos. E aliados…
    Este é o problema que o Trump e seu grupo viram.
    Mas existe uma grande elite financeira no mundo, inclusive nos EUA, que vão ganhar dinheiro, independente de país, governo ou regime político.
    Para estes, sempre haverá liberdade, repeito e democracia. Eles pagam por ela!
    O resto que se dane, inclusive os EUA.
    Os aliados deles nos EUA são aqueles carinhosamente chamados de Pântano.
    Esta é a luta do Trump.

  21. O problema de Trump é Trump.
    Pode-se dizer que Trump reage as provocações da imprensa, mas que esta também reage as provocações do primeiro. Falta à ele diplomacia e tato.
    E nem tudo é culpa de Trump. Os EUA já tiveram presidentes piores. Mas está longe de ser um grande estadista.
    E por fim o jornalista será esquecido.
    O que rege o Mundo são os interesses.

  22. E no que diz respeito à “crueldade sem consequência”, outro dia o gordinho norte-coreano mandou fuzilar um ministro, apenas pq cochilou em um evento, com… um canhão 23mm !
    O socialismo, tanto o de esquerda quanto o “nacional-socialismo”, tem centenas de milhões de mortes na sua conta, mas continua seduzindo a patuléia ignara.

  23. Só digo uma coisa, enquanto os milicos brasileiros idolatrarem esquerdistas continuarão sendo pisados e feitos de trouxas. E o Brasil é quem mais sofre com isso.
    Ainda hoje são obrigados a bater continência para comunistas terroristas. Vistam suas calças, sejam homens de verdade!

    * Washington Post faz parte da escória do jornalismo mundial, juntamente com New York Time, El Pais, etc.

  24. Lá no EUA só tem Republicanos e Democratas,A e B independe do Presidente muda muito pouco,quase nada,Só que os republicanos gostam mais de guerras,visam mais jogos do poder e mais armamentos,os Democratas fazem a mesma coisa mais são mais discretos.

    • Adoro essa: General Lee o democrata iniciou a guerra de secessão Lincoln o Republicano resolveu.
      Primeira e segunda guerras foram iniciadas por democratas e tiveram republicanos limpando a bagunça (quebra do isolacionismo).
      Coreia e Vietnam também iniciadas por democratas
      A Líbia e a Iugoslávia caíram sobre o cerco de democratas.
      Mas no nosso folclore Bush pai e Bush filho, republicanos são a origem de todo mau.

  25. Adoro essa: General Lee o democrata iniciou a guerra de secessão Lincoln o Republicano resolveu.
    Primeira e segunda guerras foram iniciadas por democratas e tiveram republicanos limpando a bagunça (quebra do isolacionismo).
    Coreia e Vietnam também iniciadas por democratas
    A Líbia e a Iugoslávia caíram sobre o cerco de democratas.
    Mas no nosso folclore Bush pai e Bush filho, republicanos são a origem de todo mau.

  26. Observação: as duas guerras orquestradas por republicanos foram as mais bem documentadas, que proporcionalmente apresentaram o menor número de baixas e com reduzido número de perdas civis. Já a lambança de Clinton com sérvios e croatas foi sanguinolenta… A Líbia e a Síria foram capturadas em guerras civis com lados apoiados pela CIA e Black Water. Por fim Sadan Hussein foi julgado, Gadafi e Bin Laden não… Quem são os democratas e quem são os republicanos…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here