Home Carros de Combate Paquistão busca 600 novos tanques para proteger fronteira com a Índia

Paquistão busca 600 novos tanques para proteger fronteira com a Índia

5614
64
MBT T-90M

Além dos tanques de batalha, o Exército do Paquistão também está comprando 245 canhões SP de 150 mm Mike-10 da Itália

O Paquistão elaborou um ambicioso plano para adquirir cerca de 600 tanques de batalha, incluindo o modelo T-90 da Rússia, principalmente para reforçar seu poder militar ao longo da fronteira com a Índia, disseram fontes de inteligência em 30 de dezembro.

A maioria dos tanques que o Paquistão está comprando poderá atingir alvos a uma distância de 3 a 4 km, disseram as fontes.

Além dos tanques de batalha, o Exército do Paquistão também está comprando 245 canhões de 150 mm SP Mike-10 da Itália, dos quais já recebeu 120 armas, completaram.

As fontes também disseram que o Paquistão estava procurando comprar da Rússia um lote de tanques de batalha T-90 – os pilares dos regimentos blindados do Exército Indiano – e que a medida reflete a intenção de Islamabad de forjar um envolvimento mais profundo da defesa com Moscou.

A Rússia tem sido o maior e mais confiável fornecedor de defesa da Índia após a independência.

As fontes disseram que como parte do mega plano de reformar significativamente sua frota blindada até 2025, o Paquistão decidiu adquirir pelo menos 360 tanques de batalha no exterior além de produzir 220 tanques de forma autóctone com a ajuda de sua aliada China.

O movimento do Exército do Paquistão para melhorar seu corpo blindado acontece em um momento em que a linha de controle real em Jammu e Caxemira tem testemunhado crescentes hostilidades no último ano.

O Exército Indiano tem retaliado fortemente todas os disparos não provocados pelo lado paquistanês.

Mas, enquanto o Exército Indiano está focado em operações contra o terrorismo, o Exército do Paquistão reduziu rapidamente sua distância com as forças indianas no combate em uma guerra convencional, disseram as fontes.

O Exército Indiano elaborara um mega plano para modernizar sua infantaria e seus corpos blindados. No entanto, quase todos os projetos de aquisição, incluindo o programa Futuristic Infantry Combat Vehicle (FICV) estão paralisados devido a uma variedade de razões.

Atualmente, os regimentos blindados da Índia, compreendendo principalmente tanques T-90, T-72 e Arjun, têm considerável superioridade sobre o Paquistão, mas segundo as fontes Islamabad estava planejando seriamente reduzir a distância o mais cedo possível.

Para contrapor os 67 regimentos blindados do Exército Indiano, o número de regimentos similares no Exército do Paquistão é de cerca de 51, disseram as fontes.

MBT chinês VT-4

Segundo eles, no momento, somente 70% dos tanques do arsenal do Paquistão têm capacidade de operar durante a noite, o que, segundo eles, é motivo de preocupação.

Além de procurar por tanques T-90, o Exército do Paquistão também está no processo de incorporação de tanques chineses VT-4, bem como tanques Oplod-P da Ucrânia. Testes para os tanques Oplod e VT-4 já foram conduzidos pelo Exército do Paquistão.

No momento, o Paquistão tem cerca de 17 regimentos de tanques T-59 e T-69, de origem chinesa, que representam 30% da força total de tanques, disseram as fontes.

Também tem 12 regimentos de tanques Al-Zarar, o que perfaz 20% da frota de tanques, enquanto os tanques T-80UD e T-85UD, assim como a versão atualizada dos tanques T-59, compõem os outros 50%.

“O Exército do Paquistão está realizando a modernização de seus regimentos blindados de maneira calibrada e com prazo limitado, o que não é o caso na Índia”, disse um especialista, que não quis ser identificado.

Ele disse que era preocupante a maneira como o Paquistão estava modernizando sua frota de tanques.

O Exército Indiano também levantou uma brigada de tanques independente que está estacionada em Ladakh, mas não é suficiente, acrescentou o especialista.

FONTE: Zee News

Subscribe
Notify of
guest
64 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carpophorus
Carpophorus
1 ano atrás

Pensem na alegria dos chineses ao ler essa matéria

JPC3
JPC3
Reply to  Carpophorus
1 ano atrás

E dos russos.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Carpophorus
1 ano atrás

Se comprar T-90 o Paquistão terá um baita MBT e vai virar o jogo com certeza, mas se comprar porcaria chinesa ja era, é so abrir a porteira para a India invadir

Fabrício Barros
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Virar o jogo? Ora, e os T-90 da Índia, bem como o Arjun? Caminharia para um empate por conta do tipo de tanque. Ademais, por que porcaria chinesa? Você tem dados sobre o desempenho deles que se possa comparar? E, enfim, no Tank Biathlon de 2018, os chineses ficaram em segundo lugar usando o belo Tipo 96B.
comment image

JPC3
JPC3
1 ano atrás

Dá para ver que essa estória de que na Ásia tudo é uma maravilha sob as asas da china não é bem assim.

Plínio Júnior
1 ano atrás

Acho muito difícil os russos fornecerem algo, são aliados tradicionais dos hindus…os chineses devem suprir esta demanda.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Plínio Júnior
1 ano atrás

nao e bem assim nao.

Felipe Morais
Felipe Morais
1 ano atrás

Acho que os russos terão que escolher quem prefere como comprador de seus produtos. E me parece que a Índia é um mercado potencial muito superior que o Paquistão.

Acho que fora o OM, sempre quente, os dois locais mais quentes do mundo estão na Ásia, no sudeste asiático e nessa tríplice fronteira. E o interessante que tudo é superlativo nas estruturas militares desses três.

Sidy
Sidy
1 ano atrás

Incríveis os números envolvidos. A gente (ou eu, pelo menos) fica pensando em como seriam guerras envolvendo a China ou a Rússia naquela região, mas um conflito destes teria proporções e consequências inimagináveis… e, pelo jeito, está fazendo a alegria dos vendedores de armamento.
Aí fica a pergunta: se o Paquistão não conseguir adquirir os T-90s, será mesmo que optará por tanques chineses? A China tem.um tanque a altura do T-90 para oferecer? Haveria outro possível fornecedor fora a China, dada a quantidade mencionada?

Leo Neves
Reply to  Sidy
1 ano atrás

Ao que se vê no Biatlo de tanques ate o T-72 modernizado da Rússia da pau no tanque novo chines… Fora que já soltou partes… Acho difícil algum tanque chines ser mais robusto ou melhor que um tanque russo…
Fora que já vi notícias da índia interessada no T-14.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Sidy
1 ano atrás

A China não está ruim de MBT’s não viu, tem desenvolvido e evoluído conforme se mostram as necessidades de suas brigadas/cavalarias blindadas.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Sidy
1 ano atrás

tanque chines é igual o tanquinho no Brasil para uma maquina mas nao serve pra nada

Carlos Campos
1 ano atrás

a china ainda não é uma fabricante consagrada de MBT como Alemanha, EUA, Rússia, mas tem evoluído, acredito que os Russos vão ter jogo de cintura para agradar gregos e troianos, no quesito blindado a India quer ser independente, então essa venda é russa, a não ser que os chineses forcem a barra, dando imprestimos para aquisição e manutenção, a juros baixos, assim como tanques baratos.

Tadeu 54
1 ano atrás

Esses dois vizinhos vivem às turras desde a independência em 1948, agora são potências nucleares e continuam se armando, onde isso vai parar não sei, mas não vai dar coisa boa !

Sidy
Sidy
Reply to  Tadeu 54
1 ano atrás

Pois é. Como comentei acima, de repente, de onde não se esperava, pinta um enrosco feio…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
1 ano atrás

Gostaria que os mais letrados em blindados me tirassem uma dúvida: aquele espaço entre a torre e o chassis do T-90 da primeira foto e do Leopard 2, não seria uma desvantagem no caso de um obus inimigo atinjir aquela área? Me parece que no mínimo iria paralisar o movimento lateral da torre.

Não seria ideal como é feito no Challenger 2, onde não existe espaço entre a torre e o chassis?

humberto
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Não sou letrado mas sempre li que angulos são melhores para tentar “ricochetiar” as munições. Se for para cima é lucro, se for para baixo, pode dar um baita prejuizo.
Abraços

JPC3
JPC3
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Sim, o espaço que liga a torre com o chassi é um ponto mais vulnerável na maioria dos tanques

Pedro
Pedro
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Estatisticamente, a chance disto em um tiro oblíquo é muito, muito pequena ainda mais se o veiculo estiver em movimento. Se for uma granada pesada, como a de 152mm/155mm independente de onde acertar o veiculo irá destruí-lo pela qtda de explosivo da mesma. Se for um tiro direto de munição APDS ou similar, a chance também é muito pequena. Acontece que em veículos que tem ou tinham a torre em forma de cunha o tiro pode sim ricochetear e entrar por cima do chassi, mas em veículos com ERA, geralmente tem ali pequenas cargas que reduzem um impedem isso.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Mais conhecido como “shot trap”…. que são as áreas que tem a probabilidade de ricochetear a munição inimiga para uma área mais sensível do CC.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

E tem gente aqui que fala que não há mercado para construção de um tanque nacional baseado no Osório.
Tanto para uso nacional quanto para exportação.
Creio que seria bem viável uma joint com os Argentinos (conhecimentos do TAM) e Brasil, gerando assim um tanque binacional ( ou quem sabe mais países sul americanos).
Vale ressaltar que o Paquistão já adquiriu do Brasil o míssil MAR-01 (Morcego).
Como sempre digo, tendo um bom preço, qualidade sempre terá mercado.
Vide exemplos do KC-390, A-29, Urutu, Cascavel etc etc.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

A questão é essa…ter um bom preço. Além do custo Brasil nas alturas, não há escala, já que nem nosso EB tem condições de custear o desenvolvimento e aquisiçao de um CC novo em quantidades razoáveis. Quem dirá os hermanos. Se a situação estivesse melhor para nós e para nossos vizinhos e estivéssemos com relações melhores com nossos vizinhos no geral, como o atual presidente diz querer fazer, quem sabe poderia se pensar num carro para atender os países sul americanos. Creio que haveria mercado para um CC de tonelagem na casa das 50 a 60ton., com brasileiros, chilenos, argentinos,… Read more »

ednardo curisco
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Só de M1 os EUA fabricaram mais de 10.000.

Os vizinhos estão todos quebrados e, como nós, tendem a comprar usados mesmo ou algum modelo mais barato.

Jeff
Jeff
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

O bonde da história do Osório já foi perdido, não adianta… E agora, sem as indústrias que projetavam e fabricavam veículos pesados, mais difícil ainda. As forças armadas tem outros abacaxis para descascar, antes de pensar em comércio.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Vc fala como se um “artigo” militar fosse simplesmente uma mercadoria, que um cliente compra “apenas” pq é melhor e/ou mais barato. Dito isso, vc acha que nações como o Bahrein, por exemplo, compram F-15, Rafale e Eurofigther pq ? Pq são os mais baratos de se voar/adquirir ? Pq são os melhores de suas classes ? Para se protejer de um possível embargo de armas ? Talvez para as três… Mas o mais certo, é q com essas compras (entre outras ações é claro), o Bahrein estreita seus laços militares com os países fabricantes dos 3 aviões em questão…… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
1 ano atrás

Como previsto, essa região será, em breve, uma área de influência da China e da Rússia.
Ainda mais com a saída dos americanos do Afeganistão.
Não haverá um único local em que os americanos possam colocar o pé sem levar tiro.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Só as multinacionais americanas podem investir na Ásia muito mais que a Rússia.

Ou você acha que eles vão abrir mão de bilhões de dólares e milhões de empregos para seguir sua ideologia?

Os caras querem investimentos, fábricas, empregos e geração de impostos. Eles não estão nem aí para os seus sonhos de guerra.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

É sério ????
Está se superando viu!!
Ano novo, viajada nova!!!rs

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

O que os EUA tem a ver com a matéria?

Plínio Júnior
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Com o crescimento da China, a Índia vem buscando apoio dos EUA em várias questões, vide as compras militares feitas com os americanos e ao mesmo tempo, continuam com as parcerias com os russos. E diga-se de passagem, os hindus não se preparam somente para uma ameaça paquistanesa na região, estão de olhos abertos com os chineses.

Os Russos por sua vez, não vão querer perder seu tradicional cliente em venda de armas para vender o equivalente para os rivais paquistaneses, estes por sua vez, não terão alternativa a não ser a China.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Plínio Júnior
1 ano atrás

A índia não vem buscando apoio americano nenhum.
Isso é lenda urbana.
Pelo contrério. Trump ameaçou a Índia com represálias pela compra dos S-400 russos.
A Índia está muitíssimo bem onde sempre esteve.
Não alinhada e com fortes lações econômicos com os países em desenvolvimento.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

A Índia comprou, Apache, C-130, C-17, P-8, Chinok, S-70, tudo depois que os americanos abriram seu mercado de armas para eles.

E todas essas compras foram concorrências ou com os russos oferendo suas versões mais modernas equivalentes.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Comprar não quer dizer alinhamento.
Menos, né?!?!?
Sem contar que o armamento pesado indiano é em sua maioria de origem russa.
Essa compras americanas, no total do inventário indiano, são relativamente pequenas.

JPC3
JPC3
Reply to  JPC3
1 ano atrás

E preciso falar nas milhares de empresas americanas na Índia?

E ninguém falou em alinhamento, falaram em aproximação.

JPC3
JPC3
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Essa sua aliança da Ásia contra os EUA é fantasia da sua cabeça. O mundo não funciona assim.

Plínio Júnior
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Não aprende né Antonio ?? As compras citadas pelo JPC3 são o que ?? Lenda Urbana ?? E o investimento de empresas americanas no país ?? Acorda rapaz…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Plínio Júnior
1 ano atrás

A China já vem instalando indústrias na Índia há bem mais tempo que os americanos que, até hoje, são muito pouco representativos na região.
E se for comparar com venda de armas, aí vira brincadeira.
Aviões, mísseis, navios, submarinos, tanques e etc. são vendidos pela Rússia à Índia aos montes

JPC3
JPC3
Reply to  Plínio Júnior
1 ano atrás

A Índia não compartilha o seu sonho de destruir os EUA.

E não tem motivo para expulsar os americanos de lá, já tiveram sanções antes e mesmo assim as relações melhoraram.

Cresce meu.

JPC3
JPC3
Reply to  Plínio Júnior
1 ano atrás

Os países da Ásia não estão interessados em guerra contra o Ocidente.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Plínio Júnior
1 ano atrás

Parece aquela baboseira com relação ao Vietnã.
Diziam que ia se aproximar dos EUA para ‘conter’ a ‘ameaça’ chinesa.
Não há a mínima chance disso ocorrer
Ho Chi Minh estava se revirando no túmulo com tamanha sandice.

Saulo
Saulo
1 ano atrás

Ahhh se a Engesa ainda existisse já estaria,provavelmente, na quarta ou quinta geração do Osório e faturaria muito vendendo pra estes países!

Flávio Henrique
Flávio Henrique
1 ano atrás

Enquanto isso…no Vietnã….
https://www.janes.com/article/85463/first-t-90s-mbts-arrive-in-vietnam

O interessante os russos tão tendo é “lucro” armando tanto os aliados como os inimigos da China além da própria China (embora esse último não seja muito confiável nesse quesito). Só lembrando que os EUA já não é neutro na região…. A questão Índia-Paquistão é o elô que moldara um possível conflitos caso um deles se envolva…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Flávio Henrique
1 ano atrás

E agora a Rússia pode inundar o mundo de T-90s.
Reportagem de hoje, dá conta que os novíssimos Armatas estão entrando em operação.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Uhum, os russos vão “inundar” o mundo com seus T90. Bem capaz da tão cinematografada invasão alienígena se dar para roubar a incrível, avançada e inédita tecnologia presente no carro russo. Mas o armata não vão vender, para garantir a supremacia sobre o universo.

Brunow Basillio
1 ano atrás

Os Russos devem oferecer os T72 B1 ou no maximo T72B3 , eles não querem perder mercado mas também não podem desagradar os Indianos ..
Um bom exemplo para jogada Russa é a venda de Su 35 à China , os Indianos reclamaram , ai os Russos foram lá e ofereceram uma atualização para os hindus do Su 30MKI , para versão “super Sukhoi” o que iguala eles aos Su35 …
Então no minimo oferecem uma coisa o Paquistão e outra melhor a índia…

Wagner
Wagner
1 ano atrás

Este Antonio é o Soldat

Bardini
Bardini
1 ano atrás

Pra quem não está bem situado no tocante a Pakistão… Eles estão estabelencendo profundos laços de relação com os Chineses. Estão comprando muito armamento Chinês, incluindo possibilidade de fabricação local. No último contrato, compraram Fragatas Type-054…
.
Pelo meu entendimento, a China tem ampla vantagem na negociação para fornecimento destes tais “600” tanques.
.
Fora isso, o Pakistão tem estabelecido também boas relações com os Turcos, que tem um baita projeto de MBT. Mas acho difícil, pelo fator do preço.
.
Russos… Difícil, pelo fator Índia.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Pois é. E nada mais natural que, não tendo a opção russa, seja a opção chinesa.

Só resta saber se no quesito qualidade, o CC chinês faz frente ao russo, ou se terão que compensar com quantidades superiores às indianas, o que será bem difícil, conforme diz o texto. Para os chineses isso não é problema…compram da quantidade que for necessário. Agora para os paquistaneses o buraco é mais embaixo

Rafael M. F.
Rafael M. F.
1 ano atrás

A área que compreende a fronteira indo-paquistanesa é composta basicamente de planícies aluviais e áreas desérticas – terreno ideal para ações com blindados. Nova Délhi está a apenas 370 km dessa fronteira, podendo ser alcançada por uma força blindada em questão de horas.

Islamabad está em uma distância ainda menor – 245 km. E no mesmo terreno.

Daí entende-se tamanha concentração de blindados.

Rafael_PP
Rafael_PP
Reply to  Rafael M. F.
1 ano atrás

Caro Rafael, o curioso desta realidade que você apontou é as estratégias que se constroem a partir. A Índia, por exemplo, acredita que terá sucesso se realizar um ataque extremamente veloz e inesperado, porém, parcial. Destruir as principais defesas e infraestruturas na fronteira, sem se aprofundar em território paquistanês, não justificando uma resposta nuclear. É chamada de Cold Start. Acredito que o principal intento seja político, desacreditar a elite governante do Paquistão perante sua população.

Pedro
Pedro
1 ano atrás

Jogada comercial……estão forçando os chineses a abaixar o preço ou melhorar os tanques oferecidos (segunda linha). Para a Russia isso é bom pois joga uma pressão na India, onde esta se continuar “pulando a cerca” com os EUA, pode ver a Russia armar o Paquistão. Se a India decidir-se em virar para o Ocidente, fica no dilema de, que tipo de “obrigações” terá que cumprir ou necessitar caso venha a precisar usar tais materiais. A região toda é um tabuleiro de xadrez, onde geralmente um movimento é apenas parte de algo maior, ou muitas vezes um decoy.

ednardo curisco
1 ano atrás

A Netflix lançou a série “Tanques de Guerra: Mobilidade Mortal”. Documentário que cobre a história dos tanques desde a IGG.
Há alguma análise técnica dos principais modelos, mas o mais forte é a importância deles na história e política.
O mais interessante é que apesar de muitos declararem sua inutilidade atual em campos de batalha (o mais notável foi o massacre que uma companhia russa passou na Chechênia nos anos 90), termina falando do Armata, e como os blindados ainda podem ter papel importante nas guerras.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  ednardo curisco
1 ano atrás

O Armata foi consequencia da sova na Cechenia na guerra urbana , só tomando míssil AC. Agora o jogo inverteu e o MBT a ser batido é o dos russos.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Mais uma vez o vizinho pobre se arma até os dentes para se proteger do outro vizinho igualmente pobre.
Paquistão é um covil de terroristas e a Índia é um país que recebe ajuda humanitária internacional e gasta bilhões em armamentos.
Quando estes ajudadores irão colocar a índia contra a parede, e ameaçar cortar a ajuda caso eles não parem de se armar contra um país insignificante como o Paquistão?
E o G-20 não invade de uma vez e ocupa toda a fronteira sul do Paquistão e acaba com a farra da Al-Qaeda.

Marcos
Marcos
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Incase you did not know ” india is a net donor of foreign aid ”

https://www.google.com/amp/www.newindianexpress.com/nation/2017/mar/22/emerging-power-india-gives-more-aid-than-it-receives-1584604.amp

Indian government does not accept any aid , all foreign aid is received by NGOs and religious charities for mostly dubious activities. Last few years many NGOs recieving foreign funding closed.

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

O Paquistão não é tão insignificante assim não amigo. Possui armas nucleares e uma população de mais de 200 milhões de pessoas, a qual está prevista para passar a brasileira na próxima década. É a maior população muçulmana do mundo. Não é tão simples chegar lá e chutar a porta não. Nem deles e muito menos dos indianos. É de se observar que são dois países recém independentes e não se submeterão ao julgo de outra ou outras nações assim tão fácil não.

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Paquistão vai comprar tanques russos ? E o embargo dos EUA / OTAN ?

Agnelo
Agnelo
1 ano atrás

O Paquistão tem 7 CEx na fronteira com a Índia. Há ambiente de Selva (alagados), Montanha e “para blindados”. Os oficiais são opbrigados a passar pelos três tipos de terreno para serem promovidos. Suas defesas preveem linhas limites de penetração, quando utilizarão artefatos nucleares. Em alguns lugares, há linhas defensivas q podem ser perdidas, até q se chegue nessa linha “final”. Em outras áreas, não se admite penetração nenhuma. Não duvido q a Índia tenha o mesmo plano. Não é uma Guerra para amadores… aquilo lá é complicadíssimo. A decisão q a população da Caxemira deve manifestar em voto sua… Read more »

Bispo
Bispo
1 ano atrás

Posso estar tendo uma…. chinofobia…. mais comprar tanque Chinês… sei não… pode soltar pecinha e tudo ir pelos ares….literalmente….

100nick-Elã
100nick-Elã
1 ano atrás

O Paquistão é insignificante?

Nossa, certos comentaristas aqui se superam.

Pedro
Pedro
Reply to  100nick-Elã
1 ano atrás

Qual é a contribuição para o mundo do Paquistão alem da “produção em serie” de terroristas? Qual a significância atual desta nação ao mundo que não seja pela sua capacidade de desestabilizar por proliferação nuclear irresponsável, mão de obra barata, quase escrava para empreendimentos no Golfo Pérsico ou de produzir roupas e artigos esportivos a preços baixíssimos por não haver qualquer tipo de lei trabalhista? Sem falar que é um dos países que mais persegue cristãos, que mais desrespeita ou simplesmente não tem direitos para mulheres ou até mesmo crianças. Paquistão esta junto com a Coreia do Norte no roll… Read more »

kevinbuenuu
1 ano atrás

Não sei qual ameaça India representa ao Paquistão.

ScudB
ScudB
1 ano atrás

A nota mais correta desta “matéria” foi dada num fórum paquistanês sobre assuntos da defesa defense.pk : “rubbish article, thread closed” (noticia – lixo , as tretas encerradas).
E os Srs Editores ainda deixaram passar esse fake com monte de erros (a fonte – PTI , cc ucraniano OploTTTT(!) , obus M109L de 155mm e etc).
Tristeza…