sábado, julho 31, 2021

Saab RBS 70NG

Estudo do CFN recomenda aquisição de até 30 MBTs

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

M1A1 Abrams dos Fuzileiros Navais dos EUA

Por Roberto Lopes
Especial para o Forças Terrestres

Estudos realizados no âmbito do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) indicam que a força de carros de combate da corporação, atualmente concentrada em seu Batalhão de Blindados, tem capacidade de absorver entre 20 e 30 MBTs (Main Battle Tanks).

A informação foi obtida pelo ForTe junto a fontes que trabalham no programa de reaparelhamento da Marinha do Brasil.

A divulgação da notícia de que o governo dos Estados Unidos ofereceu às Forças Armadas brasileiras carros de combate M1A1 Abrams, dotados de canhão de 120 mm, só fez aumentar a expectativa sobre um possível upgrade no poder de choque dos Fuzileiros.

De acordo com um oficial lotado no Ministério da Defesa, em Brasília, o valor unitário de cada M1A1 estocado nos lotes de material excedente dos EUA poderá variar, de acordo com o nível de modernização a que será submetido, entre 1,3 e 1,8 milhão de dólares.

A questão é saber se o Comandante da MB e o Almirantado aprovarão esse gasto (na hipótese mais ambiciosa, de 54 milhões de dólares), sabendo que a frota atual de tanques leves do CFN – 17 exemplares do carro austríaco SK105A2S Kuerassier, de 17,5 toneladas e canhão de 105 mm – necessita, ela própria, de revitalização, especialmente no grupo propulsor.

O possível advento dos Abrams no CFN forçaria, também, uma provável reestruturação da força de tanques do CFN, hoje organizada na Companhia de Carros de Combate (CiaCC) do Batalhão de Blindados. A CiaCC possui um Kuerassier para o Comandante e quatro pelotões a quatro carros cada um (o 1º pelotão com os carros de 2 a 5, o 2º Pelotão com os carros de 6 a 9, o 3º Pelotão com os carros de 10 a 13, e o 4º pelotão com os carros de 14 a 17), além de uma viatura de resgate.

M1A1 Abrams do USMC desembarcam de uma LCU

Crítica – Em outubro do ano passado, o major de Cavalaria Daniel Longhi Canéppele, instrutor de tiro da VBCCC Leopard 1 A5 BR – e ex-oficial de operações do 1º Regimento de Carros de Combate da 6ª Brigada de Infantaria Blindada, no Rio Grande do Sul – produziu um artigo intitulado “Considerações sobre a eventual compra de carros de combate em substituição ao Leopard 1 A5 BR”.

No texto, o oficial afirma:

“No tocante ao M1A1 ou M1A2 Abrams, acredita-se que algumas peculiaridades desse CC contraindicam sua adoção pela realidade brasileira.
O primeiro motivo seria o fato da alta dependência gerada em relação à indústria bélica estadunidense. O segundo motivo é que, além dos EUA, somente a Austrália e países do Oriente Médio adotam esta plataforma, são eles: Arábia Saudita, Egito, Kwait e Iraque. O terceiro motivo é a tecnologia do conjunto de força, uma turbina multi-combustível Honeywell AGT-1500C que, além de ser mais complexa que um motor a diesel, gera muito mais calor, tornando quase impossível a presença de fuzileiros ao seu redor, o que afetaria drasticamente a doutrina brasileira de emprego de Forças-Tarefas blindadas”.

Há que se levar em consideração, entretanto, que essa é a visão de um oficial do Exército, não de um tanquista dos Fuzileiros Navais – que lida com cenários (ou ambientes) operacionais diversos daqueles vivenciados pelo Exército.

Uns 6.000 M1A1 Abrams foram produzidos no lapso de 1986 a 1992.

Em relação ao M1 original eles representavam uma clara evolução, consagrada no canhão de alma lisa M256, de 120 mm (desenvolvido pela Rheinmetall AG da Alemanha para o MBT Leopard 2), no visualizador térmico independente para o comandante da viatura, no equipamento de navegação por satélite, na blindagem aprimorada e num sistema de proteção tipo CBRN defense (Chemical, biological, radiological and nuclear defense).

A arma principal do M1A1 mostrou eficiência para alcançar alvos situados a mais de 2.500 metros de distância.

Um M1A1 deixa uma LCU (Land Craft Utility) dentro do USS Saipan (LHA 2)

Uma LCU (Landing Craft Utility) do USS NASSAU (LHA-4) leva dois M1A1 Abrams do USMC durante a Operação Iraq Freedom

- Advertisement -

305 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
305 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antunes 1980
Antunes 1980
2 anos atrás

Já está fechado ! Uma oportunidade única de Upgrade !
Sair das sucatas para o melhor MBT do mundo é praticamente ganhar na mega sena.

Jorge alberto
Jorge alberto
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

“Melhor MBT do mundo”, na sua opinião ne?

Kommander
Kommander
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

É por isso que não da pra levar a sério certos comentários aqui…

Pedro nine-nine
Pedro nine-nine
Reply to  Kommander
2 anos atrás

^^

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Kommander
2 anos atrás

O melhor tanque ocidental, sem dúvidas, é o Leopard.
E coloque alguns corpos de vantagem.

Pedro nine-nine
Pedro nine-nine
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Concordo com algo que o antonio disse, leo2 is the best.

Neves João
Neves João
Reply to  Pedro nine-nine
2 anos atrás

O Abrams é o melhor MBT do mundo SIM, o Leo2 sempre foi o favorito, mas nunca participou de batalhas, até arder na Síria e perder a virgindade, mostrando q não é lá essas coisas, os turcos ainda lamentam suas perdas de Leo2, já o Abrams é o cavalo de batalha perfeito, o Rei absoluto, até que provem o contrário.

Ronaldo
Ronaldo
Reply to  Kommander
2 anos atrás

Kkkkk

Cangaceiro
Cangaceiro
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

“Sucatas” = Sua opinião “Melhor MBT do mundo” = Sua opinião.

kornet
kornet
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

Menos,bem menos o Abrams não é isso tudo.

MBT-70
MBT-70
Reply to  kornet
2 anos atrás

Por que não é?

Quais os motivos? Com base em que aspectos técnicos você afirma isso?

Neves João
Neves João
Reply to  kornet
2 anos atrás

Então qual é? O Leo2 que tomou uma surra na Síria?????? Diga qual MBT supera o Abrams????? Se responder Merkava eu até sou capaz de te perdoar…

Andrei
Andrei
Reply to  Antunes 1980
2 anos atrás

Te apresento o tyoe 90 dos japonês, te apresento os t80 russos!
Te apresento uma porrada de tank que humilham o abrams.

MBT-70
MBT-70
Reply to  Andrei
2 anos atrás

Por que humilham?

marcelo israel
marcelo israel
Reply to  Andrei
2 anos atrás

PRIMEIRO o abrams já foi testado em batalha, o T80 russo não, e nem o Type 90, segundo que o unico tank que é melhor que o abrams é o challenger ingles, comparações em tubos de ensaios é para a garotada que gosta de trocar figurinha.

Neves João
Neves João
Reply to  marcelo israel
2 anos atrás

Marcelo, concordo plenamente, eu colocaria o Merkava, das últimas versões, como um MBT espetacular também, testado e aprovado em combates.

Requena
Requena
2 anos atrás

Os americanos oferecem blindados.
Pouco tempo depois o CFN divulga um estudo sobre MBTs na tropa.

Isso é o que chamam de “aproveitar as oportunidades”.

Se Bolsonaro conseguir cumprir a promessa de “não contingenciar verbas da Defesa”, em breve os Fuzileiros vão estar dando “cavalo de pau” nos Abrams.

Requena
Requena
Reply to  Requena
2 anos atrás

Mais ou menos assim:

https://youtu.be/s2hB7A-JjJg

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Tornaria o CFN mais forte que muitos exércitos da região.

Cbamaral
Cbamaral
Reply to  Marcos
2 anos atrás

Com um apoio aéreo mais adequado, quem sabe heli de ataques ? E umas escoltas com misseis de cruzeiro, seria de longe o melhor CFN da América latina.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Cbamaral
2 anos atrás

O Lynx modernizado com míssil Spike já seria uma boa plataforma de ataque.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
2 anos atrás

30 máquinas na melhor das modernizações oferecidas (1,8 mi) vão 54 mi de doletas muuuuuito bem pagos por um MBT que durará tranquilo uns 30++ anos. No caso do EB uns 120 nos mesmos moldes ficaria 216 mi de doletas, fecha a conta e passa a régua pra ontem.

MARCUS DIAS
MARCUS DIAS
Reply to  Tomcat4.0
2 anos atrás

A questão é o custo de manutenção (só feito nos EUA e o consumo de combustibel (mais que o dobro de um motor diesel se comparado com a turbina usando o diesel)

Mauricio R.
Reply to  MARCUS DIAS
2 anos atrás

Eis por que há aquela oficina super anabolizada, da KMW em Sta Maria.
Garantir a participação ativa de uma empresa alemã, na manutenção de seus blindados Leopard e Gepard do EB.
Alemão é bonzinho…

Miguel Lourenço Felicio
Miguel Lourenço Felicio
Reply to  Mauricio R.
2 anos atrás

Não acredito que seja bonzinho, agora se montamos uma estrutura para Leopard, porque mais uma para outra máquina? esses devaneios todos é que nos deixam na situação que estamos. Para os Leopard, valia o teatro sul americano, para os Abrams, vale o que. Usado por usado, e tendo já investido no Leopard, que se padronize o tipo de arma e pensa-se para um futuro, a substituição por outra que atendas as duas forças…..é o que penso.

Luiz Henrique
Reply to  Tomcat4.0
2 anos atrás

não vale a pena o exército adquirir o M1, o EB precisa de centenas de unidades, imagina um carro tão caro de manter como o M1 caindo no bolso do contribuinte.

Alexandre Callix
Alexandre Callix
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

Isso é balela!!!
Roubaram tanto o povo brasileiro nessas últimas duas décadas e a população, o contribuinte alienados, nem perceberam a roubalheira.
Com isso criou-se a mentalidade que o Brasil nunca teria condições de manter os custos, porque sempre estava sob condições financeiras péssimas.
Parte desse dinheiro, teria equipado as FFAA
Com um governo competênte,tem condições de fazer até melhor.

Augusto L
Augusto L
2 anos atrás

Eu gosto dessa discussão, mais não adianta nada compra um CC se o EB não quer mudar a doutrina e comprar um IFV/VCI.
No mais eu sou da Ideia do exército passar os M60a3 TTS para o CFN, do os mesmo comprarem um material novo ou usado.

Fabio
Fabio
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

Augusto. O EB quer sim, e reconhece que o poder de combate de um BI Mec está se mostrando superior ao de um BIB. No entanto o EB não possui dinheiro pra tocar estes dois projetos estratégicos ao mesmo tempo. O que se tem hoje é um perspectiva de mudança da família de Blindados de infantaria lá pra 2027-2030. A não ser que surja Orçamento por parte da união para bancar este projeto junto ao PEE Guarani.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Fabio
2 anos atrás

Simples, tire de outras aéreas.
Porque temos 2 brigadas de RCMec e um RCMec no RS mesmo ? Não vejo utilidade nenhuma, a Argentina não é mais o problema.
Corte o que não for preciso, e botem uma torre de 20 mm no m113, ou, comprem os m113 holandeses ou belgas, que estão encostados e tem um canhão de 20mm, o Chile com comprou um monte na pechincha.

Carvalho
Carvalho
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

São 03 Bgdas CMec:
1ª em Santiago
2ª uruguaiana
3ª bagé

Pelo que conversei com um oficial do EM da 3ª RM em Porto Alegre, desativar uma unidade é tão caro quanto criar uma nova.
Talvez daí a inércia em reorganizar nosso mapa de forças.
O que posso te garantir é que a distribuição das unidades está bastante distante da projeção de ameaças feita pelo próprio MDef.
Estas ofertas “irrecusáveis” do FMS comprometem ainda mais a visão conceitual que o próprio Exército define como desejável para sua força terrestre. É a cenourinha na frente do burro !

Roberto
Roberto
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

A prova é que o Sampaoli já chegou e está dominando tudo, depois vem o resto!!!

Jorge alberto
Jorge alberto
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

Pensei o mesmo: pq nao passar os M60 p os fuzileiros e comorar mais Loepards?

Po… Pessoal nao sab ler! Oficial do EB ja disse q nao nos servem os M1… Eh turbina! Nao motor diesel!!!

Gostaria sim q todos os helis ofertados fossem pegos. Sobretudo os cobras!

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

Simplesmente porque não existe no mercado Leopards 2A4 que o EB quer, tem mais gente procurando que vendendo e versões superiores são proibitivos em preço, está muito difícil achar um MBT quite se adapte as necessidades do MB dentro da disponibilidade financeira.
Se comprar M1 não tem $ para usar.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Marcos R.
2 anos atrás

O Leo 2a4 é tão quanto o M1.

Antony
Antony
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

sem duvidas!

Mas va da manut na turbina de um M1…

Mauricio R.
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

A grande pergunta que ninguém faz: E tem casco de LEO II pra comprar????
Nem na própria Alemanha.

jorge Alberto
jorge Alberto
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

Entendo Senhores: Estamos num “mato sem cachorro”!

se por um lado nao ha cascos de “Leo” a venda e o M1 nos eh proibitivo (o custo)…

O q nos resta eh: Modernizar nossos “LEOs” e/ou adquirir “Merkava”…

Tobias
Tobias
Reply to  jorge Alberto
2 anos atrás

E quanto sairia cada Merkava??

jorge Alberto
jorge Alberto
Reply to  jorge Alberto
2 anos atrás

Colombelli, quais CCs no mundo nao estao?

Como disse: Estamos num mato sem cachorro!!!

Uai! Pq nao teria um bom custo beneficio? Sao os cascos que temos!

Nao ha CCs disponiveis!

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

Destacando a Palavra do oficial:
“No tocante ao M1A1 ou M1A2 Abrams, acredita-
se que algumas peculiaridades desse CC contraindicam
sua adoção pela realidade brasileira”

Perceba que ele diz: acredita-se ou seja não é algum como certo…

jorge Alberto
jorge Alberto
Reply to  Flávio Henrique
2 anos atrás

Expliquei acima…

Repito algumas e acrescento: alto consumo de combustivel, logistica de apoio ao CC em campo (combustivel, manut, etc), treinamento de mecanicos, peças de reposicao (nao fabricamos nada p turbinas no Br), etc… etc…

Airacobra
Airacobra
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

Assino embaixo Colombelli

jorge Alberto
jorge Alberto
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

Bom… se um dentista, medico, advogado, etc opina sobre algo… creio q ele estudou para isso! Um Oficial, estudou para se formar como militar (reconhecido como curso superior!), logo, creio eu, por seus estudos e vivencia operacional, creio q Ele tenha embasamento, pra tal “afirmação”. Quem esta no Estado maior, ja foi Oficial subalterno e confia no parecer de um. Todo mundo faz lobby… isso nao eh novidade! Mas sejamos francos: Tu ja viu uma turbina de perto? Tens nocao do que eh a manut daquilo? Um conscrito que tenha feito curso de manutencao em ciclo otto e diesel do… Read more »

Rogerio
Rogerio
Reply to  jorge Alberto
2 anos atrás

O Oficial e do exercito e disse que o M1 não serve, mas quem esta querendo o tanque é a marinha? Alguma coisa errada não esta certa!!!

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  jorge Alberto
1 ano atrás

Bullshit. Oficial militar ou não, engenheiro ou não, graduado ou não, toda opinião tem o seu lado pessoal, emocional e financeiro. Aspectos técnicos vc encontra positivos e negativos aos montes por aí, só vai depender de vc quais vão ser considerados. Se vc gosta do M1 tem um monte de argumentos a favor. Se vc gosta de Leos tb tem, e por aí vai. E estou falando tecnicamente. No final depende mesmo é da vontade política. Só acho engraçado um argumento do tipo “é muito quente para os soldados ficarem perto”, então como os marines ficam? Se serve muito bem… Read more »

Luiz Henrique
Luiz Henrique
2 anos atrás

“O primeiro motivo seria o fato da alta dependência gerada em relação à indústria bélica estadunidense”…..

Isso não faz nenhum sentido para mim visto o extenso uso de tecnologia americana nas FAs,.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

Pra mim essa parte é forçação de barra em prol da KMW.

Alex
Alex
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

Sim, se for por isso então devemos devolver todos M-109, M-113, M-577 E OS OBUSES M-198….

Pedro nine-nine
Pedro nine-nine
Reply to  Alex
2 anos atrás

Alex, daí talvez não se querer aumentar ainda mais essa dependência????

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Pedro nine-nine
1 ano atrás

Pedro 99, e a gente vai depender de quem???????????? França? Alemanha? Rússia? Ora bolas caçarolas, qual país nos dá tudo desde a WWII?????????? Até a Inglaterra compra via FMS. Se não for os EUA, então não será ninguém, ou vc acha que tem algum país que nos adora?

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

Assim como se comprar Leopard acarretará em “alta dependência gerada em relação à indústria bélica alemã”.
No mais, se escreve estadunidense, já sei que é anti-americano.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

O único problema é que Alemanha, caso tenha uma desavença com o Brasil, nunca terá meios para nos atacar.
Já os EUA teriam os meios e aí o que encontrariam aqui?. Suas armas antigas recauchutadas que seriam fáceis de serem soprepujadas.
Ademais, os EUA têm longo histórico de prejudicar países com os quais não tenham mais afinidades (vide Paquistão, Turquia e etc.).

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Se os EUA nos atacarem, será irrelevante se estares equipados com M1, M1A1, Leo1 ou Leo2. Serão todos eliminados pelo poder aéreo.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

Mas, não precisa facilitar.
Ademais, pense na questão de possíveis sanções e bloqueios.
Por isso é melhor comprar de fontes ‘independentes’.
Acredito que o militar esteja sabedo o que está falando, não?

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

E desde quando Rússia ou China são fontes independentes?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

A China só quer negócios. Não está interessada em política. Tanto é verdade que vem aumentando seus investimentos ao redor do Mundo. Tanto pode ser no Brasil quanto na Alemanha ou EUA.
Até Israel está se beneficiando disso com o aumento do investimento chinês. Comprou as operações dos portos de Haifa e Asdod. Isto tudo para integrar Israel na Iniciativa B&R.

Francisco AMX
Francisco AMX
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

A China quer o mundo, meu chapa… e quer do jeito dela, e, a depender de pessoas que pensam como vc, vai conseguir… depois não reclama que não tem internet para colocar as ideias…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Sim. E trarei cada vez mais novidades para você.
Aposto que esta dos portos israelenses vc não sabia, né?

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Facilitar com o quê????? É como Hitler disse uma vez, que se ele quiser tomar o Brasil bastaria um telefonema (história lenda)

ODST
ODST
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

Rafael Oliveira

Largue o Call of Duty. Se no Vietnam o EUA sofreu com a defesa anti-aérea, imagina o trabalho que o Brasil daria caso se equipe com os meios adequados e novos caças.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  ODST
2 anos atrás

Acho que nesse caso, não há muita discussão.
O especialista militar desqualificou o equipamento americano.
Ele foi simples e direto.

Flanker
Flanker
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Não! Ele não desqualificou o equipamento. Ele disse que seria de manutenção cara. É outra coisa! Quanto à dependência dos EUA é o mesmo que dpender da Alemanha.
Quanto a sanções por parte dos EUA, quando foi que ficamos sem receber suporte técnico e suprimentos para nossos equipamentos de origem norte-americana? Nem nos tempos dos governos petistas, tão afeitos aos Irã, Venezuela, etc

ALEX TIAGO
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Em minha opinião é uma opinião de um especialista militar ou pode ser de vários não estou dizendo que é uma opinião ruim ou que devemos comprar ou não comprar mas devemos olhar em todas as direções além do mais as discussões em espaços como este sempre nos trazem boas reflexões sobre o assunto. No meu ponto de vista temos opiniões de militares com diferentes visões por exemplo o Sr colombelli militar de carreira tem uma visão interessante com certeza divergências sempre terá entre esse é aquele agora na minha opinião eu acho que nesse momento o melhor seria a… Read more »

Rogerio
Rogerio
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Você sabe ler em português ou só sabe mandarim?
-“No tocante ao M1A1 ou M1A2 Abrams, acredita-
se que algumas peculiaridades desse CC contraindicam
sua adoção pela realidade brasileira”, ele não tem certeza no que diz, ele disse que acredita, como você também acredita que a China e uma ” democracia” e não esta preocupada com Política, é claro que não la, só tem um partido, e a oposição eles matam, lembra do massacre na praça ? Continue com seu mantra vermelho, ninguém acredita mais nestas balelas comunistas, acredito que só você acredita nelas.

Wilson França
Wilson França
Reply to  ODST
2 anos atrás

Disse bem. CASO o Brasil se equipe com os meios adequados e novos caças.
Eu também acho que, CASO o Brasil se equipe com 18 porta aviões lotados de Gripens Navais, mais 100 escoltas com mísseis de cruzeiro, mais uns 30 submarinos nucleares, mas 200 bombardeiros de longo alcance e mais algumas coisinhas, podemos nós atacar os EUA.

Kommander
Kommander
Reply to  Wilson França
2 anos atrás

E pra que nós vamos atacar os EUA? Estamos falando em defesa.

Cangaceiro
Cangaceiro
Reply to  Wilson França
2 anos atrás

kkkkk Muito bom!!!

Francisco AMX
Francisco AMX
Reply to  ODST
2 anos atrás

desculpe, mas não resisti…kkkkkkkkkk, na verdade vc é que está no mundo dos games virtuais… basta um SG na USN para por as forças armadas brasileiras de joelhos… em poucas horas… Gripens seriam destruídos nos hangares por uma chuva de tomahawks… a USN nem teria trabalho de mandar seus SH armados com 6 AMRAMs,,, agora, se vc está falando no modo utópico, em que o Brasil passe a gastar 80% de sua receita em armas e 20% em salários (inverter a situação) dae, podemos brigar por uma semana, quem sabe… só combina com os russos (milicada que não quer perder… Read more »

Airacobra
Airacobra
Reply to  ODST
2 anos atrás

ODST, o Iraque por exemplo tinha uma excelente estrutura de defesa antiaérea na empoca da tempestade no deserto, mas mesmo assim foram completamente anulados.

MARCIANO AGENOR MARCELINO
MARCIANO AGENOR MARCELINO
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

Igual ao Vietnã…😂😂

Francisco AMX
Francisco AMX
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

hum…então quer dizer que se tivermos 300 Leopards 2, e uma outra diversa fonte de armas não americanas, vamos oferecer oposição aos USA? isso? ao invés de nossos soldados morrerem montados em equipamento americano vão morrer em equipamento alemão…

Mauricio R.
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Os alemães não precisam nos atacar, basta cortar o fluxo de peças sobressalentes.
Já fizeram isso no passado, não é nenhuma novidade.

Kommander
Kommander
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

Não é anti-americano. Só usa a ortográfica correta, já que “americano” é todo indivíduo que nasce no continente americano e não quem mora nos EUA.

Lucas Senna
Lucas Senna
Reply to  Kommander
2 anos atrás

Quem nasce nos EUA é tão “estadunidense” quanto quem nasce no Brasil é “republicofederativense”.

marcelo mariano
marcelo mariano
Reply to  Lucas Senna
2 anos atrás

Gostei, Lucas. “Republicofederativence” é mesmo uma ótima comparação para essa coisa de “Estadunidense”.

Paulo Siqueira
Paulo Siqueira
Reply to  Kommander
2 anos atrás

O nome do país é América!Estados unidos é a designação de estado!Já fomos Estados Unidos do Brasil e no entanto sempre fomos conhecidos como Brasil!O México é o mesmo caso ,Estados unidos mexicanos!Eles escolheram o nome deles como América,e ponto!

marcelo israel
marcelo israel
Reply to  Paulo Siqueira
2 anos atrás

não é assim tão simples como vc escreveu, o Brasil tambem é considerado americano mas ele é SUL AMERICANO

Antony
Antony
Reply to  Paulo Siqueira
2 anos atrás

Isso ai!

Vovozao
Vovozao
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

23/01/19 – quarta-feira; btarde; sr Colombelli, nao consigo entender o CFN quer os MBT’s turbinados e a propria MB não compra as fragatas OHP; dizendo que por ela ser de turbina consome muito; fica meio estranho MBT’s com turbinas pode; frgatad OHP com turbinas não podem????? Explique???

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

O Major, que é especialista no assunto, foi preciso nos argumentos.
Creio que ele sabe muito bem o que está falando.
Só não entende quem não quer.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Antoniokings
2 anos atrás

Ele apenas disse que recomenda o leo2a6 e aceita o 2a4 com ressalvas, não diz que os M1a1 não prestam. Só diz que é preferível a linha leo2 por causa de custo menor de consumo de combustível e por já ter a kmw instalada no país. O consumo ok. A dependência dos EUA da na mesma com a dependência da Alemanha. Agora vem o outro lado: Quais países possuem Leo 2A4 e estão dispostos a nos doar? Quais países possuem Leo 2A6 e estão dispostos a vender por cerca de 1,3 a 1,8 mi cada? Em ambos os casos, a… Read more »

Fernando Preto
Fernando Preto
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

Quando a tal “crítica” começou usando o termo “estadunidense” já dava pra saber o que vinha.

Celso
Celso
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

Parei de ler quando li isso…..Falar isso aqui no Brasil é quase uma piada….

marcelo israel
marcelo israel
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

e a alta dependencia da tecnologia alemã de tank, não é a mesma coisa ou só vale para os EUA e para a Alemanha não?a meu ver os dois tanks se equivalem mas temos a oportunidade de tem um tank realmente poderoso para fazer frente a qualquer um, alem de ele vir com o canhão do leopard 1a5 que é o L7 ingles

jorge Alberto
jorge Alberto
Reply to  Luiz Henrique
2 anos atrás

a turbina…. a turbina… !!!

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Luiz Henrique
1 ano atrás

É mais um argumento pífio e ridículo.

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
2 anos atrás

A FFN deveria seguir os passos do EB. Explico: A KMW possui já instalações aqui, desenvolveu simuladores para a instituição, dá suporte logístico e treina os mecânicos do EB, há toda uma doutrina já desenvolvida pela instituição e o EB pretende em meados de 2020 substituir os Leos 1A-5BR por modelos Leo 2A4 e na década de 2030 complementar essas dotações com Leos 2A-6 podendo ser até mesmo 2A-7. Exposto o acima seria mais plausível para a FFN adquirir os mesmos modelos do EB equipados com as especificações da força pois isso facilitaria tudo em termos de logística, manutenção, treinamento… Read more »

Otto Lima
Reply to  Gonçalo Jr.
2 anos atrás

Fernando, o que a Espanha fez foi LEASING, que nada mais é do que um aluguel com opção de compra ao final do contrato.

Pedro nine-nine
Pedro nine-nine
Reply to  Otto Lima
2 anos atrás

Otto, é mais ou menos isso.

Alex
Alex
Reply to  Gonçalo Jr.
2 anos atrás

Onde tem Leopard 2A4 disponíveis e em quanta quantidade?

Sidy
Sidy
Reply to  Alex
2 anos atrás

Pois é. O pessoal fala como se fosse ir lá na esquina e comprar um lote. Gostaria de ver quem sugere isso explicar de onde eles viriam… e como seria feita a manutenção, já que o parque instalado no sul serve o Leo 1A5 mas não tem nada a ver com a família Leo 2.

Pedro nine-nine
Pedro nine-nine
Reply to  Alex
2 anos atrás

Na versão 2a4 e em condições de uso, acho que em lado nenhum Alex.

Flanker
Flanker
Reply to  Gonçalo Jr.
2 anos atrás

Leopard 2A4 de qual origem? Quem tem pra vender? Quantos? Quem tem, não vende, e tem muito mais gente querendo esses Carros além de nós. E o Brasil vai precisar, no máximo para o final da década de 2020, um mínimo de 220 CC para substituir os Leopard 1A5 nos seus 4 RCC’s. E tem ainda os 4 RCB’s. O ideal seria uma padronização de equipamentos (hoje temos Leo 1A5, 1A1 e M-60). Para os RCB’s, considerando 2 esquadrões de 12 carros (mais 1 para o comandante de cada esquadrão) e mais 2 (1 para o comandante e 1 para… Read more »

ADLER MEDRADO
Reply to  Gonçalo Jr.
2 anos atrás

Já falaram umas 500 vezes aqui que não há disponibilidade de Leo2A4 no mercado.
Vocês querem tirar esses leo2 de onde?

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Gonçalo Jr.
2 anos atrás

A última coisa que a MB quer é ter os mesmos fornecedores do EB. Não compram nada que o EB usa (figura de linguagem), nem fuzil.
Tudo a ver com a criação de linhas de fornecimento diferentes, contatos empresariais não compartilhados, processos de aquisição totalmente controlados.

SR2
SR2
2 anos atrás

Levando em consideração que além de terem um gasto de operação maior por causa do uso da turbina, os M1A1 oferecidos provavelmente não possuirão a blindagem de DU que é uma das principais vantagens do modelo, somente presente blindados operados pelos EUA. Os fuzileiros navais necessitam de um upgrade nos seus veículos blindados mas analisando o custo dos veículos (aquisição. upgrade, operação e manutenção) e a situação da força de superfície da Marinha que necessita urgentemente de investimentos, a escolha pela segunda opção na atual conjuntura é muito mais acertada.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
2 anos atrás

Se for 30 para o CFN é algo aceitável, agora se for para substituir o Leopards, acharia um erro…
Desse listão de equipamentos ofertados, só o Abrams e os Supercobra, se fossem para o CFN seria bom, mas as OHPs e os F-16 não seriam atraentes, melhor esperar o Gripen, e se for para comprar outras aeronaves, que seja os Gripen C/D.

Cbamaral
Cbamaral
Reply to  Adriano Madureira
2 anos atrás

Ainda acho que uns 12 F-18 ou quem sabe F-16 modernizados para a marinha, ao lado de uns cobra, não sairiam tão caros e seriam uma boa, visto que o gripen naval vai demorar pra sair do papel ( se sair), não sei a MB teria orçamento para operar o NG, além disso daria um belo poder de fogo aos CFN.

Mas, é claro que escoltas e submarinos parecem ser a prioridade de MB

Lewandowski
Lewandowski
2 anos atrás

As primeira e segunda contraindicacao do Sr Caneppele não vejo sentido.
.
1) alta dependência gerada pela indústria bélica dos EUA: como assim? Então temos alta dependência dos alemães, pois Leopard e Gérard são de lá! Tirando os subs da marinha…
.
2) somente os EUA e… Che, mas logo na linha abaixo diz que 6000 unidades do modelo foram construídas! Quantos Leo da primeira geração foram mesmo? Sendo que os EUA ainda utilizarao o A1 e A2 como MBT ainda por muito tempo… só isso já viabiliza a logística…
.
Sds

Jorge alberto
Jorge alberto
Reply to  Lewandowski
2 anos atrás

“Alta dependencia”, pois nao produzimos nem 1 parafuso pra turbina do M1.

Ao passo q um motor Diesel, temos um amplo parque de manut.

Foi assim q entendi.

Mauricio R.
Reply to  Jorge alberto
2 anos atrás

E a eletrônica do controle de tiro, dos rádios, a manutenção vem de onde????
E as sapatas das largatas????
Não é somente motorização, não.

Ceip
Ceip
2 anos atrás

O Corpo de Fuzileiros Navais, já deixou claro que quer novos mbt no seu Batalhão de Blindados de Fuzileiros Navais.
30 M1A1 Abrams, vai deixar muitos fuzileiros felizes.

DOUGLASTARGINO
DOUGLASTARGINO
2 anos atrás

Que venham 220 tanques de 120mm para o exercito e 35 para marinha. E pelo menos 36 cobras para 36 cobras.

TeoB
TeoB
2 anos atrás

Olha, considerando que o CNF é uma força expedicionária, que pode vir a enfrentar teatros mais variados, necessitando de qualidade e poder de fogo, dependendo do custo, e só por isso. iria sim com os M1 mas com canhão de 120mm, mas repito dependendo do custo, já que são poucas unidades e não ia ser o bicho de sete cabeças… Mas para o EB que precisa alem da qualidade, quantidade, e tem já uma doutrina consolida e uma parque de manutenção idem via KMW, eu iria de leo 2, compraria a quantidade que der e modernizaria aqui no Brasil mesmo,… Read more »

Sidy
Sidy
Reply to  TeoB
2 anos atrás

Quem tem Leo 2 para vender? E vai construir uma planta para manutenção dele? Porque a do Leo 1A5 não serve… detalhe sua proposta, por favor.

Mauricio R.
Reply to  TeoB
2 anos atrás

Modernizar com kit “made in Germany”, é muita independência.

Geferson
Geferson
Reply to  TeoB
2 anos atrás

Pelo que sei, não existem Leo2 usados disponíveis para venda, pois a procura é muita, e quem tem não vende. Soube que EB quer o 2a4, mas esta indo para M1A1 por falta de opções no momento

Pedro
Pedro
2 anos atrás

CFN nem sempre caminha junto com o EB. Basta ver os blindados, sistema de artilharia (morteiro) e até armamentos de sua infantaria que sao diferentes do Exercito. Inicialmente, o oferecido era o modelo de 105mm e agora dizem ser o de 120mm. Sobre o veiculo em si, no CFN tem que ser avaliada sua logística, como munição, combustível, transporte, reparo e peças de reposição. Alem disso, com sua elevada massa, como ficam os meios de reparo do CFN em campo? Teremos um veiculo de socorro ou se o pino da esteira soltar, teremos que chamar algum técnico dos EUA para… Read more »

Gabriel
Gabriel
2 anos atrás

Sim é uma oferta única. Mas o exército poderia trazer de volta o Osório modernizado criar uma indústria nacional de carros de combate.

TeoB
TeoB
Reply to  Gabriel
2 anos atrás

Na minha opinião o carro de combate nacional para nós nunca foi o Osório, e sim o Tamoyo III! esse era com a maioria das peças nacionalizadas, usando blindagem composta com cerâmica que poderia ser produzida localmente, o seu peso era mais adequado a infraestrutura tando do EB quando das nossas estradas e pontes, seu motor poderia ser fabricado sob licença localmente, sistemas de estabilização do canhão e ópticos também… enfim foi feito para o Brasil e no Brasil! Mas ficou no passado e hoje não convém ressuscitar tais projetos, pois muito se evoluiu nesse tempo. seria como o Fusca… Read more »

cwb
cwb
Reply to  Gabriel
2 anos atrás

Administradores da trilogia:
Pediria para que fosse colocado uma matéria sobre o mbt osório,onde fosse discutido exaustivamente até pedra virar pó e jogássemos esse pó para o vento levar e nunca mais ser falado.
Poderíamos fazer o dia do osório,somente para debater novamente as varias teorias existentes.
Mas não voltarem com isso nos debates,pois não acrescenta nada e perdemos a chance de ler bons comentários de pessoas ligadas à área militar.
Com respeito a todos os amigos!

Doug385
Doug385
Reply to  cwb
2 anos atrás

Eu já sugiro um filtro para bloquear de vez a palavra “Osório”. Já deu disso. Morreu!

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Gabriel
2 anos atrás

Como é que de moderniza um tanque que só teve 2 protótipos? O Osório sequer entrou em produção, e mesmo que o Brasil resolvesse construir uns 200 dele, teriamos o seguinte quadro: a) Seria ultrapassado; b) No máximo, seria considerado um tanque revitalizado com novas tecnologias, mas não seria um projeto inteiro novo; c) seria caríssimo, porque não tem escala de produção.

ADLER MEDRADO
Reply to  Gabriel
2 anos atrás

Lá vamos nós… Osório…

Mauricio R.
Reply to  ADLER MEDRADO
2 anos atrás

Deixem esse defunto quieto, que descanse em paz!!!!

João Bosco
João Bosco
2 anos atrás

Uns 50 desse tanque para o CFN não seria uma má ideia: 30 em uso e 20 como fonte de peças de reposição. A oferta é muito tentadora para o CFN, mas não para o EB, pois este tem toda uma cadeia logística ligadas aos Leos alemães. Acho que, mesmo com os problemas apresentados pelos M1, vale a pena a compra.

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Tá bom… M1A1 revitalizado e com alguns sistemas modernizados por 1,8 milhões de dólares… E fecha nisso, mágicos 54 milhões de dólares. . Sonha que te faz bem. . O resto ninguém fala. . Pacote de munições, para combate e treinamentos. A grana das Metralhadoras, lança granadas, e demais logística referente a isso. Frete. Treinamentos. Logística de apoio, contrato de manutenção do ciclo de vida e sobressalentes. Adequação das oficinas de manutenção. Mais treinamentos… . Pode botar 4 milhões cada, com tudo o que se precisa para comprar, operar e manter. Muito menos que isso, passa a ser uma ilusão.… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Bardini, Com relação a valores os EUA doaram 150 M1A1 para o Marrocos. O valor pago de pouco mais de U$ 2 mi a unidade foi para modernização. O carro veio tinindo, com pacote especial de blindagem. Versão SA Special Armor. E parece que esse valor incluiu tudo. Diferente do Leo 2A4 que Custou cerca de 880 mil dólares cada um. Pagar 880 mil + a modernização aí fica bem mais caro. Mas vindo Grátis, e pagando somente a modernização como foi o caso do contrato com o Marrocos, aí compensa muito. Sem falar que esse M1A1 SA do Marrocos… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Luís Henrique
2 anos atrás

2 milhões você compra o MBT e moderniza… e o resto?
.
Foi muito mais caro que isso…
.
Se somar o primeiro e o segundo pacote que está sendo negociado, contendo tudo que é necessário e os Abrams, bate 2 bilhões de dólares.

Manuel Flavio
Manuel Flavio
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Nao, no aos do Marrocos o pacote incluia cerca de 13 mi munições de 120mm. Envolvendo eia treinamento e transporte.
Foram modernizados para o padrão M1A1 SA. O SA é moderno.
E sabe.porque foi barato desse jeito? O blindado em.si foi doado. Foi cobradas as modernizações, munições, transporte, etc.
São 3.500 M1A1 e IPM1 ambos com canhão de 120mm na reserva.

MBT-70
MBT-70
Reply to  Luís Henrique
2 anos atrás

Bardini, esses últimos 162 M1A1 que o Marrocos irá receber serão fornecidos por meio do programa Excess Defense Articles (EDA). O programa prevê a transferência de equipamentos de defesa “em excesso” dos estoques das forças armadas americanas para governos estrangeiros ou organizações internacionais. Eles podem ser fornecidos ao país parceiro (leia: nação considerada “amiga”) a um preço reduzido ou como uma concessão (doação mesmo). Caso sejam vendidos (via FMS), o preço é dado como uma porcentagem do valor de aquisição original e varia de 5% a 50% dependendo da idade e condição. No caso de doação, a nação recebedora arca… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  MBT-70
2 anos atrás

Então tá, vamos lá… . Entra lá no site do EDA e baixa a planilha, onde constam os valores dessa “doação” para o Marrocos. . Te dou o caminho: https://www.dsca.mil/programs/excess-defense-articles-eda Clicar em “Access the Database” e baixar a planilha… Abrir e rolar até a linha 136. Rolar a barra para a direita e verificar o valor de $387.737.118,00 pagos por 162 unidades disponibilizadas, das 222 que solicitadas. . $387.737.118,00 / 162 = quase 2,4 milhões . Aí vem essa parte: https://www.gd.com/news/press-releases/2015/09/general-dynamics-awarded-358-million-150-m1a1-sa-abrams-tanks-morocco . Mais abaixo, rolar e ver linha 2619. Rolar a barra para a direita e verificar o valor de… Read more »

MBT-70
MBT-70
Reply to  MBT-70
2 anos atrás

Vamos lá: . Os $387.737.118,00 estão na coluna “Total Acquisition Value”. Esse é valor pelo qual esse número de veículos foi comprado originalmente. . Veja que na coluna “Total Current Value” está o valor de $38.773.711,8. Esse é o valor pelo qual os 162 M1A1 seriam transferidos se fossem vendidos via FMS (10% do valor original). . Note que na coluna “Transfer Authority” consta “Grant Authority” e não “FMS Sales”. . Isso está explicado na página inicial do programa: https://www.dsca.mil/programs/excess-defense-articles-eda “The recipient country, the item(s) to be transferred and the quantity of each, the implementing agency for each transfer (Army,… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  MBT-70
2 anos atrás

Sorry, realmente confundi “Total Acquisition Value” com “Total Current Value”…
.
But…
.
Como você mesmo disse, a modernização é um contrato a parte, confirmado por mim, no link que postei da General Dynamics.
.
E se olhar o pacote adquirido, tem muita coisa além dos MBTs, pq no mundo real é assim, precisa operar e manter.
.
No final das contas, continuam valendo os mais de 2 bilhões de dólares gastos pelos Marrokinos…

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Bardini, eu entendi diferente. Vou explicar e depois você confere. 1) 200 m1A1 solicitados com o valor “podendo” chegar em mais de 1 bi dependendo das especificações finais. Informe ao congresso. Na hora de fechar o contrato, escolheram o M1A1 SA e o valor ficou assim: 17,2 mi para os 50 primeiros e 358 mi pelos 150 restantes, aí inclusos metralhadoras diversas, rádios, munições em grande quantidade, apoio e suporte logístico e treinamentos. Total de 358 + 17,2 = 375,2 mi para 200 M1A1 SA Ou 1,876 mi cada. Algumas fontes falam em 222 carros, talvez incluindo veículos especiais. 2)… Read more »

Kommander
Kommander
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Tá difícil debater aqui, a galera coloca a emoção na frente da razão. Querem M1 pra ficarem entulhados em Santa Maria, mas pelo menos vão poder dizer “nós temos Abrams, isso que importa”.

Cangaceiro
Cangaceiro
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Bardini, A turbina é realmente um problema em termos de maior gasto de combustível, manutenção mais complexa, e também mudança de doutrina em termos das tropas seguirem atrás dos CC. Ao mesmo tempo, temos alguma eventual modernização, munições, ferramental, tudo como você bem abordou. Muitas vezes nos comentários nós lemos “comprem X, comprem Y e moderniza” como se uma modernização num avião de guerra, numa fragata ou num MBT fosse trocar umas “pecinhas baratas” e não as vezes custar tanto quanto o chassi básico daquele equipamento. Mas mesmo que o preço atinja os 4 milhões de USD, temos outras opções?… Read more »

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Correto Bardini, mais do que 18 células não seriam necessárias, junto com os veículos de apoio e de socorro que são bem mais baratos. Um conta de padaria de 3.5 a 4 milhões com tudo, daria aí uns 55 a60 milhões de dólares. Não é nada fora do contexto.

Mauricio R.
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Com os alemães não tem EDA e nem FMS, é o preço cheio e só.
Uns 5 a 7 milhões USD por casco.
Fora sobressalentes, consumíveis, treinamento , ferramental, bancadas e simuladores.

Luís Henrique
Luís Henrique
2 anos atrás

Leo1A5 para os fuzileiros? Vc quer enviar nossos fuzileiros para a morte? Esses leo1A5 só servem para treino
Para um conflito, não aguentam um de baixa intensidade.

São peneirados por um jipe velho com uma 30mm

Gabriel Oliveira
Gabriel Oliveira
2 anos atrás

A idéia principal de eventualmente em meados da década de 20 ter o Leopard 2A4 ou A6 seria extremamente racional,mas o problema é,não há muitos Leopards 2 disponíveis,quem tem não quer vender e se vender imagino que seja os olhos da cara,desenvolver nacionalmente um blindado sem chances,adquirir um modelo oriental ou russo não faz a cara das forças armadas brasileiras,até a doutrina blindada dos russos é diferente,franceses?italianos?Israelenses?japoneses?sul coreanos?todos muito caros. Logo o que se terá no mercado são M1 Abrams,é claro espero que os pontos negativos do Abrams são bastante conhecidos,assim como os da maioria dos blindados aqui citados,os do… Read more »

Doug385
Doug385
2 anos atrás

É? E o EB vai tirar Leo 2A4 de onde? Não tem mais disponível e quem tem vai usar até o osso!

Alex
Alex
Reply to  Doug385
2 anos atrás

Eu acho que o pessoal não leem os comentários, desde o ano passado o pessoal vem falando por conhecimento que não existe mais Leopard 2A4 disponíveis. Leopard agora é somente novos ou nenhum.

Juarez
Juarez
Reply to  Alex
2 anos atrás

Alex, não adianta repetir o óbvio, alguns aqui teimam, e insistem em permanecer torporizados no mundo encantado.
Já foi dito e repetido que seriam necessários elo menos uns 250 chassis de leo 2A4 pares de construção, o que não existe, mas eles insistem.

Luís Henrique
Luís Henrique
2 anos atrás

Se algum país oferecer Leo 2A6 pelo mesmo preço e em quantidade suficiente para suprir as necessidades do EB e do CFN, OK. Não tem problema, ambos MBT se equivalem.

O problema é que o estoque alemão de leo2 parece que chegou ao fim.
E a Europa se sentindo ameaçada pela Rússia, não sei se vamos encontrar Leopards 2 A4 ou A6.

Novo custa Muito.

Aí a opção de M1A1 por 1,3 a 1,8 mi a unidade, e modernizados, se torna uma ótima opção.

O Marrocos comprou o M1A1 SA por pouco mais de u$ 2 no cada.

Alex
Alex
Reply to  Luís Henrique
2 anos atrás

Não temos outra opção a não ser os M1A1, e se ficarem de frescurinha, daqui a pouco não teremos mais nenhuma a não ser zerinhos de fábrica, aí quero ver….

Wallace silva
Wallace silva
2 anos atrás

Alguém sabe dizer se os motores a turbina dos M1A1 podem ser substituídos por motores diesel?

Junior
Junior
Reply to  Wallace silva
2 anos atrás

Poder, pode, o problema é achar $$$$$$$$$$$$$$$ para fazer isso, dinheiro esse que tanto o EB, quanto o CFN não tem. Se ambos aceitarem a oferta de M1A1, não se engane, eles virão com as turbinas e talvez com alguma modernização básica, nada muito caro, basta lembrar a situação dos M109, a maioria veio praticamente do jeito que estava no deserto e 32 vão vir modernizados

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Junior
2 anos atrás

Não entendi assim. Veja o exemplo do Marrocos. Os M1A1 foram de graça. Eles pagaram para a revitalizacao completa e modernização.

Os carros foram desmontados e revitalizados para a condição de 0 km. Foram modernizados com novos sensores e uma blindagem melhorada. E entregues como novos ao custo de 2,3 mi cada.

Portanto esses 1,3 a 1,8 mi deve ser algo muito parecido. Principalmente a opção de 1,8 mi.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Wallace silva
2 anos atrás

Nao precisa.
A turbina é multicombustivel.
Coloca Etanol ali e manda bala.

Juarez
Juarez
Reply to  Luís Henrique
2 anos atrás

Não dá para colocar etanol,além de ser extremamente volátil que tem agua junto. O ideal seria usar diesel S 10 sem adição de biodiesel. Rodaria redondo tanto quanto um V 8 com gasolina de 100 octanas.

Alexandre ziviani
Alexandre ziviani
Reply to  Wallace silva
2 anos atrás

Pode ser instalado o sistema auxiliar de força (UAAPU),que poder diminuir drasticamente o consumo de combustível.

Alex
Alex
Reply to  Wallace silva
2 anos atrás

Poder, pode. Problema é quem tem trocar ela e mais a transmissão, e o custo disto tudo valeria a pena?

Mauricio R.
Reply to  Wallace silva
2 anos atrás

Péssima ideia, vai criar uma mosca branca que só existe aqui.
Pior até que a jabuticaba.

Paulo Roberto Amorim
Paulo Roberto Amorim
2 anos atrás

Amigos, alguem sabe se o nosso navio Almirante Saboia comportaria alguns M1A1 Abrams ? a rampa dele possui espaço e limite de peso suficiente pra realizar operações com esse carro de combate?

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Paulo Roberto Amorim
2 anos atrás

A rampa suporta até 75t(curta?)

Lucas Schmitt
2 anos atrás

Não tem Leo 2 disponível pra compra cara, todos os usuários não vão abrir mão. Se quiser Leo 2 tem que comprar NOVO, por 20, 30 milhões de euros. Você e muita gente aqui ainda não entendeu isso.

Lucas Schmitt
2 anos atrás

O pessoal fala tanto em leopard 2, mas não para pra pensar de onde eles irão sair? A Alemanha possue algumas centenas, e eles precisam devido a proximidade com a Rússia. Os outros usuários são quase todos europeus e também precisam, tanto para se manter na Otan, tanto para se sentirem mais seguros quanto a ameaça russa. Resumindo, que tem Leo 2 vai usá-los até o OSSO, não vamos achar usados em bom estado nunca. O que sobra é a compra de Leo 2 novos, o que sinceramente eu não preciso nem comentar devido o preço. Outros foristas falam tanto… Read more »

Sidy
Sidy
Reply to  Lucas Schmitt
2 anos atrás

O M1A1 talvez não seja o melhor para nós, mas é a única opção que nos resta. Simples assim. Como diz o pessoalzinho por aí, “aceitem que dói menos”.

horatio nelson
horatio nelson
2 anos atrás

pq ninguém fala do merkava…desde o dia 01/01 temos uma parceria militar com israel tbm tenho certeza q só não teremos se não quisermos assim como o abrams q está sendo jogado no nosso colo…em breve abrams por aqui tbm.

Frederico
Frederico
Reply to  horatio nelson
2 anos atrás

Seria uma ótima, mas tem duas questões: 1) Israel não tem para doação (FMS), teríamos que comprar 0 km; 2) custam muito caro. Logo, não tem como ver o Merkeva com a farda do EB, nem do CFN.

blackwather 550
blackwather 550
Reply to  Frederico
2 anos atrás

sem contar o peso.
merkava chega a 65 toneladas na ultima versao.
um excelente mbt para deserto,mas pesado demais deve atolar facil em locais com solo mais mole.

Fabio
Fabio
2 anos atrás

Não concordo com a questão da dependência da industria bélica americana para descarta os Abrams, pois essa dependência existe tb em relação ao Tanque Leopard, apesar do Complexo de manutenção do Leopard no sul, o exercito tem tido alguns problemas pelo alto valor cobrado na manutenção e peças do Leo1 A5. Sendo que Abrams o custo da peças deve ser bastante inferiores pela quantidade de tanques produzidos, sendo de mais fácil aquisição. Um Tanque M1A2 Abrams de 120 mm por 1,3 a 1,8 milões modernizado e ainda com linha de financiamento altamente vantajoso…Vou resumi a historia e o mesmo que… Read more »

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Fabio
2 anos atrás

Pois é , e diferente do governo dos EUA, o governo alemão não anda nada de bem com o atual governo brasileiro(por não apoiarmos mais as ideologias e modinhas da vida globalizada) e tem matéria no DefesaNet falando que a KMW está tentando trazer a fabricação de seu blindado anfíbio(se não me engano) para Santa Maria pra não perder a bocada e tentar melar a vinda dos M1A1( até parece que vão brotar Leo2A4 do chão). Abaixo parte do texto; ” O Embaixador Witschel tenta conter as críticas, do governo da Chanceler Merkel ao Brasil, e manter os canais abertos… Read more »

Junior
Junior
Reply to  Fabio
2 anos atrás

O tanque oferecido foi o M1A1 e não o A2, o 1,3 a 1,8 é preço somente da modernização, ou seja, o cliente escolhe o que quer modernizar, creio que o pacote final fique bem mais caro que isso, pois terá que se montar toda uma infraestrutura para esse tanque aqui no Brasil que não existe. Entendo aqueles que dizem que não temos alternativas, mas não se enganem, essa brincadeira não vai sair tão baratinha assim como alguns aqui dizem, especialmente para o EB que precisa de uma quantidade considerável

Claudio Luiz
Claudio Luiz
Reply to  Junior
2 anos atrás

Não existe armamento de qualidade “baratinho”.
Existe sim uma análise de custo x benefício, que no caso desse MBT via FMS, se mostra como a única viável financeiramente no atual momento que o Brasil atravessa.
Também inexiste qualquer equipamento seja militar ou não que não necessite de suprimentos e de manutenção.
Nosso emprego de meios militares é feito com parcimônia e dessa forma o desgaste dos mesmos ao longo do seu ciclo de vida é muito inferior quando comparado a sua utilização pelos EUA.

JonasN
JonasN
2 anos atrás

O M1A1 pode ser atualizado para a versão mais moderna M1A2 SEPv3, ou seja ele tem potência para ser usado por várias décadas pelo Brasil. Em relação ao suporte logístico, se fosse comprado para o EB e CFN teria uma quantidade significativa, podendo ter o mesmo tipo de contrato do 1a5br para manutenção no Brasil.

Faz a compra de 30 unidades para o CFN e algumas unidades para o EB ir adquirido conhecimento até a troca completa em 2029, ou até mesmo já implementa como o blindado nos RCB.

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
2 anos atrás

Sou a favor de desenvolver um veículo nacional. Nós não temos nenhuma ameaça iminente em nosso cenário e por isso podemos muito bem gastar uns 10 anos no desenvolvimento de um MBT que pode chegar próximo às 500 unidades. Tanto a IVECO, como a KMW ou os israelenses adorariam participar de um projeto desse. Não adianta nada sair de uma sucata para outra. Ou vai direto para os Leopards 2 que já estamos acostumados a usar.

MBT-70
MBT-70
Reply to  Daniel Ricardo Alves
2 anos atrás

“Ou vai direto para os Leopards 2 que já estamos acostumados a usar.”

Não sabia que o EB operava o Leopard 2. Então não estamos tão ruim quanto pensava.

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
Reply to  MBT-70
2 anos atrás

Quer dizer que quis ser engraçadinho e prestou atenção no erro de digitação, mas não nos argumentos? Quantos anos será que o MBT-70 tem? Doze?

Alex
Alex
Reply to  Daniel Ricardo Alves
2 anos atrás

Não estamos acostumados a usar Leopards 2. Desenvolver um CC nacional custa muitos bilhões, muito mais caro que os Leopards 2A6 e M1A1 por FMS, não teríamos escala para eles e assim a manutenção se tornaria mais cara que o 2A6 e M1A1.

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
Reply to  Alex
2 anos atrás

Foi um erro de digitação. Eu quis dizer que já estamos acostumados a operar os Leopards e temos uma filial da KMW aqui. Seriam aproximadamente 500 veículos. O que já é uma quantidade razoável para uma produção no Brasil. E sendo de produção nacional, seria mais barato de manter que qualquer veículo internacional com peças compradas em dólares ou euros. Sem falar que correm notícias que os alemães já estão desenvolvendo uma nova geração de blindados. Ou seja, quem sabe dá para participar do projeto?

andrepoa2002
andrepoa2002
2 anos atrás

Se for a versão M1A1 com os devidos retrofit’s 54 milhões é um bom investimento. Os Humvees também podiam vir juntos.

Alex
Alex
2 anos atrás

Verdade, os M1A1 seria uma novidade para nós e necessitaríamos de todo um treinamento e ferramental para a manutenção, mas os 2A6 não seria muito diferente, tem especificações parecidas ao M1A1 e o ferramental que temos na fábrica de Santa Maria é voltada para O leopard 1A5 que é totalmente diferente em tudo aos 2A6. Logo não podemos escapar desta cituação, então o que tem para ser discutido é o preço com o custo beneficio de cada um.

Baschera
Baschera
2 anos atrás

Rheinmetall se posiciona no mercado.
Adquire 55% do setor de blindados da BAE Systems UK.

https://www.bbc.com/news/business-46946413?SThisFB&fbclid=IwAR3rX_obKxhjuesusWX1iOlF0n8DVWzSguOZxYGqNmVJPJtZD9fXs-xF_gI

Sds.

Mauricio R.
Reply to  Baschera
2 anos atrás

Será uma excelente ferramente para contornar as restrições globalistas e politicamente corretas dos governos alemães e da UE, as exportações de material bélico.
Exportar pelo Reino Unido do Brexit.
Genial!!!!

Baschera
Baschera
2 anos atrás

A KMW está desenvolvendo um novo tipo de MBT. A imprensa cita dois possíveis polos para a fabricação. Brasil (Santa Maria-RS) ou a cidade-estado de Cingapura.

http://www.defesanet.com.br/leo/noticia/31837/Alemanha-x-Estados-Unidos—A-Batalha-dos-Carros-de-Combate-no-Brasil/

Sds.

william
william
Reply to  Baschera
2 anos atrás

Seria para a fabricação do LeclercPard??

Flávio Henrique
Flávio Henrique
2 anos atrás

Dúvido muito que essa infraestrutura sirva para o Leo2… A comunidade das duas famílias são alguns itens que eram do Leo2A4 que foram adaptados para o Leopard 1 originando a versão 1A5… Claro se esses itens ainda forem usados nas versões mais recentes do Leopard 2…

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
2 anos atrás

OFF-TOPIC
Pau comendo na Venezuela. Vários países da região, inclusive o Brasil reconheceram o Guaidó

Maduro pode cair a qualquer momento!!!!

Delfim
Delfim
Reply to  Marcelo Andrade
2 anos atrás

Me avisem quando começa a guerra civil na Venezuela para eu comprar um balde de pipoca e uma big coke 3 litros.

Jorge alberto
Jorge alberto
2 anos atrás

Serio… Pessoal acha q comprar MBT (ou outro equip militar), eh como comprar carro usado… Rs

Nao tem “recebimento”: transporte, limpeza, colocar p operar, treinamentos, manutecao, treinar manut, doutrina, peças de reposicao, etc…etc…

Acham mesmo, q eh so receber e usar… Rs

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
2 anos atrás

“O primeiro motivo seria o fato da alta dependência gerada em relação à indústria bélica estadunidense”

Parei de ler em estadunidense, o cara já se entregou aí… como se o leopard não gerasse dependência da kmw da Alemanha que atualmente é mais contra o Brasil

Felipe
Felipe
2 anos atrás

Senhoras, senhores. Isso é fantasia minha ou o Brasil se encontra em uma corrida armamentista com materiais bélico made in USA? Parece estar se preparando para um conflito iminente… me parece que os EUA e Israel não estão se tornando nossos “amiguinhos” só porq gostam de nós. Ao menos nos veem como um país forte e capaz, pois assim não estariam perdendo tempo conosco.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Felipe
2 anos atrás

Israel está muito interessado em combater o financiamento do Hezbollah… Há indícios que organizações criminosas na América do Sul faça parte do sistema de financiamento do grupo, sendo que essas mesmas atuam no Brasil…

Wilson França
Wilson França
Reply to  Felipe
2 anos atrás

Parabéns, você merece o troféu “alucinação” do dia.
Corrida armamentista???
O que o Brasil está fazendo é meramente substituir, a passos lentos, material obsoleto. Não vai se tornar uma potência militar porque, mesmo num governo recheado de militares, dinheiro para isso não dá em árvore.

WIL
WIL
2 anos atrás

Muito caro para manter, a verba do exercito vem do dinheiro publico, e esses MBT’s nao sao tao boms, sao mais novos e melhores em alguns aspectos mas ainda sim seria desperdício de tempo e dinheiro adquirir eles

José Luiz
José Luiz