Home Noticiário Internacional Rompeu-se o elo entre governantes e governados

Rompeu-se o elo entre governantes e governados

3799
63

(The WorldPost, uma parceria entre o Instituto Berggruen e o Washington Post, 9 de fevereiro, 2019, por Nathan Gardels, Editor-Chefe)

Na semana passada o Instituto Berggruen recebeu o sociólogo espanhol Manuel Castells para um debate sobre o seu novo livro Ruptura: A Crise da Democracia Liberal, Castells argumenta que aquilo que testemunhamos hoje no mundo ocidental não é uma mudança normal de ciclos políticos, mas uma ruptura histórica da relação institucional entre governantes e governados. Por ora ele não consegue vislumbrar no horizonte nenhuma relação que possa substituir as antigas formas de representação, apenas fragmentos dos antigos partidos convencionais e populistas emergentes que lutam para colocar seu time no poder através do exaurido mecanismo de disputas eleitorais, cada vez mais desacreditado.

“Onde estão as novas instituições merecedoras de nossa confiança?”, perguntou o famoso acadêmico da sociedade em rede. Em vez disso, ele constata que os cidadãos estão agindo de maneira autônoma por meio das novas tecnologias. “Eles estão usando a capacidade de comunicação entre si, de deliberação e tomada de decisão em conjunto que hoje está à nossa disposição graças à ‘Galáxia da Internet’ e colocando a enorme riqueza de informações e conhecimento em práticas que auxiliam a gerir os nossos problemas”.

No entanto, como o neurocientista Antonio Damásio mencionou em uma pergunta, essas mesmas redes de participação social que desempenharam um papel fundamental na superação da antiga ordem e são agora a plataforma-padrão de autogovernança não são conduzidas primariamente pelo discurso racional, mas pelos mesmos impulsos emocionais que atuam nas redes neurais da mente, às quais elas estão agora conectadas. Elas são, de fato, extensões protéticas e amplificadoras da natureza humana. Onde reinam as emoções sem a mediação da razão, proliferam o medo, o preconceito, o ódio, a desinformação e o pensamento mágico.

Essa observação levou, por sua vez, a perguntas sobre bots e sobre se a interferência russa por meio das redes sociais teve realmente impacto nas eleições americanas de 2016. Castells considera que não. Se a antenna do receptor já estivesse aberta e fosse simpática à mensagem que se transmitia – quer fosse verdadeira, quer falsa – essas intervenções teriam impacto. Mas, se não, elas não teriam efeito. Poucas cabeças teriam mudado de ideia de um jeito ou de outro.

A influência sobre corações e mentes não vem tanto do conteúdo da informação, mas daquilo em que as pessoas estão dispostas a acreditar com base em seu aspecto meta-informacional. Sem o ressentimento acumulado contra as elites, as quais percebiam como afrontosas à sua dignidade, aqueles a quem Hillary Clinton chamou de “deploráveis” não teriam sido, logo de início, receptivos às mensagens negativas.

Por essa razão, Castells vê a histeria quanto à intromissão russa como distração em relação ao âmago da questão, como pode ser o caso com as próprias fake news. Nenhuma quantidade de policiamento da internet pode reparar o problema fundamental. Não são os fatos, mas a imagem que as pessoas têm do mundo e do lugar que nele ocupam que determina aquilo em que estão dispostas a acreditar. Não são ideias superiores ou informações melhores que irão sobrepujar os trolls. A disputa que interessa se dá em torno do poder das metáforas e das imagens, que são fortes o suficiente para manter as comunidades unidas – ou dilacerá-las.

Muitas pessoas tendem a apreender a realidade pelo que nos afeta metaforicamente. Compramos uma narrativa não tanto por contrabalançar argumentos, mas pela conexão emocional à imagem com a qual queremos ser associados, que confere prestígio, dignidade e identidade às nossas vidas e faz reluzir algum prestígio em nossa história. Como escreveu o filósofo Régis Debray: “É o simbólico que cria o vínculo social, não o inverso”.

O poder da associação metafórica através dos símbolos é óbvio na vida cotidiana: da loucura por iPhones na China (até recentemente) aos modismos dos adolescentes e às tatuagens. É evidente na maneira como os automóveis são comercializados. O Subaru é para famílias amáveis e calorosas ou para casais em contato com a natureza. O Tesla é para o “double green” – o rico com consciência ambiental. Uma picape “robusta” da Ford é para pessoas austeras, que não pertencem à elite e têm de trabalhar com suas próprias mãos.

As guerras culturais pela custódia das percepções na América contemporânea estão sendo travadas no nível da metáfora.

Numa época anterior, a visão vaga de Barack Obama sobre a “esperança” capturou a imagem de uma América diversificada que finalmente reconciliava-se consigo mesma. Mas isso serviu para consolidar um eleitorado de oposição que se sentia excluído dessa repactuação e alienado de sua narrativa. Como símbolo, o “muro” de Donald Trump, erguendo-se acima do turbilhão dos fatos, aponta para uma série de associações, de racismo e xenofobia, passando por incertezas físicas e econômicas até uma profunda aversão à classe cosmopolita que cultiva sentimentos liberais. Essa é a razão por que grande parte da oposição ao “muro” que fala razoavelmente sobre túneis, drones e procedimentos de asilo, embora esteja substancialmente correta, não toca no ponto principal.

É claro que, ao fim e ao cabo, as associações simbólicas só podem continuar a unir as comunidades se sua promessa não se desviar excessivamente da realidade. Se a lacuna for muito grande, o elo se rompe. Para conseguir entregar algo do que prometeu, uma governança sólida deve estar por trás do vínculo simbólico. Essa é a razão por que os fatos fidedignos e as instituições imparciais exigidos pelo discurso público racional são, em última instância, essenciais para alcançar o consenso de governo e evitar o suicídio de repúblicas.

Castells duvida que possamos retornar a essa possibilidade de consenso, pois o elo institucional entre governante e governado está terminantemente rompido. Somente a vasta estrutura de transmissão emocional das redes sociais permanece como espaço público relevante.

Ao final do seu livro, Castells sugere que abandonemos a tentativa de construir uma nova ordem e, em vez disso, nos dediquemos a “configurar um caos criativo em que aprendemos a fluir conforme a corrente da vida em vez de forçá-la a se moldar às burocracias e programá-la em algoritmos”. Em sua última linha: “Talvez aprender a viver no caos seja menos prejudicial do que se conformar à disciplina de mais uma ordem”.

Ruptura: a crise da democracia liberal

Manuel Castells, professor e catedrático de Tecnologia e Sociedade da Informação da Universidade da Carolina do Sul, professor emérito de sociologia na Universidade da Califórnia, Berkeley, e membro do St. John’s College, Cambridge – novembro de 2018, Polity, 176 páginas.

Descrição

A maioria dos cidadãos no mundo de hoje não confia em seus representantes políticos, nos partidos políticos tradicionais, nas instituições políticas estabelecidas nem em seus governos. Essa crise generalizada de legitimidade está por trás de uma série de mudanças dramáticas que ocorreram nos últimos tempos no cenário político global, como a inesperada eleição de Donald Trump, o Brexit, a extinção de partidos políticos tradicionais e a eleição de um outsider político na França, a transformação do sistema político na Espanha (incluindo o movimento de secessão na Catalunha), a ascensão da extrema direita na Europa e os desafios nacionalistas que ameaçam a União Europeia.

Neste livro curto, mas abrangente, Manuel Castells analisa cada um desses processos e examina algumas das causas potenciais da insatisfação das pessoas em relação às instituições da democracia liberal, incluindo os efeitos da globalização, o impacto da política midiática e da internet, o aumento da corrupção de políticos, o isolamento da classe política profissional em relação à sociedade civil e a crítica da ordem existente por novos movimentos sociais.

Também examina o impacto do terrorismo global e da guerra sobre a xenofobia e o racismo, que estimulam a irrupção de extremismo numa proporção crescente da população. O fato de que muitas dessas tendências estão presentes em contextos muito diferentes sugere que estamos testemunhando uma crise profunda do modelo de democracia que foi a pedra fundamental de estabilidade e civilidade no último meio século.

63
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
51 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
29 Comment authors
Francisco Lucio Satiro Maia PinheiroPaulo CostaDr. MundicoTomcat véio de guerra_RR_ Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
paulo
Visitante
paulo

mudanças sempre houveram no mundo, e a internet é apenas mais uma. o bom dessa força, à disposição de todos, é que as liberdades individuais ganharão mais espaço, e os ditadores de “direira” e “esquerda” não dominarão ao bel prazer de suas vontades, como antes.

Delfim
Visitante
Delfim

Para mim, o estopim comum das Revoluções Francesa, Americana e a revolta dos coletes amarelos são os impostos.

Dodo
Visitante
Dodo

Sim, porém acho engraçado que os mesmos liberais que dizem que “imposto é roubo”criticam ps socialistas que creem que a população de uma nação tem direito a viver em seu território sem pagar um tostão por nada. Não existe isso, não há almoço grátis, como espera que uma nação sobreviva são a coleta de impostos?

Delfim
Visitante
Delfim

Benjamim Franklin declarou que morte e impostos são inevitáveis. Ok.
Mas quando o Estado abusa o povo ai pra rua.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Muito interessante.
O fato é que a insatisfação é geral.
As democracias liberais realmente estão se esgotando, visto que já não apresentam mais soluções para as situações de representatividade política e muito menos para os graves problemas econômicos e sociais que se agravam no Mundo todo.
Aguardemos o desenrolar da História.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Na verdade as ditaduras ou governos libertinos, trasvestidos de democracia mas verdadeiros comunismos onde só quem faz parte da turma e ou faz parte de movimentos ideológicos, militâncias e afins se dá bem ,é que estão acabando. As pessoas de bem e respeito estão voltando a lutar pelo que acreditam em detrimento às idéias toscas da globalização mundial e suas ideologias .

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Tomcat 4.0,

E desde quando globalização é ruim? Se não fosse ela provavelmente estaríamos vivendo nas cavernas, afinal a interação entre povos, quer seja pacífica ou não, ajudou a difundir o conhecimento entre povos, conhecimento que permitiu ao homem curar doenças, produzir alimentos, máquinas e domar a natureza em sua volta.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Ainda fiu objetivo ao mencionar “…idéias toscas da globalização e suas ideologias” em momento nenhum disse ser ruim ou boa. Óbvio que a interação e compartilhamento de informações úteis são grandes ganhos.

Foragido da KGB
Visitante
Foragido da KGB

Caro Tomcat4.0 , o que voce descreveu em seu comentário foi o Globalismo e não Globalização . É comum as pessoas confundirem os conceitos , mas, com um pouco de leitura e estudo é fácil entender as diferenças. Faço uma breve explicação aqui nos comentários… abraço cordial.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Obrigado pelo esclarecimento meu caro.

Foragido da KGB
Visitante
Foragido da KGB

Vejo que aqui confundem Globalismo com Globalização. São conceitos totalmente diferentes . Resumindo, o primeiro é uma aberração político ideológica de um governo mundial único, sem soberania , sem fronteiras , com lideres não eleitos escolhidos a dedo pela supremacia esquerdista.
O segundo é único e totalmente econômico que beneficia e fomenta o comércio e o desenvolvimento entre nações . Então são conceitos com ideias e práticas antagônicas , isso num resumo prático. Capiche ??

Dodo
Visitante
Dodo

Perfeito Esse comentário! É exatamente isso, uma coisa é diferente da outra

João Reghin Neto
Visitante
João Reghin Neto

Você está confundindo Globalização com Globalismo. Se de propósito ou não, não sei.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Realmente interessante, devido as últimas eleições, fiquei animado em conhecer mais sobre a política liberal e nesse momento estou lendo o livro As 6 Lições de Mises, engraçado é que um pouco que comecei a ler, já me clareou muita coisa que antes eu lia e não entendia (ficava boiando), um exemplo é a questão das tarifas sobre produtos importados e subsídios para produção nacional, como a questão do leite em pó que está sendo comentada essa semana e de como o governo acaba interferindo quando decide regular o mercado através do controle de preços e incentivos. *Para quem quiser… Read more »

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Mises é apenas uma abstração acadêmica sem aplicação prática no dia a dia das pessoas e das nações.
No caso da importação do leite, o Governo teve de recuar, pelo simples fato de que a indústria nacional do setor quebraria e não teríamos nenhuma contrapartida dos países que exportam para o Brasil.
Infelizmente, é assim que o Mundo funciona.
Vc abre o mercado do seu País, mas o vizinho não abre o dele.
É simples assim.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Antonio, concordo em partes com seu comentário, discordo sobre o primeiro e segundo parágrafos e concordo sobre o terceiro e quarto.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Ok. Esse é um assunto muitíssimo complexo.
Tanto é verdade que existem diversos organismos internacionais com milhares de profissionais altamente qualificados que vivem em intermináveis reuniões onde, normalmente, não sai consenso nenhum. Vide a OMC.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Está errado toinho, já ouviu em cadeia logística, distribuição, marketing vendas e tudo o mais que teria que ser feito no Brasil, para que esse leite estrangeiro fosse vendido aqui? Mises é sim completamente aplicável na prática, basta se saber um pouco de economia. Se importar demais fosse um problema, os EUA seriam mais pobres que muitos países da África.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Prezado Defensor.
Se formos levar ao limite essa teoria, o que Brasil exportaria e o que importaria?
Em termos gerais, exportaríamos soja, café e carne e importaríamos o resto de todas as coisas que consumimos.
É de se imaginar que sempre existe um País que produz, carros, pneus, celulares, computadores, produtos químicos, cimento ou seja lá o que for, melhor que nós.
Esse jogo não é apenas uma troca do que produzimos melhor com o que o outro produz melhor.
Afeta conhecimento, capital e muitos milhões de empregos.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Já ouviu falar em setor de serviços? Os carros da Ford e da Volks, os computadores da Dell, as máquinas agrícolas da Caterpillar precisam de mecânicos para conserta-los. E é aí que nós entramos, com mão de obra altamente especializada para trabalhar no setor de serviços. Sinceramente eu prefiro ganhar 3 mil reais costurando roupas personalizadas em uma lojinha da 25 de Março, do que apertando parafusos numa montadora no ABC para ganhar salário mínimo.

Doug385
Visitante
Doug385

Falou o cara que acredita em Marx…

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Visitante
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro

Se bem que Marx também já se pronunciou contra barreiras tarifárias.

Daglian
Visitante
Daglian

Satisfeitos mesmo estão os cidadãos da Coréia do Norte e China. Coitados dos pobres países sob o jugo das democracias liberais! Eles todos clamam por uma boa e velha ditadura e um grande líder como Xi Jinping ou King Jong Un! Patético. Democracias são assim: quando há insatisfação, trocam-se os líderes, e assim a roda gira. O problema não é haver insatisfação, mas sim ela existir mas ser suprimida por meio da força como ocorre em ditaduras. Xings, eu realmente me pergunto se você ganha dinheiro para postar seus comentários, porque não é possível que alguém em sã consciência acredite… Read more »

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

E os argentinos também.
Hoje estão ocorrendo manifestações pelo País contra a fome e os tarifaços do Governo.
Essa notícia está nos sites de agora 13/02/19 às 18:00 horas.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Ainda assim, os argentinos não querem ver a “chefa” da famiglia mafiosa dos Kirchners nem pintada de outro. E no dia que ela sair do senado o camburão da polícia encosta na porta dela

Wilson França
Visitante
Wilson França

Os da China já estão melhores que os daqui.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Wilson, talvez uma pequena fração dos 1,4 bilhões de habitantes.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Texto interessante, o mundo está em transformação acelerada se mutando em algo melhor em algumas partes e muito pior em outras. A mesma tecnologia que nos une está, devido a erro por nossa parte em não sabermos desfrutar conscientemente, nos matando e mutilando mundo afora dia após dia vide a quantidade e variedade de acidentes provocados pelo uso de Smartfones em locais e ou momentos impróprios e de maneira compulsiva. Até havia começado a escrever um livro relatando estas coisas mas parei no meio do caminho ,o título era “O mau do Século” .

Doug385
Visitante
Doug385

Nem me fala. Dia desses vi uma batida de carro em pleno congestionamento, a 2 km/h! Ocorreu por distração com smartphone.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Tem vídeo de trocentos atropelamentos de japoneses por andarem nas ruas digitando em celular. Passo por caminhoneiros o fazendo ao volante, motoristas de uber, motociclistas e afins.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Tenho 27 anos, eu não votei nas últimas 4 eleições. Alguns ( muitos, eu imagino ) vão me chamar de isentão´´, ou omisso. Mas a verdade é que….eu simplesmente não me identifico com nenhum candidato, não me vejo representado em nenhuma proposta, em nenhuma política governamental. Vou fazer uma pergunta a quem ler meu comentário….qual a última vez em que você se identificou com algum candidato? Qual a última vez em que você realmente quis votar, e não foi votar só pra pagar multa? Qual a última vez em que você se sentiu que o governo, seja em qual esfera… Read more »

cwb
Visitante
cwb

Willber:
O maior estadista que esse país já teve se chamava D.Pedro II,sei que muitos ficarão ofendidos pelo meu comentário.
O resto que veio depois disso não serviriam para limpar as botas dele…
Mas não perco a esperança que um dia teremos alguém à altura das demandas de nosso povo.
abraço

Tomcat véio de guerra
Visitante
Tomcat véio de guerra

cwb, concordo 1.000%!!!! Ainda não tivemos ninguém à altura de Dom Pedro II…

tony
Visitante
tony

Sempre votei no PSDB, pois era o menos ruim, mais desta vez, me identifiquei com o bolsonaro, e pela primeira vez ate trabalhei pra politico, me identifiquei com varias das propostas dele.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Nas últimas 3 eleições presidenciais sempre votei contra o partido que estava no poder, sempre buscando o “voto útil”. Mas nesta última eleição, me identifiquei bastante com o programa de governo, principalmente mais Brasil e menos Brasília…mas na área de educação (tenho um filho de 13 anos que estudou em escola pública até o ano passado), segurança, diminuição do estado….me chamou a atenção suas propostas…. inclusive”trabalhei” nas redes sociais para ajudar. Enfim, sei que o atual governo dificilmente conseguirá implantar todas as mudanças propostas, infelizmente, mas tenho a esperança que coloque o país nos trilhos, não mais por mim e… Read more »

Wilson França
Visitante
Wilson França

Seu sobrenome é perfeito.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Isso foi pra mim ????

cwb
Visitante
cwb

Se olharmos o passado as democracias europeias foram obrigadas a se fortalecerem devido a ameaça que o comunismo representava.Ficava na dívisa das duas alemanhas esse embate ideológico. Com o colapso soviético houve um relaxamento por parte da sociedade a uma guerra eminente,o politicamente correto foi se enfronhando e minou a base sólida dessas sociedades.A imigração desordenada colocou mais uma variável,no qual o cidadão comum se viu solapado de suas crenças e valores. Hoje os políticos que vem nessa tocada liberal social estão esbarrando no cidadão que acredita que seu país é dele,pois pagou impostos e deu seu trabalho para edificar… Read more »

tony
Visitante
tony

concordo com tudo que vc falou cara !!!

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

O fato é que o estado em si é um problema, ao querer induzir seu povo a se misturar com pessoas que não desejam, uma espécie de coletivismo forçado, quando esse deveria ser natural e espontâneo,pois rata-se e uma caraterística humana a interação com outros de sua espécie. Dúvidas quanto à isso? Só pesquisar pela grande convivência entre judeus, árabes e cristãos na Espanha durante vários séculos. Eu não conheço uma única forma de governo que não fracassou ainda, que não enfrentou revolta de seu povo. A história está fartíssima de fatos como esse. Logo o problema não é as… Read more »

ADRIANO LUCHIARI
Visitante
ADRIANO LUCHIARI

Creio que o problema está nas pessoas sim, uma vez que estados e governos existem e funcionam em função e por ação delas. A humanidade, nos últimos cem anos, avançou mais em todos os campos da nossa compreensão do que em todo período decorrente desde os primeiros homo sapiens. O progresso material e tecnológico foi enorme, mas em essência a Humanidade e o espírito humano não evoluíram na mesma razão. Continuamos os mesmos seres primitivos de 10.000 atrás.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Como dizia Platus, ou Hobbes, como queiram : ‘Homo homini lupus’.
‘O homem é o lobo do homem’.
Contra isso, só o Estado forte. Caso contrário, teremos a barbárie.
Não há como fugir disso.

ADRIANO LUCHIARI
Visitante
ADRIANO LUCHIARI

Não creio que um Estado forte seja a solução, meu amigo. Estados fortes como conhecemos são normalmente autoritários e interveem em todos os setores da sociedade, em nome da justiça e igualdade. Tampouco as religiões, apesar de suas boas intenções que, acompanhadas de determinadas ações evitam a barbárie maior, conseguiram até hoje a convivência harmônica e justa dos homens. Só um novo estágio do consciente coletivo, algo que acontece de tempos em tempos através da nossa evolução como espécie, nos levará a reconhecer que cada um de nós somos únicos e especiais independentemente de raça, credo ou nacionalidade, e merecedores… Read more »

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

O que vc diz é extremamente coerente. Concordo.
Refiro-me ao Estado forte não como totalitário, mas como o Estado presente para intermediar essas relações que via de regra são conflituosas.
Sds.

PauloSollo
Visitante

Então porque defende tão apaixonadamente o regime chinês e o venezuelano que são absolutamente totalitários? Eles não intermedeiam, eles impõem. Em todos os países que estiveram sob o jugo do “estado forte”, o povo foi oprimido e massacrado, com o Estado governando com mão de ferro e tratando a população como um recurso a ser manipulado de acordo com a vontade dos opressores. Conflito de relações é algo inerente a própria condição humana e têm seu papel no desenvolvimento e no progresso da humanidade, e esta utopia nefasta de achar que um Estado forte deve acabar com relações conflituosas é… Read more »

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

O ambiente político mundial não permite essas ‘liberalidades’. Mas, com o desenrolar da História, o aumento do poderio e da influência chinesa no Mundo talvez possamos imaginar algumas mudanças de modo a aumentar a participação popular direta nas políticas do País. Por enquanto, eles utilizam uma espécie de centralismo democrático. Lembre-se do que ocorreu com a Revolução Russa ou a Guerra Civil Espanhola. Deram uma brecha e os países ocidentais logo se meteram contra os revolucionários (no caso da Rússia) ou foram omissos na defesa do Governo republicano espanhol. A China está bem esperta e não vai deixar isso acontecer.… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

“Estado Forte” para você é sinônimo de ditadura totalitária Xings!

E francamente não estamos interessados em ditadura

Alessandro
Visitante
Alessandro

Defensor da Liberdade, sem querer dar uma aqui de defensor do Estado, mas nesse caso vc está se precipitando, pq quem faz o Estado são as PESSOAS, e portanto o problema está nas IDEIAS que esses indivíduos criam e tentam coletivizar obrigando quem não gosta a aceitar, por isso vemos no mundo tantos conflitos que o Estado não consegue resolver, pq o Estado não é uma pessoa física, é apenas um Organização de natureza política e econômica com poderes soberanos, escolhidos por esse conjunto de indivíduos.

Matheus Santiago
Visitante
Matheus Santiago

A discussão sobre a natureza tirânica do Estado está representado nesse seu mesmo texto, atente-se bem:”pq quem faz o Estado são as PESSOAS, e portanto o problema está nas IDEIAS que esses indivíduos criam e tentam coletivizar obrigando quem não gosta a aceitar”. Basta que um “ungido” entre no cargo máximo da nação e desvirtue a base moral que rege a sociedade e pronto, o resultado é catástrofe, portanto, em tese nada impede que um maluco tirânico tome o poder por um golpe ou democraticamente e faça valer suas máximas imorais e consiga impôr a todo um povo, pela presença… Read more »

Alessandro
Visitante
Alessandro

Sim Matheus, eu reconheço que vc tem sua razão e tocou o dedo na ferida, esse é o lado negativo das democracias aonde o Estado é muito presente ou até onde se tem menos, mas mesmo assim quem colocou o “maluco” lá foi a maioria desses indivíduos, e portanto, a culpa continua sendo desses indivíduos. Não sou adepto do “Estado forte” ao contrário, hoje eu prefiro o menos possível de poder ao Estado, e concordo inteiramente com seu comentário.

tony
Visitante
tony

Fermi chama esse momento de “O GRANDE FILTRO” e pelo andar da carruagem nos samos uma civilização estagio 3 que ele chama de ” estamos ferrados “

Alessandro
Visitante
Alessandro

O que eu vejo é uma guerra cultural contra os ideais “progressistas”, que é formado por uma elite globalista, que financiam e contam com o apoio maciço da esquerda marxista mundial, e juntos dominaram de forma bem organizada, boa parte dos setores do Estado de seus respectivos países, para fazer seu ativismo diário de destruir a cultura ocidental, que eles veem como o seu verdadeiro inimigo para implantar um governo único sem fronteiras. E contra eles está do outro lado se rebelando contra esse sistema, os liberais/conservadores (não confundam liberais com libertários, pois esse último está do lado globalista), cansados… Read more »

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Libertários globalistas é invenção da sua cabeça, simplesmente não faz nenhum sentido com os pontos defendidos por eles.

Alessandro
Visitante
Alessandro

“Defensor da liberdade” eu acredito que a maioria dos libertários não compactua com a esquerda nos cantos obscuros da vida

mas uma pergunta básica para vc: quantas vezes vc foi confundido e acusado aqui na trilogia, por expor suas ideias libertárias nos comentários, com um canhoto típico marxista??

Para vc ajudar um “progressista, globalista, comunista”, não precisa ser um deles, basta apenas ser COLABORADOR de seus ideais libertinos.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Libertários não defendem nada libertino, você precisa realmente estudar o libertarianismo mais à fundo, os libertários só não querem meia dúzia de iluminados interferindo no mais intimo da vida das pessoas, como se faz absurdamente hoje. E brasileiro não serve de régua para medir nada, aqui os caras acham que a mulher é estuprada por que mereceu, por que estava usando uma saia mostrando as pernas.

Alessandro
Visitante
Alessandro

Defensor, já que vc não teve coragem de responder minha pergunta, então eu respondo, eu e vários outros comentaristas cansamos de ver vc DEFENDER os INTERESSES de alguns marxistas aqui na trilogia, depois tu reclama quando é comparado com eles e não sabe pq é acusado, vcs libertários são assim, COLABORAM com a esquerda marxista seguindo a NARRATIVA deles, como por exemplo esse último exemplo que vc dá sobre: “aqui os caras acham que a mulher estuprada por que mereceu pq estava usando uma saia….” típica coisa dita pela esquerda “progressista” para justificar os atos insanos deles, para fazer a… Read more »

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Cara! Hoje vc está, particularmente, ‘inspirado’.

_RR_
Visitante
_RR_

Prezados, O que está entrando em colapso definitivo é o modelo social democrata… e não é de hoje… A social democracia já vem dando sinais de esgotamento desde os anos 80, com a retração dos modelos econômicos então adotados associados a Estados absurdamente paternalistas, e Grécia, Itália e mais recentemente França são somente exemplos do que ainda está por vir. Uma forma de garantir uma sobrevida, seria partir para reformas aos moldes das realizadas pelos suecos e neozelandeses ( o modelo da Nova Zelândia é mais interessante ), com um enxugamento da máquina pública e concentração de recursos somente em… Read more »

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

O dramaturgo italiano Luigi Pirandello (Nobel de literatura em 1934) escreveu uma peça teatral intitulada “6 personagens á procura de um autor’, e esse título bem se encaixa no entendimento da atual crise mundial de representatividade. Ao que parece, as atuais ideologias e suas variadas vertentes não oferecem mais respostas ou soluções para velhos e novos problemas, e pior que isso, dificultam o entendimento e posicionamento do homem moderno diante de novos métodos e sistemas econômicos e produtivos. Enfim, estamos entrando numa era de impasse, descrença e desilusão. Considero esse niilismo social a principal característica da vida moderna, onde o… Read more »

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Fora união europeia e Fora globalistas kkk